Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Postado em 5 February 2007 Escrito por Izzy Nobre 0 Comentários

Seguinte molecadinha.

Ultimamente eu tive bastante relapso, admito. Tanto que nem contei pra vocês como tem sido a adaptação na nova cidade e coisa e tal. Culpo parcialmente o meu Xbox 360 – mais especificamente, Gears of War -, que tem roubado todo meu tempo livre. E tá legal, eu tou tendo tempo livre PRA CARALHO, mas é filhadaputamente difícil se concentrar em produzir textos quando você tem um jogo target=”new”>desses ao alcance.

Mas então. Estou em Calgary, uma das maiores (ou a maior; tou com preguiça de checar na wikipedia) cidades da província, há mais ou menos dois meses já. Nesse tempo já conheci uma boa parte da cidade, me encontrei com usuários de fóruns gringos que eu frequento, e já fiz até alguns amigos brasileiros aqui no bairro. Semana passada a minha namorada finalmente chegou na cidade, tornando minha extensa coleção de mais de 40gb de pornografia virtualmente inútil. Agora tou com espaço de sobra pra instalar aqueles jogos que eu sempre queria.

Sobre a cidade? Bom, é um lugar infinitamente melhor de se morar do que a cidade anterior, Oshawa. Calgary tem mais de um cinema, um shopping (ou melhor, vários) com mais de dois andares e o centro da cidade não se resume a uma avenida e quatro prédios de cinco andares, o que é uma mudança deveras agradável. O tamanho da cidade me obrigou a dominar o sistema de transporte público, que é bem eficiente e porra, quem não gosta de andar de trem? A temperatura média ainda é bastante baixa, mas já já o inverno passa e a gente poderá aproveitar melhor as opções que a cidade oferece. Não que eu esteja passando esse tempo todo enfurnado dentro de casa; nessa semana que a namorada esteve aqui sai pra cinco bares, assisti dois filminhos (mas eram bons – Blood Diamond e Smokin’ Aces*), ou seja, nada de resenha) e minha conta bancária fechou em baixa de 70 dólares. como ainda estou VAGABUNDANDO ALOPRADAMENTE, ou seja, sem nenhuma renda, nos próximos dias ficarei em casa mesmo, economizando meus últimos dinheiros pra quando Settlers DS finalmente sair.

Falando em economizar dinheiro e outras coisas sérias de relevância similar, esta última semana de “vida de casado” me deu muitos insights. Eu e a Patroa mal começamos a dividir uma cama, e um monte de coisa já começou a mudar. Por exemplo, minha antiga incapacidade de peidar nos arredores da namorada desapareceu por completo, e foi substituída por uma muito mais alegre satisfação em arrancar da amada uma careta de desgosto e asco. Se antes eu chegava ao ponto de sofrar de desconfortos estomacais por me auto-impedir de peidar num raio de 10 quarteirões de distância da namorada (um mal que era intensificado em períodos em que a convivência aumentava, como uma viagem juntos), me surpreendi na outra noite pensando em formas de expelir gases de forma mais eficiente. Andei até mesmo arriscando a arte do dutch oven, que consiste em atacar o parceiro de surpresa peidando embaixo de um cobertor e em seguida puxando-o por cima da cabeça do(a) infeliz, capturando-o em uma atmosfera de odor anal. Descobri que dutch oven é um esporte sem contra indicações que pode até mesmo aumentar o romance e o mistério entre o casal. A namorada, que já aliviava seus gases perto de mim mas de forma bem mais discreta e reservada, está bastante feliz com a nova liberdade de peidar indiscriminadamente no que antes seria considerado um momento “inoportuno”, como quando estou jogando videogame ou durante o café da manhã. O diálogo “você peidou?!”, “eu não”, “ah, então fui eu mesmo” é um dos maiores prazeres que um casal pode experimentar juntos, perdendo apenas pra jogar Strip Virtua Fighter.

Estar 24 horas por dia a menos de 10 metros de distância um do outro me deu muitas outras liberdades. Por exemplo, agora posso sentar na frente do computador e ler trivias do IMDB, resenhas de jogos ou tirinhas do PBF por horas a fio sem me sentir como se eu estivesse negligenciando a companheira. Afinal de contas, porra, eu estou com ela O TEMPO TODO. Não existe mais tempo a se perder, e o que outrora seriam momentos em que passamos longe um do outro, estão sendo agora substituídos por atividades individuais como mastigar as unhas do dedão do pé (eu), ou ligar pra irmã chorando a respeito do hábito de mastigar unhas do dedão do pé (ela).


A namorada, andando como um pinguim na calçada congelada na frente de casa. Não me pergunte por que.

Montei um bloguezinho pra patroa postar fotos, vídeos e gifs animados como este acima, pra que os familiares e amigos lá na roça possam se inteirar sobre o que a loirinha anda fazendo por estas bandas. Me sinto tentado a pôr o endereço aqui, até porque preciso de alguém mais experiente em design do que eu pra criar um layout melhor praquela parada, mas acho que já chega de tanto expôr minha vida pessoal na interwebs. Orkut, blog, fórum e Flickr bastam.

E eu me sinto muito infeliz por ter meio que perdido o ânimo pra escrever. Postar diariamente no blog foi uma parte da minha vida por anos a fio, e por mais que eu tenha outras atividades mais prazerosas pra me ocupar no momento (como assistir a namorada lavando calcinhas ou arrumar a colcha da cama após ela pedir pra que eu arrume a colcha da cama trinta vezes enquanto eu apenas dizia “já vai, amor” mas continuava com os olhos grudados na TV ou computador até que ela abrisse o berreiro e ameaçasse jogar suco de laranja no meu Xbox 360), eu realmente sinto falta de postar no HBD. E eu comentei com a namorada sobre isso, aliás. Inclusive, este texto vem até você cortesia da minha canadense, que vigiava minha atividade no computador e me dava um puxão de orelha sempre que eu minimizava o notepad pra ver algum vídeo engraçado no YouTube envolvendo alguém caindo de bicicleta dentro de uma piscina ou talvez um garoto alemão berrando em frustração diante de um computador.

*Um dos personagens se chama Israel. Recomendo o filme.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Geral

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)