Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Magic the Gathering e o truque simples pra obter sucesso em TUDO na vida (trabalho, relacionamentos, saúde, etc)

Postado em 29 May 2014 Escrito por Izzy Nobre 13 Comentários

Este post é baseado numa série de tweets que fiz lá na minha conta gringa, a @MrNobre. Criei a conta pra divulgar meu conteúdo em inglês, e de quebra converso com os amigos de bolso que gostam de praticar o inglês. Se você quer bater papo comigo mas se intimida com meus 60 mil seguidores e acha que eu nunca leria sua mensagem, vem falar comigo em inglês que a “competição” (menos de 4 mil seguidores) é menor.

Pois bem. Vamos falar sobre ídolos e inspiração.

Este é um Shadowmage Infiltrator.
shadowmage

Esta cartinha dominou o metagame azul e preto de Magic no bloco Odisséia. Mais importante do que sua habilidade (que de fato era foda, jogou MUITO na época), é o homem por trás dela. Reparou que a fotinha do boneco na carta é bem mais fotorealista do a arte das cartas de Magic costuma ser? Isso é porque o carinha é uma pessoa de verdade. Este cara se chama Jon Finkel.

finkel

Finkel é uma lenda no mundo do Magic. O cara é um dos jogadores profissionais mais realizados no meio (tendo pilotado um dos decks mais apelões de toda a história do jogo com uma vitória mundial em 2000), migrou pro poker/blackjack e ficou rico, e agora trabalha como gerente de uma empresa de capital de risco. Curioso que mesmo com esse currículo impressionante ele foi zoado por uma mal-amada qualquer que o criticou por ser “nerd” nesta matéria asquerosa do Gizmodo.

Pois bem. Numa entrevista que eu li anos atrás, e que procurei incessantemente pra este artigo e não achei, um repórter perguntava pro Finkel qual o segredo de ter tanto sucesso como jogador de Magic. E o que ele falou me marcou profundamente. Parafrasearei:

“Eu foco em estudar a situação e tomar a melhor decisão. Porque independente da condição do jogo, existe UMA decisão, UMA jogada que é a melhor possível. Qualquer outra decisão que eu tome é literalmente a pior decisão que eu poderia tomar”.

Internalizei isso fodidamente, transplantando pra outros contextos além de Magic. Sim, de fato, se você não faz a MELHOR jogada possível de acordo com o jogo na mesa, você fica à mercê do seu oponente. E por isso, qualquer jogada além da melhor possível seria tecnicamente a PIOR possível — porque graças a ela você desperdiçou a chance de fazer algo melhor.

Mas isso não se limita em Magic, e foi aí que eu percebi que esse é o truque pra obter sucesso em literalmente qualquer coisa na sua vida.

Durante toda a sua existência consciente, você está constantemente tomando decisões. Seja no nível micro (o que comer hoje ou que horas ir dormir) como no nível macro (como conduzir sua pequena empresa, ou como agir com sua família), você tem a MELHOR decisão a tomar… e todas as outras. Que desde que ouvi essa frase do Finkel, foram automaticamente categorizadas na minha mente como “as piores decisões que eu podia tomar”.

É uma postura relativamente alarmista/exagerada, sim — se levarmos ao pé da letra a filosofia de que qualquer decisão além da MELHOR decisão possível é então a pior coisa que você poderia fazer, chegamos a conclusões meio deprimentes, como por exemplo: se eu decido comer um bife no almoço em vez de uma refeição menos calórica como uma sala, isso seria então o mesmo que almoçar sorvete com banha de porco? Existem níveis de “pior”, né?

Bom, sim — se você quiser ver dessa forma. Mas com uma mentalidade focada em resultados (e obviamente rendeu numa vida bem sucedida como é o caso do Finkel), escolher qualquer opção além da mitológica “Melhor Decisão” vai apenas te levar pra mais longe dos seus resultados, ou na melhor das hipóteses simplesmente atrasar você em chegar neles.

Vou dar um exemplo pessoal aqui. Além da minha carreira no ramo de saúde, tenho um trabalho na internet — o site que você está lendo e o meu canal no youtube. Por causa do meu Patreon, minhas atividades internéticas se tornaram um negócio MESMO — pago impostos, tenho empregados, etc –, por mais que eu ainda esteja muito acostumado a procrastinar e gastar tempo na web com atividades que não estão diretamente relacionadas à produção de conteúdo. Fazer o que, perder tempo na internet é um hábito que nutro há quase 15 anos, vai demorar um pouco pra eu me acostumar que sentar na frente do PC não é mais carta branca pra se distrair.

Em todo momento que estou na frente do computador, a MELHOR decisão a tomar é trabalhar para vocês — seja escrevendo um artigo como este, finalizando um roteiro, editando um vídeo, etc. Se estou no trabalho, a MELHOR decisão possível é dar 100% do meu esforço e atenção à minha função.  Se estou estudando, idem — rever minhas anotações mas parando “rapidinho” de vez em quando pra dar uma bizoiada no Twitter ou Facebook é a metade do caminho, uma falta de compromisso, e por isso em vez de ser uma opção “razoável” (seja sincero, quantas vezes você já não estudou assim achando que “tá valendo”?), ela é por definição a PIOR decisão.

Quer um novo emprego? Sabe qual a MELHOR decisão que você poderia estar fazendo? Não é lendo meu site, não. É revendo seu currículo, estudando pra certificações/concursos, estudando uma língua nova (dá pra fazer isso gratuitamente hoje em dia, sabia?), e em outras palavras correndo atrás.

Quer perder peso? O mesmo mecanismo continua valendo. Qualquer coisa que não seja A melhor decisão — treinar consistentemente, se informar sobre nutricionismo, fazer escolhar saudáveis de alimentação — fica então sendo considerada a partir de agora a pior decisão.

Tendo lido todos esses exemplos, feche os olhos e imagine como seria sua vida se um ano atrás, você tivesse decidido viver à base de uma filosofia que rejeita todas as decisões que não sejam a melhor pra você mesmo.

Ainda dá tempo de começar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Lição de Vida

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 32 anos, também sou conhecido como "Kid", e moro no Canadá há 13 anos. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas, e sobre notícias bizarras n'O MELHOR PODCAST DO BRASIL. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

13 Comentários \o/

  1. Vinícius Martarello says:

    Automaticamente ao terminar de ler o texto eu pensei “isso é difícil, não sei se consigo”, já comecei errado.

  2. Du Mayrink says:

    Izzy, FANTÁSTICO o texto!!!
    Tenho a filosofia de sempre “fazer o melhor que posso” em todas as áreas da minha vida, mas, pensando bem, se a minha DECISÃO não for a melhor, todo o meu empenho pode “sair pela culatra”.
    Após este texto, tenho muitooo a refletir!!!
    Grande abraço!
    \o/

  3. Hugo Saraiva says:

    Sobre a matéria, provavelmente a mulher achou o cara muito convencido e se vingou tentando rebaixá-lo. Seja como for, fez papel de ridícula.

    Já a respeito da frase, o difícil é que na maior parte das situações a gente jamais saberá se tomou a “melhor decisão”. É como estar em um congestionamento e querer ficar na faixa que anda mais. Não tem como saber!

    Eu prefiro fazer o que acredito ser o melhor e aceitar os resultados. Porém, claro, eu não ganhei campeonato de nada, então…

  4. Leithold says:

    Vou escrever essa citação na cerâmica do banheiro pra eu me lembrar disso toda vez que for cagar/tomar banho/mijar.
    Saí da minha cidade natal para estudar no interior de Minas. Mudei minha vida completamente em prol do objetivo de estudar, mas uma vez aqui, a todo momento sou confrontado com essas decisões em que na maior parte das vezes faço as PIORES escolhas, as que me dão prazer imediato, mas que me foderão no futuro.
    Mas olhando por esse ângulo, de que toda escolha que não seja a melhor, É A PIOR, fica mais dificil você se enganar. Não há masturbação mental que justifique decisões ruins, e não tem procrastinação, porque procrastinar não é A MELHOR decisão.
    No fim, sempre sabemos qual a escolha certa. A consciência sempre avisa.

    Obrigado Izzy!

  5. Caio Costa says:

    Um dos melhores lifehacks que já vi hahaha
    Muito bom, Izzy! 😀

  6. Marcelo Chaves de Oliveira says:

    Curtir muito seu texto, Izzy. Parabéns!

  7. Fuzzy says:

    E ainda assim, o Finkel não bloqueou o lobo.

  8. ura__q says:

    Caramba, só fui ler esse texto agora. Muito bom ele e eu meio que já tentava aplicar isso na minha vida, embora admita que não faça com muito sucesso. Sou indisciplinado, sei disso, e preciso urgente mudar essa característica que possuo pois acaba atrapalhando muito em obter o sucesso no que me comprometo a fazer.
    Em resumo: tenho tomado constantemente as piores decisões… e pior é que de forma consciente!

  9. IBG says:

    Cara, esse texto veio na hora certa. Brigadão, Izzy. Preciso acordar, mesmo. E correr atrás, correr, correr, correr.

  10. CEO says:

    Izzy, você teria alguma idéia de como podemos criar um ‘sistema de recompensas’ para a pratica dessa doutrina? Por exemplo, na hora de escolher o que beber, qualquer coisa diferente de água ou um suco natural sem açúcar é a pior decisão a ser tomada, considerando o objetivo de melhorar a saúde e perder peso? Voltar a visitar seu site seria a pior decisão quando eu poderia estar aprendendo um novo idioma na internet? Acredito que seria interessante , após cumprir a obrigação das mnelhores decisões por X dias na semana, ter um momento posso me premiar com uma cerveja, um brigadeiro e um jogo de video-game sem culpa.

  11. Herbert says:

    Engraçado, no livro que estou tentando publicar, alguns personagens falam sobre esse tema. “Uma escolha pode mudar a realidade” em sentido bem literal como esse camarada ai falou.

  12. […] é uma merda, mas eu te garanto que a parada tá fermentando na minha cabeça há muito tempo. Em maio do ano passado eu escrevi um post que é quase o rascunho da filosofia, pra você […]