Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Minha primeira "suspensão": Conclusão

Postado em 20 May 2011 Escrito por Izzy Nobre 138 Comentários

No último capítulo, a aventura terminou assim:

E além disso, eu continua pensando — quanto estrago essa criançada pode ter realmente causado em míseros 5 segundos? Por maior que fosse a fúria anarquista daquela cambada de crianças de classe média, não é como se eles tivessem destruído a sala completamente, né?

Acalentado por este pensamento, fui dormir naquele dia.

Na tarde seguinte, ao entrar na sala de aula, eu percebi o quão errado eu estava.

Então. Como expliquei, a sala virou um total pandemônio quando apaguei a luz. Eu já estava no meio da minha fuga e por isso não pude testemunhar por mim mesmo a destruição que a galera tocou. Apesar de ter ficado assustado com o barulho vindo da sala, ao fim do dia decidi que não era possível que uma cambada de pivete de 13-14 anos tivesse de fato causado tanto estrago assim.

Aliás, acho que a sala não ficou no escuro nem 5 segundos inteiros; parece muito tempo.

E, além disso, eu me evadi da escola antes que fosse possível lavrar o flagrante. Embora este raciocínio fosse falho (afinal, seria mais lógico que o sujeito que apagou a luz estava entre os primeiros a correr pra fora da sala, e neste caso ser um dos poucos que fugiu da escola apressadamente testemunhava CONTRA mim), por ora ele me acalmava.

Nunca vão descobrir que fui eu“, eu pensava. Oh, a inocência!

No dia seguinte, no pátio da escola antes de entrar pras aulas, a turma estava estranhamente silenciosa sobre o ocorrido no dia anterior. As rodinhas de conversa abordavam todos os assuntos triviais (quem da turma havia ganhado um tamagotchi nessa semana, o fato de que o amigo do primo do vizinho de um dos garotos tinha conseguido soltar o lendário combo de 99 hits do Sub Zero, e por aí vai), mas ninguém falava muito sobre o que aconteceu na noite anterior.

Aliás, eu não lembro de ninguém falar NADA. Era estranho que algo tão fora do comum tivesse acontecido há menos de 24 horas, mas ninguém estava discutindo o evento. Estariam eles evitando o assunto propositalmente? Ou a confusão não foi tão séria quanto eu imaginava — e por isso o desinteresse — ou a turma também estava apreensiva e preferia não tocar no assunto.

É bem coisa de criança isso, evitar mencionar um assunto que você sabe que pode resultar em merda pro seu lado. Lembro que de vez em quando na minha infância, meu pai estava chateado comigo na magnitude propícia para uma surra — só que às vezes isso acontecia quando não estávamos em casa. O castigo foi prometido, mas havia uma leve chance de que o velho esquecesse que tava com raiva no caminho pra casa.

Então eu voltava no carro no maior silêncio do mundo, com medo de que qualquer assunto que eu puxasse tivesse sete ou menos graus de separação com o motivo que deixou meu pai com raiva. Se ele esquecesse que prometeu uma surra, eu sairia ileso.

E era essa a impressão que eu tinha naquela tarde, no pátio da escola. Algo incrível aconteceu na noite anterior e ninguém parecia interessado em comentar o assunto. Estaria todo mundo tão preocupado quanto eu? É bem possível. Esse pensamento me confortou. “Se eu me foder, não me foderei sozinho, pelo jeito!”

Eu tava morrendo de curiosidade pra descobrir o que tinha rolado na sala, mas concluir que exibir tal interesse (especialmente quando o resto da turma parecia estar despreocupada ou tentando evitar o assunto) era dar mole. Fiquei na minha.

Bate o sinal e a gente entra na sala.

A primeira vista, notei que haviam menos cadeiras na sala. E algumas delas não eram as carteiras que estávamos acostumados — as nossas carteiras tinham acabamento liso, de fórmica azul.

Acho que era fórmica, sei lá. Eu lá tenho cara de quem entende de madeira? Era um acabamento envernizado azul. Era exatamente assim, só:

 

Só que azul

Então, várias carteiras estavam faltando, e em seu lugar haviam modelos mais antigos, de madeira marrom. Aliás, não haviam partes de metal na carteira: eram inteiramente de madeira, e davam a impressão de ser bem velhas e pesadas.

E quase todas as carteiras “novas” estavam no fundo da sala.

O cérebro engrenou enquanto eu me dirigia ao meu assento. Sem dúvida, no meio da bagunça a molecada mais TERRORISTA deu um jeito de quebrar algumas carteiras. Como eles deram um jeito de fazer isso em tão pouco tempo é difícil de entender, mas não havia dúvidas. Aquelas cadeiras marrons velhas, que destoavam completamente o visual da sala, eram o testemunho do real potencial de uma cambada de pivete no escuro.

Duas janelas estavam estilhaçadas, também. Alguns riram do estado da sala, e finalmente começaram a comentar os acontecimentos do dia anterior, mas eu me tornava cada vez mais preocupado. Por mais que eu não tivesse tido parte ativa na destruição dela, no meu íntimo eu sabia que o engraçadinho que apagou a luz acabaria como bode expiatório.

Nisso já estávamos todos sentados nas carteiras, naquela algazarra comum de sala sem a presença da professora. A primeira aula do dia seria justamente da Cibele, de biologia.

Aí eu notei que um dos ventiladores da sala, o do lado esquerdo (o que ficava mais longe de mim) havia sumido. Não dei muita importância ao fato.

Percebi também a ausência de ambos o Hugo e o Thiago “Cambota”, os bullies oficiais da nossa sala, que sentavam lado a lado no fundão. Aliás, o fato de que o mapa da sala não separou os dois nem os trouxe à frente da sala provava o quão sem moral era o sistema lá no Colégio Adventista.

Caso você esteja curioso, o Thiago Cambota foi apelidado de tal forma por ter pernas arqueadas; talvez “cambota” seja um termo cearense/nordestino pra esse defeito, não sei.

Basta imaginar o personagem que acabou virando o outro apelido dele (“Tommy dos Anjinhos”) pra entender a figura.

Ai daquele que se atrevesse a chamar o Thiago de Cambota ou Tommy, aliás. Era capaz de voltar pra casa sem as calças, que teriam como local de descanso final o telhado da escola. Sim, isso aconteceu uma vez. Coitado do Ricardo.

Os bullies da sala mediam forças chamando uns aos outros de apelidos indesejados perante a sala inteira, numa disputa de virilidade que remete aos documentários da Discovery com alces se atracando ou pavões arreganhando o rabo pra impressionar as fêmas com a sua plumagem. Uma demonstração de masculinidade e tal.

Entretanto, pra nós reles mortais, esses apelidos aloprativos dos bullies eram estritamente proibidos. Usávamos pra nos referir a eles apenas quando rodeados de colegas de confiança. Se chegasse aos ouvidos do Thiago que você o chamou de Cambota, é capaz da surra ser ainda maior pela suposta covardia do ato (afinal, você teria falado “pelas costas”).

Já que estamos entrando nesse assunto, vale lembrar que melhor que os apelidos jocosos era o clássico “filho da Fulana”. A identidade da mãe era um segredo guardado a sete chaves naquela época; se alguém descobrisse o nome da sua mãe (geralmente roubando os nossos boletins e lendo a área que menciona a nossa afiliação), jamais te chamariam pela sua graça novamente. Dali em diante você seria eternamente “Fí da Fulana”.

Aliás, mais um parêntese: O Hugo era tão filho da puta que, uma vez, ele interceptou uma troca de cartuchos de SNES que eu fazia com o Luciano. Ele simplesmente se meteu na conversa, catou a minha fita de Super Star Wars the Return of the Jedi, e não devolveu por MESES. Achei até que tava perdida pra sempre.

E, de panaca que eu era, demorei meses pra finalmente reclamar com a diretoria e reaver o cartucho.

Então, voltando à história. O Thiago e o Hugo, dois bullies que a gente nunca sabia se eram amigos ou se odiavam (tão acirrada era a sua competição pela posição de macho alfa da sala) haviam faltado a aula.

Perguntei ao Norman — acho que o nome dele era Leandro, mas a gente só chamava ele de Norman, em referência a um filme qualquer que eu nunca assisti e por isso não entendi a correlação — e ele falou que eles foram “suspensos ontem”. Aparentemente, na confusão do escuro da sala, ambos começaram a se estranhar e acabaram saindo no braço. Quem espancou quem seria um debate pra toda a eternidade, e a resposta ia depender de quem estava contando a história (Team Hugo ou Team Cambota).

Engoli em seco. Pelo jeito a brincadeira do dia anterior já começara a ter casualidades. Duas suspensões até agora.

Comecei a rabiscar o caderno pra ocupar a mente. Todo mundo já sentado nas suas carteiras, esperando a professora.

Cinco minutos do começo da aula e nada da mulher aparecer.

Dez minutos e nada.

QUINZE minutos se passam e nenhum professor na nossa sala ainda. Neste momento a baderna aquiesceu um pouco, porque até a meninada começava a se preocupar.

Nisso entra Chiquinho, nosso professor de matemática. Ele era um cara até gente boa, muito inteligente, mas por namorar (ou ser noivo, sei lá) da Socorro — a cordenadora do colégio, que tinha hilários 1,45m de altura — ele se achava coordenador por associação. Volta e meia tava dando voltar pelo pátio durante o recreio pra admoestar os brincalhões e tal. Tivesse eu naquela época a mentalidade de hoje, teria falado pro cara que a posição de coordenadora de uma escola não é que nem herpes — você não pega por comer alguém que já tinha.

O Chiquinho, severo, explica pra gente que a ausência da Cibele se devia pelo fato de que, na noite anterior, ALGUÉM (ele deu uma ênfase quase teatral no ALGUÉM) havia apagado a luz da sala, e como resultado a turma tocou o terror e a professora acabou sendo machucada por uma cadeira voadora.

Yep. ALGUÉM JOGOU UMA CADEIRA NA PROFESSORA. E não é que o machucado fosse tão grave que ela não podia trabalhar — ela simplesmente resolveu não ir pra escola, e talvez nunca mais voltasse.

O Chiquinho explicou também que foram cadeiras voadoras que derrubaram o ventilador esquerdo e quebraram as vidraças, e que as cadeiras feionas eram pra substituir as cadeiras quebradas durante a baderna.

Ele desfiou uma ladainha chatíssima e cheia das lições de moral que nós bagunceiros dos tempos de escola tavam cansados de ouvir — que estudar numa escola particular era um privilégio, que estávamos agindo como gente sem educação, blá blá blá.

Por incrível que pareça, o papo dele me acalmou. Em nenhum momento ele fez menção de punição por causa do acontecido. Achei que ia ser só aquilo mesmo — suspensão dos brigões, bronca por causa dos danos à propriedade da escola, e uma aula substituta de matemática enquanto a Cibele decidia se queria ou não continuar dando aula no colégio.

Escapei“, pensei comigo. “No final das contas não deu em nada — pra mim, isso é. Fodam-se o Cambota e o Hugo.

Nisso o Chiquinho cansa de dar lição de moral e começa a aula. Até hoje ainda lembro do assunto da aula: DIVISÃO DE POLINÔMIOS. Não era o meu forte, mas eu tava me sentindo tão aliviado com o desfecho da estripulia que resolvi me esforçar pra entender o material.

E aí aparece a Socorro na porta da nossa sala. Meu sangue congelou no ato. Lendo uma folha que ela trazia na mão, ela chamou 5 nomes. Os alunos chamados seguiram-na até a coordenação, e só retornaram depois de uma meia hora — a aula do Chiquinho já estava quase acabando.

Perguntei à Mara (que era uma gostosíssima, eu nunca perdia uma oportunidade de falar com ela) qual era o lance.

“Ah, eles nos fizeram umas perguntas lá. Queriam saber quem apagou a luz ontem”.

Senti a espinha esfriar. Pro meu horror, pelo jeito eles iriam investigar a história a fundo.

E estavam atrás da pessoa que apagou a luz.

(Opa, falei que era a conclusão, né? Na verdade, foi erro de digitação. O texto continua amanhã)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Geral, Minha infância

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

138 Comentários \o/

  1. Slayd says:

    AAAAA kid filodamae!!!

    • RaphaGavino says:

      Kid filho da puta.

      E APRENDI DIVISÃO DE POLINOMIOS ONTEM (20 de maio AUEHEA)

      • kingoflimbs36 says:

        Izzy fdp,termine a história.

        • Eric Draven says:

          É por isso que eu acho errado tomar as informações que te dizem sempre como verdade em vez de mentiras.

          Todos os que leram o título com o nome de conclusão e acharam que a história ia terminar nesse post criaram expectativas e se foderam XD

          Boa izzy (Y)

  2. @kaduvrp says:

    FILHO! DUMA! MÃE!

    Mancada isso já Kid, puta merda hahahaha!

    Mas tá foda, PROSSIGA NISSO!

  3. neendj says:

    ufaaa que post foda hein!finalmente o kid d bengola terminou essa porra ñ aguentava mais le essa merda, estou saturado,mais valeu apena eu perde meu tempo lendo suas trollagens juvinis,e a historia do tapete que foi trollado por vc?essa ainda quero ver…

  4. Pedro S. says:

    Agora que já sei o que aconteceu com a professora não preciso mais ficar ansioso pelo fim da história. Forte abraço, kid.

  5. neendj says:

    filhodumaputa termina lógo essa merda de post caralho

  6. Trovalds says:

    Tá faltando pageviews kid? Essa história já tá se arrastando demais!

  7. T. says:

    O texto tá legal, mas tá muito repetitivo. Não sei se vc esta fazendo isso pra “encher linguica” e estende-lo e dividi-lo em mais partes ou se é inconscientemente. Tente evitar isso na próxima parte. Fora isso, o texto está muito bacana.

    Abçs

  8. Dáphini says:

    AAAAAAAAAAAHHHHH assim não dá né .. ¬¬’

  9. Guilherme says:

    falta de assunto pro site da nisso… fica esticando ate encontrar outra coisa pra falar.

  10. Darox says:

    eta ladainha heheh

  11. fulano says:

    Kid fail. Agora todo mundo ja sabe o fim da história, ja contou o que aconteceu na sala. Agora só te resta escrever “Investigaram a porra toda, descobriram que fui eu, mas no final me dei bem. Fui premiado com n dias em casa.”

  12. solange says:

    Isso tá pior que novela mexicana. Daqui a pouco aparece alguem fazendo um desenho animado desta saga.

  13. Leandor says:

    Como diria o ilustríssimo leitor CCC: Kid viado, vai morrer de tantos continues para uma história de trollagem juvenil.

    HAHA

  14. sandro says:

    Fiiiiilha!

    Acaba logo!

  15. andré godoy says:

    beeeem kid, bem na hora de virar super sayajin vc encerra o programa, e o pior é que nem fala q vai rolar amanhã. mas ta bom

  16. Lyric says:

    Pqp seu morto de fome. Tentando ganhar mais dinheiro com o AdSense?

  17. Thiago says:

    filhodumaputa termina lógo essa merda de post caralho [2]

  18. leo says:

    haha, sabia que ia rolar isso, só lerei quando eu ver que é a ultima parte..

  19. Querido Kid: favor morrer de tanto “continua amanhã” no cu.

    E eu não sei porque eu acredito em você. Acho que eu me auto-trollo ou coisa do tipo. 😛

    Daqui a duas semanas eu volto quando você tiver terminado de contar a história e toda a árvore genealógica da hieararquia social inteira da sua escola.

    Abs!

  20. Não que eu não curta a história. Está supimpa. Mas tá se arrastando mais do que lesma em piso anti-derrapante.

    Abs de novo!

  21. Little Sweet says:

    Aaaaah Kid ! Não faz isso,camarada .

  22. Eduardo says:

    mas puta merda, que espécie de alunos de reformatório eram vocês, que com 5 segundos sem luz jogam CADEIRAS nas pessoas ?

  23. Kid féla!! Pelo menos já sei o que rolou cOm a pobre da professora, e já adivinho por dedução o que ocorreu com tu, já que tive um caso de vandalismo parecido na minha escola (nem de longe tão grave, haha), e ao que me parece, me fodi numa seqüência similar de eventos …

    Agora termina essa budega logo, caralio!

  24. ismael_RJ says:

    Nossa, seu curso de cinema já começou?

    Ou tá usando esses putos que leem seu site como cobaias de um mega projeto pra ficar milionario nos longas de suspense a lá Pânico??

    “hello, Sidney!”

    ps: azul é diferente de branco, realmente…

  25. talita says:

    é, dessa vez li o final pra ver se terminava mesmo. nem vo ler até concluir de verdade =D

  26. Blanco says:

    Melhor de tudo foi o comentario do neendj, saudando pelo término do post, falando que tava cansado de ler, mas gostou. Ae depois que ele realmente leu que ele viu que não terminou ainda. FAIL

    Kid corno, vai acaba essa bagaça essa semana ainda neh

  27. droantjk says:

    Se tu não terminar essa merda no próximo post eu vou catar o Cambota no facebook e vou mandar ele enfiar a porra do cartucho do Super Star Wars no seu rabo, seu broxa.

  28. deuso says:

    Não costumo comentar aqui, Kid, mas dessa vez:
    Puta que pariu, texto chato, nada divertido, repetitivo….

    Sério, não gostei =)

    Alex

  29. Igor P. says:

    Kid filho da Fulana!!

  30. Murdock says:

    Isso do pai prometer que vai bater depois me lembrou de um amigo que apanhava pra cacete do pai qdo era criança. Um dia, não lembro pq, o pai dele prometeu uma surra pro dia seguinte pq não ia bater nele logo depois dele jantar. No dia seguinte, antes de ir pra escola ele acordou o pai dizendo “cadê, pai, o sr não disse que ia me bater?”. O coroa ficou com lágrima nos olhos e não bateu nele, acho que nunca mais.

    Tinha um professor na faculdade que tb tinha pernas arqueadas mas o apelido dele era Gereba. Isso pq ele zoava um cara pelo sotaque do interior e o cara revidou dizendo que era assim que chamavam quem tinha pernas arqueadas na terra dele.

  31. Israel says:

    Kid cuzão !! AHuaaUHA q mancada isso aí.

    Mas ta legal a história.

  32. kamycaze says:

    PQP!eu estou com a mesma aflição que eu sentia quando fazia alguma merda no colegio e ficava com medo das consequencias,isso já está durando uma semana!!Kid se eu sofre um infarto certeza a culpa é sua!!

  33. Murillo says:

    Hahahaha seu filho da puta!

  34. ilo says:

    kid viado acaba a historia

  35. Grasiani Da Ré dos Santos says:

    hahaha. E amanhã tem “Conclusão (parte 2)” ?

    È isso aí Kid. Descobrindo novos métodos, expandindo a arte de trollar. 😛

  36. Xong Lee says:

    Joao Kleber style.

  37. Pedro C. B. says:

    Seu grandessíssimo filho da puta!!!

    Essa suspensão tá se arrastando mais que a queda da cama ou a fuga da casa da sogra, fala sério…

  38. Léo says:

    Digno de uma saga.

    Haha Kid, você teve a infância mais foda de todas.

  39. Ibere says:

    … nem vo ler o proximo post só de birra. Ja sei o final msm: investigaram, descobriram que fui eu e tomei a “horrivel” punicão de ficar x dias sem aula.

    • Kid says:

      Nope. Você não notou que em todos os títulos, “suspensão” está entre aspas?

      Vocês NEM IMAGINAM qual foi o resultado final.

      • Gabriel Alves says:

        SEU FDPPPP huashuashhasuahs nem vou torcer para vc morrer pq se nao ficarei sem saber o final da historia 😀

  40. Leandro Crispim says:

    Trollada básica no fim.
    Isso é o mesmo que um roteiro de filme em flashback.

  41. diego says:

    kie vai morrer com 1 cadeira enfiada no cu………
    acaba logo esse texto to ficando ansioso morraaaaaaaaaaaaa

  42. PQP … Eu não conseguiria narrar nenhuma das minhas 2 suspensões de forma tão épica. =D

  43. Mauricio says:

    Numa boa, se a turma fosse um pouco mais velha (tipo a negada do ensino médio) eu ia chutar que tinham molestado a pobre professorinha na escuridão (afinal: 1, ela era gostosa; 2, estava escuro)

    Mas a cadeira voadora foi sinistro.

    • William says:

      tá danado, molestar a professora em 5 segundos? é um coelho é?
      mas tá de bom acabar com essa sequência logo. três tava de boa já.

  44. Gutenberg says:

    Successful troll is successful

  45. Rafael says:

    Amanhã vai ter um post aleatório, todos já imaginam. Depois de amanhã, todo mundo apertando F5 furiosamente, até que você finalmente poste… outro texto aleatório

  46. Para mim foi a conclusão da história, só estava interessado em saber o que rolou na sala de aula, e só.

  47. Bruno says:

    Kid, seu virgem ! --‘

  48. robson says:

    Acaba logo com isso ae velho

  49. Lucas says:

    Vai tomar no seu cu.
    flw

  50. neendj says:

    leio e releio esse post quase toda hora pra ver se o sr kid pra ver se ele posta lógo o final dessa bagasa…

  51. Luciano says:

    Com tudo o que li sobre o desastre ocorrido na sala em apenas 5 segundos com a luz apagada, tenho uma pergunta: Quantos Chuck Norris estudavam com você?

  52. Roberto says:

    marginais!!!

  53. Ítalo Menezes says:

    ok, grandíssimo filho da puta você.

    Apenas um detalhe, eu sou de fortaleza, e ainda hoje, o nome da mãe deve ser mantido em segredo de estado, se descobrem… 🙁 descobriram o nome da minha e a pobre coitada já ganhou mil apelidos

  54. @_nerdshit says:

    Kid, seu filho de fulana

  55. AlgozSnow says:

    Kid usou trollar. É super efetivo.

    A porra, roubar Return of the Jedi é sacanagem, pegasse um TIE Bomber e destruía a casa dele…

  56. Dani says:

    Que estranho, divisão de polinômios na 7ª série….
    Por mim isso era lá pelo terceiro….
    Ah, soh pra pega o embalo da galera, filho da putaaa!!!

  57. Murilo Porto says:

    “…ALGUÉM) havia apagado a luz da sala, e como resultado a turma tocou o terror e a professora acabou sendo machucada por uma cadeira voadora.

    Yep. ALGUÉM JOGOU UMA CADEIRA NA PROFESSORA. ”

    quase infartei de rir

  58. Arthur Rey says:

    Disse “ah, que filho da puta” em voz alta depois do texto acabar.

  59. Blyter says:

    cara…é por essas e outras que parei de assistir filmes. dani-se o final, ele não vai surpreender tanto quanto o autor está achando que vai, e final muito fantasia também estraga uma estória.
    parece até uma sátira de hollywood: gafes, enrolação, final brisa….mas me prendeu por um bom tempo ao menos.

  60. Ari Galvão says:

    man, tomar no toba esse “conclusão” aih…

  61. Victor says:

    Casualty e casualidade não significam a mesma coisa.

  62. carlosott says:

    kid seu filha da puta termina essa historia logo

  63. lucas says:

    interessante que na minha escola tambem tem um professor de matematica que casou com a coordenadora

  64. Og Fux 69 says:

    MALDITOOOOOOOO

    EAUHEAUHEUAHEUAHE

    Porra Kid!

  65. Zuaquim says:

    Que escola escrota. Quem apagou a luz é quem tem culpa? E os vandalos? Se fosse uma turma civilizada, nada aconteceria quando a luz se apagasse. Sua punicao teria que ser um decimo da dos caras.

  66. pertubado says:

    n deu em porra nenhuma pra esse fdp

  67. pertubado says:

    antes q me eskeça

    filho duma puta cachorra louka [653757373574573576547479879987967]

  68. Thiago says:

    Aqui em São Luís-MA,tua antiga terra,Kid infeliz,nós além de chamarmos os seres de pernas tortas de cambotas,de perna de alicate. XD

  69. Alexandre Silveira says:

    Muito antigamente, me lembro quando eu era pequeno e o SBT passava uns desenhos à noite, como Tom & Jerry e Pantera Cor de Rosa antes de começar as atrações principais (A Praça é Nossa, Jô Soares, Hebe). Várias vezes eles não passavam os desenhos inteiros, pois dava a hora da outra atração e sempre vinha a voz do narrador dizendo: “Esta atração continua amanhã”. Sempre ficava puto nas minhas pequenas calças, e estou tendo o mesmo sentimento agora. Conclui logo esta merda!

  70. Junior says:

    Mas é um puto mesmo.

  71. Costela says:

    Caralho! Eu nao sou o tipo de troll que normalmente fica puto com qualquer post, mas porra Kid. Que paia cara. Eu gosto de esperar posts em serie chegarem ao final antes de ler tudo. A sua brincadeira sujou a experiencia. Nao digo que “nunca mais vou ler esse blog de merda” mas achei paia demais. E tenho dito.

  72. Júlio says:

    Tá melhor que Lost, pelo menos, afinal já revelou até a solução de alguns mistérios. Aliás, acho que daqui pra frente vai ficar paia, a não ser que o “plot twist” seja “só o mi disbuiado”!

  73. Júlio says:

    BTW, que eu me lembre, no Ceará, o povo diz zambeta e cangaia, dependendo se as pernas são tortas pra dentro ou pra fora. Não lembro qual é qual nem to a fim de pesquisar.

    • Deam Klyss says:

      Vc fez eu ler três textos inteiros! E não acaba essa história?
      Mas, quê, hein?! Tá quase já um escritor; e não tá muito ruim não.
      Vamos lá! Ceará contra Fortaleza, é meio sacanagem, ou não?
      Agora esse negócio de ter raiva de Matemática, até eu já tive; afinal é técnica repetida e re-repetida, e conceito que é bom, NADA!
      Por isso vc está me devendo (ou devendo-me) doar uma sala de aula pra um guri ou guria, e fazendo sua parte para que os estudantes consigam mais compreensão dessa ferramenta construtiva mais fácil do mundo, chamada Matemática.
      Outra coisa: Vc não deu sua opinião lá no Clube Natureza Gleam sobre o que postei sobre o flagrante que consegui de Artefatos Estelares que estão aí próximos a nós.
      Agora, vamos pra troca de gibis aqui: Joguei vc lá pra atenção do pessoal de Portugal, em fitas mais que boas.
      E a colher de chá vc não deu pra garotada; mas quando vc cismar de lançar o seu livro de “Histórias do Hoje é um bom dia”; se tiver divertido e indo bem assim, eu vou dar uma cancha nos meus espaços (que são restritos, não faço questão de montão lá neles não).
      Fico satisfeito com o proveito que teve naqueles tempos de estudos, mas podia ter aceitado a proposta de ir estudar em um colégio público, seria melhor que qualquer um submisso e tutelado por dominação de crenças.

  74. Matheus Manoel says:

    Quem pensou: “que filho da puta” quando terminou de ler o texto da joinha! rsrs OH WAIT

  75. Norimaro says:

    Caramba… Os baderneiros eram fortes para levantarem uma cadeira e jogarem com força para conseguirem arrancar um ventilador, hein? Tomavam o que esses moleques? Mingau que não era…

  76. Wladimir says:

    Porra, cadeira na professora já é foda. Em 5 segundos sem luz é recorde!

  77. Regi says:

    Trollando leitor… Tem que ver isso ae…

    E pra mim, cambota sempre foi equivalente à cambalhota, sabe? “Fulano sabe virar cambota”

  78. leitor vouyer says:

    Já tá de sacanagem…

    vê se lança até segunda pelo menos, porque trabalho em outro local e não terei acesso às internets até a próxima sexta-feira ¬¬’

  79. PR says:

    LOL! Rapaz, esses bullies aí realizaram o desejo de muito aluno. xD
    Pena que as cadeiras na facul sejam soldadas umas nas outras…=/

  80. Spuma says:

    Por algum motivo eu não consigo tirar a imagem de macacos arremessando cadeiras e girando em alta velocidade pendurados no ventilador da minha mente…
    Mas o mais incrível mesmo foi o fato de tudo isso ter acontecido em poucos segundos.Impressionante a capacidade destrutiva dos seus antigos coleguinhas de classe, Quide.
    Só imagino como vai ser o final dessa história…capaz da turma virar um tribunal e o Kid ser desmascarado, com direito a provas e testemunhas, bem no estilo Phoenix Wright.

  81. David Lafleur says:

    e pra acabar de completar esse filho da puta nao posta no dia que diz que vai postar.

  82. Ty Qwer says:

    Já se passaram dois dias.. cadê a continuação Pô!!!!

  83. Junior says:

    Tava relendo o post das Patricinhas Intercambistas e no fim me deparei com mais uma das promessas do Deputado Kid.

    ““A fatídica viagem de trem”, que deveria ter durado 50 minutos e acabou se estendendo por quase 6 horas, colocando em risco a minha vida, a da patroa, e de um pobre skatista que se viu junto conosco numa desesperada aventura da vida real.”

    Só pra voce não esquecer.

  84. LOL says:

    Porra, se não vai postar no dia seguinte então não escreve “continua amanhã”

  85. R says:

    Kid, espero do fundo da minha alma que vc seja atropelado por uma colheitadeira, após terminar este texto.

    PORQUE TANTA DEMORA?!

    😡

  86. Pedro C. B. says:

    Não é porque tua escola é particular que ela está livre de galerosos…

  87. Isabela Cabral says:

    Pra mim isso é trollagem do Izzy. Que nem aquelas piadas que só terminam quando o ouvinte fica puto.

  88. Lucas says:

    vai tomar no seu cu, 4 dias sem postar essa desgraça. filha duma puta.

  89. trum says:

    Porra, deixa a imaginação dele trabalhar em paz!! Estórias não saem da noite pro dia.

  90. Fernando Roberto says:

    Gente, a historia acaba ai msm, o titulo é “Minha primeira suspenssão”, quer dizer que no final eele é expulso

  91. Jose Lito says:

    Falta de assunto mesmo, esse tanto de post por causa duma besteirinha de apagar a luz.

  92. Lucas says:

    AAAA CADE A CONCLUSÃOOOO DESGRAÇADOOO !

  93. Marcio says:

    Baita repercussão, hein? O próximo que reclamar do excesso de continues vc diz que usou o konami code, o que pode dar direito a uns continues a mais… Ou pode simplesmente dizer que se não gostou é só não continuar procurando pelo final. Se fosse eu faria pelo menos mais duas partes antes do desfecho.

  94. Luis Felipe says:

    Hahaha, ri alto quanto tu falou que jogaram a cadeira na professora. =D

  95. @engdavirocha says:

    Porra, QUATRO dias caceta… e não termina de postar isso, até no tuíter só vejo tu falando que vai jogar orions2 fdp. Tem que hackear o server do orions2 pra tu terminar de postar o texto é?

  96. Dani says:

    Ow, ta demoranu!!!
    Cade a ***** da continuação????

  97. Murilo Esteves says:

    Realmente essa saga esta prendendo muitos seguidores , mas porra Kid manda logo o final pra gente ou ao menos não demore muito para apenas continuar a história! E eu também achava engraçado a forma como soava Pais ou Responsaveis.

  98. ana beatriz says:

    Seus colegas eram ninjas oO em 5 segundo conseguiram quebrar janelas, quebrar o ventilador e traumatizar uma professora porra TERMINA LOGO KID

  99. […] Minha primeira “suspensão”, parte III […]