Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Postado em 15 April 2007 Escrito por Izzy Nobre 4 Comentários

 

Rapidinhas
– Passei os últimos cinco dias jogando Guitar Hero 2 em praticamente todos os momentos livres que minha atarefada agenda tem permitido. Após mais de dez anos usando computadores com frequência superior à de atividades de asseios pessoal e ter sobrevivido uma puderdade frustada pela combinação de falta de garotas dispostas a dar pra mim + um poster gigante das Spice Girls atrás da porta do meu quarto, eu finalmente entendo o que Lesão por Esforço Repetitivo significa. Guitar Hero 2 e o controle em forma de guitarra têm causado mais danos aos meus pulsos do que cinquenta posters da Ginger Spice de calcinha poderiam ter causado. E eu ainda não consigo tirar 5 estrelas em Sweet Child of Mine no Hard. Sefudê.

 

– Parece que a Harmonix e a RedOctane (os fazedores da série Guitar Hero) já estão disponibilizando músicas extras pro Guitar Hero 2 na Xbox Live. Acontece que gamer brasileiro acha um ABSURDO ter que realmente desembolsar dinheiro pra arcar com custos de entretenimento, o clima em blogs e fóruns gamísticos internet a fora é de puro ódio e desprezo pela estratégia da empresa. Onde já se viu uma compania cobrar por um conteúdo adicional que prolonga a vida de um jogo?! Onde esse mundo vai parar?!

– Idem com Gears of War. A Epic prometeu no começo que todo o conteúdo adicional de GoW seria gratuito, mas a Microsoft pelo jeito estava cruzando os dedos atrás das costas na hora e resolveu dar pra trás. Os novos mapas serão quatro e dificilmente custarão mais de dez dólares, mas pedir que um gamer brasileiro abra mão da mesadinha que a mamãe deu semana passada em troca de mais diversão é o equivalente a solicitar que um judeu esfaqueie a própria mãe no olho com uma faca em forma de uma suástica enquanto mastiga um pedaço de bacon e rasga uma nota de cinquenta reais. De repente parece que todo virgem de quinze anos que posta no UOL Jogos ou na OuterSpace descobriu que a indústria videogamística é uma indústria como qualquer outra e está na jogada pelos lucros! Como assim, empresas investem milhões de dólares, empregam centenas de profissionais e gerenciam a produção de um jogo por meses com o intuito de faz
er dinheiro?! Inadmissível!

– Como todo bom nerd elitista como muitos de vocês, eu esnobei o iPod em diversas ocasiões diferentes. Quando meu pai comprou um iPod Photo uns dois anos atrás, eu inventava milhões de motivos diferentes pra continuar considerando meus Palms como mp3 superiores. Quando minha namorada ganhou um iPod Nano de Natal, eu traçava milhões de comparações pra concordar comigo mesmo que o meu PSP executava as funções de um iPod e ia além disso, me permitindo jogar Super Mario Kart na privada. Aí meu irmão comprou um iPod Nano de um amigo de trabalho, e eu comecei a perceber que resistir à Apple é infrutífero. Combinado ao fato de que LITERALMENTE TODOS OS MEUS COMPANHEIROS DE TRABALHO TÊM IPOD VIDEOS, eu não resisti à tentação.

 


E eu devo dizer que não estou 100% satisfeito. A interação com o iTunes é intuitiva até um certo ponto, mas isso pro Usuário Comum Retardado Gringo, que muitas vezes não sabe que você pode usar o comando Ctrl + C pra copiar arquivos de uma pasta pra outra. Pra quem estava até agora acostumado a gerenciar o conteúdo de seus gadgets usando Drag n Drop, o iTunes meio que parece confuso E desnecessário.

O que eu achei bastante prático no programinha é o fato de que ele facilita o trabalho de quem gosta de assistir podcasts/vidcasts. Se antes eu tinha que torrentear os episódios, converter pro formato reconhecível pelo palm ou PSP, converter mais uma vez ou editar a duração do vídeo pra tentar reduzir o tamanho do arquivo, agora eu simplesmente digito o nome do vídeo desejado e baixo pro iPod.

A tela consideravelmente pequena, o que eu via como um empecilho pra compra do aparelho, é um excelente exemplo de como as aparências enganam. You see, eu tenho aparelhos com telas grandes, mas isso nem sempre significa uma coisa boa. Vídeos com resolução baixa (um pre-requisito quando o máximo espaço que você tem é 4gb, no caso do meu PSP) ficam ainda piores quando exibidos numa tela grande. Isso sem contar que quanto maior a tela, maior será o consumo de energia durante playback. Já baixei uma porrada de episódios de Ask A Ninja, Strong Bad Email e outros populares e-seriados, e a telinha pequena deixa os vídeos com DVD-like quality. Nada mau pra um troço que me custou apenas 200 dólares. Quem consegue resistir liquidações?

– Um negócio curioso que eu notei com a compra do iPod é que agora FINALMENTE eu tenho um gadget pra cada uso específico. Quando comprei meu Palm, eu via nele o potencial de computador de bolso, mp3 player e console portátil (graças à emulação e tudo mais). Acontece que o hardware do palm não foi projetado especificamente pra esses usos, então ele consegue fazer tudo que eu quero, mas a experiência é meio insatisfatória. Aí eu comprei um PSP, transferi os vídeos e jogatina pra ele, e deixei o palm apenas pra tocar mp3 ou acessar a internet (algo que o PSP também faz, mas o tamanho dele e a falta de uma touch screen torna a experiência levemente incômoda). Com a compra do iPod, o palm volta a ser um PDA, o PSP volta a ser um console, e agora eu tenho algo que se encaixa no meio termo – o iPod não faz tudo que o palm e o PSP fazem, mas é confortável, tem boa bateria, e espaço de sobra. Procê ter uma idéia, minha coleção de mp3 inteira (incluindo várias músicas que eu nem ouço mais e/ou nunca gostei mesmo) ocupou menos de 6 gigas do hard drive do iPod. O resto eu vou encher com filmes/podcasts/vidcasts.

– Após pesquisar muito com a mulherada do trabalho, finalmente criei coragem pra desembolsar um dinheirinho pra cortar meu cabelo. Essa é a primeira vez que cortei meu cabelo desde que cheguei no Canadá. A mulezinha lá do salão deu um monte de opção, eu escolhi algo que mudaria minha aparência mas que ao mesmo tempo me permitia manter maior parte da minha cabeleira. Afinal de contas, como eu poderia jogar Guitar Hero sem cabelo comprido? Isso ia atrapalhar toda a física do meu headbanging. Eu teria que traçar complicadas equações quadráticas apenas pra contrabalancear a falta da juba e corrigir a batida de cabeça. Não valeria a pena. Então a mulé cortou minha gloriosa cabeleira, aplicou um estilo meio Bon-Jovi-cearense e me convenceu a tingir de vermelho. Ok, mentira, eu que quero tingir mesmo. Lembrando novamente que bicha é aquele viado do seu pai.

– A propósito, seja lá quem disse que dinheiro não tráz felicidade é um imbecil. Imbecil pobre, provavelmente.

– Churrasquinho + Futebol + Guitar Hero + Magic hoje com a turma do trabalho, mas logo que essa porra acabar, tentarei sentar a bunda na cadeira e não levantar até escrever um longo dossiê sobre as putarias que acontecem no trabalho, completo com vídeos e fotos. Só pra deixar vocês morrendo de curiosidade, semana passada eu (sem querer) provoquei a ira de uma freguesa cega. Tracem hipóteses aí nos comentários e talvez hoje à noite eu explico.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Geral

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

4 Comentários \o/

  1. izzynobre says:

    Minha resenha do meu primeiro ipod ever http://hbdia.com/wordpress/2007/04/15/712/ eu era apple hater total, notem

  2. RT: @izzynobre: Minha resenha do meu primeiro ipod ever http://hbdia.com/wordpress/2007/04/15/712/ eu era apple hater total, notem

  3. Carol says:

    como a vida dá voltas!

  4. Leone says:

    Como a vida dá voltas[2]