Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Postado em 3 August 2005 Escrito por Izzy Nobre 0 Comentários

Aqueles que notam a Webcam HBD ali ao lado perceberam as formidáveis camisetas com que posei pras fotos mais recentes. Recebi até mesmo emails perguntando onde adquirir as camisas.

Surpresa, surpresa: eu não as comprei. Eu mesmo as fiz. Ou fi-las, se você prefere o português culto que ninguém usa.

A confecção dessas camisetas é um procedimento bastante simples. Anote:

1) 1 (uma) camiseta de algodão, branca e sem nenhuma estampa;

Adquiri o item por cinco doletinhas numa lojinha de conveniências aqui perto. Lojas de conveniência são o equivalente canadense dos mercadinhos “Dois Irmãos”, “Da Lindalva” ou “Santo Antônio”, que se localizam em esquinas brasileiras e onde se encontra de tudo, desde veneno de rato a placas de vídeo Radeon importadas do Paraguai sem nota fiscal.

2) 1 (uma) folha de papel transfer, ou papel de decalque como é conhecido em alguns círculos, ou “transfer paper” se você é um imigrante ilegal que atravessou a fronteira do México auxiliado por coiotes;

O papel que comprei é da IBM, e custou 10 pilas o pacote com 10 folhas. Se você é bom de matemática, descobrirá que cada folha custa um dólar.

3) 1 (um) ferro de passar, de preferência que esteja funcionando;

Facilmente encontrável nas lojas Mesbla, caso estas ainda existissem.

4) 1 (uma) cópia pirata do Photoshop.

Só serve se for pirata. O software serve pra editar as imagens da sua camiseta e apagar espinhas que você esqueceu que tinha quando tirou a foto.

E é basicamente isso. Basta imprimir o gráfico desejado numa folha, passar o ferro no papel sobre a camiseta, e arrancar o papel quando a parada tiver esfriado um pouquinho, pra mó de não queimar os dedos.

Depois de uma experiência frustrada (nota mental: jamais aplicar decalque em camisas pretas, não presta), consegui o primeiro resultado:


A escolha da figura não surpreende ninguém, né? A imagem está propositalmente pixelada, que é pra manter aquele efeito meio nostálgico. O Photoshop suaviza as bordas da imagem quando a redimensiona, então uma boa idéia é usar o Paint e o velho Print Screen pra obter uma imagem pixelada grande.

Como eu tinha comprado quatro camisetas, resolvi imprimir mais uma imagem.


Eu gostei bastante do contraste dessa aí, embora tenha sido um burrão e colocado a imagem muito perto da gola. Se não fosse esse erro retardado, essa teria sido minha camisa favorita.

Continuei gastando o cartucho da impressora do meu pai e mandei ver na terceira imagem. “Mario World” no Google Imagens + fonte de Super Mario no Photoshop + paciência de colorir cada letra com uma cor diferente:


Meu pai e minha madrasta gostaram bastante dessa aí. A inspiração veio do Mario Foda, um blog velhaço da minha época de blogueiro underground. Tou até pensando em ressuscitar a premissa do blog, nem que seja apenas numa série de camisas similares a essa. Já bolei e preparei outras três imagens nesse estilo, falta só decidir qual delas vou aplicar na última camiseta. A lojinha aqui perto cobra 10 pilas por três camisetas, mas o aniversário da namorada tá chegando e não me posso dar a luxos.

A propósito, a estampa mais de perto fica assim:


Minha coleção de camisas do Mario ficou maiorzinha. Até ontem, a única que eu tinha era essa…


…, que me foi dada pela patroa no Natal do ano passado. Desnecessário dizer que gamei na camiseta e usei-a até duas rodelas escuras se formarem embaixo das axilas.


Como não estou mais no País da Putaria e aqui qualquer bobagenzinha rende uma viagem aos tribunais, resolvi mandar um email pra Nintendo só pra esclarecer as legalidades do que eu estava fazendo. A resposta chegou hoje mesmo: tecnicamente, os caras não aprovaram (pois as imagens são copyrighteadas e a Nintendo já vendeu os direitos a certas empresas que fazem camisas similares), mas eles me garantiram que não se oporiam à minha iniciativa. Isso é, CONTANTO que as camisetas não dêem a impressão errônea de que a Nintendo está me patrocinando ou apoiando de alguma forma. Achei que eles também me proibiriam de vender as camisas, mas o email não mencionou nada.

Acho que isso quer dizer que posso montar uma feirinha aqui no corredor do prédio.

Uma por R$7, duas por R$10. Aceito vale-transporte.

[ Update ] Será que rolava fazer algum mini-concurso aqui no blog e arcar o envio de uma dessas camisas pro vencedor aí no Brasil?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Geral

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)