Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

O Brasil é uma vergonha: Caso Renault

Postado em 16 March 2011 Escrito por Izzy Nobre 93 Comentários

Antes que nego mal amado e com complexo de inferioridade dê chiliquinho, vou deixar algo bem claro: eu amo o Brasil.

Parece contraditório, considerando o quanto eu já critiquei a cultura e o povo brasileiro neste blog, mas é a pura verdade. Eu amo minha terra natal. Sinto uma certa saudade do nosso jeito de ser, da nossa língua, da minha família, das raízes, manja?

Olha só, vou te provar de uma forma prática o quanto eu amo meu país. Isto é o que estarei pagando pra ir ao Brasil agora em abril:

Só pra contextualizar: 4323 reais, de acordo com a cotação de hoje

Mesmo que eu não fosse pagar a passagem da minha mulher — ai, minha carteira… –, ainda estamos tratando de uma cifra de quase 1300 dólares. Isso pra não contar as DUAS conexões (Houston, São Paulo) e um total de 22 horas de vôo. Pra ir ao Brasil passo praticamente um dia inteiro dentro dum tubo de metal viajando a 600 km/h, a dez quilômetros de altura, que pode explodir a qualquer momento.

Digamos que ao invés de passar férias na minha amada cidade natal, eu decidisse ir a, sei lá, Cuba. Meu irmão e meus pais já foram lá (aliás, esquece, meu pai foi pro México na verdade), ficaram em hotéis fodíssimos, e sempre recomendam o local.

Este é o preço de um pacote de viagem de uma semana em Cuba, que inclui comida e estadia num resort cinco estrelas.

Com os impostos, não dá nem mil dólares. O vôo é direto de Calgary pra Cuba, demora apenas 6 horas. Chego no país e em questão de 30 minutos tou na piscina do hotel.

O que tou querendo mostrar pra você é que eu gasto uma nota federal pra ir ao Brasil todo ano porque sinto falta do meu país. Apesar de qualquer coisa, ser brasileiro é uma parte irremovível de quem eu sou. E isso é mair amor pela pátria do que muitos de vocês que acessam esse site provavelmente sente (o que mais ouço quando aviso que tou indo passar férias aí é “caralho, por que diabos você quer voltar pra cá?”).

Ok. Tendo dito tudo isso, é inegável que NOSSO PAÍS É UMA VERGONHA. E eu já presenciei tanta desgraça que aflige nosso país que resolvi documenta-las aqui nesta pocilga digital, como registro histórico. E esta é a primeira história.

Então, tem esta mulher, né? Ela comprou um carro da Renault, e o carro nunca funcionou. Ela tentou entrar em contato com a fabricante, sem sucesso — eles aparentemente sugeriram que ELA consertasse o carro por conta própria.

A mulé, sem recursos, resolveu usar seu direito de liberdade de expressão pra veicular sua frustração com a situação. Ela criou um perfil no tuiter (onde ela iria, subsequentemente, xingar muito no), uma conta no youtube, e um site entitulado “Meu Carro Falha“.

Sabe o que a Renault fez? Processou a mulher. E ganhou.

Ela se viu obrigada a remover da web todo o conteúdo contra a montadora, sob ameaça de multa diária de R$ 100.

Sério, uma putaria dessa me enche o coração de fúria. Como demônios o juiz decidiu dar razão à montadora ao invés de permitir à mulher lesada seu direito básico de se expressar é um mistério pra mim. Manjo nada dessas porras, coleguinhas juristas, defendam a decisão aí nos comentários. Suspeito que tem algo a ver com uso indevido de imagem, passei perto?

O nosso jurídico é historicamente retardado no que diz respeito a lidar com conflitos internéticos. Esse é só mais um exemplo disso.

Nosso país é uma vergonha.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

93 Comentários \o/

  1. @kaduvrp says:

    Vergonhoso mesmo esse caso viu =/

    Mas fazer o que né, aqui no Brasil ainda impera esse lance de poderosos foderem quem pode menos… Não sei como é ae em Calgary, mas aqui é foda.

  2. Fabrício Pereira says:

    Dura lex sed lex. Abs.

  3. Tiago says:

    Cheguei a pedir que a consumidora disponibilizasse a decisão pra poder criticá-la, mas ela não me respondeu.

    Nunca que o direito à liberdade de expressão pode ser subjugado pela proteção à marca ou ao nome da empresa.

    Essa decisão maluca permanece um mistério…

  4. Leonardo S. Fagundes says:

    O que o juiz alegou é que ela estaria manchando o nome da empresa na internet. Coisa que eu não concordo. A montadora está enrolando ela faz ANOS. Essa decisão é uma vergonha mesmo. Ela só está relatando um fato que aconteceu com ela e a justiça acatou a reclamação da marca de que a imagem dela estaria sendo manchada. Se a montadora está tão preocupada com a sua fama, que concertasse o carro da cliente.

  5. Sérgio says:

    R$ 4323… acho justo.

  6. ArthurPepper says:

    Achei que fosse algo pior.

    A mulher estava realmente promovendo a difamação da empresa publicamente, ela pelo visto não sabia utilizar a justiça de forma adequada.

    O que achei vergonhoso foi a atitude escandalosa dela.

    E na maioria dos outros países do mundo a decisão do tribunal iria ser a mesma da que foi dada aqui, o problema é entre ela e a empresa.

    • Mateus Antonio Bittencourt says:

      Cara… você conhece a história?

      Ela já entrou na Justiça. Um juiz mandou um perito averiguar, o perito falou que de fato o problema era da montadora e não da mulher.

      Mesmo com essa PROVA de que a Renault fez merda, ela ainda esta a 3 anos enrolando na justiça pra não pagar o que deve pra mulher.

      Agora, a justiça brasileira pra dar ganho de causa pra Renault e tirar o site do ar foi em 2 dias. Agora pra obrigar a empresa a pagar o que deve pro consumidor que foi LESADO o processo ta a mais de 3 anos.
      Me responda (agora vou baixar o nível) seu IDIOTA. Você realmente acha que a Renault ta certa nessa porra?

      É cada imbecil sem cérebro que me aparece que é foda. Deve ta na quarta série ainda e quer dar uma de pseudo-intelectual falando em outros países a decisão ia ser a mesma.

      Uma coisa que no mundo LIVRE existe é a LIBERDADE DE EXPRESSÃO. Coisa que no Brasil não existe, nego fala qualquer coisa e já é censurado. A biografia do Roberto Carlos, ele entrou na justiça e ele ganhou. E esse é apenas um dos muitos exemplos de que como no Brasil nós temos uma pseudo-liberdade de expressão.

      E existe uma diferença entre difamar e reportar:
      DIFAMAR é você denegrir da imagem de alguém ou algo simplesmente por causa de um preconceito, ou opinião pessoal.
      REPORTAR é você pegar dados reais, e com isso formar um texto, vídeo, carta, etc. reportando os seus achados de forma integra e imparcial.

      Em nenhum momento ela difamou a Renault. Ela simplesmente através do vídeo reportou um FATO que estava acontecendo com ela.

      Agora ArthurPepper criança. Não esqueça de beber o leitinho se não bebe não cresce inteligente. Falando em inteligência, ta faltando muita pra você.

      • Dan Ramos says:

        E eu digo mais: nos EUA, por exemplo, tinha muito mais chance de ser o contrário, com a mulher ganhando outro carro em um estalar de dedos.

        • Gabriel says:

          Nos EUA não chega nem a isso, vc entra em contato e em 30 dias eles mandam um perito e, se for o caso, o cara jã chama um guincho e leva o carro.

    • Mateus Antonio Bittencourt says:

      Por essa sua mentalidade doentia, falar que O Beira-Mar é um traficante assassino, e chamar o Marcos Valério de corrupto ladrão é difamar tbm?

      Cara, na boa. Não fale merda só por que ta na internet.

    • Jorge says:

      Caro, Mateus, tá na cara que o Arthur é um troll, deixe os falando sozinhos, por mais que ele nos dê nojo. Aproveitando a dica sugiro que o Israel adicione aquela opção nos comentarios para que possamos dar uma nota para eles, dai se ela for ruim o comentario fica escondido, é otimo e esses caras param de falar besteiras.

      Por fim, Israel, otimo post como sempre.

      Aquele abraço;

      J

  7. Mateus Henrique says:

    Puta merda, eu ainda não tinha visto isso. Não tem nem o que ser falado de uma decisão judicial dessas, quer dizer que um consumidor não pode falar mal do produto que comprou? será que vai virar moda processar por esse motivo agora..

    e se a decisão fosse contra mim, eu deixaria o site no ar e deixaria a multa ficar muito alta, seria muito marketing negativo pra renault, dae depois quando fosse ser cobrada a multa, daria o “carro” para ser leiloado, e ainda faria mais marketing negativo..

  8. Carol says:

    Bem, era a Renault vs. a mulher. É uma empresa grande, infelizmente as coisas aqui são assim.
    Apesar de tudo, eu também amo o Brasil, é tenso.

  9. Geovanni says:

    vejo algum suborno rolando por ai, isso sim

  10. Tiago Dotcom says:

    E se eu falar que um ex-vizinho (falecido) que fez o mesmo aqui em Fortaleza. Porém no seu caso ele havia comprado uma Parati (acredito que era modelo 3a geração) em uma revenda autorizada VW e teve inúmeros problemas. Tantos, que ele resolveu se manifestar fazendo um adesivo enorme e colocando no vidro traseiro do carro, a mensagem era a seguinte: “Não comprem veículos na concessionária XXX. É problema!”. Resultado: a empresa o processou e ganhou por denegrir a imagem da empresa. Legal né ?

  11. Gustavo Buch says:

    Procurei no site do Tribunal de Justiça de Santa Catarina pelo processo da Renault contra ela e não encontrei nada dessa decisão condenando-a a retirar o site do ar…

    A decisão que vi, nos autos de n° 019.11.001427-6 -- Comarca de Concórdia/SC foi a seguinte (extraí apenas o final da fundamentação e uma parte do dispositivo):

    Registre, por oportuno, que o ânimo ofensivo surge apenas quando a divulgação extravasa a informação, trazendo manifestação sem ligação direta com o
    fato narrado ou quando expressa crítica desarrazoada, revelando o intuito claro de
    atingir o decoro, a dignidade ou a reputação de quem relacionado ao fato noticiado, o
    que, em uma análise perfunctória, não se vislumbra na manifestação divulgada pela
    ré.
    Assim, pela literalidade dos documentos encartados à inicial, bem
    ainda dos vídeos assistidos, disponíveis no site http://www.meucarrofalha.com.br, não se
    extrai do conteúdo natureza ofensiva, excesso de liberdade de expressão ou ânimo
    de ofender a empresa ré.
    Não se olvide, por fim, a possibilidade de responsabilização
    posterior acaso verificado o abuso do exercício do direito de expressão praticado pela
    demandada.
    Ante o exposto, ausentes os requisitos elencados no art. 273
    do CPC, INDEFIRO a tutela antecipada pleiteada pela empresa requerente.

    Quanto ao processo dela contra a Renault (n° 019.07.002667-8), é assim mesmo… em 20/09/2007, o Juiz havia proferido a seguinte decisão: “defiro o pedido formulado pelos autores e determino que as rés, no prazo máximo de 03 (três) dias, promovam a entrega do veículo aos demandantes, em perfeitas condições de uso.”

    Dei uma olhada nas datas do cumprimento dos atos judiciais e aquilo ali não é normal. Está havendo uma demora muito absurda no andamento desse processo. Não faço ideia da quantidade de processos que existem nessa Vara Cível, mas desde final de 2007 praticamente não houve andamento. Definitivamente, não tem como um processo ficar tanto tempo parado, e nem houve interposição de recursos.
    Muito estranho…

    • Essa é uma outra decisão judicial. Há dois processos judiciais correndo na Justiça sobre o mesmo assunto. A Daniely entrou com um processo, não adiantou, aí ela entrou com OUTRO.

      O segundo processo, de número 019.11.001427-6, é o que você achou. De fato, o pedido foi indeferido pelo juiz Rudson Marcos. Só que, como os dois processos são ligados (por serem basicamente o mesmo), quem tem de julgar é o juiz responsável pelo PRIMEIRO processo, de número 019.07.002667-8. No caso, é o juiz Renato Maurício Basso.

      A decisão que vale é a do primeiro processo, que foi favorável à Renault. Mas a decisão, aparentemente, ainda não está disponível no sistema da Justiça de Santa Catarina: http://esaj.tjsc.jus.br/cpo/pg/show.do

    • Erick says:

      Não sei tanto assim, mas acho que existem dois processos. Vejam o comentário abaixo:

      Essa é uma outra decisão judicial. Como explicamos no texto, há dois processos judiciais correndo na Justiça sobre o assunto.

      O segundo processo, de número 019.11.001427-6, é o citado no comentário do link que você passou. De fato, o pedido foi indeferido pelo juiz Rudson Marcos. Só que, como os dois são basicamente o mesmo, quem tem de julgar é o juiz responsável pelo PRIMEIRO processo, de número 019.07.002667-8. No caso, é o juiz Renato Maurício Basso.

      A decisão que vale é a do primeiro processo, que foi favorável à Renault. A decisão, aparentemente, ainda não está disponível no sistema da Justiça de Santa Catarina: http://esaj.tjsc.jus.br/cpo/pg/show.do

      Retirado aqui do Gizmodo: http://www.gizmodo.com.br/conteudo/cliente-cria-site-para-reclamar-da-renault-e-obrigada-pela-justica-a-retira-lo-do-ar/

      • rodrigo says:

        Sim, existem dois processos o de 2007 e o de 2011.

        Eles já estão apensados (estão “colados”)o que, na teoria, significa que uma decisão em um dos processos não deverá conflitar com o que ocorre no outro.

        O que me parece que aconteceu é que na petição inicial da Renault tinha um pedido de antecipação da tutela (este pedido, se deferido, representa a restituição de algum direito ou garantia que foram violados ou ainda a manutenção de algum direito ou garantia que estejam ameaçados). Inicialmente o juiz entendeu que este pedido não tinha fundamento suficiente e indeferiu a antecipação da tutela.

        Posteriormente, após um pedido de reconsideração apresentado pela Renault, o juiz decidiu pela antecipação da tutela.
        Esta decisão, apesar da multa, não se trata de uma sentença.

        Portanto, é de se estranhar a lentidão num processo que tramita desde 2007, que trata de uma questão um tanto simples, e a repentina mudança no entendimento do juiz sobre o pedido de tutela antecipada, mudança esta motivada por um mero pedido de reconsideração.

        Concordo com a afirmação de que o Brasil se encontra num poço de vergonha (ou de falta de vergonha na cara), temos falhas gigantescas em todos os setores da administração pública e no setor privado.

        Boa viagem Izzy

        abraços

  12. O mais incrivel é ela pagar todas as 24 prestações do carro mesmo sem andar com ele, eu me sentiria lesado a cada mês e ficaria depre com cada pagina do carnêzinho virado, isto me lembra daquele seu post do MacBook, no Brasil só porque você comprou uma coisa é quase certo que você seja obrigado a gostar dela.

  13. Diogo says:

    Certeza que essa anta de mulher fez algo errado. Nunca que uma concessionária iria negar consertar um carro NA GARANTIA. E como muitos apontaram aí tem algo errado no processo. Parem de ser “mimimi odeio o Brasil” e comecem a pensar um pouco sobre o que vocês lêem.

    • @LipeML says:

      Cara, nunca fale “Nunca que uma concessionária iria negar consertar um carro NA GARANTIA”. Isso acontece mais do q o normal. Uma empresa não dá garantia no carro achando q vai quebrar. Dão pq acha q não vai. POde parecer idiota a ideia, mas quem não pensa duas vezes em comprar um produto com maior garantia? Alem do mais, a garantia sempre eh atrelada ao fato de voce fazer a revisão periódica do carro, q custa uma nota legal, e no fim não resolve nada. Voce paga 1000 reais pra concessionária dizer onde tá o problema.

      Teve um caso parecido aqui no Recife. Uma semana e o carro sem funcionar, e a galera protelando pra consertar:
      http://acertodecontas.blog.br/economia/nao-compre-carro-na-america-ford/

    • Cida Reis says:

      Me desculpe, moço, mas quem tem que pensar nesse caso é você. Dou todo meu apoio à Daniely

  14. Abisnobaldo says:

    Não vi nada de mais com a decisão do juiz. Acho justo

    • Alan says:

      Cala boca!

      Falar a verdade não pode né?
      Se a montadora não queria ter a imagem suja por esse caso, deveria ter dado a devida atenção para a consumidora!

      Vai gastar muito mais dinheiro tentando apagar essa má impressão do que arrumando o carro.

      lamentável.

    • Algust21 says:

      Concordo. Não é porque a montadora tá errada que a consumidora pode fazer o que quiser.

      Experimenta escrever bem grande no muro do seu prédio: A vizinha do 51 é uma vadia! Ué, não pode falar a verdade?

      Por mais que ela seja vadia, apoiar-se nos meios de comunicação com o intuito de se beneficiar de uma possível mancha na imagem da fornecedora é ILEGAL, sim! E em qualquer país do mundo, izzy.

      • Cida Reis says:

        Gente! Onde nos estamos ? A Daniely está reclamando um direito!! E vem alguém a chamando de vadia!?! etá subdesenvolvimento!

  15. http://twitter.com/meucarrofalha
    http://www.meucarrofalha.com.br

    Todos os site até as 08:40 da manhã de quarta-feira ainda estão no ar.

  16. Pe-pe-pe-peraí. Pára. Volta.

    “Multa diária”. É isso mesmo? Decidiram que a mulher devia-- eu não vou continuar com esse raciocínio, é filhadaputagem demais pro meu gosto.

    Also, quase 1300 dólares, duas conexões e 22 horas de vôo? Acho justo.

  17. Michelli says:

    Que vergonhoso! não sabia que a Renault tinha ganho!
    UMA VERGONHA MESSSMO!
    Que droga!

    • Alighieri says:

      Não viram o comentário do Gustavo?
      Pelo trecho que ele reproduziu da decisão a Renault não ganhou nada, e nem foi pedido que a mulher retirasse nenhum site do ar. E de fato ha algo estranho com o andamento deste processo, mais de 3 anos sem movimentação. Tem treta, descaso ou incompetência aí. E outra coisa que deve estar errada é essa notícia que está rolando dizendo que a mulher perdeu na justiça e que tem que pagar multa e bla bla bla. Alguem passou isso para frente e está todo mundo repetindo, inclusive o Kid. Tem que ver isso aí!

  18. Betine says:

    A demora nos andamentos processuais no Brasil é uma grande vergonha mesmo. Sobre esse caso, o problema é que um erro não justifica o outro, o que ela fez foi errado, e a justiça não julga baseado no outro processo que ela tem contra a Renault.

    Infelizmente, como disse o Izzy.. o grande problema é um só: “BRASIL”

  19. luiz filipi baraun says:

    é um apouca vergonha…

  20. Certo que rolou um “por fora” pro juiz. Não há dúvidas.

  21. Victor says:

    O pessoal para falar mal da Justiça brasileira é rapidinho, mas ir atrás da verdade só o Gustavo Buch teve a iniciativa antes de falar algo.
    “Assim, pela literalidade dos documentos encartados à inicial, bem
    ainda dos vídeos assistidos, disponíveis no site http://www.meucarrofalha.com.br, não se
    extrai do conteúdo natureza ofensiva, excesso de liberdade de expressão ou ânimo
    de ofender a empresa ré.
    Não se olvide, por fim, a possibilidade de responsabilização
    posterior acaso verificado o abuso do exercício do direito de expressão praticado pela
    demandada.
    Ante o exposto, ausentes os requisitos elencados no art. 273
    do CPC, INDEFIRO a tutela antecipada pleiteada pela empresa requerente.”

    A justiça decidiu tudo a favor dela, o problema está na execução do pedido pelo fato da empresa ter entrado com recurso e é de conhecimento público que os tribunais conseguem ser mais lentos que a primeira instância.

  22. O Cervejeiro says:

    Eu não sei o que é mais triste… Ver que essa situação pode estar acontecendo em qualquer fórum de direito aqui perto, ou ver os comentários de alguns MOLEQUES que não tem a mínima noção do que estão falando…

  23. Diones Reis says:

    Ué, Izzy. Achei que os caras do evento que você vai participar (Desencontro 2011) iriam bancar a sua viagem.

  24. Expedito Paz says:

    Ese caso foi uma perfeita falta de comunicação entre jurídico e assessoria de comunicação/RP da Renault.

    O caso do carro em si: a mulher deu azar do carro ter vindo com vício de fabricação. A Renault tem que trocar mesmo a parada. Esse é um processo.

    Outro foi o do site. Mas parece que finalmente chegaram a um acordo, pelo que li nos últimos tweets da dona do carro.

  25. @LipeML says:

    4300 reais pra vir pro Brasil? Acho justo.

  26. Vitor says:

    Só digo isso sobre o assunto: verifique o corretor gramatical do seu iPad se vc escreveu esse artigo nele.

    Brincadeirinha,deixando minha trollice de lado,realmente é um absurdo que a pessoa cujo carro saiu da fábrica com um defeito não possa nem sequer reclamar publicamente.A internet não era pra ser um território livre,onde as pessoas podem expressar suas opniões?Então pq ela teve q tirar o site dela do ar?Tinha é q tirar o carro da Renault de circulação…

  27. Rafael says:

    A mulher não perdeu a ação na Justiça e o site continua no ar. Kid, favor checar os fatos antes de ficar postando coisas assim sem nem saber se é verdade. ¬¬

    • Cida Reis says:

      …TEMOS o orgão de defesa do consumidor e temos os “amigo$” da Renault, óbvio. Assim caminha a humanidade!

  28. elcio says:

    Bom, a história não foi tão simples assim… Vejam esse artigo publicado no gizmodo.com.br

    http://www.gizmodo.com.br/conteudo/cliente-cria-site-para-reclamar-da-renault-e-obrigada-pela-justica-a-retira-lo-do-ar/

    Ela já estava movendo ação na justiça, e decidiu se manifestar publicamente a respeito. Não estou dizendo que ela esteja errada não, mas como tem no próprio texto e que foi argumento do juiz:

    “Como explica o juiz em palavras rebuscadas, informar as pessoas do acontecido não é problema algum. O problema, ao que parece, é quando “a divulgação extravasa a informação”, ou seja, quando a empresa vira alvo de críticas e tentam prejudicar a reputação dela – e isso durante um processo judicial. Criticar a empresa sem um processo correndo na Justiça, como foi o caso de Oswaldo Borelli, parece ser OK; quando há ação judicial envolvida, as regras são outras.”

    Ela não está errada em fazer o que fez. Só que ela fez “na hora errada”, por assim dizer.

  29. Helana G. says:

    Bom, antes de atirar pedras na empresa, é preciso observar o seguinte ponto: nenhum direito é absoluto e sempre deve ser exercido com razoabilidade.

    O que o juiz considerou ao requerer a retirada do site da consumidora foi que esta estaria cometendo um abuso de direito, o que quer dizer que ela estaria indo além dos limites no exercício da sua liberdade de expressão, causando um dano desproporcional e injustificável a outra parte (o protesto aparentemente teria passado da simples reclamação saudável para ofensividade).

    É bom ressaltar que por essa decisão ela não “perdeu” o processo. Não é a decisão final, mas sim uma antecipação de tutela (que é popularmente conhecida como liminar). O magistrado agiu com cautela, pois, ainda que existam fortes evidências de que a concessionária esteja errada, o processo não terminou (não transitou em julgado) e, portanto, ainda não há uma condenação definitiva.

    Veja que houve duas decisões: na primeira (que o Gustavo colou em um comentário anterior) o juiz negou a liminar à Renault. Já, na segunda (que a consumidora postou no Tiwtpic) ele RECONSIDEROU a decisão anterior, provavelmente (aqui é apenas uma especulação minha) porque a consumidora possa ter acrescentado mais comentários que possam ser qualificados como injuriosos (novas provas foram juntadas para o juiz rever sua decisão).

    Vejam que não é porque uma pessoa é culpada que isso autoriza que a humilhemos através dos meios de comunicação (como é o caso dos presos que são exibidos nas TV’s de maneira vexatória). Da mesma forma é com uma empresa, sendo que para esta o dano não é à honra, mas à imagem (que podem ser tratados como equivalentes).

    Sobre abuso de direito, sugiro a leitura deste post bastante interessante (acessível a todos, não só a estudantes/profissionais do direito), relatando um caso ocorrido com a Igreja Universal: http://direitosfundamentais.net/2008/02/19/acesso-a-justica-e-abuso-de-direito-o-caso-da-igreja-universal-versus-folha-de-sao-paulo/

    • Helana G. says:

      Apenas esqueci de acrescentar que, pelo que eu vi no site, considero que, na minha opinião, não houve veiculação de nenhum conteúdo ofensivo (como foi concluído na primeira manifestação do juiz). Gostaria muito de ter acesso ao processo para saber qual foi a informação juntada pela Renault que fez o juiz reconsiderar a decisão.

  30. pertubado - bairro do salgado says:

    ele sai da favela mas a favela n sai dele

  31. Richard says:

    Cara, infelizmente o Brasil não presta nesse quesito. Meu pai GANHOU na justiça fazem 11 anos uma causa de uma grande construtora (a respeito de um ap). A construtora tomou o apartamento e até hoje não pagou o meu pai, sendo que a sentença dada por um MINISTRO do supremo tribunal dizia que deveria acontecer o contrário. O resumo é, o Brasil ta uma merda, é um bom país pra se viver se vc ganha mais de 50 mil, caso contrário vá pra outro lugar.

  32. André says:

    “eu amo o Brasil”, pois é, eu não, vamos trocar? Eu vo ai pro Canadá e vc fica aqui em Recife. O que acha? .D

  33. André says:

    Alias, esse juiz maldito deve ter faturados alguns mil reais pra tomar essa decisão.

  34. Ari Galvão says:

    /offtopic digite “festa privé” no google imagens e preste bastante atenção na primeira foto. :p

  35. Cynthia says:

    Semana passada um delegado bateu a viatura (um carrão que eu não lembro o nome, mas que era visivelmente uma puta máquina) em que dirigia de frente com um Golzinho velho dum cidadão qualquer, que teve perda total. O dono do Gol ficou preso nas ferragens, foi retirado pelos bombeiros e seguiu de ambulância para o hospital, e o FILHINHO DELE QUE ESTAVA NO CARRO felizmente não se feriu. Pelo testemunho dos moradores, o Gol estava lá na sua quando a viatura surgiu no meio das duas pistas e muito acima do limite de velocidade. Foi no topo duma ladeira (por isso a baixa visibilidade e o acidente), e fica óbvio também que só o carro do delegado tinha motor suficiente pra causar uma merda daquelas depois duma subida íngreme. A posição em que os carros ficaram na rua confirma a versão dos moradores.

    MAS… óbvio que o delegado disse que o dono do Gol que estava a milhão no meio da rua. Sendo o delegado funcionário do Estado, o perito funcionário do Estado, o juiz que vai julgar o caso funcionário do Estado… Quem tu acha que se fodeu lindamente?

    Braziu ziu ziu.

  36. aylla says:

    Muito dinheiro rolou entre o juiz e a renault. #issoéfato

  37. Hreter says:

    Izzy, o problema não é o Brasil, é os EUA, ou a relaçao entre os dois, porque uma passagem ida e volta desde Barcelona nessa mesma época do ano sai por 700 euros. =o

    Fora isso… Botei as maos na cabeça ao ler isso. Só no Brasil mesmo, só no Brasil…

  38. Gilson says:

    Ela não podia consertar o carro por conta própria mas tinha tempo e dinheiro sobrando pra fazer o site?
    ah, ok

    • Cida Reis says:

      Gilson, você não merece reclamar de nada! É de opiniões como a que eles ganham. E como ganham!

    • Marcelo "J.J." Machado says:

      Vendo: interpretaçã de texto. Ideal para quem ACHA que sabe ler.

      Ninguém conseguiu consertar o carro. Nem a própria autorizada ! Era só ler para ver essa informação.

      E, sério, você acha normal comprar um produto, ele ter problemas, e quem assume o custo do reparo do bem adquirido é o próprio consumidor ? Qual o seu nome verdadeiro ? Amélia ?

      Por sinal, melhor comentário EVER, e melhor definição deste país, por Paulo:

      “Quem vota em Tiririca e aplaude Olimpíada e Copa do aqui não pode reclamar e nem pedir justiça.

      O último a sair apague a luz do aeroporto.”

      ‘Nuff said.

      J.J.

  39. almeida says:

    independente DESTE caso ser verídico ou não, o Brasil continua sendo uma vergonha pois costumeiramente há casos como esse e qualquer um sabe disso.

    Aliás, o Brasil não é uma vergonha, mas sim os nossos advogados, juízes, leis… tudo dessa área de direitos é lamentável.

    Nossa constituição foi modificada um milhão de vezes e parece que cada vez só piora mais. Desde os primórdios da história do Brasil que ele é cercado por corrupção e falcatruas. |:

  40. Matheus says:

    óbvio que não é questão de certo ou errado, sim uma esquema para a renault não ter seu nome sujo mais do que já está.

  41. Paulo says:

    Quem vota em Tiririca e aplaude Olimpíada e Copa do aqui não pode reclamar e nem pedir justiça.

    O último a sair apague a luz do aeroporto.

  42. giovani says:

    o sistema jurídico de um país nada mais é do que o reflexo da sociedade do próprio país… e tô pra dizer que o sistema brasileiro não é dos piores.
    Mas relaxa, Izzy, esse pode ter sido o entendimento de um juiz só… ainda tem apelação e tal, a coisa pode mudar totalmente.

  43. Tanarim says:

    Bem, quem entende de Direito vai sacar o que aconteceu. Mas, para aqueles que não conhecem, deixe-me adicionar o seguinte.

    1- O pedido de liminar é antes do julgamento do processo (causa que estão discutindo no processo), ou seja, o quê se discute na liminar é mais ou menos como se falassem ao juiz: “Olha senhor juiz, estão me lezando aqui, estou tomando prejuizos em razão da propaganda, SERÁ QUE TEM COMO SUSPENDER A PROPAGANDA ATÉ JULGAR O PROCESSO?”
    Essa é a pergunta que a concessionária fez!

    Agora peço atenção. O JUIZ NEGOU A 1ª LIMINAR, ou seja, a suspensão da propaganda antes do processo ser julgado não foi aceita pelo juiz.

    AGORA MEUS CAROS AMIGOS VEM O PULO DO GATO

    A concessionária, provavelmente, com o intuito de desacelerar o processo entrou com alguma peça do tipo: “pedido de reconsideração ou agravo de instrumento”

    A nossa atenção vai para o agravo de instrumento e, acho, que daí vem a conduta acertada do magistrado.

    O agravo de instrumento é julgado normalmente pelos desembargadores(aqueles caras acima dos juízes), então caso o juiz ainda continuasse a negar a liminar, o processo ficaria suspenso, subindo os autos ao Tribunal de Justiça, ONDE O TRÂMITE É BEM MAIS DEMORADO!!

    Então, acho que o juiz agiu certo concedendo a limiinar para a suspensão do site, pois, se ele não fizesse isso, com certeza o processo subiria ao tribunal de justiça de Mato Grosso do Sul, reformaria após a decisão.

    • giovani says:

      Pelo menos aqui no RS o TJ é muito mais rápido que o primeiro grau… apelações são julgadas em menos de um ano, e agravos em 6 meses.

  44. Equilibrium says:

    Decissão perfeitamente normal do juiz, se já existe um processo a respeito do caso, ela de forma alguma deveria fazer o que fez, se ela levou pra justiça, agora aguenta essa morosidade.
    Dizer que o Brasil é uma vergonha por fatos isolado como esse?!?! Você não tem orgulho do Brasil e nem de ser brasileiro coisa nenhuma filho, está vindo aqui só pra aparecer. Dá uma chegadinha aqui em Goiânia pra gente conversar, eu pago a metade de sua passagem e estadia…

  45. mimiimi says:

    a justiça do brasil é uma vergonha, e a do canada é transparente e correta.

    quem tá descontente aqui, vai pro oriente medio. ou pro japao. SE MANDEM, seus merdas

    depois fiquem com saudades e paguem 4 mil dolares pra da uma visitada

  46. mano says:

    Eu acho uma vergonha o pessoal achar que agora tudo se resolve criando um buzz na internet. Sabe uma coisa que me deu raiva e certamente vai despertar o mesmo sentimento em você? Escute a partir do minuto 15:37 desse podcast http://www.netpromo.com.br/Podbility/podbility_136.mp3

    Foi praticamente a versão 2.0 do famoso “Você sabe quem eu sou?”

    • Mitsuo (@chucrutzz) says:

      na verdade ele estava no direito dele de reclamar e ter o produto trocado, como a mulher ficou de frescura ele teve q apelar, nada mais justo.

  47. Rafael says:

    Bacana, agora já sei que meu primeiro carro não será da Renault.

  48. Renato says:

    Devo dizer que valia mais usar a diferença em dólares pra pagar em reais a viagem de avião de algumas pessoas que queira ver pra se encontrarem em Cuba do que vir pra cá.

  49. Dan says:

    Dá uma olhada na soma da conta desse restaurante de São Paulo. Sempre tem alguém tentando fuder vocês, abram os olhos. http://twitpic.com/4bm127

  50. Davi says:

    Para qualquer um que seja da área jurídica há uma certeza: Nossas leis são boas, muito boas até, mas a aplicação é péssima!
    Nosso Judiciário é insuficiente presente, mal aparelhado, não tem pessoal (nem juízes nem servidores de apoio) para funcionar direito, é administrado como uma “família da máfia”, em que os cabeças mandam livremente nos subalternos, sem ter que prestar contas à ninguém e isso gera situações como essa da renault.
    Falta espírito público, só há compromisso com o pagamento no fim do mês, apesar dos esforços de umas poucas e valorosas exceções, mas, infelizmente, isso está longe de mudar… triste.

  51. Juiz Onesto says:

    Com certeza a Renault molhou a mão do juiz…!

  52. Ze says:

    Eu tive um citroen que falhava tb. Depoois de muito penar e arriscar a vida, eles trocaram por um novo.
    Muito tempo depois um mecanico de la me esclareceu o problema: sistema de cabos multiplexado (chicotes) com impedancia alta (falha de especificacao ou producao). So que os chicotes eletricos sao instalados em fabrica, quase impossivel de trocar…ou seja nao tem concerto. Era um Xsara. Eles enrolam pq nao tem jeito e nao da pra revender….da pra ver com uma voltinha…. esse caso deve ser o mesmo

  53. gilvan says:

    Estou incrédulo com oque leio, com que vejo, com oque ouço! Me pergunto até onde vai a burrice humana? E quem acessar o site http://www.meucarrofalha.com.br se fará a mesma pergunta. Será que os experts da Renault já fizeram um cálculo básico de quanto carros de sua marca deixaram de vender depois dessa patetada? Só naquele site já passam de 600 mil acessos, além disso, lá se encontra uma relação de portais de peso como revista veja, revista quatro rodas, exame, g1, uol, etc, etc. que publicaram matéria: “meu carro falha” e adivinhem de qual marca? Imaginemos quantos usuários tomaram conhecimento desse caso e fugiram das concessionárias Renault? Mas não é só isso! Ouvi uma entrevista da própria cliente lesada [proprietária do site] que disse receber vários contatos diários para entrevistas, onde? provávelmente em sites, em rádios, em tvs, em revistas e por aí vai. Éh! Enquanto a Renault se esforça para acabar com sua própria reputação, simultaneamente vai promovendo a cliente à estrela. Quantos Renaults Megane vai custar essa atitude ingênua da montadora Renault? O caso está na justiça, a cliente tem todos os fatores ao seu lado, mesmo com a lentidão fenomenal da justiça no Brasil, sil, cedo ou tarde ela terá ganho de causa e a Renault então, humilhada e com o seu nome atirado na lata de lixo, entregará um Megane novinho, novinho para a cliente, ou o seu dinheiro de volta -- Tooodo corrigido! E no futuro? quantas voltas o sol dará para a Renault apagar a mancha no seu logotipo? E tudo isso porque um crânio extraordinário de dentro da empresa achou melhor rasgar a garantia e peitar a cliente. Já pensaram o bordão: comprou Renault e se ferrou! ou compre um megane e se dane! É exatamente esses bordões que vão dizer por aí! culpa de quem? Do presidente da Renault no Brasil ora! é ele o responsável pela Renault tupiniquim! Que prefere acabar com a marca Renault do que respeitar o direito legal do cliente. Eu, que presto serviço informal em computadores nas residências, quando um cliente reclama, volto lá, refaço todo serviço gratuitamente, pois sou leigo em marketing -- mas jamais faria um curso de marketing ministrado pelo “marketeiro” da Renault. A Renault não merece isso! já dirigi carros Renault, são bons, assistência técnica também é boa e o caso dessa cliente é uma excessão, sem dúvida! Então oque é um megane para a montadora diante desse desgaste épico? Nada! mas a empresa preferiu pagar para ver… Acharam pouco? tem mais! Mentes iluminadas, provavelmente advogados da Renault, entraram com uma ação na justiça cobrando danos morais da cliente, acreditem! e fizeram uma petição judicial para que ela retirasse o site do ar, acreditem! e o juiz deu causa favorável a empresa, acreditem! A única coisa que juiz, montadora e advogados não fizeram foi respeitar o código de defesa do consumidor, acreditem! a cliente recorreu, o site continua no site no ar, e a vida segue. Dado o problema eis a solução: A renault oferta o melhor carro da marca para a cliente, pede trocentas desculpas e à contrata como garota propaganda. E eu não acredito nisso!

  54. Daniel says:

    Bem simples: nunca na minha vida vou comprar um carro da Renault! Se todos os consumidores fizerem isso, de forma consciente, as empresas param de tomar essas atitudes opressoras, irresponsáveis e totalmente contra o consumidor. Eu observo tudo que sai na internet sobre grandes empresas. E NÃO COMPRO nada dessas empresas. E aconselho amigos a não comprar também.

  55. marcosr. says:

    Quer comer de graça?

    rel="nofollow">

  56. Zé do Anonim says:

    Quer justiça faça como eu…
    Fui à noite na loja onde comprei o carro joguei um galão de gasolina por baixo da porta e taquei fogo na loja e fui andando pra casa… COZALINDA!! justiça feita !

  57. Raizen says:

    Saudade do Celso “Mulçulmano”

  58. […] [14:45] Homem lavando louça cozinhando com notebook na bermuda [20:53] Adesivo no carro [21:34] O Brasil é uma vergonha: Caso Renault [29:13] Cena do sapato em Austin […]

  59. kaue says:

    Brasil é pura corrupção! O povo é uma vergonha e os políticos tmb!! a prova disso é simples, uma das maiores arrecadações de impostos do mundo é nada acontece com essa verba!! 3º mundo com uma das maiores arrecadações? é óbvio que a maioria da grana é roubadaaaa!

  60. Luiz says:

    Simples, não passo nem na frente de qualquer concessionária Renault. Também quem manda o Small Piquet bater o carro de propósito…
    Tenho alguns amigos que compraram Renault e estão insatisfeitos e só não passaram a bomba para frente porque não tem quem queira.