Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Postado em 29 August 2005 Escrito por Izzy Nobre 0 Comentários

Enquanto ganho tempo terminando um post novo, vai um remix.



Posso dizer que o resultado mais curioso da minha experiência escolar nos alpes canadenses é algo que já deveria ter sido previsto no dia em que um moleque na minha aula de matemática pediu uma calculadora para solucionar o mistério da raiz quadrada de 16, ou quando um outro em Antropologia pediu ajuda pra soletrar “tough” (ele teimava que era com um A): meu nível como estudante decolou em progressão geométrica elevada a quatro mais dois.

Como primeiro ponto nesta minha tese, cito a notável diferença do método de ensino. Aqui, a geral pode escolher as matérias que cursará durante o ano (que são apenas oito, contrastando com as quinze a que somos submetidos durante aquele período de prostituição mental e destruição de todos os valores morais que nós conhecemos no Brasil como “ensino médio”).

Como acontece em toda e qualquer situação em que moleques de 14-15 anos são agraciados com o privilégio de escolha que seja um pouco mais relevante que a cor da roupa que usam, isso resulta em inexorável porém previsível merda. Preguiçosos e vagabundos – porém equipados com livre arbítrio -, os guris procuram dar preferência a matérias extremamente desafiadoras como Preparação Alimentar e Higiene Pessoal em detrimento de disciplinas mais elaboradas, porém fundamentais para aqueles que não são sustentado por doações de teletons, como Matemática ou Gramática Básica. Essas escolhas acadêmicas dos canadenses, que são dominadas por 90% das pessoas que têm cozinhas, banheiros e alguma dignidade, são as culpadas por moldar uma sociedade em que um sujeito que saiba transformar kilometros em metros sem tabelas ou calculdora é um gênio.


Um colega canadense encara em desespero uma complicada equação de primeiro grau, enquanto os alunos do fundo já perderam toda a esperança de descobrir quanto é a raiz quadrada de 9 e então voltam sua atenção para um joguinho trazido pela professora

E foi justamente o que aconteceu comigo aqui. Maravilhados por minhas incríveis habilidades matemáticas (que incluem dividir números naturais de dois dígitos pela metade – de cabeça!!! – e dispor do aparato intelectual para descobrir hipotenusas escondidas atrás de um enigmático x), os canadenses olham para mim com o respeito e admiração que a maioria das pessoas endereçaria a um medalhista olímpico ou um ganhador do prêmio Nobel, e ainda assim apenas se estes tiverem namoradas gostosas.

Os caras deixam de aprender matemática pra cursar matérias que deveriam fazer parte da formação básica de qualquer ser humano que já tenha dispensado as fraldas, deu nisso: um desempenho escolar que envergonharia internos da APAE. O fato de que este país de primeiro mundo é habitado por pessoas que precisam de uma calculadora pra dividir números pares por dois me leva a crer que o sucesso de uma nação depende de algum tipo de ritual mágico que nós brasileiros não dispomos.

O destino me agraciou com uma formidável oportunidade de oferecer pra vocês uma amostra do que estou falando; entretanto, sinto uma dor no pâncreas por ter perdido meu celular-câmera e não poder imortalizar em .jpg a atividade a que a professora está nos submetendo neste exato momento (sim, estou digitando este post durante um aula – de onde vocês acham que veio a idéia?): estou recortando formas geométricas em feltro e costurando num pedaço de pano com os respectivos nomes. Até tentei sugerir atividades mais desafiadoras como decorar a tabuada de dois ou aprender a dar nó no cadarço, mas meus colegas de sala recusaram em uníssono devido ao fato que eles já estavam enfrentando considerável dificuldade em recortar o feltro de forma que o trabalho não parecesse ter sido feito por um cego com mal de Parkinson numa montanha russa. Cordenação motora não é um bem de que todos podemos nos gabar, aparentemente.

O segundo ponto que me catapultou de aluno-vagabundo-que-senta-no-fundão-e-faz-piadinha-o-tempo-todo para estudante exemplar é o supracitado detalhe da diferença no número de matérias administradas anualmente: temos em média quinze, ao contrário destes vagabundos que reclamam de oito – sendo que metade das tais te ensinam coisas como metodologia de fritar ovos e técnicas contemporâneas de limpar a bunda. Logo que cheguei aqui, os canadenses pouco sagazes me lembraram que o ensino médio canadense dura 4 anos, enquanto o nosso dura “apenas” 3 anos.

A verdade atingiu-os com a força de uma martelada no olho quando os lembrei que no Brasil estudamos quase o dobro de matérias que eles estudam aqui. Cada ano de Ensino Médio brazuca vale por dois canadenses, e olha que tou sendo generoso e considerando que todas as matérias que eles aprendem tem valor acadêmico – o que não é verdade.

Dessa forma, enfatizei o fato de que a diferença entre o mais vagabundo terceiro-anista brasileiro e o melhor estudante canadense é a mesma que separa um cientista de foguetes de um tijolo (com a diferença que um tijolo serve pra alguma coisa e não dá gastos ao Estado recebendo aulas imbecis sobre preparar macarrão instantâneo, escovar os dentes e cortar triângulos de feltro).

E o terceiro e final dessa porra de post que já tá grande demais é que, como se não fosse o bastante que a nota mínima de aprovação aqui seja um medíocre 5 (o que me garante uma vantagem extra que já já explico), alunos podem se formar independente de suas realizações acadêmicas, apoiando-se simplesmente em seu desempenho esportivo ou de um tal de “moral asset“, que em português significa “uma desculpa pra passar esses burros que não conseguem aprovação por conta própria“. Como receber aprovação por moral asset, você me pergunta? Basta se comportar um pouquinho acima da linha do permitido pelas normas sociais de bom convívio. Ou seja, se você nunca ameaçou um professor de morte à mão armada, explodiu uma bomba embaixo da cadeira do diretor, tomou parte em rituais satânicos no banheiro ou cometeu assassinato em primeiro grau nas instalações da escola, você já pode receber o moral asset.

A questão da média de aprovação é uma quesito à parte que garante com 100% de segurança a humilhação que esses canadenses sofrem em relação aos meus talentos estudantis. A média na minha escola era sete, portanto todas as minhas notas são iguais ou superiores a essa média. Mesmo nas matérias que eu menos gostava, minha nota é 5 vezes maior do que as maiores notas dos melhores alunos da escola.

Se eu soubesse que me mudar pro Canadá elevaria meu desempenho escolar a 456a. potência, eu nem teria começado o ensino médio no Brasil.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Geral

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)