Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

[ Pergunta do Dia ] Você já experimentou um “bug na Matrix”?

Postado em 27 January 2014 Escrito por Izzy Nobre 21 Comentários

Matrix foi um filme legal pra caralho. Lembram desta cena?

Essa cena imortalizou um conceito na cabeça da molecada — quando você vê algo inexplicável ou fora da ordem natural das coisas (como um deja vu usado como exemplo), isso significa um glitch na simulação em que vivemos (causada, neste caso, porque os Agentes alteraram a Matrix pra foder com os “heróis”). Uso “heróis” entre aspas porque quero faz tempo escrever um artigo falando sobre protagonistas que o filme enquadra como heróis, mas não estão na realidade ajudando porra nenhuma. Me cobrem isso, porque eu estou com essa idéia desde 2009 e até agora não escrevi UMA LINHA SEQUER.

Pois bem, a idéia do bug na Matrix é perene nos círculos nerds, e rendeu até este subreddit. E eu tenho certeza que vocês já experimentaram seus próprios bugs.

Hoje contarei a história do meu mais recente.

Estava eu no trabalho indo ver um paciente num quarto em isolamento. Não sei se a terminologia usada no cenário médico brasileiro é este, mas aqui é assim que chamamos pacientes infectados com MRSA, VRE, tuberculose, catapora, entre outros.

E isolamento é um saco porque, além de significar um risco extra pra gente, torna o processo de visitar um paciente mais complicado. Tenho que tirar o jaleco, lavar as mãos, colocar uma bata por cima do pijama cirúrgico, pôr uma máscara, luvas, um protetor facial, separar alguns poucos instrumentos pra entrar no quarto do indivíduo (por via de regra tudo que entra num quarto em isolamento deveria ficar lá, então tentamos limitar o que entra)… No final desse processo todo eu fico assim:

ppe

Pois bem. Nestes dias eu fui ver um paciente em isolamento, e enquanto fazia todo esse procedimento descrito acima e escaneava o ambiente, vi uma enfermeira entrando no quarto vizinho…

…E menos de 2 segundos depois, ela saia de um quarto do outro lado do corredor, a PELO MENOS uns 40-50 metros de distância. Nesse exato instante eu parei no meio da tarefa de põr as luvas e fiquei lá, com a luva semi-penetrada pela mão esquerda, boquiaberto, como se eu fosse um filme e alguém tivesse me dado pause. Olhei pra um quarto, e depois pro outro, não conseguindo entender a parada.

Foi uma sensação tão surreal que eu duvidei meus próprios olhos. Pra mulher ter percorrido aquela distância, ela teria que correr desesperadamente e ter acesso aos laboratórios da Aperture Sciences, já que não há conexões entre os quartos.

Peraí, eu pensei, e tive que resistir a tentação de coçar a cabeça porque já estava de luvas. Eu a vi mesmo entrando aqui do lado…? Eu “sei” que eu vi, mas devo estar enganado. Como ela poderia ter saído LÁ DO OUTRO LADO, CARALHO?! Em dois segundos?!?!

Olhei pro meu pager, me sentindo confuso e já esquecendo até o que diabos eu estava fazendo ali. O plantão tinha começado apenas a umas 3 ou 4 horas; eu não podia estar tão cansado assim que começava a não compreender mais o mundo ao meu redor. Tô ficando louco…? O QUE DIABOS?!

E logo em seguida a mesma enfermeira, que estava sentada a uma mesa olhando uns papéis, sai de novo daquele primeiro quarto. E aí eu entendi.

Eram gêmeas. E, pelo jeito, devem se divertir confundindo pacientes e colegas de trabalho, porque elas se vestem EXATAMENTE IGUAL, e inclusive prendendo o cabelo da mesma maneira. A segunda irmã foi perguntar algo pra primeira, e nisso ela olhou de soslaio pra mim. Eu devia ainda estar com um semblante de confusão ou incredulidade — ou talvez esboçando aquele “ahhh…” de alguém que finalmente entende um problema complicado de matemática — porque ao olhar pra mim ela sorriu, provavelmente entendendo por que eu estava questionando minha sanidade.

Ou de repente ela até pensou “hahahaha, deixamos mais um louco!”

Você já experimentou algum “bug na Matrix” desse jeito? O meu teve explicação no final, mas por uns 3 ou 4 segundos eu tive plena convicção de que nosso mundo é uma realidade virtual controlada por máquinas que podem ou não ser os vilões da história. Juro que vou escrever aquele post lá.

Conte aí suas experiências de má interpretação da realidade física que nos rodeia, quer a confusão tenha sido solucionada depois ou não.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: pergunta do dia

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

21 Comentários \o/

  1. Angelo Jr says:

    Não tive bugs de matrix que me lembre agora, fora alguns deja vus que já fazem um tempo que tive, mas a sindrome de gta, aquela em que depois de comprar um carro ele aparece em tudo quanto é canto, isso eu ainda estou tendo. E isso que o carro não é nenhum lançamento, já tá a uns bons anos no mercado

    • Raizen says:

      Esse eu tive várias vezes durante a vida, e nem precisou ser um carro meu.

      Mãe, tio, vizinho, etc.

      Qualquer carro que tenha se tornado de alguma forma relevante, passa a fazer parte constante do meu cotidiano.

      O último foi o Fit da minha esposa, nunca tinha reparado no treco até ela comprar um, agora parece que a Honda é a maior vendedora de carros do mundo.

    • lettieri says:

      Baader Meinhoff, Tem aqui no HBDia mesmo um post sobre isso.
      “5 fenomênos pra parecer culto pros seus amigos” ou algo que o valha…

  2. Vinícius Martarello says:

    Outro dia eu estava arrumando uns documentos e coloquei uma cópia da identidade em cima da mesa, me abaixei pra pegar algo no chão e quando olhei de volta o a cópia não estava mais lá, eu fiquei revirando gavetas por uns 10 minutos e não achei, simplesmente aceitei que houve um bug na matrix. Aí vi o papel no meio da sala. Nunca entendi o que houve

  3. lucas says:

    Depois que você falou em enfermeiras gêmeas, não consegui mais concentrar no texto

  4. Henrique FM says:

    Não sei se é exatamente esse tipo de coisa que você tá chamando de “bug na Matrix”, mas eu não encontrei nenhum outro nome pra isso aqui: https://www.youtube.com/watch?v=w-I6XTVZXww

  5. Spuma says:

    Bem, eu tenho Deja Vus com uma frequência assustadora, mas o bug mais bizarro que eu já tive foi adivinhar/pressentir, do meu quarto, que uma visita tinha chegado momentos antes dela sequer alcançar a porta de casa. Foi tão bizarro que eu até cheguei a perguntar se a pessoa não tinha chamado, porque eu jurava que tinha escutado.

  6. Snake says:

    HEauhaeuhae Brother!

    Uma vez experimentei um cretino.

    Olhei pra um espelho e ele fez um um loop muito louco de luz, até hoje não achei significado, mas devia ser alucinação do calor!

    Saudades dos posts escritos!!

    Abraços

  7. Darknesfullscreen-kingsays says:

    Caralhooooooooooooooooooooooooo izi talvez tu já conheça mas vale a pena mostrar, entra nesse site http://nesbox.com/pt
    N vai se arrepender. Ainda por cima tem outro da sega http://www.ssega.com/

    Tomara q tu acesse =)

  8. Leandro says:

    Ja aconteceu algumas vezes comigo, a mais nítida foi quando eu com meus 12 anos na cara, estava voltando do parquinho e estava prestes a entrar na sala de casa,meus pais estavam assistindo um filme e eu perguntei qual era o nome, eles me falaram e eu olhei para a televisão e reconehci o personagem(eu nunca tinha assistido o filme) e falei pra eles o final do filme, onde o piazinho morria, e eles não acreditaram ate terminarem de assistir o mesmo. Meio bizarro mas eu me lembrei claramente do final do filme que nem itnha assistido

  9. João Sérgio says:

    ontem, eu estava no corredor do lugar onde trabalho, vi que um sujeito entrava no banheiro, dei uma olhada no smartphone e quando levantei os olhos vejo o mesmo cara entrando no novamente no mesmo banheiro

  10. Beatriz says:

    Quando eu tinha 9 anos eu estava viajando com a minha família para o interior de SP e eu dormi. Eu tive um sonho, onde eu estava no carro com a minha família e ao lado tinha um acidente envolvendo um caminhão e eu lembrava até o nome da transportadora que estava escrito. Quando eu acordei, eu contei aos meus pais sobre o que eu tinha sonhado e até o nome da transportadora. Depois de alguns quilômetros, havia um acidente, com um caminhão igualzinho ao do meu sonho. Na hora eu e minha família ficamos perplexos, mas não comentamos nada até chegarmos ao nosso destino. Foi muito estranho.

  11. BrunoHe says:

    “ela teria que correr desesperadamente e ter acesso aos laboratórios da Aperture Sciences”

    Eu entendi essa referência.

    Nunca presenciei nenhum bug na matrix, vou começar a prestar mais atenção.

    E Izzy, tu queimou tanta linha sobre Matrix no tuiter q eh so ir lá resgatar o seu histórico.

  12. Gustavo C. says:

    Já contei isso em algum lugar.. Sonhei que me afogava, e acordei no susto prendendo a respiração de verdade, abri os olhos rapidamente e fechei de novo, enquanto retomava a consciência de ter sido só um sonho, mas nessa piscada de olhos eu tive a impressão de ver meu quarto totalmente diferente, guarda roupa de outro modelo, em outro lugar, cama em outra posição.. e nesses poucos segundos foi a sensação de ser meu quarto normal.. passado o susto do sonho, aí eu me dei conta de ter “visto” meu quarto de forma diferente e eu nem estranhei..

  13. Kalil says:

    Bom, e se de fato a gente viver em uma mera simulação de computador… ou seja lá do que for e aprendermos a bugar nossa simulação, o que poderia acontecer, uma tela azul? o fim da realidade na qual vivemos? ahuehaue dá pra viajar muito nisso

  14. TantoFaz says:

    Uma vez eu sonhei que na educação física do dia seguinte, eu receberia um passe no futebol, e sem nem dominar a bola eu faria um lançamento para o meu colega de time, a bola passaria por cima de um jogador do time adversário, e o meu colega de time dominaria a bola, avançaria sozinho, e faria o gol.

    No dia seguinte eu pensei sobre o fato quase que o tempo tempo, e como eu já tinha tido alguns dejavus na vida, mas nunca tinha conseguido comprovar nenhum, eu pensei que se o fato realmente ocorresse, eu mataria a charada dos dejavus.

    Eu não contei pra ninguém o fato antes do jogo, pois pensava que se contasse o fato acabaria não ocorrendo.

    Acabou que o fato ocorreu no jogo.Apenas com uma diferença.O meu colega não fez o gol.Mas de resto foi tudo igual.Eu recebi o mesmo passe,fiz o mesmo lançamento de lado, e toquei para o mesmo cara do sonho.

    Acabei comprovando para mim mesmo que dejávus existem sim.
    Infelizmente, depois deste ocorrido, eu nunca mais tive um dejávu.

  15. Vitor Vinícius says:

    Eu estava no shopping com a galera e fiquei na fila para o milk shake que fixava num corredor do shopping não muito estreito, observando o movimento como sempre vejo uma menina com uma camisa do metálica passar abraçada com um cara, meus amigos até comentaram da camisa, no tempo que ela some, dando a curva e saindo do corredor, consequentemente do meu campo de visão, quando de repente olho para o lugar onde a avistei pela primeira vez e vejo ela de novo no mesmo fucking lugar com o mesmo fucking cara e a mesma fucking camisa, eu comento com meus amigos e eles também notaram, ficamos boquiabertos, sem entender o que aconteceu, cogitamos rodar um peão mas ninguém tinha um… Até hoje não sabemos o que aconteceu, desde então me convenci que a matrix existe realmente.

  16. Mira says:

    Em 2010, eu tinha dois cachorros. Um estava conosco há quase 10 anos, pastor alemão, educado, um ótimo cão. O outro era um vira-lata com uns 6 meses ainda, o oposto do outro, mas bom também.
    Cheguei cansada do colégio, deitei no sofá com vista para a porta da frente (com os cães no quintal) e dormi. Tive um sonho que só percebi ser sonho quando acordei: um cara completamente coberto por uma capa com capuz preto (eu não conseguia ver o rosto, a capa estava levantada), que olhava para os meus dois cães sentados na escada da frente. Fui conferir mais de perto, e ele parecia ignorar minha presença. Fez um movimento pra acariciar meu cachorro mais novo, mas ele rosnou, e o homem/criatura/sei lá que porra meio que riu. Disse “esse é bravo, vai dar trabalho hein”, e depois fez o mesmo movimento pro mais velho, que aceitou o carinho sem reclamar. Ele então disse “e esse daqui… ainda vai ensinar muito pra vocês”. Então ele olhou pra mim, e eu só vi preto, até tudo ficar preto também e eu abrir meus olhos.
    O portão da frente estava aberto. Meu cachorro mais novo (o que mais adorava fugir) só olhava pra rua. Meu cachorro mais velho sumiu e nunca mais o encomtramos.