Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Postado em 20 December 2004 Escrito por Izzy Nobre 1 Comentário

Antes de enrolar vocês – por pelo menos uns dois meses – enquanto a preguiça me impede de digitar os próximos posts da série Quide vs Deus – Fé no blogueiro, responderei as questões levantadas por alguns leitores deste diarinho virtual que já virou a sensação do verão cearense. Arriégua, má.

O rapaz ¬¬, revoltado contra esse sistema vagabundo de comentários que comprei no Paraguai, colocou em um espaço próprio um breve comentário sobre meu texto. Segue a refutação.

“Bom vamos lá. Acho que me enquadrarei nos “crentes que estão doidos pra xingar”.”

Isso é a confirmação de que meu talento pra previsões ainda funciona. Vou largar esse negócio de blog e abrir uma tenda de leitura de tarot.

“Em primeiro lugar, respeito sua opinião, ou melhor, sua não crença em Deus…”

Hm, lendo sua frase de introdução, não pareceu que você respeita minha opinião. Mas vai ver essa é a nova forma cristã de mostrar respeito, xingando. Paciência.

…entretanto expondo os fatos dessa maneira, desse jeitinho adolescente revoltado poser (adoro rótulos), usando palavrão, referindo-se a Deus como um personagem de “Cidade de Deus” (tem o nome Dele no título), enfim, fazendo essa resenha analítica do que está escrito na bíblia (um livro escrito por homens)que, ao meu ver, só tem como finalidade “ofender” aqueles seguem uma religião (não é o meu caso, mas…)”

O objetivo era mostrar um lado de “Deus” que ninguém gosta de ver, e não criticar os crentes. Se eu xingo sua banda favorita e você se ofende pessoalmente, você precisa ser mais maduro. Concorda?

“só li 2 parágrafos completos e fiz uma leitura rápida, pois cansei”

Não é má vontade não, mas não tem como considerar o palpite de alguém que sequer leu o texto. Isso é o mínimo que você pode fazer para poder ter uma opinião. Ao menos leia o texto inteiro, pra ter uma idéia completa sobre o que eu quis falar.

“Sei lá, acho patético aqueles que se declaram “ateus”!”

Eu acho patético que se declara crente, fazer o que né.

“Sejam agnósticos pelo menos, creem no amor que há entre as pessoas.”

Quem disse que um ateu não crê nisso?

Você está confundido ateu com niilista. Ateu é aquele que não se convence da existência de divindades – ou do Deus bíblico, como é mais o meu caso. Niilista é o relativista que não acredita em nada – coisas como “amor”, “honra” e “ética” podem ser simplificadas até não fazerem mais sentido.

Além do mais, um agnóstico não é isso que você definiu. Não apenas leia o texto de novo, mas se informe melhor sobre esses “rótulos” que você diz gostar de usar. Usa-los a torto e a direito já não é muito bonito, usa-los erradamente é simplesmente vergonhoso.

“Porra! Fica vestindo essa camisa de “olha, eu não acredito em merda nenhuma!” e ficar tentando convencer as pessoas que sua maneira de pensar eh a correta expondo fatos que estão contidos em um livro, partindo da idéia que Deus existe e que “Ele é mal! Não gosta de uns mas gosta de outros!”.”

Que curioso. A parte ressaltada no seu comentário é exatamente o que os cristãos (proselitistas por natureza) fazem, a única diferença é o propósito deles – fazer você aderir a fé deles. E todo mundo sabe que, junto do pacote de “aderir à fé deles”, você terá que aceitar uma cacetada de regrinhas que regirão seu estilo de vida, você terá que se submeter a um pastor, você terá que dar dízimos… E ainda têm a pachorra de dizer que você perecerá eternamente se não aceitar a “Verdade”.

Eu não tou oferecendo nada disso. Tou oferecendo refutação. E também não estou dizendo que você queimará num lago de fogo se não aceitar o que eu digo.

Mas se você prefere achar que o método deles é o certo e o meu está errado, fique à vontade.

“Se você que provar alguma coisa, sei lá, faça mateticamente…”

Caso você ainda não tenha percebido, estamos debatendo religião e não aritmética.

“…exponha fatos…”

Eu fiz isso. Mas aí vem seus amigos crentes e dizem que eu estou “só citando o Velho Testamento”. Vou abordar esse assunto mais na frente.

“…morra e vai ver como é do outro lado, depois passe uma mensagem psicografada…”

Que bela idéia. Mas antes de seguir seu conselho, acho que vou meter o dedo na tomada também. Apesar de que toda a lógica me diz que eu levarei um puta choque, só posso saber mesmo se enfiar, não é? Esse negócio de parar pra pensar não tá com nada.

“Querer provar que uma coisa não existe partindo do pre-suposto de que ela exista?!?! Só podia ser coisa de ateu!”

Se você tivesse ao menos lido o post entenderia que eu não parto de nenhuma pressuposto; eu analiso o que dizem a respeito dEle e concluo que Ele não faz sentido.

O próóóóóximo…

“Quide,

Tá engraçado mermo o texto. Só vc para me fazer rir com tanta blasfêmia.”

Brigado.

“Vou te explicar de novo: Deus criou o homem, o homem desobedeceu e foi expulso. QUANDO DEUS SE RECONCILIOU COM O HOMEM E SE REVELOU NOVAMENTE EM SUA PLENITUDE???? Quando? Quando?

EM CRISTO”

Sobre a finalidade de Deus ter criado o homem, ou da suposta desobediência, discutirei mais tarde. Vamos nos ater ao ponto da sua mensagem: Deus enviou Cristo para se reconciliar com o homem.

Em primeiro lugar, não era necessário o sacrifício de Jesus – que novamente mostra que Deus gosta de dar porrada em quem não fez nada para pagar pelos erros alheios. Já havia comunhão com Deus ANTES da vinda do Messias, ou então ninguém poderia falar com Deus, ou ir pro céu, ou coisa alguma. Jesus simplesmente não era necessário, me desculpa.

E em segundo, não há nenhuma comunhão nova com Deus que já não houvesse. Assim como antes, pessoas pecavam. Assim como antes, haviam aqueles que tinham contato com Deus. E assim como antes, pessoas também iam pro inferno. Me diga, o que Jesus mudou? Não vejo diferença, desculpa.

Venhamos e convenhamos, a vinda de Jesus à terra foi muito infrutífera. Dizem que ele veio para salvar os homens, mas isso significa que antes dele não havia salvação, e que todos nascidos antes do primeiro Natal foram pro inferno. Outros dizem que ele veio pra tirar o pecado do mundo, (“No dia seguinte João viu a Jesus (…) e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!”), mas, por acaso o pecado foi embora deste mundo? Acho que não. Alguns dizem que Jesus veio pra estabelecer uma nova comunhão com Deus, mas de que forma isso era necessário? Já havia uma comunhão com Deus. Ao mandar Jesus, Deus estava praticamente dizendo “quem não acreditar nele, vai pro inferno!

Acontece que, conforme a bíblia prega, “Deus não considera o tempo da vossa ignorância“. Em outras palavras, um indiozinho que jamais ouviu falar de Jesus não poderia ir pro inferno. Se ninguém tivesse ouvido de Jesus, NINGUÉM iria pro inferno. Mas Deus o mandou. O que implica que sua vontade não era salvar todos, mas salvar uns poucos escolhidos. Aqueles que conseguissem crer. Quem não conseguisse, estaria fodido.

Deus nunca quis salvar todos, se quisesse, não teria mandado Jesus.

É claro ou preciso desenhar?

“Sacou? Então, crueldades do VT não valem.”

Arrá! Tava demorando!

Os cristãos frequentemente usam essa ladainha de “isso tá no Velho Testamento, não vale! Leia o Novo também…”, como se isso de alguma forma mágica apagasse o fato de que Deus, o amor máximo, cometeu diversos assassinatos em primeiro grau. O que é, na melhor das hipóteses, uma ofensa à lógica. Isso seria o equivalente jurídico a…

[ Promotor ] Meretíssimo, o réu jamais negou os assasinatos que cometeu. Em uma das ocasiões, ele entrou numa escola e avisou que quem não usasse roupa vermelha no dia seguinte, seria metralhado na saída!

[ Advogado de defesa ] Meu cliente na verdade ama todas aquelas crianças. Ele ama tanto, veja só, que até deu uma chance de todos se salvarem! Não se salvaram porque não quiseram acreditar nele!

[ Promotor, júri, juiz e a mulezinha que datilografa a sessão ] ¬¬

[ Advogado de defesa ] Erh… não colou, né? Bem, você também estão tirando eventos do contexto! Trago à tribuna a prova A.

O advogado põe uma fita no videocassete. É uma gravação caseira do acusado numa festa de aniversário, brincando com criancinhas, visivelmente animado por estar na presença deles.

[ Advogado de defesa ] Estão vendo? Vocês só querem ver as coisas ruins que meu cliente cometeu! Essa fita foi gravada após a chacina na escola, logo, essas acusações não valem mais.

[ Promotor, júri, juiz e a mulezinha que datilografa a sessão ] ¬¬

[ Advogado de defesa cochichando pro réu ] Porra, tá foda o negócio. Tu tinha que aloprar desse jeito, porra?

Precisa falar mais alguma coisa? Não dá pra defender alguém simplesmente mostrando ocasiões em que ele não cometeu crimes, isso não suaviza nem refuta nada. Os crimes continuam lá. Só prova que você está sem argumentos para defendê-lo.

Para defender um assassino, ou você refuta o fato de que ele matou, ou você apresenta motivos que poderiam consistir numa necessidade inviolável que o levou a cometer o homicídio. Não se pode refutar a bíblia, afinal, ela é “inspirada pelo Espírito Santo”, logo tudo que está lá é verdade. E não se pode atribuir necessidade nenhuma a Deus, pois como ser onipotente, ele não precisa de nada, nem é obrigado a nada. Tudo que Deus faz, faz porque QUER.

“E pq Deus não fez de outro jeito, que poupasse mais gente? Pq se não não aprenderiamos.”

Nossa, Deus TINHA que fazer dessa forma? Ele tinha algum tipo de limite que o impedia a pensar numa forma que salvasse todo mundo? E esse tempo todo a galera pensando que ele era onipotente…

Meta uma coisa na sua cabeça: Deus não tinha que fazer coisa alguma, de forma nenhuma. Ele, já que é onipotente, não deveria ter nenhum limite. Então essa história de “Deus tinha que fazer assim porque…” reflete uma natureza claramente humana: a contornação de obstáculos. Jeová não poderia ver nenhum obstáculo. Logo, ele não “tinha” que fazer assim para aprendermos coisa alguma. Se trata apenas uma clara contradição; homens definindo Deus ora como onipotente, ora como alguém que precisa dar um jeitinho – muito mal arranjado – pra consertar uma situação que, atente, foi criada por ele mesmo. Você me diz que o homem “escolheu” pecar, mas quem criou o sistema de condenação que o pune? Quem criou a possibilidade do pecado? Deus está tentando nos salvar de algo que ele mesmo criou?!

Deus meio maluquinho esse, ein? Se não quer condenar, não criasse inferno. Se quer condenar, não mandasse salvador. Dá pra se decidir?

“sacou????”

Será que sou eu que preciso sacar algo? 😉

O mms, que é meu amigo virtual com um certo nível de proximidade, mandou mais essa, quando confrontado com as desgraças que assolaram esse mundo por causa da mensagem de Cristo (Inquisição, Cruzadas, etc e tal.)

“Deus ter se revelado amor não quer dizer que os homens entenderam. De forma nenhuma, e Cristo sabia disso.”

Ou seja, não apenas a lição seria mal dada, como o professor sabia disso desde o início? Qual era o objetivo dessa liçào, se ninguém ia entender? O professor, sendo onipotente, não poderia muto bem, se quisesse, fazer a mensagem de uma forma que TODOS entenderiam?

Ou não? Você me dirá novamente que ele “precisava” fazer daquele jeito? Que ele “precisava” mandar uma mensagem que implicaria que alguns não conseguiriam se salvar (os que não acreditassem)? Que limites são esses que impedem o Deus Vivo de agir da forma que salvaria toda a humanidade?

Já um terceiro leitor disse:

“Pelo amor d deus vai ler uma biblia antes d falar tamnha besteira baseado em versiculos…”

Como assim, “besteira baseada em versículos”? Você quer que eu baseei qualquer análise sobre a bíblia em que? Em descupinhas que pastores dão para explica-la, né?

Cristãos são pessoas que tentam desesperadamente ocultar certas verdades. Ao serem confrontados com essas passagens que provam a maldade de Deus, o que eles fazem? Simplesmente rejeitam. Reclamam que são “apenas versículos”, embora eles façam usos de versículos também para tentar convencer pessoas nas igrejas. Ah, porque não posso fazer o mesmo? Não estou usando nada além da sua bíblia!

E falando nela, acho que quem precisa ler mais é você.

Um outro leitor falou o seguinte:

“Na moral, Kid. Respeito sua opinião, mas foda-se com ela.”

Esse aí é mais contraditório que Jeová.

“Se Deus “mata” criancinhas, promove guerras e tudo o mais, vc apenas se esquece de algo: que este mundo, segundo qualquer religião, é passageiro, e o que se constrói aqui é só um momento, valendo mesmo é a eternidade, seja ela de prazer ou de sofrimento.”

Em outras palavras, não é errado matar nem provocar guerras porque este mundo é passageiro.

Eu queria saber se você pensaria dessa forma se o Deus Vivo decidisse matar seus pais, e pior, por um erro que seus avós cometeram.

Ah, é, né?

“Então, se um aguerra existir, se uma criança nasce cega, EXISTE um propósito SIM, só que não para este mundo e SIM para o “outro”, no pós morte. Ou seja, normal você não acreditar, mas falar que não tem lógica é pq vc não pensou em todas as possibilidades.”

Existe uma corrente filosófica chamada “Navalha de Occam” (ou Ockam, dependendo do autor) que prega o seguinte: Não multiplique fatores sem necessidade. Em outras palavras, entre duas (ou mais) hipóteses, a mais simples tende a ser a verdadeira. Ou, se você vai explicar alguma coisa com uma teoria, quanto mais fatores você adiciona a ela, menos provável ela se torna.

Então, o que é mais “simples”? Que as putarias que acontecem no mundo são simplesmente um reflexo da falta de alguém pondo ordem nessa bagaça, ou que tudo isso está amarrado por um plano cósmico-transcendental que não faz sentido nesse mundo, mas num próximo?

Acredite no que quiser.

Aos que gritaram em coro “mas a bíblia é um livro humano, portanto as falhas”: deixe de ser boboquinhas, eu SEI disso. Caso contrário, não duvidaria dela. O que acontece é que crentes não admitem essa hipótese, pois ela contradiria Paulo em II Timóteo 3:16:

“Toda a Escritura é divinamente inspirada”

Ou seja, segundo eles, não houve dedo humano na criação da bíblia. Logo, ao interpreta-la, vejo da forma que eles vêem, ou seja, a bíblia foi “escrita” por Deus através de homens. Logo, contradições não poderiam existir. A menos que Deus não quisesse que sua mensagem fosse passada com coerência…

Aguardem a continuação.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Geral

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

Um comentário \o/

  1. Issue says:

    porra kid, que post gigante -.-