Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Postado em 4 September 2004 Escrito por Izzy Nobre 0 Comentários

Sarah contra-ataca.

Pq vcs nao dao uma olhada no blog canadiando.zip.net e tomem o post de hoje como um exemplo? Tem tudo a ver com oque estamos discutindo aqui.

Sarah | Email | 09.03.04 – 12:09 pm | #

E eu fui ler o tal blog.

Como a Sarah não se identificou direito, defendeu e divulgou o tal blog, vou considerar que ela é a esposa do cara. E que, assim como ele, acabou de chegar aqui.

“Desde que chegamos em Kanata temos sido muito bem recebidos pelas pessoas e melhor ainda quando nos apresentamos como Brasileiros. E como uma palavra magica que quebra as barreiras da falta de intimidade e faz com que os canadenses se sintam muito proximos da gente. Vou escrever os 4 casos aconteceram conosco aqui em Kanata:”

Os quatro casos mencionados foram um taxista, uma garçonete, uma agente imobiliária e um vendedor. Nos quatro casos, os canadenses em questão agiram cordialmente, de forma amigável, bastante receptiva.

Para nós, brasileiros, pode ser INCRÍVEL que uma garçonete ou um vendedor sejam educados e tratem bem sua clientela. O que o mané aí esqueceu (ou simplesmente não sabe) é que aqui, qualquer tipo de empregado tem que ser O MAIS EDUCADO POSSÍVEL. Uma reclamação de um freguês manda o cara direto pro olho da rua (sem perdão mesmo), então a educação para com o consumidor é impressionante. Chocante para nós, costumeiro para eles.

Um “novato” chega aqui e acha isso fenomenal. Como o autor do blog em questão, ele acha que todo mundo gosta dele porque ele é brasileiro. Deixa eu jogar um balde de água fria em você: não é. As pessoas aqui são educadas, é só isso. Se não forem, se fodem. Ponto.

Pare de sonhar. Ninguém tá te tratando bem porque você é brasileiro. Esse pessoal não se interessa e não sabe porra nenhuma sobre o Brasil, além de que aqui é quente, tem Carnaval, e que nosso futebol chuta bagaças de todos. Tudo o que passe disso são más concepções: já me perguntaram se no Brasil todo mundo anda com AK-47 no meio da rua, se tinham muitos macacos perto da minha casa, se eu já tinha visto um microondas… Os caras pensam que somos uns índios guerrilheiros.

O Canadá é um dos países mais multiculturais do mundo, segundo a ONU. Imigrante, esse pessoal já tá cansado de ver. Você não é nenhuma novidade para eles. Iguais a você, chegam outros trezentos – se não mais – todo dia. A ilusão de que acham você interessante é uma furada. Esse povo tá acostumado a ver gente de outros países. Eles são educados simplesmente porque são.

Não se deixe enganar pelo aparente interesse que eles têm quando você fala que é de outro país: é pura educação. Conhecer um estrangeiro para eles é uma trivialidade. Não há nada de sensacional.

Lendo um pouco mais o blog do cara, descubro que não faz NEM UM MÊS que ele tá aqui. Ou seja, ele não tem convivência com canadenses. Ele não tem um círculo de amizades composto por habitantes locais. Ele sabe tanto sobre a cultura canadense quanto uma ameba vesga sabe.

Suas impressões sobre o país são apenas aquelas que alguém que mal chegou no país pode ter: ele comenta que não se vêem gatos, e que esquilos são bonitinhos. Posso afirmar com convicção que isso eu poderia apurar sem nem ter precisado vir para cá; fotos bastariam para construir essas impressões.

Mas no entanto a Sarah – inteligentíssima – preferiu tomar como verdade a opinião dele, que está aqui há um mês, que não tem convívio com canadenses, e que acha que eles são caras legais e que amam brazucas porque uma garçonete foi educada com ele. É deprimente e hilário ao mesmo tempo.

E a inocência continua.

“assim como a Ana Celia e o Alessandro em Toronto, eles nos ajudaram e deram dicas importantes para o comeco de nossas novas vidas aqui… Eles sao o exemplo da imagem dos brasileiros (embaixadores) aqui no exterior e por isso somos tao queridos no mundo.”

Sabe, não sei se alopro ou se rio. Tenho pena desse mané quando a ilusão se desfazer e ele perceber que para um canadense, imigrante é tudo igual. Eles já estão cansados de verem-nos, não é nenhuma novidade.

Somos tão queridos no mundo“. Essa frase em particular desperta pena. Esse é o tipo de gente que, no dia que receber um mal tratamento de um gringo, vai correr pra casa chorando. Seu sonho morreu.

Agora deixa eu te explicar uma coisinha que seu “amigo” não sabe ainda, Sarah: há quem não goste de imigrantes. Que acham que não devíamos estar aqui. Há aqueles que usarão sua nacionalidade como um argumento numa discussão, como se o fato de que você não nasceu neste país fosse uma espécie de desvantagem, uma falta grave. Pessoas que vão rir na sua cara e no íntimo te considerar burro porque você errou uma pronúncia. Pessoas que vão corrigir seus erros no idioma com arrogância, como se você fosse obrigado a sabê-lo com fluência. Pessoas que, conversando com amigos, vão se referir a um membro da sua família como “aquele imigrante filho da puta“. Pessoas (policiais, ressalto) que vão simplesmente proibir você de falar em português quando eles estiverem por perto.

Eu passei por tudo isso, minha filha. Você e seu amigo, ao que me parece, não. Isso significa que você ainda não sabe porra nenhuma. Nem mais que uma porra, nem menos que uma porra. Nada. Você mal chegou aqui, foi bem tratada por uma garçonete, e acha que eu tou errado em criticar uma velha filha da puta que me ofendeu ao usar meu país como uma possível forma de me ameaçar.

E perceba, não odeio canadenses. Entendo que existem os filhos da puta, mas existem os legais também.

Eu tinha vontade de escrever mais que isso, mas são quase três da matina e eu tenho que pegar a patroa (que é quase canadense, olhe só) no trabalho. Então vai só isso aí mesmo.

Finalmente: não, o post do seu bloguinho não tem nada a ver com a discussão aqui. Lá, você regozija o fato de que foi bem tratada por um taxista e uma corretora imobiliária, chegando à brilhante conclusão que eles amam você. Aqui eu simplesmente expressei meu descontamento com uma velha desgraçada e xenófoba que eu desejo no meu íntimo que morra.

E lembre-se que eu tenho mais experiência com esse povo do que você. Isso significa que, seja lá o que eu falar sobre esses filhos da puta que são esses canadenses sem vergonhas, minha opinião é mais tarimbada que a sua. É triste, é arrogante, mas é a verdade nua e crua. Você não sabe o suficiente sobre o país e o povo pra ter uma opinião. E muito menos pra criticar a opinião de alguém que já está aqui há muito mais tempo que você. Enquanto suas declarações forem sobre esquilos e gatos, eu saberei que você está analisando o país da forma mais superficial possível.

Boa sorte na sua nova vida no Canadá, e tenha desde já a certeza que com essa sua inocência, você vai se decepcionar. “Chapéu de otário é marreta“, já dizia o poeta. E se você alguma vez for defender um canadense ao invés de um compatriota, vai apanhar na rua.

Tiro onda dos problemas da nossa nação, aponto os defeito, critico as mazelas do nosso povo? Sim, porque não sou cego. Agora, achar que uma velhota tá certa em aloprar com um país sobre o qual ela não sabe porra nenhuma, e crer fielmente que canadenses são legais porque foi bem tratada por uma garçonete… faça-me o favor. Vá por mim: confie aqui no seu amigo do País da Putaria.

Nosso país, como alguém nos comentários sabiamente falou, é que nem nossa família: a gente pode falar mal (porque conhecemos). Os outros, não.

Beijinho.

[ Update ] Pensando bem, beijinho pra todas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Geral

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)