Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Postado em 17 January 2007 Escrito por Izzy Nobre 4 Comentários

Conforme crescemos e desenvolvemos uma personalidade própria, de vez em quando temos a oportunidade de nos deparar com situações que, no passado, interpretamos exclusivamente com base na opinião dos nossos pais e outras figuras de autoridade. A mesma situação nos dias de hoje resulta numa conclusão totalmente diferente.

A frase tá um pouquinho enevoada mas já parto pro exemplo prático. Na próxima linha, aliás.

Em meados de 1995, estourou na mídia jornalística (mais especificamente, na Globo) o escândalo da Igreja Universal. As reportagens e as imagens exclusivas deixavam bastante claro a verdadeira missão da Igreja Universal e dos seus líderes – que era “separar os fiéis de seu dinheiro, de preferência da maior quantidade de dinheiro possível, no menor período de tempo concebível”. A polêmica chocou a comunidade evangélica nacional, separando-a em dois grupos – os que se convenceram com as acusações contra a dirigência da congregação e desertaram, e os que confiavam incondicionalmente na integridade dos seus líderes, e que estavam firmemente convencidos de que a campanha contra a IURD era senão uma demonstração da “mão do Inimigo”.

Existe uma corrente de pensamento cristão que vê o diabo como um ser interdimensional dotado de uma mão imensa que, talvez por falta de algo melhor pra ocupar seu tempo, ele costumeiramente coloca sobre os “homens de Deus”. Os efeitos da mão satânica são registrados no nosso mundo visível como um padre requisitando um boquetinho de um coroinha, ou um pastor se evandido pro exterior com algumas centenas de dólares não-declarados escondidos numa bíblia. Esse dogma praticamente isenta o acusado de qualquer responsabilidade, e vê por trás da ralidade aparente uma “guerra espiritual” que tem como vítimas os homens santos; pobres vítimas das circunstâncias inevitáveis.

Meus pais eram líderes de uma igreja em Fortaleza quando o escândalo estourou. Por estarem profundamente envolvidos com a liderança religiosa, eles sabiam exatamente o tipo de coisa que rolava por baixo dos panos e longe dos olhos dos fiéis. Pra eles e muitos como eles, o incidente serviu pra abrir os olhos da comunidade cristã em geral, que frequentemente vê líderes religiosos como ícones de fé comparáveis ao Pontífice Católico.

Porém, o pensamento dos meus pais era a visão da minoria. A esmagadora maioria do público cristão brasileiro viu nas acusações da Rede Globo uma espécie de perseguição religiosa, e o debate era constante absoluta nos bate bocas dentro de igrejas. Era praticamente unânime que uma “batalha espiritual contra o povo de Deus” estava em efeito, e muitos interpretaram a confusão como uma reprise da perseguição cristã nos tempos do Império Romano. Como se veicular a descoberta de atividades ilícitas de um líder religioso cuja integridade já era duvidosa há anos fosse equivalente a jogar famílias de cristãos aos leões no Coliseu.

Acho que o problema é que as acusações são lógicas e diretas demais pra gente que tá acostumada a acreditar em coisas que não se vêem e que não fazem muito sentido. Na mente de um fiel, a teoria de que todas as ameaças são absolutamente infundadas e se materializaram espontaneamente do éter, talvez arquitetadas por Lúcifer com a única finalidade de atacar homens íntegros e honestos não é totalmente inconcebível.

Mais de dez anos depois, a história de repete, mas com diferentes protagonistas. Como todo mundo aí no Brasil tá sabendo, Os auto-declarados “Apóstolo” e “Bispa” Hernandez – nomes relativamente desconhecidos pro público em geral mas bastante familiares pra quem cresceu no meio evangélico – foram cercados por acusações de atividades ilícitas envolvendo dinheiro (o que mais?), tiveram prisão preventiva decretada pela Justiça, e tentaram escafeder-se pro exterior, apenas pra serem presos lá fora e complicar mais o Judiciário tupiniquim, que agora tem que solicitar uma extradição pros caras.

Enquanto isso a Bispa e o Apóstolo ficam lá no xilindró gringo, sendo sustentados pelo dinheiro de taxpayers americanos e defendidos por mongolóides brazucas. Mamando nas tetas do governo e com uma legião de fãs?! Os caras tão vivendo o sonho brasileiro.


Não sei se sinto pena que alguém tão burro conseguiu ser explorado tão violentamente sem levantar a mínima suspeita mesmo diante de provas irrefutáveis, ou se me sinto feliz em
saber que os imbecis estão cumprindo sua sina.

O cara acima não é apenas um pobre ignorante cuja fé transformaram em cegueira; ele é também um ignóbil que não faz a menor idéia de como a lei, ou o mundo real, funciona.

Dando uma olhada rápida nos argumentos das comunidades da Igreja Renascer (existe uma porrada), dá pra ver que os crentes tão se dividindo, novamente, em dois grupos. O argumento da parcela “inteligente” rebate as denúncias do ministério público citando outros casos de corrupção, que não apenas comparam os amados líderes a políticos desonestos como basicamente alegam que se já existe roubo mesmo, o mesmo roubo em nome de Jesus é de alguma forma mais aceitável. A parcela realmente burra vai mais longe e se propõe a mandar emails pro STF explicando que um dia eles estavam com dor de cabeça mas aí deixaram uma oferta de 10 reais no culto de domingo, oraram em línguas e em seguida tomaram um Tylenol, e em apenas oito horas o Senhor então operou um milagre e curou a dor de cabeça deles.

Tou só esperando os outros argumentos clássicos de fieis defendendo seus líderes:

Outros personagens bíblicos também foram presos (Porque ser perseguido por participar de um culto declarado proibido pelo governo romano é o mesmo que ser acusado de sonegação fiscal e lavagem de dinheiro)
É a perseguição de Satanás, eles não têm absolutamente culpa nenhuma. Bode expiatório FTW,
Um dia eu orei pedindo que Deus me ajudasse e alguém me ofereceu uma carona pro trabalho, logicamente o Apóstolo e a Bispa devem ser honestos.
E por aí vai.

Ahhh, cristãos. Eu queria não tocar mais nesse assunto mas vocês são idiotas demais pra deixar passar batido.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Geral

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

4 Comentários \o/

  1. Priscila says:

    Óbviamente, esperto e bem instruído na vida é você…que pena que só agora li esse comentário infeliz em seu blog sobre a Renascer e os evangélicos. Da fé alheia não se zomba meu querido,seu site é de acesso livre, pense nas suas palavras antes de publicá-las.

  2. Eric says:

    Priscila:

    Óbviamente, esperto e bem instruído na vida é você…que pena que só agora li esse comentário infeliz em seu blog sobre a Renascer e os evangélicos. Da fé alheia não se zomba meu querido,seu site é de acesso livre, pense nas suas palavras antes de publicá-las.
    June 1st, 2009 | 5:41 pm

    [/]Quer dizer que o rapaz não pode ter uma opinião diferente da sua? Quer dizer que todos são obrigados a concordar que esses lixos citados são santos e que a palavra divina de vocês é de fato um poço de fantasia, coisas abstratas e sem o menor sentido?

    Você chegou aqui ejaculando palavras quaisquer mas não lançou um argumento.

    Agora corra lá, continue acreditando em entidades abstratas e continue de olhos fechados para a verdade, o espaço que sua ignorância deixa na sociedade é um espaço conquistado por uma pessoa capacitada.

  3. Vinny says:

    Sem contar que, caso a salsinha de cristo tivesse lido o About do Kid (eu sei, é pedir demais), teria visto que o pai dele é PASTOR. Ou seja: ele fala com conhecimento de causa.

  4. MattSimonato says:

    @Priscila

    Na sua porra do seu site você escreve o que você quiser.

    Não leia mais os textos se não gostou.

    Abs.