Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

A falta de visão das indústrias do entretenimento

Postado em 11 May 2009 Escrito por Izzy Nobre 69 Comentários

Quando o Napster atraiu a atenção e a fúria do mercado fonográfico, não demorou pra que os manda-chuvas taxassem a mera idéia de download como uma contravenção imperdoável. Tentou-se de tudo pra esmagar o movimento P2P – lançaram um violento ataque legal contra os serviços de compartilhamento, e tentaram tornar download de música um crime em muitos países por meio de lobbys políticos. Até mesmo perseguir os usuários eles tentaram (arruinando muitas vidas no processo, aliás).

Aí chegou a iTunes Music Store, que viabilizou a idéia de que download de música não significa necessariamente a morte da indústria fonográfica – muitíssimo pelo contrário. Com o advento e popularização de mp3 players, muitos legítimos consumidores de música (ou seja, a turma que realmente paga por música) preferiam infinitamente comprar música já prontinha pra ir pros seus aparelhos de mp3, do que comprar o CD, passar pela inconveniente tarefa de ripar o áudio, e em seguida ficar com um CD virtualmente inútil na sua gaveta. Isso pra não mencionar que o sujeito poderia comprar suas músicas à la carte, ou seja, ele poderia comprar apenas as músicas que o agradam e não o disco inteiro.

A iTunes Store não apenas deu certo – ela deu TÃO certo, que ela já é atualmente o maior vendedor de música nos Estados Unidos. Isso é a prova cabal de que, dada aos internautas uma alternativa legal e viável de consumir aquilo que eles baixam gratuitamente, muitos irão aderir à iniciativa. Pra você ter uma idéia, a iTunes Store já vendeu mais de 6 bilhões de músicas. É como se quase todos os habitantes do planeta tivessem cada um comprado uma musiquinha no serviço.

Eu mesmo, que moro num país em que baixar músicas é completamente legal, me pego comprando músicas no iTunes (tanto pelo computador, quanto pelo celular), só pela conveniência oferecida pelo serviço.

Então parece que os dias de preocupação da indústria fonográfica com a proteção dos direitos autorais das músicas acabou, né?

Nope.

Como você deve ter percebido, milhares de usuários no youtube costumam produzir vídeo-montagens com musiquinhas de fundo. Apesar do fato de que ninguém está deixando de consumir aquela música só porque ela foi associada a um determinado vídeo, a indústria fonográfica (mais uma vez, COMPLETAMENTE SEM VISÃO e aparentemente agindo na base do impulso) resolveu se manifestar contra a prática. O resultado é que o youtube saiu removendo todas as músicas com copyright protegido.

No caso das ações contra o download de mp3, ao menos havia a crença de que o sujeito que baixava música não queria ou não iria aderir aos meios legais de obter a canção, e isso resultaria em vendas perdidas. Mas no caso de vídeos de youtube com músicas de fundo, o que exatamente está sendo perdido? Não consigo imaginar como isso lesa os artistas ou as gravadoras.

Mas lógica nunca foi um obstáculo pra um grupo que defende seus interesses raivosamente, sem antes parar pra pensar que a aparente ameaça pode acabar se tornando uma nova forma de lucro. Aconteceu com o iTunes, mas aprender com os próprios erros não é o forte da indústria fonográfica.

Entra a Apple de novo. Falem mal dos computadores e dos usuários chatos o quanto quiserem; não há como negar a genialidade da empresa no que diz respeito a merchandising. Eles SABEM como vender.

Você já deve ter notado que alguns desses vídeos que trazem música de fundo agora exibem uma propaganda informando o nome da canção, o artista que a gravou, e o mais importante, um botão pra compra imediata da música no iTunes. Quando vi esse negócio pela primeira vez, fiquei embasbacado com a elegância e simplicidade da solução pra esse “problema”.

É muito frequente ver nos comentários de um vídeo no youtube a mesma pergunta sendo repetida mil vezes: “que música é essa no fundo?” Essa propagandazinha não apenas tira a dúvida do espectador, como o oferece uma maneira legal e excepcionalmente prática de se tornar possuidor da faixa.

Ou seja, o que era um “problema” pras gravadoras se tornou uma forma completamente gratuita de propaganda. Ao invés de sair caçando genta que usa música do Roxette nos seus vídeos de casamento, a gravadora deveria sim é abraçar esse tipo de iniciativa. Afinal, na prática ela não está perdendo nada; pelo contrário.

iTunes e Youtube são de consumo do povão. A grandíssima maioria do público consumidor de música é completamente alheio a torrents e limewire e p2p e o caralho. Ao ver uma forma fácil e conveniente de obter a música que ele gostou por míseros 99 centavos, e de te-la adicionada à sua playlist e transferida com facilidade pro seu iPod, o que você acha que esse indivíduo fará? Tenha em mente que a intercessão entre “usuários de youtube” e “gente que compra música no iTunes regularmente” é provavelmente muito grande.

O que vai matar a indústria do entretenimento não é a nossa aparente falta de vontade de pagar pelo conteúdo. É essa completa inabilidade de se adaptar aos novos meios de distribuição.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Essa internerd...

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

69 Comentários \o/

  1. Ana Recalde says:

    RT @compulsivo A falta de visão das indústrias do entretenimento: http://bit.ly/WrkFL

  2. bernardomed says:

    RT @izzynobre:Atenção twitcornos: HBD atualizado! A falta de visão das indústrias do entretenimento http://migre.me/13R1

  3. Stêêêphan says:

    RT @izzynobre: Atenção twitcornos: HBD atualizado! A falta de visão das indústrias do entretenimento http://migre.me/13R1

  4. Post do @izzynobre -- A falta de visão das indústrias do entretenimento http://migre.me/14dR

  5. grama says:

    é um post novo! não é sobre o twitter!!!
    vou ler

  6. Vitorc says:

    Concordo plenamente.
    É completa burrice das grandes empresas tentar para este novo jeito de escutar música. Não há como voltar no tempo e fazer todos comprarem cd´s novamente. As empresas tem que se unir a nova tecnologia. E é o que apple fez e continua fazendo.

    Acredito que em breve (com a maior velocidade da internet), um serviço de vídeos deste tipo irá surgir, se é que ja não existe.

  7. ruskiii says:

    “Isso é a prova cabal de que, dada aos internautas uma alternativa legal e viável de consumir aquilo que eles baixam gratuitamente”

    soh se for no hemisferio norte, pq aqui no brasil NINGUEM compra musica

  8. rcrd says:

    e é assim que um dia os católicos vão aprender a vender camisinhas de jesus

  9. Mateus Arcanjo says:

    Sem o que completar!
    Exatamente o que deveria ser dito, ponto para a apple (como sempre) pelo modo como ela realiza e conquista seus negócios.

  10. Fernando Fry says:

    Concordo em numero, gênero e grau!

  11. Paulo B says:

    Não fui o centésimo comentario!

    Falou tudo e falou bonito, não somos nós que não queremos comprar as músicas, eles que não vendem do jeito certo hahaha!

  12. felipetenor says:

    Comedia q uma semana e pouco atraz eu postei um video sobre isso no meu canal do youtube… essa frescura da warner music group com o youtube enche o saco…

  13. Fábio says:

    Isso não é post, isso é um manifesto!
    Onde que eu assino?
    E só uma dúvida: não sei se estou desatualizado, mas até onde eu sei, ainda não dá para os brasileiros comprar músicas pelo iTunes…
    Mas dependendo da música, eu compraria sim uma música, se me garantisse que eu possa tocar no meu PC, e no meu celular, e etc (o que agora dá prá fazer com as músicas compradas no iTunes), e a qualidade também deve ser melhor, eu que curto dance pego nos P2P muitas músicas que na verdade não são “originais”, pertencem a sets remixados, tem pedaço faltando ou acrescentado do fade para outra música, uma droga… eu adoraria ter a original, mesmo pagando, desde que seja um preço justo.

  14. Fábio says:

    Em off: e o Kid tá postando com frequência! E posts bons! Tem até HBDcast aí!
    Welcome back Kid!
    Se precisar de opiniões de um PC Gamer tamos aí…

  15. Monthiel says:

    Concordo plenamente. O que matará a indústria é a inabilidade de lidar com o novo, como finalizou muito bem.

    Abraços e sucesso!
    Monthiel

  16. Lorrene says:

    De fato a iTunes não vende no Brasil. Tem a TIM Music Store mas como não sou cliente da TIM, não sei como é (além do conteúdo que não me agrada muito). A Nokia lançou tem duas semanas o Nokia 5800 Xpress Music com o serviço Comes with Music que dá um ano para baixar todo o catálogo da Nokia de graça, depois tem que pagar(p/ estimular o povo a aderir ao serviço novo) mas só dá p/ ouvir apenas no aparelho ou no player p/ windows exclusivo da Nokia. Tentativa tosca p/ evitar a pirataria.

    O que vejo muito é brasileiro comprando ipod durante uma viagem, ativa a conta na iTunes Store e depois, no Brasil, compra pela conta estrangeira.

    Seria muito bom mesmo se tivesse algo parecido aqui mas o pessoal sempre acha que brasileiro quer dá uma de esperto, por isso quando vem, vem cheio de amarras 🙁

    Outra coisa sensacional é o Kindle, mas para variar, dificilmente virá para o Brasil.

    Por enquanto, a única tentativa legal e DRM-free é o Jamendo mas só tem conteúdo de artistas desconhecidos, mas o que achei até agora me agradou.

  17. Lorrene says:

    Hey Kid, continua postando, os seus posts estão ótimos e a frenquência também. Li os demais mas ainda não comentei, assim que folgar, comento.

  18. Kayaphas says:

    não sei como a industria conseguiu mudar do LP pro CD…mas falando sério….tá certo..em partes. Ainda vai ter muita gente com aquele pensamento de “pra que pagar 99 centavos se eu posso pegar de graça logo ali?” sei la…eu ia escrever mais alguma coisa mas esqueci ¬¬

  19. mefna says:

    Aiai…
    Concordo com td.
    Se ao menos a RIA e a MPAA lessem este e outros ótimos artigos a respeito.
    No ZCult.Fm tem uma carta de uma pequena editora de quadrinhos liberando o upload e download de suas revistas (os scans delas) por torrent desde q mantido o material original, e comentando q suas vendas AUMENTARAM, depois q tomaram essa atitude.

  20. alpha says:

    quanto custa um miojo no canada?

  21. espectral says:

    Uau, um post de verdade!
    E bom post, diga-se de passagem.

    E é a mais completa verdade.
    A indústria tem que se adaptar aos meios de distribuição, e não o contrário.

  22. rodrigo says:

    Brainstorm #9 Kid Edition

  23. Trovalds says:

    A indústria fonográfica como conhecemos vai morrer. FATO. Mas o problema é que os executivos que ainda dominam esse meio são avessos a mudanças, simplesmente ao invés de se reinventarem para sobreviver, ficam tentanto barrar (inutilmente) a nova forma de distribuição de conteúdo. Eu fico pensando: por que eles não investem os milhões de dólares gastos tentando criar novos impedimentos legais (ou não) para a distribuição digital eles revertem isso justamente para que migre-se de vez para o formato? Mas os dinossauros dominaram a terra há tempos atrás e… foram todos extintos.

  24. Dudu Maroja says:

    como já dizia a professorinha que defende a palmatória, algumas pessoas só aprendem na base da porrada mesmo!

  25. Egídio says:

    Por sinal, não foste tu quem escreveu um negócio sobre o Metallica x Napster uma vez, dizendo inclusive que os ganhos de uma banda com as vendas de cds eram baixos?

    Se foi, diz aí onde eu posso achar esses dados, fio. Quero escrever uma rapadura aqui.

  26. Maleenha says:

    Essas grandes inovações do modo de vender música funcionam muito bem pelo hemisfério norte, como já fora citado pelo colega ‘ruskiii’, mas aqui pelo Brasil, infelizmente a coisa não funciona com toda a perfeição. Não se é porque o brasileiro tem a mania de querer tudo da forma mais fácil e mais barata possível, pois no meu grupo de maigos, não conheco ninguém que entre nesses sites onde se pagam para baixar músicas, mesmo que cada música seja bem barata e o laout do site seja de fácil entendimento. A simples propaganda como ferramenta de explanação de que pagando em tal site, a ação do indivíduo não se enquadraria como delito penal não é o bastante. Acho que o povo brasileiro é um dos que mais precisam ser reeducados nesse aspecto.
    Um grande abraço pra galera do HBD!

  27. Catito says:

    Que o iTunes é genial, isso eu não nego. Mas pra que eu vou pagar por algo que já acho de graça?

    Sei que isso soa ignorante, mas pura verdade.

  28. Wendell says:

    O brasileiro não compra música pela internet muito mais pela inaptidão em saber comprar pela internet (“será que tem que assinar com o mouse?”) do que por falta de caráter em querer tudo de graça.

    • Matheus de Almeida says:

      Eu tenho 15 anos e como não tenho muito dinheiro(totalmente quebrado)quando eu quero conhecer uma banda para saber se é boa eu baixo por torrent e somente se eu gostar muuuuuuito da banda eu compro se cd

  29. MattSimonato says:

    Interessante, nunca tinha notado.

    É impressionante como a Apple consegue fazer dinheiro com as coisas de uma forma criativa. Parabéns.

  30. Someone says:

    Poisé, tem isso.
    Eu defendo os CDs, acho que ter uma cópia física, capa, encarte e tudo mais, é muito melhor que ter a música baixada, mesmo que seja para só ouvir a música ripada pro PC. Sou um colecionador de discos, acho muito bom ter cópias físicas. Mas é verdade que esse formato está com os dias contados. Daqui a alguns anos, CDs serão como são LPs hoje: itens de colecionador, produzidos em baixíssima escala, para públicos altamente específicos. Vamos ver quais cabeças vão rolar na transição. Com certeza a da Apple não vai ser uma delas.

  31. xisk says:

    gente velha dona das empresas dá nisso. esse tipo de coisa vai continuar sendo um problema enquanto eles estiverem lá.

  32. Knux says:

    a indústria fonográfica não está só agindo contra seus próprios interesses… fosse apenas isso, poderíamos deixa-los morrer e nada de valor seria perdido….

    eles estão agindo contra a lei na maioria dos países…

    isso que você disse “apesar do fato de que ninguém está deixando de consumir aquela música só porque ela foi associada a um determinado vídeo”, é um conceito traduzido em lei. não há dano em colocar o trecho de uma música como fundo de um vídeo que mostra um bebezinho da sua família.

    “fair use” é um conceito que existe em quase todo o mundo civilizado, principalmente nos eua (afinal, o termo foi cunhado lá hehe).

    esses vídeos são claramente fair use. a indústria fonográfica apenas conta que a maioria não vá fazer valer seus direitos…

    me surpreende o google abrir essa brecha… bloquear o vídeo inteiro, tudo bem… mas não consigo imaginar uma situação em que bloquear somente o som não seja fair use.

  33. Joao says:

    Excelente! A indústria fonográfica precisa rever os conceitos, os tempos áureos do CD já foram pro saco, está na hora de investir em entretenimento doméstico por download. Imaginem a comodidade que é baixar filmes, jogos, músicas e etc com apenas um click no controle remoto da TV. Ah…tem um protótipo de um video game que roda os jogos em excelente qualidade, sem a nescessidade de download, se eu achar o o site posto aqui…

  34. Kim says:

    Não sei pq todo mundo gosta do youtube. O vimeo.com posta os vídeos com qualquer musica, aceita qualquer tipo de conteudo (que nao seja pornografico. é rapido, facil e leve.

    Maldita seja a publicidade.

  35. EU says:

    O Kid não era você que odiava MAC.
    Olha o peixe morrendo pela boca… novamente!

    Agora tem um PC digno do teu EGO!
    Só falta ficar mais chato do que já é… esqueci, não dá.

  36. Knux says:

    henriquephil

    não existe um método no youtube para uma “dmca counterclaim”?

    se o seu vídeo se enquadrava no fair use, vale a pena tentar redigir um texto bem escrito em ingles explicando isso…

    só não sei se esse tipo de réplica está nos direitos de cidadãos não-americanos… vale testar…

  37. Kojiro says:

    AI Kid, to começando a achar q deveriam pagar pra vc fazer posts que nem esse, se já não estão pagando.

  38. Giou says:

    O bom de hoje em dia é que é cada vez mais fácil de qualquer maluco de qualquer ponto do planeta, e que saiba aliar novas tendências e velhos/novos produtos, montar um serviço inovador de distribuição de bens e serviços, desbancar tradicionais empresas -- vide o caso IBM x Microsoft, Apple x Grandes Gravadoras. Os caras criam um sistema (capitalismo), dizem que ele é o melhor, que todos tem oportunidades de crescer nele, e quando alguém encontra uma oportunidade e cresce, choram com seus adEvogados dizendo que só eles podem fazer as coisas.

    Ótimo texto!!! Abraços

  39. dr34dfu1 says:

    Belo post, Kid.
    😀

  40. admilson says:

    você deveria parar de falar coisas do tipo “EU ACHO QUE grandíssima maioria do público consumidor de música é completamente alheio a torrents e limewire e p2p e o caralho” e começar a sustentar seu achismo com pesquisas sérias, ai quem sabe sua opnião terá alguma respeitabilidade e/ou fundamento. trabalho com administração e as empresas detentoras de direitos autorais gastam milhões de dolares para fazer pesquisas sobre a viabilidade disso, somente no país onde o senhor mora a price waters cooper house fez mais de um dúzia de pesquisas sobre o assunto.

  41. henriquephil says:

    meo deos depois de meses um post bom aparece. Poderei, enfim, voltar a usar o icone do hbd na barra de favoritos em meu navegador?
    tenho 3 videos cortados graças ao poder oriundo das profundezas copyright
    agora falta descobrir como fzer o bagulho de comprar a musica e fazer meus péssimos gameplays voltarem a invadir a internerd

  42. RT @anarecalde RT @compulsivo A falta de visão das indústrias do entretenimento: http://bit.ly/WrkFL

  43. “A falta de visão das indústrias de entretenimento” Ótimo post do Kid. Processar o piratebay não é a solução. 😉 http://tinyurl.com/q49c9k

  44. Knux says:

    Admilson,

    Seria daquelas pesquisas que conta cada download como uma venda perdida?

    E depois usa isso para calcular danos e processar mães solteiras deficientes físicas pedindo milhões de dólares?

    Ter premissas falsas é tão pouco respeitoso quanto não ter premissa nenhuma… se não for pior.

  45. Lilith says:

    Grande sacada do iTunes e Youtube….ao invés de focarem nos problemas focaram nas soluções.

  46. Conrado says:

    “O Kid não era você que odiava MAC.
    Olha o peixe morrendo pela boca… novamente!”

    Aiai…

    Mac = Computador Apple
    Apple = Empresa de tecnologia com vários produtos/serviços, dentre eles o iTunes Store.

    Ninguém precisa necessariamente gostar dos 2. Eu mesmo, da Apple, só gosto do OS X. Por enquanto =P

  47. Darox says:

    Admilson chato. Post do Kid legal.

  48. trovalds says:

    Pessoas, não liguem pro admilson não…

    Das duas uma:

    -- a empresa que ele trabalha é comandada por executivos jurássicos que engrossam o coro da resistência às mudanças gastando milhões pra manter as coisas como estão E o emprego dele está ameaçado pelo fechamento da empresa; OU

    -- a empresa que ele trabalha está se “antenando” às novas tendências da indústria fonográfica, gastando os mesmos milhões (ou menos) para se adaptar à nova realidade e ele é um dos dinossauros remanescentes da empresa que logo logo vão ser extintos.

    Quanto à realidade Brasil: num país em que a maioria esmagadora dos players de música digital são comprados em bancas de camelô, como esperar que um modelo de negócio baseado em música digital prospere? Infelizmente somos EXTREMAMENTE atrasados nesse sentido. O iTunes “pegou” de vez depois que iPhone e posteriormente iPod touch fizeram suas aparições, permitindo downloads diretos ao dispositivo, dispensando um computador e posterior transferência ao player (iPod touch via wi-fi mais próximo).

    Choradeira à parte, somos um país extremamente atrasado tecnologicamente falando, em todos os sentidos.

  49. Davi says:

    Tem razão, a indústria considerava que a fita K-7 seria a morte da indústria, a mesma coisa com os cd’s graváveis, agora é a vez dos downloads… o problema é que agora ela já tem que carregar o legado de décadas de estratégias erradas e “cabeça-dura”, estão pagando o preço. Hoje o consumidor não aceita a conversa de que se ele gosta de uma música tem que levar mais 10, se tivessem passado a vender música online individualmente e promovessem bons shows, com estrutura, segurança e conforto ( o que não é nada demais), o público daria retorno tanto nas compras como na freqüência aos eventos, mas só quiseram ganhar dinheiro fácil…

  50. Eduardo says:

    ainda não vi nenhum vídeo com essa opção da comprar a música,mas achei isso simplesmente genial.não uso o ITunes,mas creio que é só uma questão de tempo.o modelo de vendas do ITunes é o futuro,qualquer membro da industria da música que não consegue ver isso é burro…

  51. Kid Saraiva Jr. says:

    @Kid

    Sem querer ser o bonzão (de verdade)mas:

    intercessão: Ato de interceder por (ou algo nesse sentido)

    intersecção ou interseção: Quando uma coisa está ligada ou correlata a outra.

    O tempo que você está fora do país prega essas peças, mas como sei que você curte grafias corretas e tals, tai.

    Abs

  52. admilson says:

    não sou dinossauro, apenas trabalho em cima de fatos reais.

    quando a PWC me faz mais de uma dúzia de pesquisas em cima de um país, com os melhores profissionais do mercado analisando qualquer dado (quando eu digo os melhores, são os melhores MESMO, so gente altissimamente capacitada entra lá) essa pesquisa cita as curvas de supply, demand, qualquer possivel perda, curva de faturamento hipotético e mais centenas de fatores são levados em consideração, revistos, e um reunião com senhores que trabalham a dezenas de anos com consultoria e ganham salários altissimos é feitas para se chegar a uma conclusão.

    essa é a rasão pela qual as empresas X,Y e Z não dão ouvidos à opniões tenenciosa de usuários para ouvir a opinião da PWC.

    mas bem, como eu disse, provavelmente esse blog vai continuar apoiado no achismo do nosso nobre Israel, assim como esse meu texto não vai mudar a ideia da maioria de vocês.

    mas então, meu caro amigo “KID”, procure sempre basear sua opnião no “uma pesquisa divulgada por…” e não mais no “as empresas perdem dinheiro com isso”, isso -- acredito eu que você saiba -- tornará sua opnião minimamente repeitada.

  53. Guilherme says:

    Excelente texto….
    mostra claramente a tamanha falta de visão dessas indústrias que compram brigas desnecessárias em vez de pensar em soluções bastante viáveis e de apoio popular…

  54. lindomar says:

    alguns países como a França oficialmente estão proibindo os down ilegais ,mas eu não vou mentir, mesmo se mostrarem uma solução legal eu dificilmente vou segui-la ,ainda mais aqui no brasil garanto que os down piratas não vão parar tão cedo.

  55. GHJ says:

    “MUSIC is like sex: it’s better when it’s free.”

  56. Disse tudo o que eu penso da indústria do entretenimento. http://tinyurl.com/q49c9k

  57. Daniel F. says:

    Porra, o Youtube tiou o audio do video que fiz pra minha namorada com uma musica do Jim Croce.
    JIM CROCE!
    Alguem já ouviu falar no sujeito?
    Eu acho foda, mas nao tem motivo pra tirar uma musica do jim Croce do video com fotos da minha namorada…
    Foda isso

  58. Diones Reis says:

    Na França, o problema é o tipo de pena pra quem faz download “ilegal”: Cortam o acesso a internet do sujeito.
    Penalidade que eu acho digna de países como China e Coréia do Norte, mas sem cabimento nenhum na França.

    Só falta colocarem esta lei em prática aí para o seu lado.
    Se bem que deve afetar só a região de Quebec. Sorte sua.

  59. Luisa says:

    Honestamente ainda não vejo porque comprar música e não acho que o Itunes teria como se expandir pra, por exemplo, paises como o Brasil.

  60. dh says:

    Só agora li esse post, haha, pulei-o sem querer, que leso.

  61. Higor says:

    Acho muito boa a iniciativa da Apple de disponibilizar meios legais para downloads de músicas. Mesmo assim, ainda acho utópico que todos “comprem suas musiquinhas preferidinhas e coloquem-as em seus respectivos iPodzinhos”, ainda mais aqui no Brasil, onde as pessoas sempre querem levar vantagem em tudo.

    Acho que ainda vai demorar até que tais downloads cessem. Até lá, vou baixar o máximo que puder e guardar tudo pra não precisar pagar por nada depois =P

  62. CCCC says:

    Kid viado, vai morrer de tanta musica baixada legalmente no cu.

  63. Alone_ says:

    Mas, não sei se foi comentado por que não li TODOS os comentários, mas tenho QUASE certeza de que esse corte de músicas com direitos autorais no Youtube é EXCLUSIVAMENTE pra WMG. Isso tem a ver com uma briga entre “os homi” do Youtube e a WMG, se não me engano. Não afirmo com certeza absoluta, mas..

  64. Nailson says:

    E eu sou louco pra ter uma iTunes Store no Brasil. pra não ter q ficar minerando as redes P2P atrás de musica. e o lance de baixar do iPhone/iPod Touch deve ser 10.

    e quando falam que “falta o contato com a mídia física” algumas gravadoras já foram espertas e tão lançando vinil. que eu acho uma mídia muito mais arte do que o CD. fora que o acrilico barato daquelas desgraças quebra facil q nem porcelana barata!

  65. Osias says:

    Acontece que tendo o audio, extrai-se um mp3 facilmente, daí se pode vender pirata no camelô. Não que eu concorde com as gravadoras, a questao é que não é tão absurdo assim. Só um pouco. #esclarecendo