Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Bíblia, doutrinação de crianças, e o mito da moral cristã

Postado em 30 January 2014 Escrito por Izzy Nobre 136 Comentários

biblia

Um dos argumentos mais perenes usados pela comunidade cristã em defesa de sua doutrina é o argumento da moralidade. Especificamente, eles alegam que a bíblia contém importantes lições morais, e que um mundo completamente ateu e secular (ou seja, sem nenhuma influência bíblica) seria um total antro de perdição e imoralidade.

Existem inúmeras maneiras de provar o quão hilariantemente errônea essa proposição é; entretanto, eu gostaria de usar um exemplo que vem diretamente dos confins da minha querida infância.

Como já mencionei aqui neste site diversas vezes, nasci em lar cristão. O meu próprio nome (“Israel”, possivelmente o nome mais significativo em toda a cultura cristã depois de “Jesus”) reflete essa inclinação religiosa da família, inclusive. E como tal, eu fui doutrinado nos princípios cristãos (pelo menos, de acordo com a interpretação da nossa congregação, evidentemente — não há muito consenso no cristianismo se você parar e prestar atenção) desde criança.

E um dos métodos que famílias cristãs empregam pra catequizar as crianças é isto aqui:

noé

Livrinhos bíblicos infantis. Eu tinha inúmeros, mas muitos MESMO. Sabe aquela anedota de que nos tempos medievais, tantas igrejas alegavam ter pedaços da cruz de Jesus que se juntassem todos, dava pra montar um navio? Então, eu tinha TANTO livrinho infantil bíblico que se você batesse o olho, julgaria que dá mais história do que contém a própria bíblia.

Eu tinha todo tipo de livro — um novo testamento ilustrado que eu adorava (e que mencionei aqui), livros com desenhos bem cartunescos, livros com ilustrações mais foto-realistas… toda a literatura com a qual entrei em contato entre minha alfabetização e meus 7 ou 8 anos consistia nesses livrinhos cristãos. E eu tinha livros de todas as histórias que você pode imaginar: das mais populares (como a Arca de Noé aí em cima) até as mais obscuras (o encontro de Jesus com Zaqueu, por exemplo, que não recebeu marketing similar e é conhecido mesmo só pelos true aficcionados).

Então, porque estou falando dos livrinhos infantis e da doutrinação que crianças recebem desde cedo em lares cristãos? Bom, pra ilustrar isso, usemos o mesmo livro sobre a Arca de Noé aí em cima.

Você conhece a história de Noé, né? Todos conhecemos. Deus tava revoltado porque a humanidade estava tocando o puteiro, se arrependeu de criar o homem, e resolveu dar fim naquela porra toda. Mas antes de detonar a parada ele informou Noé, o único homem de bem no planeta inteiro, que começasse a construir um barco imenso porque ele estava prestes a afogar todo mundo, num dos raríssimos usos da expressão “TODO MUNDO” que não é hiperbólico.

(Vamos ignorar por um instante o fato de que a menos que Deus executasse uma vasectomia mágica em Noé e seus filhos, o problema “humanos tocando o puteiro no planeta” se repetiria muito em breve, e que este bug no projeto deveria ter sido notado por uma entidade onisciente)

(Vamos também rapidamente ignorar o fato de que o mito da arca existe em diversas outras culturas, em datas ANTERIORES ao relato do Gênesis, e que muitíssimo provavelmente era uma lenda mesopotâmica antiga que foi simplesmente cooptada por Moisés quando este escreveu o Pentateuco — um esquema tipo “vocês ouviram essa história né? Bom, NA REAL foi o nosso Deus que fez as paradas, e foi assim…”)

Então. Quando criança, eu e meus irmãos aprendemos que Deus decidiu salvar uma única família, e chacinar o resto do planeta inteiro — até mesmo animais inocentes que não ganharam a loteria de entrar na arca. Parece um dano colateral absurdo pra um ser onipotente que poderia, se quisesse, executar sua matança de forma mais precisa, mas vamos ignorar isso também.

Se algum de nós questionasse “mas mãe/pai, Deus matou MILHARES de pessoas assim do nada…?”, a resposta inevitavelmente era “ah, mas eles eram pecadores/seguiam outra religião, eles mereceram”. Vamos, novamente, ignorar o fato de que até esse ponto na história dos judeus não existiam regras específicas de conduta — e mesmo quando elas surgiram, eram cheios de mandamentos sem sentido como não comer porco, não usar roupas que misturassem lã com linho, ou não cortar o cabelo.

E note que há gente que defende que a bíblia contém importantíssimos conceitos de moral, ein.

Então. A morte de centenas de milhares de pessoas era relativizada com pouca importância (quase descaso, mesmo): eram pecadores, seguiam outra religião, mereceram morrer. Uma fatalidade global era tratada com um gesto apatético de ombros, como quem diz “ahh, isso aí? Nem dá nada, relaxa”.

Talvez seja mais fácil relativizar a morte de centenas de milhares quando o fato aconteceu milhares de anos antes de você existir. Pra compreender o que o dilúvio de Noé significa em termos mais tangíveis, vamos contextualizar com algo que aconteceu quase 10 anos atrás.

050102-N-9593M-040

No dia 26 de dezembro de 2004, um tsunami no Oceano Índico atingiu 14 países naquela região da Ásia com ondas do tamanho de prédios de 9 andares.

Imagina uma onda desse tamanho indo pra cima de você.

onda

Talvez não seja surpresa que o desastre causou 230 MIL mortes.

Poise bem. O tsunami de 2004 seja talvez o mais próximo que nós passaremos de presenciar um cataclisma nas proporções do dilúvio descrito na bíblia.

Você seria capaz de dizer “ahhh, mas aqueles caras lá da Ásia adoram outros deuses e/ou eram tudo pecadores. Eles mereceram isso aí”…? Você conhece alguém que seria capaz de raciocinar assim…?

Se sim, eu recomendaria ficar longe dessa pessoa. Essa completa falta de empatia com outros seres humanos, a ponto de justificar ou até mesmo trivializar a morte de centenas de milhares (incluindo aí, não esqueça, crianças, idosos, e outros indivíduos de em condições de fragilidade, como pessoas com deficiências mentais), está muito longe de ser uma evidência de “moral elevada”.

Na realidade, essa total apatia com sofrimento e morte humana é uma característica de serial killers. É completamente impensável que se racionalize uma fatalidade de tamanha magnitude, e no entanto, é isso que a bíblia nos ensina.

Pior, é isso que pais cristãos ensinam a seus filhos! A morte indiscriminada de centenas de milhares não é causa pra preocupação ou questionamento da real moral da história; ademais, o cara que CAUSOU essa matança homérica não apenas é o mocinho da história — ele é a mesma entidade que adoramos, em honra da qual escolhemos o seu nome até!

É completamente ABSURDO que se ensine essa história pra crianças usando “ahhhh mas esses caras aí mereceram mesmo, nem se preocupe com isso” como justificativa ou moral da história.

Tendo tudo isso que eu te falei em mente, me diz se o vídeo abaixo não é literalmente ASSUSTADOR:

Não estou usando de hipérbole aqui não. Ver um bando de crianças cantando alegremente que “quem pecar vai morrer” — uma punição que muitos debatemos se é válida em casos extremos, que dirá então quando “pecar” pode simplesmente ser “comer carne de porco” — me causa um arrepio. Chega a ser cartunesco esse total descaso pela vida humana.

Não sei se você reparou, mas o nome da música é DEUS NOS AMOU. Ele criou um lugar pra onde enviará pessoas que não acreditaram nele pra sofrerem eternamente (independente de terem sido boas pessoas ou não), mas ele nos ama. O nível de lavagem cerebral necessário pra conciliar essas duas idéias claramente contraditórias é incalculável — e não é diferente do que acontece com habitantes de países ultra-autoritários, reparem. O regime dos Kim na Coréia do Norte matou, direta e indiretamente, uma multidão incontável. Apesar disso, olha como a galera lá reagiu com a morte do Kim Jong-il:

Dissonância cognitiva é isso aí.

Agora me responde: ISSO AÍ é a filosofia de vida provida de maiores valores morais…?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: ateísmo

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

136 Comentários \o/

  1. Gerson Rodrigues says:

    Excelente texto mestre izzy ‘-‘

  2. tonnydourado says:

    ‘Você seria capaz de dizer “ahhh, mas aqueles caras lá da Ásia adoram outros deuses e/ou eram tudo pecadores. Eles mereceram isso aí”…? Você conhece alguém que seria capaz de raciocinar assim…?’

    Então. Estava eu na casa da minha mãe (pastora evangélica), assistindo TV. Estava passando um documentário sobre um festival na Indonésia, mostrando as diversas tradições de sei-lá-qual-era-o-país. Uma delas: atravessar agulhas e objetos pontiagudos e cortantes pelas bochechas e outras partes do corpo, como uma espécie de sacrifício ou penitência. Minha mãe vê aquilo e solta:

    -- Credo, que coisa estranha. Tsunami neles, Jesus!

    “Tsunami neles, Jesus”. Eu acho que foi a coisa mais chocante e escrota que eu já ouvi da boca de uma pessoa religiosa (pelo menos pessoalmente). E o mais bizarro é que ela nem percebeu a enormidade do absurdo que tinha acabado de pronunciar. Mas, enfim.

    • Pri Missako says:

      O que eu acho mais bizarro de pessoas assim é que elas falam tanto em amor e perdão e blábláblá, mas são os primeiros a julgar e condenar.

    • Heric Garcia says:

      HAHAHAHAHA

      TSUNAMI NELES, JESUS!

      Genial cara…

      Enfim, os textos “sérios” mais legais do Izzy Nobre são sempre os que ele fala de religião. 😀

    • Peter says:

      No caso sua mãe não é cristã e sim uma desequilibrada emocional. Saiba que depois do Tsunami e que saíram os artistas que quiseram mídia somente, os missionários Cristãos foram os que ficaram lá. Missionários sustentados por recursos das igrejas, sem governo algum nem ONG.

      • tonnydourado says:

        Não vou questionar o fato da minha mãe não ser lá muito boa da cabeça, mas ela é pastora de uma igreja evangélica há quase 10 anos, então, sorry, mas ela é tão cristã quanto se pode ser. E ela não está sozinha nesse tipo de pensamento, vide as coisas que outros cristãos notórios falaram sobre o Haiti e a África.
        E, por fim, mas não menos importante: http://pt.wikipedia.org/wiki/Expuls%C3%A3o_do_Grupo

        • Matheus Nogueira says:

          Acho que Entendo sua situação, meus pais são o ir exemplo de cristãos que eu conheço e ao mesmo tempo o maior exemplo de que isso não significa nada, infelizmente fica fácil para quem está fora falar que eles não são “cristãos de verdade”. Bastaria perguntar pros meus pais e para sua mãe, que eles responderiam com absoluta certeza que são 100% cristãos.

          • JP says:

            Ninguém tá dizendo que cristão nenhum é bom ou que não se pode tirar boas lições de vida da doutrina cristã. O negócio é que a doutrina cristã fala, sim, muita merda (que muitos cristãos sabiamente ignoram) e muita gente fica bitolada nisso.

    • Katya Lischina says:

      Segue a dica e fica longe dessas pessoas. Pode ser tia, vô, mãe, esposa. Amar alguém é um ato de fé, que não vão seguir a Bíblia e te descer a espada.

  3. Wellington Alves says:

    Izzy, sou cristão e acho que você deu muita importância a um dos textos que não devem ser interpretados literalmente. Para alguém que se diz ateu, acreditar que o dilúvio realmente aconteceu da forma descrita por você é um tanto quanto irônico.

    Não há contradição na Bíblia quando diz que o salário do pecado é a morte. Você sabe muito bem que isso se refere a morte espiritual, caso contrário nenhum cristão estaria vivo também. Portanto, sempre que Deus permitiu mortes e guerras, foi para que usássemos isso hoje como referência no mundo espiritual. Aí alguém diz: ah mas Deus mandava matar então?! Antigamente os povos se estabeleciam dessa forma, ou vc guerreava para matar ou era morto pelos inimigos, era a realidade da época e o povo de Deus estava inserido nesse contexto. Quando Jesus veio já não era assim que Israel vivia, por isso ele pôde pregar o amor aos inimigos.
    A Bíblia está repleta de bons e maus exemplos, exatamente para que tiremos nossas próprias conclusões. Deus nunca escondeu os pecados de seu povo, muito pelo contrário! O pecado de seu povo sempre foi o motivo de suas derrotas e humilhações.
    Quer ser um vitorioso como Davi foi? Honre a Deus como ele honrou! Quer cair em desgraça como Davi caiu? Cai em pecado como ele caiu! Quer uma nova chance como Davi teve? Arrependa-se de coração como ele se arrependeu!

    Inclusive Izzy… Deus te deu um grande talento. Tenho certeza de que no tempo certo você estará usando na obra de Deus. Melhor ainda, trazendo a Beba com você!

    • Izzy Nobre says:

      Quando convém o texto bíblico rapidamente é tarimbado de “simbólico”.

      MESMO SENDO SIMBÓLICO, qual a lição de moral…?

      Obviamente eu não acredito que o dilúvio aconteceu. You’re missing the point. Se eu discuto uma incoerência num filme ou numa historia em quadrinho, isso significa que eu acredito que o Batman existe?

      • Eduardo says:

        Faltou se defender dos outros pontos, comentados na réplica 😛

        • Blyter says:

          Eu não preciso deixar de gostar do Batman após perceber que há uma ou mais incoerências absurdas nas HQs dele.
          Pelo contrário, ainda consigo aprender com as revistinhas, por mais que eu saiba que elas são obras de ficção.
          Acato àquilo que acho justo nelas.

          “às vezes as pessoas merecem mais que a verdade; merecem ter sua fé recompensada.”

      • Mano, já pensou que louco se o próprio Deus da bíblia fosse simbólico?

      • Fábio says:

        Fiquei curioso com uma coisa, Kid: Tu acredita em verdade relativa, como os sofistas, ou em verdade absoluta, “como aristóteles”?

      • madruga says:

        Nem dá trela, Kid. Esse cara é aquele doente paranóico que morre de medo de petistas, do post da Coréia. Um retardado completo.

    • Vinícius Martarello says:

      Porque essa passagem é simbólica? Nunca vi o escritor dizendo que não é literal

    • (Sim ou não, esse post torna-se ”religioso”) deveria ter um religião do ”bom senso ou da interpretação” (…)

      Não sou cristão! Mas se tem uma frase que sempre lembro é:

      <>

      Sabe aquelas embalagens de bombom que vem com uma mensagem que vc queria ouvir, então! foi Deus, num sei, foi a sacada depressiva do publicitário também não sei..

      Só quero que interpretem esse meu comentário como só tento tirar coisas boas de qualquer coisa.

      E não: ”ah, ele não é cristão mas citou Deus” hahahha

  4. Eduardo says:

    Muito bom o texto, Izzy!
    Assunto polêemico, mas texto bem fácil de ler e entender.

    (esperando possíveis discussões)

  5. Lilly says:

    Pois é, concordo com tudo o que você falou, Izzy.
    Até uns tempos atrás (sou novinha, só tenho 16), eu acreditava de olhos fechados em tudo que a bíblia prega. Mas como todo adolescente, cheguei numa fase em que estou contestando tudo, e realmente algumas coisas não fazem sentido.
    Por outro lado, é bom que a bília “ensine” que devemos amar o próximo, não devemos matar, roubar, e coisas do tipo. Isso tem sido uma forma de “frear” muitos delinquentes por aí, através da fé.
    Mas não me considero mais cristã. Apenas acho que deva existir alguma energia por aí que tenha originado essa porra toda, mas vai saber, o quê, né? Hahaha

    • tonnydourado says:

      Como o Hitchens dizia, se você só não rouba, mata, estupra e depreda tudo e todos porque “A Bíblia diz que é errado”, mano, você é um maníaco psicopata.
      As pessoas não são boas POR CAUSA da Bíblia ou da religião, elas são boas APESAR da Bíblia e da religião.

    • Makson Andrade says:

      Acho válido o argumento que trata do uso da fé para ensinar as pessoas a fazer o bem, mas você há de convir que não precisa da bíblia para saber que matar, roubar e coisas do tipo são erradas. Se você não pratica isso por ser errado e sim porque a bíblia diz que é, você de fato tem algum tipo de problema. E não falo de modo pejorativo, xingando ou depreciando o seu credo, falo por saber que aquilo errado por que o é, não precisaria que alguém me dissesse isso.

  6. Joao says:

    Se você entendesse mesmo de bíblia saberia que toda passagem bíblica tem 4 tipos de interpretação, 4 ángulos pelos quais a interpretação pode ser feita.

    • Paolo says:

      Onde que diz qual passagem deve ser olhada com qual interpretação? E qual deve ser literal?
      Ódio ao homossexual é literal, mas não usar roupas com tecidos diferentes não.
      Não encostar nas mulheres durante a menstruação é não literal, bem como apedrejar os infiéis também. Já amor ao próximo ou não cobiçar a mulher do próximo é?

  7. Bruno Guedes says:

    E o famoso Amor Cristão(tm). Deus é Amor, mas se você fizer uma piada com o nome dele ele vai te fuder. Mas ele te ama. :V

    • Joao says:

      Seu pai te ama, mas se você sacanecar com ele, ele vai te fuder. Mas ele te ama :V

      • Bruno Guedes says:

        Sua definição de amor é tão incrivelmente superficial e frágil que eu me pergunto se você faz idéia do que está falando.

        Mas é até uma comparação bastante pertinente… se meu pai fosse uma entidade imortal, onisciente, onipresente e onipotente que obviamente tem mais com que se preocupar do que se um de seus bilhões de filhos está sendo impertinente.

      • Antonio Grando says:

        Mas meu pai não é oniciente, onipotente, onipresente muito menos um ser perfeito que dita regras sobre como os outros devem agir.

        • Joao says:

          Seu pai não dita regras? Então você pode fazer o que quiser na casa dele? Interessante.

          • Izzy Nobre says:

            Se meu pai ditasse uma regra que diz “se você fizer X, seja lá qual for esse X, eu vou te matar”, há um problema gravíssimo com essa situação.

          • Joao says:

            Deus é parecido com nosso pai, mas em um nível maior, ou seja, um nível ontológico ou espiritual. Mas Deus não diz “eu vou te matar” e sim “você irá morrer.”, ou seja, quando nos afastamos de Deus (o desobedecemos) nós morremos. Na analogia, quando você faz algo que seu pai diz para você não faz, você lá faz e se fode. Foi seu pai que te fodeu? Não. Seu pai te dá regras justamente para você não se fuder. E Deus faz o mesmo, mas para a gente não se fuder não só aqui nessa vida, mas também na próxima.

            Está difícil você entender pois você só interpreta literalmente. Tente ser menos superficial e materialista, caso contrário não entenderá nada.

          • Mas Joao, meu caro, se seu pai é onisciente, ele SABE que você vai pecar, e ainda assim vai te fuder, me explica que amor é esse? Como não é culpa dele se ele SABE que você vai errar e não pode fazer nada sobre isso porque você é falível, enquanto que ele não, e foi ele que fez as regras com todo o conhecimento de antemão?

  8. Joao says:

    Aspectos ignorados em seu texto:

    1 -- Você apenas interpreta literalimente essa passagem, ignorando os aspectos alegóricos e soteriológicos. Quais são as interpretações alegóricas e soteriológicas desse texto, que vão além da literalidade? Você não se fez essa pergunta. E sim, dá para ensinar isso para crianças.

    2 -- Você se esquece que a chave de interpretação bíblica é o advento de Jesus Cristo. Como se interpreta o dilúvio através de Jesus Cristo? Essa é a pergunta que você devia se fazer.

    3 -- Você comete uma falsa analogia. Desastres ecológicos são provocados pela natureza. O dilúvio foi provocado por Deus.

    Dentro outras coisas, mas apenas essas já contestam bastante o seu texto.

    • Izzy Nobre says:

      1) a conveniente desculpa do “mas isso não é literaaaaal…”

      Em primeiro lugar, a grande maioria dos cristãos também interpreta a historia do dilúvio como literal. E aí…?

      Em segundo lugar, baseado em que você diferencia que historias são literais e que historias são alegóricas…?

      A propósito, a morte de todos os seres humanos no planeta pelas mãos de Deus ser uma “historia figurativa” não muda a situação, você entende, né…?

      2) Que diferença isso faz…?

      3) Você não entendeu o argumento. Eu não falei que o tsunami foi causado por Deus (como você pode afirmar categoricamente que NÃO foi, aliás, quando a bíblia diz claramente que NADA acontece que não seja da vontade de Deus?). Tentei contextualizar o que um dilúvio bíblico realmente significa usando um acontecimento similar mais recente. Porque acho que alguém que simplesmente diga “Ah dane-se eram pecadores, mereceram” não está compreendendo o que a historia significaria se fosse verdade.

      • Joao says:

        Caro, Izzy.

        1 -- Não é desculpa. É simplesmente o modo como a bíblia é interpretada desde… SEMPRE. Já que até mesmo os judeus a interpretam assim. Ou seja, você faz um interpretação completamente fora da tradição, seja das Igrejas tradicionais (como a Católica), seja do mundo acadêmico.

        2 -- Faz toda a diferença. Pois a conclusão do seu texto é “Não ensinem isso para as crianças, pois elas não aprenderam nada”. Se você considerasse os outros aspectos sua conclusão poderia ser diferente.

        • Joao says:

          Complementando,

          pela sua interpretação de fato é terrível que se ensine isso para as crianças. Mas… você tem certeza que a sua interpretação é a correta e que não existem outras?

          Quando eu ensinar essa passagem para meu filho não vou passar nem perto da sua interpretação.

        • 1 -- Qual é o critério usada para dizer o que é alegoria e o que é verdade?

          • Izzy Nobre says:

            O que é conveniente é literal; o que é inconveniente é figurativo.

            E, evidentemente, os critérios pra conveniente e inconveniente mudam com os tempos. Esse negócio de considerar histórias bíblicas como “alegóricas” é uma interpretação bem recente aliás.

          • Joao says:

            O critério é Jesus Cristo, toda interpretação bíblica tem que passar por ele. Qualquer denominação cristã ou biblísta cristão está de acordo com isso.

            E eu não disse que não exista a interpretação literal, existe, mas existem mais 3 níveis de interpretação. Todos estes níveis foram ignorados neste texto. Foi usada apenas a interpretação literal, e ainda bem deslocada ou distorcida.

          • Lucas says:

            pelas regras de hermenêutica e exegese, estudando o contexto e cosmovisão dos autores.

          • Izzy Nobre says:

            Agora explica isso em português claro em vez de usar palavras técnicas obscuras como se fossem um ABRACADABRA do “venci a discussão”.

          • Lucas says:

            Na filosofia, hermenêutica é a área que estuda a interpretação de um texto literário, jurídico ou religioso. A exegese é uma extração do sentido, uma interpretação mais aprofundada de um texto jurídico, religioso ou literário. Cosmovisão é a “visão de mundo”, mais que simplesmente o contexto onde a pessoa está inserida, mas todo o conjunto de crenças dessa pessoa, o jeito que ela enxerga as coisas no mundo ao seu redor. Se você levar em consideração a hermenêutica e exegese bíblica, vai ver que esse tipo de interpretação é muito falaciosa.

  9. Leici says:

    O vídeo é assustador mesmo hahaha. Que baita instrução moral para as crianças…

  10. Cainã says:

    Sensacional como sempre, Izzy. A cristãzada pira!

    • Joao says:

      Pira demais… o cristianismo, especificamente a Igreja Católica, sobreviviu ao Império Romana, às invasões bárbaras, às invasões islâmicas, à Reforma Protestante, ao iluminismo e secularismo, ao nazismo e ao comunismo, e agora tem que sobreviver à desconhecidos de internet. Que perigo!

      • John says:

        Nada a ver seu comentário.

      • Rorschach says:

        A igreja catolica sobreviveu ao imperio romano graças ao Constantino, como era um imperador de legitimidade duvidosa apostou na religão ou seja se não fosse ele sua probre religião não seria nada agradeça ele antes de seu deus primeiramente.

  11. Felipe says:

    Izzy eu tenho uma família evangélica, mas sou ateu, minha família não pode ir a praia pois é um “antro de perdição” só para você ter uma ideia, e tudo o que eles falam é da biblia só falam e conversam sobre isso, não existe mais nada.

    Eu gostaria de saber como foi a história da sua família parando de ser evangélica, tem como contar isso?, ou é muito pessoal?

  12. kblosnack says:

    mas quide, ta de boa, pode pecar, é só se arrepender e confessar(?) antes de morrer… é o que umas amigas minhas dizem

  13. Rafael Rinö says:

    O que eu acho mais engraçado disso tudo é que o pessoal tenta justificar apenas afirmando que “parte do que está escrito é alegoria”, ou “isso é simbólico”. Você, um marmanjo de 30 anos de idade, consegue fazer uma análise do que você acha à respeito de um texto bíblico e entender que aquilo é ou não é uma alegoria, mas uma criança não consegue ter esse discernimento.

    Com isso, as religiões não formam o caráter de cidadãos que amam ao próximo, mas sim, aqueles que tentam fazer valer a sua opinião a todo custo.

    De verdade, me surpreende que não existam no Brasil, extremistas religiosos que empreguem a violência como forma de divulgação da religião.

    De qualquer forma, acredito que alguma força rege os movimentos do universo e tudo o que você faz, um dia volta pra você. E eu não preciso de religião, porque eu tenho consciência.

    • Joao says:

      Então deveríamos parar de ler muita coisa. Tipo as fábulas. Será mesmo que a criança é tão idiota a ponto de achar que é tudo literal e não perceber os símbolos ali? Dúvido. E o pai existe é para isso, se a criança não percebe o sentido completo da passagem aos 5 anos, ensine novamente aos 6,7,8,9,10 com maior profundidade.

  14. David says:

    Izzy, essa questão da doutrinação infantil é sempre polêmica e eu tenho tantas ressalvas quanto você em relação a isso.

    Há uns anos atrás, o máximo que se tinha em relação a isso era os pais matricularem os filhos no catecismo, entretanto, esse contato com a religão era feito numa faixa etária onde a criança já tinha discernimento para alguma coisa e ter uma certa noção do que é religião e valores morais.(Faixa dos 8 a 10 anos de idade, acho, me corrijam se essa faixa etária estiver errada).

    O que tem realmente me assustado é a quantidade de DVDs infantis disponíveis no mercado brasileiro com essa mesma linguagem do vídeo que você postou à la “Barney & Friends” com pregações bíblicas. Todos voltados para uma faixa etária onde as crianças não tem a noção de moral e religião completamente formada. Vou te dizer que isso me deixa bastante preocupado com o tipo de formação que as futuras gerações vão ter quando atingirem a vida adulta.

    Uma coisa é você ensinar a uma criança valores morais mais “genéricos” como respeitar o próximo, outra coisa é você chegar para uma criança e pregar que quem não segue o que está na Bíblia é uma pessoa ruim.

  15. lucas says:

    Eu me lembro que meu professor de HISTÓRIA do ensino fundamental falou que esse tsunami foi um castigo divino.

  16. BlaK DemonaZ says:

    Excelente texto… concordo totalmente.

  17. Marcelo says:

    Izzy, dois videos bem interessantes sobre o tema:

    https://www.youtube.com/watch?v=-LSc2EfSheE

    e

    rel="nofollow">

  18. Moisés says:

    Primeiramente, é natural por razões óbvias que os pais vão doutrinar seus filhos naquela ideologia em que os mesmos acreditem, de modo que a criança adquira uma concepção de mundo, fundamental para a sua futura socialização. Obviamente, com o passar dos anos a criança e futuro adulto poderá permanecer com os mesmos valores ou mesmo, eventualmente, questioná-los, criticá-los e abandoná-los como você o fez Izzy.
    O que me surpreende é a maneira ácida e ferina como você trata o cristianismo, como se essa concepção religiosa, fosse imbuída categoricamente de extrema ignorância e radicalismo. O próprio ateísmo teve adeptos sanguinários e extremamente radicais. Robespierre em 2 anos de Terror francês matou mais do que 4 séculos de Inquisição Católica e acredito que não preciso citar aqui Stalin, Pol Pot e outros regimes autoritários.
    Alguém poderia vir com o argumento rasteiro de Bill Maher que afirma que esse não é o verdadeiro ateísmo, que essas são “religiões seculares”. Me parece o mesmo argumento de alguns cristãos de que antes, na época de Cristo, o cristianismo era pleno e que depois a Igreja Católica o corrompeu. O que importa não é você ser cristão, budista, islã deísta, agnóstico ou ateu. Como diria Slavoj Zizek, o ateu que se denomina cristão: “I think we should totally reject this liberal blackmail of: ‘We should understand each other.’ No! The world is to complex we can not do that. I do not want to understand people. I want to have a certain code where I do not understand your way of life and you do not understand mine, but we can still coexist.”
    Tudo isso remete ao fato que é inútil discutir a natureza essencialmente ruim ou boa de uma ideologia. Toda ideologia é originalmente neutra e a maneira como se dá a sua performance social determinará o seu relacionamento com as demais. Quando Bill Maher afirma que o ateísmo originalmente é totalmente contrário à violência e que a sua suposta manifestação comunista é um desvio em direção a uma “religião secular” ele simplesmente eleva a ideologia por si defendida a uma categoria moral superior à qual nenhuma religião será capaz de alcançar, o que é totalmente absurdo e autoritário.
    O modo como você expôs o seu texto, na medida em que não diferencia os vários tratamentos e interpretações dados à religião cristã, e na medida em que foca somente nos casos de ignorância e estupidez, faz um movimento parecido, dando a parecer que todo o cristianismo é fundamentalista e tolo. Admiro enormemente o seu trabalho no HBDia e sei que você é um cara e ponderado. Contudo sou obrigado a expor minha opinião nesse ponto, que me pareceu importante.

  19. Tenho dois amigos!

    O amigo (A) é meu amigão, (somos tipo Azaghal e Jovem nerd) depois de muito tempo convivendo juntos descobri que ele era espirita, mas o que isso quer dizer, ”nada” pois uma coisa que sempre admirei nele foi o respeito que ele tem diante outras ”opiniões”. Um belo dia, de longe avisto um homem cair de sua bicicleta, mesmo no momento que ele vinha se aproximando de moto, quando vejo sua boa atitude de parar no meio da rua, e ajudar o cara, onde muitos só olhavam. (guardem essa história!)

    Meu outro amigo (B) ”era” muito foda, divertido e grande amigo mesmo, só que virou aqueles crentes/fanáticos, doente de querer levar todos para os cultos… Algum tempo depois meu amigo (A) teve o azar de ter sido semi-assaltado durante uma viagem ao interior em sua moto, dois individuos armados solicitam que pare pois é assalto, diante do claro nervosismo e sem saber o que fazer, ele analisa a situação, parou de uma vez, deu a volta e ”afuguetou” já que sua moto era melhor, o bandidos tentaram segui-lo e atirando porém, não conseguiram acertar. Ainda bem!

    Depois de contar essa história para o amigo (B) eis a surpresa que todos os demais ouvinte presentes tivemos, o cara começou a chorar, ficamos naquele momento ”ooooh ele se preocupou” só que ele fala: Estou triste, porque você poderia ter morrido, e ia direto pro inferno” Como assim cara? Sim, iria pro inferno já que chamei um monte de vezes pro culto, e você não quis ir.

    Ficamos pasmos que de tudo isso que ele ouviu, foi isso que veio na mente dele :O

    Eu sigo a religião do bom-senso pra onde eu vou não me interessa, quero saber do presente e não julgo ninguém, julgo atitudes. Meu amigo (A) era religioso e sabe minha opinião e nunca fez caso disso, foi julgado a ir pro inferno por causa disso (não ter ido aos cultos) hahahaha e essa e outras histórias que acontecem em nossa vida, “história do cara que caiu” não vão ser peneiradas, um dia? Se for, bem se não for bem também, pelo menos sei com qual amigo devo contar. 😉

    vlw Izzy e como sempre um texto

  20. João Víctor Garrido says:

    “Você seria capaz de dizer “ahhh, mas aqueles caras lá da Ásia adoram outros deuses e/ou eram tudo pecadores. Eles mereceram isso aí”…? Você conhece alguém que seria capaz de raciocinar assim…?”

    Pior que tem muita gente capaz sim. Lembro que quando teve o terremoto no Japão (acho que foi em 2011)muita gente disse que era porque eles não acreditavam em Deus, e sim em outros deuses. Além de tudo, essas pessoas são ignorantes.

  21. Jairo says:

    Ensinar aos filhos a serem boas pessoas é bem simples, tenha caráter, bom coração e faça boas ações, mostre que isso é o correto.
    Explique que somos todos diferentes e que não importa no que se crê (é, todos nos cremos em alguma coisa), todos devem ser respeitados, pois no final das contas as boas atitudes é que importam.
    Grande texto Kid.

  22. @engdavirocha says:

    Incrivelmente, na época no Tsunami, ouvi de várias pessoas exatamente isso: “Isso é uma punição de Deus por eles adorarem outros deuses/ao diabo”.

    É o mesmo tipo de pessoa que na tragédia da boate Kiss em Santa Maria -- RS disse que “Se estivessem na igreja não tinham morrido”.

  23. lindomar says:

    após assitir o vídeo da coreia do norte, acredito quando o Sarney falecer vai ser dessa forma o traslado do corpo pelas ruas de são luís

  24. Monique says:

    Esses textos assim que vc escreve são os meus favoritos, Izzy

  25. (Sim ou não, esse post torna-se ”religioso”) deveria ter um religião do ”bom senso ou da interpretação” (…)
    Não sou cristão! Mas se tem uma frase que sempre lembro é:

    Deus tenta falar com você de várias maneiras!

    Sabe aquelas embalagens de bombom que vem com uma mensagem que vc queria ouvir, então! foi Deus, num sei, foi a sacada depressiva do publicitário também não sei..
    Só quero que interpretem esse meu comentário como só tento tirar coisas boas de qualquer coisa.
    E não: ”ah, ele não é cristão mas citou Deus” hahahha

  26. Jonas says:

    O “televangeslista” americano Pat Robertson disse que o terremoto no Haiti foi culpa do “pacto com o demônio” que a população de lá tem. E isso foi a uns anos atrás.
    O FPD do Feliciano também disse que a Africa só se fode por ser um continente de descendentes amaldiçoados por Noé, ou algo assim.
    É inacreditável os caras virem a público falar umas asneiras destas!

  27. Carlos says:

    1) Izzy, mas, tipo, que, meio, tá, é um pouco óbvio que se você acredita em alguma coisa(ideologia, religião etc) você vai querer passar isso para os seus descendentes, não importando o que seja, logo, esse seu texto, é quase que sem sentido, já que todos os seres humanos fazem isso, sem exceção.
    2) Mesmo assim, por que fazer críticas somente à doutrinação cristã, seu post é de ataque somente aos cristãos. Contra a doutrinação neo-ateísta secular de crianças nas escolas não serve? Sei que por você ter sido criado em um lar cristão você possui maior entendimento da “doutrinação cristã”, mas não seria melhor um post contra qualquer doutrinação, com ênfase na sua experiência pessoal?

    • Izzy Nobre says:

      1) Esse é exatamente meu ponto, caso você não tenha percebido. Os “ensinamentos” bíblicos são simplesmente loucuras de um povo bárbaro e nômade, como tantos outros povos na região naquela época, e não um apanhado de importantes lições de moral e espiritualidade.

      2) Se um policial prende um estuprador, você vai culpa-lo por não ter prendido também alguns assaltantes…? É impossível abordar tudo de uma vez ué. O que seria “doutrinação neo-ateísta secular” aliás…?

      • Carlos says:

        A aceitação da banalização de qualquer coisa religiosa, da suposta afirmação de que os ateus são defensores da ciência, mesmo ela sendo neutra nesse assunto, e dos discurso de ódio de alguns ateus, tipo Richard Dawkins.
        Entendo que não dá para abordar tudo, mas você nunca ao menos tentou…

      • Joao says:

        Provavelmente sem esse povo “bárbaro e nômade” você não estaria aqui. Já que a civilização ocidental foi erguida pelos cristãos e pela Igreja, quando o império romano caiu.

  28. Laryssa says:

    O que mais me assusta é essas pessoas se identificarem “cristãs”. Numa boa, pra quem já leu o Antigo e o Novo Testamento, é muito fácil identificar o quanto tudo o que Jesus Cristo pregou é distante do Deus vingador do Antigo Testamento. Pra mim, uma pessoa que se auto-intitula cristã, afirma acreditar e seguir os ensinamentos de Jesus Cristo, jamais poderia ser homofóbica, condenar pessoas de outras religiões, e outros milhares de absurdos que vemos em igrejas por aí todos os dias. Jesus, assim como tantos outros durante a história, de religiões diversas e alguns nem mesmo ligados a qualquer religião, defendeu o amor incondicional ao próximo. Li um texto esses dias que concordo plenamente, se Jesus vivesse nos dias atuais, ainda seria considerado altamente subversivo e totalmente contra a “moral e os bons costumes” pregados por nossos queridos religiosos cristãos.

    • tonnydourado says:

      Se você considerar como ensinamentos de Jesus só os quatro evangelhos, talvez, forçando algumas barras, dê pra conciliar essa sua visão liberal de Jesus com a Bíblia. Talvez. Porque o Apocalipse e vários outros livros do novo testamento estão lotados de condenação a homossexualidade, ao sexo pré-marital, misoginia i intolerância em geral.
      Não tem como escapar. Ou você faz cherry picking dos trechos da Bíblia que se adequam a visão moderna do mundo (o que leva a pergunta, pra que ligar pra Bíblia at all, então, se é só pra tentar encaixá-la num molde em que ela claramente não se encaixa mais?) ou você age de acordo com suas crenças, ou seja, como um escroto preconceituoso.

  29. BrunoHe says:

    Adoro esse tipo de texto pq morror de rir com a diarréia q eh a defesa dos cristão.

    Sempre as mesmas desculpas, sempre o mesmo show.

  30. Guilherme says:

    “O nível de lavagem cerebral necessário pra conciliar essas duas idéias claramente contraditórias é incalculável — e não é diferente do que acontece com habitantes de países ultra-autoritários, reparem.”

    Duplipensamento. Reli 1984 recentemente e é incrível a quantidade de vezes que pensei “uhm, isso se aplica perfeitamente à doutrinação religiosa”. Toda essa coisa de uma entidade perfeita, acima de nós, que nos protege de todo o mal e nos ama, mas nos fode bonito se a negarmos…

    A última frase do romance é “Winston amava o Grande Irmão”. Imagino que seja o mesmo amor que os cristãos sentem por sua divindade sanguinária.

  31. Thiago says:

    Leiam: “Que autoridade moral teria uma divindade assassina de me julgar com base na minha ética…? Deus matou milhões, eu nunca matei ninguém. Sinto-me na posição de julga-lo, e não o contrário.” Vocês acham que o autor disso pode ser minimamente inteligente? Ad hominem, eu sei, mas sejamos sinceros.
    Enfim, a pergunta-base é essa: 1) existe algum problema em Deus (como Ele é entendido na tradição cristã) matar alguém?
    A resposta-base é: não.
    Inclusive ele pode matar todo mundo agora, mesmo um Santo, da pior forma possível.
    Então, o que diferencia Deus de um cara como Hitler?
    Olha, a resposta não é tão difícil. Eu deixo vocês tentarem.

    • Izzy Nobre says:

      Belo ad hominem inútil.

      • Thiago says:

        Mas eu digo o motivo do ad hominem.
        É simples.
        Você pode não ter matado ninguém. Aliás, durante toda a sua vida você pode ter sido um ser humano maravilhoso.
        Mas a questão é:
        Você nunca criou o Universo.
        Daí você vê que Deus é um cara melhor que você.

        • Izzy Nobre says:

          Hahahahahahahah que excelente argumento, Thiago.

          Era melhor ter ficado com o ad hominem mesmo.

          • Thiago says:

            É um bom argumento, mas você não entende as proporções. Você ainda não entendeu.

            1) Deus é um cara mau, porque mata muitas pessoas.

            Mas se elas estavam vivas pra começo de conversa…

            É tão difícil entender isso?
            O seu argumento é bobo. É emocional.
            Eu posso apelar pra emoção também.
            Deus criou os céus, as estrelas, a brisa, as ondas do mar, seus parentes, seu cônjuge, o sol que nos esquenta , a lua q

          • Izzy Nobre says:

            O seu argumento basicamente diz que a vida humana não tem valor nenhum.

            Ou seja: você é um psicopata sem a habilidade de empatia humana.

            E você nutre essa psicopatia porque alguém te falou que há um homem invisível no céu. lol

            Se Deus decide matar sua mãe AMANHÃ, arbitrariamente, você vai achar a decisão correta, né? Afinal, ele que deu vida a ela, então ela vale menos que poeira né?

        • tonnydourado says:

          Ser onipotente não é um argumento em favor da moralidade de Deus. Os deuses gregos eram igualmente poderosos, mas Zeus era um galinha, Hera era (cacofonia manda abraços) ciumenta, e todos eram vingativos pra caralho. Still, eram deuses. Seu argumento é irrelefante pra questão.

          • JP says:

            E ele tá basicamente dizendo que o diabo também é melhor que a gente. Afinal, somos humanos, e ele não só é um anjo (um anjo caído, mas um anjo mesmo assim), mas um dos anjos mais próximos de Deus.

  32. Thiago says:

    ..(continuando)..
    Vê? Eu posso continuar com essa baboseira. Essa coisinha de filme. Imagina só, eu falando tudo isso e as imagens aparecendo. Lindo, né?
    É a mesma coisa que você tá fazendo, só que ao contrário.
    O objetivo de tudo isso é aquela velha história:
    1) Se Deus dá a vida, o que impede de tirá-la? Se Deus criou o Universo, o que impede de destruí-lo?
    Outra coisa parece que você esquece, e isto é a noção de vida eterna.
    Esta vida não seria a única, segundo o cristianismo, você sabe. Claro que alguns, a maioria, iriam para um negócio muito pior do que é este mundo. Outros, no entanto, iriam pra um lugar muito melhor… Talvez os mortos em acidentes terríveis tenham indo pra um lugar melhor, não? E é pra sempre.
    É isso.

  33. Renato Saraiva says:

    Izzy, boa noite!

    Sou Cristão desde os 15 anos (hoje tenho 27), mas gostaria que lesse o que vou escrever com entendimento desprendido do que “ser cristão” possa representar à você.

    Muitos desses questionamentos que você descreveu nesse belo texto, me assolaram por um bom tempo no início do meu contato com a Bíblia. Eu lia uma página e me perguntava: Caramba! Isso aconteceu assim mesmo?

    Sempre que eu lia a Bíblia eu tinha muitos questionamentos a fazer com meu amigo, que com muita paciência me ajudava a solucionar essas dúvidas com meu próprio entendimento. Sem empurrar verdades ou mentiras prontas.

    Mas foi exatamente lendo a Bíblia que pude entender que o meu preconceito era o causador dessas dúvidas.

    Eu lia sobre Deus, alguém que para receber essa conotação divina, não pode estar inserido nos meus métodos de enquadramento sobre as pessoas, muito menos nos meus pré-conceitos sobre as coisas.

    Nesse mesmo pentateuco que você citou, Deus se apresenta à Moisés como o EU SOU. Isso para mostrar que à Deus não se dá um nome, não se define com palavras, não o enquadra, não o mete numa caixinha. Deus é Deus.

    E é aqui que eu quero chegar.

    Deus não está preso e nem sujeito às mesmas regras de TEMPO, ESPAÇO e MORALIDADE que nós.

    Ele não está preso no nosso mundo (e aqui não estou falando apenas do mundo físico, mas de tudo que define nosso ambiente de pessoas).

    Moralidade não serve para qualificar ou desqualificar à Deus. Moralidade é algo nosso, é de característica nossa.

    MORALIDADE É LITERALMENTE O PENSAMENTO DA MAIORIA. Há um grupo de pessoas e essas para continuar vivendo em grupo, precisam “julgar” TUDO que acontece entre elas, e a MAIORIA define o que é MORAL, e por consequência TODO o resto é definido como IMORAL.

    É só isso, é “idiotamente” isso. Nós somos assim.

    Esse exercício é nosso. Quando olhamos para alguém, nossa concepção sobre ela vem imbuída disso, MORAL.

    Mas quando falo de Deus, não posso trazê-lo para meu mundo, para a minha LÓGICA DE CAUSA E EFEITO, isto é um erro.

    A morte é medo do humano, que morre. Deus talvez não a veja como o fim “mortal” de tudo. Para Deus, a morte do espírito importa mais. E talvez isso seja revelado somente àquele que morre como conhecemos “morto”.

    Como Deus pode explicar para o mundo o seu propósito em fazer algo, se o mundo não consegue compreender nada que contraria sua lógica de causa e efeito e suas concepções morais?

    Já pensou nisso?

    É por isso que a fé cristã parece cega. Ela não se prende nem na causa e nem no efeito.

    Na bíblia há um texto que diz: “Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido”.
    1 Coríntios 13:12

    Felizmente ou Infelizmente, não há uma prova lógica com causa e efeito que possamos consultar o resultado das coisas que acontecem no nosso mundo. Para conhecer a razão de tudo, o cristão opta em confiar.

    Aproveito para dizer que acompanho seus textos e vídeos diariamente, sou fã do 99vidas (ouvi todos os textos, vlog e podcast em pouco menos de 2 meses). Me emocionei com sua retrospectiva de 10 anos no Canadá, seu casamento e sua conquista em se tornar cidadão canadense. Tudo isso pra dizer que independente de conflitos de pensamentos, não sou alienado a ponto de evitar me relacionar com pessoas, por convicções pessoais.

    • Guilherme says:

      “Para conhecer a razão de tudo, o cristão opta em confiar.”

      Pelo visto não é só a moralidade que é relativa. O seu conceito de “conhecer” também é bem flexível.

    • tonnydourado says:

      Primeiro, parabéns por ser relativamente tolerante e bem educado.

      Segundo, de novo, isso é um não-argumento. Não explica nada. “Deus é tão maior que o nosso entendimento, que não podemos questioná-lo”. É uma filosofia de ignorância (no sentido de oposto ao conhecimento, não de falta de educação), de não-questionamento, de aceitação passiva das ordens da autoridade. E todos os estados teocráticos que já existiram está aí como evidência que esse tipo de pensamento não é exatamente saudável. Eu diria até que é inumano; artificial, mesmo. Nosso estado natural é a curiosidade, a inquisitividade. Adotar esse tipo de postura é matar uma das características mais importantes que nos fazem humanos, na minha opinião.

      • Renato Saraiva says:

        Tonny, como disse, infelizmente ou felizmente não há uma prova. Se eu soubesse, não seria um cristão, seria o próprio Deus. Meu interesse é apenas descrever o pensamento cristão, não prová-lo.

        Agradeço por seu comentário.

    • Laura says:

      Excelente comentário, Renato. Concordo.

  34. Eric Draven says:

    Os textos do Kid são muito bons, principalmente os que abordam religião, mas eu venho mesmo é pra chorar de rir dos comentários.

    É cada coisa absurda que nego diz sem nem mesmo usar a própria cabeça pra pensar que a revolta me faz rir em vez de me irritar.

  35. Renato Saraiva says:

    Você usou um exemplo que confirma exatamente tudo que falei. “Matar a minha mãe” é o fim dos fins para a mentalidade humana, que está presa num contexto assim. Mas e se não for o fim? E se Israel Nobre descobrir depois de “morto” que “viveu” 80,90 ou 100 anos e isso foi só o começo? Quando eu era criança eu achava uma crueldade da minha mãe me deixar na porta da escola, virar as costas e ir embora. Isso não nem um pouco moral, por mais que ela dissesse que era para o meu bem, para meu crescimento.

    Hoje eu entendo que tudo o que ela fez, foi para o meu bem, por mais macabro pudesse parecer.

    Não à toa o cristão chama Deus de pai.

    Hoje vejo em enigma, mas um dia verei as coisas como elas são.

    • tonnydourado says:

      Esse é o último argumento que eu meio que engulo em relação aos absurdos religiosos. “God work in misterious ways”, “Creio pq é absurdo”, etc e tal. O único problema é que isso é uma filosofia de ignorância (© Neil deGrasse Tyson). É basicamente dizer “é porque é”, é não explicar, é se abrigar da crítica racional na irracionalidade da fé. E, desculpe, mas it’s just not good enough. Como o kid disse em algum lugar aí pra cima, acreditar não é uma decisão racional, e esse argumento aí no máximo aplaca a dúvida incipiente de alguém que já acredita.

      Então, se quiser brincar, pode descer pro play, mas traga uns brinquedos melhores, por favor.

      • Renato Saraiva says:

        Meu interesse nunca foi racionalizar a coisa. Não dá, senão eu anulo a fé. Nem tenho interesse em “converter” ninguém. Meu papel é apenas demonstrar o pensamento cristão, não prová-lo.

        Abraço.

        • tonnydourado says:

          That ends the discussion, then. Não existe discussão racional se vc não quer usar a razão.

          E by the way, se vc realmente não quer converter ninguém, tem que ler mais a bíblia, irmão.

          • Lucas says:

            Concordo com tudo o que o Renato falou. A premissa aqui é que o relativismo que os ateus postulam não existe. Se tudo é relativo essa é uma verdade absoluta então verdades absolutas existem e o relativismo é falso e todos esses comentários sofistas não tem validade. A verdade é que o que vocês vêem como simples dogmas tem um sistema complexo de estudo epistemológico por trás, não dá pra simplesmente jogar a bíblia no lixo sem ao menos ler o que tem nela e estudá-la da forma correta (através de hermenêutica e exegese, como em qualquer texto antigo). Eu posso garantir que nem 98% dos céticos que postaram aqui leram e estudaram dessa forma. Outra coisa, Izzy, não dá pra dizer que todo o conhecimento que você teve é o único conhecimento e mesmo o correto conhecimento acerca da Bíblia e de Deus, na minha opinião isso soa um pouco arrogante, não acha? tonnydourado, como disse, é você quem precisa ler a biblia, que diz que é Deus que convence e “converte” as pessoas, não nós, os cristãos.

  36. CCCC says:

    Kid viado vai morrer com uma Bíblia do Rei James enfiada no cu.

  37. Israel Ziller says:

    Eu tenho enormes dificuldades para entender religião, já fui ateu, já acreditei em Deus, hoje me encontro na categoria do “talvez exista, talvez não”.

    A Bíblia tem lições de moral, sem dúvida, assim como tem muita merda e que não precisa ser muito esperto para saber que é merda, mas colocando outra perspectiva, ateus tendem a jogar a bíblia no lixo por completo, sem perguntar uma coisa simples, porque um número exorbitante de pessoas seguem a bíblia? Será que são todos babacas, manipulados, cegos e nós ateus nascemos dotados de uma consciência elevada e não sentimos a necessidade de entender o espirito ou será que há alguma verdade no meio dessas histórias que possa ser aprendida?

    A Bíblia é apenas um livro como qualquer outro, tem exemplos, tem coisas inaceitáveis e vai de você ler e interpretar a sua maneira, absorvendo o que lhe interessa e jogando fora o que não presta. Vejo problemas nas interpretações mastigadas, como a dos pastores ou padres, que por vezes podem não estar com boas intenções e manipular a informação.

    Esse meu texto tem pouco a ver com o texto do Izzy, mas foi apenas um desabafo.

  38. Quando eu tinha 8 anos eu era cercado por religião e sempre me perguntava coisas sobre a biblia como: se Adão era o único homem na terra e eva a única mulher e os dois tiveram dois filhos (e um matou o outro) e hj em dia eu vejo mais de 100 pessoas por dia (eu tinha 8 anos velho) os filhos ficaram com a mãe deles e tiveram mais filhos? isso não é errado?, e a resposta sempre era a mesma: dica pensando nisso vai bobo… assim tu vai pro inferno (uma das maiores cartas na manga dos católicos). e no mesmo ano que eu comecei a me perguntar isso teve a tragédia do tsunami que foi exatamente no dia do meu aniversário, me lembro bem que eu estava na casa dos meus avós vendo tudo aquilo sentado no sofá e meu avô vira pra mim e fala: tá vendo isso garoto… isso é pra comemorar o seu dia, deus matou eles todos porque não acreditavam nele. Maluco, eu sai correndo desesperado achando que deus iria me matar por fazer aquele tipo de pergunta (do começo do comentário pros que não intenderam. depois de uns três anos já perto de meu aniversário novamente, decidi ir ler a biblia toda e no final decidi que não seguiria um deus que me mataria por tão pouco, tentei judaísmo mas eu amo bacon, tentei ser muçulmano e me fodi com meus pais e também odiava ter todas as regras( desisti depois de dois dias), hoje em dia eu não consigo intender como as pessoas me falam que por não acreditar em deus eu sou mais idiota e vou ter uma vida de misérias e ser um fodido completo, perdi várias amizades por ser um descrente (obrigado a todos que se distanciaram de mim por conta disso) e também não fico tentando converter os outros já que foi a coisa que eu mais odiei nos crentes (de qualquer religião). bom é isso a pequena historinha que eu tenho e ótimo poste Mr.Izzi Nobre

  39. O legal dessas histórias de “ah, mas é só alegoria, não aconteceu de verdade” é que eu tive uma educação cristã quando criança e ninguém me explicou isso. Naquele tempo eu acreditava, sim, que o dilúvio era literal. O mesmo vale para outras histórias, como a da criação e a de Jó.

    Será que as crianças de hoje estão sendo ensinadas de que é tudo parábola?

    • Izzy Nobre says:

      Eu duvido, George. Pra começo de conversa a mera ideia de que alguma parte da biblia é figurativa é uma pratica beeeem recente. Em segundo lugar não há metodologia clara pra decidir o que é literal e o que é figurado. Eles decidem arbitrariamente, E não há consenso.

  40. Jek says:

    E tem ateistas tentando doutrinar cristãos como se converter pessoas não fosse também um ato imoral.

  41. Carlos says:

    E quando o Izzy vai falar dos ateus antiteístas que usam todo tipo de artimanha para “libertar” as pessoas? Aí eu quero ver os comentários desses ateus que espalham ódio e caos, que acaba não só prejudicando os religiosos, mas também os ateus que respeitam as outras pessoas.

  42. […] doutrinação de crianças, e o mito da moral cristã:http://hbdia.com/ateismo/biblia-criancas-e-o-mito-da-moral-crista/<br />”Quem é esse tal de Izzy […]

  43. Leinad says:

    Pior ainda são os hinos genocidas que cantamos quando criança ( fui evangélico também ):
    “Vem com josué lutar em jericó, jericó, jericó
    Vem com josué lutar em jericó, e as muralhas ruirão

    Suba os montes devagar
    Que o senhor vai guerrear
    Cerquem os muros para mim
    Pois jericó chegou ao fim”

    • Izzy Nobre says:

      Lembro muitíssimo bem dessaí, aliás! Isso é foda; um povo INVADINDO a cidade de outrem, com a ajuda de uma divindade (ou seja, total covardia), que os ordena a matar TODO MUNDO (incluindo até crianças)… e isso é ensinado como algo OBJETIVAMENTE BOM. Esses são os mocinhos da história!!!!

      • Lukas says:

        Se tinha Deus de um lado, obviamente que tinha outra entidade do outro lado né parceiro?

        O que lhe falta é conhecimento, não sabes nada. Como de sempre acontece.

        Para mim isso tudo é só o emocional seu, que não sei da onde vem, pois você nunca disse. A raiz sua com Deus. Mas…

        E, se esqueceu dos 36 homens mortos né? Por que que isso aconteceu? Sabe? rss Claro… que não. rs

        XD

        Certo.

  44. Joseph says:

    Massa Izzy.

    Você está fazendo precisamente o que um doido disse numa roça a 2000 anos atrás.

    Como foi dito sobre o que aconteceria com os Judeus e tudo se cumpriu (Coisas que povo nenhum venceu, como ser separado, diluído, odiado gratuitamente, massacrado etc. e não se tornar um com o meio, não se perder e acabar. E ser restaurado.)

    Você está fazendo parte do que foi dito que aconteceria com os seguidores de Cristo. Palavras que foram ditas em local como numa vila no sertão daqui.

    Massa ver as profecias acontecendo.

    Vlw Izzy!

    Abraços.

  45. Marcos says:

    O engraçado é esse povo exigir compreensão de direitos humanos do povo do velho testamento. RARARARARARARARAARAAA

    Um povo que não sabia ler nem contar nos dedos. Povo que vivia da chuva! RARARARRAR

    Jesus veio, cumpriu as profecias e foi morto. Jesus introduziu direitos humanos naquele povo e o povo ficou doido, e o condenou.

    Hoje! Nos dias de Hoje! 2014! Tem gente que não conhece direitos humanos, um povo burro, animal, analfabeto. Vá nas cidades do interior aqui no Brasil, tudo se resolve no tiro. Tem até as famílias com fama disso e outras daquilo, linhagens etc.

    Briga de vizinho acaba em tiro em 2014, e os caras querem lidar com os homens do velho testamento com direitos humanos!

    Deus foi bom e muito bom com o povo do velho testamento. Procure saber como eram os outros deuses e o que os povos desses faziam para aí sim você ficar louco.

    E o povo como sempre, sem conhecimento algum.

    • Izzy Nobre says:

      Que dissonância cognitiva louca essa sua.

      • Marcos says:

        Posso usar palavras suas?

        Tem argumentos ou…?

      • Sávio says:

        Izzy, sei que você é capaz de entender o que o Marcos disse. Por favor, deixa a sua ideologia um pouco de lado e veja.

        Olha o caso do menino que foi encadeadado no poste nessa última semana. Qual a diferença você acha que tem do homem do velho testamento, que vivia da natureza, para o do século atual? Uma grande diferença, não acha? Qual o entendimento de vida e viver eles tinham e os de hoje possuem? Por que a noção de consciência não pode ser diferente e somente a questão física, a matéria em si, o modo de vida?

        Jesus falou de direitos humanos e o povo não entendeu. Isso a 2000 anos atrás. Tudo tinha que ser dito através de parábolas. Ninguém sabia amar o próximo como a si mesmo, ninguém entendia. E hoje, hoje também, se não for pior.

        Hoje o povo não possui amor algum, nenhum, nada. Ninguém pensa no direto do próximo. O egoísmo reina. E isso não é só no 3º mundo não, você aí no Canadá sabe. Nem gentilezas simples há, nem um sorriso curto como cumprimento.

        Para se viver em paz hoje, tem que se viver uma vida de renúncias de direitos e deixar o próximo se sobressair. É uma vida de abaixar a cabeça, ficar quieto e levar desvantagem em tudo.

        É só uma questão de conhecimento e compreensão.

        Falou Izzy.

      • Israel Goldman says:

        O povo hoje só não faz nada contra o próximo por medo de ir preso.

        Alguns falam que se a pessoa não faz alguma coisa pq a bíblia mandou ela não fazer, ela é uma pessoa terrível, psicopata, sem empatia nenhuma. E concordo, quem vive por lei e não por amor, não é confiável como uma pessoa para se ter próxima e também, pessoas assim nunca foram cristãs.

        Pq um dia, essa pessoa falha em seu esforço de bom cidadão e chuta o balde e faz aquilo que sempre quis fazer. Alguns fazem tudo mesmo, outros param no limite de poder ir preso.

        Não sei se essas pessoas agem assim com o intuito de agradar a Deus ou outra coisa, mas não entendo isso mesmo, a pessoa acha que engana a Deus? E, agradar com mentira? É igual a questão do arrependimento, você pode enganar pessoas, mas Deus? Quem escolhe ser mau é pq gosta ou sei lá o motivo desses, mas achar que vai enganar Deus? O homem colhe o que planta e fingir arrependimento ou sei lá o quê mais, não muda o interior da pessoa, ela só pode enganar os que veem somente seu exterior, somente os que houvem só o que sai de sua boca.

        A dissonância cognitiva está na aplicação da sua ideologia como filtro em tudo Izzy.

        A maioria no mundo é assim, só não fizeram muita coisa por medo da lei. Pq de bom coração, ‘Direitos DosManos’, amor, é uma ínfima parte que escolhe esse caminho. Caminho de renúncia esse, como dito pelo Sávio.
        Esse povo todo finge não ser egoísta e ter empatia. Se não fosse a lei…

  46. Icarus says:

    Izzy, bom o texto.

    Um detalhe. Vc escreveu que Moisés escreveu o Pentateuco, mas é certo que ele também é um mito 🙂

    Já leu “The Bible Unearthed: Archaeology’s New Vision of Ancient Israel and the Origin of Its Sacred Texts” do Israel Finkelstein e Neil Asher Silberman? Recomendo.

  47. marcilio says:

    Mais VC sabe neh que Moises passou mais de 100 anos pedindo que o povo se arrependesse e entrasse com ele no barco.

  48. The Metalhero says:

    Olá Izzy Nobre, conhecia você só do 99 vidas e não conhecia este lado mais crítico em seus vídeos e blog.

    Eu sou cristão e discordo em muitas coisa aqui, um exemplo foi fato de se dizer que a história da arca de Noé ser uma lenda. De onde saiu isso?

    E realmente, doa a quem doer, a verdade é exatamente esta, Deus matou milhares no dilúvio devido as razões claramente expostas na Bíblia e que você disse aqui, embora com uma certa intenção de chacota.

    E uma coisa que infelizmente os ateus usam e você usou, são partes da Bíblia que são pêgas fora do contexto para justificar coisas que estejam de acordo com suas idéias, mesmo que não estejam no contexto do que é explicado na totalidade do texto bíblico. Como por exemplo, este absuro que vc falou do “comer carne de porco”. Isso pra mim é apenas tentar justificar algo que não tem justificativa.

    Agora uma coisa absurda é querer comparar o dilúvio com o Tsunami, ou outras tragédias recentes. A Bíblia é um livro fechado, o que está relatado lá tem um motivo, assim como o dilúvio, que não foi causado por causas naturais.

    Sobre outro erro que você cometeu, é achar que cristãos sofrem lavagem cerebral. A bíblia é a única regra de FÉ e prática do cristão. Por isso, o cara vai sempre ESTUDAR o que está escrito, para que assim viva conforme as escrituras. Ou seja, não por que algum padre ou pastor mandou, mas sim por vontade própria, pela sua FÉ.

    Este tipo de texto é típico de quem tem algo não favorável aos cristãos, sejam católicos ou protestantes, mas nunca conseguem sucesso por não terem fatos coerentes para justificar o que escreve. Na verdade, qualquer coisa que um ateu vier a tentar colocar pontos incoerentes na Bíblia, irá falhar quando encontrar alguém que realmente a estudou. Não sei o porquê de alguém que eu julgo inteligente como você ser tão contra ao cristianismo, isso até por ter sido filho de pastor. Mas isto não vem ao caso.

    Abraços, adoro o 99 vidas e sempre comento por lá!

  49. jh says:

    Eu estou quase que na mesma em relação a algumas coisas que vc disse, Izzy. Sou uma pessoa com duvidas, porém disposta a ouvir opiniões distintas. Mas uma coisa eu sei. De acordo com a biblia, o tão temido inferno não existe. Vou ilustrar essa ideia com o seguinte texto. Tirem suas conclusões depois. Inclusive vc, Izzy! A ultima coisa que eu iria querer aqui seria brigar com alguém. Portanto, não briguem! 😀 Fiquem com o texto logo abaixo. Tchau.
    A noção de um “inferno” de fogo eterno para castigar os maus está intimamente associada à teoria da imortalidade natural da alma. Já no Jardim do Éden, Satanás, na forma de uma serpente, disse a Eva que ela e Adão não morreriam (Gn 3:4; Ap 12:9). Entre os antigos pagãos havia noções de um outro mundo no qual os espíritos dos mortos viviam conscientes. Essa crença, somada à noção de que entre os seres humanos existem pessoas boas e pessoas más que não podem conviver para sempre juntas, levou antigos judeus e cristãos a crerem que, além do paraíso para os bons, existe também um inferno para os maus.

    Muitos eruditos criam que a noção de um inferno de tormento para os ímpios derivara do pensamento persa. Mas em meados do século 20 essa teoria já havia perdido muito de sua força, diante das novas investigações que enfatizavam a influência grega sobre os escritos apocalípticos judaicos do 2o século a.C. Tal ênfase parece correta, pois na literatura greco-clássica aparecem alusões a um lugar de tormento para os maus. Por exemplo, a famosa Odisséia de Homero (rapsódia 11) descreve uma pretensa viagem de Ulisses à região inferior do Hades, onde mantém diálogo com a alma de vários mortos que sofriam pelos maus atos deles. Também Platão, em sua obra A República, alega que “a nossa alma é imortal e nunca perece”.

    Por contraste, o Antigo Testamento afirma que o ser humano é uma alma mortal (ver Gn 2:7; Ez 18:20); que ele permanece em estado de completa inconsciência na morte (ver Sl 6:5; 115:17; Ec 3:19 e 20; 9:5 e 10); e que os ímpios serão aniquilados no juízo final (ver Ml 4:1). Mas tais ensinamentos bíblicos não conseguiram impedir que o judaísmo do 2.o século A.C. começasse a absorver gradativamente as teorias gregas da imortalidade natural da alma e de um lugar de tormento onde já se encontram as almas dos ímpios mortos. Esse lugar de tormento era normalmente denominado pelos termos Hades e Sheol.

    Já nos apócrifos judaicos transparecem as noções de uma espécie de purgatório (Sabedoria 3:1-9) e de orações pelos mortos (II Macabeus 12:42-46). Mas o pseudepígrafo judaico de I Enoque (103:7) assevera explicitamente: “Vocês mesmos sabem que eles [os pecadores] trarão as almas de vocês à região inferior do Sheol; e eles experimentarão o mal e grande tribulação – em trevas, redes e chamas ardentes.” Também o livro de IV Enoque (4:41) fala que “no Hades as câmaras das almas são como o útero”. A idéia básica sugerida é a de uma alma imortal que sobrevive conscientemente à morte do corpo.

    O Novo Testamento, por sua vez, fala acerca da morte como um sono (ver Jo 11:11-14; I Co 15:6, 18, 20 e 51; I Ts 4:13-15; II Pe 3:4) e da ressurreição como a única esperança de vida eterna (ver Jo 5:28 e 29; I Co 15:1-58; I Ts 4:13-18). Mas o cristianismo pós-apostólico também não conseguiu resistir por muito tempo à tentação paganizadora da cultura greco-romana, e passou a incorporar as teorias da imortalidade natural da alma e de um inferno de tormento já presente. Uma das mais importantes exposições medievais do assunto aparece em A Divina Comédia, de Dante Alighieri, cujo conteúdo está dividido em “Inferno”, “Purgatório” e “Paraíso”.

    Além de conflitar com os ensinos do Antigo e do Novo Testamento, a teoria de um inferno eterno também conspira contra a justiça e o poder de Deus. Por que uma criança impenitente, que viveu apenas doze anos, deveria ser punida nas chamas infernais por toda a eternidade? Não seria essa uma pena desproporcional e injusta (ver Ap 20:11-13)? Se o mal teve um início, mas não terá fim, não significa isso que Deus é incapaz de erradicá-lo, a fim de conduzir o Universo à sua perfeição original? Portanto, a teoria de um tormento eterno no inferno é antibíblica e conflitante com o caráter justo e misericordioso de Deus.

  50. jh says:

    Bem, eu estou quase que na mesma situação que vc, Izzy. Concordo com muita coisa q vc disse. Eu tento ser uma pessoa disposta a ouvir opiniões contrarias as minhas, porém eu vejo que quanto mais eu ouço as pessoas, mais confuso eu fico. É quase que impossivel chegar a um senso comum. Mas enfim, não quero entrar em discussões enfadonhas que não levam a lugar algum. Eu só estou aqui para trazer uma informação útil(pelo menos eu acredito que seja). Espero que vc leia, Izzy! É sobre o tão temido inferno. De acordo com a biblia e a historia antiga, ele não existe! :O Leia e tire suas proprias conclusões! 😉
    “A noção de um “inferno” de fogo eterno para castigar os maus está intimamente associada à teoria da imortalidade natural da alma. Já no Jardim do Éden, Satanás, na forma de uma serpente, disse a Eva que ela e Adão não morreriam (Gn 3:4; Ap 12:9). Entre os antigos pagãos havia noções de um outro mundo no qual os espíritos dos mortos viviam conscientes. Essa crença, somada à noção de que entre os seres humanos existem pessoas boas e pessoas más que não podem conviver para sempre juntas, levou antigos judeus e cristãos a crerem que, além do paraíso para os bons, existe também um inferno para os maus.

    Muitos eruditos criam que a noção de um inferno de tormento para os ímpios derivara do pensamento persa. Mas em meados do século 20 essa teoria já havia perdido muito de sua força, diante das novas investigações que enfatizavam a influência grega sobre os escritos apocalípticos judaicos do 2o século a.C. Tal ênfase parece correta, pois na literatura greco-clássica aparecem alusões a um lugar de tormento para os maus. Por exemplo, a famosa Odisséia de Homero (rapsódia 11) descreve uma pretensa viagem de Ulisses à região inferior do Hades, onde mantém diálogo com a alma de vários mortos que sofriam pelos maus atos deles. Também Platão, em sua obra A República, alega que “a nossa alma é imortal e nunca perece”.

    Por contraste, o Antigo Testamento afirma que o ser humano é uma alma mortal (ver Gn 2:7; Ez 18:20); que ele permanece em estado de completa inconsciência na morte (ver Sl 6:5; 115:17; Ec 3:19 e 20; 9:5 e 10); e que os ímpios serão aniquilados no juízo final (ver Ml 4:1). Mas tais ensinamentos bíblicos não conseguiram impedir que o judaísmo do 2.o século A.C. começasse a absorver gradativamente as teorias gregas da imortalidade natural da alma e de um lugar de tormento onde já se encontram as almas dos ímpios mortos. Esse lugar de tormento era normalmente denominado pelos termos Hades e Sheol.

    Já nos apócrifos judaicos transparecem as noções de uma espécie de purgatório (Sabedoria 3:1-9) e de orações pelos mortos (II Macabeus 12:42-46). Mas o pseudepígrafo judaico de I Enoque (103:7) assevera explicitamente: “Vocês mesmos sabem que eles [os pecadores] trarão as almas de vocês à região inferior do Sheol; e eles experimentarão o mal e grande tribulação – em trevas, redes e chamas ardentes.” Também o livro de IV Enoque (4:41) fala que “no Hades as câmaras das almas são como o útero”. A idéia básica sugerida é a de uma alma imortal que sobrevive conscientemente à morte do corpo.

    O Novo Testamento, por sua vez, fala acerca da morte como um sono (ver Jo 11:11-14; I Co 15:6, 18, 20 e 51; I Ts 4:13-15; II Pe 3:4) e da ressurreição como a única esperança de vida eterna (ver Jo 5:28 e 29; I Co 15:1-58; I Ts 4:13-18). Mas o cristianismo pós-apostólico também não conseguiu resistir por muito tempo à tentação paganizadora da cultura greco-romana, e passou a incorporar as teorias da imortalidade natural da alma e de um inferno de tormento já presente. Uma das mais importantes exposições medievais do assunto aparece em A Divina Comédia, de Dante Alighieri, cujo conteúdo está dividido em “Inferno”, “Purgatório” e “Paraíso”.

    Além de conflitar com os ensinos do Antigo e do Novo Testamento, a teoria de um inferno eterno também conspira contra a justiça e o poder de Deus. Por que uma criança impenitente, que viveu apenas doze anos, deveria ser punida nas chamas infernais por toda a eternidade? Não seria essa uma pena desproporcional e injusta (ver Ap 20:11-13)? Se o mal teve um início, mas não terá fim, não significa isso que Deus é incapaz de erradicá-lo, a fim de conduzir o Universo à sua perfeição original? Cremos(Adventistas do sétimo dia) portanto, que a teoria de um tormento eterno no inferno é antibíblica e conflitante com o caráter justo e misericordioso de Deus.

  51. Diogo says:

    Acho incrível como a grande maioria dos cristãos utilizam do argumento da intervenção divina para as coisas. Conheço muita gente que defende que se você prospera ou “cai” é porque, assim, Deus quis, e esquecem do poder atribuído a si mesmo (o livre arbítrio). O pior, “Deus é rancoroso que puni indistintamente os pecadores e quem está por perto” e só os “de bem” prosperam.
    Se assim fosse, não existia o mal no mundo…
    Na verdade, é meio que inaceitável (vou me contradizer, mas não tem outra forma) a forma de pensar das pessoas mais conservadoras (se é que o termo conservador mais se adequai aqui) de que a verdade deles é a verdade. Coloquem algo na cabeça: toda intolerância é burra.

  52. Harrison da Silva says:

    Sem morte não há vida, não a progresso mesmo que sejam milhões de pessoas…
    Concordo em parte com você Izzy Nobre, pode ser triste várias mortes, crianças, deficientes e etc,
    mas sem o progresso, mortes, guerras, ninguém de hoje não existiria por isso não traga assuntos religios.
    E o velho testamento não importa mais nesse tempo, Temos de seguir o novo, não traga o velho testamento denovo nessa conversa, pois não levará a lugar nenhum,

    Velho testamento-> Judeus
    Novo testamento -> Cristãos

    Veja a diferença entre esses testamentos e depois venham falar algo mais correto, sem discursões que não levam a lugar nenhum…

    Abraços Izzy Nobre e continue com o bom trabalho.

  53. Thiago says:

    Se existe um deus de suprema bondade, justiça e poder, que quis deixar para humanidade um guia de conduta moral (A Bíblia) , o mínimo que se espera desse deus, é que ele se oponha veementemente a escravidão de seres humanos.
    No entanto, nos textos bíblicos, ele a promove e legitima.
    O que nos leva a crer que deuses são figuras míticas, elaboradas por povos primitivos para justificar seus atos de pilhagem, genocídio e dominação.
    Em nenhuma passagem do Novo testamento, encontramos sequer uma linha, que proíba, recrimine ou questione a escravidão.

    Fonte: rel="nofollow">

  54. Fábio Quirino says:

    Puta que pariu Izzy, vai tomar no cu maluco! Esse texto é uma das melhores coisas que já na li na minha vida!!! Penso EXATAMENTE como você nesse ponto!
    Tô cheio das pessoas me cobrarem por não ir à missa aos domingos e dizerem que minhas ideias são idiotas. A religião tem o poder de convencer as pessoas a acreditarem em TUDO!!!

  55. Luis Pereira says:

    Como é protestante é normal você ter uma noção zuada da religião mesmo… ninguém pode negar.
    Novo Testamento manda abraços.

  56. Guilherme says:

    Mano, pode ter certeza que esse video esta na fita Capitulo Negro do Yu Yu Hakusho. Que coisa Bizarra!!

  57. Leandro Alves says:

    90% das questões que você trata nesse texto, e tbm em outros textos, já foram debatidas e vencidas na idade média por caras como Santo Agostinho e São Tomás de Aquino.

    • Izzy Nobre says:

      AHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHA.

      É só isso que tenho a dizer sobre seu “argumento”.

      • The Metalhero says:

        Pois é, rsrs, mas os caras ainda tentam colocar coisas que supostamente deveriam provar que o que está escrito na bíblia é errado ou não faz sentido.

        Muitos já tentaram no passado e tentam no presente, sem sucesso, mas tenho certeza que continuarão tentando no futuro. Sem sucesso.

        By the way, adorei o 99 vidas do 3DS!

  58. Guilherme says:

    Nao escultem o Izzy
    Sei que ele tem o direito de achar o que quiser

    E tentar culpar Deus pelos erros humanos e as consequencias de seus proprios atos

    Deus só interfere na vida de quem deseja e lhe pede

    Se vc o quer busque e Ele virá
    Realmente ele nos ama

    Mas nao aceita pecados porque é santo

    Por isso Ele enviou Jesus para nos ter de volta sem pecados