Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

[ Pergunta do Dia ] Que pergunta mais te irrita?

Postado em 4 April 2014 Escrito por Izzy Nobre 74 Comentários

louie

Todos temos aquela pergunta que nos incomoda. Pra muitos, é o clássico “porque você é tão quieto?”; boa parte dos introvertidos o faz JUSTAMENTE por timidez ou por não querer chamar atenção, aí o meliante vai e chama atenção a esse fato. Uma ironia irritante.

Pra algumas pessoas, a pergunta que irrita é o “mas então, quando vocês vão ter bebê?”. Eu e minha esposa nos casamos há quase dois anos, então obviamente recebemos essa pergunta constantemente. Eu particularmente não me irrito, mas imagina um casal que é infértil e não quer expor esse fato…? Ou que tem objeções à idéia de ter filhos? Pra não entrar numa discussão de duas horas que se resumirá na outra pessoa repetindo “credo, você não quer ter filhos? Que maluquice, todo mundo tem que ter filhos!”, o sujeito se veria obrigado a inventar alguma mentira qualquer.

Pra mim, a pergunta mais irritante não é uma pergunta específica, mas um grupo de perguntas. Eu as categorizo como “perguntas vagas e irrespondíveis sobre a vida no Canadá”.

Não me ententam mal. Eu gosto muito de falar sobre as particularidades na vida em outro país (aliás, eu gostaria de viajar mais pra conhecer as idiossincracias de OUTROS países/culturas). O problema é que 97% das vezes, as perguntas sobre o Canadá assumem dois formatos clássicos:

1) A pergunta completamente vaga que você teria que ter uma bola de cristal pra responder

Qualquer pessoa que almeja morar no exterior é curioso sobre suas chances de sucesso na imigração. Por isso, 90% das perguntas que recebo (ou que leio em grupos de brasileiros no Canadá) é mais ou menos assim:

“Quanto vou precisar pra me sustentar aí?”

“Será que vou conseguir emprego rápido quando chegar no Canadá?”

“Vou sofrer preconceito no Canadá por ser imigrante?”

Uma por uma:

Eu não tenho como saber quanto você precisa pra se sustentar aqui porque não sei NADA sobre você! Não conheço seus hábitos alimentares, se você tem vícios, se você depende de uma vida noturna agitada, se compra roupas ou come fora com frequência, se depende de carro ou se vira com transporte público, se vem sozinho ou com família, quanto custará o seu aluguel, se seus hobbies são caros… eu simplesmente não tenho informação suficiente pra responder isso.

Eu não sei nem qual é o orçamento doméstico de membros da minha família (não faço a MENOR idéia de quanto meu irmão gasta por mês, por exemplo, e tenho apenas uma noção vaga de quanto ele ganha), como saberei o seu?!

Eu não tenho como saber quanto tempo vai demorar pra você encontrar emprego aqui. A pessoa que pergunta isso raramente nos informa sua área de atuação, quantos anos de experiência ela tem nela, qual o seu nível de inglês, em que estado está o seu currículo, ou qualquer outra informação que nos ajudaria a ter uma idéia de que tipo de profissional ela é.

E ainda que ela nos informasse tudo isso, na real que importância tem o chute de um desconhecido qualquer na internet? “Acho que você vai arrumar um emprego rápido sim!” não tem qualquer valor de planejamento. Você vai basear seu plano de mudar de país porque um desconhecido na internet acha que vai dar certo…? Esta pergunta me irrita particularmente porque é notável que o que o sujeito quer é um encorajamento vazio e desconexo com a realidade.

Você se fode não importa a resposta. Se você encoraja o sujeito (“vai dar tudo certo, aqui não é difícil arrumar emprego!”), o cara de fato se muda pro exterior e as coisas não dão certo, sabe quem será o filho da puta da história? Outros imigrantes que “pintaram tudo como se fosse um mar de rosas! Cheguei aqui e me fodi!”.

Se você diz que não sabe se ele arrumará trabalho, você é um filho da puta que não quer ajudar.

E eu não sei se você sofrerá preconceito aqui por ser estrangeiro. É literalmente impossível eu te responder isso. É como se um gringo te perguntasse “quero visitar o Brasil durante a Copa, serei assaltado?” Há violência no nosso país, sim, mas você não é o Oráculo de Delfos pra saber se isso vai ser um fator da visita dele ao Brasil.

Ninguém seria capaz de responder isso. Um cara que já foi assaltado alertaria o gringo dos perigos, já alguém que nunca foi assaltado “apesar de não morar numa área muito boa da cidade” diria que isso é exagero da mídia e que “pode vir de boa”.

Quem está certo?

O outro tipo de pergunta é…

2) A pergunta facilmente respondível no Google, sem necessidade de ficar monitorando horas por uma resposta, com um grau muitíssimo maior de certeza

Essas são as perguntas que revelam que o sujeito precisa que segurem sua mão e o ajudem a atravessar a rua. Perguntas que indicam que ele não fez o MENOR esforço pra encontrar as respostas, seja por preguiça ou inabilidade (não saber navegar sites instituicionais e/ou não falar inglês).

O problema é que todos esses dois fatores (preguiça e inabilidade) inviabilizam a idéia de uma imigração pra outro país, criando a curiosa situação de “se o sujeito faz essa pergunta ele está provando que jamais será capaz de imigrar”.

Vou dar um exemplo prático.

lolwut

O sujeito não se deu ao menor trabalho pra descobrir algo, que é digitar a palavra chave no Google e apertar ENTER. Ele poderia ter dito “quero imigrar, alguém pode preencher os formulários pra mim e enviar?” que dá mais ou menos no mesmo.

Quando eu fiz college aqui sabe qual pesquisa eu fiz? “Nome da cidade” + “College” no Google. Achando o site das instituições de ensino, comecei a procurar por cursos que interessassem. Ao achar o curso, começo a fuçar sobre os prerequerimentos. E por aí vai, a cada link uma pecinha a mais se encaixa no quebra-cabeças, até que você entenda tudo que precisa.

O mesmo vale pra “como andam as profissões do ramo X?”. Se este não é meu ramo, como diabos eu saberei ao certo? Na melhor das hipóteses o que eu serei capaz de responder é um achismo meio “ahhh ouvi falar que tem um mercado bom pra isso aqui, viu!”. Você vai comprar suas passagens pro Canadá baseado nisso? Claro que não.

Então, seria mais produtivo procurar “ramo ou emprego” + “nome da cidade” + “jobs” no Google. Você vai cair em sites de empregos, e ver vagas REAIS, com os nomes das empresas contratantes, salários, e assim ter uma resposta bem mais concreta pra sua dúvida.

“Mas qual o nome da minha profissão em inglês?” se você não sabe isso e sequer é capaz de descobrir por conta própria, cai de novo naquele paradigma que sugere que você não seria capaz de imigrar de qualquer forma então.

Nossa, relendo esse texto eu pareço um rabugento filho da puta. É isso que passar 11 anos ouvindo as mesmas perguntas fazem com você 🙁

Que perguntas te irritam?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: pergunta do dia

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

74 Comentários \o/

  1. Pedro Netto says:

    A segunda, definitivamente é o que mais irrita.
    Sem contar a galera que fica dando up na postagem de 5 em 5 minutos.

  2. felipe martineli says:

    “Em uma sociedade libertária, quem vai criar ruas?”

    “Mas como você sabe o que é moralmente certo se você não acredita em deus?”

    “é pavê ou pacumê?”

  3. Lívia Furtado says:

    Izzy, acho que na real você nesse texto acabou de responder o que essas pessoas precisam ouvir. Quando o cara pergunta sobre College, alguém deveria ter falado “então, busca no Google assim e assado que você vai encontrar as infos que precisa”. Às vezes o problema é que as pessoas estão tão perdidas que não sabem nem COMO começar a pesquisar/conseguir informação.

  4. Renan Greca says:

    Eu estou morando nos EUA e volta e meia recebo essa do “é muito perigoso ir ao Brasil?” … Sempre uma resposta estranha.

    Mas no geral não me incomodo muito -- talvez por ter sido só um ano ao invés de 11. Eu já cansei de explicar como eu falo inglês fluente ou como que vim parar aqui, mas ainda levo numa boa.

    • Fábio Alves Corrêa says:

      Fala pro cara que se ele for ao Brasil não use aquelas malditas camisetas florais de gringo, e não ande com gadgets à vista feito um fucking gringo, que ele vai se passar tranquilamente por brasileiro. Ah e fala prá eles manterem o desconfiômetro no máximo, fazendo isso eles eliminam 99% das chances de entrarem numa fria.

  5. DoAssogue says:

    A pergunta que me deixa mais fodidamente irritado é: O que você tá pensando?

    Embora seja algo que você possa responder apenas: nada! Ainda assim acho um terrível desrespeito com a minha privacidade!

  6. Felipe Pires says:

    “Quanto você ganha?”

  7. Skooter says:

    “Como vão as namoradas?” Caramba! Se uma já tá difícil, imagine várias. Puta pergunta chata.

    Aí quando você finalmente tem uma namorada começa tudo de novo: “E aí, vai casar quando?”

    Depois de alguns anos respondendo essa pergunta chata você finalmente casa, mas não te dão nem 2 meses de descanso antes de chegar com o: “Quando vem o bebê?”

    Atualmente eu estou parado nessa ultima. O que será que vem depois? Aprendi na escola que todo ser vivo nasce, cresce, se reproduz e morre. Então deduzo que a próxima vai ser: “E aí? Vai morrer quando”?

  8. Mili says:

    Uma que me irrita é justamente o que vc diz no inicio do texto, pra mim seria: “por que vc é tão caladinha?” não é óbvio que eu não to a fim de falar ou não me sinto a vontade com vc? Esse tipo de pergunta enche o saco.
    Outra pergunta que me irrita é quando o meu pai tá com o controle na mão e pergunta “o que tá passando em tal canal?” -- sem comentários -- kk
    E última pergunta é sempre do meu colega de trabalho que vive cheio de dúvidas sobre língua portuguesa e outras coisas, então sempre fica perguntando como se escreve ou o que é tal coisa. Não teria problema nenhum em responder em outra situação, se eu soubesse tb, claro! Mas porra, a gente trabalha num escritório e ficamos em frente ao computador 8 horas por dia (inclusive to aqui durante o almoço escrevendo isso) e o que custa o cara abrir o navegador rapidinho ali e ir lá no tio Google??? (e o cara vive o tempo todo no FB) Tá foda. É, eu tb devo estar parecendo uma filha da puta chata, mas é que esse tipo de situação corriqueira enche o saco mesmo!

  9. Tiago says:

    A pergunta que eu mais odeio (na verdade não odeio, agora já levo na esportiva) é “você trabalha ou só dá aula?”…

  10. André says:

    A pior coisa pra um introvertido tímido é virar o centro da atenção, não apenas em um jantar de família, mas qualquer lugar que ele não se sinta confortável. Dito isso, a pergunta que mais me irrita é “porque você é assim?”, principalmente quando vem de alguém que considero bastante.

  11. É foda quando perguntam sobre coisas extremamentes pessoais tipo “qual o seu salário?” ou “tá comendo alguém?”. Pra mim é o equivalente a perguntarem algo tipo: “Mas e aí, mudando de assunto, quantos centímetros mais ou menos mede a sua piroca?”

  12. Jackson Vidal says:

    “porque você esta saindo do Brasil?”

    90% das vezes entram em ramos ideológicos e de perspectiva de vida que duram horas e horas pra explicar.

  13. João Patriota says:

    Na real, a pergunta que mais me irrita é quando quero chamar um amigo para dar rolé e ele pergunta “quem vai TANTO?” deixando implicito que é necessário alguém ESPECIAL além de quem o convida para que ele compareça ao evento…

  14. Natalia says:

    Fico louca com as perguntas repetidas.
    “Por que você é tão calada?”
    “Nossa, mas você não sai? Não cansa de ficar jogando?”
    “Por que seus pais não tiveram mais filhos?”
    “Você não queria ter tido um(a) irmãozinho(a)?”
    “Por que não deixa seu cabelo crescer?”

  15. Mauricio says:

    Vi no /r/askreddit hoje a mesma pergunta.

    Eu adicionaria à lista uma pergunta que postaram lá nos comentários: “Porque você quer este trabalho”. Isso me tira do sério. Porque você acha, senhor empregador? Porque eu quero mudar o mundo, ser inovador e mudar o rumo da empresa gerando altos lucros e fazendo nosso negócio prosperar no país inteiro? Não, cara, eu só quero dinheiro pra me sustentar sem ter que me jogar da janela depois da primeira semana de trabalho massacrante.

    Eu sinceramente não sei o que eles esperam que nós respondamos.

  16. Arnaldo Junior says:

    Vc acertou em cheio com relação à pergunta “quando vcs vão ter filho?”. Me irrita profundamente, pois eu e minha esposa nem mesmo nos decidimos se teremos ou não. As pessoas têm a mania escrotinha de se meterem nas vidas dos outros… Cada um sabe de si!

  17. Arnaldo Junior says:

    Izzy, vc acertou em cheio com relação à pergunta “quando vcs vão ter filho?”. Me irrita profundamente, pois eu e minha esposa nem mesmo nos decidimos se teremos ou não. As pessoas têm a mania escrotinha de se meterem nas vidas dos outros… Cada um sabe de si!

  18. Matheus J. says:

    Uma das que eu mais odeio é o simples “quê?” quando eu explico algo gigante.

    Outras vezes é o “Você entendeu?” naquele tom de sermão… entre outras perguntas meio retóricas.

  19. Henrique FM says:

    Não vou dizer que essa pergunta chega a me irritar, é uma situação beeem besta e eu sou bem calmo. Mas eu nunca entendi porque alguém faria essa pergunta. Você tá num jantar, com a família ou amigos, aquele monte de comida na mesa, todo mundo se servindo, você se serve de A, B e C, e aí alguém pergunta: “Você não quer D?”. Uai, se eu não coloquei no meu prato… Porque alguém perguntaria isso?

  20. João says:

    Mas e ae Izzy, é difícil arrumar emprego no Canadá?

    Uma coisa que eu odeio é quando perguntam se podem fazer uma pergunta.
    Ou fazem uma pergunta e deixam explícito o que elas querem ouvir de resposta como: você não gosta disso, né?

  21. Um grupo de perguntas que mais me irritam é o de cunho sexual/relacionamento afetivo. Ainda mais quando o inquisidor sabe, de alguma forma, que tô a uns 9 anos sem “dar umazinha” e/ou uns dois sem sequer “dar uns amassos” (beijar alguém).
    Isso ficou ainda pior depois que minha família mudou -- literalmente -- pra roça. E não é figura de linguagem não: da minha casa até o ponto urbanizado mais próximo dá cerca de uns 8Kms!

    Daí já começa a pender praquelas perguntas cretinas “mas como você consegue?”, “você não sente falta?”, “porquê não paga alguém então?”; e culminando nos cinismos “ah, se fosse eu não aguentaria!”, “mas hoje em dia é tão fácil!”… E a cereja do bolo: “nahhh! Não me leve a mal, não tenho nenhum problema com a sua opção ‘sexual'” (deixando implícito que eu seria gay).

    Meu! Tem horas que me sinto um verdadeiro alienígena naqueles hentais daonde saem mulheres pelos poros dos protagonistas (todo mundo tem rios de parceiros à disposição, menos eu); ou então que eu sou o único cara no mundo que ficaria com a consciência pesada por usar alguém tão extremamente como objeto. Ou, ainda, como se tivesse um holograma ou ilusão sobre mim onde TODOS me enxergassem como um tetraplégico dismorfe (e, claro: gay) enquanto eu tô inteirinho e saudável da silva!

    Não que eu não goste de sexo… ADORO! Sinto falta também de receber e dar carinho e cumplicidade! Mas sinceramente parece que “não levo jeito pra coisa”, além dos diversos agravantes envolvidos (morar isolado, com mãe castradora, desempregado, sem perspectiva de poder SUSTENTAR um relacionamento…) -- minha realidade é essa, e tive que aceitar pra não ser pior enquanto não muda!~

    Agora, perguntar e cobrar todo mundo pergunta e cobra… Ajudar que é bom, se envolver com meu problema pra melhorar minha situação? Aí ninguém quer… ¬¬*

    • Luna says:

      Sério, sou mulher e é muito bom saber que você gosta de dar carinho e receber também 🙂

      É disso mesmo que relacionamentos são feitos. Não tem nada de mal nisso. Manda essas pessoas irem pra pqp e encontra uma pessoa decente. É horrível trair ou fazer sexo só por fazer mesmo, com gente que vc nem conhece. Não dá certo.

      • Obrigado pelo apoio, Luna! ^^
        Agora, não me entenda mal também: não chego a ser contra o sexo casual, inclusive já fiz duas vezes; mas realmente não é algo que se deva banalizar como acontece hoje em dia! Ou seja: pra chegar nesse “ponto”, tem que haver um mínimo de afetividade antes, conhecer a pessoa e ambas terem o desejo… Como nas chamadas ‘amizades coloridas’.
        Mas fazer com alguém que nunca viu antes, e nunca verá novamente? Como já dizia meu avô, “ninguém achou sua ‘ferramenta’ no lixo!” (Claro que ele falava mais ‘masculinamente’, mas se aplica sem restrições à mulheres também!)
        .
        Já quanto à traição, o próprio nome do ato já explicita. U_U

  22. Izaque says:

    Ricardo: Vc é GAY????????
    HUA!!!!!!! KKKKKKKKKKKKKK!!!!!!!!!! Paga uma puta, caraio!!!!!!!! Faz tanto tempo que não usa que vai desaprender, muleque!!!!

    • E você? É gay?
      Se sente bem usando uma pessoa LITERALMENTE como objeto?
      Infelizmente não acho correto demover as prostitutas de abrirem mão do próprio sustento; mas também não conseguiria dormir à noite sabendo que usei uma PESSOA como uma camisinha paga na farmácia…
      Infelizmente há quem encare isso com naturalidade -- como você mesmo, por sinal -- e graças a isso essas mulheres não estão fadadas a morrer de fome. Mas alguém capaz disso, certamente, é capaz também de tantas outras coisas que prejudicam a terceiros pois não deve ter consciência moral ou coisa do gênero…
      Gente que integra os 65% ou 26% (tanto faz) que acha que mulheres MERECEM ser estupradas por qualquer motivo leviano…

      • Adolf says:

        Cara, TIRE A BUCETA DO PEDESTAL hahaha

        Você acha que as mulheres também não querem dar só umazinha de vez em quando? PQP, você é assinante da CAPRICHO?

        • E você leu a parte onde digo que as coisas andam complicadas pra mim atualmente, morando em área rural e tudo o mais?
          Se for pra eu ANDAR 10Km até a balada mais próxima (8 até o começo da urbanização + pelo menos uns 2 até o fuzuê chinfrim qualquer mais perto que tiver), além de ter que sair às 6 da tarde, vou chegar lá fedendo e nenhuma mulher vai querer sequer se aproximar!

      • Luna says:

        Concordo com vc.

  23. Gustavo C. says:

    Me irrita aquele tipo de pergunta que a pessoa coloca no meio de alguma história que ela tá contando, esperando que vc adivinhe o que vem a seguir. Exemplo: “então, eu tava voltando pra casa com a Fulana e aí sabe o que ela me disse?” -- e a pessoa para de falar e eu sou obrigado a dizer: “o quê?” -- Que coisa besta e irritante!

    Algumas do tipo social também me irritam.. -- E aí quais as novidades? -- E aí vai viajar no feriado? -- E aí como foi de fim de ano?

  24. David says:

    Bom, o que me irrita são duas coisas que não chegam nem a ser perguntas, mas são comentários estúpidos que fazem o meu sangue ferver. Normalmente, são comentários onde o sujeito prefere mostrar que está a altura do nível de conhecimento da conversa sem o tê-lo, de fato.

    Exemplo: Gosto de carros. Desde o século XIX para cá, são por volta de 300 anos de história automobilística e milhares de modelos fabricados com uma infinidade de característias particulares. Em resumo, é um universo beeeeeeem vasto. Aí, numa conversa sobre carros, você falando sobre algum modelo raríssimo com poucas unidades produzidas e o sujeito chega e, para tentar manter o nível da conversa e achando que é a vez dele mostrar conhecimento sobre carros antigos, resolve falar sobre um modelo que, na concepção dele é o auge do antigomobilismo: em 99,99% das vezes o carro que ele cita é o Opala.

    Outra também do meio antigomobilista, o cara chega numa exposição com um carro raro, belíssimo e imponente, dos anos 50 para trás, aí chega um incauto e manda: “Meu tio teve um Aero Willys igual a esse.”

    É claro que esse tipo de situação não é restrita ao universo de entusiastas de carros, as situações foram só citadas como exemplo, mas, a questão aqui é: quando a conversa é sobre um tema em que o nosso interlocutor tem um nível de conhecimento infinitamente maior que o nosso, por que que o leigo, em vez de assumir a ignorância e procurar absorver o conhecimento do interlocutor e aprender, acha que é melhor tentar se igualar ao nível do cara falando um monte de asneira?

  25. Filipe says:

    Bom Izzy, você não é “rabugento” por pensar assim, de fato as pessoas PRECISAM aprender sobre semancol na hora de fazer perguntas, falar, pra tudo na verdade. Respondendo a pergunta, eu sou magico profissional, e sempre que eu me apresento, não importa a idade, ou de onde vem o individuo, sempre perguntam coisas como, “Me ensina a fazer?”(muitas vezes isso vem depois de um “Eu sei que mágicos não revelam os seus segredos) ou “Você tem pacto?”(e não, não é na ironia), e como você mesmo diz, podemos falar a verdade falar as 2 ou 3 primeiras regras dos mágicos e entrar numa conversa chata, ou mentir um pouco, mas como eu estou divertindo a pessoa, eu mostro uma outra magica e a pessoa sai feliz e eu tento não ligar pras perguntinhas de praxe.

  26. Danilo says:

    “Mas e esse seu curso aî, dá dinheiro? Vocë faz o que nele? Forma quando?”

  27. Marília says:

    Perguntas q

  28. Marii says:

    Perguntas que mais me irritam são:
    “Que horas são?” “Que dia é hoje?” (Qual é a dificuldade de tirar o celular do bolso ou seja lá onde ele está e ver??)
    “Não vai comer por que? Está de dieta?”
    “Por que você é tão quieta?”

  29. João Luiz CL says:

    Definitivamente a que mais me irrita é:
    “Quanto foi?”, que geralmente é seguida de um olhar de reprovação por pagar esse preço em algo que a pessoa nao teria interesse em comprar. Na internet essa pergunta ainda se agrava, porque a pessoa que pergunta tem o interesse de comprar e nem de colocar no Google ela se deu o trabalho. Tem uma derivada dessa na internet que é: “onde comprou?”, geralmente a resposta é a mais óbvia ou se resumiria a uma simples procurada no Google.

  30. Vinicius Martarello says:

    Quando me perguntam sobre namoro. Eu digo que simplesmente não penso em namorar no momento, mas não se contentam, me acham esquisito por não querer namorar. É um saco.

  31. Juliana says:

    A pior de todas as perguntas é: “Você tá de TPM??” Èa pior porque além de ter a função de me irritar, essa pergunta vem com um adicional, que é me deixar, automaticamente, de TPM, ou seja, intragável!

  32. TantoFaz says:

    Qual é a razão de nós vivermos já que deus não existe?
    Porque vc é tão bem dotado?

  33. Bianca says:

    Uma q me fizeram: pq vc não gosta de mim?
    Ué, gosto, cada um tem o seu… daí em 5 segundos tá “professor, fiz certo? logicamente, se eu fiz tá certo…!” -.-
    algumas pessoas simplesmente não se enxergam…

  34. Tatiane says:

    A segunda resume as pessoas as meu redor. Parece que TODO MUNDO me faz perguntas que pra descobrir é só digitar no google e ler, mas não, querem que eu explique, que eu copie e cole do google. E o mais triste é que essas pessoas não estão nem conversando pessoalmente comigo, ou já são idosos que não manjam de internet. São uns filhos da puta de 18 anos fazendo pergunta de merda pelo facebook. Tomar no cu viu.

  35. Pietro says:

    Na verdade são várias perguntas, mas que tem o mesmo foco: meu nome.
    São elas: “Prieto?” ou “Diego?” ou “Dietro?”….minha dicção não é ruim, só acho que as pessoas não tem tanto contato com esse nome e ao invés de dizerem que não entenderam, elas arriscam o nome, me fazendo repetir mais uma vez. ¬¬

  36. Ervilhaman says:

    O que vc quer ser quando vc crescer?

  37. Rodrigo says:

    Dei uma lida nos comentários aí. Nenhuma das perguntas que li chega a me irritar. Vai ver eu sou agraciado com alguma tranquilidade extra XD
    Ou não recebo perguntas frequentemente, sei lá.

  38. Eu sou graduada em Jogos Digitais, esse é o fato.

    “Mas é técnico ou superior?” ~ eu dizer que sou ‘graduada’ implica que é superior, não?

    “Você faz esses joguinhos para celular?” ~ joguinhos??

    “Meu filho adora jogos! Você pode fazer um para ele?” ~ De graça não, próxima.

    “Nossa! Você deve ser uma pessoa criativa! Eu também tenho ótimas ideias, não quer dar uma olhada?” ~ 90% das ideias (Segundo o DatAlyne Research and Comments Online) não podem virar jogos. Os 10% restantes precisam de muita lapidação para TALVEZ virar um jogo. Então, não.

  39. Mateus says:

    Detesto quando alguém pergunta meu nome para anotar em alguma ficha, cadastro etc. e me perguntam “Mateus normal?” afffffff por acaso eu tenho cara de anormal?

  40. A pergunta que definitivamente mais me irrita é
    “oi, tudo bem?”

    Pois é algo robótico, algo automático, ninguém quer saber se eu realmente estou bem ou não. “aaa, mas perguntam só por educação” bom, eu prefiro que não perguntem. E se eu não estiver bem? A pessoa vai estar interessada em ouvir os por quês de eu não estar bem? Eu duvido muito. Então, definitivamente, esta é pergunta que mais me irrita

  41. Isabella says:

    Carai maluco eu fico LOUCA quando me perguntam se vou me arrepender das minhas tatuagens, VTC

  42. Bruna says:

    “Qual o seu signo?”
    MANO, essa pergunta é besta, mas me irrita de uma forma incrível, porque quem acredita nisso, quem leva a sério… olha, não merece muita atenção.

  43. A pergunta que eu mais escuto e mais irrita (devido a ter o cabelo de cor roxa) é “Porque você pinta desse jeito?”

    Cara, é simples porque gosto. Não tem sentido essa pergunta, não tem um resposta que não soe hostil.

  44. JP says:

    Quando conheço uma pessoa e ela vem perguntando “Você é nerd?” porque uso oculos e não tenho um porte físico definido. Não que eu tenha vergonha de ser identificado como nerd, mas porque as pessoas tem uma ideia pejorativa do termo.

  45. Gay says:

    A pergunta: Como vai o casal?

    Caralho! Eu e meu namorado não somos um casal! Para com essa porra de querer ser educadinho e politicamente correto! Para com esses modos anti-preconceitos!

    Casal é de sexos opostos! Procurem nos dicionários!

    Eu e meu namorados somo um par! Par!
    Então perguntem: Como vão os dois! Ou: Como vai o par! E por aí vai!

    Trate-nos com as palavras certas! Não deem super poderes as palavras!

    Beijos! rs 🙂

  46. Urameshi says:

    As que mais me irritam são:
    -Você não come carne? Nem peixe? Nem frango? (Nossa, não sabia que o termo pé de galinha era porque elas davam em horta)
    -ou “Você não come carne? Então o que você come?” (Éééé… Todas as outras MILHARES de opções de origem não animal?)
    -Nossa, você não bebe? Então como você se diverte? (De forma mais corajosa até, porque se fizer alguma merda nem tenho como colocar a desculpa na bebida rs)
    -Mas COMO ASSIM você não quer ter filho? (Tem razão né, afinal de contas um mundo com quase 8 bilhões de pessoas realmente precisa que eu coloque mais uma nele)

    São perguntas muitíssimo irritantes porque questionam escolhas PESSOAIS. Para nenhuma dessas escolhas eu fico fazendo ativismo pra outras pessoas optarem também, e é o que eu gostaria que fizessem comigo, mas infelizmente não é assim :/

  47. Gay says:

    E ah, esqueci! rs

    No mesmo sentido, tbm não gosta da palavra casamento!

    “E aí, quando vocês vão se casar?” Nunca! Pq nós não somos um casal porra! rs
    Gays não casam! Eles podem ter uma união civil! E pra alguns tem que ser dito: só entre duas pessoas pq senão vira sociedade limitada, uma empresa!

    É assim que é! 😉

    Até Izzy! rs

  48. Pedro says:

    As pessoas sempre me perguntam “Programação da dinheiro? … Estou pensando em aprender … Você pode me ensinar?”
    Como eu posso responder a essa pergunta se eu não sei qual linguagem de programação a pessoa quer aprender!
    A pessoa nem se da ao trabalho de pesquisar o que e programação, apenas acha que ficamos brincando no computador 10h por dia.