Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Da arte de implorar por jogos

Postado em 23 June 2008 Escrito por Izzy Nobre 155 Comentários

Ei seus viados, já ouviram falar na EB Games? Não? Calma que eu explico. Com foto e tudo, olha só:

A EB Games é uma popular loja de jogos que era uma franquia da Electronic Boutique, que eu acredito que faliu há algum tempo. Nunca mais vi uma Electronic Boutique em lugar algum, embora haja EB Games em qualquer shopping. Ouvi falar por aí que a rede americana Gamestop havia comprado a EB Games; isso explicaria por que o departamento de jogos não sumiu junto com a Electronic Boutique.

A EB Games não é uma loja de jogos como as outras; o foco dela é venda de jogos usados. Ou, como os cartazes informam eufemisticamente, previously enjoyed. Há jogos lacradinhos também, naturalmente, mas são os jogos usados que ocupam espaço proeminente nas prateleiras da loja. E há um bom motivo pra isso.

A beleza desse sistema é que você tem acesso a jogos originais por uma fração do preço convencional, com garantia de um mês. Se por algum motivo o jogo der pau (algo que normalmente se percebe nas primeiras horas de jogo), leve de volta e receba seu reembolso. Eu particularmente jamais precisei usar o sistema de devolução, até porque os critérios dos caras em relação a discos arranhados são espartanos – um risquinho de nada no seu DVD do My Little Pony Barnyard Adventures já desqualifica a troca do jogo. Afinal, se eles aceitarem qualquer jogo fodido, quem fica no prejuízo são eles quando cliente aparece pra pedir o dinheiro de volta.

Por causa do meu péssimo hábito de comprar jogos assim que eles são lançados, ultimamente não costumo comprar jogos usados (os DVDs usados só começam a aparecer na prateleiras algumas semanas após o lançamento; tempo demais pra esperar enquanto o resto dos habitantes da internet se divertem com o jogo). A exceção é quando encontro um jogo usado cujo novo preço causa interesse que a etiqueta original não conseguiu despertar, como foi o caso do novo Trauma Center pro Wii, que eu fisguei por míseros 9 dólares, ou Spider-man 3 pro Xbox 360, que custou ainda menos – 8 dólares. Originalzim, na caixa, com manual e tudo. Quem acompanha meu flickr deve ter visto no dia que comprei.

Gamer brasileiro pobre no exterior deve fazer a maior festa na EB Games, eu imagino. Embora eu não consiga imaginar um cenário verossímil que explique a presença de um gamer pobre no exterior.

Outro dia eu estava numa EB Games com a minha namoradinha – que ultimamente abandonou a sutileza e passa a declarar com todas as letras que pretende se tornar a Sra. Nobre muito em breve, HELP – e notei uma curiosa comoção acontecendo na seção de jogos da Nintendo.

Uma mulher que aparentava ter uns 35 anos tava ladeada de dois pirralhos catarrentos, um de 8 e outro de 13. A propósito, acho que nunca mencionei isso, mas tenho um talento sobrenatural pra descobrir a idade de transeuntes. Através de brilhantes técnicas de dedução, estabeleci que a mulé era mãe dos dois moleques. E em menos de 5 segundos decidi que odiava profundamente os três.

O moleque menor, que parecia o mais catarrento dos dois, segurava No More Heroes. O outro guri, que demonstrava características distintas de uma homossexualidade latente que aguarda os anos de rebeldia adolescente pra se manifestar como forma de protesto contra suas figuras paternas, tinha Zelda Phantom Hourglass nas mãos. E eu presenciei algo que protagonizei durante toda a minha infância, mas nunca observei do lado de fora:

Dois moleques tentando convencer os pais a comprar um jogo.

Parei de prestar atenção no resto da loja e dediquei todos os meus sentidos à tarefa de escutar a conversa dois três. Era como um julgamento – a mãe, fazendo as vezes de juíza E promotora, lançava acusações que comprometeriam a compra – esse jogo é violento, já comprei aquele outro jogo semana passada, não sei se você tá merecendo – enquanto os moleques se contorciam pra tentar rebater os argumentos maternos e garantir posse do jogo.

Um dos moleques levantou aos olhos da mãe a caixa do jogo que ele queria, num esforço pra desmistificar o conteúdo e o tema do bagulho. Não é tão violento assim, olha só, não tem sangue e o… “Objection!“, imaginei o outro moleque falando, porque na ânsia de garantir que seu jogo seria comprado ele cagou o argumento do irmão apontando que, apesar de não exibir sangue, há “demônios” no jogo dele – um conteúdo ainda pior do que violência.

Os dois continuaram discutindo, e a mãe continuava suspirando com impaciência, e foi nesse momento que eu me senti sugado por um wormhole em direção a 1999 – uma época mágica e inocente quando eu também não tinha uma fonte de renda e tinha que implorar a meus pais por jogos. Meu domínio de retórica e minha característica forma de apresentar argumentos foram desenvolvidos graças a necessidade de convencer os progenitores a me presentear com Mortal Kombat 3 ou Super Star Wars Return of the Jedi.

Era realmente um desafio às vezes. Como convencer os seus pais religiosos a comprar um jogo tão notoriamente violento e com tantas referências claras a ocultismo? Qualquer coisa ao menos levemente parecida com uma caveira já seria interpretada como uma conexão direta com Satanás em pessoa. Imagina então os montes de símbolos esotéricos explícitos em MK?

Eu não lembro como convenci meus velhos. Mas devo ter feito um trabalho melhor do que os pivetes da EB Games, porque a mãe deles começou a se impacientar com o ritmo da fila e levou os pirralhos embora sem os jogos. Haha, se foderam.

Às vezes por mais que o jogo fosse livre de relação com práticas macabras, era difícil convencer os pais. Como fui aprender no futuro, meus pais tinham mais medo de se estourar com o cartão de crédito no fim do mês do que com a presença de um artefato demoníaco dentro de casa. Preço era um fator mais definitivo que conteúdo, e aparentemente o princípio contra material espiritualmente duvidoso era flexível. Se Super Mario Kart custasse R$100 e Killer Instinct custasse R$89, Jesus Cristo o perdoe, mas meu pai levaria o jogo de luta.

Um negócio curioso também é que tínhamos às vezes que explicar pros pais as caracteristicas dos jogo. Culpo a revista Veja, que veiculou matérias sobre envolvimento paterno com os videogames quando estes começaram a se tornar populares. “Preste atenção no conteúdo que seus filhos estão absorvendo” e outros conselhos idiotas me impediram de liberar Fatalities recém aprendidos caso meus pais estivesse no meu quarto vigiando a jogatina naquele momento.

Hoje eu tenho minha própria renda e gozo da liberdade de entrar numa EB Games da vida e escolher exatamente o jogo que eu quero; e decidir compra-lo com base no conteúdo do jogo e não no preço da etiqueta, e não preciso convencer ninguém a nada, basta tirar o Visa do bolso e entregar pro moleque atrás do balcão. Recibo no saco, tenha um bom dia senhor, aproveite o jogo, e tchau.

É bem menos frustrante que passar quinze minutos explicando todos os atributos positivos de um jogo e ouvir um “não” no final, mas por outro lado aquela MÁGICA não existe mais. Ir a uma loja de jogos era uma experiência ímpar porque a expectativa era inebriante. Nunca sabíamos se íamos realmente ganhar o jogo que queríamos tanto, e não esqueça que isso era um período anterior à internet e o fácil acesso a reviews. Tínhamos que descobrir se o jogo era bom ou horrível baseando-se quase que exclusivamente em screenshots de 200×300 pixels no verso da caixa, sabendo que não ganharíamos um jogo novo por muitos meses após a compra deste.

Ou seja, MESMO que teus pais atendessem seus pedidos sob ameaça de você prender a respiração até ficar roxo, você não teria certeza se o jogo era bom até chegar em casa. E talvez fosse tarde demais.

Caro leitor (voyeurs, estou falando com vocês também), que jogo você precisou implorar pros seus pais comprarem? E ele acabou sendo um jogo sensacional cujas maravilhas você pregou pros amiguinhos no outro dia na escola, ou uma porcaria miserável que minutos após jogar pela primeira vez você já planejou trocar com um coleguinha desavisado?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Minha infância

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

155 Comentários \o/

  1. Fanta says:

    primeiraaaa

  2. CCC says:

    terceiro kid viado

  3. Daniel says:

    credo, eu tou criando um spider sense pra atualizações do HBD… mas é a primeira vez q eu vejo o que fica escrito quando ninguém comentou ainda: “seja o primeiraço” 😛

  4. Gustavo says:

    CARAIO TOP 10

  5. danger says:

    essa vitrine me lembrou a vitrine do motel onde eu fui com o DAN para comer ele gostosinho por traz varias vezes semana passada

  6. Fanta says:

    “homossexalidade”
    “concencer”

    haha, vamo digitar direito hein, kid =P

  7. Argus says:

    Já implorei por um GameCube. E o que dizer? Ganhei, junto com um dos melhores jogos que já joguei na vida -- Metroid Prime.

    Ser criança é uma arte.

  8. osaka says:

    opaaa top10

    mtu bom texto kid
    o jogo mais foda de convence concerteza acho q foi o mesmo mortal kombat, mas valeu a pena ^^

  9. Gustavo says:

    Agora, depois de ler…
    Cara, situação bizarra explicar pra minha mãe a diferença entre Outlive Demo e o Full, e como a raça dos robôs adicionava mais diversão ao jogo.
    Anyway, o único videogame que eu tinha e tenho até hoje é um SNES muito bem utilizado, então minha maior preocupação na época era se os jogos iam RODAR no meu mmx 166 (note: em 2001).

  10. Argus says:

    …OUTRA PESSOA QUE JOGOU OUTLIVE!

    Céus, Gustavo! Você tem um cigarro?

  11. Vinicius says:

    Top 10!

    -- Ler texto --

  12. Rodrigo Reis says:

    Depois doa 10 viados acima, acho que já da para comentar sem se perder em viadices…

    Que eu me lembre, nunca precisei implorar muito porque sempre tive muitas Locadoras a preços ótimos, e muitas vezes alugava junto com meu pai, e por isso pegava vaaarios jogos ao mesmo tempo e ficava com eles por mais de uma semana.

    E ainda, meu pai gosta de tecnologia, então me lançava desafios do tipo “Se você salvar este jogo em um dia te dou um acessório pro Video game (eu tinha contado que o Super mario word tinha 96 fases, só não contei que com 8 eu fecho o jogo :D).

    Alias, foi assim que eu ganhei o super Scope (bazuca do Snes)

  13. Kojiro says:

    Quase que fico no top10

  14. Embaixador says:

    Poxa Kid, nunca achei uma pechincha dessa numa EB Games. Só vejo games nesse preço os da geração passada e mesmo assim, nem todos. Exemplo, tava procurando Metroid Prime 3: Corruption e achei por $39 (ou 34) nao lembro agora. 🙁
    Outro dia entrei numa EB Games e uns pivetinhos perguntaram qtos anos eu tinha após confirmação de que eu era “di maior” eles me pedem pra eu comprar Full Spectrum Warrior pro Xbox pra eles pq o vendedor da EB Games não podia vender pra eles devido a classificação etária. Eles queriam comprar “pro pai deles”. Fiz que nem vc, lembrei do meu tempo de muleque sofrendo pra conseguir games novos que fiz a caridade de ir la comprar pros muleques. Nao sem antes de eles me darem $6,34 em um milhao de moedas provavelmentes achadas no sofá da casa deles pra eu ir lá comprar! Haha! Foi divertido! Caridade do dia!

  15. Kid says:

    @Fanta

    Textos escritos no iPod sempre tem uns erros de digitação. THAT SAID, brigado pelo toque, vou corrigir.

  16. Plim says:

    Wow, mais um post que me faz vontade de ir morar no Canadá. To começando a achar que o kid quer um “Canadá br” xD

    E respondendo a pergunta, nunca comprei nenhum jogo de videogame, achava mais fácil alugar na locadora e zerar o jogo no final de semana e devolver na segunda do que comprar um jogo, pois depois que eu terminasse nunca mais ia jogar mesmo e ele ia acabar virando peso de papel =

  17. Jules says:

    Eu, graças a Deus, implorei por Civilization e minha vida nunca mais foi a mesma(brega isso). Mas foi bom eles terem comprado, pq é PUTA jogo. 😛

  18. porkispin says:

    Eu sempre pedia… eles nunca me davam =/
    e hoje eu agradeço =D uhaeeauae

  19. Kid says:

    @Rodrigo Reis

    Meu pai é fissuradíssimo por tecnologia e informática, mas nunca gostou muito de videogame. Ou melhor, não gosta de videogames RECENTES -- ele comprou um TeleJogo da Philco com o primeiro pagamento do primeiro emprego dele, sendo que na casa dele nem tinha TV, ele jogava com os vizinhos!

  20. Luiz Felipe says:

    HAHAHAHAHAHA

    Muito bom Kid.

  21. Fanta says:

    Comigo foi totalmente o contrário… meu pai comprava aquelas saudosas revistas do CD-Rom, Senha PC, CD Expert toda semana… foi ele quem me levou pra essa vida. O Atari 2600 herdei dele, com Pitfall e tudo. Lembro que eu chorei quando ele chegou em casa com um box importado do Rollercoaster Tycoon e mais duas expansões (sucessão na época, acho que era 1999).

  22. Felippe says:

    jogo que valeu a pena foi Super Mario RPG…

    Um que foi um decepção foi quando comprei o snes, nun tinha mais o com Mario World, ai veio um futebol tosco -.-”

    bons tempos *_*

  23. w1zard says:

    sonic & knucles para mega drive..

    eu já tinha o sonic 2 então, com este eu tinha 2 novos games.. indo a uma locadora conseguia sonic 1 ou 3 e.. acho que vc entendeu..

    ah.. e se vc ainda não descobriu como funciona o lance de encaixar os games (como descrito num podcast ae), gaste 5 segundos na wikipedia: http://en.wikipedia.org/wiki/Sonic_%26_Knuckles

  24. Felippe says:

    ah sim, vale lembrar que quem é pós playstation nunca passou por isso, pq vc compra logo 4 -- 10 jogos piratas duma vez =

  25. Vovô Garoto SF says:

    Eu precisei implorar para os meus pais não só um jogo mas o videogame: um Snes com Street Fighter II. Acho que foi o melhor natal da minha vida…

  26. krain says:

    O jogo que gerava comentários pra caralho era Tony Hawks Pro Skater, precisei implorar pra cacete pra conseguir 15 pra comprar o cd pirata desse jogo. Lembro ainda que precisei comprar um cabo do Playstation que tava quebrado, costando 15 reais adicionais. Bons tempos.

  27. guifig says:

    Implorei pelo 64 em si… valeu a pena 🙂

    E “relaçãos” foi foda.

  28. Valter says:

    Aqui eu e meu irmão tivemos que implorar muito nosso snes, foi coisa de anos O____O. Até apelar pra comprar o mega drive usado do vizinho a gente chegou a apelar, mas no final conseguimos o snes novo, isso porque tecnicamente meus pais tinham condições de comprar, culpa da veja, de alguma tv catolica enfim. Nós crescemos, saímos de casa mais o snes ficou lá, tomando poeira na sala, mas como artigo de decoração. Há uns 3 anos atrás minha mãe me liga e diz que, ao voltarem de viagem viram que um projeto de ladrão entrou na casa, na verdade deve q foi um bando de moleques. Roubaram o video game, aparelho de som e deixaram o PC! Uma lágrima escorreu e a vida continuou.

  29. Rudá says:

    Eu conheço a EB Games em Vancouver eu comprei um game boy advanced por 12 dolares praticamente novo e algumas fitas, chegando no Brasil vendi ao meu amigo, mas valeu a pena passou o tempo no avião, bem que podia ter uma franquia dessas no Brasil!!!

  30. Rafael says:

    Você está no lucro ainda. Na minha época de moleque, desde o Mega-drive até antes do Playstation 1 Comprar jogos era impossível. Jogo era só alugando.

  31. Kid says:

    Já corrigi o “relaçãos”, desgraçados. Era pra ser “relação”, não sei de onde diabos saiu esse S.

  32. dreadful says:

    Eu só alugava.
    Dificilmente comprava.

  33. Stan says:

    Uuaheaeu nunca me esqueço, tinha um SNES que eu e meu pai éramos fissurados em Alladim. E ele é FASCINADO por F1. Num belo dia…
    -- Ô pai, me dá um PlayStation?
    -- Que que eh isso?
    -- Um videogame novo.
    -- Mas tu já tem o SNES.
    -- Mas no PlayStation tem um jogo de F1 MUITO REAL!

    No outro dia aparece ele com a caixa.

  34. Rune says:

    Implorei por uma fita do Phantasy Star 2 do mega drive

  35. Rune says:

    Pensando melhor, implorei mais foi pelo mega drive mesmo

  36. Adam says:

    Quando tive meu primeiro videogame eu consegui malocar o cartucho do alex kid do meu vizinho.

    tirando isso, meu pai nunca se interessou em comprar jogos pra mim…
    na verdade ele nunca comprava nada que não fosse material escolar.

    minha infancia não foi das mais felizes =T

  37. Neryuuk says:

    “…fosse livre de relaçãos com práticas macabras…”
    pô kide… relações neah

    Bom… ganhei meu super nintendo da vovó, junto com Super Mario World, DKC1 e DKC2, e futuramente (muuuito futuramente, logo não tive que implorar pelo jogo) DKC3 e The Mask

    E quando comprei o PSP (parte do dinheiro eu tinha guardado ($200) e a outra parte eu pedi pra minha mãe ($300), afinal eu não havia ido à viagem de formatura do 3º ano ($1,800) e nem tinha feito a festa em si ($600)) eu naum tive que pedir muito. E deu pra comprar o PSP Star Wars Battlefront II e mais 4 jogos. (foi comprado na future shop aí no canadá) =].

    Muito legal esse post =]

  38. Neryuuk says:

    Perto de casa tinha duas locadoras (tanto filmes como jogos) mas uma delas tinha uns 10 jogos só, mas depois de um tempo ela se tornou minha única opção, já que a outra locadora mudou de dono e o novo dono vendeu as fitas e os video games (que aliás eu não pude comprar nada).

    Atualmente eu não to jogando nada. O SNES tá na caixa e o PSP eh meu MP3 player hahaha.

  39. Brust says:

    Fala Kid…

    Cara, quando eu era pequeno implorei bastante pelo GTA1 (na época era lançamento pra PC, e eu tinha um 486DX4-100), mas infelizmente minha mãe não comprou…

    Alguns meses depois, fui lá com a grana economizada de lanches não comprados (algo em torno de R$40,00) e comprei o jogo. Detalhe que eu tive que comprar, jogar fora a caixa e as capas do CD pra não descobrirem que eu estava comprando…

    Mas valeu a pena, joguei GTA por +- 1 ano até enjoar…

    Abraço!

  40. rcrd says:

    implorei, implorei, implorei como um vendedor mendigo cigano testemunha de geová imploraria pelo MK3, pro mega drive.

    O fato do jogo ser “violento demais” e custar aproximadamente R$ 100,00 tornava ele um tesouro inalcançável pra minha gaveta de jogos. Pegava sempre emprestado, ou por um final de semana nas antigas locadoras de games hahah.

    ENTÃO, eis que no meu aniversário, me chega um pacote com formato de embalagem de cartucho de videogame. Meus olhos brilharam “MK3 8D~~”. Doce ilusão. Rasguei o pacote com a ferocidade de um leão faminto, pra encontrar NBA Live 97′ ¬¬

    Meu pai deu uma risadinha marota ainda: “É, tu queria aquele mortáu combáte né? HOHOHO”

    crueldade paterna existe ;~

  41. the door says:

    eu tive que implorar para a minha mãe me comprar civilization III e felizmente obtive sucesso, comprei meu civ III original novinho lacradinho na caixa,até hoje ainda guardo meu cd original do Civilization III mesmo ele estando todo fodido e nem rodando mais.

  42. NeO says:

    Sinceramente não me lembro de ter passado por situações semelhantes. Salvo o fato que não lembro nem o que almocei ontem…
    Atualmente quem compra minhas coisas sou eu, portanto o dinheiro é meu e foda-se o que eu to comprando.

  43. Sinceramente, não faço idéia de como os jogos do meu NES foram parar em casa, desde que eu me lembro eles estavam lá. Mistéééério…

    Enfim, nunca tive esse problema. Ainda bem, porque minha força de argumentação é tosca de doer…

  44. Perini says:

    @Kid

    Mais um texto ótimo , informativo e divertido, valeu kid.
    Um jogo que meus pais tinham comprado que marcou bastante minha infância foi earthworm jim (uma coisa assim), pra ps1. Eta joguinho bom.

  45. Conrado says:

    nunca comprei um jogo original na vida, só alugava, mas foi a maior luta do mundo pra eu e meu irmao convencermos nossa mae a comprar o super nes.

    ah.. “…e foi nesse momento que eu me senti sugado por um wormhole…”

    fala a verdade, tu gosta de DD 😛

  46. Crístian Viana says:

    eu pedi um Nintendo 64 pros meus pais e eles compraram, e o console veio com Killer Instinct. rapidinho enjoei daquele jogo. depois troquei por Diddy Kong Racing por uma amiga desavisada 😛 e logo enjoei também :/ mas todo fds alugava algum jogo, então acabei nem precisando implorar pros meus pais comprarem outro jogo 🙂

  47. Mauricio says:

    Eu implorei pelo Mario Paint pro SNES… bá esse jogo tava uns 200 e poucos reais na época… Mas era A revolução uaheuahue, tinha até um MOUSE com MOUSE PAD pro SNES uaheuahue MTUUUU afude, mtu me diverti com esse jogo!

    Fazia umas musiquinhas e uns videos, jogava o joguinho de matar as moscas lá, bah que saudades uaheuahae

    []’s!

    PS.: Ah, o Pokemon Stadium pro N64 foi foda também… porque como vinha com o negócio de colocar fitas de GAME BOY no N64 tava caro pra caralho tbm uaheuaeau

  48. Wolf says:

    Lembro quando eu era bem menor, o sacrifício que eu fiz pra minha mãe me comprar o The Sims Completo (O 1 com todas as expansões), porque no final, ele saia mais barato, e que se ela fossecomprando gradativamente um por um, ela gastaria bem mais no final das contas, e que se ela me desse ele, eu ai apssar os próximos anos só jogando ele, e ela não ia precisar comprar mais jogos e bla, bla, blá.
    No final das contas ela nunca comprou ):
    Mesmo não gostando amis the The Sims, tenho vontade de comprar o novo pacote que vem com todos mesmo (O outro pacote não vinha com o Superstar e o Passe de Mágica, que não haviam sido lançados na época) só pra dizer que tenho todos os The Sims, mesmo porque hoje em dia já não tenho tanto saco de ficar horas na frent do PC esperando algo de interessante acontecer, enquanto tem todo o mundo a minha volta fazendo algo que preste. D:

  49. Wolf says:

    Maldição, o não foi reconhecido (Ou eu esqueci, mas acho que não) õ_o
    De qualquer jeito, acho que dá pra ver que era só pra o “mesmo” estar em negrito.

  50. Renan Paiva~ says:

    A última vez que eu pedi algum jogo pro meu pai, foi Super Mario World ._.

  51. Renan Paiva says:

    Tava me lembrando aqui daqueles jogos de futebol de snes que vc fazia um gol, e a bola voltava lá pro meio do campo voando, mais ou menos isso auheaeuiaeae

  52. Gilgamesh says:

    Porra, Kid, pára de ficar enchendo minha consciência de “voyeur”. Tá parecendo aquele grilo lá da Disney.
    Bom, quando criança a gente alugava os jogos! Comprar mesmo era raro, eu tinha um Master System (1) e ainda tenho. As fitas eram classificadas pelo tamanho do jogo (1mb, 2mb e gigantescos e caríssimos 4mb). Então normalmente eu e meu irmão negociávamos com nossos pais pra ficar um tempo sem comprar um jogo mas em compensação na próxima compra a fita de ser de 4mb. Foi assim que a gente conseguiu Golden Axe.
    Não teve nenhum jogo que a gente tenha se arrependido. E depois de um tempo ganhamos um Top Game, e pudemos desfrutar das mais baratas fitas piratas, inexistentes no Master System, mas abundantes para o sistema NES. Até em shopping vendia elas, com trocentos jogos em 1.

  53. TioSolid says:

    Pô, eu sofri nesse ponto ai..
    Quando comprei meu SNES, pensei que ia vir com o Mario World e tal, abro a caixa, ponho a fita, ligo o console e “CAMPEONATOOO BRASILEÑOOO NOVIENTA E XXIIIEIIXX” (que atire a primeira pedra o filha da puta que nunca passou por isso). Tudo bem que eu jogava aquilo mais pra dar risada das narrações (nunca curti jogo de esporte) mas logo tive que usar toda a minha skill de engenharia social para conseguir que meu pai comprasse outro jogo pra mim.

    E não foi o Mario World, foi o Mario RPG, em --Japonês--. Nesse ponto meu pai sofria pouco, porque como eu só jogava RPG, uma fita durava 2 ou 3 meses na minha mão, já que eu jogava até ter feito todas as coisas possíveis no jogo. Sendo assim, meu pai até esquecia que tinha comprado jogo pra mim

  54. TioSolid says:

    jogo que valeu a pena foi Super Mario RPG…

    Um que foi um decepção foi quando comprei o snes, nun tinha mais o com Mario World, ai veio um futebol tosco -.-”

    bons tempos *_*

    AEOKAEOKAEOKA li esse comentário depois de postar o meu.. EPIC WIN!

  55. piui says:

    ateh hj tive 3(TRES) video games apenas.. dynavision (lol, isso nao eh videogame), mega-drive 3 e o game cube..
    como se nao bastasse, soh fui conseguir ter um videogame com mais de um jogo com o gamecube.. e olha que eu soh consegui convencer meus pais a comprar 3 (TRÊS) jogos pro cubo.. detalhe que dos 3, destacam-se smash melee e mario kart dd.. sendo que eu soh tenho 1(UM) controle..

    resumindo: eu leio mais a respeito dos jogos e dos video-games do que propriamente jogo.. e eu gasto mais tempo tentando convencer meus pais a gastar dinheiro com video-game que usando ele..

    :/

  56. Dan says:

    Me lembra quando eu ganhei meu SNES com Mario ALL STARS ..

    E quanto eu aluguei Breath of Fire 2 e em 3 dias tava finalzando o jogo (10hrs diárias de jogo hahaha) e meu irmão de raiva desgravou meu save ..eu quase assassinei o moleque com o fio do controle hahaha

    tive que jogar mais uma semana pra finalizar o game ..alias, foi um game que nunca voltou pra locadora 😡

  57. piui says:

    liga nao.. emulador tai pra isso! znes ftw 😀

  58. Cassiano says:

    porque a mãe deles começou a se impacientar com o ritmo da fila e levou os pirralhos embora sem os jogos. Haha, se foderam.

    EAAJAEUAEHUAHUAEHUAEHHAEHAEU

  59. porkispin says:

    Comentário nada a ver…

    kid, sabia que, por algum motivo, teu blog vale R$ 67.000,18?
    O.o

    Fonte: http://www.carloscardoso.com/quantovale/index.php

  60. Renan says:

    Cara, por isso que digo que quem começou a joga no Playstation não aproveita da mesma maneira que a gente aproveitava… sem essa de de achar que antigo que é bom, é pela dificuldade infinita de se obter info/jogos novos, pelo fato de que a vida era feita de locadora e jogos ganhos a cada data comemorativa… minha “sorte” foi que minha mae e madrinha adoravam donkey kong, o que facilitou meu acesso as suas continuações (que não sei se lembra, passou comercial na tv de DKC3 no natal da época, chorava de emoção vendo aquilo)
    jogos bostíssimos: Taz Mania de SNES e South Park de N64
    jogo fodalhão: Zelda de SNES

  61. Eurritimia says:

    dynavision (lol, isso nao eh videogame)

    “É claro que é, é quase um PS2!”
    hahahahahahahahahahaha!

  62. Bacon says:

    =D
    Dei sorte de ter nascido só eu então nunca tive muito desse problema. Mas mesmo assim não era tão facil pedir pra mãe libera alguns reais para comprar 1 jogo, que faziam meses que ela não comprava nenhum.
    Era sempre a mesma tática de falar que os amigos já tinham jogos novos e eu com os velhos, que aqueles já eram ultrapassados ou que acabou lançar o melhor jogo dos últimos 5 anos =D

    Ae quando comprava chamava todos os amigos pra ir em casa testar o novo jogo e era overdose daquele por meses até conseguir um novo.
    hehe
    Bons tempos

  63. danger says:

    comi seu cu Dan comi seu cu

  64. Alexandre Melo says:

    Vendo o coment do Filippe eu constatei que alguém mais além de mim comprou o SNES com o Futebol MEDONHO Super Copa. E antes de comprar o jogo eu alugava, é claro!

  65. Darox says:

    conseguir carmageddon foi uma luta! sorte que foi antes da tal proibição

  66. Diogo says:

    Sem dúvida nenhuma o melhor jogo que ganhei na minha infância foi o Superstar Soccer Deluxe.

    Tão bom quanto fazer gol no meu irmão com uma lambreta no goleiro dele, era transformar o juíz em cachorro, com uma sequência que lembro até hoje: cima, cima, baixo, baixo, esquerda, direita, esquerda diretia, B, A.

    *saudades*

  67. Pedro Negro says:

    Huhauhauhauhauh!!!111!!! (os 1s foram postos de propósito)

    Meu MK1 pra SNes foi implorificadamente humilhante, eu precisei me aproveitar de uma viagem ao paraguay para comprar tal artefato.

  68. Gabrol says:

    Eu nunca precisei implorar videogame nenhum 😛

    Não que meus pais seguissem todas as minhas vontades, eles apenas nunca me deram um videogame ¬¬

  69. Diogo says:

    Cara… até hoje não foi um jogo que consegui comprar, mas um que eu não consegui…
    Na epoca as fitas de N64 eram muito dificil pra eu e meu irmão conseguir. Convencer a gastar 80 reais em média em uma fita.
    Dai que um dia fomos numa loja que estava meio que se desfazendo das fitas de N64… Eu perguntei quanto estava a do Zelda. O cara falou 30 pila, eu tentei convencer meu pai a comprar, mas como ele não conhecia o preco medio das fitas ele falou pra tentar conseguir em outros lugares mais barato. é claro que nao deu… dai quando voltamos era outro atendente que falou nãão é 60 pila. dai num deu pra comprar.
    Affz que raiva. A semana inteira fiquei pensando na fita…omg,omg eu quero. No outro final de semana fui la pra comprar por 60 pila mesmo, mas cheguei la o cara ja tinha vendido. fiquei traumatizado…

  70. Cacá says:

    Implorei pra mama comprar um Goldeneye do N64. Lembro que, se ela voltasse na loja no dia seguinte, dava pra parcelar em 2 vezes.

    Tanto fui chato que levamos o jogo pra casa na mesma hora.

    Ah, também fiquei bem feliz quando meu pai me comprou um Fifa 94 pro Mega Drive. 😀

  71. piui says:

    @henriquephil:

    tava que nem vc, cara.. na era dos mmorpg free e pl de video onboard… mas depois que eu vi o Age of Conan.. puta que pariu.. to quase arrumando um emprego p conseguir bancar um pc novo e as mensalidades do jogo… uaheuhae..

  72. Geek In The Pink says:

    Esse é o lado bom de não ter nascido na década de 80, qualquer buraco que você entrasse tinha um camelô vendendo os jogos mais cobiçados que, por acaso, só iriam lançar no mês seguinte à R$10,00.

    Nesses momentos eu amo o Rio.

  73. Dan says:

    Hoje em dia o problema não é mais pedir game pros pais ..

    Agora o desafio é encaixar o preço dos games no orçamento do mês SEM ESTOURAR a porra do visa ..

    Fala sério :/

  74. Dan says:

    Alias ..alguém aki lembra do International Super Star Soccer DELUXE???!!!!

    hahahahahahahaahha!!!!

    Tinha um bug naquele jogo maldito que a quando fazia um gol, a bola fica rodando num canto da rede ..PRESA! ..hahahah

  75. Bomberman says:

    @henriquephil:
    aí henri não és o unico uaehueheaaeuhae
    Sempre quis comprar um play, mas nunca consegui comprar um =/
    E agora que tenho esse PC, vejo que a unica desvantagem é de “upgradear” a máquina conforme o tempo, gastando rios de dinheiro =/
    Final do ano quando as coisas melhorarem, eu vo sai de casa compra acéssorios pro PC e viver a vida =)

  76. jjromao says:

    Comprar jogo na minha infância era um fato inexistente. O que eu chorava as pitangas era por dinheiro pra ALUGAR as fitas, que eu devorava durante o fim de semana inteiro pra terminar. Lembro de ter alugado chrono trigger umas 4x até descobrir que tinha que andar na porra da sala em círculos 3x. FDP!

    O que eu chorei um monte pra minha mãe comprar foi a revisão do AD&D. E o argumento que melhor achei foi que, alem da versão em inglês ser mais barata, eu estaria aprendendo e estudando enquanto lia os livros. O mesmo aconteceu com aqueles livros-jogo de aventura solo das Aventuras Fantásticas. Minha mãe preferia eu lendo do que jogando alguma coisa. Irônico, não?

  77. jjromao says:

    @bomberman
    Pois então, esse é um problema imbecil que rola aqui no Brasil. Porque, ao invés de pagar 2k num console vale muito mais comprar um pc potente (afinal não será apenas estação de jogos).

    Porém, na possibilidade de muambar um das terras nórdicas o faça. Agora que migrei pro 360, só volto a jogar no pc quando sair Starcraft 2 e Spore. E olhe lá. Gosto de não ter que instalar jogo e não ter queda de fps quando o anti-virus resolve funcionar.

  78. Fabio says:

    Cara, a minha experiência com jogos eletrônicos foi a seguinte:
    * Antiguidade: na minha infância eu tinha um ATARI, quando minha mãe comprou ela já comprou com alguns jogos, então levou bastante tempo até enjoarmos de todos, daí ela compra mais um cartucho com mais uns 8 jogos (não sei se meu irmão mais velho que teve que implorar essa).
    * Idade das Trevas: na minha pré-adolescência, depois que o Atari queimou, o único contato que tive com videogames foi em raras vezes que fui a uma locadora ou jogar fliperama. Uma bosta de período da minha vida.
    * Renascença: quando tinha uns 13 anos, meu irmão mais velho comprou um Pentium 200. Pioro na escola enquanto me viciava em Doom, Full Throttle, etc (mas não o suficiente prá ficar de recuperação, minha nerdeza não deixava). Eu ganhava mesada, numa época que existia nas bancas revistas com CD-ROM de jogos (BigMax, PC Expert). Resultado: Command & Conquer, MDK, Shattered Steel, etc. NUNCA PRECISEI IMPLORAR POR PORRA DE JOGO NENHUM.
    * Idade das Trevas 2 A Missão: final da adolescência, meu irmão se muda e leva o P200 (que já tinha uns 5 anos, idoso o coitado). Mas o que aconteceu é que eu acabei PERDENDO O GOSTO por videogames, não ia a locadoras, etc.
    * Idade Moderna: quando entrei prá facul (2002), comprei um K6II 500 usadíssimo, fodidão, “só prá digitar trabalhos”. Aplicativos mais usados: Starcraft, Age of Empires II, Total Anihilation, System Shock 2 (esses dois você que me apresentou Kid, valeu!), emulador de SNES (não joguei Mario, podem me chamar de herege).
    * Idade Contemporânea: há 1,5 ano atrás meu irmão se muda de volta prá minha casa e juntos compramos um PC novo. Resultado: meus nervos dos braços destruídos de tanto Need for Speed, Half Life 2, etc.

    (PS: Puta que comentário longo)

  79. Renan Paiva says:

    😡

  80. anonimous says:

    Poha… meu pai sempre foi anti-videogames… no fim das contas eu sobrevivi com emuladores no PC até pouco tempo atrás quando o velho se rendeu e me comprou um PS2 (q eu tive q ajudar a pagar ¬¬º)

  81. anonimous says:

    aah… e eh claro… a pirataria sempre reinou com meu pc (ainda mais q meu primo q morava comigo trabalhava numa lan house) me permitindo jogar tudo aquilo q satisfazia minha insaciavel sede nerdistica.

  82. dikdik says:

    “estou meio alto”
    ” alguem para transportar ?”

  83. Renan Paiva says:

    o primeiro console que eu implorei pro meu pai comprar foi um snes :

  84. henriquephil says:

    até hoje o único console que tive foi um Super Nintendo (que ainda tenho no fundo de meu guarda-roupa o///) e depois de comprar o Super Mario World e Donkey Kong eu realmente não queria mais nada na minha vida
    depois de anos jogando um snes, ganhei um pc, ai começou os problemas com jogos…
    até q, há alguns anos atrás, com a conexão banda larga, shareada com minha rua inteira, a verdade se mostrou surpreendente… virei um mmorpgista e 60% dos jogos que eu gosto são gratuitos, os outros 40% eu encontro servidores piratas
    meu pc eh onboard s2

  85. Thito says:

    AH vai se fuder, eu escrevi um texto enorme e essa porra sumiu com o texto. CARALHO, FUI ASSALTADO NESSA PORRA DE FIM DE SEMANA que caralho! to com azar!

  86. Michele says:

    Nossa… nunca fui de jogos. Agora que comecei a trampar que comprei meu Play 2, mas quem joga nele é meu primo de 8 anos que vem aqui em casa só nos fins de semana exclusivamente pra ficar horas jogando.
    O único jogo que eu quis jogar foi Shadows of The Colossus, por causa do filme “Reine Sobre Mim”… Mas não é tão sensacional como eu pensei.
    Vai aqui um desabafo: EU NÃO SEI POR QUE RAIOS EU TENHO UM PLAY 2.

    Kid, adorei os errinhos gramaticais.
    ^.^

  87. Lennon says:

    kid, você me entretém.

  88. Chaos says:

    Eu me lembro que era fim de 1996 quando eu ganhei meu N64. Como faço aniversário no fim do ano, recebia um presente só, de aniversário, dia das crianças e natal… era ultra-chato. Enfim, como os jogos de n64 originais eram bem carinhos, eu custumava ganhar dois por ano (ou um, como no caso do Pokémon Stadium que vinha com o transfer pack que DOBRAVA o preço do carucho).
    Lembro que converncer meu pai a comprar qualquer jogo era tão dificil quanto convence-lo a comrpar um jogo específico. portanto meu critério diabólico era o famoso “Mas pai, esse jogo você vai poder jogar também, é desses que você gosta…”
    E foi assim que eu ganhei Goldeneye 007 e F1 Grand Prix, este ultimo o pior jogo que ja tive. Não pelo jogo em si, que era incrivel, mas uma criança de 13 anos não ligava muito se o jogo era praticamente um simulador de F1… isso tudo era muito cansativo e eu preferiria mil vezes ter pedido Diddy Kong Racing
    xD

  89. Roberto says:

    Eu chorei para que meus pais comprassem Mortal Kombat para SNES. Meu terceiro jogo, depois de SMW e Street Fighter.
    Zelda eu também chorei. Mas foi por que encontrei debaixo da minha cama na manhã do natal.

    Sou emo?

  90. Roberto says:

    (BTW, chorei em pleno Tropical Shopping pra ganhar Mortal Kombat)
    Hauauhahuahuahuhaahu!

    Ê infância boa, siô…

  91. Vinicius says:

    Primeira vez que comento e ja me identifiquei com o gamer pobre no exterior…
    Estou na Irlanda faz tres meses e comprei um xbox360 no meu aniversario. Detalhe, jogava ele numa tv 21″.
    Apesar de tar atrasando o aluguel, comprei 2 jogos ontem.

    Sale da HMV nao da pra perder…

  92. Eu devo ser o cara mais azarado da face da terra. Sabe pq?

    1- Implorei por um ATARI. Ganhei do meu tio e meu pai se livrou dele dps q eu e meu irmão tivemos um fight;

    2- Implorei por um SNES. Dps de quebrar o pau com a minha irmã, só pro meu desespero, minha mãe disse que não me dava o SNES pq num queria (Mentira. Ela torrava a grana dela em cigarros. Tá ela faz o que quiser com a grana dela… e com a enfizema pulmonar dela também). Depois ela prometeu me dar um de presente. Tô esperando até hoje;

    3- Implorei por um Nintendo 64. Mas dps eu mesmo mudei de idéia e tomei nojo dele. Com a burrice da Nintendo em insistir na mídia cartucho, encarecendo um tipo de brinquedo que já costuma ser caro aqui no Brasil e com o advento de um tal Sony Playstation e da versatilidade do CD-ROM (embora desde então tenhamos aprendido o grotesco significado da expressão Now Loading, o que acaba contradizendo a tal versatilidade que acabei de citar), acabei optando por este último, do qual só me arrependo de tê-lo vendido;

    4- Cansei de tanto implorar e comprei EU MESMO meu PS2. Agora tô sem tempo pra jogar por causa do trabalho!

    Azar pouco é bobagem…

  93. Naná says:

    Nossa, a última vez que entrei aqui, o post era sobre um Halloween que você se vestiu de urso e foi apedrejado… Nossa, quanto tempo passou e ainda assim sua vida continua sendo mais nonsense do que qualquer outra que eu ja vi… XD

  94. leitor vouyer says:

    ahah.. Rei Leão do Super Nintendo. Ainda me lembro, e o jogo era piratão total ficava uma tela azul tosca quando ligava no início.

    Mas era um jogão =[

  95. Colin Clark says:

    Implorei por um SNES, e ganhei ele com o joo odo Máscar (um dos ídolos da minha infância…)

    Depois pedi um N64 e ganhei ele com o MOtal Kombat 4 o/

    Depois tive que passar numa prova do colégio pra ganhar um GameCube com Zelda…

    Hoje eu quase não ligo pra videogame, mas é um hábito que eu pretendo retomar.

    Qualquer dia…

  96. Renato" Filho says:

    Heheheh descobrir um comentário do Kid no meu blog uahuhah.
    Isso bem antes de eu conhecer o HBD.
    E o vagabundo ainda ta me zuando ehhee

  97. Antonio F. says:

    Centésimo?? Huhauhauau….pirralhos catarrentos tem mais é q se foder mesmo…criados com leite com pêra! hauahuahuahuahua

  98. Antonio F. says:

    @Kid

    “My Little Pony Barnyard Adventures”, wtf?
    Jogo pra namorada? Pequeno poney = burrinhos gays! Aloprava minha irmã por causa deles!

  99. Lorrene says:

    Vale os dois numa estória só? Senta que lá vem estória.

    Lá para 1994 ou 1995 (nem lembro mais) implorar a troca do “atari by cce” pelo super nitendo. Lembro que só conseguia importando, minha mãe “vocês já tem um video game que nem tem um ano” e a gente(eu e meus irmãos) “não pedimos isso, queremos o SNES”. Meu pai, sabia o que era um SNES (e depois a gente descobriu que ele queria também eheheheh) e relutando a comprar, devido o preço (não sei quanto mas com certeza mais de R$ 500,00 que era uma senhora grana na época), até que tanto incomodar o almoço deles, meu pai comprou. Pedimos ainda “troque o Mario por Super Street Fighter Turbo” e ele fez isso, só esqueceu de falar para o importador o “turbo” e ficamos com um jogo que não podia escolher M. Bison e outros “chefões”. Ficamos num misto “Oh, finaly” e “porra, não era essa a fita”.

  100. Lorrene says:

    @Vovô Garoto SF Você recebeu o Street Fighet II Turbo ou a versão anterior? Pedimos a Turbo e recebemos a anterior 🙁

  101. Lorrene says:

    @Antonio F.

    Pequeno Poney teve jogo? E eu não joguei? Nisso que dá ser minoria numa casa de homens. :/

  102. Anonimous says:

    Pequeno Poney… lol

    ow… impressão minha ou até agora ninguem citou o Super Metroid?? jogo mais foda de SNES

  103. Sem Terra says:

    Huaha! Deixando o vouyerismo de lado pra responder essa…

    Tive que implorar sem sucesso pra minha mãe comprar Rock n’ Roll Racing. Me lembro que vi um moleque jogando na locadora (taí uma coisa que sinto falta, aliás) e enlouqueci quando notei que a música de fundo era Paranoid.

    Foi só falar pro meu pai que tinha músicas de Black Sabbath, Deep Purple e afins que ele aceitou na hora. Deve ter realmente se decepcionado não só por ter que escutar muito da minha mãe, mas também por ver que a música era aquele midi porco.

    Bem, pelo menos consegui meu joguinho.

  104. Argus says:

    @Anonimous: concordo, mas nunca tive a fita original -- joguei no emulador -- então não mencionei.

  105. lego! says:

    Quando eu ganhei meu Snes veio com topgear, e depois ganhei Alien 3, kra nunca fiquei tão chateado por um jogo como aquele, eu esperando um Street figthers 2 e me aparecem com alien 3…

    sacanagem

  106. lego! says:

    super metroid só tive quando arrumei um ‘trabalho’ numa locadora perto de casa e acabei comprando a fita com o primeiro salario!

  107. guilherme says:

    respondendo a pergunta qto aos esquilos
    sim,tem esquilos no brasil.
    no jardim botanico aki no rio tem alguns

  108. R-Melo says:

    Implorei pra ganhar “Futebol Brasileiro 96”
    Joguei tanto que fritei minha fita em alguns meses xD
    até hoje to a procura de uma pra jogar no meu SNES
    praticamente impossível, ultimamente nen loja que vendam fitas de SNES eu acho =/

  109. Kaa says:

    Bá, um jogo que me marcou e me marca até hoje é(sou pivete, ignorem.): Demolition Racer pra Playstation ONE!
    E eu só consegui virar ele ano passado, após 5 anos de muita luta.
    oo
    Volta e meia eu jogo, e sem dúvida é um jogo muito bom.
    🙂

  110. henriquephil says:

    @Anonimous: o q é super metroid?
    eu joguei por 3 anos apenas SMW e DK, outros 4 anos somente SMW
    alguém vende controles de SNES? quebrei os meus todos ontem enquanto jogava SMW no meu snes q voltou do túmulo

  111. Motta says:

    não por jogos, mas me lemro de ter implorado durante meses para ganhar um snes.

    no final das contas ganhei um master system…

  112. Teoc says:

    Hmmm sei lá.

    Acho que eu sempre tive que convencer meus pais a comprar foi Lego.

    Lego…caraca, bons tempos.

    Eu comecei a jogar videogames MESMO foi quando o PSONE saiu…a pirataria já rolava solta. Então eu nem precisava me preocupar muito…só escolhia uns 3 ou 4 jogos e ai esperava uns 2~3 meses para pedir denovo. (pq comprar jogo toda semana é fogo)

  113. Teoc says:

    @Motta

    Nossa, mas o master system era infinitamente melhor que o snes !
    =DD

    Bom, boa parte do que eu sou se deve ao fato que eu era feliz jogando com o porco-espinho azul, e não com o encanador bigodudo =)

  114. Motta says:

    @Teoc

    Não é que o master system fosse ruim, de fato meu jogo preferido até hoje é Bonanza Brothers para master system!

    Mas o lance foi a master broxada que foi abrir uma caixa esperando por um videogame onde eu poderia jogar mortal kombat e street fighter e acabo sendo surpreendido com um sonic embalado num console preto =P

  115. Leitor Voyeur667 says:

    Na época do snes nunca precisei implorar por jogos, só ganhava no aniversário/natal mesmo então nessa data eu podia pedir qualquer um que meus pais me davam 😛
    E eles nunca deram atenção pra violência nos jogos, compravam logo de uma vez pra eu parar de encher o saco xD

    P.S: de acordo com a Wikipédia existem esquilos no Brasil sim. “Os esquilos estão espalhados por quase todo o mundo, a maioria nas zonas de climas temperado ou tropical, mas também em algumas zonas de clima frio.”

  116. Lars says:

    Indiana Jones e Sonic 2 do Master System, não ganhei nenhum dos dois.

  117. Jota Pê says:

    Quando roubaram meu SNES, eu implorei por um N64.
    Um dia, no meu aniversário, meu pai chega com uma caixa quadrada. Eu, cheio de esperanças, rapidamente rasguei o papel. E logo vi… Um playstation. MERDA! (Os que gostam me perdoem, mas eu prefiro muito mais um N64 á qualquer playstation. Mesmo o 3.)

  118. Antonio F. says:

    @Lorrene

    No passado ñ tinha jogo do Pequeno Poney, zoava minha irmã qnd ela ficava brincando com os dito cujos. Ficava chamando eles de burrinhos, etc…Se vc ver no post do Kid ele menciona “My Little Pony Barnyard Adventures”, em DVD, ou seja, coisa mais recente. Do jeito q ele falou parecia q ele tinha comprado, daí minha dúvida se era pra namorada…kkk…lembro de ver os malditos gayzinhos em 3D em algum site, ñ lembro, imaginei q era um jogo mas nem tinha ouvido nome nem nada. Daqui a pouco vai ter jogo dos Teletubbies tmb…hauhauhauhau

  119. God Warrior says:

    Nintendo és DEMÔNIO

    rel="nofollow">

  120. CeruleanSky says:

    Convencer pai católico a comprar DEVIL MAY CRY logo na epoca de “proíbam CS e GTA pois seus filhos iram se matar e provavelmente soltar uns hadoukens” era tenso 😛

  121. Robson says:

    ” E ele acabou sendo um jogo sensacional cujas maravilhas você pregou pros amiguinhos no outro dia na escola”

    bom, nunca tive video game ate os 15 anos. mas meu pai nerd comprou um oc pra ele quando eu tinha 10… desde cedo aprendi a entrar na net e baxar os emuladores e jogos q eu keria. o primeiro foi pokemon…. mas sim, uma unica vez na vida eu tive q implorar por um jogo e o o consegui e foi a oitava maravilha! Star Control

  122. Victor says:

    Donkey Kong 3 na saudosa época do Snes, fiquei de outubro a dezembro insistindo pra ganhar esse jogo no natal (afinla de contas comprar jogo era semi-abusrdo,o correto era alugar um), no final das contas ganhei o Donkey Kong 2 por q tava mais barato ¬¬

  123. PurpleLine says:

    Nenhum… Meu único videogame até hoje foi um SNES, eu o tive por uns 6 anos, e sempre tive um e único cartucho: Super Mario World. Não agüentava mais quando vendi. Me arrependo até hoje de ter vendido aquele videogame…

  124. leitora voyeur says:

    ah, esse eu me lembro bem! e tinha uns 8 ou 9 anos e tinha acabado de desbrir LoZ Ocarina of Time, graças a uma locadora, quando fui pega de surpresa um dia por um NOVO game de LoZ: Majora’s Mask, numa caixa enorme e tentadora. foram semanas e semanas e mais semanas enchendo o santo saco do meu pra pra que ele me desse o jogo, até eu finalmente conseguí-lo! Obviamente não me desapontei um segundo com o game
    Podem falar que é jogo de menininha, de criança, que é ruim, mas Zelda vai ser sempre ser o amor da minha vida! ausidhahudsiauhdiusah

  125. Tem uma loja destas a duas quadras do trabalho. 😉

  126. Fábio Negri says:

    Meu primeiro video-game foi um SNES, na verdade era do meu irmão, que é cinco anos mais velho que eu. Quem sempre comprou, ou no caso conquistou, depois de muito esforço, o direito de ter os jogo foi ele, eu tinha apenas que convencer meus pais a deixarem eu jogar certos games. Joguei até os meados de 2000. Abandonei os games para mostrar pros chefões lá de casa que eu já era um adulto (veja só), mesmo flagrando meu pai (a oposição) jogando muitas vezes.
    O gosto por video-games voltou recentemente (boa parte por influência do HBD), mas o nosso tempo e investimentos são questões de escolha e, escolhi usar meu tempo e meu dinheiro com a música,com a literatura e com o cinema dentre meus outros hobbies.

  127. Pharazon says:

    Caro leitor (voyeurs, estou falando com vocês também), que jogo você precisou implorar pros seus pais comprarem?
    The Legend of Zelda -- Majora’s Mask e Pokemon Stadium, nossas poder jogar com meus pokemons do gameboy no videogame era uma magica pra mim!

    E ele acabou sendo um jogo sensacional cujas maravilhas você pregou pros amiguinhos no outro dia na escola, ou uma porcaria miserável que minutos após jogar pela primeira vez você já planejou trocar com um coleguinha desavisado?
    Clay Fighter 63 1/4 ou era 1/3 sei lá, que lixo! mas era divertido hahaha

  128. kabelo says:

    foda c vc e esses mulekes branquelos….

  129. Kenshin Br says:

    Nunca implorei por jogo algum. Ganhava sempre três jogos por ano: um no aniversário, outro no dias crianças e outro no natal.

    Como nunca fui uma criança chata, aguardava essas datas para comprar meus jogos de Mega Drive e, mais tarde, de N64.

    Se eu sentisse necessidade de jogar algo que não podia comprar no momento, alugava.

    Na era do GameCube, mesma coisa. Vivi mais de aluguel que de jogo comprado (tenho somente 12 jogos meus).

    Hoje, com eu Wii e com minha notavel profissão de educador (LOL), tenho grana propria, mas… resolvi migrar pra pirataria. Me arrependo um pouco, pois vejo que poderia, novamente, viver de aluguel novamente. Bem, no final da geração compro outro Wii (deve sair um modelo mais novo) e faço um coleção de jogos originais pra ele comprando usados.

    Quando eu tiver um grana extra (provavelmente ano que vem, depois que eu me formar numa das faculdades) compro um PS3. Wii é muito legal, mas, por algum motivo inexplicavel, eu quero ter um PS3 também (eu não me muito interesso pelos jogos dele -- só uns poucos, mas… eu simplesmente quero ter um LOL). Xbox 360 nem de graça (se me derem eu vendo no dia seguinte).

  130. Gam says:

    O último foi Warcraft II
    Nunca me arrependi n______________n

  131. Lorrene says:

    @Antonio F

    Hoje eu não jogaria de jeito nenhum, mas naquela época, se tivesse, eu jogaria.

    Eu pensei que eles tivessem morrido. Como assim ainda dão burrinhos cabeludos para crianças? E elas ainda gostam?

  132. dablio says:

    jow….
    nao to querendo ser pentelho
    mais e o hbdcast?
    =/

  133. Diogo says:

    Devo dizer que essa foi a época de ouro. Nunca acertei tanto quanto a jogos bons, comprei clássicos como Xenogears ou Final Fantasies da vida sem nem saber o que tava levando, puro e simplesmente pelo meu instinto. Hoje em dia eu leio 666 reviews, decido qual jogo quero, compro e ainda assim não me agrado. Vai entender! Acho que eu fiquei velho de mais. 🙂

  134. […] de ler esse post no blog do Kid decidi que deveria escrever sobre Videogames. Não somente porque já faz um tempo […]

  135. Koji says:

    quando eu era pirralho eu nunca pedi jogos… me contentava com os que tinha.

  136. peterpita says:

    Nossa Kid…
    eu lembro q pedi pro meu pai um N64, lembro que quando chegou, meu pai estava trabalhando, logo liguei pra ele avisando, e ele me disse para esperá-lo pra ligar o vg na tv…. Lembro q qdo me disse as horas q chegava, fica va olhando no relógio de 5 em 5 min pra ver q horas eram… enfim… 1 hora pareceu 1 século.

    Logo depois q ganhei o N64, ele me comprou Pokemon Stadium, em pré-venda, fazendo surpresa pra mim….
    TODO MUNDO QUERIA POKEMON STADIUM !!!! ERA DU CARALHO…
    e ainda quando expliquei pra ele o esquema do transfer pack, 1 semana depois chegou um GameBoy Color Edição Especial do Pokemon ( no sol era dourado e na sombra prateado ( pra promover o lançamento de pokemon Gold/Silver )) com pokemon silver, e pokemon Red….
    acho q chorei de tanta emoção !!

  137. PF says:

    Quando eu tinha um Master System, certa vez implorei pro véio comprar “Global Gladiators”, uma merda de um adver game do McDonalds. Bosta.

    Hoje tenho um Wii e outro dia fui na EB Games pra comprar Mario Galaxy… paguei 45 dólares em um jogo que original seria 50. Acho que fui idiota. Acho não, eu fui idiota. Fui não, eu sou idiota.

    Obrigado.

  138. Kim says:

    A porcaria do jogo dos Flintstones para Master System, insisti umas 3 horas para ganhar. Quando cheguei em casa e fui jogar era simplesmente o pior jogos do universo. 😛

  139. ReVo says:

    Acho que o Kid combinou com o Dahmer!
    Dêem uma olhada na tirinha de hoje dos malvados. http://www.malvados.com.br/

  140. Ruryk says:

    Nunca tive problemas com relação ao conteúdo dos games, só mesmo com os preços.

    Mas lembro de, um dia, logo quando saiu um filme dos Power Rangers (horrivel, por sinal) ter insistido pra minha mãe comprar o jogo, que era de Mega Drive.

    Cheguei em casa e fui jogar com a minha irmã pra ver como era. Terminamos o jogo de primeira e em uma hora. Quando terminou só disse um “só isso?” e guardei-o pra nunca mais vê-lo.

  141. ... says:

    Tento agora convencer aos meus pais, que vão aos EUA, à comprar O jogo(Metal Gear Solid 4). Só tem um problema: sou menor do que a categoria indicada (M=17+). Tento explicar pra eles que o jogo não é necessariamente um jogo de guerra, mas sim de espionagem. O que faço ?

  142. caio says:

    eu gostaria de todos os codigo do aladin do game bly color

    obrigado!!!!

  143. caio says:

    sou eu de novo fais um dois dias e vcs ñ me reponderam eu quero os codigo do jogo aladin do game boy color

  144. Argus says:

    @Caio: acesse o site GameFAQs.com, caso já tenha passado da quarta série e saiba usar sistemas de busca. Se não, avise que eu copio aqui.

  145. João Paulo Nunes says:

    Quando saiu Pokemon Silver, meu deus do céu fiquei uns 2 meses implorando por um joguinho.. eles nem queriam dar 100 R$ neh =S.. mais de tanto insistir eu consegui o tão sonhado game e fui feliz até a morte me separar dele(meu amigo foi troca a bateria e quebrou-lo)

  146. João Victor says:

    Eu tive q imlorar na epoca do ps1,Tenchu 2,q para a minha maior ajuda tinha logo a foto da cabeça toda ensaguentada do Motohide atras….Resulatado:fui pegar o jogo dois meses depois…..

  147. ufa says:

    Cara, um jogo q eu precisava era Double Dragon de Master System. Já tinha jogado no Arcade, mas quando vi um amigo meu que tinha, delirei. Lembro que quando ele me emprestou eu cheguei a passar mal no almoço, pq engoli a comida de uma vez para ir jogar!! Idos de 1989!

  148. Maleenha says:

    Cara, o jogo que eu mais tenho orgulho de ter comprado foi Super Metroid! E olha que eu não fazia IDEIA que o jogo seria maravilhoso. Na verdade, eu achei que ele seria meio tosco, devido aos screenshots e capa. Mas pqp, quando eu comecei a jogar, não parei mais! E olha que eu era um pivete catarrento de 9 anos! Foi uma pura cagada!!!
    Abração!

  149. rena says:

    o porra eu quero jogo de mega drive sera que tu nao sabe que temn gente que gosta de video game antigo

  150. Pedro says:

    Implorar por um jogo, não. Sempre baixei meus jogos de PS2. Só tive que tentar um pouco mais pra conseguir o Xbox 360 mesmo, e nem implorava por esses porque eu arrastava meu pai pra Saraiva e conseguia comprar jogos fodas, 1 por mês. Isso, claro, antes de desbloquear meu Xbox. Agora compro 10 pelo preço de 1.

  151. Lyncool says:

    haha
    1º comentário aqui
    eae nerds!!!!

  152. Pedro Ivo says:

    Cara, lendo esse teu texto lembrei agora de quando eu tinha uns 10 ou 11 anos, num típico passeio no Shopping Recife com minha mãe. Passando por uma loja de informártica, IMPLOREI pra que ela comprasse para o The Sands of Time. Depois de muite insistência, adivinha? Não levei o jogo. Motivo? A classificação, 16 anos ¬¬”

    Meu trauma é tão grande que, até hoje, por pura birra, jamais joguei mais que 10 minutos do The Sands of Time. 😛