Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Postado em 18 August 2005 Escrito por Izzy Nobre 0 Comentários


Num momento raro, passei pela sala ontem – quase nunca saio do meu quarto – e vi de relance meu pai assistindo uma reportagem no Globo Media Center. A matéria era a respeito do /kick /ban geral que tão dando nos colonos judeus, que ocuparam a região da faixa de Gaza na década de 70, transformando palestinos em bombas com pernas.

Ao menos é isso que diz o site da CNN. Se a data estiver errada, não é culpa minha.

A TV mostrava cenas dramáticas da retirada, enquanto eu degustava um cereal matinal com um leite que eu não consegui definir no momento, mas tenho 68% de certeza que estava estragado. Soldados israelenses agarrando neguim pelas pernas, braços, orelhas ou qualquer outra protuberância e arrastando rua afora. Moradores revoltados tentando futilmente reagir com pedradas. Gente amontoada dentro de sinagogas rezando fervorosamente para um Deus que, embora eles ainda não perceberam, virou as costas pra humanidade há muito tempo e mandou-nos todos se foder.

E eu vendo isso tudo e comendo meu cerealzinho com leite estragado. A desocupação faz parte de um plano de paz entre Israel e o povo palestino, pra parar de vez com os atentados que acontecem praticamente todo dia naquelas bandas. O governo de Israel tá gastando uma grana preta com essa operação, especialmente se você considerar que eles deram uma compensação de mais de 250 mil dólares pra cada família (certos casos chegaram a 500 mil).

E ainda assim, os caras não querem sair dali de jeito NENHUM. Porque tão na Terra Santa e tal, sabe como é.

Vou te dizer, nunca vi tanta gente disposta a ser explodida.

E por causa de um motivo tão imbecil como religião.

Ok, os terroristas estão bastante disposto a se dinamitarem também, mas ao menos eles fazem isso como uma ferramenta política. Tudo bem, demorou uns trinta anos pra Israel finalmente atender a exigência dos dissidentes, mas o que você queria? Praticamente todo dia acontece um atentado naquele país, ao que os israelenses se referem como “explosão das cinco”. Tipo o chá das cinco dos britânicos, mas com mais mortes. O governo israelense estava ocupado demais limpando restos de terroristas das calçadas. Ouvi dizer que eles até agendam seus compromissos em relação a isso:

“Aê Jacó, vamo no cinema assistir a Paixão de Cristo!”

“Nah, deixa alguém se explodir primeiro, é mais seguro.”


GAME OVER, MAN! GAME OVER! Pega tua grana e te manda logo dessa terra de gente inflamável. A propósito, compre uma tesoura no caminho, o cabelo da sua orelha está fora de controle

Uma dos momentos mais interessantes da cobertura jornalística foi quando o repórter explicou que as camisetas alaranjadas que alguns habitantes estavam vestindo simbolizavam um protesto silencioso contra o processo de desocupação. Claro, porque tudo que você precisa pra impedir um processo militar movido por um dos melhores exércitos do planeta são camisetas de silk-screen que são vendidas no quilo.

A própria idéia de protestar contra a desocupação é um contra-senso. Os caras estão protestando pelo direito de habitar uma terra que os palestinos explodem todo dia em forma de protesto? Especialmente levando em consideração que o processo trará paz pro seu próprio povo, e ainda por cima tendo recebido uma compensação que os permite morar em qualquer outro lugar?

Vai ser burro assim na puta que pariu.

Se eu fosse Ariel Sharon, teria bolado uma estratégia muito melhor: abaixaria os preços de C4, dinamite e gasolina. Queria ver os colonos protestando contra uma bola de fogo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Geral

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)