Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

A história de Hunter Moore, o homem mais odiado da internet, e o seu site

Postado em 8 August 2012 Escrito por Izzy Nobre 41 Comentários

Eu não sou o cara mais amado da internet, e se você usa o tuiter talvez você já saiba disso.

Caralho, de repente você mesmo que está lendo este texto não vai com a minha cara e só continua lendo o HBD por algum estranho masoquismo e/ou porque todos os outros sites melhores foram bloqueados pelo administrador de rede aí de onde você trabalha.

Já passei algum tempo pensando na origem da má vontade que muitos tem em relação a mim e concluo que é primariamente culpa minha. Seja por fazer piadas ofensivas, ou por apelar frequentemente pra argumentação arrogante, ou por simplesmente ter tratado alguém mal publicamente, eu cultivei ao longo dos anos uma imagem (talvez imprecisa) de uma espécie de anti-herói, um misantropo internético.

Não é o caso, naturalmente. Sou suspeito pra falar, naturalmente, mas eu acho que não sou tãããão filho da puta assim — ainda que eu só acredite nisso porque luto ativamente contra os instintos naturais (que acredito que todos temos) de ser um filho da puta escroto. O nosso id, o motor por trás de praticamente todas as merdas que a gente faz sem pensar muito antes, é a Besta interior proverbial sobre a qual aprendi jogando Vampiro a Máscara.

Em outras palavra: tabula rasa é o caralho. Eu creio que somos todos naturalmente filhos da puta, e que nosso valor é medido baseado na eficiência com a qual conseguimos curvar os impulsos filhodaputísticos. Um cara que a gente coletivamente considera “gente boa” é apenas um sujeito que é bem sucedido em controlar o ímpeto de ser um escroto.

Pessimista? Acho que sou é pragmático. Essa é minha interpretação da condição humana. Mas enfim.

Como estabeleci nos primeiros parágrafos, estou ciente de que sou meio filho da puta. Às vezes a bile que vertem em minha direção na internet me leva a erroneamente achar que sou o cara mais odiado de toda a web, aliás.

Mas eu sei que não é bem assim. Acontece que o nosso ego é mais ou menos como a cabeça da piroca — sendo extremamente sensível, sua interpretação de certos estímulos é absurdamente exagerada. Por exemplo: se a água do chuveiro tá apenas levemente acima da temperatura do seu corpo quando a água bate no seu pau, a interpretação do bilau é que a água tá ESCALDANTE.

É a mesma coisa com ofensas de internet. Uma farpinha de nada é sintetizada pelo nosso ego como um ataque nuclear.

Enfim. Essa imensa introdução é só pra explicar que qualquer momento em que eu ache que sou o cara mais odiado da internet porque recebo alguns xingamentos de desconhecidos, eu estou absurdamente errado. E estou absurdamente errado porque alguém como o Hunter Moore existe.

Este sim pode se lamentar (ou se gabar, como é mais frequente) de ser o homem mais odiado de toda a internet.

A história do Hunter Moore é mais uma dessas “começou como uma brincadeira e tornou proporções absurdas” que apenas a internet nos proporciona. Em 2010 o maluco havia tomado um pé na bunda. Magoado e provavelmente bêbado, ele estava conversando com amigos que tinham histórias similares e veio a idéia:

“Vamos nos vingar de todas essas meninas que nos magoaram postando fotos delas num site. E vamos convidar os leitores a fazerem o mesmo!”

(Nem preciso elaborar no quão imoral e antiético isso é, o texto já tá ficando grande o bastante)

E assim nasceu o IsAnyoneUp.com, um site que se baseava no chamado “p0rn0grafia-vingança”. O site também se associava à cena musical underground — festivais de bandas de punk rock, dubstep, essas coisas.

O site se tornou popular rapidamente, e milhares de pessoas mandavam seus souvenirs p0rnô de relacionamentos desmoronados. Homem, mulher, travesti, gente gorda, gente com deficiências físicas, o IAU não discriminava. Tudo que mandavam pro Moore, ele soltava no site.

E o pior e mais lamentável: O Hunter publicava junto com as fotos os perfis em redes sociais como o Facebook e o twitter, um convite implícito para que a comunidade fosse embaçar a vida da pessoa.

Nisso o Hunter, que a essa altura já era uma celebridade internética (ele tem atualmente 50 mil seguidores no tuiter), cunhou a expressão “no butth0le no care”, sintetizada pela hashtag #NBHNC. A frase, traduzida livremente, significa mais ou menos “se você não for mostrar o cu, tou cagando pra você”.

A expressão tornou-se aparentemente necessária porque garotas sedentas por atenção começaram a mandar as suas próprias fotos pra aparecer no site, e ele estava essencialmente as atiçando pra revelar o máximo possível.

E aparentemente o santo graal do exibicionismo é o nó do balão. Vai entender.

E esse era o ciclo de atividade do IsAnyoneUp: o site era famoso porque meninas mandavam fotos nuas, e meninas mandavam fotos nuas porque o site era famoso. Um feedback loop que praticamente desafia a termodinâmica; um moto perpétudo alimentado por genitais.

A essa altura o cara já tinha virado um folk hero internético: começou a atacar de DJ e lançar festas imensas ao redor dos EUA e Canadá para celebrar a comunidade e a subcultura do site. Sexo, drogas e música eletrônica eram o roteiro das paradas.

 

Esse poster de uma das festas, com o Hunter Moore estampado (e celebrado) bem no meio, ilustra bem o microcosmo da cultura que o maluco criou — um maluco bebericando uma birita qualquer enquanto atiça seus fãs a proezas questionáveis.

É, porque eu esqueci desse detalhe: uma de suas “signature moves” é fazer concursos relâmpagos extremamente duvidáveis no tuiter. Num deles ele prometeu 100 dólares ao primeiro que tirasse uma foto lambendo fezes — qualquer tipo de fezes, ele elabora. O resultado são MILHARES de fotos de pessoas colocando cocô de gato na boca, ou lambendo o que parece ser o próprio papel higiênico usado.

Em outra ele ofereceu camisetas com a marca do site pra qualquer um que lambesse o interior de uma privada. Os robozinhos foram lá e lamberam prontamente, como sempre enviando evidência fotográfica que um dia poderá comprometer suas futuras carreiras — supondo que alguém que se submeta a isso terá algum tipo de carreira no futuro.

Aliás, não precisa nem esperar pra saber como o futuro foderá alguém que embarque nas peripécias orquestradas pelo Hunter Moore, pois o presente já está com a piroca na mão. Essa semana um rapaz juvenil de pouca noção e fã do Moore topou o desafio de mijar num prato servido pelo fast food onde ele trabalhava. Adivinha no que deu.

E não esqueçamos das mulheres! Não basta o cara ter um séquito de seguidoras (LINDÍSSIMAS!) que vivem mandando fotos nuas para publicação no site (com o nome do cara ou do site rabiscado com batom na bunda, peitos e etc).

Não, isso não é suficiente. Quando ele tuita que está indo visitar alguma cidade, centenas de mulheres postam fotos de si mesmas dizendo “sou gostosa ó, vem aqui me ver!”. O cara dá o RT, para o delírio/inveja dos fanboys (e a muito bem-vinda exposição da attention wh0re, que serve meio como agradecimento), e em breve nos próximos tweets o cara se mostra bebendo junto com a menina — e presumivelmente penetrando-a até o limiar das bolas.

O império de semnoçãozice do Hunter Moore é bizarramente rentável. Em minhas pesquisas li que o cara, que tinha exatos -120 dólares em sua conta bancária quando começou o site, chegou a tirar 13 mil dólares por mês com publicidade em seu site (além de aparições pagas em festas e coisas do tipo). Um magnata da esculhambação.

Além de tudo isso, o cara é filho da puta o bastante pra comer as meninas e divulgar as SMS em que elas imploram pra que, diferente de todas as outras groupies no cio, ele não as exponha.

 

Essa filhadaputice com refino de crueldade não vem sem um preço, obviamente. O cara foi banido permanentemente do Facebook, ameaçado de processo pela gigante de social networking, e em agosto do ano passado levou uma facada de uma garota e acabou precisando de cirurgia. Pra piorar, o maluco tá na mira do FBI por causa de algumas fotos que apareceram em seu site.

Nesse último artigo o cara se vangloriava de ser um “arruinador de vidas profissional” e diz ainda que pessoas são apenas ícones e letrinhas num computador (algo que eu mesmo já disse, embora num contexto diametramente oposto a esse), então elas que se fodam. Essa completa falta de empatia humana, a propósito, é marca registrada de psicopatas.

Note que minhas referências ao site são no pretérito. Acontece que o Hunter Moore aparentemente viu o erro em seu estilo de vida e vendeu seu site a uma comunidade anti-bullying. A página principal do IsAnyoneUp agora redireciona para uma carta aberta do Moore, um pedido de desculpas sem qualquer desculpas, um bizarríssimo rebranding como paladino que luta contra o bullying infantil, e o voto de que dedicará seus “talentos” para o bem agora.

Não precisa ser um Sherlock Holmes pra deduzir que a falta de sinceridade na carta aberta se deve ao fato de que o cara não se arrependeu de porra nenhuma, ele apenas passou um limão pra frente. O IsAnyoneUp existe ainda como um Tumblr, quase inteiramente em sua forma original, embora pareça ter abandonado o tema de vingança virtual.

A palavra chave aqui é “pareça”, não ponho a mão no fogo por este moleque.

Eu queria demais que alguém fizesse um filme baseado na putaria que foi a carreira internética desse maluco. Não que eu o admire, de forma alguma. Embora qualquer homem heterossexual se sinta naturalmente com inveja da atenção sexual que o maluco angaria, o cara é um completo paspalho que não merece adulação.

Apesar disso eu acho a história dele fascinante. Um filme do IsAnyoneUp seria um The Social Network on steroids.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Dossiê HBD

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

41 Comentários \o/

  1. guilherme says:

    troféu f5?

  2. BrunoHe says:

    Tava achando q tu tinha exagerado em relação as pessoas lambendo fezes, mas pesquisei e vi com meus próprios olhos.

    Temos q admitir q esse cara manja.

  3. tplayer says:

    Praticamente a versão gringa do Sicko (lolhehehe) ou seria o contrario?

  4. ricsanto says:

    Pelo contexto, “signature moves” seria bem traduzido como ‘Marca Registrada’.

    No mais, o cara é um completo idiota.

  5. Rafael Guedes says:

    Nem tinha conhecimento desse cara na interwebs. Confesso que fiquei surpreso com as atitudes dele e mais ainda do que suas “ovelhinhas” eram capazes de fazer só pra ganhar a atenção dele, aff.

  6. Diomasters says:

    Caraca! Impressionante a historia desse cara! Alias, ótimo texto Izzy !!! 😀
    Ah, e obrigado pelo link do Tumblr dele quase no final do texto, já ta favoritado aqui! haushaushauhsahsuhau

  7. Lucas says:

    Cara, ele ainda tem um site chamado : http://www.huntermoore.tv/

  8. Aline says:

    Nossa. Que nojo de pessoa e que história desprezível. Só me pergunto que tipo de gente patética se diverte vendo um boçal ridicularizar pessoas e que tipo de vadia corre atrás disso.

    Podia ter ido dormir sem esse tipo de conhecimento sobre o mundo.

  9. Bruno says:

    lindo texto.

  10. Rafael says:

    li até o final mereço um biscoito ??

  11. Maloo says:

    O cara é foda. Sem mais.

  12. natal says:

    nao entendi exatamente o porque dele ser o mais odiado.. parece até bem quisto na interwebs.

  13. André says:

    “por causa de algumas fotos”

    Só algumas?

  14. Bruno says:

    Ele é quase um Cid do Não Salvo, com o “Desafio Aceito” (mandando idiotas fazerem coisas que ele manda) e o Diabinhas (MULHER PELADA, com o site escrito na bunda, no peito e etc)

    • MH says:

      Exceto que, se me lembro bem, o desafio aceito é feito por profissionais do LaFenix (Ou nem tanto)

      Diabinhas? É um site onde attwhores amadoras e profissionais buscam pelo seu néctar. Existem milhares desses internet àfora… Eu diria que o Cid do Não Salvo é quase um HM, ao invés. Mas só que, pensando bem, não.

  15. Ercy de Miranda says:

    Você tem índole de filha da pulta, Quide. É comum, mas nem todo mundo é assim. Tenta se controlar aí.

  16. Flayshon says:

    Dejavu? Acho que já li isso aqui ou no seu twitter.

    Ou pelo menos essa primeira foto dele tá em algum post antigo do HBD :p

  17. MH says:

    Hey Izzy, alguém já te disse pra parar de linkar links da wikipédia em inglês em um site que você escreve em português? Infelizmente eu (E muita gente que lê aqui) não falo inglês (Mas tô trabalhando isso! xD). E não que eu seja tão sedentário que tenha preguiça de pesquisar ali na barrinha do meu navegador, mas é que fica meio incoerente. ‘-‘

  18. MH says:

    Bom post… Me dá dó de pensar o que passa na cabeça do tipo de paspalho carente de atenção que literalmente come bosta pra ganhar alguns tweets ou se gabar pros amigos. Quer dizer: Será que alguém realmente fazia tudo isso pro Hunter Moore? Claro que não, porra!

    Mas sobre o cara em si? Eu não julgo. Não julgo porque até hoje não descobri o que é pra fazer por aqui. Não tenho fibra pra todo o jogo político que esse cara teve que fazer pra conseguir tanto “renome” na internet, mas não acho que nada que ele fez é realmente errado. Ele não impôs nada a nenhum lambedor de papel higiênico, né? Nenhum estupro também, e quem dormia com ele sabia da reputação do cara. Pra mim isso é só um minúsculo exemplo do que toda essa paspalheira democrática faz com a população desde que eu me entendo por gente, e ainda antes. Ou será que só o público alvo do Hunter Moore cai em elipses políticas por aí? Acho que não…

  19. Artur says:

    Porra, o pior não é nem ele se orgulhar de fazer merda, o pior é uma caralhada de meninas terem uma vontade anormal de dar pro cara. Realmente não há justiça no universo.

  20. Leonardo Cezar says:

    Só tenho uma coisa a dizer sobre esse”cidadão”:LIXO DE SER HUMANO!

  21. Paulo says:

    Kid recomendo fortemente um doc de 2009 “vivemos em publico”

  22. 441 says:

    Ok, qualquer mulher que dar pra ele e se foder: Você mereceu.
    Ele fodeu um MONTE de mina, fodeu com a VIDA de um monte de mina, e tem orgulho disso.
    Você não vai ser a dama de branco que vai mudar o monstro mal-coompreendido, Porque ele não é um monstro mal-compreendido, ele é um monstro, ponto final.

  23. @erivaldoff says:

    Opa izzi,
    Tipo, eu conheci vc no twitter comecei e te seguir e talz.. mas vc flodava muito a minha TL e resolvi dar unfollow.. Eu sou fã de tecnologia e blogueiro e vi um post seu no tecnoblog e te reconheci na mesma hora e mentalmente eu falei “mas como um cara que fala tanta merda no twitter pode escrever bons textos”.. e hj vim para no seu site e comecei a ler seu livro.. um bom trabalho que vc faz, parabens… mas nao eh por causa disso que vou voltar a te seguir, afinal nao faz diferença.. boa sorte e sucessos. vlw

  24. num sou besta de por meu nome e arriscar alguem ver isso e saber que fui eu says:

    Entendo completamente o que esse cara fez, e no meu lugar, eu faria o mesmo.
    Dependendo do nivel do ‘pé na bunda’ um homem pode chegar ao ponto de odiar tanto uma mulher, mas tanto, mas tanto, que, nao vira homossexual, mas faz questao de viver, só pra destruir a vida de todas.
    Eu faço isso ate hoje pra falar a verdade, devido a um desgosto imenso com uma ex, quem nao sabe de todos os detalhes nao pode julgar esse desgosto. Minha reaçao ate hoje eh fuder com a vida de qualquer garotinha babaca, ensinar pra elas sobre a desgraça que um homem pode causar na vida dela se ela continuar sendo babaca, quero que percam a ingenuidade, tomem no meio do cu. Iludir 20 garotas ao mesmo tempo, arrumar fotos de todas, dar esperanças a todas, fuder todas de todas as formas.

    • Hellhammer says:

      Está certíssimo. Eu faço o mesmo. E já fui um cara bom, mas agora dou ao mundo o que ele deu a mim.

      No dia que aparecer A garota diferente, eu mudo minha idéia, mas até lá, vou destruir sempre esse tipo de gente.

  25. Rodrigo says:

    Vidas se perderam e infelizmente vidas se perdem por inocência,falta de informação ou até mesmo descuido,onde que por esses descuidos se encontram pessoas sem caráter como esse “nojo” de ser humano!
    O mais horrível também, é ver que pessoas se rendem a um sujeito com ele e se mostram tão publicamente por sua própria vontade,jovens lindas e com uma mente tão fraca se expondo assim na internet,é ai que paramos para notar que,criticam o Brasil por ser vulgar e expor as mulheres,quando la fora eles deixam que suas crianças e jovens deixem se levar por uma pessoa sem mente!!!!

  26. Alexandre Brito says:

    Bom dia Izzy, meu nome é Alexandre Brito, sou de Belém-PA (Brasil) faz pouco tempo que comecei a ver seus videos, no Youtube, no qual me tornei grande fã e agora seguidor, gosto de ver seu ponto de vista, muito inteligente, mesmo que aqui e ali discordo em alguns pontos, mas não por isso, deixo de admira-lo, com relação a esse cara, realmente um FDP, realmente daria um bom filme, mesmo que trouxesse marketing para ele, se o cara é o mais odiado, realmente não sei, não entendo essa meninada e até adultos que se deixam ir na onda de um carinha desses, e enviam fotos e videos de tudo quanto é jeito, prejudicando tanto seu presente quanto seu passado, aqui mesmo no Brasil tem um blog que recebe fotos das mulheres, no qual colocam o nome do blog, não sei o que querem com isso….. Mas cada um é livre para fazer o que quiser, mas depois que quebrarem a cara vai ter alguém que falará aquela velha frase “bem que eu te avisei”………. Pois é meu irmão, continue com suas postagens, e hj que estou conhecendo este seu espaço aqui, parabéns mesmo……………..

  27. […] possíveis e obviamente, pegava quem queria e sacaneava depois. Para um dossiê completo leia este post do Kid e […]

  28. […] é o Hunter Moore, um marginal do qual já falei aqui no HBD alguns anos atrás. O que você precisa saber, pra poupar tempo, é que este lixo humano era responsável por um site […]