Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Postado em 17 October 2005 Escrito por Izzy Nobre 0 Comentários

Há uns dois dias, fui convidado para um chat com a turma do HMD. Ao entrar no chat, fui recepcionado com um “um post nosso teve mais comentários que os seus, nhé nhé nhé!“, o que no meu melhor julgamento é uma forma extremamente madura de se dirigir a alguém.

Eu ainda não tinha lido o tal post tão bem sucedido, então uma vez na vida resolvi ler o blog dos meninos. O texto em questão era uma ácida desconstrução da banda Good Charlotte, ou Charllote, ou Charllotte, ou seja lá como realmente se soletra o nome desta desgraça. Após já ter visto umas 5 grafias diferentes, desisti de descobrir a verdadeira e já penso em criar a minha própria. Gúd Txár-lot.

Achei sensacional! O assunto do post é tão original, exceto pelo fato de que eles já apelaram pra mesmíssima estratégia duas vezes antes. Aliás, é sobre a tal “estratégia” que eu falarei mais lá na frente.

No fundo do post do lintu (que é um cara que eu considero, então tente levar na esportiva porque ao contrário do que possa parecer, a crítica não é contra você.), quase mil comentários se aglomeravam numa das maiores flame wars que eu já vi num blog com menos de 5 visitas diárias.

Dei uma lida rápida nos comentários, pra entender o que exatamente tava pegando.

“afff kra good charlote eh mto bom, vcs naum sabem de nada111!!! nunk nem ouviram as musicas e sai falando aih”

“kkk qui blog ridiculo meu, ondi jah si viu, fala mau de good cccharllotttte, odeio vcs e se fodam e xauuu~~~”

“ahhh seus pagodeiros vcs naum sabem o que eh musica boa! vaum ouvir avril lavigne!!!11”


Imagine os três comentários acima repetidos 600 vezes, com os mais variados erros ortográficos ou de bom senso, e você terá uma imagem mental da putaria que se estabeleceu ali. A única vez que vi uma situação similar foi quando eu, no jardim de infância, disse que um coleguinha meu “tinha cara de cocô“. Ao que ele respondeu, adequadamente, que eu “fazia xixi na calças” (sic), e fez a sala toda explodir numa enorme confusão infantil (em vários sentidos que a palavra “infantil” carrega).

E a julgar pelo “um post nosso teve mais comentários que os seus, nhé nhé nhé!“, só posso concluir que os autores do blog sentem um certo orgulho de ter conseguido provocar a revolta de pessoas que provavelmente reagiriam de forma similar se recebessem a notícia que Pokemon foi cancelado. Não apenas orgulho, mas eles parecem sentir que qualquer pessoa que não atinja a mesma proeza (intitulada por alguns como “fama”) é portadora de inveja e digna de pena.

Os caras devem estar certos, afinal, eles têm sprites de Mario World espalhados pelo blog! Alguém que teve uma idéia tão original e nunca antes vista não pode jamais estar errado. Estou com inveja, pois.

Porém, há salvação para mim. Basta eu pôr em prática o MANUAL HMD DE COMO POSTAR, artefato precioso em que finalmente consegui pôr as mãos. Passarei o conhecimento adquirido para os leitores, para que vocês nunca sofram a vergonha e indignidade de não ter um post com menos de 28 mil comentários de crianças imberbes.

Passo número 1: Pense em uma banda.
Por via de regra, qualquer banda serve. Por pior que seja o grupo escolhido, tenha certeza que haverá ao menos cinco fã-clubes registrados no Google. Porém, você ganha mais pontos se escolher uma banda cuja idade média dos fãs não passe pra casa dos dois dígitos. Se você quer um post de sucesso mesmo, um entre cada três fãs da banda que você quer difamar tem que obrigatoriamente usar fraldas.

Passo número 2: Fale mal da banda escolhida.
Parece muito simples, né?

E é mesmo. Falar mal de uma banda é uma das coisas mais fáceis de se fazer, porque você está protegido pelo escudo do Gosto Pessoal. Pouco ou nenhum conhecimento musical é necessário para trucidar o trabalho de outrem, porque afinal de contas, é o seu gosto pessoal, e ele deve ser verdade absoluta. Nem mesmo Beethoven poderia se proteger de um “eu não gosto de suas músicas!

Para escrever o texto, basta dizer “A banda X é ruim”. Pronto. É só isso. Pra dar mais volume ao post, bata a cabeça no teclado e publique o que vier. Não fará diferença. A mensagem principal já foi dada.

Passo número 3: Espalhe o texto estrategicamente.
Aqui está a alma do negócio – a propaganda. E não se trata apenas de qualquer propaganada: é na propaganda tendenciosa que reside o seu sucesso.

Logue na sua conta do orkut, acesse a área de busca de comunidades e procure X, sendo X a banda-alvo. Entre na comunidade, abra um tópico – ajuda bastante se você adotar o estilo de escrita dos fãs da banda – e exponha o texto, como se você estivesse extremamente revoltado e que fosse capaz de arrancar os olhos do autor do texto com os próprios dedos mindinhos.

Esse é o grande segredo do sucesso – oportunismo. Pra que esperar que seu texto atinja notoriedade ou polêmica apenas pelo potencial do conteúdo dele? Por que submeter seu post à análise imparcial, se você pode expô-lo apenas para aqueles que serão atingidos por ele?

E é basicamente isso. Há os passos adicionais, que se resumem a “repita o procedimento quantas vezes desejar, sem escrúpulos ou preocupação em produzir algo diferente“, “negue a prática do manual até as últimas consequências” ou a sempre popular “acuse qualquer crítico de estar com medo da sua ‘fama’ cada vez maior” mas esses são opcionais.

Sigam os simples passos deste manual (de cortesia da bondosa galera do Hoje é um Mau Dia, sem link porque afinal de contas eles são muito famosos e não precisam de visitas vindas daqui) e não há limite para o número de criancinhas que você revoltará! Por que afinal de contas, quem quer leitores quando o que interessa mesmo são os números no Haloscan?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Geral

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)