Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Postado em 12 February 2006 Escrito por Izzy Nobre 3 Comentários

A “mídia” (puta que pariu, odeio usar essa palavra) está repleta de gente que é famosa sem fazer absolutamente nada, ou ao menos nada de relevância. Ligue a TV e, aonde quer que você olhe, haverá algumas Brunas Surfistinhas, Narcisas Tamborindiguim ou Adrianes Galisteu propagandeando a própria imagem ao highest bidder. Figuras como as citadas são como um Globo de Ouro, ou aqueles concursos de blogs que quase todo mundo já participou alguma vez – apesar da pompa e aparente auto-importância, quem realmente dá a mínima pra eles? Ninguém.

Apesar da espantosa insignificância dessas pessoas (que se combinadas mal chegariam à importância de uma amídala), até mesmo elas tem algum tipo de realização under their belts. Bruna Surfistinha vendeu a própria bunda incessantemente até achar alguém pra quem ela resolveu dar de graça, do nada tornou-se até escritora e apareceu até no Jô Soares – que, ironicamente, tem a circunferência aproximada de alguém que precisaria pagar a Surfistinha por favores sexuais que não pudesse conseguir de graça. Ainda no ramo literário, temos a tal Narcisa – uma “socialite” que escreveu um livro idiota a respeito da “alta sociedade” do Rio ou São Paulo, sei lá de onde a mulé é.

(Socialites, pra quem não sabe, são pessoas que tem um ou dois parentes importantes, e por causa disso começam a pensar que elas são importantes também. A partir daí, elas passam o resto da vida tentando manter esse status quo que só existe na cabeça delas, indo a festas a que não foram convidadas e tentando aparecer o máximo possível em programas de quinta categoria que entrevistariam até o porteiro do seu prédio se ele concordasse em não usar aquela camiseta “Lula Lá” da campanha de 89.)

Já a Adriane Galisteu foi vítima de nada além de sorte. Para a felicidade da modeloBARRAapresentadora, ela não apenas namorava um famoso, mas o carro dele espatifou-se numa parede diante dos olhos de milhões de brasileiros que perceberam imediatamente que nunca mais ganhariam um Grand Prix, se fosse depender do brasileiro que sobrou.

Daí pra patamar de viúva celebridade nacional, foi apenas um passo. Mas Galisteu não queria abusar a sorte, então só pra garantir deu este passo nua, usando sandálias de salto alto diante da câmera do J.R. Duran. É bom aceitar primeira proposta antes que a Playboy desistisse da idéia.

A questão é que até parasitas de atenção conseguem em algum momento elevar-se além de sua insignificância e fazer algo que capture os corações do populacho, como dar a bunda, escrever um livro, posar nua ou construir uma boneca com uma vassoura, dar-lhe o nome de Maria Eugênia e chorar como uma criança porque seus colegas de programa esconderam-na por dez minutos. Haha, “esconderam a boneca”.

O que dizer, então, de gente que jamais fez ABSOLUTAMENTE NADA DIGNO DE UMA NOTA DE RODAPÉ SEQUER, mas pensa que é famosa?

Não gaste neurônios tentando imaginar. Eu dou a vocês…


VILA BOYS.

É difícil até começar a descrever os sujeitos sem que eu não seja arrebatado por risadas que disparem a liberação de endorfinas que acabam por me fazer perder a força nos dedos que me impeçam de continuar o texto. Então, deixo que a própria página dos VILA BOYS os descrevam. Por favor, ignorem os erros de ortografia, gramática, uso de pontuação, uso de aspas, lógica, formatação em HTML, ou simplesmente tudo.

HISTÓRIA DOS VILA BOYS

Tudo começou numa festa junina , quando as 5 garotas viram os 6 jovens e resolveram tirar algumas fotos deles. E como eles moravam numa vila do Rio de Janeiro, elas resolveram batizar o grupo de ”VILA BOYS”.

Depois de algum tempo o grupo resolveu tirar mais fotos e iniciando assim uma carreira fotográfica. Após algumas semanas o grupo ja era conhecido em vários lugares do Rio de Janeiro como: boites , shoppings, nos colégios, nos bairros etc… .

As garotas que ainda não conheciam o grupo ,estavam doidas para conhecer porque muita gente falava sobre os vila boys.

Então eles tiraram mais fotos , e resolveram coloca-las na internet aumentando assim mais a sua fama. As garotas ficavam enlouquecidas com eles porque eram muitos simpáticos e muito lindos.

Começou assim vários telefonemas para o grupo , tornandando assim a vidas deles muito agitadas. O grupo tinha como point a boite ”El Turf” e lá eles eram muito conhecidos . E assim começaram a frequentar todos os sábados a boite El Turf e nos domingos eles costumavam a frequentar o Olimpo Disco Club, onde eles eram conhecidos.

Nós gostamos muito deles e por isso resolvemos fazer essa homenagem a esse grupo que tem uma carreira de susseso pela frente…

Pra você que começou a rir logo no primeiro parágrafo, desligou o PC sem querer chutando o gabinete num espasmo de alegria e perdeu a paciência de começar a ler de novo, resumo. Os cinco sujeitos foram abordados por meninas de existência não comprovada, e de repente se tornaram famosos modelos, com o direito de usar a expressão “carreira fotográfica” irresponsavelmente.

Isso é basicamente tudo que você precisa saber. Não vou entregar o ouro a respeito do resto das incríveis aventuras dos famosíssimos VILA BOYS, então você terá que levar o cursor do mouse até o link dos caras e ver com os próprios olhos. Experimente a viagem no tempo que é visitar o site dos caras, inteiramente feito em um programa shareware de edição de HTML, e enviado pro servidor do UOL através do Cute FTP em aproximadamente 1994. Deleite-se nas tabelas mal formatadas, ou nas fotografias digitalizadas com scanners de 134 dpi e irrecuperavelmente distorcidas no processo, ou até mesmo na lista de ultra-badalados locais que a trupe frequenta, como BAIRROS, ESCOLAS e até mesmo, sim, SHOPPINGS! SHOPPINGS, I TELL YOU!

Chega. Palavras não são suficientes para descrever os famosos garotos, a menos que eu começasse a inventar as minhas próprias palavras, mas aí vocês não entenderiam o texto. Seguindo a máxima de que imagens valem mais que mil palavras, ainda que essas imagens sejam mais pixelizadas que screenshots da versão beta do primeiro Tomb Raider, aí vão fotos dos VILA BOYS em seus melhores momentos de PURA CURTIÇÃO


Mas que BAD BOY.


Faixas AZUL CLARO prontos para chutar a sua bunda.


Uma possível ex-namorada teve seu rosto distorcido, provavelmente pra não espantar as milhares de pretendentes que o sujeito possa ter.

O mais legal é que o site nega ter sido feito por, digamos, um dos VILA BOYS que sabe mexer um pouco com HTML e scanners. Segundo o autor da página, esse templo de adoração aos caras foi posto no ar por “fãs” deles.

Qualé, rapaziada. Vocês não tão enganando ninguém.

O problema não é a página terrivelmente mal feita com letreiros feitos em Wordart/Corel Draw 4, nem as fotos porcamente escaneadas, muito menos o fato de que os caras deixam uma área pra contato com seus ICQs e emails do BOL. Minha inconformação com esse pedaço histórico da internet (vi o site pela primeira vez em 2002, mas eu tava comendo goiabada naquele dia e meus dedos estavam todos melados, o que impossibilitou a manufaturação de um texto aloprativo) é que os sujeitos parecem acreditar piamente que
são celebridades de renome internacional. Não sei se rio ou se rio de novo.

O que você ainda está fazendo aqui? Vá ver o site dos caras.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Geral

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

3 Comentários \o/

  1. Dandara says:

    Corram,faixas azul claro vão chutar a bunda de vocês o.o oaisjdosaidj

  2. Og Fux 69 says:

    Porra, QUEM NÃO CONHECE OS VILA BOYS? -n

  3. Jean Philippe says:

    Hahahahaha… provavelmente o número de visitantes vai dobrar depois do seu texto.
    Ridículos é pouco.