Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

ALERTA MÁXIMO: personagem de videogame tem bunda! PÂNICO!

Postado em 29 March 2016 Escrito por Izzy Nobre 44 Comentários

save

Tá vendo essa mina aí em cima? Essa é a Tracer, uma personagem do FPS Overwatch, da Blizzard. Essa é uma das poses de vitória que a menina faz no jogo, após ganhar uma partida. Ou é após matar um oponente? Nem sei, não joguei a parada ainda. Tá em beta fechado.

Acontece que a calça revela que a garota tem uma bunda. Aí já viu — a mesma galera que insiste que ninguém pode ser julgado pela escolha de roupas (de fato, insistem que devem ir pra onde quiserem com qualquer roupa que acharem melhor e ninguém pode fazer generalizações sobre seu caráter por causa disso) insiste que essa escolha de roupas determina que a Tracer é nada senão um objeto sexual.

Eu não sou o primeiro e nem serei o último a apontar a dissonância cognitiva (pra não dizer esquizofrenia mesmo) de “A MINHA ROUPA NÃO DETERMINA QUEM EU SOU, PARE COM ESSE SLUTSHAMING!” e “SE A MOÇA TÁ MOSTRANDO A BUNDA OBVIAMENTE ELA É APENAS UM OBJETO SEXUAL”. São duas idéias claramente, fundalmentalmente, opostas; se não se pode fazer julgamento de caráter de uma mulher pelas roupas que usa, não se pode resumir a Tracer a “objeto sexual” por causa de suas calças, e nenhuma quantidade de ginástica retórica mudará esse fato inegável.

Eu imagina a confusão na cabeça de uma garota criada por essa gente; por um lado a mãe INSISTE que é de boa a menina ir pra escola de shortinho, por mais relevador que seja, porque ela está em seu direito, porque a feminilidade (?) tem que ser celebrada, que ninguém tem direito de falar como ela deveria se vestir, etc e pá e tal. Aí a menina vai jogar Overwatch e a mãe tem um ataque de nervos ao ver o bumbum da personagem que a menina adora.

Olha mãe, ela é que nem eu, ela veste o que quiser e que se dane os machistas!“, diz a garota, que será prontamente corrigida pela mãe (assim que ela terminar o textão no Fêice).

A questão principal aqui, eu acho, é que é extremamente bizarra essa obsessão em censurar arte. O subentendido é que a exposição da figura feminina é negativa — e por extensão, a própria figura feminina é então negativa –, e o ideal é que não houvesse reprodução de nenhuma imagem com cunho sexual, por mais leve que seja.

Outra parada que me deixa desgraçado da cabeça são as tentativas de “racionalizar” a censura, algo que deixa patente a falta de bons argumentos. Uns disseram que a pose “não combina com a personalidade dela”, o que falha em dois níveis diferentes — primeiro, Tracer é uma personagem de um universo completamente novo de um jogo que sequer saiu oficialmente. Fingir-se de biógrafo da personagem, como se ela tivesse uma longa história na qual você é especialista, não faz sentido.

Segundo, esse argumento insinua que alguém não pode ter uma personalidade sexual além de seus outros atributos psicológicos; ora, eu vi a Tracer sendo uma pessoa “totalmente normal” no jogo, COMO ASSIM do nada ela tem uma bunda e faz uma pose para mostra-la?!?!?!

De acordo com essa lógica ilógica, ou o personagem é um monge asceta, despido de qualquer libido, ou é uma prostituta rampeira de beira de estrada com toda a anatomia à mostra e pronta pra transar com o primeiro que passar pela frente (e sabemos muito bem que tipo de personagem essa gente preferiria).

Em resumo, o personagem jamais pode ter profundidade, mais de uma dimensão, exibir duas características distintas, não. Vá entender.

Outra tentativa de racionalização é dizer que a pose “não é realista”. Essa justificativa é uma velha conhecida dos fãs de HQ, constantemente assaltados por justiceiros sociais com cobranças seletivas de realismo em poses e uniformes (no contexto de histórias de alienígenas super poderosos e bilionários que lutam contra o crime vestidos de morcego). Similarmente sem sentido é a cobrança de “pose realista” num jogo com gorilas mercenários e roboôs budistas. Haja paciência.

Finalmente, sempre que critico esses fiscais de vestuário de pessoas fictícias é importante ressaltar que não adianta tentar agradar essa turma, eles são insaciáveis em seu desejo de “purificar a cultura”. Um dos desenvolvedores falou explicitamente que queria fazer um jogo que leve os conceitos de diversidade e inclusão, pensando inclusive na própria filha, mas não adiantou porra nenhuma porque, bem, olha o texto que estou tendo que escrever. Olha a Kotaku fazendo o que faz melhor, choramingando que as mulheres do jogo estão muito “sexualizadas” ainda.

Quais as soluções aqui?

  1. Não pôr mulheres no jogo, já que quase sempre algum desses sites especializados arruma motivo pra reclamar;
  2. Pôr mulheres no jogo, mas torna-las praticamente indistinguíveis dos homens, com vestuário e anatomia virtualmente idêntica, e assim derrotando completamente o propósito de ter mulheres no joog;
  3. Coloca as meninas, mas habilita uma opção pra jogar uma burqa por cima das personagens, ocultando todas as suas pecaminosas curvas;
  4. Manda tudo às favas já que tentativas de agradar esse público, constantemente, se mostram fúteis?

Eu iria de opção 4 daqui pra frente.

pronto

Ou joga uma burqa em cima. Mas vai lá, incentiva sua filhinha a ir de shortinho curto pra escola porque isso é um ponto moral importantíssimo.

E deleite-se na ironia de que num jogo em que você assassina outras pessoas com armas de fogo, o que realmente ofende é um bumbum vestido.

[ Update ] A Blizzard mandou um mea culpa. O resumo é “ah, pra ser sincero a gente nem queria mesmo aquela pose, então mudamos“. Eu acreditaria se não soubesse o quanto essas empresas tem medo dos ofendidos profissionais, então pra mim isso é um “ok ok vocês ganharam” com aqueles disfarces de óculos, nariz e bigode. Eu arriscaria dizer que não há sinceridade alguma nesse negócio, só querem apagar as tochas da turba.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: A internet é foda

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 32 anos, também sou conhecido como "Kid", e moro no Canadá há 13 anos. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas, e sobre notícias bizarras n'O MELHOR PODCAST DO BRASIL. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

44 Comentários \o/

  1. C says:

    Eu admiro a paciência desse pessoal. Se fosse eu, jamais iria colocar um negro, mulher, índio ou qualquer coisa que não fosse um cara genérico branco no meu jogo/filme. Não que eu tenha algo contra, só que simplesmente não vale a encheção de saco que dá já que vão reclamar DE QUALQUER JEITO mesmo

    • Takato says:

      Se tu faz isso, te acusam de racismo porque não tem diversidade racial/de gênero no jogo, logo, você é hetero cis branco machista opressor classe média e o novo Hitler.

  2. Israel Arrais says:

    O pior são as empresas dando créditos a esses jornalistas “gamers”, uma minoria politicamente correto que acaba falando mais alto devido a posições mais privilegiadas.
    Resultado? As empresas acham que essa é a opinião geral, que são uma maioria inconformada e revoltosa.
    Se eu fosse um desenvolvedor e a preocupação maior em relação ao meu jogo é a vestimenta de uma personagem, eu ficaria feliz, pois significa que fiz um bom trabalho.

  3. Cris says:

    Quando alguém fala sobre essas questões, eu costumo simplesmente perguntar pelo outro lado. Essa pose da personagem feminina seria ridícula num personagem masculino? A roupa da personagem feminina seria ridícula num personagem masculino? Os personagens masculinos do jogo fazem essa mesma pose? Usam o mesmo tipo de roupa? Na minha opinião se alguma coisa é considerada ridícula prum homem mas ok pra uma mulher (tipo pose de pin up) então vale uma reflexão.

    • Izzy Nobre says:

      É quase como se homens e mulheres usarem roupas diferentes e se comportassem de formas diferentes!!!!

      Seguindo a sua lógica um personagem feminino não pode usar vestido e um masculino não pode ter barba. Homens e mulheres são criaturas diferentes ora. Essa metodologia de “o que um faz o outro tem que fazer senão SEXISMO!” não faz sentido…

      • Cris says:

        Ué, durante séculos homens usaram saias e vestidos e mulheres não precisaram se depilar. Não significa que eu quero que personagens masculinas não tenham barba ou que personagens femininas não usem vestido; quero apenas que as personagens femininas não precisem ser extremamente sexualizadas. Tipo: você, carinha que acha normal uma personagem feminina com peitos literalmente do tamanho de melancias e cintura onde mal cabe o estômago usar apenas tapa sexo e tapa mamilo numa luta com um exército de monstros, o que diria se fizessem uma personagem masculina que usasse só tapa sexo e salto agulha pra enfrentar um monte de monstros? Acharia ridículo? Ok, é ridículo enfrentar um exército assim. Mas se você acha ridículo quando é com um homem, por que raios é normal quando é com uma mulher?

        A personagem citada não é tão sexualizada, verdade. Roupa de ginástica é mesmo a melhor opção pra lutas. Mas se me jogarem na cara uma personagem feminina com peitos maiores que o Pão de Açúcar, vestindo um sutiã minúsculo e um fio dental que mal e mal cobre as partes, usando saltos agulha e fazendo poses dignas da playboy enquanto briga com um exército, por favor não venha me dizer que eu estou vendo problema onde não tem.

        • ticomia says:

          troca o salto agulha por uma sandália e vc tem o kratos. faz barulho pra ele tbm, ele tem peitão de melancia e nem é mulher, cada braço que parece minha coxa e só usa uma tanga

          • Cris says:

            Feliz ou infelizmente, o Kratos na verdade está bem acurado -- não sei se você lembra mas os gregos antigos lutavam praticamente pelados.

        • Cardoso says:

          Err… você já viu como o He-Man se veste? Ou o Conan? Ou o rambo?

          • Cris says:

            Vi, e esses são casos (raros) que mostram o quanto é ridículo botar pessoas pra lutar seminuas, sem proteção pro peito, costas, ou cabeça só pra vender mais.

    • Humberto says:

      Mulheres e homens agem de forma igual? Obviamente não. Comparação idiota.

    • Israel Arrais says:

      Cara, a roupa dela é uma calça colante, muita usada em academias e exercícios físicos, pois facilita a locomoção das pernas da mulher.
      Quer refletir dessa forma mesmo? Essa reflexão só seria válida se o corpo masculino e feminino fossem iguais em todos os sentidos.

      • Cris says:

        A reflexão é tipo: você, carinha que acha normal uma personagem feminina usar apenas tapa sexo e tapa mamilo numa luta com um exército de monstros, o que diria se fizessem uma personagem masculina que usasse só tapa sexo e salto agulha pra enfrentar um monte de monstros?

        • André says:

          Existe sim nunca jogou Golden Axe? tem um cara só de tapa sexo lutando contra monstros, só não tem salto agulha, pena… =/

          • Cris says:

            Jura? Não, nunca joguei Golden Axe mas vou imediatamente procurar saber se isso é verdade… e não deixa de ser ridículo também.

    • Ricardio says:

      O nome disso é falsa simetria. Homens e mulheres não são tratados de forma igual; só pega como exemplo: se um cara cai na net comendo uma mina, com o pau de fora, ele é quase endeusado por essa turminha bosta da internet; se uma mina cai na mesma, ela é a vagabunda pra todo o sempre.

      Para de burrice, por favor.

      • Izzy Nobre says:

        >> só pega como exemplo: se um cara cai na net comendo uma mina, com o pau de fora, ele é quase endeusado por essa turminha bosta da interne

        [ Citation needed ]

        • Ricardio says:

          ???
          Pô cara, slutshamming! Coloca lado a lado o número de vídeos de homens que “caíram na net” contra o de mulheres, e vê quais recebem atenção geral da mídia, ou tem sites em abundância dedicados ao tema.
          Vai em qualquer postagem sobre o assunto, e leia os comentários. Ninguém trata o homem como um “vagabundo” sem moralidade, já com mulher? Vish.

        • LucasOIntoxicado says:

          Infelizmente eu não tenho como dar reply no seu último post dessa corrente de mensagens aqui. Então as respostas aos seus argumentos:

          — Mulheres recebem penas menores que homens pelos mesmos crimes

          Você percebe que isso é algo machista, né? A ideia de que mulheres são menos perigosas e ameaçadoras que homens, e por conta disso merecem penas menores é um óbvio caso de machismo. Você não verá UMA feminista defendendo esse caso

          — Mulheres ficam com a guarda dos filhos na maioria esmagadora dos casos MESMO quando o pai é uma opção melhor para o bem estar da criança

          http://amptoons.com/blog/files/Massachusetts_Gender_Bias_Study.htm
          A maioria dos casos em que mulheres recebem a custódia de um filho são porque o pai nem sequer tentou.

          “Fathers who actively seek custody obtain either primary or joint physical custody over 70% of the time. Reports indicate, however, that in some cases perceptions of gender bias may discourage fathers from seeking custody and stereotypes about fathers may sometimes affect case outcomes. In general, our evidence suggests that the courts hold higher standards for mothers than fathers in custody determinations.”

          — Gasta-se mais dinheiro de pesquisa e apoio governamental com saúde feminina

          Você está achando que existe uma batalha entre sexos ai. Pesquisas de saúde feminina não são inimigos de pesquisas de saúde masculina. Que tipo de pessoa sã seria contra gasto de dinheiro em pesquisa com saúde masculina? Isso deve ser mais falado e exigido, tu não verá mulher sã sendo contra isso.

          — Homens são OBRIGADOS a servir ao exército/lutar em guerras

          Mais uma vez você está achando que existe uma guerra contra homens.
          A grande maioria das pessoas são contra o alistamento militar obrigatório, inclusive mulheres/feministas. Nós homens devemos lutar para acabar com isso assim como mulheres lutam pelos seus direitos.

          — Homens são as únicas vítimas de fraude de paternidade

          Homens e Mulheres sempre serão diferentes. Homens não passam por gestações como mulheres, e obviamente mulheres não precisam de testes de DNA para provar que o filho que saiu da barriga delas é realmente delas.

          — Mulheres vivem MAIS que homens, e não apenas isso, mas consequentemente se beneficiam MAIS do que homens da rede de amparo social e previdência

          1º Isso é, mais uma vez, um problema machista, porque homens tendem a ir ao médico ver problemas de saúde menos frequentemente por acharem que podem lidar com problemas de saúde sem precisar de tratamento.(infelizmente não consegui encontrar uma fonte confiável para isso, peço desculpas pela falta de uma)
          2º: Apesar de mulheres viverem mais, elas acabam tendo mais dificuldades de saúde durante esse tempo a mais de vida
          http://edition.cnn.com/2016/03/17/health/women-live-longer-more-disabilities-study/

          — Em países onde aborto é legalizado, a decisão a respeito do destino do filho é inteiramente da mãe

          Se está no corpo da mulher, é natural que a opinião da mulher seja mais importante, já que afetará mais ela.

          — Câncer de próstata é MAIS agressivo que câncer de mama e recebe imensamente menos fundos de pesquisa

          Mais uma vez, você está achando que tratamento a câncer de mama é um inimigo do tratamento a câncer de próstata. Isso é sim um grande problema e que deve ser mais falado e exigido, com certeza.

          — Homens se matam MUITO MAIS que mulheres

          Homens são mais BEM SUCEDIDOS em se matar. O motivo por isso é porque homens tendem a usar formas mais definitivas para se matar, como armas de fogo.
          http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26147965

          — Falando em suicídio: existem MILHARES de Women’s Shelters ao redor do mundo pra amparar mulheres em más situações. Um sujeito resolveu abrir um pra homens aqui em Calgary. Foi o TÃO atacado e vilificado por feministas que fechou o projeto E se matou, deixando clara que a mensagem é “se você quer ajudar homens em situações matrimoniais ruins, dê entrada num caixão”

          Agora é você quem está fazendo cherrypicking. Oque aconteceu com ele foi algo horrível, sem dúvida, mas não é como se isso fosse o resultado da maioria das tentativas de criação de grupos de apoio assim.

          • Izzy Nobre says:

            >> Você não verá UMA feminista defendendo esse caso

            Não defendem e também não falam absolutamente NADA a respeito — se beneficiando da parada e perpetuando a injustiça.

            >> A maioria dos casos em que mulheres recebem a custódia de um filho são porque o pai nem sequer tentou.

            Um artigo de 1990 citando estatísticas de 1986. Taserto.

            >> Você está achando que existe uma batalha entre sexos ai. Pesquisas de saúde feminina não são inimigos de pesquisas de saúde masculina. Que tipo de pessoa sã seria contra gasto de dinheiro em pesquisa com saúde masculina? Isso deve ser mais falado e exigido, tu não verá mulher sã sendo contra isso.

            Falou, falou, e não disse nada. Meu ponto nào é que haja batalha entre sexos ou que mulheres sãs são contra isso.

            Meu ponto é que elas são privilegiadas nesse aspecto. Isso é um fato inegável.

            >> Mais uma vez você está achando que existe uma guerra contra homens. A grande maioria das pessoas são contra o alistamento militar obrigatório

            E entretanto 1) nenhuma feminista fala uma palavra sobre isso e 2) o ponto é que são privilegiadas nesse aspecto (enquanto pessoas como você se negam categoricamente a reconhecer tal privilégio, o que é cômico visto que insistem em apontar os dos outros)

            >> Homens e Mulheres sempre serão diferentes. Homens não passam por gestações como mulheres, e obviamente mulheres não precisam de testes de DNA para provar que o filho que saiu da barriga delas é realmente delas.

            Blá blá blá, novamente, não falou nada. Mulheres são privilegiadas nesse sentido, ponto. Curioso que se um homem é privilegiado é um ultraje total, quando mulher é “ahhh é que homens e mulheres são fundamentalmente diferentes né rsrsrs”

            >> 1º Isso é, mais uma vez, um problema machista, porque homens tendem a ir ao médico ver problemas de saúde menos frequentemente por acharem que podem lidar com problemas de saúde sem precisar de tratamento.

            Fonte: Arial

            Mulheres vivem mais e assim se beneficiam mais da rede de amparo social/previdência que homens. Em efeito, homens pagam MAIS por um serviço que não usarão. Fato inegável. Isso se chama “privilégio”. Sua “resposta” não responde isso.

            >> Se está no corpo da mulher, é natural que a opinião da mulher seja mais importante, já que afetará mais ela.

            Ou seja: ela é privilegiada. Foda-se o filho(a) do cara. Isso nào é igualdade — isso é privilégio.

            >> Mais uma vez, você está achando que tratamento a câncer de mama é um inimigo do tratamento a câncer de próstata. Isso é sim um grande problema e que deve ser mais falado e exigido, com certeza.

            Você não responde nenhum dos meus pontos, já percebeu? Estou citando fatos (não opiniões, FATOS) que mostram que em algumas esferas, mulheres são mais privilegiadas. Suas respostas são basicamente “ah, é assim mesmo mas fazer o que”.

            >> Homens são mais BEM SUCEDIDOS em se matar. O motivo por isso é porque homens tendem a usar formas mais definitivas para se matar, como armas de fogo.

            E voltando ao padrão, você não nega que mulheres estão em posição de privilégio. Você só explica/racionaliza o privilégio.

            >> Oque aconteceu com ele foi algo horrível, sem dúvida, mas não é como se isso fosse o resultado da maioria das tentativas de criação de grupos de apoio assim.

            Really?

            Faz um favor pra mim. Googla aí quantos women’s shelters existem.

            Googla agora quantos existem pra homens.

            Você pode dar como motivo pra isso X, Y, Z, A, B, C e o caralho — o ponto inegável, o FATO, é que mulheres estão bem amparadas nesse sentido. Homens não. E portanto, como meu ponto inicial dizia, em algumas esferas elas estão em vantagem.

            Homens tem vantagem em algumas coisas, mulheres tem vantagens em outras. Feministas fingem que elas só tem desvantagens e isso é patentemente desonesto.

  4. LucasOIntoxicado says:

    Deus, que tempestade em copo d’agua…

    Izzy, tu não acha mesmo que a equipe de desenvolvimento do jogo mudou a pose simplesmente porque UMA pessoa não gostou no Fórum, né? O jogo não só está em Beta(oque quer dizer que tudo ali está sujeito a mudar na versão final), como o próprio DIRETOR do jogo falou que eles já não eram fãs dessa animação.

    “We actually already have an alternate pose that we love and we feel speaks more to the character of Tracer. We weren’t entirely happy with the original pose, it was always one that we wrestled with creatively.”

    Link direto para o comentário completo dele: http://us.battle.net/forums/en/overwatch/topic/20743015583?page=11#211

    No fim das contas as pessoas que reclamam do “mimimi”(que termo estúpido) dos outros sempre são as pessoas que mais “mimimizam”.

    • Izzy Nobre says:

      >Izzy, tu não acha mesmo que a equipe de desenvolvimento do jogo mudou a pose simplesmente porque UMA pessoa não gostou no Fórum, né?

      Onde foi que eu falei isso no texto…?

      >o próprio DIRETOR do jogo falou que eles já não eram fãs dessa animação.

      …você leu meu texto?

      • LucasOIntoxicado says:

        Tu não acha cínico demais achar que a empresa mudou por causa da reclamação, e que eles mentiram em falar que eles já pensavam em mudar antes?

        Also, tu falou no seu update que as empresas tem medo dos “ofendidos profissionais”, mas olha só o estardalhaço que rolou de pessoas criticando a ação de remover a pose comparado com a reclamação da pose em si. A Blizzard teria muito mais a temer desse grupo de pessoas que ficou com raiva da mudança.

        • Izzy Nobre says:

          >Tu não acha cínico demais achar que a empresa mudou por causa da reclamação, e que eles mentiram em falar que eles já pensavam em mudar antes?

          É bastante coinciência que tenham mudado por causa da reclamação, não acha? É óbvio que um é consequência do outro.

          >Also, tu falou no seu update que as empresas tem medo dos “ofendidos profissionais”, mas olha só o estardalhaço que rolou de pessoas criticando a ação de remover a pose comparado com a reclamação da pose em si. A Blizzard teria muito mais a temer desse grupo de pessoas que ficou com raiva da mudança.

          Em tese, sim — na prática, não, porque um desses grupos já se pintou na mídia como detenta da virtude moral da igualdade e coisa do tipo. A mídia em geral (e especialmente a gamer) está do lado dessa turma, logo, é muito mais vantajoso ficar do lado deles.

          • LucasOIntoxicado says:

            “É bastante coinciência que tenham mudado por causa da reclamação, não acha? É óbvio que um é consequência do outro.”

            -Oras, tem alguma hora melhor para mudar algo que você já está em dúvida doque na hora em que começam a falar sobre aquilo?

            “Em tese, sim — na prática, não, porque um desses grupos já se pintou na mídia como detenta da virtude moral da igualdade e coisa do tipo. A mídia em geral (e especialmente a gamer) está do lado dessa turma, logo, é muito mais vantajoso ficar do lado deles.”

            -Tu acha que a Blizzard escolheria mostrar suporte a mídia que já é criticada e zoada o tempo todo por esse tipo de atitude ao invés da suposta maioria dos jogadores se ela não concordasse com isso? Eu acho improvável.

          • LucasOIntoxicado says:

            Bem, eu não vou continuar nessa discussão, só achei que seria importante mandar essa informação do comentário dele no fórum. Acreditar noque ele falou ou não depende da pessoa.

  5. Cloverfield says:

    No Brasil ainda é mais estranho esse comportamento.
    Na Tv você vê as mulheres cantando (cantando?) com saias que mais parecem cintos e acha normal, mas se uma mulher sair assim na rua é uma puta que quer ser estuprada.

  6. LG says:

    Não adianta negociar com liberticida, a patrulha do politicamente correto nunca vai estar satisfeita. Querer negociar e achar um meio termo é gastar saliva

  7. Ricardio says:

    Izzy, só sumarizando esse teu post: que péssima leitura sobre tudo isso; não só do caso, mas do background que corrobora até o ocorrido.
    Bom, vamos lá?

    “Eu não sou o primeiro e nem serei o último a apontar a dissonância cognitiva (pra não dizer esquizofrenia mesmo) de “A MINHA ROUPA NÃO DETERMINA QUEM EU SOU, PARE COM ESSE SLUTSHAMING!” e “SE A MOÇA TÁ MOSTRANDO A BUNDA OBVIAMENTE ELA É APENAS UM OBJETO SEXUAL”.

    Na verdade, você tá comparando maçãs com bananas nessa sua frase. O grande problema aí é como as coisas são empregadas. Quando uma mulher, por questões de afirmação, se coloca numa postura de “vou usar isso, posso, quero, e o corpo é meu”, o direcionamento é super bem resolvido: VEM DELA essa decisão.
    Já na sua ESMAGADORA maioria das vezes em que existe a objetificação sexualizada da mulher, ela acaba sendo um produto, criada por uma corporação ou entidade (que não representa diretamente essa voz feminina, como uma empresa, por exemplo) e tem um público alvo. Ou seja, vende-se a imagem. E vamos pontuar aqui, a sexualização EXISTE e não é o maior dos problemas, tanto é que no mesmo jogo existe a personagem Black Widow, que usa e abusa da sexualização, MAS ELA É CONTEXTUALIZADA. A sexualização da Trace foge do seu conceito, e acaba dando a entender que a pose de femme fatale é um simnples fator de abrangência de target.

    “Tracer é uma personagem de um universo completamente novo de um jogo que sequer saiu oficialmente. Fingir-se de biógrafo da personagem, como se ela tivesse uma longa história na qual você é especialista, não faz sentido.”

    Pô cara, não se faz de bobo, porque sei que tu não é (e não preciso ser seu biógrafo pra saber disso, né?). Existe uma constituição de personalidade sendo exercida há tempos pela Blizzard nesse jogo, e ele trabalha com esteriótipos, simples!

    “Segundo, esse argumento insinua que alguém não pode ter uma personalidade sexual além de seus outros atributos psicológicos; ora, eu vi a Tracer sendo uma pessoa “totalmente normal” no jogo, COMO ASSIM do nada ela tem uma bunda e faz uma pose para mostra-la?!?!?!”

    Ela é um PERSONAGEM. Ela foi criada e moldada por uma equipe, de forma conceitual. Ela é um produto e vende uma imagem. A sexualização não faz parte desse produto. É equivalente a adicionar uma garrafa de tequila dentro de cada boneca da Barbie, assim ela poderia ser consumida também por adultos, entende? É um conceito tão básico de design que fica até chato ficar explicando pra você.

    “Finalmente, sempre que critico esses fiscais de vestuário de pessoas fictícias é importante ressaltar que não adianta tentar agradar essa turma, eles são insaciáveis em seu desejo de “purificar a cultura””

    É engraçado, como se esse tipo de exacerbação existisse somente nessas vertentes né? Das pessoas “chatas” e “politicamente corretas” do mundo, querendo um pouco mais de inclusão e mesmo assim insatisfeitas. Pô, isso acontece em todas as camadas da vida, só que isso te pega mais, te deixa “desgraçado da cabeça”, porque mexe com conceitos reacionários teus (e não tô te chamando de “reaça”, mas de quem reage ao status quo). Ou não teve um grupo que odiou o Star Wars novo? Ou não tem o grupo que prefere muito mais a trilogia prequel? Pois é, mas te irritam tirar o conforto. Nós (e eu tô incluso nessa), homens, NEM DE LONGE conseguimos entender O QUE É SER SEXUALIZADO. Então eu acho que existe espaço pra todas essas críticas e elas TEM SIM de ser ouvidas pelos desenvolvedores.

    “Quais as soluções aqui?
    1 blablabla wiskas sachê;
    2 blablabla wiskas sachê;
    3 blablabla wiskas sachê;
    4 blablabla wiskas sachê.”

    A solução é ouvir e entender que o público de hoje mudou. Ele critica sim, e existem grupos que querem identificação e que querem espaço. E felizmente foi o que a Blizzard fez; concordo que a “censura” (e tá longe de ser censura, por favor né?) da pose, de forma simplista como foi decidida, pareceu precipitada, mas o “mea culpa” pós ocorrido foi bem sucinto e esclarecedor.

    Que pena que o público branco, hétero e masculino não domina mais 99% do mercado, né? Hehe.

    Grande abraço! Espero ter passado algo significante pro debate.

    • André says:

      Vou começar minha luta pela proibição do Zanguief nos jogos do Street Fighter pq um homem só de cueca lutando e mostrando todos os músculos dele é a objetificação do homem e isso é um absurdo!!!

      • Ricardio says:

        Como já disse, o nome disso é falsa simetria. Se você realmente acha que a opressão sobre os homens é igual ou mais ou menos parecida, ou você tá no grupo dos ingênuos ou dos maldosos.

      • Valle says:

        O Zanguief não foi feito dessa forma para atrair o público feminino (Você conhece alguma garota que curte o Zangief? Eu também não).
        Personagens masculinos sexualizados para atrair meninas são EXTREMAMENTE raros. De cabeça, eu lembro do Gambit e do Noh-Varr da Marvel e o Dick Grayson da DC.

        • Izzy Nobre says:

          >O Zanguief não foi feito dessa forma para atrair o público feminino

          1) Você não sabe disso, e 2) Moving the goalposts. Não é a sexualidade então que é problemática, depende da (suspota) motivação por trás…?

          >Personagens masculinos sexualizados para atrair meninas são EXTREMAMENTE raros.

          Namor, sempre de shortinho todo musculoso e fazendo poses. Bigby Wolf do Fables. Thugboy de Empowered.

          Se você procurar, você acha. A questão é que tem homens que gostam de ver isso desenhando pra outros homens que também gostam. Impossível compreender isso como um grande problema moral pra ser sincero.

          • Cris says:

            O Zangief não foi mesmo feito pra atrair o público feminino, Izzy. A maioria das mulheres acha repugnante um cara com tanto músculo que fica parecendo até uma hemorroida ambulante. Ele e o Namor são uma fantasia masculina -- ser extremamente bombado e andar por aí com pouca roupa pra exibir esses músculos em excesso. Os outros eu não conheço então não vou dizer nada.

  8. Bier says:

    Vide Laura (Street Fighter 5):

    Assunto: Shortinho

    Na escola, na vida, na sociedade: PODE.

    No videogame: NÃO PODE. É sexismo.

    • Veronica B. says:

      Não confunda sexismo com sexualização.

      Sexismo é o preconceito com discriminação de sexo, as vezes envolvendo o gênero, a identidade de gênero.

      Sexualização é a exaltação e objetificação do eroticismo.

      Não é sexismo a mulher ser retratada de forma libidinosa, pois ela não está sendo discriminada ou sofrendo de preconceito.

      A imagem dela está é sendo sexualizada. Usada para fins de atração sexual (tanto de homens quanto de mulheres bi ou lésbicas), como objeto.

      Mas veja bem, essas personagens de videogame não são reais, mas:

      Se fosse uma mulher real, ela se expondo de maneira voluntária pra este fim, não constitui erro algum. Não é imoral nem antiético. Ela está apenas exercendo sua liberdade.

      Quem quer impedir que ela tenha essa liberdade que é imoral. No caso, fanáticas conservadoras.

      Talvez tem baixa autoestima com sua própria aparência e alguma frustração por não conseguir acasalar, preferem “envergonhar” quem consegue pra eliminar a concorrência.

      Isso é triste e patético.

  9. Pia says:

    Boicotando essa merda até as bundas voltarem. Não dou mais um tostão pra esses merdas. Perderam um cliente.