Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Bel Pesce e o empreendedorismo de palco: porque a Menina do Vale não vale tanto assim

Postado em 29 August 2016 Escrito por Izzy Nobre 130 Comentários

[ ATENÇÃO NAVEGANTES ]

A popularidade desse artigo destruiu meu site anteonem, e por causa disso eu tive que migrar pro DigitalOcean com ajuda do meu broder @pedrovanzella. Com o site inacessível, pus o texto todo no Medium, e só pude atualiza-lo lá com as novas informações que iam surgindo. Assim sendo, a versão abaixo está desatualizada. Pra ler a versão mais UP TO DATE, clica forte aqui.

Mas pode comentar aqui no HBD mesmo, porque eu só lerei comentários aqui. O sistema de comentários do Medium é a coisa mais próxima da AIDS digital que deve existir.

1bel

Quando fiz meu vídeo sobre o hilariante fiasco da campanha de crowdfunding da “hamburgueria” Zebeleo (sim, ainda tenho um implicância quase irracional com esse termo desnecessariamente gourmetizado), fui duramente criticado por reduzir a tal Bel Pesce a “um desses playboys aí” com o que muitos julgaram ser um ar de desmerecimento.

O vídeo da presepada dos três foi tirado ao ar, mas a internet jamais nos priva dessas coisas. Aqui está o reupload:

Eu jamais tinha ouvido falar na moça, pra surpresa de muitos, e minha suposição é que ela era apenas mais um rosto entre essa turminha de hipsters millenials descoladinhos e cosmopolitas que orbitam o mundo marketeiro brasileiro enquanto repetem jargões da propaganda. Você sabe, aquela galera que está sempre inovando o mindset 2.0 do paradigma com sinergias do brand pra agregar ao engajamento do upcycling de um job e coisa assim.

Ledo engano. Fui informado que, em vez disso, a garota é uma wunderkind brasileira sem paralelos. Formada pelo célebre MIT, a menina passou por pelas mais consagradas instituições do mundo da tecnologia — Microsoft e Google –, e até meteu o dedo no sistema bancário. Não parando por aí, ela também fundou várias empresas (uma delas que, seguindo a cartilha de sucesso no Vale do Silício, foi posteriormente vendida por milhões).

E após todo esse sucesso que não deixa a desejar perante as biografias dos grandes luminários da tecnologia como Bill Gates, Steve Jobs ou Elon Musk, Bel Pesce voltou ao Brasil pra injetar uma necessária dose de empreendedorismo na nossa combalida economia.

Em outras palavras: eu sou um perdedor imbecil invejoso e a garota é um prodígio promissor que trouxe reconhecimento e o espírito empreendedor ao Brasil.

Da mesma forma que minha falta de respeito com os respeitáveis louros da garota provocou incômodo em muitos, houve um outro tipo de chateação no vetor oposto — alguns inscritos se revoltaram com a oportunidade que eu perdi de expor a moça que, de acordo com eles, é uma charlatã do emergente (e lucrativo) mundo do chamado “empreendedorismo de palco”. A mulher é uma fraude, insistiam alguns, e quando ouviram seu nome saindo de minha boca, eles esperavam que o foco do meu vídeo seria desmantelar a fachada de sucesso que a garota montou à base de palestras de auto-ajuda vazia salpicada com clichês requentados do tipo “acredite no seu sonho” e “cada derrota é uma lição aprendida”.

Esses detratores fizeram a moça soar como um Robert Kiyosaki de saias, isso é: um suposto empreendedor que é referenciado e reverenciado exclusivamente por gente iludida com promessas de riqueza e glória através de esquemas furados. Da mesma forma como o Kiyosaki é um profeta da galera das pirâmides financeiras, a Pesce seria da turminha com gana de “empreender”.

Incerto de qual dessas versões de Bel Pesce seria mais fiel à realidade (e já antecipando que a verdade estaria mais ou menos na intersecção das duas, o que é geralmente o caso), fiz o que fui ensinado a fazer dois mil anos atrás nas minhas aulas de Metodologia Científica na UFMA — observei sistematicamente, verifiquei a veracidade dos fatos propostos, e elaborei uma hipótese passiva da revisão por pares.

E a hipótese em que cheguei, lastreada nos fatos que discutirei nesse texto, é a terceira etapa do processo. Sejam meus pares e digam-me aí vocês o que pensam.

valley

Então. Pra entender melhor a biografia da moça, fiz o mesmo que faço quando a solução de um puzzle num videogame me escapa: recorri ao Google.

Fui levado ao seu site em inglês, onde é declarado que:

She studied at the Massachusetts Institute of Technology (MIT), where she got Majors in Electrical Engineering & Computer Science and Management Science, and got Minors in Economics and Mathematics. 

Eu franzi a testa. É uma forma particularmente curiosa falar qual a sua formação acadêmica dizendo que tem “majors em X” e “minors em Y”, e pra entender porque, preciso explicar como funciona a educação superior gringa.

Nos EUA/Canadá, o processo de formação acadêmica  permite que as disciplinas eletivas (ou seja, aquelas que não são diretamente fundamentais para o seu diploma) se agreguem de forma que você pode ser dito um mini-especialista num determinado assunto que foge da sua área principal, mas é também do seu interesse. Por exemplo: tenho um amigo que é formado em Biologia (ou seja, esse é o seu “major”; ele é biólogo, essa é a área de enfoque da sua carreira acadêmica e seu título), com um “minor” em Psicologia. Ele não é um psicólogo e nem pode se meter a diagosticar ninguém; ele tem apenas conhecimento superficial dos fundamentos da psicologia.

Que fique claro: o objetivo do minor é puramente saciar um interesse leve duma disciplina. Academicamente falando, é pouca coisa acima de ler artigos na Wikipédia sobre um assunto. Não é vantagem que se conte.

Além disso, dentro da cultura norte-americana, a linguagem do “tenho um major em X” é típica de alguém que cursou algo, não completou, mas quer ainda usar este fato para imbuir-se de autoridade acadêmica num determinado assunto, levando o interlocutor a concluir que está falando com um especialista formado naquela area.

Seria como eu querer usar o fato de que “cursei Física!” pra soar erudito e detentor da razão num assunto científico, omitindo o fato de que não me formei e que foi há tanto tempo atrás que não lembro mais de quase nada do curso.

Isso talvez se deva, naturalmente, a uma certa de falta de familiaridade da garota com a cultura e a língua (ou não, já que ela morou lá por sete anos), mas me deixou com várias pulgas atrás da orelha. A sintaxe mais comum seria dizer algo como “I have a degree in X”; informar major e minor é desnecessário.

…exceto, é claro, caso você queira pintar-se como um super-especialista que domina inúmeros campos diferentes.  Ao longo da minha “investigação”, descobri que parece recorrente o hábito da empreendedora de exagerar seus feitos usando palavreado vago.

A impressão que acabei tendo da Bel Pesce é, talvez mais do que os “Electrical Engineering & Computer Science and Management Science, Economics and Mathematics” que seu site enumera, a área em que ela é realmente expert é aumentar seu capital social aparente inflando seus feitos através de uma linguagem cirurgicamente específica que, embora evite entrar descaradamente na mentira, tem um claro design de induzir o interlocutor ao engano em relação às suas realizações.

Sabe o cara que descreve seu trabalho de caixa no McDonalds como “analista responsável pelo fluxo de capital operacional de uma grande empresa multinacional”? É nesse território em que estamos, e eu acho que posso provar isso de forma inegável.

Foi por isso que a moça parecia ter diplomas de Schrodinger — o número de canudos dela sempre variava entre 4 e 6 dependendo de quem estava escrevendo a matéria em português, um sintoma perceptível da dificuldade brasileira em compreender o que diabo seriam os “majors” e “minors”. “Bota aí que ela tem seis ‘diplomas’ mesmo, porra”, consigo ouvir mentalmente o redator preguiçoso ordenando alguém a simplificar a coisa.

E se a Bel Pesce se incomodava em publicarem erroneamente que ela era uma multi-profissional especialista em tudo e um pouco mais, ela não fez grandes esforços pra esclarecer isso.

Esse detalhe de “major/minors” (ao mesmo tempo que parce deliberadamente evitar se identificar como formada) foi justamente o proverbial “onde tem fumaça, tem fogo” que desencadeou meu interesse em verificar as supostas conquistas da moça. Se a moça tivesse dito desde o começo “sou formada em X e Y, ponto”, eu não precisaria ter que escrever 10 parágrafos explicando isso, porque ninguém estaria pensando que a mulher tem um número surreal de formações e usando isso como argumento de que ela não pode estar errada. Como falei, fazer acreditarem que ela é uma profissional com múltiplas áreas de expertise não foi acidente — foi por desígnio.

Olha até a porra da UNICAMP falando que a mulher “se formou simultaneamente em cinco faculdades: engenharia elétrica, ciência da Computação, administração, matemática e economia“.

Em seu site em português, ela diz com todas as letras que se formou em cinco disciplinas. Ela também omite, mas é óbvio, que “Electrical Engineering and Computer Science” é um curso só no MIT,e não dois como ela obviamente tenta fazer parecer.

Diga-se de passagem, através do link aí do OpenCourseWare você pode literalmente assistir todas as aulas, acompanhar todos os exercícios do curso, fazer as provas e tudo. Espantoso!

Voltando às lorotas da Bel. Essa forma estranhamente inflada de descrever sua formação, somado a sites gringos dizendo explicitamente que ela “dropped out of MIT” (ou seja, “largou o MIT”), me faz pensar que nem formada ela é. Não estou dizendo que ela não é — estou dizendo que ela usa linguagem típica de quem não é, e que isso é… estranho. Uma formanda do MIT não deveria precisar desse tipo de palavreado pra inflar seu currículo.

O que ela está tentando esconder…?

Em seguida, voltei minha atenção à Lemon, uma (finada) empresa de planejamento financeiro que a mídia brasileira reportou que Pesce teria fundado. A página de Economia do UOL diz explicitamente que a brasileira fundou a Lemon, adicionando o floreio poético de que a empresa “nasceu das idéias dela”. A IstoÉ confirma que a autoria da Lemon é de Pesce, dizendo que a moça “montou sua própria empresa”. Nesta outra matéria, o UOL dá crédito de fundadora da empresa à Pesce (além de martelar novamente as supostas 5 formações da garota, num exemplo prático da máxima da “mentira contada mil vezes que se torna verdade”).

A fonte disso, evidentemente, são afirmações da própria Pesce — visto que nada no registro histórico da empresa confirma isso. De acordo com a Wikipédia, o fundador da compania é um empresário chamado Wences Casares.

A propósito, Casares deu em 2012 ao The Next Web esta entevista falando sobre a adição de Bel Pesce ao time. Por que um outro maluco estaria apresentando a suposta fundadora da parada como “uma adição ao time”, eu não sei. Ela não é citada como co-criadora ou nada assim.

Literalmente todas as matérias escritas sobre a Lemon que falam sobre um fundador (que não sejam brasileiras, e portanto usando como fonte a própria Bel) identificam Casares como tal. Aí estão algumas:

http://www.bizjournals.com/phoenix/blog/techflash/2015/08/lifelock-lemon-founder-locked-in-dueling-lawsuits.html

http://www.coindesk.com/lemon-wallet-acquired-lifelock-42-6m/

http://mashable.com/2013/12/12/lifelock-acquires-lemon/#YLeyy1Qj4mqf

http://www.recode.net/2014/3/13/11624538/lemon-digital-wallet-founder-wences-casares-gets-20-million-in

https://aerolab.co/lemon

http://latino.foxnews.com/latino/money/2013/12/20/son-sheep-ranchers-lemon-wallet-co-founder-wences-casares-is-serial/

http://www.forbes.com/sites/brucerogers/2012/08/23/will-wences-casaress-lemon-com-replace-your-wallet/#697a181d43cc

É claro e inegável — A única pessoa alegando que Bel Pesce fundou a Lemon é Bel Pesce. Curiosamente, ela jamais corrigiu os repórteres que atribuiram a empresa a ela (de onde você acha que veio a versão em que ela é a criadora da parada, afinal de contas…?).

Ela trabalhou na empresa, sim, mas exagerou os detalhes de sua atuação, o que é bem similar ao exagero dos quatro ou cinco ou seis diplomas.

Veremos que isso é um padrão no currículo da “empreendedora”.

Antes da Lemon, a Bel já era conhecida como uma história de sucesso por “ter trabalhado no Google, Microsoft, e Deutsche Bank”.

Exceto que ela não “trabalhou no Google, Microsoft e Deutsche Bank” da forma que vem em mente quando lê esse currículo, e essa ilusão é mais uma vez intencional.  No seu LinkedIn, ela é atipicamente franca — na verdade, ela fez apenas curtos estágios facilitados por um programa do MIT que envia estudantes pra trabalhar em grandes empresas. A realidade é que não há nada de muito glamuroso nesses estágios — os estudantes geralmente executam afazeres triviais ao redor do escritório e participam em modo “read only” (ou seja, só observando, sem muito input ou autonomia) de alguns projetos paralelos das empresas. Basicamente, pra ver como é que é trabalhar no Vale do Silício.

Diga-se de passagem, o MIT manda aluno a rodo pra ser escraviário em empresa de tecnologia. Não é algo particularmente excepcional ou prestigioso. Vários destes estágios sequer são remunerados.

Somando todo o tempo que ela passou nessas três empresas, dá pouco mais de um ano — 4 meses no Google, 4 no Deutsche Bank, e outros 8 na Microsoft (embora neste vídeo ela diga que só passou 3 meses lá…?). E, novamente, o registro histórico não confirma suas alegações de que ela participou de projetos das empresas.

Por exemplo. No LinkedIn, Pesce diz sobre sua atuação na Microsoft:

[Bel Pesce] was part of a project to develop software that uses a webcam to track users’ actions. The main goal was to create a Multi-Touch interface that would let people interact with computers by only using a webcam and colored objects. The project also included a Software Developer Kit (SDK) that would allow other users to create their own Multi-Touch applications. Bel was part of the day-to-day of the project, documented the SDK, produced a demo to show the power of the SDK, recorded walkthrough videos to teach how to use the SDK.

Só tem um probleminha. Aqui está a lista de coordenadores e desenvolvedores do projeto. Aqui há uma página onde o grupo responsável pelo Touchless presta agradecimentos a membros da comunidade que também os ajudaram. Repare a distinta ausência do nome da Menina do Vale nas duas.

E este é o vídeo da apresentação do SDK do Touchless:

A empreendedora brasileira também não se faz presente nessa apresentação. O que é muitíssimo provável é que em sua curta curta passagem na Microsoft, ela fez nada além de auxiliar o grupo em tarefas triviais de escritório — ou seja: coisa de estagiário mesmo.

Isso não a impediu de, aos 24 minutos deste vídeo, se caraterizar como líder/organizadora do projeto. Michael Wasserman, o real idealizador do Touchless, talvez não gostaria de saber que uma autora brasileira de livro de auto-ajuda está tomando crédito por sua invenção.

Quando fala de seus dois meses no Google, Bel diz que…

Developed a tool that help find bottlenecks in the machine translation code. The tool puts together CPU, RAM and disk usage information, along with periodic code profiles.

Mas que “tool” foi essa? Cadê o nome da ferramenta? Por que omiti-lo…? E a documentação? Referência em algum lugar qualquer? Confirmação externa de seu envolvimento com tal ferramenta?

Não existe.

Em sua outra passagem pela Microsoft, ela atribui a si mesma…

Development of software for Smartphones
Fully experienced Program Manager, Developer and Tester roles during the project:
Program Manager: organize the project as a whole – write specifications, negotiate features, drive meetings, research technologies, design project website
Developer: Write clean and efficient code, making use of the newest technologies to improve coding solutions
Tester: Create smart test cases and debug the software

Que software ela desenvolveu pra smartphones? Estagiária program manager? Como assim? Aliás, é curioso que esta prolífica programadora e “fully experienced program manager” não tem uma página no github, ou uma linha de código sequer atribuída a ela. Como alguém frequentou uma das maiores faculdades de tecnologia e se formou em Ciência da Computação sem ter literalmente UMA LINHA DE CÓDIGO PUBLICADA chega a ser fantástico.

Já na Ooyala, uma plataforma de vídeo online que ninguém nunca ouviu falar na vida, ela teria “liderado três times de engenheiros”. Aliás a citação é perniciosamente recorrente:

Eu te desafio aqui e agora a achar QUALQUER menção da moça trabalhando na Ooyala, qualquer documentação, e liderando os tais “três times de engenheiros” que não seja um texto citando isso como seus atributos de palestrante. Vai lá.

Ela só diz que fez e aconteceu, e a mídia acreditou sem pestanejar. Além de aumentar sua contribuição em projetos, essa é a outra marca registrada de Bel Pesce — a estranha ingenuidade que a mídia brasileira tem perante suas alegações facilmente refutáveis.

Além dessas conhecidas empresas em que Bel Pesce teve uma brilhante participação [citation needed], a inovadora também iniciou inúmeras empresas próprias. Quando eu digo “inúmeras” é literalmente porque não consigo enumera-las; quando mais eu pesquisava, mais empresas supostamente criadas pela Bel Pesce apareciam. A garota é uma boneca russa de empreendimento, você abre uma e tem outra empresa dentro.

Por exemplo. Neste artigo, aparentemente escrito por algum tipo de fanboy da garota, aparece a menção do Talenj, uma empresa co-fundada e comandada pela Bel. O site descreve o Talenj como “a company that makes and designs websites”. No Twitter, ela diz que a proposta da Talenj era “conectar consumidores a marcas por meio de competições“. A UNICAMP descreveu o Talenj como uma empresa que “promove aprendizagem por meio de desafios on lines“.

É quase como se ninguém soubesse que porra afinal é o tal Talenj, né?

Hoje eu farei algo que ninguém da mídia fez: vou te mostrar o que é realmente o Talenj.

É disso aí que a garota é CEO. Ou nem isso, já que de acordo com a política de privacidade da “empresa”, o responsável pelo site é um tal de “Alex”.

Voltando ao LinkedIn da moça, vemos que ela foi responsável pelo “business development” de um tal de Krowder.com. A página é defunta, e até o Wayback Machine tem dificuldade de catar seus elementos. Por que ela estaria clamando atuação com título glamuroso numa “empresa” morta, que ninguém jamais ouviu falar, supostamente num estado onde a Bel Pesce nunca morou?

Acho que podemos imaginar.

Ela é também a CEO e fundadora do WhatIf, um site com design que eu esperaria de um adolescente em 1999 e não de uma graduada em ciência da computação pelo MIT. Novamente — página quebrada, defunta, sem qualquer referência a ela como fundadora, e que muito evidentemente não rendeu um centavo qualquer.

Entre 2007 e 2008, Bel também diz ser a CEO e co-fundadora do “WaterAfrica”, engajada no “Development of a solar-powered piping system that enables better water distribution in Africa“.

Achei duas WaterAfrica na internet inteira. Uma foi fundada em 2006 por alguém chamado Bill Savage, e a outra existe desde 2001. Lembre-se disso da próxima vez que um fanboy da empreendedora disser que a menina “gastou tanto de seu tempo com ONGs beneficentes”, como foi o caso nos comentários do meu vídeo. Talvez ele ache que ela DE FATO fundou tais empresas, quando a realidade é que eram devaneios esparsos de uma garota imaginativa.

Eu paro pra pensar que esse texto seria bem menor e mais fácil de escrever se a Bel não tivesse inventado TANTA história.

Eis a minha hipótese. O mérito real da Bel resume-se a ser aceita e formar-se (?) no MIT. Lá ela tentou entrar na indústria da tecnologia, e aparentemente não obteve muito êxito, porque tudo que ela conseguiu fazer foi estágios curtos e sites mal-acabados sem muito propósito ou sequer usuários. A empresa que ela supostamente fundou foi vendida por US$ 42 milhões e a menina não recebeu um centavo sequer, aparentemente não manteve equidade na empresa, nadica de nada.

Com o visto de estudante expirando e nenhum prospecto trabalhístico concreto que a permitisse estender sua estadia na gringa (em um vídeo que agora não encontro, ela deixa esse detalhe escapar, chegando a brincar que cogitou casar com um americano pra permanecer nos EUA), o jeito foi voltar ao Brasil. Foi aí que ela decidiu reinventar a “Bel Pesce que se formou numa das mais prestigiosas instituições de ensino tecnológico do mundo e que não conseguiu transformar esse diploma em NADA rentável e sequer permanecer nos EUA” pra “Bel Pesce prodígio com cinco formações, quarenta startups de sucesso, posições prestitiosas no Google e na Microsoft, autora de inúmeros produtos e serviços”.

Não importa quão absurda seja a sua lorota — alguém vai cair nela. Tem gente que acredita no Inri Cristo, afinal de contas. Eu não esperava é que a porra do nosso jornalismo nacional (mesmo tão sedento por histórias de brasileiros vencedores) deixasse a peteca cair tão lamentavelmente, repetindo feito papagaio o suposto sucesso da mulher, inquestionavelmente dando respaldo a “empresas” como a Talenj, sem excercer o mínimo de ceticismo responsável, e assim sendo cúmplice em seu processo de finalmente abrir uma empresa de verdade:

Uma empresa que ensina os outros a fundarem as próprias empresas — com cursos ministrados por alguém que nunca fundou uma própria empresa.

Uma ouroboros do empreendimento. Um loop recursivo de “inovação”. E como não falta trouxa nesse mundo, um moto-perpétuo de dinheiro.

Se a história parece inacreditável, se a despeito de todas as provas que você mesmo pode verificar você ainda acha que a mulher DEVE ser tudo que alega ser “porque apareceu na TV, saiu na IstoÉ…”, eu tenho que te informar que você é muito novinho, ou tem memória curta. Não é a primeira vez que um suposto intelectual com mais títulos universitário do que a maioria das pessoas tem bonés foi à TV relatar seus feitos fabulosos, salpicando suas abobrinhas travestidas de sabedoria. Lembram do Omar Khayyám?

Diga-se de passagem, esse negócio de empreendedorismo de palco lembra muito o esoterismo de rituais religiosos. O culto de personalidade em volta dos”líderes” dos quais não se pode falar mal, lendas passadas de boca a boca sobre seus feitos magnânimos, essa histeria de SIGA SEU SONHO REALIZE SEU POTENCIAL… agora tem até videoclipe chifrim semi-gospel declamando as virtudes do estilo de vida empreendedor:

Que negócio brega do caralho. Troque uma ou duas palavras e você pode passar esse vídeo numa reunião de Herbalife ou em culto evangélico.

Esquecemos do Luiz Almeida Marins Filho, outra estrela do circuito de palestras motivacionais, com passagens por liderança de empresas gringas e inúmeras formações (até DOUTOR ele era!) — até o dia em que alguém olhou a fundo e descobriu que boa parte do currículo era aumentado. Já esquecemos do Bernard Madoff, um dos maiores charlatões que o mundo já viu, que abusou de sua influência no mundo finnaceiro pra fraudar investidores por mais de 18 BILHÕES de dólares?

Há uns cinco anos atrás, certamente alguém que tentasse alertar um amigo admirador do Madoff ouviria um “afff mano, ele é bilionário, tá lá em Wall Street e o caralho, apareceu em mil matérias sobre empreendimento, você acha que sabe mais que ele?” Hoje Madoff, que atende por “Prisioneiro #61727-054”, anseia pela data de sua liberação do chilindró: 14 de novembro de 2139 (sério, ele pegou 150 anos de cadeia. Os gringos não passam a mão na cabeça dos 171).

Algumas pessoas obtém reconhecimento (merecido ou não) e usam isso pra vender o ilusório. Parece exatamente ser o caso da Bel Pesce — foi aos EUA, frequentou uma instituição prestigiosa, passou (rapidamente) por várias empresas, apareceu em algumas matérias na gringa, o que a conferiu o verniz da legitimidade, e pronto: mesmo sem jamais ter empreendido na vida, faz pose e fala como especialista.

E pior, vende como especialista. Ela não fala muito sobre isso porque talvez ainda esteja explorando a validade do modelo de negócios, mas aparentemente a Bel planeja em breve iniciar franquias da FazINOVA, sua escolinha de empreendimento/auto-ajuda, prevendo tiers de investimento superior a cem mil reais.

Bel Pesce não tem literalmente conteúdo algum. Esta é a verdade inconveniente. Ela é basicamente um equivalente feminino do Tai “Here in my garage in Beverly Hills” Lopez: tem dinheiro, é supostamente um famoso empreendedor, já falou no TED também… mas todo mundo sabe que o cara é um charlatão do caralho, e ele é zoado abertamente por isso.

Ela tentou enturmar-se no Vale do Silício, mas nem a formação no MIT ajudou. Sem sucesso, voltou ao Brasil enaltecendo os próprios feitos na Meca Tecnológica tipo o Alfaiate Valente que anuncia “matei sete!”, omitindo que foram na verdade sete moscas — e como o protagonista da fábula, uma vez que a patuléia acreditou no homicídio séptuplo, manter a fama foi só uma questão de malandragem.

Seus livros são repletos de anedotas que, a julgar pelo sua característica de falta de compromisso com a verdade, tem o valor histórico das estorinhas do Sítio do Picapau Amarelo. Os conselhos de “empreendimento” não chegam nem a ser rebuscados como os dos outros autores de auto-ajuda venerados por piramideiros e outras amebas intelectuais. Eu te digo pra “acreditar nos seus sonhos” e “continuar perseverando” de graça.

As “empresas” atuais de Pesce citadas em suas biografias são a tal FazINOVA, que como mencionei é um cursinho de auto-ajuda que ela tem aspirações de transformar em franquia; a Enkla, uma editora que só publica livros dela, A “Figurinhas”, uma agência de publicidade que nem site tem, e o BeDream, com um site tão vago e piramidesco que eu te DESAFIO a me explicar do que se trata.

A moça não fez nem metade do que é atribuído a ela, e seus “empreendimentos” são transparentemente um veículo pra reafirmar sua habilidade de empreendedora. Empreendedorismo vindo do nada e servindo pra alimentar o próprio empreendedorismo: há algo quase termodinamicamente errado com essa equação.

E nem precisei ir pro MIT pra perceber isso.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Dossiê HBD

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 32 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas, e sobre notícias bizarras n'O MELHOR PODCAST DO BRASIL. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

130 Comentários \o/

  1. Tiago says:

    Oi Kid, gostei do texto!

    Por coincidência, esse email chegou hoje logo após ter lido seu post:

    https://medium.com/@brupaese/ser%C3%A1-que-a-bel-pesce-aprendeu-mesmo-a-li%C3%A7%C3%A3o-89e4a80803be#.nbqz9rn8e

  2. Pedro says:

    Caralho, adorei o post (vim do Youtube).

    Mas acho que você vacilou MUITO sobre a BeDream, é um site/empresa onde ele te ajuda a realizar seus… sonhos.. ou viver eles. É tipo um app que… faz, sabe, viver os sonhos e essas coisas com passaporte e viagens e… algo do tipo? eu acho.

  3. Leandro says:

    As descrições de funções da segunda passagem pela MS, foram tiradas de algum resuminho introdutório de algum site ou apostila de informática de fascículo de jornal.

    • Renato Jr says:

      Vc tá igual a esse Izzy, duvidando da nossa grande UNICAMP, nossas universidades estatais que são as melhores no mundo, superiores a qualquer privada, e das nossas grandes redações que são referência mundial, padrão nº 1 MSNBC, que é melhor que a CNN, que é a que possui a maior audiência? Dos nossos jornalistas e professores cabelos azuis?
      Reacionário, sabia q vc era assim, Leandro! Reaçonaria lixo vcs! Estupradores!
      Isso tudo é q a Bell é uma mulher empoderada na área dos omi, engenheira e empreendedora! Já viu o linkedIn, dela? Ela fez mestrado em 1 ano, coisa q nenhum de vcs conseguiria!
      Seus heterossexuais preconceituosos, isso é que são! Tinha que ser o patriarcado!
      A Bell já deu água para africanos, foi líder de equipes em várias empresas, fundou empresas milionárias, tem 5 diplomas e vcs? Vcs são o q, omis?

      Machistas não passaram!

      #Feministo
      #ForaTemer
      #Golpistas
      #CotaPrasMulheres
      #MaisEducaçãoMenosÓdio
      #EscolaSemPensamentoCríticoNãoÉEscola
      #MilicosNuncaMaisResistenciaDemocraticaVenceu
      #VivaMaduro

      • Gil says:

        “Mais educação menos ódio”.
        Tá para perceber por sua mensagem o quanto de menos ódio que vc tem.
        “Golpistas” e “Fora Temer”
        Quem é o vice-presidente da diaba?
        a) Aécio;
        b) Marina;
        c) Lula;
        d) Dirceu;
        e) Temer.
        Acho que a Constituição diz que na saída do presidente assume o vice, então, cadê o golpe?
        kkkkkkkkkkk
        Petistas são trabalhadores que não trabalham, estudantes que não estudam e intelectuais que não pensam.

      • Danney says:

        “#EscolaSemPensamentoCríticoNãoÉEscola”
        Se tivesse um pouco de pensamento crítico veria que ela não tem base em nada, e é tudo vazio e superficial.

      • ZzXx says:

        Melhor sátira de todos os tempos, KKKK

  4. Diego says:

    Rapaz, dessa vez tu chegou com os dois pés no peito. Ótimo post! Um abraço.

  5. Texto ficou bem legal e esta história está sim mal contada. Apesar disso, algumas coisas sobre a “carreira” dela no Google e na Microsoft são um pouco mais realistas do que você imagina.

    Por exemplo, realmente existe a vaga de “Program Manager Intern” na Microsoft, eu até já vi uns eventos recrutando pra esta vaga. Link para detalhes do proceso de entrevista no Glassdoor: https://www.glassdoor.com/Interview/Microsoft-Program-Manager-Intern-Interview-Questions-EI_IE1651.0,9_KO10,32.htm

    Sobre a linguagem “developed a tool for blablabla”, trabalhando em uma empresa de cacife semelhante a estas aí, não acho ruim não. Muita gente não percebe, mas a quantidade de ferramentas internas que uma empresa deste tipo desenvolve é absurda e dizer o nome dela não acrescentaria nada na história.

    Sobre o Github vazio, de fato é mesmo suspeito, mas não é impossível. Na época que eu estava saindo da faculdade (lá por 2011) isso não seria nenhum absurdo porque as ferramentas para isso eram novidade. Caso ela não tenha programado desde aquela época, isso até parece possível, mesmo que estranho.

    Anyway, eu ia curtir ver uma resposta dela, apesar de imaginar que não vai acontecer.

  6. Paulo Vitor says:

    Vontade de hastear uma bandeira na minha timeline
    “EU JÁ SABIA!”

  7. adalberto says:

    Dig deeper my friend ! Call MIT.

  8. Secreto says:

    Bel não escreve seus livros. Só assina.
    Bel fala sobre valorização dos funcionários mas o maior salário da FazINOVA (tirando sua irmã) era até ano passado 2 mil e pouco reais.

  9. Lenon says:

    sdds do hbdia muleque, hbdia arte, aquele hbdia de perifa dos anos 2000. Hoje em dia parece ser o pai do Felipe Neto escrevendo textão pra ver se ele próprio acredita.

  10. Alexandre says:

    E aí, Izzy. Só vim pra observar a treta.

    Abraços.

  11. Bruno says:

    Izzy delivers

  12. Aleta says:

    poxa,acompanhei superficialmente a historia da Bel e achava ela super guerreira, uma inspiração. Lamentável a coisa chegar a esse ponto…
    Como aprendi a lição e fui checar as fontes, concordo com tudo que foi exposto aqui, mas só um detalhe é que ela tá sim citada em uma das listas da toucheless, tá lá em ultimo, mas tá como “internal manager”. Curioso também que o conteúdo dessa lista aparentemente foi atualizado hoje..Fica aí mais um dado pra averiguar

    • Marcos Henrique says:

      Na verdade o site a reporta como “Inter” Manager. Significa estagiário. Ela era estagiária no projeto, e entrou em contato com a SDK para que pusessem o nome dela lá, já que o mesmo foi editado 3 dias atrás.

  13. Mandou bem. Parabéns aí. Com meu passado de jornalista, fico com vergonha de ver que ex-coleguinhas não fazem 10% da apuração que você fez.

  14. Jorge Vigário says:

    Izzi, tu tomou o ban no hostgator porque ela deve ter um plano mais interessante que o teu no hostgator.

    https://www.belpesce.com/404.html dá uma olhada nesse domínio dela, é HostGator.

    Lamentável esse trabalho ridículo dos advogados dela.

  15. Truller says:

    Veja esse vídeo. Ela confessa ter largado os estudos no MIT sem concluir.
    Ela não tem o diploma.

    https://www.youtube.com/watch?v=-tQFfSt1M4M

  16. Ana Carolina says:

    Uau! Parabéns!!! Enfim leio alguém traduzindo todas as minhas “pulgas” atrás da orelha desde que conheci Bel Pesce pela internet. Sensacional.

  17. VCR says:

    Excelente texto, Kid! Um pouco atrasado o comentário por causa dos problemas com o host do site, mas não podia deixar passar em branco, mesmo já tendo falado isso no twitter.
    Curioso com o desenrolar dessa história de agora em diante haha

  18. Bruno says:

    esse ethan do h3h3 destruiu mesmo o tai Lopes, faz um video tambem kidd

  19. Antonio Neto says:

    Excelente Texto, Izzy Nobre

    Assim como Bel Pesce, Erico Rocha e Cris Franklin também são profissionais que estão no mercado Brasileiro vendendo um discurso de empreendedorismo vazio, algo que mais parece alto ajuda para um público incauto e que deseja investir na carreira de empresário/ empreendedor.Qualquer ex aluno de administração ou outro curso universitário que tenha desenvolvido um TCC digno e precisou sustentar sua argumentação para uma banca logo fica desconfiado com estes discursos vagos e sem o mínimo de comprovação.

    Parabéns !!!!!

  20. Samuel Abreu says:

    Izzy, moro em Portugal e por aqui também apareceu um desses “mindset 2.0 do paradigma com sinergias do brand pra agregar ao engajamento do upcycling de um job” . O “EMPREENDEDOR de Blá Blá” chama-se Miguel Gonçalves (Pesquise no Youtube pelo nome dele ou por Bater Punho). Mesma coisinha. Foi gozado pelos comediantes por aqui com a força toda: Um vídeo GENIAL de um dos maiores comediantes de Portugal sobre isso: https://www.youtube.com/watch?v=dGzof3CXMTo… Em todo lado tem uma PESCE!
    Aqui outras pérolas:
    https://www.youtube.com/watch?v=xv9AbyNnEiE
    https://www.youtube.com/watch?v=C_Vy-sdFPrQ

  21. Rafael says:

    Cara, na boa, penso isso há anos. Isso sem falar na história de como ela fez o SAT “na vaga de um aluno que faltou e ela implorou pro pessoal que tomava conta deixar ela entrar e fazer”. Já ouviu essa? Tem vários outros buracos…

  22. Shaonny Takaiama says:

    Izzy, veja este vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=Kg0kyeMyQS0

    Um Youtuber que mora em Boston, perto do MIT, se dispôs a checar as informações in loco…

  23. Gabriele Fernandes says:

    Texto sensacional! Parabéns!

  24. Thais says:

    Detalhe que além do crowdfunding da hamburgueria, se você pesquisar o nome dela no site “Kickante” você acha mais duas campanhas:

    Bel Pesce: Legado A Menina do Vale
    “Contribua com o Tour A Menina do Vale 2 e ajude a disseminar o conhecimento por todos os cantos do Brasil. Garanta o seu lugar nesse Tour!”
    Arrecadou R$889.385,37

    Bel Pesce por todas as capitais do Brasil!
    “Neste novo livro, abro o meu DNA e conto sobre algumas experiências nas quais tive que me manter fiel aos meus valores e, principalmente, aos meus sonhos.”
    Arrecadou R$737.616,50

    Acho que vou entrar no ramo hahahahaha

  25. paulo says:

    Izzy, uma outra “linha investigativa” interessante:
    por que nenhum jornalista investigou as fontes?
    hipótese: porque são todas jovens moças, admiradoras, sem experiência no universo de negócios, predispostas a encontrar uma nova guru.
    exemplo, apenas da revista Exame, que possui certa credibilidade. Veja o perfil de quem escreveu -- nunca um repórter de negócios experiente, apenas um grupo de admiradoras:
    -- http://exame.abril.com.br/revista-voce-sa/edicoes/179/noticias/as-licoes-de-bel-pesce
    -- http://exame.abril.com.br/pme/noticias/15-ensinamentos-de-bel-pesce-a-menina-do-vale-do-silicio/lista
    -- http://exame.abril.com.br/revista-exame-pme/edicoes/52/noticias/bel-pesce-um-sucesso-de-publico
    -- http://exame.abril.com.br/pme/noticias/bel-pesce-tem-recorde-de-arrecadacao-em-site-de-crowdfunding

    Essa última, de financiar palestras pela qual ela também cobra, foi apenas um aperitivo para o que aconteceu recentemente…

    E por fim, o “lançamento” dela no Brasil, em 2012. depois veja no Linkedin a figura que a colocou no mapa -- Renata Gama -- dizendo que ela “conquistou o vale do silício”:
    http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2012/06/01/conheca-a-historia-de-bel-pesce-a-menina-que-conquistou-o-vale-do-silicio.htm

  26. juliana says:

    véeeeei, até personagem de história em quadrinhos ela tem

    https://www.enkla.com.br/publicacoes/as-aventuras-da-bel

    a cada hora aumenta minha vergonha alheia

  27. Marcos says:

    Alguém já tinha falado disso em 2013. Mas com você está tendo mais repercussão. É isso mesmo.

    https://rzanatta.wordpress.com/2013/09/19/sobre-a-palestra-de-bel-pesce-a-menina-do-vale/

  28. Osvaldo Junior says:

    Izzy um cara escreveu um texto no grupo Startup Brasil sobre uma coisas que ele estava analisando nas campanhas de Crowdfunding da Bel Pesce da uma olhada:

    “‎Felipe Pires‎ para Startup Brasil
    27 min
    ·
    Questionamento levantado no Reddit feito pelo /u/mushenrique sobre a Bel Pesce:
    Depois do post do u/IzzyNobre eu fui dar uma olhada, achei coisas no mínimo curiosas e fiz um post no face a respeito. Aqui estão algumas das respostas compiladas com dados bem peculiares:
    Eu pesquisei alguns nomes que estão como doadores na campanha, como por exemplo o Luan Dionnes kaiber moreira que aparentemente mora em costa rica e doou R$360 sem nenhuma recompensa …
    Outros nomes não encontrei nada a respeito e tem vários “Kickante Crowdfunding” que imagino que seja um tipo de anônimo … muito estranho
    As pessoas doarem dinheiro prum role desses é ok e é ok pro que quer que seja, um tour sobre empreendedorismo etc e tal. o que acho estranho são os padrões. como entender alguém q coloca mais de 2k (sem recompensa) num negocio onde a maior recompensa é de 1.497? -- ainda nesse ultimo valor, temos 38 registros, mas todos sinalizados como sem recompensa. na área de recompensas diz q ngm kickou ainda. pode ser erro de registro do site, mas sei lá.
    Além repetição nos nomes, tem uma infinidade de ‘kickante crownfunding” (sem recompensa) em diversos valores que fogem completamente dos valores que estao estipulados nas recompensas.
    Fiz um levantamento superficial de valores e repetições (nem fui até o final da página de kickadores)
    R$99,00 Sem recompensa (80)
    R$30,00 Sem recompensa (314)
    R$1.378,00 Sem recompensa (10)
    R$1.297,00 Sem recompensa (27)
    R$360,00 Sem recompensa (114)
    R$1.337,00 Sem recompensa (6)
    R$1.497,00 Sem recompensa (38)
    R$999,00 Sem recompensa (12)
    R$100,00 Sem recompensa (12)
    R$24,90 Sem recompensa (26)
    Alguns deles tem depósitos de 360 duplicado, e depois mais um outro de 1297 todos sem recompensa. fora o monte de valor nada a ver com as recompensas.
    Enfim… palpites?” ”

    FONTE DA ONDE ELE TIROU:https://www.reddit.com/r/brasil/comments/50ekwj/voc%C3%AAs_chegaram_a_reparar_quem_s%C3%A3o_os_doadores_de/

    Da uma olhada talvez seja um adendo para fazer no post

    • Osvaldo Junior says:

      Tem caras la no grupo inclusive falando que isso serve como esquema para lavar dinheiro

    • kejow says:

      eita
      fica cada vez mais bizarro

    • Ana Carolina Ferraz says:

      Eu já iniciei um crowdfunding pra ong em que eu atuo (voluntariamente) e no início pedimos doação pras pessoas conhecidas (só pai e mãe que acaba fazendo) pq há a premissa do mkt de que “em restaurante vazio, ninguém entra”. Lógico que no nosso caso não deu R$ 10 mil (isso que é pra instalar placa fotovoltaica em instituição beneficente -- bem mais inovador que a hamburgeria da Bel). Eu acho que os 10 mil captados foram de pessoas próximas ou deles mesmos pra não aparecer “0,00” logo que abre a arrecadação.

  29. omnio says:

    Caro Izzy,

    Fiquei curioso para ver uma manifestação da Bel Pesce. Aparentemente ela não fará isso diretamente. Ok…

    Mas indiretamente ela já fez.

    Através do Instagram ela escreveu a seguinte mensagem:

    “Bom demais sermos recebidos pelo meu melhor amigo e uma das pessoas que mais me ensinou na vida. Conheci o Alex exatamente 10 anos atrás, no dia em que cheguei ao MIT. Estudamos juntos, trabalhamos juntos, nos graduamos juntos, passamos por um milhão de desafios juntos. E até mesmo agora, 6 anos depois de nossa formatura, temos o maior respeito um pelo outro e somos os nossos maiores torcedores. É de gente assim que você precisa na vida #go #FazINOVAnoVale”

    Repare que ela explicitamente fez várias referências a ter estudado no MIT, ter se graduado, ter tido uma formatura há 6 anos atrás.

    Tudo isso ao lado de quem? Do Alex. Seria o mesmo “alex” responsável pelo consagrado Talenj citado no texto?

    Não sei, mas o pior é que na política de privacidade do Talenj diz: “(…) if you have any further questions by emailing us at alex at whaffle.com”

    Aí tu tenta abrir o site whaffle.com e o que aparece?

    “Sorry! WhatIf is experiencing a little bit of Murphy’s Law. We’re trying to solve this problem as fast as possible!”

    Nossa! Não abre nada. Mais um empreendimento 404.

    Na minha mente isso parece o limbo do filme “A Origem”, onde só tem prédio velho caindo aos pedaços.

  30. Bianca says:

    Não acho que esteja mentindo sobre sua trajetória. Tem o nome dela nos sites inclusive no MIT. A venda de auto ajuda é que é foda. Mas aí o izzy devia dar nome à todos, o erico rocha que é um louco desesperado por dinheiro de inocentes que caem nas conversas de auto ajuda dele. Aquele flávio augusto também cresceu com uma empresa de ingles merda tudo na base de ganhar dos pobres. Enfim, nao sei porque sismaram apenas com a bel. Pelo menos ela é inteligente em exatas dentre os atuais palestrantes.

    • Alonso says:

      Quão inteligente em exatas? Porque ok ela foi pro MIT mas toda contribuição dela em empresas do Vale são obscuras e não específicas a respeito da função dela nas mesmas e não tem nenhuma linha de código atribuída a ela no Github. Só temos a palavra dela até segunda ordem pra isso. Quanto a um dos exemplos que vc deu, o Flávio pelo menos tem alguns negócios milionários criados, ou comprados ou menos financiados por ele pra mostrar, como a Wiseup que vc citou e que foi copiada em seus métodos por praticamente toda escola de inglês, um time de futebol, financiando pelo menos três projetos de medio-grande porte no Vale atualmente e etc. Eu gosto do papo do cara? Não. Acho que ele menospreza muita coisa de cunho social, tenta aplicar mentalidade de negócios em áreas nada a ver com business e mais uma renca de críticas à ele. Porém ele tem o que mostrar como disse, até mesmo o meusucesso.com embora seja algo que beira vergonhosamente a auto ajuda muitas vezes, pelo menos vai pro lado de estudo de caso, faz uma produção maneira e até cria locais de debate pra quem cai na conversa e paga a grana. Já ela não, tudo dela se resume a palestras de senso comum e ser vaga no que conquistou. Não foi perseguição por ela ser mulher, mas acabou que foi justamente o caso dela que empurraram pro Izzy já que ela andava muito em evidência e muita gente do ramo ficava com a pulga atrás da orelha com as coisas que ela falava.

  31. Susana says:

    Quero agradecer ao Izzy Nobre pelo seu grande trabalho “investigativo” e por ter elucidado tantos fatos obscuros. Em um de seus vídeos você aponta o fato de alguém do Canadá ter feito todo esse trabalho e não um de nós aqui do Brasil. Tem toda razão, falhamos nesse ponto.

    Não há nem como refutar nada do que foi exposto. Está tudo muito bem exposto e fundamentado. A única coisa que resta a fazer é aceitar os fatos e ponto final.

    Bel Pesce é só a ponta do iceberg, pois você tocou na ferida do “empreendedorismo de palco”. Agora toda a galera por trás da moça e que endossava tudo o que ela dizia está meio agitada. Eu imagino que o Flávio Augusto deve estar morrendo de ódio com esses fatos.

    Espero que esse lamentável episódio sirva para mostrar para alguns que empreendedorismo não é feito de fachada, de histórias inventadas e nem de doses diárias de frases motivacionais.

  32. André says:

    Ano passado comecei a ler aquele livro de graça dela e me entediei logo de cara. Estava vendo que não ia chegar a lugar algum…

  33. […] (escrito em 31.08.2016): neste link você poderá ler um artigo colocando várias dúvidas (para dizer o mínimo) sobre o curriculum de […]

  34. HHHH says:

    Meu caro amigo Kid Viado, quem tiria que o seu knowhow nos semeadores da discórdia evoluiria para algo tão belo, me fez escorrer uma lagrima.
    Mas claro, Kid viado, vai morrer de tanto zebeleu no cu.

  35. Ana says:

    Eu fiquei constrangida pela moça. Claro que suas palavras são informais e um pouco “agressivas”, mas tenho que reconhecer que você convence bem. Não sei a real intenção da moça em divulgar tantos feitos de pouco efeito, mas se ela errou, o erro dela tem um nome: VAIDADE. Infelizmente, desse mal o mercado está cheio. Já vi muita gente se dar mal por divulgar uma coisa e depois não sustentar. Enfim, fica a lição pra todos nós. Quem não tem capacidade, não se estabelece.

  36. Alessandra says:

    Seu video da estoria do greencard

    https://www.youtube.com/watch?v=YD7xn09sdcg

  37. Michel says:

    Comecei a ler animado porque realmente sempre duvidei desse tipo de personalidade. Ficou claro que há muitas coisas infladas nesta lista de conquistas e que ela certamente não teve esse papel relevantíssimo nas empresas por que passou.
    Mas acho que em vários pontos você diz coisas sem saber.
    Por exemplo, quando insinua que ela não liderou os engenheiros da empresa “que ninguém ouviu falar” (a empresa tem 450 funcionários, o fato de alguém nunca ter ouvido falar não quer dizer lhufas).
    Ou que não fez na empresa as coisas que ela diz ter feito.
    Enfim, comecei com simpatia, mas espero sinceramente que você seja processado porque foi leviano e irresponsável.

    • Izzy Nobre says:

      “Ninguém nunca ouviu falar” é hipérbole. O post é, afinal, de humor (apesar da pesquisa ser seria). Se acalma aí.

    • Felipe says:

      Olha, eu acho que quem precisa ser processada é a Bel, pois o que ela tem feito se não é, parece muito com fraude e falsidade ideológica, além da suspeita de lavagem de dinheiro pelas crowdfundings. Não sou advogado, mas parece-me que ela merece uma investigação séria para apurar se há crimes em seu modus operandi e quais.
      Izzy, parabéns pela reportagem. Bem aprofundada e sem sensacionalismo, apenas trazendo (a absurda quantidade de) “fatos estranhos” relacionados à Bel Pesce.

  38. […] gente passou a investigar a trajetória profissional da “menina do Vale” depois da controversa campanha. Em um […]

  39. Yasmin says:

    Izzy, não te conhecia, nem seu blog, mas quero te parabenizar pelo texto e investigação EXCELENTES! A congruência e articulação de teus argumentos e refutações me deixaram positivamente surpresa.
    Essa Bel Pesce nunca me desceu -- vams concordar que escrever um livro se gabando da própria história e ganhar dinheiro para contá-la por aí (por mais fabulosa que seja) é um tanto quanto egocêntrico?
    Já havia me irritado nela o fato de ela ser obviamente de classe privilegiada, com pais capazes de bancar sua temporada nos States, e ela vir se gabar de “passou necessidade”. Mas realmente, acho que ela exagerou e fantasiou a realidade de tal modo, e sua fábula se perpetuou por tanto tempo, que ela de fato jamais COGITOU ser desmascarada…
    Espero que o processo a faça amadurecer. Afinal, não é ela que diz que “adora aprender com a dor”?.. que a dor da decepção de milhares de fãs façam ela, por fim, aprender que mentira tem perna curta -- inclusive aqui em terra brasilis.
    Um abraço

  40. Leandro says:

    Izzy, investiga o Erico Rocha e chama a bel para um debate.

  41. Leandro says:

    Assim também são muitas startups brasileiras.
    Fantasia e Marketing…

  42. […] entender mais: Bel Pesce e o empreendedorismo de palco: porque a Menina do Vale não vale tanto assim, Porque a Zebeléo foi para […]

  43. André says:

    Kid, por isso te amo e te acompanho desde quando vc era chamado de Kid.

  44. Leticia says:

    Parabéns ao Izzynobre por ter conseguido desbancar todo o jornalismo brasileiro que endossou essa moça apenas usando pesquisas no Google lá do Canadá. Chega até a ser vexatório, pois quem devia ter feito isso é o povo aqui do Brasil.

    Essa moça apareceu em vários programas de tv vendendo seu suposto empreendedorismo e ostentando seu currículo aumentado. Inclusive, tem até uma participação na rádio CBN. Caramba, toda a mídia brasileira é tão podre e ruim assim para serem derrotados por um cara do Canadá que simplesmente usou o Google?? Eu pensei que estávamos no fundo do poço, mas não! Perfuramos o solo até chegar no Japão!

    Neste momento, o mundo todo está caindo em cima dela. Após o “efeito izzynobre” várias pessoas fizeram vídeos e sites de notícias diversos estão comentando o fato. Eu queria comer o pão que o diabo amassou, mas não queria estar na pele da Bel Pesce!

    Colheu o que plantou. Mas eu diria apenas que é só um fruto podre que caiu de uma árvore cheia de outros frutos podres. Ela é uma de muitos empreendedores de palco que ganham a vida vendendo ilusões. Espero que todos caiam.

    O Brasil tá complicado demais! Pra onde você olha é alguém querendo levar vantagem em cima de alguém. É mentira, é corrupção, é fraude…. tá muito complicado!

    Quanto ao izzynobre não vejo em hipótese alguma nenhuma tentativa de denegrir ou de “destruir” alguém como muitos estão dizendo. Ele nos fez um enorme favor.

  45. Guilherme says:

    Parabéns mais uma vez, Mr. Nobre.

    Você não só desmascarou uma pessoa com alguns problemas de auto-afirmação como expôs como o jornalismo atual está raso e baseado em copy-paste. Informação de qualidade está se tornando um artigo raro!

    Duas coisas: talvez te processem (processo no Brasil chega no Canadá?) e com 99,999999% de certeza vão te chamar de sexista e machista.

  46. Alan says:

    Cara, parabéns, conseguiu ir contra a maré, fez uma ótima análise. Espero que mais pessoas façam como você e muito obrigado por desmascarar mais uma farsa do mundo.

  47. Iulia says:

    Achei o texto bem tendencioso. Claro que a questão das 5 graduações é exagerada (ela fez duas graduações com diversas ênfases no MIT, isso é sabido), mas as outras informações procedem.
    A Bel Pesce é sim uma das fundadoras da Lemon, só revisar o twitter dela, onde pode se encontrar uma série de posts do ano de 2011 (a partir de julho de 2011). E tem uma reportagem daquela época falando sobre isso: http://thenextweb.com/la/2011/12/10/meet-isabel-this-23-year-old-entrepreneur-dropped-google-and-mit-for-lemon/?awesm=tnw.to_1CBwy&utm_campaign=social%20media&utm_medium=Spreadus&utm_source=Facebook&utm_content=Meet%20Isabel:%20This%2023%20year%20old%20entrepreneur%20dropped%20Google%20and%20MIT%20for%20Lemon
    Não sabemos o que aconteceu para o fundador Wenceslao Casares negar a participação dela na fundação original. Aliás, havia mais uma pessoa, o Meyer Malka. No site do Facebook consta também só o Mark Zuckerberg, mas sabemos que a história não foi bem assim. Acredito que tenha sido uma situação análoga.
    Acho injusto tentar destruir a reputação da moça sem saber de fatos detalhados.

    • Izzy Nobre says:

      >Claro que a questão das 5 graduações é exagerada

      Não é “exagerada”, é uma mentira. Dizer que tem 5 formações quando se tem 2 é mentira.

      >A Bel Pesce é sim uma das fundadoras da Lemon, só revisar o twitter dela, onde pode se encontrar uma série de posts do ano de 2011 (a partir de julho de 2011).

      Postar sobre uma empresa não te torna fundadora dela. Essa conta não fecha.

      >E tem uma reportagem daquela época falando sobre isso

      Essa reportagem em momento ALGUM diz que ela fundou a empresa. Pelo contrário, leia a matéria:

      “The startup she joined is called Lemon”.

      JOINED. Não “founded”. Não “started”. Não “created”, ou até mesmo “co-created”. JOINED. Fica claríssimo que ela apenas trabalhou lá.

      >Não sabemos o que aconteceu para o fundador Wenceslao Casares negar a participação dela na fundação original.

      Ela não ter trabalhado lá.

      >No site do Facebook consta também só o Mark Zuckerberg, mas sabemos que a história não foi bem assim. Acredito que tenha sido uma situação análoga.

      Exceto que quando o Facebook ganhou dinheiro o Eduardo Saverin falou “EPA PERAÍ EU TIVE PAPEL NA CRIAÇÃO DESSA PORRA, CADÊ O QUE ME É DE DIREITO?!??!?!”, enquanto a Bel diz em rede nacional (a entrevista no The Noite com o Danilo Gentili) que ao saber que a empresa seria vendida, simplesmente se demitiu e que não queria o dinheiro porque o coração falou mais alto.

      • > According to Isabel, this gave her the opportunity to combine the two things she wanted the most: creating a startup, and working with people she admires.

        Ela talvez realmente tenha acreditado que estava “criando” a empresa, mesmo os fundadores a tendo chamado para a “startup they were about to launch” (ou seja, já tava tudo pronto).

    • Dan Martins says:

      Perai que vou ali postar no twitter que fundei a Apple.

  48. Lugar de Gato says:

    A mentira já começa quando ela diz que passou necessidade no EUA, contando a história de superação dela. A mina estudava numa puta escola particular em SP, morava num bairro caro, usp, caralhas a 4, mó burguesinha. Poor little (rich) girl.

  49. Vitor says:

    Izzy,
    Sobre as palestras do kickante, todos os eventos no facebook têm a seguinte mensagem: (Para se inscrever GRATUITAMENTE, acesse http://www.tourdabel.com.br.)
    A maior recompensa do kickante era uma coisa que seria de graça? hahaha Entendi errado ou é isso mesmo?
    As outras recompensas eram livros que tinham versões gratuitas no site dela, mas pelo menos os apoiadores receberiam a mídia física.

  50. Vitor says:

    Vi uma galera pra pedindo pra você falar sobre o Érico Rocha. A The Verge fez um minidocumentario sobre um grupo de negócios do qual o jeff walker -- criador da tal formula de lançamento que o érico ensina -- faz parte. A suspeita é de esquema de piramide.
    Tem um esquema de afiliados misturado com lista de e-mail que ele não explica muito bem como funciona, mas cobra 5 mil reais por uma serie de videos prontos que teoricamente vão te ensinar tudo.

    Documentario:

    https://www.youtube.com/watch?v=Z0LZ6DNCgrY

    Matéria na The verge:

    http://www.theverge.com/2012/5/10/2984893/scamworld-get-rich-quick-schemes-mutate-into-an-online-monster

    Página do wikipedia(tem vários links uteis na bibliografia)

    https://en.wikipedia.org/wiki/The_Syndicate_(business_group)

    Video do Érico Rock com jeff walker(Citado no documentario)

    https://www.youtube.com/watch?v=iU9LaCeiW8E

    • Izzy Nobre says:

      Já fiz um vídeo sobre um sujeito dessa turminha aí. Usa o mesmo esquema, mesma Fórmula de Lançamento, e é “life coach”. É perceptivelmente uma pirâmice. Me ameaçou de processo, e eu tava em época de provas finais do meu curso. Não queria dor de cabeça e tirei o vídeo do ar.

  51. Valeu, Izzy.
    E eu pensando que só o Paulo Coelho era charlatão.
    Vou te acompanhar, agora!

  52. Jose says:

    O artigo é muito bom e fácil de entender (pra quem quer mesmo entender)! E a essas alturas já ta claro que ela nunca teve 5 diplomas e nem foi empregada efetiva em grandes empresas de tecnologia. E tb não foi fundadora (ou sequer sócia) das empresas “na gringa”. Logo o artigo além de bom é oportuno e necessário!

    Ela dizer (no Face) que quer “reunir documentos” para dar uma resposta é piada. Assuma que errou nesses pontos pelo menos, mostre um mínimo de humildade que já atenuará um pouco a repercussão. Dizer que está em viagem é piada, pra assumir esses erros basta 5 minutos e um link pra internet (o que acredito que ela consiga no Vale do Silício, certo?).

    Agora quem tem o mínimo de capacidade analítica já sabia que ela era exagerada e que nunca tinha feito nenhuma empresa de tecnologia de sucesso -- isso não é novidade, assim como não é novidade o baixíssimo nível jornalístico no país.

    Pior é ver gente defendendo ela dizendo que é inveja e que “no Brasil se menospreza quem tem sucesso”…….esse tipo de sucesso (similar ao de Edir Macedo e qq outro pastor da vida que se popularizou) não precisa (e nem deve) ser mais valorizado. O que não quer dizer que ela não tenha algum mérito em termos de comunicação, etc.

  53. Tiago says:

    No vídeo youtube.com/watch?v=AknCOoq1XME ela diz aos 20:23: “eu quero ser sua SÓCIA, acredita em mim … eu fui COFUNDADORA da empresa, que é a Lemon”. E, posteriormente, ela diz: “a empresa era dele, eu tava aprendendo muito, e fazia parte do time fundador”. São declarações distintas.

    Outro ponto: nesse vídeo ela diz que o mentor dela apresentou o dono da Lemon, Wences Casares, para ela. No vídeo da palestra no Colégio Etapa de 2012, ela diz que encontrou com Wences pegando um cafezinho, sem nenhum propósito.

    Não tenho certeza de quando aconteceu, mas o vídeo da palestra dela no Colégio Etapa youtube.com/watch?v=_dSoo7p8BfQ, do canal ETAPA Educacional, não está mais listado no youtube e os comentários foram desativados.

  54. Pri Missako says:

    Sabe o que é mais engraçado/irônico?
    Esse furdunço todo só aconteceu porque quando o Izzy fez o vídeo sobre o burger de burguês e ficou zoando o Zé whatever, um monte de gente foi lá defender a Bel falando que ela era uma menina séria e que o Izzy tinha que conhecer o trabalho dela. Ele foi pesquisar e o resultado está aí.
    Ou seja, quem basicamente ajudou a desmascarar a bel foram os próprios fãs da moça.

  55. Jonatan says:

    Bela pesquisa Izzy. Tem vários pontos ai, claro que mesmo o blog sendo de humor, estao desmontando uma pessoa/personagem. Com certeza com audiencia e de maneira publica o que se tornou, caso ela tenha o interesse em te processar, mesmo que vc esteja certo, pode acabar te prejudicando. Mesmo vc sendo cidadao canadense, vc e brasileiro, e tem que se defender por aquilo que é acusado, (algo também que ela pode te apertar). Mas enfim, caso ela faça, provavelmente ela estara dando uma entrada a uma pequena poupança futura (sim o processo é demorado, ao menos pra chegar a sua porta depois de acusado seria uns 2 meses). Talvez ela use a grana pra se formar no curso que diz, ahha. Isso é sério porque a menina vive $$$ em volta do nome que ela criou e da reputação, ou seja, o processo ainda ganha não só como acusação de danos morais como ela pode alegar prejuizo financeiro. Aí ja víu neh. Não querendo defender ela, mas dizendo juricamente. Se Imagina que o Rafinha teve que pagar $150mil a Wanessa Camargo por aquela piada de 10s.

    • Marcos Henrique says:

      Izzy, ignore este comentário.

      O artigo está muito bem fundamentado em suas premissas, levando apenas à conclusão congruente, e/ou emitindo claras opniões pessoais. Não está fazendo acusações insinuações infundadas.

      Minha opnião é de que ela não irá se quer processá-lo por este material, uma vez que há uma probabilidade considerável de insucesso, justamente por não haver do que acusá-lo.

      Sua simples defesa é o interesse da economia nacional, uma vez que a cidadã em questão se utilizava dos fatos até então não esclarecido para auferir lucros.

      Caso receba intimação judicial, recomendo devolver com denúncia formal ao MP por fraude e enriquecimento ilícito.

      Abs

  56. Daniel Oliveira says:

    Não tenho erotomania nem nada, não quero defender a honra da Bel, mas não acha que exagerar um pouco no CV não é algo tãããão ruim como está sendo pintada?

    • Izzy Nobre says:

      Depende da sua interpretação do artigo 171. Lembre-se que ela construiu uma imagem com essas histórias, e através disso cobra por palestras, cursos e produtos.

      • Jonatan says:

        Na tua conclusao:
        “Bel Pesce não tem literalmente conteúdo algum. Esta é a verdade inconveniente.”

        Estudar no MIT, fazer um curso de engenharia, estagiar em Microsoft, Google. Fazer projetos inovadires no MIT. Sem falar dos projetos que ela esta fazendo no brasil é não ter conteúdo nenhum.
        Caraca, ahahah, é teu blog que é cheio de conteudo. kkk

  57. Egídio Matos says:

    Ai vai uma resposta DOCUMENTADA, e não pescada pela rede, da própria Bel
    https://medium.com/@belpesce/a-verdade-sobre-bel-pesce-82c706e16b4a#.3fa575pdl

    • Izzy Nobre says:

      Quantos diplomas a Bel tinha um mês atrás?

      Quantos ela tem hoje?

      Por que agora ela é “do time dos fundadores” quando há pouco tempo ela dizia que a empresa foi até idéia dela?

      Por que o site do Touchless até 4 horas após a publicação do meu texto não trazia o nome dela?

      Por que ela citou empresas fictícias de projetos de faculdade como empreendimentos reais?

      • Jonatan says:

        “Por que o site do Touchless até 4 horas após a publicação do meu texto não trazia o nome dela?”

        Por ter visto uma falha ? Porque colocariam se nao teria ligacao? Colocar depois de 4 hrs da tua publicacao, nao desmonta a ligação.

        O proprio Marcos Gomes no twitter escreveu que o nome dele nao aparece no site da boobox auehueah

        • Izzy Nobre says:

          Interessante que a participação que ela alegava ser de liderança nas palestras nada mais era que um papel tão pequeno que esqueceram de pôr o nome dela lá. Aliás: você sabe que ela alega ter montado aquele time, né? Ela se declarava líder da parada. Era estagária.

    • Marcos Ubber says:

      Agora comentando sobre o caso especifico dessa Bel Pesce, sobre a qual nunca tinha ouvido falar antes de ler esse texto: acho que ela pode desfazer rapidamente toda essa confusão, bastando para isso mostrar os diplomas (se mostrar apenas 1 do MIT, já é fenomenal) e alguma prova de que foi/é dona das empresas citadas, se assim ela desejar. Acho que seria importante já que o sucesso empresarial dela é justamente o que faz as pessoas darem seu tempo (e dinheiro, quando falamos de crowdfunding) para ouvi-la.

      Enfim, vamos esperar e ver o que ela tem a dizer. Espaço ela tem muito na mídia para refutar tudo o que você escreveu aqui.

  58. Marcos Henrique says:

    “Yet, a startup project made the Brazilian MIT student Isabel Pesce Mattos drop out of both Google and MIT.”

    “Instead of finishing her degree, she would move back to Brazil and launch her own startup.”

    http://thenextweb.com/la/2011/12/10/meet-isabel-this-23-year-old-entrepreneur-dropped-google-and-mit-for-lemon/?awesm=tnw.to_1CBwy&utm_campaign=social%20media&utm_medium=Spreadus&utm_source=Facebook&utm_content=Meet%20Isabel:%20This%2023%20year%20old%20entrepreneur%20dropped%20Google%20and%20MIT%20for%20Lemon

    Este artigo aparenta indicar claramente que ela não concluiu a graduação, apenas a “Undergraduação” , que seria o Bachelor sem especialização. O Artigo indica que ela abandonou o MIT justamente durante o curso de especialização que afirma ter concluído.

    • Marcos Ubber says:

      Uma coisa ninguém pode negar: é bem confuso esse sistema de graduação americano pra quem é de fora. Como é isso de “undergraduação”? E você não está formado após terminar o bacharelado, como acontece no Brasil, só depois da especialização?

  59. Tiago says:

    Aos 21:26 desse vídeo http://www.facebook.com/BelPesce/videos/1212027102158597/

    Isso encerra a discussão.

  60. kejow says:

    Izzy, porque você desafiou, o BeDream aparentemente é um aplicativo que recomenda outros aplicativos pra você, sobre viagens, projetos e tals
    Nossa, pqp aquele side, hein, dá uma agonia ler e não ver nada explicando o que é a parada. Fui ver as opiniões de pessoas que testaram o app na google play; só assim pra entender! Ó:

    “Gabriela Barbosa
    Esperava mais É só um app q te indica a outros apps que possa te ajudar em viagens, saude, e projetos. A ajuda q ele te fornece p realizar seu sonho é só a informação, e o google ja faz isso muito bem. Realmente nao encontrei uma necessidade pra manter esse app no meu cel.”

  61. Rodrigo S.P.S. says:

    Só tem uma coisa que ainda não entendi: Pq é tão difícil nego entender a diferenca entre Major e Degree depois de vc explicar umas mil vezes….

  62. […] muito mais detalhes você pode ler aqui o artigo que ele escreveu (Bel Pesce e o empreendedorismo de palco: porque a Menina do Vale não […]

  63. Gabriela says:

    Cara, ok que ela tenha duas graduações e não tenha toda a prestigiosa experiência profissional atribuída a ela, mas o que você ganha acrescentando no texto que há pessoas que até hoje acreditam no INRI Cristo? Ao fazer isso você desmoralizou completamente um direito humano e fundamental à liberdade religiosa, garantido pelos instrumentos normativos mais importantes do mundo e do Brasil, a exemplo da Constituição Federal, da Declaração Universal de Direitos Humanos e da Convenção Europeia para a Proteção de Direitos Humanos.
    Sério, até perdi a vontade de ler o texto após argumento tão raso e desrespeitoso.

    PS: a Bel Pesce pode ter errado em seu currículo, fato que quase todo jovem no Brasil faz, o que por si só não abala a perseverança que ela teve enquanto estudante. Se realmente fosse tão fácil ser rica e se formar na gringa, grande parte de alunos de escolas privadas de nome teriam feito isso.

  64. Wandick Cazzoldino says:

    Cursei a antiga “engenharia operacional”, modalidade de eletrônica industrial, que tranquei no penúltimo período e não completei o curso. Depois, me formei em administração de empresas e toquei a vida. Considerando que tenho também três cursos técnicos em nível de segundo grau (dos quais cursei só as matérias específicas por já ter o segundo grau completo e eliminei matérias) e outros vinte de cursos livres em matérias correlatas, pergunto:
    1 -- Terei eu dois “majors”, em engenharia operacional e eletrônica industrial?
    2 -- Posso dizer que sou “formado” em 26 cursos?
    Fui estagiário (CIEE) na antiga Caixa Econômica do ESP e “trainee” na SP Seven, no ano de sua fundação. Posso dizer que “trabalhei” na primeira e “fundei” a segunda?

    • Thiago Lima says:

      Sim.
      Pela lógica aplicada, você pode afirmar tudo isto.
      Inclusive, deveria atualizar agora mesmo seu linkedin e começar a vender palestras motivacionais.

  65. Prezado Izzi.

    Meu nome é Tiago Tolentino 31 anos, sou Analista de sistemas e moro em Belo Horizonte/MG. Quero parabeniza-lo pelo o caso Bel Pesce, desmascarando a falsa ideologia da mística do vale do silício.

    Vou te contar um caso:

    Ano passado, aqui em Belo Horizonte a Faculdade Estácio onde faço Pós, chamou esta farsante para uma palestra sobre empreendedorismo. Eu assisti, achei ela vazia, fraca, superficial, não disse nenhuma ideia nova, nada que uma criança de 12 anos não saiba ou o filho do Will Smith: “Persiga seus sonhos” aquela baboseira toda. Falei com um professor que a palestra foi ruim, que existem milhares de palestrantes melhores que ela, e achei ela muito soberba e apenas queria se promover, ninguém concordou comigo, hoje está ai a verdade.
    Ela enganou a Faculdade Estacio, Jo Soares, Sebrae, Uol, SBT menos nós dois.
    Parabéns á nós pelo nosso espirito de não acreditar em qualquer falso profeta da tecnologia.

    Me conte como o caso está até agora? Algum contato dela?

    Abraços.

    Tiago Tolentino

  66. Tuca Passarelli says:

    Um amigo me falou dela e fui ver o site. cliquei no vídeo “sobre como entrei no MIT”, que é uma mistura de jeitinho com milagre. Já achei um horror. Aí ela começa a falar -- e não sabe falar. O produto que ela vende é ela própria, baseada em muita bravata!!!!! Menina tonta perde. O MIT não deve ter gostado de ter plantado essa coisa por aí,.
    Horror.

  67. […] em seguida o Izzy Sublime resolveu levantar algumas informações a reverência da empreendedora e moça do Vale Bel Pesce. Foi o suficiente para o nome dela virar o principal objecto das redes […]

  68. Mairo says:

    Cara, não sei como ainda existe gente babaca e imbecil como vc, defendendo uma farsa, ser a favor de maduro kkkk, feministo kkkk, mdss, chingando de estuprador sem conhecer a pessoa, chingando de hetero(kkkkkk), este mundo ta perdido….

  69. […] de uma hamburgueria chamada por ela e sócios de Zebeléo expôs a figura da moça ao ácido Izzy Nobre que investigou cada ponto do currículo da moça e expôs ao mundo todos os exageros e as mentiras […]

  70. […] de uma hamburgueria chamada por ela e sócios de Zebeléo expôs a figura da moça ao ácido Izzy Nobre que investigou cada ponto do currículo da moça e expôs ao mundo todos os exageros e as mentiras […]

  71. […] chegar a uma conclusão falseando ou confirmando a hipótese. Na verdade, o próprio Izzy coloca no seu texto que fez isso mesmo, usou da lógica dedutiva aristotélica para fazer sua pesquisa sobre Bel Pesce, […]

  72. […] Bel Pesce e o empreendedorismo de palco: porque a Menina do Vale não vale tanto assim […]

  73. Thiago says:

    Bom post, ao que parece você pesquisou bastante para refutar os muitos exageiros que haviam no currículo dela. Todavia, uma curiosidade: é de fato necessário que esse “empreendedorismo de palco” (que me parece ser mais motivacional) o “empreendedor” tenha sido alguém com sucesso estrondoso?

  74. Natalia says:

    Achei sensacional seu texto e você de fato desmascarou algo,e que vem ocorrendo com muita frequência no mundo virtual.Voce já ouviu falar em Cris franklin e a fórmula de sucesso ou Gabriel goffi? No início achei bem interessante o que pregavam,porém não vejo nada concreto dessas pessoas..aplicativos,projetos,a única coisa que vejo são fórmulas emocionais.. E que estão ganhando direito com isso.Seriam eles o mesmo caso da Bel pesce? 🤔

  75. user says:

    “Além dos livros, quais outros produtos você colocou no mercado e que deram certo?” -> rel="nofollow">

  76. joao carlos says:

    MUITO bom o texto. Você teve uma Visão pioneira sobre o assunto. Faz tempo q nao leio um texto tão bem sustentado

  77. […] Conteúdo relacionado: Bel Pesce e o empreendedorismo de palco […]

  78. Anonymous says:

    Às vezes, eu fico pensando sobre o que aconteceria se algum blogueiro gringo e/ou a imprensa internacional publicassem (em inglês) os escândalos envolvendo a Bel Pesce. Quais seriam as consequências? Será que a renomada MIT ficaria indignada e teria sua reputação manchada, já que parece que Bel está se utilizando disso para praticar o mal? Será que isso não “queimaria” os demais brasileiros que estudam no MIT? Será que o verdadeiro dono e fundador da Lemon, o argentino Wences Cesares, não está chateado e/ou aborrecido por ter seu nome e sua antiga empresa envolvidos nas mentiras propagadas publicamente pela Bel e pela incompetente imprensa brasileira? Será que a Bel Pesce realmente se arrependeu e aprendeu alguma coisa, já que ela foi desmascarada e sua primeira experiência prática com o Zebeleu provou-se um tremendo fracasso (coisa de amador picareta de quinta categoria)? Só o tempo dirá…

  79. Anonymous says:

    Caros internautas, vocês precisam parar de acreditar cegamente nessas porcarias e picaretas que aparecem todos os dias na imprensa e mídias. Parece que vocês não aprendem nunca! Cadê o seu bom senso e senso crítico? Cadê o seu cérebro pensante? Já não chega os inúmeros exemplos do passado? Boi Gordo, pulseira Power Balance, Eike Batista, Telexfree, e agora esse lixo da Bel Pesce com seu empreendedorismo de palco? Nota: o Izzy Nobre tem pelo menos 3 ou mais vídeos alertando sobre a porcaria da Telexfree. Cuidado também com aqueles que defendem esses golpistas! São todos cúmplices mal intencionados oportunistas (zumbis) que querem pegar carona com o Boss desses esquemas. Eles são grupos fechados e defenderão com unhas e dentes não importa qual seja o argumento contrário. Também não acreditem em artistas, celebridades e subcelebridades que “apoiam” tais merdas, pois eles são pagos (cache) para fazerem isso. Cuidado com os livros e palestras de auto-ajuda, eles geralmente não servem para nada do ponto de vista prático e realista. Lembram-se de Robert Kyosaki, autor do super vendido livro “Pai rico, pai pobre”? Pois é, é uma FARSA ou, como dizem os americanos, um SCAM! Vejam um vídeo (em inglês) crítico sobre ele: https://www.youtube.com/watch?v=9iimvyVCEGA

  80. Jonas says:

    Ela falando parece uma versão feminina do Boça.

  81. Cara, esse Erico Rocha merecia uma surra bem dada. Assisti uns videos dele da formula de lançamento e o cara realmente é um doente mental! Muita pena de quem paga uma fortuna por aquele lixo…

  82. […] empreendedora”, hoje completamente desconstruída por diversos autores, como Izzy Nobre e Felipe Machado, da Veja.com. Acho que ambos foram um tanto injustos na forma como personificaram […]

  83. Rafael says:

    Izzy, depois de tanta coisa que rolou sobre esse tema, fiquei curioso pra ver o seu parecer depois que a Bel publicou se defendendo e justificando as atitudes.

    Você vai falar mais alguma coisa a respeito?
    Estou na ansiedade aqui há 2 meses!

    Valeu, continue fazendo um ótimo trabalho como tens feito há tempos

  84. Vanessa says:

    E sobre o Gabriel Goffi, o que me diz dele?