Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

A resposta de Bel Pesce: Quando a emenda sai pior que o soneto, parte 1

Postado em 3 September 2016 Escrito por Izzy Nobre 175 Comentários

(O texto estava ficando tão grande que, pra facilitar a leitura e oferecer uma resposta aos que insinuam que estou me “acovardando” após o posto de “esclarecimentos” da Bel, decidi dividir este artigo em vários, onde tentarei cobrir cada faceta da réplica da empreendedora.)

(Ah, e pode haver uns erros ortográficos aí. Corrigirei a medida em que vocês esfregarem-nos na minha cara, insinuando que sou um analfabeto)

cinco diplomas

Vou ser honesto aqui: eu não sei exatamente o que é um “soneto”, e espero que você também não saiba pra que eu não pareça tão burro. Claro, a raiz da palavra sugere uma conexão etimológica com “som” (?), então naturalmente eu suponho que seja algo relativo a cantoria, esses negócios de ópera, algo assim. O que provavelmente não é, mas eu já estou comprometido com essa analogia então não vou googlear agora. Se o jornalismo brasileiro pode passar anos sem googlear um personagem a quem eles deram palanque, eu posso me omitir de uma pesquisa pelo bom andamento dessa introdução.

Então, eu não sei o que é. Se você me mostrasse um soneto na TV, supondo que essa teoria de que é alguma coisa relativa a música esteja correta, eu não ia aprumar os óculos na cara e falar com voz empostada de connoisseur musical babaca “ora, mas é claro que isso é um belo soneto, até mesmo um palerma sem instrução facilmente vê!”. Sei lá que porra é essa.

E sei menos ainda o que seria uma “emenda” aí nesse contexto supostamente musical. Alguém que chega correndo pra consertar uma desafinada da cantora “titular”…? Pra uma emenda sair pior que o soneto, então, eu imagino a emendadora subindo no palco bêbada, com a maquiagem toda zoneada, e então tropeça no vestido e cai de cara no fosso da orquestra, quebrando a clavícula numa tuba. Seria isso?

Bom, esqueçam essa metáfora e vamos trazer pra algo mais simples, mais visual. Lembram do Mr Bean? Em seu filme, ele dá um perfeito exemplo do que eu creio ser uma expressão melhor pra “emenda pior que soneto”.

Na sequência acima, o Mr Bean espirra numa famosa pintura. Na tentativa de limpar a parada, o cara a mancha com tinta, arranca a tela da moldura, pisa em cima, e acaba finalmente usando tiner — assim, literalmente destruindo a pintura. Essa cena foi uma das primeiras em minha vida toda que me fez literalmente chorar de rir, o que até então eu pensava ser exagero linguístico.

A situação vai piorando vertiginosamente a cada tentativa do Bean de desfazer a cagada; as reações do personagem quando descobre que o próximo passo saiu pela culatra miseravelmente, tudo isso quando o espectador está cima de um alicerce contextual de que a pintura era muitíssimo valiosa e que cada burrice dele a deixa irreversivelmente mais longe disso. Inclusive, no ramo artístico dos caras que entendem de pintuas e arte clássica isso tem o nome técnico de “esmerdalhança total e irremediável

No final, resta ao Mr Bean desenhar um facsímile fajuto por cima do estrago; um que ninguém poderia argumentar que é uma reprodução fiel do que estava pendurado na parede antes (de fato, apenas um cego poderia ser enganado por ela) mas que o autor de toda a cagada apresenta na tentativa de mostrar aos que confiaram nele que tudo está ok.

Foi exatamente isso que a autora de “A Menina do Vale” fez. O quadro é sua carreira e imagem. O espirro, a descoberta das, digamos, pra ser gentil, “inverdades”.

E ao tentar limpar a coisa, ela tá jogando tiner e ateando fogo na pintura. Feito o estrago, ela completou com um desenho em cima que DEFINITIVAMENTE não é a mesma figura que estava lá antes, por mais que ela tente fingir que sempre foi assim.

Se você não tiver tempo de ler a resposta da Bel no Medium, esse vídeo aí é o equivalente cinematográfico dele. Diria até que assistindo esse vídeo você tem um “minor” em “Desculpas Esfarrapadas da Bel”, se é que podemos chamar aquilo de “desculpa” porque desculpa presume admissão de erro, e não é isso que o texto dela faz em momento algum.

Todo mundo assistiu Mr Bean, mas você já viu um soneto? Provavelmente não. Então, aí está uma metáfora melhor: “o conserto que ficou pior que o espirro”.

É isso. Vamos lá.

A respost…

Pera.

Antes de falarmos da réplica da empreendedora, preciso reportar a vocês o que se desencadeou depois da postagem daquele artigo.

The Aftermath

Rapaz, que confusão esse negócio rendeu! Meu site foi tirado do ar pelo HostGator, porque o servidor compartilhado que eu usava não aguentava o tranco do número de acessos (em alguns momentos, rendeu picos de milhares de leitores simultâneos, algo inédito aqui). Consigo imaginar o @pedrovanzella, que nunca perdeu uma oportunidade de me criticar por não usar um serviço melhor de hospedagem, me criticando silenciosamente de longe.

Foi por isso que pus o artigo naquele horroroso Medium, que é de longe o pior serviço de blogging que eu usei na vida. Alguns dias depois, sob tutela e auxílio cuidadoso do Pedro, consegui repôr o site no ar. Aliás, na real, ele que pôs essa merda toda de volta na internet, eu só loguei aqui e ali e apertei os botões que ele me mandou apertar na hora certa.

Sabe os macacos que a NASA treinou pra realizar operações simples em aeronaves no começo do programa espacial? Então, foi mais ou menos daquele jeito, com a diferença que eu tinha uma probabilidade maior de explodir a porra toda.

O meu artigo foi citado no Estadão, no Huffington Post, na VejaSPduas vezes no Pânico, na Época, e provavelmente em vários outros que agora estou com preguiça de procurar. O artigo correu as redes sociais no mesmo galope com o qual, predizem alguns, vem uma carta rogatória de São Paulo com direção à minha casa.

Fui bastante parabenizado pela pesquisa e pela redação do texto em si — embora, curiosamente, tenha recebido também muitas críticas de que o artigo era “demasiadamente agressivo” e “sem tom ou seriedade jornalística”. Nessa hora caiu a ficha que meu texto não estava mais sendo analisado pelo meu público usual, que entende meu temperamento e meu senso de humor. Eu não havia calculado inicialmente que o texto seria julgado por quem não me conhece.

Eu imagino que o que acontecia é que o sujeito via o burburinho relativo ao caso, via que parecia um assunto grave, e quanto se interessava o bastante pra clicar, já estava condicionado a esperar algum tipo de matéria mais séria. Sem saber que este é o mesmo site famoso por uma história onde eu cago no tapete do meu banheiro ou acidentalmente mijo no meu gato.

O que eu quero dizer é: eu sou, a priori, um humorista. Aliás, não, deixa eu corrigir isso: por mais que humorista não seja nem um título de prestígio, eu não sou nem bom o suficiente pra ser humorista. Tenho um blog e conto umas piadinhas que frequentemente nem engraçadas são.

O que torna inexplicável a exigência daquela matéria do Estadão, que diz que “falhei com a ética jornalística por não ouvir o outro lado da história” ou coisa assim. Essa acusação é hilária em várias camadas diferentes:

  1. Eu não sou jornalista. Não faz qualquer nexo cobrar de um não-jornalista a ética jornalista (como se nossos jornalistas sequer a tivessem mas isso é um ponto paralelo);
  2. O outro lado já foi ouvido, por anos, em um palco com maior alcance que o meu. A MINHA impressão dos fatos é que é o outro lado, o contraditório;
  3. Não devo “direito de resposta” a ninguém, tampouco alguém que com uma postagem no Facebook alcança mais de meio milhão de pessoas e eu, uma fração disso. Não que eu esconderia a resposta dela, afinal, linko-a aqui com prazer (curioso que ela sequer me menciona na sua postagem, o que talvez seja até recomendação jurídica). Só me incomoda e rejeito fundamentalmente essa exigência de que é dever meu dar “espaço de resposta” a alguém que aparece em veículos de alcance nacional rotineiramente.
  4. O autor da matéria não me procurou pra pedir de mim o MEU direito de resposta à sua crítica de mim, o que torna sua recomendação nada mais do que uma postura moralmente falida.

Uma parte não tão interessante assim (aliás, francamente assustadora e repugnante) foi a alteração histórica executada por meios de comunicação que outrora promoveram a moça. Em pelo menos duas ocasiões, de matérias que antes romantizavam os feitos de Bel Pesce foram removidos trechos de adulação e feitos duvidosos que soavam, pra ser plenamente honesto, como diretamente extraídos de um kit de mídia da moça.

O UOL Economia, por exemplo. Antes:

Hoje:

Em outras palavras, sempre estivemos em guerra com a Lestásia. Sem qualquer tipo de errata ou esclarecimento, o UOL literalmente mudou o que havia veiculado anteriormente. Sem qualquer exagero ou brincadeira — isso é Orwellianamente inaceitável, e se estão dispostos a fazer isso por uma bobagem como essa, é preocupante imaginar o que mais se arriscariam a “corrigir” quando fosse realmente de seu interesse.

Não foi só esse artigo. Tem este aqui também, que até pouco tempo era assim:

Agora, por que será, está assim:

Felizmente graças a inúmeros prints e ao Web Archive, na internet não existe buraco de memória onde fatos que contradigam a narrativa vigente possam ser extirpados completamente do registro histórico.

A ironia é que essa correção, que presumo tinha o objetivo de melhorar a imagem do UOL como um veículo de notícias, a piorou. Não foi só a Bel que estragou a pintura e desenhou uma tosquice por cima como forma de “conserto”.

Infelizmente pra Bel, o que ela falou em vídeo não é tão simples de editar. Então, entremos na resposta dela.

A resposta de Bel

Você conhece o conceito de “misdirection“? Oriundo do mundo da mágica, o “misdirection” é o OPA OLHE PRA LÁ, NÃO OLHE PRA CÁ NÃO, OLHE PRA LÁ POR UM SEGUNDINHO SÓ OK AGORA PODE OLHAR AQUI DE NOVO. Provavelmente não é coincidência que a Bel apelasse pra essa tática, visto que ela já atua num ramo que (assim como na mágica) basea-se em mostrar coisas num ângulo certinho, cuidadosamente, pra que o fantasioso pareça real.

Boa parte da resposta da Bel foca nas dúvidas levantadas sobre seu passado acadêmico. Como falei no meu texto, o que me despertou a curiosidade é a forma como na biografia em português, ela dizia explicitamente que tinha cinco diplomas…

O site dela permanece inalterado.

…enquanto em inglês ela é menos direta e fala só dos majors e minors:

Eu achei essas duas descrições totalmente conflitantes, que foi o red flag primordial dessa coisa toda. Primeiro, porque dois majors não significam necessariamente dois diplomas, como explica a Wikipédia:

“Apesar de declarar dois majors, a maioria das faculdades confere apenas UM DIPLOMA. “School”, a propósito, é usado nos EUA e Canadá como sinônimo de qualquer tipo de instituição de ensino.

Não há espaço pra chorumelas: quando ter dois majors não é nem necessariamente o mesmo que ter dois diplomas, de onde vem essa conta de CINCO diplomas, então…? Como ela acha apropriado mencionar MINORS (que no MIT requerem apenas entre 5 e 7 disciplinas) de DIPLOMA, quando por sua duração e escopo mal poderiam ser considerados cursos técnicos?

(Pior que isso, ter um major não é sequer sinônimo de ter se formado, como vemos aqui.)

Pronto, o palco está montado. Entra a ilusionista Bel Pesce com seus assistentes de palco, a mídia ingênua que acredita e replica o que ela alega.

Note: eu falei claramente “BEL PESCE DIZ TER CINCO DIPLOMAS EM PORTUGUÊS, MAS EM INGLÊS ELA É MEIO VAGA A RESPEITO DE TER SE FORMADO OU NÃO, E TERIA NA MELHOR DAS HIPÓTESES DOIS DIPLOMAS”, e mostrei os mecanismos lógicos através dos quais eu cheguei a isso.

Em resposta, o que ela faz? Ela mostra que não tem nada em uma manga, nada na outra, faz um gesto arcano com as mãos, e assim redireciona a atenção do público a algo que eu nunca falei: “BEL PESCE NÃO É FORMADA, PONTO FINAL“.

Tendo este espantalho nas mãos, ela enche então o post de fotos da formatura, dos exatos dois diplomas que eu previ, que até então aparentemente o mundo inteiro pensava ser cinco porque ela mesma falava explicitamente que eram cinco, e assim boa parte do meu artigo está “refutado”.

Mas o pior não é essa COMPLETA omissão de um pedido sincero de desculpas por ter acrescentado três diplomas aos seus dois reais. O pior trecho é este outro meta-misdirection, um truque de mãos paralelo enquanto já se está fazendo outro:

Se em algum momento, posicionar que tenho cursos em Engenharia Elétrica, Ciência da Computação, Administração, Economia e Matemática pode ter feito alguém se sentir ofendido, desculpe. Sempre que possível eu clarifiquei, mas de alguns milhares de vezes que eu tenha falado sobre o assunto, imagino que certas vezes realmente não tenha ficado claro(…)

That’s the pivot“, diriam os gringos.

Nos últimos dias, tal qual alguém que faz maratona de Breaking Bad, eu ficava me perguntando COMO essa protagonista iria escapar dessa vez. Enquanto eu já esperava que todo o resto seria remanejado com floreios semânticos facilmente palatáveis pros fãs cegos, estamos aqui falando de um fato objetivamente inegável:

5 ≠ 2

Não é POSSÍVEL que ela vai passar pano nisso. É?

E aí ela manda esse trecho que colei acima. Tive que levantar da cadeira e bater palmas. Ou melhor, teria, se essa transparente ginástica semântica tivesse colado entre seus seguidores, e não é bem o caso se os comentários do Medium e de sua postagem no Facebook são indicação de qualquer coisa.

Veja bem o que ela falou: “Se em algum momento, posicionar que tenho cursos em…“.

O que ela está dizendo nas entrelinhas, na esperança de que você aceite por osmose, quase na base da mensagem subliminar, aí é que tudo que ela sempre falou é que ela tem CURSOS (em Belspeak, “cursou disciplinas”) de Engenharia Elétrica, Ciências da Computação, Administração, Economia e Matemática. Afinal, ela realmente tem “cursos” de tudo isso que ela enumerava como diploma. Ela cursou algunas disciplinas dessas graduações, que é o que a dá os dois minors.

Perceba — o que ela fez nesse trecho é implicitamente negar que algum dia tenha falado “EU TENHO CINCO DIPLOMAS NAS DISCIPLINAS (…)”, o que ela teria dito é “tenho cursos nas disciplinas (…)”, o que é tecnicamente verdade. Afinal, um CURSO pode ser uma miríade de coisas (curso profissionalizante? Curso de reforço escolar? Curso como sinônimo de matéria de faculdade?), o que a dá bastante latitude pra dizer “você simplesmente me entendeu errado”.

Abracadabra. 

curso

“Gente eu só falei que tinha CURSOS, de onde vocês tiraram que eu falei “DIPLOMAS”?

Entendeu? Tecnicamente ela pode dizer que as matérias que completou são CURSOS daquelas graduações, e você que entendeu errado.

Tecnicamente eu posso chamar disso” é literalmente o MO dela. É através desse mesmo mecanismo de claríssima má fé que ela se chamava de “fundadora” de uma empresa que já existia, com donos bem definidos, a qual ela claramente se uniu pra ser funcionária subordinada de um chefe. Não é isso que compreendemos como FUNDADORA, não era isso que ela dava a entender quando se gabava de ter vendido tal empresa por 50 milhões de dólares (o que também não aconteceu):

“Uma das MINHAS empresas EU vendi por 50 milhoes de dólares”. O que se compreende ao ouvir isso? Que ela assinou um contrato pra entrar numa empresa já existente de outro cara, ou que ELA FUNDOU A PARADA E ERA LITERALMENTE A DONA?

…maaaaaaaaas, “tecnicamente eu posso me chamar de (co)fundadora sim, olha esse trechinho minúsculo de um contrato aqui que nem menciona o nome da Lemon ou sequer prova que o acordo foi concretizado!”. Cê tá percebendo o padrão?

Mas essa questão aí da Lemon e adjacentes é assunto pro próximo post. Não quero me estender tanto.

Voltando aos diplomas, ela também não tenta se desculpar por sempre se referir ao seu bacharelado em Electrical Engineering and Computer Science como se fossem duas formações distintas, o que simplesmente não é.

Em seguida ela cara-de-paumente manda que “sempre que possível eu clarifiquei”, como se não houvessem entrevistas com ela em vídeo em que ela diz, verbatim, “tenho cinco diplomas”.

Como se o próprio site dela não dissesse “…onde se formou em Engenharia Elétrica, Ciências da Computação, Administração, Economia e Matemática”. Ela está tentando passar essa bola de que a mídia que “entendeu errado” porque ela não “clarificou”.

Na realidade, como o vídeo acima deixa absolutamente explícito, a única “clarificação” que Bel dava sobre seus cinco diplomas parece ser uma admissão flagrantemente envergonhada de que seus cinco majors/diplomas seriam “teóricos” assim que alguém fazia rapidamente a aritmética básica de que ter isso tudo de diploma não faz nenhum sentido. Eu tenho a impressão que esse entrevistador já estudou fora, e talvez por isso ela nem tentou empurrar a balela tradicional de “cinco diplomas” e já fez o downgrade pra “cinco majors” pra soar um pouco mais verossímil.

E ainda assim não deu, porque o cara IMEDIATAMENTE viu que a conta não fechava.

Bel, manda um mea culpa mais honesto em relação a esses seus cinco diplomas. Tá plenamente escancarado que você mentiu. Você deu a entender que tinha uma qualificação maior do que realmente tem, e vendo como você tem um benefício direto através disso (sua imagem e seu currículo é o que fazem comprarem seus livros, cursos e palestras), é plenamente desonesto.

E o pior: não sou só eu, o “hater” como você descreveu no Facebook, te cobrando. Inúmeros reais admiradores seus esperavam uma posição mais franca.

A pior parte disso tudo é o seguinte: você tem mérito por ter entrado E SE FORMADO no MIT, com dois majors ainda por cima. Eu, particularmente (qualquer nerd na real), acho o MIT uma instituição foda pra caralho. Quando moleque, lendo a revista Superinteressante, parecia que todas as mais incríveis pesquisas e projetos de computação, robótica, exploração espacial, computadores wearable e inteligência artificial saiam de lá.

Sabe aquele mundo paralelo do horrível Tomorrowland?

Na minha cabeça, o MIT era aquilo. Você já tinha DUAS formações que impressionavam.

(Já tô vendo os fanboys alucinando por achar que acertaram suas previsões de que tudo não passa de ~inveja~, o argumento com a firmeza moral e intelectual de uma criança de 12 anos)

Era reeeeeeealmente necessário multiplica-las, se colocando nessa posição extremamente desconfortável de fazer pretzels de palavras tentando se explicar (e nitidamente falhando)? Você parece não ter aprendido a lição principal desse caso inteiro:

Você não precisava ter inventado esses outros três diplomas, e poderia muito bem ter pedido desculpas mais honestas admitindo que mentiu. Parafraseando o célebre ditado e usando a suposta pronúncia correta do seu nome pro trocadilho infame: Pesce morre pela boca.

Essa sua súbita mudança de TENHO DIPLOMAS pra TENHO CURSOS é meio envergonhante, porque ela deixa subententido que você não respeita a inteligência dos seus seguidores. Alguns vão cair nessa, claro, afinal, por admiração cega já vi pessoas fazendo muito pior.

Mas eu pude constatar que a maioria do seu público é inteligente, por mais que você pense que não. Eles ESTÃO vendo o que está perfeitamente transparente. Talvez por ter sido adulada como menina genial por tantos anos, você achou imediatamente que essa estratégia de passar um verniz na mentira era obviamente acima da capacidade dedutiva de nós, meros mortais. Afinal, é mais um empreendimento da Bel Pesce.

A propósito: “empreendimento” não significa “entrar na empresa dos outros”, e nenhuma quantia de screenshot de contrato convencerá as pessoas que te ouviram falar explicitamente “minha empresa”.

“Vendi MINHA empresa”.

“EU VENDI MINHA EMPRESA POR 50 MILHÕES DE DÓLARES.”

Se tinha o nome de outra pessoa no final do contrato aprovando sua entrada nela, ela não era sua empresa, Bel. O “Ah, mas tecnicamente…” funcionaria se não fosse sua resposta pra tudo. “Tecnicamente trabalhei no Google sim, tecnicamente eu era co-fundadora da Lemon sim, tecnicamente eu tenho 5 “cursos” sim”…

Aliás, uma coisa que eu só fiquei sabendo no frigir de ovos durante essa confusão toda, que é uma expressão particularmente curiosa pra mim já que nem de ovo eu gosto — meu próprio pai trabalhava numa empresa onde, um dia, a divisão onde ele atuava fragmentou-se em uma empresa independente. Os empregados que já tinham anos de casa e migraram pra “nova” empresa foram “grandfathered in” como co-fundadores da nova empresa, que é um título total e completamente ornamental, por mais que alguns deles ganhem de bônus algumas ações na empresa e tal pra servir de incentivo. Meu pai continua, como sempre foi, apenas um funcionário que TECNICAMENTE estava na empresa desde o primeiro dia de sua existência.

Meu pai jamais, em hipótese alguma, se apresentaria por aí dizendo que “fundou” a empresa por causa disso. Seria, pra usar língua sem rodeios, uma franca loucura. Caso a empresa seja vendida eventualmente, ele da mesma forma não vai delirar dando carteirada por aí em tom de soberba dizendo que “vendeu sua empresa por X milhões de dólares”, porque essa representação é completamente fantasiosa.

Nos próximos textos abordarei a questão da Lemon, e os inúmeros vídeos e tweets em que você se referia dela com claríssimo tom de posse que hoje você evidentemente não usaria mais. Suspeito que hoje você não falaria algo assim:

Até a próxima.

Ah, e falando novamente sobre a imprensa: eu queria saber fazer amizade com eles como você. Primeiro te promoveram, e agora se referem ao seu post como uma “refutação” do que eu descobri quando você na real confirma TUDO QUE EU FALEI — os 2 diplomas, os estágios que você dava a entender em inúmeras ocasiões que eram posições de liderança, o fato de que você não fundou a Lemon como todos compreendiam de acordo com sua narrativa, e que tinha um tal de Wences Casares cuja existência e papel em te aceitar na empresa dele eu diria que uma parcela grande dos seus fãs desconheciam…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Dossiê HBD

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 32 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas, e sobre notícias bizarras n'O MELHOR PODCAST DO BRASIL. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

175 Comentários \o/

  1. Menina says:

    Só ficou claro o quanto ela mente e mentiu a respeito de seus empreendimentos. Pior de tudo é fanboy a defendendo cegamente.

  2. Helder says:

    Izzy , ótimo texto. Aguardando a parte 2!

  3. Marcela Teixeira says:

    Queria prestar uma dedicatória a esse exemplo de brasileira, nata e genuína, uma vencedora, e a todas as redações e mídias de nosso próspero Brasil, que são todas cabelos azuis lindos, imparciais e sem ideologia!
    E as nossas universidades também!

    Bellsong:
    https://www.youtube.com/watch?v=qlOTNtUvhe8

    ( https://www.youtube.com/watch?v=xlDqptoRR28 )

    Nossos jovens são incríveis e dinâmicos! Democratas contra o golpe!

    #MiloYiannopoulosDoBrasil
    #FoxNewsDoBrasil
    #GOPdoBrasil

  4. Caju says:

    Eu acho que você deveria simplesmente ir direto ao ponto. Seu texto anterior estava ótimo: era claro e relativamente conciso.

    Aqui você perde muito tempo explicando uma analogia boba e falando sobre os acessos do seu site. Ninguém está interessado nisso.

    O que se quer é apenas a extração da pele da Bel Pesce Mattos com ela ainda viva e seu posterior envio para as areias do Saara, que nos renderá um suculento filé de gengiva à milanesa.

    • Izzy Nobre says:

      “Aqui você perde muito tempo explicando uma analogia boba e falando sobre os acessos do seu site. Ninguém está interessado nisso.” EU estou interessado nisso. O site é meu, afinal. Eu queria deixar um registro histórico legal pra quando alguém achar esse post daqui 5 anos entender melhor o que se passou.

      • Vinícius Ortiz says:

        Esse é do público que não lê seu site e não sabe que esses seus “devaneios” que se conectam com o conteúdo são o chantilly dos seus textos.
        Ah, ótimo texto como sempre.

      • Renan Machado says:

        Izzi, eu alguns anos acompanhei o hba e pra mim é sempre interessante a forma que vc escreve. Pra quem te acompanha, com certeza essa parte é bem válida.

        • Gilmar Machado says:

          Analogia boba sim. Aceite e engula

          • Fabíola says:

            Eu gostei.

            Ñ conhecia o Izzy, nem a Bel. Ouvi um burburinho sobre ela, fui pescocear e cai aqui.

            Gostei da leitura. Interessante, ritmada, crítica, divertida, respeitosa.

            Engolir o quê?

          • DIEGO CARVALHO says:

            Não Acho. Os textos do Izzy são como os “Nostalgia História” do Felipe Castanhari. Pra apreciar como calma, admirando o bom trabalhando do autor.

      • Cris says:

        Izzy Nobre IZZY TODO ESSE ESCÂNDALO DESSA FARSANTE FOI SÓ A PONTA DO ICEBERG, SE PUDER INVESTIGUE ISTO… essa mulher pode ser simples marionete para ILÍCITOS POLÍTICOS pelos seguintes motivos:
        -- Pois ela na lancheria apostava num financiamento de CROWDFUNDING ((método de lavagem de dinheiro do qual o PT foi acusado de usar recentemente))
        -- Além disso, existe trecho num video dela dizendo que os livros (péssimos) dessa mulher costumavam ser indicados por professores nas escolas brasileiras ((geralmente pregadores marxistas))
        -- Ela também possui claramente um acessor de imprensa influente ((leia-se propina)) que manipulou veículos da mídia ((alguns esquerdistas)) dando a ela espaços incomuns de divulgação e até proteção, como estranhamente fez o UOL ao fraudar a antiga reportagem dela.
        -- Aliás o site UOL é conhecido por suas pautas petistas e seu dono é André Esteves está sendo investigado com junto com Lula na Lava Jato.
        -- São várias peças encaixando Izzy, isto sem falar das gírias dela típicas de militante petista. Sem falar do discurso feminista dela. Sem falar que em geral, mulheres não costumam ter cara de pau pra criarem SOZINHAS uma mentira tão elaborada dessas e divulgá-la ao mundo….Masssss esses itens não ficam muito explícitos como os demais fatos acima. IZZY COMO TE FALEI… ESSA MULHER É APENAS A PONTA DE UM ICEBERG MUITO MUITOOOOO MAIOR…

      • Oswaldo says:

        Perfeito. Não tem motivo para mudar seu estilo só para agradar paraquedista.

      • Diogo o Superior says:

        Izzy, ambos os textos estão excelentes, você me conhece, melhor dizendo, não me conhece kkkk, mas realmente acho que o seu trabalho do último post foi literalmente uma pesquisa e uma aula para quem diz que é jornalista, atualmente eles só querem arrotar textos sem profundidade e pesquisa.

        Mas concordo, você poderia ter transformado este segundo texto com todos os argumentos em um único post, não por partes.

    • harrison says:

      Izzy tu é um mito, mas concordo com o Caju. Ir direto ao ponto contando onde ela errou, era melhor. Afinal, é um dossie. Tente ser um pouco mais objetivo na parte dois. Valeu, abs

      • Anonymous says:

        Bom, até onde eu sei, o Izzy não ganha nada em termos financeiros com o hbdia.com e também não ganha nada com os sites do UOL, R7, iG Techmundo, etc que referem-se ao seu nome ou canal. Muito pelo contrário, o hdbdia não tem adsense e representa um passivo, ou seja, só sai dinheiro do bolso dele para mantê-lo. É compreensível que ele tente ganhar algum retorno falando de outras coisas que possam beneficiá-lo. Ah, antes que você diga que é somente por dinheiro, eu acredito que se você é bom numa coisa, então não faça de graça e que todo bom trabalho MERECE ser recompensado. Além do mais, pelo que entendi, ele não está fazendo isso porque ele quer (afinal, não é o foco do seu blog), mas, sim, porque seus seguidores insistiram para que ele apresentasse isso. Fora o fato de que o Izzy está se sacrificando e arriscando a tomar um processo e/ou outras dores de cabeça que podem infernizar ou não sua vida pessoal.

    • Anonymous says:

      Você está se confundindo Caju. Isto aqui não é um blog de notícias, empresarial, organizacional, político, etc. No caso do Izzy, é um blog PESSOAL online, no qual ele compartilha publicamente (a quem se interessar ou se identificar) aspectos diários da vida dele, tecnologia, Canadá, coisas de Nerd, humor, etc. Em outras palavras, apesar de você ser livre e não precisar de “convite”, você é um “visitante” e está na “casa” dele.

  5. Tchuripio says:

    Ela nao é a única, mas foi a que melhor mentiu sobre suas “realizacoes” no Vale. Por aqui a casos não tao descarados de “empreendedores” queridos pela mídia leiga (praticamente toda a midia). Tem o famoso caso do “tipo um YouTube brasileiro” cujo fundador se especializou em ganhar prêmios em revistas de negócios pelo (relativo) (in)sucesso de sua empresa. O primeiro fundo que entrou com o seed jamais entrou nas segundas e terceiras rodadas (nem conseguiu sair depois de 5 anos), o faturamento jamais é publicado (mas todo ano pintam noticias sobre a meta do ano que vem, que é…dobrar o faturamento), convênios de trocas de estagiários com o indefectível MIT, fotos do fundador em sua msa repleta de bonequimhos, a onipresente mesa de totó (ou pebolim) ao fundo, etc. Enfim, povo aqui está sempre à procura de algum gênio para chamar de seu. De genial, eles têm a capacidade de auto-promoção, quando muito.

    • PAula says:

      Cara fala o nome do cabra plmdds tô me rueno de curiosidade

    • Menino do Vale says:

      Seria aquele gênero musical brasileiro, de raízes africanas, que deriva de um tipo de dança e é considerado como uma dos principais símbolos do nosso país no mundo afora?

    • Elaine Nunes says:

      Engraçado, eu estudo pra cassete e nunca disse que tinha bacharel em coisas que eu não tenho.
      Vejo muitos aí com sites e vídeos no YouTube que parecem especialista em algo e vendem cursos muito caros, cuidado pessoal, vc vê que é mutreta logo de cara, e os vídeos dela no YouTube são uma bosta.

      • Anonymous says:

        Não é necessário que você seja bacharel ou especialista em alguma coisa. Basta apenas que você seja uma pessoa honesta, íntegra, ética, de bom caráter, justa, com bom senso e senso crítico. Em outra palavras, basta apenas que você seja uma boa pessoa. Infelizmente, tais atributos ou virtudes não são valorizadas aqui no Brasil, onde 90% da população é corrupta e/ou imbecilizada (opinião pessoal). Se você tiver tais atributos e virtudes, na minha opinião pessoal você já é SUPERIOR a essa farsante da Bel Pesce, formada pelo MIT. 😉

  6. Kotaro says:

    Mas que mentirosa duma figa, este vídeo dos 50 milhões é revelador demais.

  7. hugo says:

    soneto é um negócio de poesia mano

  8. Leon says:

    Sabe quando o Coringa do Batman Dark Knight taca fogo naquela pilha de dinheiro? É mais ou menos essa vibe que eu to sentindo depois de terminar de ler esse texto.

    Imagino a cara do cara do Geração de Valor lendo esse texto.

  9. Ainda que a versão dela da história fosse a verdadeira, ela teria apenas entrado como sócia, não fundou a empresa literalmente, não teve a ideia de criá-la e não esteve no comando central, o chefão mesmo sempre foi o Wences Casares. Ou seja, ela meio que confirmou, de uma forma ou de outra, que o empreendimento não era dela.

    Talvez seria interessante de, caso não tenha feito, contatar o Wences Casares novamente e perguntar se a Lemon teve outro nome antes de se chamar Lemon (a Bel Pesce afirma que a empresa se chamava Bling Nation antes de “virar” Lemon).

    Mas ainda considerando a hipótese de que a Lemon era dela mesma, ela começou a dar aulas de empreendedorismo tendo fundado apenas uma empresa, e não acho que fundar uma empresa seja experiência suficiente para dar aulas de empreendedorismo no estilo Sebrae, onde tem gente formada em empreendedorismo tal qual o Pasquale Cipro Neto tem formação em língua portuguesa, diferente de nós, que apenas falamos português, o que não é suficiente para se abrir uma escola de língua portuguesa em algum lugar, como no Canadá.

    Para piorar, me é estranho que uma suposta especialista em empreendedorismo tenha cometido tantos erros na elaboração de um novo empreendimento como este. Me arrisco a dizer que não foi nem mesmo feito um plano de negócios do empreendimento, algo que é extremamente básico que alguém com alguma formação relacionada a empreendedorismo deveria saber. Nem mesmo uma análise SWOT (Forças (Strengths), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats)) deve ter sido feita pelo jeito (e isso faz parte do plano de negócios). Sei da necesidade do plano de negócios e de tudo o que ele compõe porque aprendi na matéria de Liderança e Empreendedorismo que cursei no curso de Tecnologia em Informática para Gestão de Negócios, na FATEC de Praia Grande, mesmo tal matéria tendo durado apenas 6 meses na faculdade que fiz (e me formei).

  10. […] Por Izzy Nobre -- A resposta de Bel Pesce: Quando a emenda sai pior que o soneto, parte 1 […]

  11. Fabiano Silva Duarte says:

    Olá! Te conheci virtualmente hoje
    Então sou seu novo fã quero agradeçer pela suas postagens

    virei um novo admirador do seu trabalho.
    Faça sua inscrição neste canal com conteúdo de Gestão & Vendas -- https://goo.gl/aXfYvG
    Assista os videos podem compartilhar nas suas redes sociais mas lembre de seguir @fsdfabiano para não perder nenhum momento. Muito obrigado TMJ #estouresuasvendas

  12. Cezar Moura says:

    Cara, essa é a treta do ano mano. Tá muito mais empolgante que Batman V Superman.

    • Válber says:

      Nossa, nem fale. Isso vai, e DEVE render muito mais. Mentiras poderosas foram alegadas por ela. Que pena.
      Mas infelizmente, no Brasil isso não é tão raro. É de certa forma semelhante ao caso do “Marcelo Nascimento da Rocha”, que se dizia um dos donos da então nova GOL-Empresa Aérea.
      Lamentável. As pessoas precisam de verdades e mais respeito.

  13. Hitman do Vale says:

    Estou pressentindo que algum dinheiro vai entrar na minha conta.
    Ouvi boatos de que a Garota do Vale se juntou ao Coiotinho em um projeto de crowdfunding (AlBeltinho[?]) para arrecadar dinheiro para contratar os serviços de um hitman.

    Sabe o que é mais engraçado, minha starup (sou empreendedor tmb) que promove estes serviços só aceita pagamento em bitcoin o que vai deixar o Izzo bem contrariado.

    • Nonononono says:

      Contratar um hitman acho exagero, mas que vão investigar a tua nacionalidade brasileira…ah isso vão. Izzy já ouviu falar do Bologna Process? De como as graduações americanas sofrem na revalidações na UE?

  14. Patrick Silva says:

    Não que alguém se importe, mas… Soneto é um tipo de texto da poesia que tem o seu tamanho fixo. Consiste em quatro estrofes, sendo as duas primeiras quartetos (quatro linhas) e as duas primeiras tercetos (três linhas).

    • Angelo says:

      exemplo:

      Se te comparo a um dia de verão
      És por certo mais belo e mais ameno
      O vento espalha as folhas pelo chão
      E o tempo do verão é bem pequeno.

      Às vezes brilha o Sol em demasia
      Outras vezes desmaia com frieza;
      O que é belo declina num só dia,
      Na terna mutação da natureza.

      Mas em ti o verão será eterno,
      E a beleza que tens não perderás;
      Nem chegarás da morte ao triste inverno:

      Nestas linhas com o tempo crescerás.
      E enquanto nesta terra houver um ser,
      Meus versos vivos te farão viver.

      William Shakespeare

      • Angelo says:

        exemplo real:
        *
        Se te comparo a um dia de verão
        És por certo mais belo e mais ameno
        O vento espalha as folhas pelo chão
        E o tempo do verão é bem pequeno.
        ***
        Às vezes brilha o Sol em demasia
        Outras vezes desmaia com frieza;
        O que é belo declina num só dia,
        Na terna mutação da natureza.
        ***
        Mas em ti o verão será eterno,
        E a beleza que tens não perderás;
        Nem chegarás da morte ao triste inverno:
        ***
        Nestas linhas com o tempo crescerás.
        E enquanto nesta terra houver um ser,
        Meus versos vivos te farão viver.
        *
        William Shakespeare

    • waspbr says:

      Os versos de um soneto também tem um numero determinado de silabas por verso (se não me engano 12) e regras de rima.

    • Renan says:

      Valeu a explicação!

  15. PC says:

    Kid, essa história toda me fez relacionar o modus operandi com o daquele Marcelo Rocha, lembra? É incrível a facilidade de manipulação que essas pessoas têm, principalmente com a mídia:
    https://youtu.be/wfJ3OXwSfDU

  16. RedGreenBlue says:

    Um soneto de Shakespeare:

    Sonnet 138

    When my love swears that she is made of truth,
    I do believe her, though I know she lies,
    That she might think me some untutored youth,
    Unlearnèd in the world’s false subtleties.
    Thus vainly thinking that she thinks me young,
    Although she knows my days are past the best,
    Simply I credit her false-speaking tongue:
    On both sides thus is simple truth suppressed.
    But wherefore says she not she is unjust?
    And wherefore say not I that I am old?
    Oh, love’s best habit is in seeming trust,
    And age in love loves not to have years told.
    Therefore I lie with her and she with me,
    And in our faults by lies we flattered be.

  17. Erick Cartman says:

    essa plot ai não deixa de me fazer lembrar o lance do Marins…rs

    http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/752/noticias/historia-de-pescador-m0050950

  18. Lailson Nogueira says:

    Izzy, olha o que essa pessoa que trabalha na administração falou sobre a história da Bel Pesce e seus cinco diplomas:

    “One can have up to two undergraduate majors and two minors at MIT, and that still constitutes one degree. I believe I know who you’re talking about, and she’s a wonderful and inspiring person, but does NOT have five degrees from MIT. I can’t believe she would ever have claimed that she did, either.”

    Fonte: https://www.quora.com/What-is-it-like-to-have-5-degrees-from-MIT/answer/Anne-Hunter-2

  19. Sergio Almeida says:

    E o UOL trocando texto das matérias? Isso é assustador. Precisamos nos manifestar e levar essa historia pra quem regulamenta notícias. No mínimo os jornais concorrentes precisam alardear sobre esse fato.

  20. VCR says:

    Bom complemento para o texto original da história, abordando agora a resposta dela. No aguardo da parte 2. Eu também não consigo entender muito bem porque ela inflou o CV dessa forma. Se formar no MIT e outras experiencias que ela teve já são fodas por si sós. Ela contando a história real de vida dela e como foi a experiência provavelmente seria bem interessante, mas esse exagero todo é brochante e agora deixa todo mundo com ao menos um pé atrás. Acho que a curto prazo ela talvez perca algumas oportunidades e talvez uma parcela do público, mas confesso que a longo prazo é capaz de não dar em nada. A mídia já tá falando que ela refutou as críticas de um hater (quando na verdade ela fez o que você abordou neste texto e ignorou váááárias outras coisas, como aquele projeto na Microsoft que editaram de última hora e a história da Lemon). Os fãs cegos e os que não tiveram acesso ao texto vão continuar fazendo o que já faziam. Enfim, após que ela vai continuar dando palestras e vendendo produtos “da Bel”, talvez mude a forma de falar e corte alguns trechos.

  21. […] fogo.  Graças a um post questionando a grande empreendedora e seus títulos acadêmicos, no blog Hbdia de Izzy Nobre a atenção das pessoas voltaram aos blogs, principalmente o Hbdia -- Hoje é […]

  22. Guilherme says:

    Esses veículos de comunicação alterando retroativamente as matérias é muita safadeza…

  23. FALA MAIS DA TALENJ says:

    CEO & Co-Founder
    Talenj

    maio de 2010 – julho de 2011 (1 ano 3 meses)

    We are creating a variety of little fun websites. Our first experiment is Fontifier. Check it out at

    http://www.talenj.com

    Fonte: Linkedin Bel Pesce

  24. Gilberto says:

    Izzy, e aquela história do índio foi te perguntar a hora na estação do metrô e você ficou com medo? Foi sinistro, hein?! kkkk

  25. Bruno Guedes says:

    Rapaz, esse negócio de soneto e emenda foi talvez o non sequitur mais bizarro que você já usou de introdução. Mas valeu pelo vídeo do Mr Bean. 😛

    Enfim, eu não sei onde essa história vai dar, mas o mais hilário é que a Bel só tem a agradecer os próprios fãs dela, que acharam que você ia ficar impressionado com o currículo da moça e no final acabou levando a toda a “investigação” e essa treta toda.

    Como dizia Einstein, provavelmente citando Clarice Lispector, não se pode enganar todo mundo o tempo todo. Agora vamo ver. 😛

  26. Bruno Rocha says:

    A melhor lição disso tudo é que a internet não perdoa. Fica a dica aí pra quem curte aumentar seus feitos, pra parecer melhor do que realmente é.

  27. iria Neto Mariani says:

    Estou abismada,como as pessoas se iludem com qualquer um que aparece se dizendo isso e aquilo e muitos caem nas mentiras. Quer dizer, entendo razoavelmente, porque é o mesmo mecanismo que atrai tantos fiéis para as igrejas. Ouvi falar (literalmente) dessa Bel Pesce na CBN em 2014, onde ela começou a apresentar uma entrada no Jornal da manhã com o nome de Caderninhos da Bel. Nossa! Na mesma hora fiquei travada, como alguém poderia realizar tantas coisas em tão pouco tempo, fiz as contas dos anos na mesma hora, e percebi que não tinha lógica, pelo menos a lógica que eu conheço. Também despertou em mim sentimentos meio depressivos, como a inveja, impotência e pesar por nunca ter tido ou vir a ter uma vida de oportunidades. Enfim baixei naquele dia o livro dela da internet. Li e achei tudo bobagem e logo deletei com os mesmos sentimentos. Para encerrar, ainda ouvi as entradas dela no programa umas cinco vezes, no máximo, com certo esforço para tentar acreditar naquilo, mas as falas me soavam tão falsas, bobagens capturadas no suposto cotidiano dela e que serviriam de motivação para se empreender e se organizar na vida com vistas ao sucesso. Meu maior espanto era pensar como o locutor acreditava naquilo ou se sentia uma certa vergonha ao compartilhar essas entradas. Fiquei tão indignada que nunca mais nem ouvi essa programa da CBN pelas manhãs. Não perdi nada. A lógica é uma boa aliada, e no mínimo evita que passemos vergonha por acreditar em qualquer vendedor de ilusões.

  28. Ellen says:

    Izzy, nao te conhecia
    Seu texto e seu humor são impagáveis, adorei!!!
    . Tem canal no YouTube tambem!
    Bjs

  29. Anderson says:

    Algumas correções nesse trecho: “Ela cursou algunas disciplinas dessas graduações, que é o que a dá os dois minors.”.
    Não seriam “três minors” em vez de dois?

  30. Elis says:

    Porra, Izzy? Nunca viu um soneto??? Desafio a encontrar um brasileiro que tenha passado pela escola sem ver o famoso soneto de fidelidade, do Vinícius de Moraes, aquele que termina com “Que não seja imortal, posto que é chama/
    Mas que seja infinito enquanto dure.”

    No mais, estou adorando essa história aí, sexta tive um jantar, e o assunto foi essa história, com ênfase no seu post, estamos todos rindo muito com a história dessa empreendedora do ramo do empreendedorismo, a grande inovadora da área de invocação.

    Na verdade vc é que entendeu tudo errado, porque o que ela fez foi revolucionar o conceito de empreendedorismo.

    • Válber says:

      O que ela apresenta não revolucionou nada. Na verdade ela só repetia o que é corriqueiro por lá. O Brasil ainda é novo nesse conceito de empreendedorismo (falo com propriedade..sem detalhes), e quando vem uma brasileira com experiências no berço tecnológico da américa, contando historias (já corriqueiras por lá), os empreendedores brasileiros daqui deliram. Dizer que revolucionou é um tanto… “SEGMENTATION FAULT”..ops!…desculpa, sem adjetivos negativos para apresentar no momento. Tentei empreender com startup de tecnologia e sei bem o tempo que isso tem no Brasil e as barreiras que tive que enfrentar e ainda enfrento. Não sejamos infantis e não confundamos..”ela revolucionou”…com a realidade…”ela com seus exageros e personagem perfeito, nos empolgou a trabalhar mais e ter sucesso”..É como um filme de Spilberg que empolgou a tecnologia a evoluir, por exemplo. Só que seus filmes revolucionaram a maneira de produzir efeitos especiais. Não a forma das tecnologias serem feitas. Ela não revolucionou nada nessa história.

  31. Pedro says:

    Artigo foda, Izzi. É incrível como a galera aceita informação sem pesquisar antes se é verdade.

    Agora estou ansioso pra ver o que você fala do “mestrado na google” que ela alega ter sido convidada na resposta dela.

  32. Eduardo Kalil says:

    Sobre a historia de como entrou no MIT, alguns pontos:

    Eu nunca fiz o SAT, mas fiz o GMAT, que eh uma prova parecida. A diferenca eh que o SAT eh usado pra graduacao e o GMAT pra pos-graduacao.

    Essas provas nao sao vinculadas diretamente a nenhuma universidade. Sao simplesmente provas padronizadas e que sao usadas como parte do processo de application (o ENEM seria uma boa comparacao).

    Alguns pontos estranhos da historia dela:

    1- Como ela mesma afirma, a prova eh paga e nao custa barato (coisa de uns $300 usd). Eu fiz o GMAT em 2010, alguns anos depois do SAT dela, entao o processo pode ter mudado um pouco (a minha prova foi 100% no computador, por exemplo, mas ate algum tempo atras era em papel mesmo).

    O que eh mais ou menos facil de afirmar eh a preocupacao da instituicao de ensino em ter absoluta certeza de que a pessoa que fez a prova eh a mesma que esta fazendo o application. No GMAT, por exemplo, fazem ate checagem por impressao digital e existem cameras pra filmar vc fazendo a prova o tempo todo.

    Isso eh completamente compreensivel ja que, como a prova eh aplicada ao redor do mundo, ficaria facil bular o processo (tipo colocando aquela amigo seu genio pra fazer por vc) em paises menos serios, onde uma graninha na mao do fiscal resolveria o problema.

    Vejam so esse trecho, retirado do proprio site do MIT:

    “It is important for all students -- and very important for international students -- to register for tests with the same name as you have indicated on your application and MyMIT account. Your record and test scores will not be linked to our system if the names do not match.”

    Ok, talvez em 2005 as coisas fossem um pouco mais varzeadas, mas fica bem dificil acreditar que ela poderia simplesmente fazer a prova de outra pessoa, como afirma, e tudo isso ser aceito tanto por quem organiza o SAT quanto pelo MIT.

    2- A entrevista eh outra parte importante do processo seletivo. Vc pode ir ate o MIT e ser entrevistado la ou ser entrevistado por algum ex-aluno no proprio pais onde vive.

    O detalhe eh que nao eh qualquer ex-aluno. O cara tem que se voluntariar a ser entrevistador e, para isso, passa por um pequeno treinamento pra entender melhor da escola que pontos precisa abordar na entrevista.

    Como recebem milhares de applications por ano, o processo obviamente precisa ser padronizado. O entrevistador preenche um formulario padrao e envia pra escola. Isso vai ser parte do pacote (junto com provas, cartas de recomendacao, “redacoes” explicando pq vc quer estudar la, etc).

    A entrevista eh agendada com antedencia e (pelos menos em todos as dezenas de casos que ouvi) acontece ou no escritorio em que o ex-aluno trabalha ou num cafe/restaurante. Nunca ouvi um caso em que a entrevista foi feita na casa do entrevistador.

    Ou seja, de novo, fica dificil acreditar que ela bateu na porta de um ex-aluno escolhido aleatoriamente e, por insistencia, o cara a entrevistou.

    O que seria mais facil de acreditar seria que, como o poder de convencimento dela, o cara ficou impressionado e escreveu uma carta recomendando ela pra escola (o que ajuda mto). Mas isso nao eh entrevista e nao eh a historia que ela conta.

    3- Sobre “perder o prazo” tambem ficam mtas duvidas. Em primeiro lugar pq esses prazos sao levados ultra a serio e nao vejo a menor possiblidade de alguem ser aceito como excecao depois de 1/2 meses do deadline.

    Eh preciso explicar tb uma outra parte do processo: nao existe um deadline, mas varios (pelo menos dois). Normalmente o primeiro eh chamado de early round e serve pro candidato mostrar que a escola eh uma das suas 1as opcoes (ou seja, mostrar ainda mais interesse, aumentando suas chances de ser aceito). O segundo (e terceiro e quarto, dependendo da escola) eh chamado de regular round.

    Eu nao sei quais eram as datas em 2005, mas normalmente o early round acontece em novembro/dezembro e o regular round em janeiro/fevereiro. Algumas escolas aceitam applications ate abril (o que nao parece ser o caso do MIT).

    Voltando pra historia dela, o que me parece eh que ela perdeu o PRIMEIRO deadline, mas nao o segundo. Ou talvez ela tenha perdido o deadline pra uma das muitas coisas que a escola precisa receber e conseguiu uma excecao apenas para aquela parte (o SAT, ou a entrevista, por exemplo). Ela diz que recebeu a resposta em 18/3, sendo que as aulas comecam am Agosto. Ou seja, recebeu a resposta junto com todo mundo.

    Enfim, de maneira geral eu nao duvido que ela realmente tenha ido fazer a prova do SAT sem estar inscrita, que tenha ido bater na casa de um ex-aluno. O que eu acho mto improvavel eh que a historia tenha acontecido exatamente como ela conta.

    Se fosse pra chutar, eu diria que ela realmente queria mto ir pro MIT e tentou de tudo pra isso. Provavelmente perdeu alguma data, fez loucuras como diz, entendeu melhor o processo e achou outro caminho DENTRO DAS REGRAS, finalmente conseguindo sendo aceita. Eh ate provavel que essa loucura (principalmente ir falar com um ex-aluno) tenha ajudado na aprovacao.

    Maaaaas, contar essa historia nao seria suficiente, ne? Tenho varios amigos que passaram por historia semelhantes e, eu mesmo, tenho historias boas pra contar, ja que eh um processo longo e desgastante. Isso nao bastaria pra superbel. Pra ela tem que ser algo REALMENTE fora da curva, como em todas as historias dela.

  33. Eduardo Kalil says:

    Mais um ponto interessante:

    Um dos majors dela eh em Management Science, que ela traduz simplesmente como Administracao. Quando vc olha a grade curricular do curso, ta longe de ser o que a gente entende por administracao. Nao tem nada de financas ou de marketing, por exemplo. Zero mesmo.

  34. michel says:

    Uma pessoa que tem 5 diplomas, lucra 50 milhões e mora no Brasil…

    E pra piorar faz vaquinha pra montar um carrinho de lanche. Que derrota…

    • Patricia says:

      exatamente o que eu penso. E com um adendo: porque é que ela precisa vender cursinho de criatividade (ou sei lá o quê) via internet, fazendo joint venture com os bambambans do marketing digital no brasil, se a fortuna que ela amealhou com essa venda astronômica a deixaria numa posição mais que confortável para o resto da vida? Se eu tivesse essa grana e fosse tão “altruíta”, eu ofereceria meu cérebro de graça, pra galera usar e abusar mesmo. Grande engôdo, essa menina.

  35. Passei só pra avisar que neste momento, 04/09/2016 às 16:36, o site dela continua dizendo que ela fundou a Lemon.

    😀

    Ela pode ser muito boa em autopromoção, mas aparentemente não é tão boa em… quer dizer, quem é que cuida das redes sociais e dos conteúdos dos sites, afinal?

  36. iskaminien says:

    Larga dessa muié e grava um MPB aí, mah

  37. FAbio says:

    Hahaha, na época tentei usar o Lemon, era tão fake quanto ela, não servia para nada. Você tirava uma foto do recibo do cartão de crédito, o Lemon supostamente adicionava o seu gasto na sua agenda financeira. Quando pesquisei no site dizia que estavam implementando as tecnologias, por isto não funcionava… Nunca funcionou. Duvido que tenha vendido algo. Tudo mentira. Tudo falso. Menininha Mentirosa, vai prá Brasília que lá é o teu reduto!!!

    • Cleber says:

      Mee eu também tentei usar essa app lemon, queria tentei fazer um tecnologia parecida e isso é muito completo, acho que nunca funcionou.

  38. Gustavo Ferreira says:

    Soneto acredito que é um modelo poesia que possui quatro estrofes, as duas primeiras com quatro versos e as duas ultimas com três versos com rimas alternadas ou emparelhadas… Conheci seu canal hoje e já virei teu fã!

  39. Gabriel says:

    Soneto é um tipo de poesia, composta por 4 estrofes sendo dois tercetos (estrofe de três versos) e dois quartetos (estrofe de quatro versos)

  40. Tommy Lee Djeba says:

    Esta mina continuará sendo um filhote de Pantaleão com Luis Carlos Boça. A situação é tão esquisita, que apesar das provas, passo a duvidar de coisas básicas, como o ingresso no MIT, por exemplo. Tem uma entrevista com o João Dória em que ela fala que chegou na prova do SAT (equivalente ao nosso ENEM) e o nome dela não constava na lista, mas mesmo assim ela fez a prova no lugar de outra pessoa. Como assim? Deveria ser insta-eliminação e foda-se, como em qualquer concurso. Enfim, segue um vídeo da Bel trabalhando na Lemon: https://l.facebook.com/l.php?u=https%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fwatch%3Fv%3DEIm-Elmn_lU&h=dAQFfVWkZ

  41. Pobre Paulista says:

    E o MIT nem é tudo isso mesmo, a Caltech é melhor.

  42. Pelo que eu entendi, a Lemon sempre se chamou Lemon e a Bling Nation sempre se chamou Bling Nation, as duas eram do Wences Casares, e adivinha? Bel Pesce não é listada entre os fundadores, que são o Wences e mais outra pessoa:

    https://www.crunchbase.com/organization/bling-nation#/entity

  43. Paulo Diogo says:

    e tem gente defendendo essa mina ainda… bom trabalho Izzy…

  44. paulo says:

    olha so o q ta escrito no site dela:
    https://www.belpesce.com.br/sobre

    Bel Pesce, empreendedora e fundadora da FazINOVA, escola de empreendedorismo e habilidades, nasceu em São Paulo e desde muito pequena começou a traçar um caminho de sucesso. Autora do livro “A Menina do Vale”, que foi disponibilizado gratuitamente na internet em 2012 e atingiu em menos de três meses a marca de 1 milhão de downloads, Bel estudou no renomado Massachusetts Institute of Technology (MIT), onde se formou em Engenharia Elétrica, Ciências da Computação, Administração, Economia e Matemática, além de fazer programas em Liderança e Inovação. Durante a universidade, trabalhou na Microsoft, Google e Deutsche Bank e, após concluir os estudos, Bel se mudou para o Vale do Silício, na Califórnia, região conhecida por abrigar as sedes das maiores empresas de tecnologia do mundo. Foi lá que Bel respirou empreendedorismo, liderou três times de engenheiros na companhia americana Ooyala, fundou empresas -- como a startup Lemon Wallet -- e escreveu seu primeiro livro.

    • Marlon Ruttmann says:

      E aí fica a pergunta: A realidade que imita a arte, ou a arte que imita a realidade?

      A história dessa moça vai de encontro com o enredo da terceira temporada de House of Cards: escrever um livro autobiográfico, enaltecendo grandes feitos duvidosos e em seguida aproveitar o hype da situação.

      Conseguir o timing do hype é essencial nas campanhas de marketing, mas depois que o hype passar, você vai ter que mostrar pra quê veio, e aí o caldo engrossa!

      Já comi uns 3 baldes de pipoca acompanhando essa situação. =P

    • user says:

      A descrição do site oficial já foi alterada recentemente; Mas o texto antigo também aparece no livro on-line http://www.ameninadovale.com/AMeninadoVale-BelPesce.pdf

  45. Augusto says:

    Isso representa apenas a ponta do iceberg de Bel Pesce. A parte nebulosa mesmo esta no crowdfunding anterior dela. Treta grande. Merece uma investigada.

    • Marlon Ruttmann says:

      Na verdade acho que não tem nada de nebuloso. Acho que ela sempre foi uma moça muito boa de papo e de tanto repetir as mentiras, acabou realmente acreditando nelas.

      Aí tentou empreender pra mostrar do que -- supostamente -- era capaz e deu de cara no chão. Isso está muito claro pra mim, e é a maior prova de que o empreendedorismo de palco não funciona. Toda vez que vejo esses “empreendedores” palestrantes, me lembro do filme Sim Senhor, do Jim Carrey.

      É como aquele cara que convence na entrevista de emprego, mas na hora do “vamo vê” se revela sem habilidades e sem experiência.

  46. Curioso says:

    O mais engraçado é ver como milhares de Brasileiros deram ouvidos para alguem que se auto denominou “a Menina do Vale”. É muita falta de imagem para cultuar e principalmente de educação para discernir besteira de informação

    • theProfit says:

      Vc não entendeu. A menina do “Vale” que ela queria falar é menina do Vale REFEIÇÃO. kkkkk é só mais uma brasileira sendo brasileira.

  47. Fernando says:

    @izzynobre nova matéria do uolhttp://economia.uol.com.br/empreendedorismo/noticias/redacao/2016/09/04/brasileira-nao-fundou-empresa-que-diz-ter-criado-afirma-ceo-nos-eua.htm

  48. nasJho says:

    Da uma olhada nisso…

    http://www.consultasocio.com/q/sa/isabel-pesce-brito-de-mattos

    “Capital Social R$ 1.000,00 (Hum mil reais)”

    brasileiros gonna brasileirar

  49. lucas says:

    Izzy, parabéns por ter descoberto a farsa desse lixo humano. Agora serei leitor do blog. Altíssima credibilidade. Parabéns e sucesso! toma no olho dos pela saco baba ovo de pessoa merda

  50. Keiko says:

    A moça já mudou a formação no site dela.
    Agora é “minor” em matematica e etc.

  51. Danyela says:

    Parece que você causou algum efeito nela hahahha
    ela já trocou o “equivoco”

    “Bel Pesce estudou no renomado Massachusetts Institute of Technology (MIT), onde recebeu um bacharel em Engenharia Elétrica e Ciências da Computação, outro em Administração, e minors em Economia e Matemática. Bel Pesce estudou no renomado Massachusetts Institute of Technology (MIT), onde recebeu um bacharel em Engenharia Elétrica e Ciências da Computação, outro em Administração, e minors em Economia e Matemática. “

  52. Felipe Fortino says:

    Te conheço há duas semanas mas já te considero pakas, cara.
    Parabéns pelo excelente trabalho!

  53. theProfit says:

    Cara, eu ri pra cara%&* com essa matéria! Postar os cursos do IUB foi o auge hahaha! Muito legal falar a verdade na lata tendo como base o humor. Faça mais isso, por favor!
    Não costumo ler nada da garota do Vale Refeição, mas as suas duas matérias me chamaram a atenção porque desde o início eu achei que esse badalo todo sobre ela era pura balela e fantasia, do tipo Mulher Maravilha, sabe? Depois que li seu primeiro artigo, fui atrás da história dela. Depois li a reposta dela sobre o seu primeiro post. E por fim li esse, o qual estou comentando. Realmente ela fantasiou sua biografia em conjunto com a mídia. E a reposta dela foi algo como “falei, falei, falei. Mas não disse nada”.

  54. Heleno says:

    Adorei esse desmascaramento em praça pública… Está cheio de gente que mente sobre currículo merecendo essas atitudes.
    Parabéns!

  55. Tatiane Pereira Rodrigues says:

    Estou até agora impressionada com o caso dessa moça. Quantas mentiras… Acredito que a carreira dela no ramo do “Empreendedorismo de Palco” acabou. Não dá para se recuperar de uma mancha tão grande na sua imagem.

    Vendo os vídeos dela antigos e comparando com os mais recentes, tive a impressão que ela foi aumentando o nível das mentiras aos poucos. Inicialmente ela até falava que ela formada mas sem falar que eram 5 diplomas… falava normalmente como se realmente fosse um curso só com 2 majors, etc. Com o passar do tempo, provavelmente vendo que ninguém entendia muito bem esse sistema americano de graduação, ela começou a exagerar falando das 5 graduações até perder totalmente o pudor em falar isso. A mesma coisa aconteceu com a experiência profissional.

    Infelizmente acho que ela foi uma vítima da própria soberba e da necessidade da mídia em usar da sua imagem com o público. Acredito que muitos sabiam que ela não era essa “Coca-Cola” toda mas era um personagem que vendia. Houve erro de todas as partes nessa história.

  56. Ana says:

    Postei, hoje, 2x uma matéria do Uol, no Instagram de Bel Pesce. Rsultado: apagaram. Postei outra vez e fui bloqueada!
    Não sou seguidora dela e postei lá pq acho um absurdo a manutenção da mentira e de acusar quem questiona de invejoso e hater.
    Foi essa a matéria, publicada ontem: http://vida-estilo.estadao.com.br/blogs/renato-essenfelder/licoes-do-caso-bel-pesce/

  57. Gabriel says:

    Kk péssima analogia Izzy, mas ótimo texto, a resposta da Bel deixou tudo claro. Aliás, um soneto é “estilo” para se escrever poesias onde são utilizados dois parágrafos quartetos e dois tercetos, abraço.

  58. Orvalho Mateo says:

    O mais estranho é como os fãs tentam agradar sua ídala defendendo ela cegamente sem entender que lógica é amoral.

  59. Bruno says:

    Fora que o Talenj nem se pode chamar de empresa, aquele site ridículo com cara de De Volta para o Futuro, eu teria vergonha de falar que aquilo era meu kkkkkkkkkkkk

  60. Deej says:

    resumindo

    ela pescou um lambari e vendeu como robalo.

    BEL PESQUE, mais uma pescadora contando história de pescador no Brasil.

  61. Diego Feijó de Abreu says:

    A “perolá” que apareceu na minha timeline do youtube sobre a Bel Pesce.

    https://www.youtube.com/watch?v=FEylFVEquVc

  62. Vinícius Souza says:

    Olha Izzy, ela corrigiu as informações no site dela. Percebeu a cagada que fez.

  63. Izzy Nobre, apareceu uma informação nova:

    https://twitter.com/wences/status/772853186231013377

    Basicamente, Wences Casares diz que se equivocou nas datas de entrada e saída da Bel Pesce da Lemon, mas que ainda assim ela não foi dona ou sócia da empresa, apenas fez parte d primeiro time de funcionários. Há no link uma lista de todos os sócios da Lemon, e a Bel Pesce não está na mesma.

  64. Gustavo Caldas says:

    Porque merece os aplausos por este trabalho exaustivo. E não fizestes “acusações” sem fundamentos. Simplesmente pôs as informações em evidencia para quem quiser verificar.
    E as pessoas não entendem que você “ganha a vida” da internet, e não necessariamente de polêmicas ou de haterismo, se algo que o diz transformam nisso é algo fora de seu alcance.

    Parabéns.

    Ah, mas algo concordo com alguns, a parte do soneto ficou chata e engraçada. Mas claro que isso é marca de seus textos 😉 Continua

  65. Bia says:

    A galera explicando o que é soneto rs

  66. Edmo says:

    Vale a leitura

    “DAS SUPOSTAS MENTIRAS DE BEL PESCE, HÁ UMA QUE CHEIRA PIOR.

    Inflar currículo e inventar experiências talvez não sejam os únicos pecados da menina do vale. Seu Crowdfunding anterior cheira muito mal.”

    https://medium.com/@LeoTurfosi/das-supostas-mentiras-de-bel-pesce-h%C3%A1-uma-que-cheira-pior-9ce1db347efe#.xrqtf45fk

  67. bruna caldeira says:

    Nó cara, mas tu é um pé no saco sem limites, hein!
    Já cansou o linchamento. Passou do ponto já.
    A única coisa que concordei no seu texto é a parte que tem alguns videos q ela falou diploma mesmo e sim, podia ter admitido isso e pedido desculpas.
    Mas acho extrema forçação de barra sua querer q ela não coloque no currículo que cursou minors, porque você considera que não são cursos suficientes. Sinto muito, mas ela fez os minors dela e quer colocar, e tem o direito de colocar sim.
    E sobre ela falar “a minha empresa” pelos quatro cantos, de fato a empresa era dela. Ela era do time dos fundadores, tinha feito um acordo pra isso. Que forçação querer que ela fique explicando pra todo mundo q não entrou no início se isso não é relevante. Se a própria empresa considerou co-fundadora e fez um acordo, então ela era e pronto. Quem é você pra falar que não se a empresa fala que sim?
    Reclama se a reportagem tá errada, depois reclama se consertam, aff.
    Que pé no saco! Críticas destrutivas tem limite!
    Triste ver tanta gente caindo na malícia por simplesmente querer ver o circo pegar fogo.

    • Izzy Nobre says:

      Quero ver você relativizando ela dizendo explicitamente que a Lemon foi IDÉIA DELA, e que ela chamou o Casares pra participar.

      http://m.jc.ne10.uol.com.br/canal/tecnologia/noticia/2012/07/26/bel-pesce-o-vale-permite-errar-50449.php

    • Válber says:

      A empresa fez um acordo não só com ela, mas com outros da época aceitando como co-fundadores por estratégia de fazer os novos ingressados a se sentirem mais parte da empresa. Certamente pelo que um dos fundadores alega, ela premeditou isso, pedindo para ser considerada como co-fundadora. E modestamente o um dos Fundarores aceitou deixando claro que fez o mesmo para todos os novos ingressados na época. Mas de co-fundador nao tem nada, foi um acordo de respeito, para se sentirem parte da empresa. Vamos ler galera.

    • Anonymous says:

      Quem faz críticas “destrutivas” são pessoas mal-intencionadas ou Haters que odeiam tudo, têm um ódio irracional e atacam tudo e a todos sem nenhum critério ou argumento. O Izzy tem demonstrado ao longo do tempo na Internet que é um humano íntegro, honesto, trabalhador, com bons valores ou virtudes, ou seja, um exemplo de um verdadeiro cidadão, uma boa pessoa que não tolera corrupção, malandragens, jeitinhos, atos ilícitos e tantas outras porcarias que caracterizam a maioria (acredito que 90%) da polulação brasileira. Ele pertence ao 10% ou menos dos brasileiros que está tentando fazer o Brasil e o Canadá, onde ele mora agora, um mundo melhor. Essa tal de Bel Pesce MENTIU e só este fato já perdeu 90% de sua credibilidade na minha opinião pessoal. Os outros 10% ela perdeu com a tremenda INCOMPETÊNCIA em que conduziu o caso da Hamburgueria Zebeleu. E mais, as palavras “recalque”, “inveja”, etc (tão destacadas pela Bel Pesce) NÃO EXISTEM no mundo corporativo, empresarial, empreendedor ou de qualquer outro tipo de negócios. Este mundo ou ambiente é super competitivo, estritamente profissional e cruel. Dependendo, se você mentir e/ou cometer uma falha, é RUA ou FALÊNCIA!

  68. Bier says:

    Um soneto é um tipo de poesia que… brincadeira! Muito bom, Izzy! Jornalismo amador com mais descobertas que muuuuuito site investigativo por aí.
    Estou acompanhando essa história e não consigo deixar de concluir, desde o início: Tá aí mais uma picareta tentando ganhar dinheiro às custas da ignorância alheia. o Diabo e Edir Macedo (se não são a mesma figura) devem estar rindo no trono graças a essa mulher…

  69. Luciano says:

    A pancada de realidade que a Bel Pesce tomou foi tão milagrosa que curou ela da amnésia,quando ela lembrou de voltar ao passado e mostrar os dois diplomas que ele tem.

  70. Victorgib says:

    Izzy, meu garoto!!!Ja poderia me desbloquear, né?! Só apareci aqui para lhe parabenizar pelo seu feito maravilhoso! Mostrou a verdade para o BR! Continuo sendo seu fã e acompanhando seu trabalho. PARABÉNS!

  71. Luisa says:

    Oh Izzy, confirmando sua suspeita sobre os dois majors e um diploma apenas direto do site da MIT.

    Antigamente, ter dois majors era sinonimo de duas graduações (precisando fazer mais creditos para isso), entretanto hoje você consegue ter dois majors dentro do MESMO diploma e isso NAO deve ser considerado como dois diplomas diferentes.

    abraço

    SITE http://web.mit.edu/fnl/volume/211/hastings_majors.html

    “Historically, pursuing two majors at MIT required a student to undertake a second SB degree which demanded 90 additional units beyond the requirements of the first degree. Under the new double major program, students can earn a SINGLE DEGREE WITH TWO MAJORS two majors by completing the General Institute Requirements (GIRs) and the requirements of both majors.”
    “That “two degrees” is not a good description of the current requirement since students do not repeat General Institute Requirements, nor any other general graduation requirements, in pursuing the second degree. Thus, the concept of “double major” more accurately reflects the educational content and purpose of the program”

  72. Curioso says:

    E as proximas partes, Izzy? Ela continua sendo metralahada no instagram, apos uma tentativa de apagar comentarios negativos desistiu

  73. Gustavo C. says:

    Já estou indiferente sobre o que quer que seja Bel Pesce. Estou me divertindo mais é com o papelão do jornalismo sendo desmascarado.

    Tudo isso me lembrou um livro que eu gosto muito, chamado “Um velho velhaco e seu neto bundão”, é muito engraçado. É sobre um velho aposentado que vive aplicando golpes nas pessoas pra “complementar” a renda, mas ele se justifica dizendo que só engana gente que merece ser enganada, ou por ser muito gananciosa ou por ser muito besta de acreditar em seus truques. Parece que a essa altura se ainda houver gente disposta a pagar uns dinheiros pela auto-ajuda da Bel Pesce, se encaixa nessa segunda categoria.

  74. Leonardo says:

    Podia ser pior… se essa moça realmente fosse a empresária que diz ser, ela poderia ter arruinado milhões de dólares de investidores e centenas de empregos. Nos EUA tem uma moça chamada Helizabeth Holmes que é tão canastrona quanto… usa até o mesmo figurino do Steve Jobs. Sua empresa, Theranos, levantou 400 milhões de dólares e agora está sendo investigada por fraude porque tudo o que fazia era de mentirinha. Um artigo de acidez similar a este blog, publicado no Wall Street Journal, desmascarou-a.

  75. Luiz says:

    Cara, fazia muito tempo que eu não vinha aqui em seu site mas me lembro que da última vez que visitei eu estava lendo a matéria em que vocês desmascarava um brasileiro que ensinava como ter o green card “fácil” indo para os “Estates”, com direito a ameaças a sua pessoa e tudo. Logo vejo que novamente a sua capacidade de síntese e observação peculiares o levou a remover a “maquiagem” de uma possível “celebridade do empreendedorismo” que tanto foi enaltecida pela mídia e outros veículos de comunicação brasileiro, deu indícios também que até a atuação dessa garota (a quem eu nunca tinha ouvido falar) esteja associada a manipulação política e na pior das hipóteses crime de lavagem de dinheiro. Enfim, cara você é bom em investigação, já pensou em fazer curso, concurso para investigador da polícia ou coisa parecida? Você é bom nisso.
    Btw, ótimo texto.

  76. Alexandre Otsuzi says:

    Minha mae sempre dizia nao minta filho uma
    hora aparece a contradicao, justamente, ficou muito feio pra ela dar bencao com chapeu alheio e antes seguia ela no twitter confiando no que dizia e agora como faze-lo ?

  77. Gente, impressionante como ela gosta de aumentar o que ela realmente tem.

    Com as novas alterações, o site dela ainda menciona os “minors” dela mesmo na versão portuguesa. Isso é ridículo, já que minor não quer dizer praticamente nada, sinceramente. Isso é uma coisa que existe apenas no sistema educacional americano e outros que o usam.
    Quer dizer então que no Brasil, se eu fizer Eng. Elétrica, então sou menos formado pois não tenho nenhum minor em Matemática e Ciência da Computação -- o que de fato acontece?

    Nojenta…..

  78. Alini Gottardi says:

    “Em outras palavras, sempre estivemos em guerra com a Lestásia”
    Quando falo de que o “1984” de George Orwell está acontecendo na vida real, me chamam de paranóica….
    Obrigada Izzy por essa citação <3

  79. Yasmin says:

    ODEIO esse de clarificar. Cadê o esclarecer? Pois a gente ESCLARECE algo que não está claro. Clarificar é um puta dum estrangeirismo malfadado. CHATEADA. #LinguaPortuguesaLovers #ClarificarÉFazerSuspiro #Desabafei

  80. amanda says:

    a Bel Pesce acaba de dar uma respostas aos haters na CBN, KKKKK! “Ache respostas para aquilo que te destruiria ”
    https://www.youtube.com/watch?v=iaJePuIOp_A

  81. Fabrício says:

    E a segunda parte Izzy? Não mata a gente de ansiedade!

  82. Guilherme says:

    Nobre Izzy

    Passa no link abaixo e dá uma olhada

    http://deviante.com.br/noticias/ciencia/o-que-ciencia-pode-nos-dizer-sobre-o-caso-bel-
    pesce

    Se gostar, divulgue por favor, vc sabe como ajuda pra caramba.

  83. Hugo says:

    Hahaha… Izzy, você é uma lenda, cara. As tretas são as mais idiotas possíveis mas seus textos tem uma perspectiva autoral intensa, muita personalidade. Nunca pare de escrever, um abraço.

  84. […] (aqui). Lógico que o debate era bom demais para não ter réplica, e surgiu esse texto aqui  que segundo o autor terá continuação ( só não sei quando sai já que o site afirma […]

  85. Eric Hobsbawn says:

    Em breve Bel, a Tia Augusta do Silicio, novo projeto para grupos de jovens que queiram conhecer o MIT e voltar com micro majors em 15 dias. #projetomeulimãomeulimoeiro

  86. Andrelol3 says:

    Kid, jornalista é tudo NOOB FDP mesmo.

    São tipo uns dinossauros retardados que ficando andando pela floresta, pisando em arvore achando que sao foda, são os unicos que manjam o suficiente pra dar informação para a sociedade… Mas como dinossauros que eles são, tem tudo um cerebro pequeno do tamanho de cu de japones.

  87. André says:

    Cadê a parte 2?

  88. Ana oliveira says:

    E a forma que ela entrou no MIT? Fora do prazo e descobrindo onde o recrutador mora, indo lá e sendo recebida para entrevista. Será?

  89. user says:

    “Entre 2011 e 2012, lançou sua startup no Vale do Silício, chamada Lemon Wallet”; “Bel Pesce acaba de vender, a uma grande corporação, sua startup no Vale do Silício, a Lemon” (revista CEO Brasil, Ano 9. nr 27, 2014) -> https://www.pwc.com.br/pt/publicacoes/revista-ceo/assets/2014/pwc-ceo-27.pdf

  90. Jackie says:

    Hey, Izzy!

    Você viu esse vídeo-resposta da Bel Pesce: https://www.youtube.com/watch?v=8PNQLX2GmJM ?

    Gente, essa moça se enrola cada vez mais. Ela praticamente leu um texto (bem mal feito diga-se de passagem) para remendar as trapalhadas.

    • Felipe says:

      Verdade. Ela leu um teleprompter, fica fácil de perceber ao observar os olhos dela pulando de linha em linha lendo a mensagem, ela nem sou disfarçar a leitura. Pior é que tem fanboy que nem isso percebeu, e ainda dizem que o Izzy que é o invejoso da história.

  91. user says:

    22:45 -- “Então comecei a usar essa táctica de mostrar empolgamento e potencial acima de experiência”;

    44:30 -- “Na empresa actual que eu estou, que se chama Lemon, eu estou lá desde o primeiro dia da empresa, então eu estou vendo realmente a empresa crescer, eu faço parte do time fundador”;

    Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=_dSoo7p8BfQ

  92. nishan says:

    Vai ter parte 2?

  93. Guilherme says:

    Vim pra perguntar a mesma coisa, vai ter a parte 2?

  94. bel says:

    quando vai postar a parte 2 ?

  95. Anonymous says:

    Essa não é a primeira e, provavelmente, não será a última vez que o “jornalismo” sensacionalista brasileiro apresenta um “guru” fabricado. Lembram-se do fiasco do Eike Batista e da sua furada “visão em 360º”? Pois é. Entretanto, há um brasileiro em particular que me chama a atenção. O nome dele é CARLOS GHOSN, CEO da Renault e da Nissan que conseguiu a façanha de salvar esta última da falência completa, tornando-a novamente uma empresa que saiu do prejuízo para o lucro. Vale a pena pesquisar sobre ele, mas sem exageros é claro. Os brasileiros precisam parar com essa mania de procurar “ídolos” para ter inspiração ou motivação. Cada caso é um caso. 😉

  96. Anonymous says:

    Caro Izzy Nobre, eu acredito que a polêmica da picareta da Bel Pesce foi muito bem esclarecida, entretanto, a “menina do vale” é só a “ponta do Iceberg”, assim como muitos malandros que já foram abordados em seu canal como os piramideiros da Telexfree, Herbalife, e outras porcarias do MMN. Gostaria de que você comentasse mais na parte 2 sobre um dos maiores (ir)responsáveis para a disseminação desses lixos: a Imprensa e a mídia brasileiras. Afinal, não foi a Bel que provocou a sua fúria, mas, sim, esses malditos “jornalistas FDPs”. Dizem que, se a imprensa é o 4º Poder, então a Internet é o 5º. Se a imprensa não serve mais, seria interessante você destacar/comentar sobre o papel dos internautas para se buscar a VERDADE e INFORMAÇÕES de qualidade. Abraços! 🙂

  97. João Paulo says:

    Aqui estou mais um dia, procurando a parte 2 no Hbdia

  98. Anonymous says:

    Olhem só pessoal: a Jovem Pan FM fez uma entrevista com o Leonardo Young e ele confessou que o crowdfunding da Zebeleo foi uma tremenda “CAGADA”! Ele não apontou culpados diretamente, mas deu a entender que foi procurado pela Bel Pesce para executar o “projeto”. Ora, se você é um cliente e “contrata” essa tal de Bel Pesce, que se diz ser uma “guru” das startups, o mínimo que você esperaria seria competência, eficiência, e experiência profissional de consultoria, planejamento, organização, execução e controle, não é mesmo? O que foi entregue? Um “esquema” AMADOR e horrível. Vai ser picareta assim lá no inferno! https://www.youtube.com/watch?v=8BjSkeT9e0o

  99. Anonymous says:

    Essa expressão “memory hole (buraco de memória)” nunca havia visto. No Brasil é mais conhecida a expressão “Caiu na rede já era”. Uma das coisas que mais me impressiona na Bel Pesce, a “menina do vale do silício” (sqn), é sua completa ignorância a respeito desta máxima na Internet. A garota é formada pelo MIT, pertence à geração Y (teoricamente antenada em tudo que é tecnologia), usa mídias sociais, internet, computadores, etc, mas não se tocou que não existe esse negócio de “deletar” ou “modificar” (sem ninguém ficar sabendo) aqui na rede. Ela subestimou e/ou ignorou o poder da Internet. Ela “trabalhou” na Google, não é mesmo? Ironicamente, a Google é uma das principais responsáveis pela desgraça dela. Quero ver ela tentar “apagar” toda essa polêmica negativa sobre a imagem dela aqui na Internet. HUEHUEHUE!!! 😀

  100. Anonymous says:

    Caros internautas, vocês sabem o que podemos aprender com este episódio do Izzy Nobre? Podemos aprender que um simples internauta ou, como o próprio Izzy se descreve: um “gordo, nerd que mora no Canadá”, é capaz de desmascarar e destruir uma farsante formada pelo MIT e largamente enaltecida e disseminada por uma imprensa e/ou mídia incompetente e decadente. Em outras palavras, com a Internet, um computador e um cérebro pensante, vocês têm o PODER de mudar o mundo (para melhor ou pior -- a escolha é sua) na ponta dos seus dedos. Não é INCRÍVEL!? 😉

  101. Chapa Man says:

    Ainda aguardando a Parte 2 !!
    Sem dormir…por causa da ansiedade !

    • Anonymous says:

      KKKKK! 😀 Estou vendo que você gosta de uma “treta” ou “confusão”, heim!? ;). Bom, eu acho que isso depende do Izzy e de como as coisas irão evoluir daqui para frente. Entretanto, como diz o Obi-Wan Kenobi, eu tenho um MAU PRESSENTIMENTO sobre isso… Lembra-se dos Piramideiros da Telexfree, BBom, etc? Pois é. Embora esta porcaria tenha esfriado um pouco, tenho a impressão de que eles, ou golpistas do mesmo tipo, apostarão, criarão ou migrarão para essa nova “modalidade” de maladragem: o EMPREENDEDORISMO DE PALCO! O “modus operandi” de apresentações e palestras é quase o mesmo. O “produto” ou “serviço”, geralmente pagos, são a própria palestra e LIVROS FAJUTOS de auto-ajuda que não servem para nada, típicos do SCAMMER Robert Kyosaki, autor de “Pai rico e pai pobre”. E…, o mais grave: houve uma tentativa, mal-intencionada ou não, de utilizar o Crowdfunding como maneira fácil de arrancar dinheiro de eventuais trouxas. Olha, eu sei que o Izzy falou que é besteira ficar “fiscalizando” o Crowdfunding, porém alguns brasileiros têm o dom de transformar uma ótima ideia que vem de fora numa malandragem sem tamanho. Exemplo? Black Fraude, tudo pela metado do dobro. No caso do Crowdfunding ou qualquer outra modalidade de “vaquinha”, está sendo largamente utilizado por políticos para financiar suas campanhas. Foi utilizada até por Dilma para financiar suas viagens de jatinho. Em outras palavras, alguns brasileiros podem ter a capacidade de fud*er com a ideia maravilhosa do Crowdfunding para aplicar golpes ilícitos, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal, etc. Dependendo de como evoluírem as coisas, os Mininstérios Públicos e a Polícia Federal irão fiscalizar e monitorar esses Crowdfundings… :/

    • Anonymous says:

      Ah, esqueci de dizer uma coisa. Além de palestras e livros fajutos, esses EMPREENDEDORES DE PALCO também vendem cursos presenciais e online ( igualmente FAJUTOS). Aliás, num dos vídeos que vi sobre a Bel Pesce, foi justamente este o motivo porque ela voltou ao Brasil: “empreender” na área “educacional”, ensinado troux…, hã…, quero dizer, interessados a aprender a “empreender”. Eu acredito que se alguém está interessado em empreender ou abrir uma microempresa é mais aconselhável e confiável (em teoria) ir ao SEBRAE e pagar por uma consultoria. 😉

  102. Sandro says:

    Já haviam detectado mau cheiro a uns tempos atrás..

    https://rzanatta.wordpress.com/2013/09/19/sobre-a-palestra-de-bel-pesce-a-menina-do-vale/

    Parabéns pelo trabalho Izzi..

  103. Chapa Man says:

    Porra Izzy !
    Se nao for ter a parte 2, pelo menos anuncia ae, pode ser ?
    La tchurma está aguardando mais desse dossiê !!
    Um abraço,

    Chapa

    • Izzy Nobre says:

      É que não tem mais o que dizer. Ela é uma fraude, mas os fanboys continuam engolindo as lorotas dela. Eu estava só me desgastando com essa parada.

      • Chapa Man says:

        Concordo. Daqui pra frente os promoters vao pensar dez vezes antes de contratar a palestra da menina do vale.

      • Marcos Xavier says:

        Mais ou menos, Izzy.

        Depois que você expôs toda a falcatrua dela, sempre tem alguém nas redes sociais dela zoando, cobrando dinheiro de volta ou dando a ela todo tipo de adjetivo que você imaginar pra uma pessoa mentirosa, mas o que acontece, é que esses comentários não ficam muito tempo no ar, assim que ela vê, ela apaga tudo e deixa só os comentários puxando o saco.

        Ontem mesmo, teve um cara que descobriu um vídeo do Érico Rocha dentro do código fonte de uma rede social que a Bel tá lançando (e que óbvio, ela não explica como que vai funcionar a parada). Depois que ele comentou isso no Facebook dela, poucas horas depois, refizeram totalmente o código fonte do bagulho e tiraram o tal vídeo de lá.

  104. Sandro says:

    Pânico X BelPeixe.. muito bom

    https://www.youtube.com/watch?v=1qoyjWglIF4&feature=youtu.be

    concordo com você.. não precisa de parte 2… não tem mais nada pra dizer…

    só deixar os outros falarem..

  105. Andrew Henrique Pavei says:

    E ai Izzy posta ai a parte dois mermao!?

  106. gabriel says:

    IZZY VC É PIOR QUE A BEL! Promete várias partes mas só entrega uma… Como vc consegue viver na mentira? DURMA COM ESSE BARULHO OK

  107. Pedro says:

    Vish, sem entende. Não ia ter mais partes? Será que rolou um cala-boca???

  108. Isabelly says:

    Cade a Parte 2?
    Vc foi censurado? Hahaha
    Eu sei que querer parte 2 é chutar cachorro morto, mas eu gosto do jeito que você argumenta!
    Abraços

  109. Joao P says:

    Izzy, sei que o assunto já morreu e você não aguenta mais falar sobre isso. Mas esse vídeo é muito importante pra esclarecer os “seguidores” do empreendedorismo de palco. Simplesmente o vídeo SUMIU!
    O Youtube diz: Este vídeo não está mais disponível devido à reivindicação de direitos autorais Erico Rocha

    O que aconteceu??
    Abraço

  110. Eduardo says:

    Izzy , ótimo texto. Não terá a parte 2?