Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Por que a cena do começo de Dark Knight Rises não faz o menor sentido

Postado em 24 November 2012 Escrito por Izzy Nobre 122 Comentários

Não sou o maior fã da DC, mas admito que gostei do trabalho que eles fizeram com o Batman do Christopher Nolan. Exceto, claro, que sou um nerd meio chato e farei o possível e impossível para apontar incongruências entre o filme e o universo real em que vivemos.

E eu já digo logo: a culpa é do próprio Nolan. Ao estabelecer o Cavaleiro Negro como um herói “realístico” em Batman Begins, o diretor o trouxe para o mundo tangível em que vivemos, e há um pequeno probleminha com essa premissa. Enquanto o playground do Batman era aquele cenário coloridinho de desenho animado Live Action como nas tentativas cinematográficas anteriores, o personagem estava evidentemente imune a críticas de falta de verossimilhança.

Entretanto, ao trazer o Batman pro mundo real, Nolan deve então se submeter às regras do mesmo, e é por isso que eu posso fazer a crítica que estou prestes a fazer. Foi ELE quem se propôs a trazer o Batman pra fora do mundinho galhofa, não eu, então aguente.

E se você vier com o papo de “ahhh mas é um filme em que um cara se veste de morcego né“, cale essa sua boca nojenta. Certamente você em algum momento elogiou o realismo da trilogia do Nolan; a série não pode simultaneamente se beneficiar de manter o pé no chão (este sempre foi seu maior louro), mas não arcar com o preço disso quando é criticada por falta de realismo porque “é um filme de super herói, não ligue para essas coisas”.

Ou um ou outro, porra. É o tratamento mais sério dado ao Cavaleiro Negro, de forma reconhecida até pela Academia quando deu um Oscar póstumo ao Heath Ledger, ou é um filme de quadrinhos em que não se pode criticar a falta de realismo?

Então, vamos logo ao ponto porque tenho que ir preparar o almoço. Lembram desta cena?

Então. Depois da introdução sensacional do Joker no The Dark Knight, o Nolan se sentiu tentado (talvez coagido pela Warner?) a tentar fazer o raio cair duas vezes no mesmo lugar e reciclar o momento “vamos apresentar o vilão da forma mais foda possível” na abertura do filme. Eu não esperava algo tão formulaico do Nolan, mas vamos lá.

Na cena, um grupo de agentes americanos captura o Bane, o cientista maluco lá (“Doutor Pavel”) e alguns de seus comparsas. Bane se liberta de suas algemas, senta porrada nos seus captores e, do lado de fora da aeronave, seus comparsas aparecem pra tira-lo de lá. No processo, eles trazem um corpo pra dentro do primeiro avião, fazem uma transfusão de sangue do Dr Pavel para ele (em menos de 5 segundos), Bane fala que um dos malucos teriam que ficar no avião porque “eles esperam um de nós nos destroços, irmão!” e assim, Bane escapa.

O problema é que nada nessa cena faz sentido. Como diriam os meninos do Melhores do Mundo, foi uma cena “massavéio” que se preocupou muito mais em fazer a galera vibrar no cinema do que com a suposta verossimilhança que o Nolan considera tão importante no seu universo Batmanístico.

Primeiro problema: qual era o propósito daquela transfusão? O filme não explica explicitamente, mas é subententido que o sangue transplantado faria os investigadores concluir que aquele corpo era do Dr Pavel.

Vamos ignorar o fato de que transfusões de sangue não funcionam daquela forma. Na consciência popular, saber o tipo sanguíneo de uma pessoa é o suficiente para uma transfusão; no entanto, existe um processo bem mais demorado pra examinar todos os possíveis antígenos no sangue do doador, para diminuir as chances de uma reação hemolítica no corpo do paciente que recebe o sangue. Tal reação poderia facilmente indicar a falcatrua ao médico legista que examinasse o cadáver.

O problema é que toda a premissa de “vamos injetar o sangue do doutor neste maluco e assim enganar os legistas” não faz nenhum sentido. Primeiro que num acidente de avião, identificação de vítimas é na maior parte das vezes completamente desnecessária — uma vez que o avião é identificado, o manifesto aéreo (uma listinha que contém o nome dos passageiros) é o suficiente pra identificar as vítimas.

O segundo problema é que identificação de DNA de vítimas de acidentes não é feita usando o sangue, é feita com tecidos (geralmente musculares), ossos, cabelos e unhas. O motivo é prático: ossos, cabelos e unhas não se decompoem tão rapidamente quanto outros elementos do corpo humano, e tecido muscular existe em abundância no corpo, possibilitando examinar vários tecidos diferentes pra garantir confirmação dos resultados. O método se chama “short tandem repeat typing” e é descrito em inúmeros estudos publicados na internet. Note que um deles é do Departamento de Justica Americano, não tou inventando nada disso.

Ainda que a identificação genética fosse feita com sangue, uma transfusão de 3 segundos injetaria tão pouco sangue no volume total do “paciente” que só mesmo PURA SORTE faria o médico legista efetuar a flebotomia exatamente na área em que o sangue foi injetado, e extrair APENAS o sangue doado e não o sangue “nativo” junto com a amostra seria literalmente impossível.

Mas no final das contas, a transfusão é uma cena imbecil por um motivo maior.

Supostamente, a idéia do Bane é que a queda do avião pareça um acidente — por que motivo, não é exatamente claro; que diferença isso faz na real? O filme mostra que as autoridades policiais são completamente incompetentes ao lidar com o Bane de qualquer forma. Saber que ele escapou do acidente faria muito pouca diferença. Eles continuam não sabendo praticamente nada sobre o cara, e muito menos onde ele está, ou qual é seu plano.

Mas vamos lá. A idéia do Bane é que, doando sangue do doutor pro outro maluco e obrigando um de seus capangas ficarem no avião, a queda será vista como um acidente (simplesmente porque o número de passageiros é o mesmo, uma premissa completamente estapafúrdia); e a implicação disso é que a queda será menos suspeita e as autoridades vão “deixar pra lá”.

Exceto que há o pequeno probleminha da forma como o avião caiu. Ao examinar os escombros, os investigadores certamente acharão um pouco suspeito que o avião não tenha asas, nem o estabilizador vertical da cauda. Inevitavelmente eles encontrarão tais parte, e vão se perguntar como é que todas as três se destacaram do avião ao mesmo tempo (isso pode ser facilmente determinado pelo fato de que as três estarão relativamente próximas uma das outras). E vão se perguntar também como é que o avião continuou no ar por vários quilômetros após a queda das asas.

E isso não é tudo. Aviões tem um negócio chamado CAIXA PRETA, um instrumento que grava inúmeras informações de vôo — incluindo a peculiar combinação de uma inclinação de 90 graus em relação ao solo, ao mesmo tempo que a velocidade e altitude foram mantidas por vários minutos. Eu imagino que peritos compreendem que um avião não deveria voar daquela forma.

Isso pra não mencionar os defuntos com buracos de balas e cápsulas descartadas das submetralhadoras dos capangas. E sim, quando peritos avaliam um acidente de avião, eles investigam TUDO; passam um pente fino em todos os destroços e em toda a área ao redor.

Ah, e os berros de MAYDAY dos pilotos talvez fossem uma boa indicação de que alguma merda gravíssima aconteceu pra provocar o acidente.

– Ô Oliveira, cê notou que o avião perdeu ambas asas e a cauda ao mesmo tempo, ficou em pé subitamente, manteve a mesma altitude e a velocidade e os pilotos começaram a berrar desesperadamente por socorro?
– Sim, mas o número de corpos na fuselagem é exatamente o que esperávamos, ou seja: foi apenas um acidente. Nem precisa investigar nada não.

O problema que eu tenho com essa cena é que ela não faz o Bane parecer um gênio do crime com nível de preparo equivalente ao do Batman. Ela o faz parecer um imbecil com zero capacidade de compreensão dos resultados de suas presepadas. Ele bolou o plano de acordo com o que parecesse mais foda (“aí os nossos broders viram o avião quase de cabeça pra baixo com a gente ainda dentro!”), sem qualquer preocupação com as implicações disso.

Em vez de um gênio do planejamento como o Bruce Wayne (de quem o Bane deveria ser essencialmente uma cópia, porém malvada), o Bane não entende como examinariam os destroços de um avião, como identificariam as vítimas, etc. Ele não manja de porra nenhuma do próprio plano.

Resumindo, The Dark Knight Rises é uma bosta.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Cinema

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

122 Comentários \o/

  1. Pedro says:

    “Resumindo, The Dark Knight Rises é uma bosta.”
    ta

    • Allan says:

      😀 Relaxa, o Izzy só tá haterzinho pra levantar ibope, porque o filme foi muito FODA (eu que sou amante da MARVEL gostei deste filme de um herói da DC) , sinceramente… reclamar de tudo isso OK, mas reclamar do plano do BANE? LOL , hater sem causa, mas tudo bem 🙂 os seus textos / videos são legais, só enche o saco essa putaria de pagar de hater.

      • duda says:

        lógico que como amante da Marvel, você ignora toda a lore da DC e não se incomoda com as modificações profundas em características cruciais de alguns personagens que o Nolan fez no filme, o que te deixa mais propício a ter gostado do mesmo

  2. Trovalds says:

    Concordo e discordo ao mesmo tempo agora.

  3. João F. says:

    Kid começou a estudar enfermagem/medicina/análise de mijo e começa a contestar qualquer cena de filme que tenha algum tipo de “situação médica”. Uma dica: Vá ver as 9 temporadas de House, quem sabe você não acha coisas legais o suficiente pra criticar e criar posts mostrando o quão você tem se dedicado as aulas da faculdade.

  4. KMS says:

    O Izzy Nobre, falou apenas verdades. Aceite as verdades.

  5. Higor says:

    Realmente foi preciso escrever tudo isso pra mostrar que esse cena foi sem nenhum sentido?

  6. Daniel Vila says:

    AEHUAEUAEHUHAEUEAUAEUAE. Muito bom o post Kid!
    Sou muito fã de Batman e adorei a trilogia Nolan, mas essa cena não faz o maior sentido. Apenas acho que o filme não é uma bosta SÓ bosta por essa cena.
    Concordo quando você disse que não faz sentido defender que o filme é realista e logo depois dizer que é um filme de herói. Acho que o Nolan aproximou o herói a realidade, aproximou bastante. Mas ainda sim, é um filme de herói, e não pode ser visto como um Batman na vida real.
    O problema do TDKR é o seu antecessor.

    • VMK says:

      O problema do TDKR é que ele é uma merda, faz menos sentido ainda que seu antecessor. Nolan com certeza tava MUITO abatido ainda com a morte do Ledger, e deixou o andamento da história nas mãos do Goyer, que é o cara que ajudou a criar aberrações cinematográficas como a trilogia Blade e o Motoqueiro Fantasma.

  7. Allan says:

    Rage Whore pra cacete, mas engraçado.

  8. Rodrigo says:

    “Exceto, claro, que sou um nerd meio chato e farei o possível e impossível para apontar incongruências entre o filme e o universo real em que vivemos.”
    Tá explicado.

  9. Douglas Ribas says:

    O personagem principal é um cara que veste um colam de morcego, o vilão usa uma focinheira e fala como uma garota com um mega fone e vc vem querer falar sobre fazer sentido? É um filme de super heroi apenas se divirta

  10. Victor says:

    Acho que essa cena é mais pra mostrar como o Bane vai fazer coisas megalomaníacas e absurdas ao longo do filme pra conseguir o que quer do que qualquer outra coisa…e porra,ele é um bombadão que tem um suprimento eterno de uma substância anestésica numa focinheira,a partir daí a suspensão de descrença já devia ter começado a funcionar.

    É mais ou menos a mesma coisa na cena de introdução do Coringa,que ao meu ver é mais mostrar que ele é maluco,não adianta confiar nada a ele.

  11. Gabriel says:

    Critopher Nolan é muito fraco vide inception

    • Elton V. Silva says:

      Desgostoso esse seu comentário. Você pode não ter gostado por inúmeros motivos, mas isso não torna o filme ruim. O mesmo ocorre com a trilogia do Batman. Nolan quis aproximar o herói da realidade, e conseguiu. Mas ainda assim é um filme de herói, e ainda assim é um filme, e ainda assim é um monte de coisas. Questionar a realidade da cena do avião para se divertir, tudo bem. Mas usar isso como forma de argumentar uma opinião extremista pseudo-intelectual não faz o menor sentido. Até filmes baseados em fatos reais são exagerados, imagine uma ficção. Tanto o Inception quanto a trilogia Batman foram ótimos trabalhos do Nolan. Se querem realismo de verdade, assistam documentários.

    • rodrigot says:

      que filme que é bom?

  12. Gonzo says:

    TDKR é tão épico mas tão épico,que acabou sendo vítima de sua própria monstruosidade…o que é uma pena,por que TDK foi simplismente excelente :/ Concordo que o filme tem VÁRIAS cenas ruins e sem sentido,e uma vibe meio escrota,mas ainda assim é uma boa trilogia (avaliando o filme isoladamente ele decai em muito,claro,e comparando com os outros dois fica mais medonho ainda).

  13. Raphael says:

    Filminho mais ou menos esse mesmo.

  14. rodrigot says:

    aw, come on.

  15. Jacuzzi says:

    Tudo faz sentido o que vc falou, mas não torna o filme uma bosta, como vc dizze no final rsrs.

  16. Luiz Felipe says:

    Égua, que porra é éssa Izzy?
    Eu lembro de logo após tu assistir Dark Knight Rises tinha falado que era mó foda. Inclusive tem um HBDTv, ou Daily Vlog falando isso. Fora o Twitter.

    Ou seja: É um texto para os haters! Hhauhauhuahahuha

    • Samuel says:

      Me arrisco dizer que é um daqueles casos em que você sai do cinema tomado por uma sensação de que o filme é incrível, mas depois a obra acaba caindo aos poucos no seu conceito. (Não necessariamente a ponto de você achar uma bosta hahaha)

  17. Por que? POR QUE minha criança interior não consegue desgostar desse filme?? Ta quase tudo errado nele (o sangue é só a ponta do iceberg) e ainda assim eu sorrio toda vez que me lembro dele. Será que fiz auto-hipnose sem querer?

  18. Luiz Felipe says:

    Me digam aí QUAL é o filme de SUPER-HERÓI (ou Herói somente, como preferirem) que não tem alguns erros?
    É quase que impossível tentar reproduzir um filme dos quadrinhos para o cinema sem escorregar em alguns pontos.
    O que o Christopher Nolar fez com essa trilogia, é a MAIS PRÓXIMA da perfeição.

  19. Fane Webber says:

    Ou quem sabe ele só queria o Doutor Malucão lá e achou um jeito divertido de raptar ele e convenceu os broderes dele fazerem tudo e ainda derrubarem um avião só pela trollagem. Vai saber.

  20. Gustavo says:

    É verdade, essa cena não faz o menor sentido e quebra a construção do Bane como vilão fodão. Mas ainda assim curti o filme.

  21. Rodrigo S says:

    Realmente, essa cena tem vários erros, senão a cena inteira. Mas a forma como o bane é apresentado, no cinema ficou muito foda, principalmente quando ele começa a falar.

    Li alguns gibis em que o Bane aparece e, o maior problema que vi nesse filme foi que não mostram tanto a inteligência do Bane, principalmente porque ele foi feito de idiota pela Talia, que se não estivesse no filme teria sido melhor. Sem a Talia no filme, o Bane não seria tão idiota e não perderia toda a importância no fim do filme, sem falar das mortes do Bane, que demorou um segundo, e principalmente a da Talia, digna de novela mexicana.

    Diante de todos esses problemas ainda acho um filme muito bom e que o Nolan fez um bom trabalho.

  22. Daniel says:

    Vamos ver quantos “jênios” vão aparecer pra te dar pedrada.

  23. Bem há varias probabilidades sobre a queda. No recente acidente na mata da amazonia (eu acho) econtraram destroços a mais de 900 metros de onde o avião tocou o solo.

    Então essa ai não cola.

    Sim a transfusão foi bem desnecessária. Podia apesar por os corpos no avião. Derruba-lo e depois incendia-lo até terem certeza que não restou “resto” pra identificação.

    Mas bem, acho que esse texto tão desnecessário. Por é um filme de uma super herói. Não importa se era pra ser realístico ou não.

    No fim sua postagem talvez só fez as vendas do DVD/BD do disco que sai agora em Novembro, terem um merchã.

    Mas como se eu e você não soubéssemos disso né?

    • Izzy Nobre says:

      900 metros? Isso não é nada. É perfeitamente plausível que um avião perca partes da fuselagem e caia 900 metros depois. Se eu tivesse mais tempo dava pra explicar isso com trigonometria básica/equação de movimento uniformemente variado aliás — um triângulo ABC onde A é a altura do avião, B são os 900 metros entre as asas e o crash site, e a hipotenusa, o caminho que ele percorreu em queda livre somada ao movimento inercial para frente.

      Entre a explosão das asas do avião do Bane e a queda, passaram-se pelo menos 3-4 minutos. Pode-se concluir facilmente que o avião estava viajando na velocidade normal, que é entre 300 e 400 km/h.

      Nesse período, a distância entre as asas e a fuselagem seria de QUINZE QUILÔMETROS. Por motivos óbvios é impossível que um avião percorra 15 quilômetros sem asas (porque no momento em que as asas caíram, o avião também deveria ter caído, e no entanto ele permaneceu no ar por vários minutos com a mesma altura e velocidade, o que evidentemente resultaria numa distância impossível entre o crash site e as asas.

      • Daniel says:

        Thanks, captain!

        • “Aquele isso não cola” Foi em relação a cena, eu deveria ter posto um aspas na primeira frase, pois esse foi o argumento usado por um amigo meu… Então realmente, AINDA mais não faz sentido… Porem como eu disse, seria muito mas facil apenas, a cena ir até o ponto onde eles descem e atiram e todo mundo, ai para mim, eles deveria abrir ou explodir, tanto faz, pegar o cara, deixar dois corpos e depois derrubar a avião… Simples, mas o filme dirigido pelo cara de A ORIGEM então, acho essa ideia nem deve ter passado na mente dele…

  24. Mariana says:

    Quide,
    TDKR é um filme de super herói, não ligue para essas coisas.

  25. Lucas lourenzo says:

    Not sure if trollada or sério com essa última frase.
    Mas sim, essa senha foi tosca.

  26. Nuno Ribeiro says:

    Resumindo essa cena inicial não faz sentido, mas não da para falar que o filme se tornara ruim por causa da mesma.

  27. Murdock says:

    Até terminarem a investigação e descobrirem tudo ele já teria efetuado o plano principal.

  28. Mauricio says:

    “Resumindo, The Dark Knight Rises é uma bosta.”

    Para de ser Rage Whore, Izzy. Nem você acha isso.

  29. Ivan says:

    Do not feed the troll.

  30. Jeziel says:

    “Resumindo, The Dark Knight Rises é uma bosta.”
    [2]
    Pior filme do Nolan na minha opinião escrota de quem ainda não assistiu à Insônia. A frustração ao sair do cinema foi gigante.

  31. Guilherme says:

    Confesso que até hoje não tinha entendido NADA daquela cena inicial. Agora reparei que é porque ela realmente não faz sentido. Desde que vi TDKR não via motivo pra aquela transfusão de sangue. Vi agora que foi só porque tava sobrando sangue falso no estoque da Warner.

  32. @marcelosgb says:

    Batman some… Bruce Wayne também some. Wayne aparece…Batman também aparece e só o Robin sacou isso!! porra Nolan.

    por isso que eu digo que esse filme deveria ter sido dividido em 2 de 2 horas cada. E ter o Azrael!!!
    #polemicas #Ratinhooooooooooooo

  33. H. Romeu Pinto says:

    Puxa vida. Eu tinha achado o filme excelente, mas depois de ler o texto do Kid passei a ver que é realmente muito ruim. Estou até com vergonha de ter elogiado o filme um dia.

    Obrigado Izzy, por me ajudar a sair da Matrix e entender a verdade sobre a péssima qualidade de TDKR e de Nolan. Não ligue para o que os matrixianos estão falando do seu texto.

    • Alan says:

      Nossa, como vc depende dos outors para ter opnião próprira. A cena é horrivel, mas o filme é bom. Essa é a minha opnião desde o inicio. E não é a opnião que comprei de alguem. Que cvoisa de puxa-saco.

  34. guipolonca says:

    Gente, se vocês leem o que o Izzy escreve, notarão que essa de o filme ser uma bosta pode muito bem ser TrollBait

  35. Cabeça says:

    Olá Izzy, primeiramente parabéns pelo texto. Como sempre um texto bem escrito, fácil de ler e bem argumentado.

    Apesar disso eu não concordo com tudo que você falou e aqui vai a minha opinião:

    -Sobre a “realidade” da trilogia, eu acredito que exista uma diferença entre ” se aproximar da realidade” e “ser totalmente real”. A proposta do Nolan é trazer o Batman para algo próximo da realidade e não ser 100% real. O próprio Nolan se baseia em algumas HQs do Cavaleiro das Trevas para criar roteiros. Eu pelo menos consegui aceitar essa proposta, pois sendo um filme de super-herói deve existir uma minima suspensão de descrença.

    -Seguindo então para a cena em si, realmente ela tem falhas, mas acredito que ela outra função que não a de “parecer morto”. Na minha opinião todo o processo de derrubar o avião com os corpos seja apenas para atrasar a polícia, pois como você mesmo disse a investigação seria muito minuciosa. Então acredito que se o avião caísse sem nenhum corpo além do piloto e copiloto a investigação terminaria mais rápido do que se existissem corpos que, pelo menos a primeira vista, fossem de todos os tripulantes. Outro fator para o para essa interpretação do plano é que o Bane tinha a intenção de aparecer publicamente e com o Dr. quando a “bomba” fosse aramada.

    -- Por ultimo não acredito que o filme seja “uma bosta”, ele é inferior ao seu antecessor mas ainda sim tem sua importância dentro da trilogia e dentro da história dos HQs no cinema.

    Em suma, gostei do seu texto e concordo que a cena funciona mais visualmente do que pratica para o universo do filme. Entretanto não acho que mereça tanto “ódio” de sua parte. É logico que a opinião é sua e de forma alguma quero que todos pensem igual a mim, só acho valido uma discussão saudável do tema.

    Muito Obrigado pela atenção.

  36. Wladimir says:

    Cara, o Bane nao é capturado, quem “capturou” ele é comparsa dele, tanto que insiste pra que ele seja levado nesse avião.

  37. ALU says:

    Hahahah, muito boa a análise Izzy! Do Begins já dava pra ver que a verossimilhança buscada pelo Nolan era só “superficial”, vide aparelho que evapora TODO H2O, MAS NÃO AFETA OS HUMANOS EM VOLTA e a tão comentada pelos MDMs, ENGENHARIA REVERSA DA BALA PRA ACHAR UMA IMPRESSÃO DIGITAL em TDK. Essas e outras já me fizeram olhar TDKR de forma um pouco diferente, o que, acho, me fez gostar mais do filme que dos outros dois (o primeiro eu sempre achei uma merda-foda).
    Devo admitir também que não entendi porra nenhuma dessa primeira cena. Considerei muito mais como um “show-off” do Bane, mesmo, hahah.
    E só pra manter o clima MDMzístico, um comentário sobre a frase final do texto: QUE GRATUÍÍÍÍTO!!

  38. Pedro says:

    Fora que a descompressão do avião seria o suficiente pra mandar todo mundo pro espaço.

  39. ALU says:

    Ah, e pra complementar: faça mais textos no estilo Izzy! Praticamente todos os grandes “graals nerds” têm cenas do tipo, e nada mais nerd que analisá-las. Eu faço o tempo todo! E é sempre bom ver o fúria do pessoal! heheh 🙂

  40. Segat says:

    Ótimo texto Kid! Como sempre.

  41. IsraeL says:

    “O problema é que toda a premissa de “vamos injetar o sangue do doutor neste maluco e assim enganar os legistas” não faz nenhum sentido. Primeiro que num acidente de avião, identificação de vítimas é na maior parte das vezes completamente desnecessária — uma vez que o avião é identificado, o manifesto aéreo (uma listinha que contém o nome dos passageiros) é o suficiente pra identificar as vítimas.”

    Na realidade, o mais importante nas catástrofes é IDENTIFICAR as vítimas. A perícia nesses casos não é para determinar a causa da morte, e sim para identificar os corpos. Por exemplo, se não identificarem algum cadáver correspondente à vítima, ela não pode ser dada como morta legalmente, é dada como desaparecida. Pode ter havido alguma substituição nos voos sei lá, e para a família é importante haver o sepultamento do ente querido que faleceu, e não do corpo de alguma outra pessoa…

    Realmente para identificar os corpos não é usado o sangue. Usa-se a arcada dentária, DNA, biometria, dactiloscopia…

    • Izzy Nobre says:

      Não sempre. Em muitos acidentes/ataques, simplesmente supõe-se que os passageiros todos morreram.

      • IsraeL says:

        Não sei como é a legislação brasileira em relação aos desastres, mas em geral a vítima só pode ser dada como morta com uma certidão de óbito, que precisa de um atestado de óbito dado por um médico. Se o médico não identificou a vítima, ela não pode atestar a morte de uma determinada pessoa por presunção. Novamente, não sei como se aplica em casos de desastres. Nos EUA se não me engano há um prazo de 3 anos. No 11 de setembro de 2001, as vítimas não identificadas após 3 anos do desastre foram dadas como mortas mesmo sem identificação.

        Se você se interessar sobre medicina legal em catástrofes, tem um guideline bem legal da OMS http://www.paho.org/english/dd/ped/deadbodiesbook.pdf

  42. Renato says:

    Faz sentido, se for parar pra reparar essa é uma de várias sequências de erros no filme… Acho que a maratona “Vamos nos divertir procurando os erros do Nolan” ainda não se encerrou afinal. Fazer o que? Brasileiros sempre defendem, em todo o conceito, aquilo em que gostam… E apesar de todos os erros eu gostei do filme!
    Não espero tbm que se torne algum clássico ou algo assim!

  43. Lucas Rodrigues says:

    Hahahahaha! Aí dento Israel.
    Esse filme é o bicho.

  44. @dhn91 says:

    “Exceto, claro, que sou um nerd meio chato e farei o possível e impossível para apontar incongruências entre o filme e o universo real em que vivemos.”

    Justificado.

  45. daniele says:

    Quando vi no cinema não entendi nadinha dessa cena hauhauhau Agora vejo que não entendi porque não faz sentido.

  46. Alexia says:

    Acho que você esqueceu de levar em conta o tempo que tudo isso leva para ser feito, lembre-se de que a ideia é mostrar o Bane e sua loucura, sendo que logo após esse acidente, acontece sequências que impedem de mostrar a “investigação” do avião sendo assim irrelevante para a história do filme. Sim concordo que a ideia da transfusão, e das asas sendo arrancadas, as balas… enfim… Você só não levou em consideração o tempo que todas as investigações são feitas, a investigação da caixa preta por exemplo não leva dias para ser feita não, muito menos a de DNA. Pra que vai abordar o acidente de avião sendo que, Bane aparece algumas semanas depois e tem uma guerra civil e uma bomba nuclear na sua cidade?

  47. Alexia says:

    Acho que você esqueceu de levar em conta o tempo que tudo isso leva para ser feito, lembre-se de que a ideia é mostrar o Bane e sua loucura, sendo que logo após esse acidente, acontece sequências que impedem de mostrar a “investigação” do avião sendo assim irrelevante para a história do filme. Sim concordo que a ideia da transfusão, e das asas sendo arrancadas, as balas… enfim, Você só não levou em consideração o tempo que todas as investigações são feitas, a investigação da caixa preta por exemplo não leva dias para ser feita não, muito menos a de DNA. Pra que vai abordar o acidente de avião sendo que, Bane aparece algumas semanas depois e tem uma guerra civil e uma bomba nuclear na sua cidade? E a mesma investigação nao vai levar a lugar nenhum, somente que um super bandido matou de novo, pra escapar, repetindo sendo que ele aparece dias depois.

  48. Junior says:

    Não achei o filme uma bosta, mas o Bane também não me disse nada de mais. Ainda mais se compará-lo com o Coringa do filme passado.

  49. Átila Santos says:

    Sério que vocês estão questionando o quão realista é um filme baseado em quadrinhos?

    Izzy Nobre se mostrou bem mala com esse post, não por ter falado mal do filme, mas sim por ter se focado num detalhe tão fútil como esse.

    Estão apontando para a lua e o Izzy Nobre está reparando nas unhas da pessoa. Lamentável.

    Se TDKR é uma bosta, então De Volta para o Futuro, Jurassic Park e outros milhões de filmes também são uma merda, uma vez que todos estes possuem “falhas” como essa apontada nesse post.

    Uma pena que vários blogs acabaem assim, sedentos por atenção a ponto de colocarem no ar um post tão apelativo e sem sentido.

  50. Pedro Ivo says:

    Haha, boa!

    Esse texto só fez confirmar que Rises é o filme mais fraco da trilogia.

    Ele não é um filme ruim, mas empalidece MUITO quando comparado a Begins e TDK.

  51. ACD says:

    A caixa preta do avião fica na sua cauda. A cauda foi arrancada do avião. Etc

    http://mundoestranho.abril.com.br/materia/como-funciona-a-caixapreta-de-um-aviao

    • Izzy Nobre says:

      O avião ficou em pé (sem alteração na velocidade ou na altitude) e DEPOIS a cauda foi arrancada.

      E isso seria registrado no Flight Recorder.

      Pra não mencionar o milagre do avião percorrer 15km sem asas.

      Abs.

  52. Leonardo says:

    Pô Izzy, pra quê tanto nitpick?

  53. Creyto says:

    Achei o Izzy muito humilde, pois ele falou de somente uma cena absurda!!! Várias outras ao longo do filme são tão ou enormemente maiores do q essa. Não digo somente pela ação. O roteiro desse filme é um queijo suíço! O Batman/Bruce Wayne mesmo acaba sendo um coadjuvante.
    Talvez uma hora o Izzy tenha coragem (ou perca uma aposta) e reveja o filme mas analisando as cenas do “Robin”. O Nolan criou o novo “very extreme easy game for dummies” para o personagem.
    Ele não tem uma dificuldade no filme…
    E para os haters desse post, continuem cegos mesmo! Pq vcs q acabam financiando essa merda!

  54. Halysson says:

    O filme não é uma bosta por causa disso. É uma bosta por qud eles estragaram o batpod com aquele rolamento ridículo (que não quebrou nem desalinhou as armas) por causas daquela cena de fulga imbecil onde aparece uma rampa do nada pra salvar a fuga do Bátima, por conta do Bane ser um saco, por conta daquela cena final de batalha ser a batalha mais ridícula e mal planejada da história do cinema. Por causa da morte ridícula da Thalia, e por conta de no final, de forma completamente INACEITAVEL o Batman, cavaleiro das trevas, cara malvado, punidor e impiedoso, ter terminado o filme com a mulher que deu a rasteira num homem manco, o fez perder sua fortuna, o entregou pra levar uma surra do seu pior inimigo.

    Ah vamos incluir na conta, o poder de teletransporte que bruce wayne ganhou nos minutos finais para escapar do veículo que levava a bomba, seu fator de cura que curou sua facada no bucho automaticamente, a mãozinha que posseidon deu a ele impedindo que um Maremoto certo ocorresse por conta da explosão da bomba nuclear na costa, e as morte sem graça do vilão do filme, e a morte pateticamente interpretada pala atriz que fez a Thalia (péssimo casting por sinal). Esqueci algo?

    Exclente texto sr. Izzo Nobre, espero mais textos explorando o resto das falhas.

  55. Lucas says:

    Oi Israel!

  56. victor s says:

    Esse filme é cheio de cenas absurdas que, apesar de visualmente impactantes, não fazem sentido em uma revisada. A invasão à bolsa de valores por exemplo não faz o menor sentido. Aquela prisão para a qual o Batman foi mandado também é um conceito meio absurdo. O pior de tudo, no entanto, é pensar que o Bruce, depois de atravessar o mundo sabe-se lá como, chega em Gotham a poucas horas da destruição da cidade e gasta um pedaço do escasso tempo que ele tinha desenhando morcegos. Bruce Wayne artista de rua. Presente do Nolan.

  57. Dayane says:

    Por mais realismo que o Nola consiga colocar, ainda é um filme com um homem vestido de morcego. Ponto.

  58. bertim says:

    Amiguinho, você fez este texto apenas para dizer que conhece os termos:

    -- antígenos
    -- reação hemolítica
    -- flebotomia

    Ufa, se você tivesse continuado na área jurídica, seu texto seria uma merda 🙂

  59. Pedro says:

    “Eu não esperava algo tão formulaico do Nolan, mas vamos lá.”
    Por que? Todos os filmes dele que eu vi seguem a mesma estrutura básica. Primeiro ato cheio de exposição e personagens conversando, nada muito animado acontecendo. Depois vem o segundo ato em que a ação vem toda de uma vez e depois ele faz um clímax de propoções enormes, e todo mundo diz que isso nunca foi feito antes. Eu gosto muito dos filmes do Nolan, não entenda mal, o argumento é que ele segue várias fórmulas em seus filmes.

  60. neto says:

    Kid comete o mesmo erroque cometeu em looper. Se concentrou num erro lógico em uma cena específica pra desmerecer o filme todo. Sem se importar com outros aspectos do filme (atuação, enredo, direção de arte, efeitos, etc…)

    Ou o texto só quer causar polêmica ou então o kid é uma pessoa muito chata pra se acompanhar no cinema.

  61. Rafael says:

    Todos os “planos” do bane são ridiculos, mas aquela “invasão à Wall Street” foi a pior parte.

  62. Fellipe says:

    Isso sem contar o fato dos caras terem feito um rapel entre dois aviões a jato em velocidade de cruzeiro sem qualquer efeito da resistencia do ar.
    Santa aerodinâmica Robin…

  63. Samuel says:

    “Enquanto o playground do Batman era aquele cenário coloridinho de desenho animado Live Action como nas tentativas cinematográficas anteriores, o personagem estava evidentemente imune a críticas de falta de verossimilhança.”

    Não! Verossimilhança é diferente de realismo. Verossimilhança SEMPRE é necessário — é a coerência interna das regras estabelecidas a respeito do mundo ficcional em questão.

  64. Matheus Amorim says:

    Por causa da cena inicial, o filme todo é “uma bosta”? Tudo bem, não gostei tanto assim deste terceiro filme, mas não achei uma bosta.
    A principal que me leva a não gostar muito de TDKR é que bane foi transformado em um homem a serviço de Thalia Al’Ghul, o que tira um pouco de importância do personagem na história. A segunda razão é que o segundo filme, The Dark Night, é tão bom, mas TÃO bom, que fica difícil não compará-lo ao filme seguinte, e mais difícil ainda não se decepcionar com ele.Mas, ainda assim, TDNR é um filme muito melhor do que o que geralmente se produz sobre super-heróis.

  65. Lucas Lopes says:

    Eu acho toda essa trilogia do Nolan uma babaquice superestimada. não vejo nada de dark e nada de cult nela, são filmes toscos de superheróis como todos os outros. Como têm coragem de falar que são filmes-cabeça? Um sujeito que fala isso nunca parou pra assistir um Pasolini, Tarkoviski ou Noé na vida.

  66. Nikolas says:

    Ok, o plano do Bane é completamente sem pé nem cabeça, o filme e o personagem não se constroem muito bem e o final pode não ter agradado a todos. Pra mim esse são os únicos defeitos que TDKR tem, e ao meu ver são poucos pra falar que o filme é uma bosta. Mas é como algum podcast, que não lembro agora, falou: “A trilogia do Christopher Nolan é como uma montanha o começo é fraco, o 2º é o melhor, e o 3º não é tão bom. Ou seja, ele começa em baixo, sobe e termina em baixo blablabla…” Mas não tão em baixo a ponto de ser uma bosta

  67. Carlos says:

    “Ou um ou outro, porra. É o tratamento mais sério dado ao Cavaleiro Negro, de forma reconhecida até pela Academia quando deu um Oscar póstumo ao Heath Ledger, ou é um filme de quadrinhos em que não se pode criticar a falta de realismo?”

    Porra, você não tinha gostado desse filme? oO

    Mas enfim,eu acho o seu argumento uma falsa dictomia. Não creio que haja necessidade de ser tão 8 ou 80.

    A trilogia do Nolan tem elementos não verossímeis desde o início. Por exemplo:

    -- O “vôo” do Batman -- ele até conseguiria planar com a envergadura que a capa possui, mas provavelmente morreria no pouso, graças a altíssima velocidade que iria desenvolver.

    -- A arma que dispara microondas, usada pelo Rãs Al Ghul para espalhar o gás do medo evaporando a água de Gothan. OK, mas o corpo humano não possui 70% de água? As pessoas ali perto da arma não deveriam morrer instantaneamente?

    -- Em TDK, temos o problema da logística dos planos do Coringa. Como aquele filho da puta explodiu o hospital? Era um edifício bem grande, imagino que seria necessário uma boa quantidade de explosivos para conseguir destruí-lo daquele modo. (Eu acho que esse é o maior exemplo de cena “massa véio”, mas que se você analisar com calma, verá que não é nada realista.)

    Enfim, na minha opinião não tem como fazer um filme do Batman que seja completamente realista. Ele seria morto na primeira missão.

    Por que uma abordagem completamente realista deveria levar em consideração coisas que não são nem mencionadas nos filmes, como a praticidade da roupa do Batman.O uniforme na trilogia tem um propósito estético e “teatral”: assustar os bandidos, fazê-los pensar que o Batman é mais que um simples homem.

    Mas raciocina: como um cara acrobata, que corre e salta, tem uma maldita capa gigante? Ele nunca enrosca em algum lugar? Os bandidos são tão retardados que nunca pensaram em puxar aquela merda, como na primeira aparição do Batman em Batman Begins,na qual ele está completamente cercado de meliantes?

    Eu sei que você já leu Watchmen, então deve se lembrar do Dollar Bill, “herói” que foi morto porque a sua capa enroscou na porta giratória do banco, e os bandidos aproveitaram para meter bala nele.

    Enfim, ficou grande esse comentário, nem sei se você vai lê-lo completamente, mas resumindo: O SENHOR ESTÁ ERRADO, SENHOR ISRAEL NOBRE. VAI PRA LÁ BRINCAR COM SEUS HERÓIS DA DISNEY! 😀

  68. Douglas Feer says:

    Suspensão da descrença Izzy. Procurar cenas sem sentido ou impossíveis em filmes é igual procurar coisas cotidianas na vida, isso sim não faz sentido.

    É um filme, todo mundo sabe que nada faz sentido, e outra: será que precisa fazer sentido mesmo?

  69. Douglas Feer says:

    Caramba, agora eu li o post inteiro e vi “Resumindo, The Dark Knight Rises é uma bosta”

    Poxa cara, perdeu todo o crédito comigo agora.

  70. Thiago says:

    Também achei essa cena inicial uma galhofa do caralho, por isso ainda prefiro o primeiro filme de Trilogia (que é bem mais “real”). Mas a cima de tudo, o Batman de 1989 e o Coringa (é Jack Nicholson, CARALHO) serão sempre os melhores do cinema.

  71. Leandro Rodrigues says:

    Kid, se falou o obvio ._.

  72. @pedroyoshimatu says:

    “Resumindo, The Dark Knight Rises é uma bosta.”

    Reaction Face: http://i1.kym-cdn.com/photos/images/newsfeed/000/353/279/e31.jpg

  73. Raizen says:

    Gostei do filme, assisti relaxado, sem ficar pretando atenção em detalhes… acho que por isso curti.

  74. Baiano says:

    uahsuahsuahsuahsuahuahuash

    O mais foda é que msm com um monte de cena nonsense ainda é um filme boss pra caralho.Agora que vc fez esse post eu vi que nem lembrava da transfusao de sangue mto tenso.A cena que mais pegou pra mim nao foi um detalhe ”fisico” como esse mas no final do filme quando a cat burglar abre o tunel e o robin-boy sabendo do tunel livre(modo extramegapowersuperhiperfantabulosamenteincrivelmasterFACIL de escapar da cidade)resolve fazer aquela cena da ponte
    -naooooo,eu sou bonzinho,moralista,blablabla deixa essas pessoas viverem blabla.Msm assim amei o filme

    Esse ano foi bem assim:
    Avengers-nossa que filme foda,melhor do ano
    >>>>>>>>>>>nossa,retiro o que disse TDKR mto melhor
    >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>uou hobbit humilhou geral ai meu deus que epico,mto obrigado pelas melhores 3 horas da minha vida zerou a vida de nv P.J te amo man.

  75. Rodrigo says:

    Sem falar na cirurgia de coluna instantânea com um soco feita em uma “prisão” ou seja lá o que for aquilo, sem falar no poder mágico do Bane em se teletransportar de um lugar para outro, sem falar no joelho fodido e sem cartilagem do Wayne que magicamente se recupera, sem falar na forma que os inimigos do Batman aprendem em pouco tempo todos os truques dos “brinquedinhos” Wayne, sem manual nem nada.

  76. Rod Rig Aum says:

    “Em vez de um gênio do planejamento como o Bruce Wayne (de quem o Bane deveria ser essencialmente uma cópia, porém malvada), o Bane não entende como examinariam os destroços de um avião, como identificariam as vítimas, etc. Ele não manja de porra nenhuma do próprio plano.”

    Como assim PRÓPRIO PLANO????

    Afinal, o Bane não era apenas um Pitbull retardado controlado pela TALIA????

  77. Philipe says:

    Muito bom o texto, não tinha parado pra pensar sobre essa cena em especial, mas agora analisando com cuidado nota-se a incoerência.
    Izzy, faz tempo que acompanho seu blog e o vlog e ultimamente venho sentindo uma certa arrogância nos seus textos que eu não via antes, só uma opinião.
    Em todo caso, parabéns pelo texto, sustentado com ótimos argumentos.

  78. John Croker says:

    Pô … Vi o filme e realmente tem muita coisa totalmente improvável.

    Essa primeira cena do filme já nos faz assistir com um alerta ligado.

    Achei o filme fraco. Mas até que para uma continuação feita as pressas, não é de todo mal.

  79. sarupk says:

    caracas meo até com batman ta falando q é zuado pots.
    tem nego ainda concordando e discordando VISH, mas é um sem opinião mesmo.

  80. MvK says:

    Pior que eu que também adorei o filme mas achei essa cena totalmente desnecessária e sem sentido.

  81. Gabriel Soares says:

    tudo bem que não faz sentido mas não vou deixar de ser fã do filme ASDFHAOSIDUGH ótima percepção dos detalhes e meus parabéns pelo texto escrito de uma forma não cansativa para se ler.

  82. Melkor Mancin says:

    O mais engraçado é que quando viu o filme ele falou no twitter que era foda pra caralho. rsrs

  83. Luiz says:

    Só comentando: O avião que foi destroçado era um Embraer.

  84. Rodrigo says:

    Com a parte do DNA e etc eu concordo. Mas com a parte de plano de voo?
    Caixa preta? Lista de passageiros? Era um avião da CIA. Para realização de extração de um VIP. Provavelmente o grupo NOC.

  85. Edddy says:

    Concordo com toda a parte sobre a transfusão, que realmente não faz sentido, porém minha suspensão de descrença, deixa essa passar, afinal seria melhor do que o cara bolar um clone idêntico ao cara pra ter o mesmo efeito…

    Quanto a parte da queda do avião, ao falar “They expect one of us…” eu sinto que o Bane quis deixar claro que foi um ataque e não um acidente, afinal nenhum acidente deixaria o avião naquele estado.