Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Postado em 20 September 2006 Escrito por Izzy Nobre 0 Comentários

Peraê que só um update não adianta. Tem gente que só entende algumas coisas quando a gente explica tudo BEM EXPLICADINHO.

Vamos recapitular – essa semana (ou semana passada, sei lá quando essa porra saiu), a modelo e gostosa de renome internacional Daniela Cicarelli foi flagrada fazendo algo que bilhões de pessoas fazem diariamente, embora raramente com pessoas de seu naipe. Eu, por exemplo, ainda não comi nenhuma Cicarelli, embora tenha esperanças pra esse Natal porque tou mandando uma cartinha caprichada pro Papai Noel num papel de carta perfumado do Ursinho Puff.

A notícia atingiu os subúrbios da internet pouco antes de eu chegar em casa vindo do batizado (católico, veja lá) do meu irmão caçula, o que garantiu que cinco ou seis colegas prestativos me informassem sobre a presepada da Cicarelli assim que eu apareci online no MSN.

Decidi, sei lá por que, que queria postar isso no HBD. Por um segundo imaginei que inevitavelmente os misóginos juvenis que habitam as periferias da internet (que ironicamente devem ter se acabado na mão inspirados por fotos da própria Cicarelli por não gozarem do privilégio de praticar sexo com outros seres humanos) apareceriam pra arbitrariamente taxar a mulé de “prostituta” ou “vagabunda” como se ela tivesse feito alguma coisa contra eles. Temos aqui uma cambadinha de virgens – e eu seria capaz de apostar sobre a virgindade de alguém que chama uma mulher de puta apenas por ela mostrar que gosta da coisa – criticando a vida sexual alheia. Olha que irônico!

E eu asserto com firmeza sobre a virgindade dos sujeitos porque JAMAIS conheci um homem de vida sexual ativa que tecesse esse tipo de comentário relativo a uma mulher que goste de sexo. Normalmente, isso é APRECIADO entre o grupo, e não o contrário.

Agora, me explica aqui um negócio que eu não consigo entender. Por que alguns homens têm o hábito de hostilizar mulheres que fazem EXATAMENTE o que eles querem que elas façam com eles? Se a mulé dá pra você (ou pra quem quer que seja), é vadia, vagabunda, praticante da mais suja categoria de meretrício e merecedora de nada além do mais profundo desrespeito. Se não dá, é no mínimo motivo de uma punheta furiosa no fim da noite, do tipo que faz parecer que o sujeito está canalizando a raiva no pau. E nem venha dizer que você jamais ficou revoltado contra aquela menina mais conservadora e com valores familiares notáveis que bloqueou todas as suas tentativas de apalpar os mamilos dela no cinema. Eu duvido que você tenha pensado “nossa, mas que menina mais conservadora e com valores familiares notáveis!“, ao invés de “é a última vez que convido essa desgraçada pra sair. Só de pensar que até paguei a entrada no cinema e a pipoca, e NEM UM PEITINHO eu ganho? Foda-se. Cadê o telefone da Juranda?

Qualé então, caralho? Não há como agradar vocês. E o pior é que não fica só nisso; essa hipocrisia machista de vocês fodem as coisas pra TODO MUNDO. Acompanhe.

Vocês são tão burros a ponto de não entender que, cada vez que a Fernandinha se recusa a dar pra você, de repente não é nem porque ela não quer, mas por causa dessa corrente de pensamento machista que prega que sexo é algo que apenas homens podem apreciar, e que toda aquela que ouse desafiar essa instituição sagrada merece o mais profundo desprezo? Quanto mais se perpetua essa noção de que sexo casual é uma exclusividade masculina (o que definitivamente não é, a menos que você defenda a teoria que apenas homossexuais podem trepar casualmente), mais as mulheres se constragem e se reprimem, o que em contrapartida complica o trabalho daqueles que tentam obter acesso às suas vaginas. Sendo os babacas misóginos que vocês estão sendo apenas ajuda a dar continuidade a um pensamento fundado na época em que preceitos religiosos determinavam regras de comportamento.

O que você tem a ganhar ofendendo uma mulher cujo maior crime foi praticar um ato sexual num local público (NEWSFLASH, CABACINHOS – casais fazem isso o tempo todo)? Absolutamente nada.

Mas o resto de nós têm muito a perder. Então, cortem essa, faisfavô. E mais respeito com o mulheril que não está fazendo nada que vocês mesmos não adoram fazer (ou não ADORARIAM fazer, o que me parece ser mais o caso aqui).

E não me venham com essa desculpa enojante de “mas quide é assim que a sociedade vê as coisas e…” Não venha culpar a sociedade pelas suas idiotices. TODOS nós vivemos em sociedade e nem por isso esse tipo de preconceito é justificável; especialmente quando esse preconceito faz as mulheres terem MEDO de admitir que gostam de sexo, sob a punição de serem taxadas de vagabundas. Porra, o que demônios tem uma coisa a ver com a outra, seus infelizes? Me diz uma coisa – vocês acham que as excelentíssimas mãezinhas de vocês não gostavam da dança horizontal, e que vocês estão aqui pelo milagre da concepção imaculada? mermão, alguns de vocês apenas têm a sorte de que há vinte anos atrás, filmadoras digitais e celulares com câmeras não existiam, ou alguns de vocês se surpreenderiam com as coisas que vossas progenitoras devem ter feito na sua juventude.

Estou xingando a mãe de vocês, dizendo que elas eram promíscuas? Não. Estou dizendo que elas eram HUMANAS, e como HUMANAS, gostavam de foder. O prazer advindo do sexo é nada senão um mecanismo evolucionário que garante que os animais continuarão trepando e perpetuando a espécie.

E definitivamente não há nada de errado com isso.

Mas eu reitero – trepar em água do mar é uma parada nojenta. Aliás, se vocês querem saber de verdade, trepar na água é uma merda e a única vantagem proveniente da experiência é poder dizer pros amigos que ainda não fizeram isso e pensarão que é um negócio bacana.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Geral

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)