Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Sobre o Iron Man do filme versus o Iron Man dos quadrinhos

Postado em 11 May 2012 Escrito por Izzy Nobre 30 Comentários

Ontem eu estava pensando num negócio: desde 2007, quando o Robert Downey Jr foi escalado pra interpretar o Tony Stark nos cinemas, só se ouve elogios em relação a essa decisão. Três filmes mais tarde, a imagem do Tony Stark conforme vivida pelo RDJ (como nós amigos íntimos o chamamos) se solidificou como um dos melhores aspectos (senão o melhor) em relação às adaptações dos filmes da Marvel. O cara é carismático, é fanfarrão e “tira onda(…)”, conforme narrado pela target=”_blank”>abertura dublada do seriado dos anos 60.

E ontem eu tava pensando num negócio — por que elogiamos tanto da fiel atuação do Roberto como Tony Stark… se o Tony Stark dos quadrinhos não é daquele jeito?

Eu acho que começou antes mesmo do primeiro filme sair nos cinemas. Aliás, antes mesmo da produção começar.

Embora o Robert Downey Jr seja um “household name” hoje em dia, como dizem os sábios e pessoas babacas que gostam de usar termos em inglês pra tudo, o cara foi melhor conhecido por boa parte dos anos 90 assim:

 

Como muitos sabem, há alguns anos o Robert Downey Jr estava com a macaca. Aliás, ainda se usa essa expressão? O cara era chegado aos tóxicos e passou a maioria dos anos 90 entrando e saindo de cadeia e clínica de reabilitação.

Igualmente, o Tony Stark é um personagem todo problemático.

 

Os quadrinhos do Iron Man tem um arco inteiro dedicado a como ele virou bebum, perdeu sua empresa e sua riqueza, e chegou até a dormir na rua tal qual um formando de Letras, que como se sabe é um curso acadêmico sem futuro. Durante esse tempo, seu amigo James Rhodes se tornou o Iron Man pra “abafar o caso”.

Essa foi a conexão que todos fizeram quando anunciaram que RDJ viveria Tony Stark. O personagem passou por um período problemático, o ator passou por um período problemático, é uma excelente decisão!

Não que não seja; é que me parece que os nerds cinematográficos e quadrinísticos estavam dispostos a gostar da escolha do ator logo de cara, baseado em nada senão uma pequena similaridade no passado de ambos. É tipo quando a nerdalhada gozou simultaneamente, de forma tântrica, quando anunciaram que o Patrick Stewart seria o Professor X em X-Men — simplesmente porque ambos são carecas.

Alguém lembra disso? Não? Vocês não liam a Revista Herói, não?

E isso me traz à maneira como o Robert Downey Jr interpreta o Iron Man. Ou “Homem de Ferro”, que seja. Tou digitando Iron Man não pela supracitada babaquice de preferir termos em inglês, é que é mais curto mesmo. Embora ter que explicar isso anula totalmente a vantagem de economizar as seis teclas da diferença entre “Iron Man” e “Homem de Ferro”.

O Stark do Robert Downey Jr é meio que um “Dr House Light”. Ele é meio filho da puta, arrogante e, mais importante que isso, é inteligente o bastante pra que sua prepotência seja perdoada pelo motivo de que ele está quase sempre certo. Ele sempre tem a frasezinha de efeito que cala uma crítica (que também é beneficiada pela sua perpétua razão em qualquer que seja o assunto) e acima de tudo, ele comete essas filhadaputagens de maneira quase charmosa. Ele é meio anti-herói, o cara que você ama odiar.

O Tony Stark dos quadrinhos não tem esse gene fanfarrão. Ele é mais sério — bem mais sério, aliás. Afinal, o cara foi líder dos Avengers, diretor da SHIELD, CEO do maior conglomerado industrial do mundo, etc). Não ficava de bom tom colocar o cara fazendo piadinhas a la Homem Aranha em todo momento.

O próprio tom das histórias dele não se compete a isso. Os quadrinhos do Iron Man, por terem como protagonista um cara que é líder de tanta coisa, tem temáticas mais sérias. O arco Demon in a Bottle, por exemplo, trata da completa destruição da vida do maluco graças aos etílicos. Em Stark: Disassembled o cara provoca a própria morte cerebral pra esconder dados importantes do Norman Osborne, que havia se tornado o novo diretor da SHIELD (que ele prontamente renomeou, aliás).

Teve direito até de uma cena do cara “morto” na cama do hospital, todo fodido, com seus amigos ao redor decidindo o que fazer a respeito.

Histórias em quadrinhos, o escapismo infantil colorido em que seu personagem favorito vira um vegetal e seus amigos choram ao seu lado

Existem alguns pontos da interpretação do Robert Downey Jr que combinam com o que conhecemos do Stark dos quadrinhos, no entanto. Um aspecto que os filmes inclusive abandonaram cedo — a mulherenguice do Tony Stark.

 

Esse é o Tony Stark que os nerds punheteiros mais gostam de ver. Não pelo físico Liefeldiano do sujeito, com estruturas musculares fictícias, mas pelas mulheres seminuas a seu redor.

Assim como o Batman, o Tony Stark é um sujeito cujo superheroísmo é possibilitado pelos bilhões em sua conta bancária. Ao contrário do Batman, que é um pulha órfão mimimizento que esconde o rosto, o Tony Stark anuncia para o mundo que é o Iron Man e foda-se. Veja o “foda-se” estampado ali no resto dele. Afinal de contas, o que alguém pode fazer a respeito?

Mas mesmo o mulherenguismo do Stark (que nos filmes teve que passar pro segundo plano em prol do obrigatório interesse romântico) não está mais tão presente nos quadrinhos atuais. Uma pena, aliás.

Então, esse é o Stark dos quadrinhos. Um cara poderoso, que tenta consertar o mundo da forma que pode, mas moralmente ambíguo — lembram quando ele pagou o Titanium Man pra atacar sua apresentação no Senado americano pra forçar a opinião política a favor do Registro de Super Heróis? Estou com preguiça de catar a revistinha aqui pra tirar foto, mas foi durante a Guerra Civil.

Aliás, Guerra Civil foi difícil de engolir pra nós fãs do Shellhead — Stark estava em seu modo “Full On Fiho da Puta” durante este arco.

Enfim, é isso. É curioso como nossa consciência coletiva aprova a interpretação do Robert Downey Jr com “perfeita”, embora ela não seja um retrato fiel do Stark dos quadrinhos.

E antes que os analfabetos chiliquem: não estou criticando o Iron Man cinematográfico. Sou, como você, fã do Stark criado pelo RDJ e pelos roteiristas. É que só ontem eu percebi que nossos elogios de atuação “fiel aos quadrinhos” não faz o menor sentido.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Quadrinhos

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

30 Comentários \o/

  1. @patrick_turini says:

    Muito interessante, e é verdade, não tinha parado para pensar nisso, essa diferença do Tony dos quadrinhos para o interpretado pelo RDJ, mas acredito que isso fez com que o personagem fosse ainda mais bem aceito pelo publico, alem de ele ser um Genio, Bilionário, PlayBoy e Filantropo hehehehehehe

  2. É exatamente por isso que gosto tanto do Iron Man cinematográfico e não curto muito (nunca curti na verdade) sua versão quadrinística. Acho a evolução de personagem e fanfarronice dada por RDJ muito mais plausível pro mundo maluco que é a Marvel. Comparando com a DC, um cara tão poderoso (no quesito riqueza e não super-poder) como Stark, não seria “adulto” e sério como, por exemplo, Lex Luthor (que acho um paralelo ao Tony até melhor que Bruce Wayne). Se ele não fosse brincalhão, arrogante e fanfarrão, faria mais sentido ele ser um vilão, e não um herói.

    • Paulo H says:

      Vou discordar de você. O Tony Stark do de RDJ é realmente cativante e carismático; uma personalidade interessante pro mundo dos filmes da Marvel. Porém acho o dos quadrinhos muito mais profundo e interessante. Ele precisa tomar decisões muito mais importantes e vez ou outra são bastante polêmicas. E não concordo com o fato de que ele seria vilão se não fosse brincalhão. Ele nos quadrinhos realmente começa porra loca, mulherengo e alcolatra, mas teve que crescer e ficar sério. A ideia é bem vendida nas HQ’s.

      • eduardo says:

        O personagem dos quadrinhos(universo normal) tem problemas, mas a personalidade é comum a todos os tipos poderosos e heróicos da marvel, não tem tanta diferença.Pior, vez ou outra os roteiristas(e não sei o motivo) transformam ele em um psicopata que luta até com os colegas.Veja que na saga das Armaduras,ele saiu matando todo mundo que tinha roubado sua tecnologia.Isso era ridiculo, mas até no universo ultimate fizeram a mesma coisa.

      • Concordo que nos filmes o Tony não faz nenhuma decisão séria, além de se tornar super herói. Ele sempre deixa as decisões importantes (e segundo ele, chatas) com a Pepper. A coisa mais adulta que ele fez em todos os filmes que apareceu foi se sacrificar para destruir aquele míssil nos Vingadores. Maaaaaas, acho que essa irresponsabilidade só faz com que eu goste mais ainda dele nos filmes. Dá a impressão de que ele sempre precisa de alguém para cuidar das coisas para ele.

    • Tadeu Garcia (@garciatadeu) says:

      Isso ai, também prefiro muito mais o Iron Man cinematográfico, eu fui começar a ler os quadrinhos e não vi graça nenhuma no personagem.

  3. Paulo H says:

    A parada em que Stark paga Titanium Man se encontra em Amazing Spider Man 530 -- 531. Vale lembrar que ele também deixa o Homem Aranha pensar que foi verídico, para que este defendesse o próprio Stark com mais convicção. =p

  4. Murdock says:

    Tem um episódio dos Simpsons em que, visitando Hollywood eles veem o Downey Jr trocando tiros com a polícia num cenário e alguém pergunta “cadê as câmeras”. Referência a essa fase negra do ator.

    Quando ele foi escolhido pro papel um conhecido meu comentou que ele era um playboyzinho marrento no que outro defendeu que o Stark também é um playboyzinho marrento. Como não conheço os quadrinhos, não me meto nessa parte.

    Curioso você falar de anti-herói que amamos odiar. Li por esses dias que o Iron Man teria sido feito pelo Stan Lee como um desafio a criar um herói que, de início, ninguém gostaria mas mesmo assim ele os fariam amá-lo. Talvez fossem os tempos em que as pessoas curtiam mais o bom-mocismo, hoje eu vejo uma idolatria muito grande de vilões. Mas isso é outra pauta.

  5. Gregório says:

    Olha, eu acho que esse Tony Stark dos cinemas parece bastante com a versão ultimate do Iron Man. Como quase todo o universo Marvel do cinema, aliás…

  6. Leandro says:

    Eu não leio quadrinhos, não sei se a interpretação é fiel ao personagem dos quadrinhos ou não e nem me importo. Gostamos do Roberto por que ele é inteligente, sarcástico e come mulheres com as quais a maioria de nós sequer conseguiria trocar uma palavra.

  7. Paulo Penante says:

    Verdade. O Tony Stark do RDJ, é muito diferente do Tony Stark “original” dos HQs, nas revistas, ele é muito mais problemático, era alcoólatra, morou na rua, dava festa todo final de semana na adolescência, porque seus pais nunca estavam em casa, começou a beber cedo, e era muito mulherengo. Porém na revista o tempo passou e ele virou um empresário serio, porem ainda com problemas. Até mesmo alguns inimigos, como o principal, o Mandarim, quem nem lembro de aparecer nos filmes.
    O que se pode perceber em relação ao Tony dos filmes, é ele não tem muitos problemas pessoais e sim sociais, muito mais arrogante, e filho da puta, odiado por muitos, e nem é tão mulherengo, aliás ele nem é. Ele é apaixonado por mulher que nem sei o nome.

  8. Zeh Gnomo says:

    Eu acho que não dá pra levar muito em consideração as diferenças entre os quadrinhos e os filmes, afinal nas próprias HQs temos diferenças gigantescas de personalidade em diferentes histórias (só comparar o Peter Parker sempre fudido do Stan Lee e o bem-sucedido das histórias atuais).

    Ah, e essa história do Stark apagando a memória (O Mais Procurado do Mundo incluso) é excelente.

  9. Ronaldo says:

    “…perdeu sua empresa e sua riqueza, e chegou até a dormir na rua tal qual um formando de Letras, que como se sabe é um curso acadêmico sem futuro.”
    Só isso já pagou o texto, nem lí o resto, Vou lincar pra faculdade de letras da minha cidade, se prepara…

  10. Igor Vinicius says:

    Excelente post. Só não dou nota 10 por causa da trollagem com o Batman. Batman comanda geral. Deixando minha opinião o que faz o Batman tão melhor que o Iron Man são os vilões, os melhores vilões são os do universo Batman. A Marvel sinto essa falha…o inimigo é o Estado, a Sociedade… Falta para Iron Man um vilão à altura para se equiparar ao Cavaleiro Negro de Gotham.

    • eduardo says:

      Na Marvel a maioria dos personagens são tridimensionais e costumam ser o centro da história.Batman é como o Justiceiro, plano, sem vida além do que faz(o que você faz é o que te define é defendido até na versão do Nolan, ou seja, o cara fantasiado define ele).Mesmo assim, o Justiceiro é o centro de suas histórias.

  11. Igor freire says:

    Outro exemplo bacana é quando o Capitão América morre e Stark vai lá chorar a morte dele, naquela revistinha “A confissão”. A revistinha toda é basicamente um discurso do Stark pro amigo morto, quando ele inclusive fala que não valeu a pena ter feito aquela guerra.

  12. Igor Queiroz says:

    Muito foda, Kid. Eu mesmo não leio HQs há anos. E mesmo assim nunca fui lá muito fã de HQs (não que não goste, eu só não as comprava mesmo). E eu só conhecia o personagem de Tony Stark por aquele desenho bizarro com poucos frames por segundo que passava na Fox Kids (Shame on me). É interessante ver que o Tony Stark deu uma cara nova ao personagem dos quadrinhos, sem destoar tanto do original. 😀

  13. Dayane says:

    Todo mundo sabe que a mulherenguice do Tony Stark foi retirado para agradar as fangirls.
    Porque, falando de Vingadores, não tem nada melhor do que juntar Tony Stark com Steve Rogers ou Loki. 😀

  14. Arruma Blog says:

    Os heróis que mais acompanhei até hoje foram Homem Aranha, Super Homem e algumas revistinhas perdidas da liga da justiça…
    Devo dizer que suas palavras são fodas, e não acho que não faz sentido dizer que ‘foi fiel aos quadrinhos’. Vale citar que a cada filme novo de super herói um novo editor toma conta dos quadrinhos e cria um desenho para os gordinhos e pais se noção que assistem TV e permitem isso em tempo integral aos filhos. Aí é a razão de falar, é aceitar que sempre foi e ainda é um diretor de arte ou roteirista adaptar os desenhos e contexto para atrair o público da época, por isso eu não me conformo quando vejo os desenhos do X-man… mas fico feliz em conhecer um pouco mais da história.

  15. André Lacerda says:

    “Say ‘moose and squirrel’ just once”. Foi o mais perto que o Tony Stark chegou de ser fanfarrão em Civil War, por exemplo.
    Amazing Spider-man #529, #530 e #531, aliás.

  16. eduardo says:

    Na verdade, a versão Ultimate é mais parecida com a do filme.Mas isso não importa, grandes adaptações são aquelas que acrescentam humanidade aos personagens de quadrinhos, mas colocando algo que faz sentido.O Superman do filme é um solitário, um pária, alguém que se anula pelo planeta.O Aranha é um nerd bobalhão que idolatra a Mary Jane.O Tony é arrogante e irresponsável.Magneto é um ancião sociopata.Por aí vai.

  17. Higino says:

    cara,não tinha parado para pensar nisso,sim e verdade,comecei a acompanhar na guerra civil,e o que me atraiu no personagem(que alias e meu personagem favorito dos quadrinhos)foi justamente esse jeito filho da puta de ser que você citou,na verdade acho que fui o único que ficou do lado do tony stark na guerra civil.

  18. “chegou até a dormir na rua tal qual um formando de Letras, que como se sabe é um curso acadêmico sem futuro. ”

    Não preciso ler mais nada! Texto foda, Kid!

  19. Chapolin says:

    Você escreve como se a sociedade tivesse aceitado o RDJ muito bem em seu papel, lol.
    Não é a sociedade que vai escolher quem vai ser o ator, tão pouco os nerds e fans mais saudosistas dos HQ’s Originais.

    Na maioria dos casos é passado apenas um Briefing básico do personagem para os envolvidos no filme (Casting, diretor, roteirista, etc). Na grande maioria dos casos estes nunca sequer leram algum HQ do Homem de Ferro ou qualquer outro Herói.

    E mesmo que toda a sociedade, comunidade nerd dos fans e críticos de cinema tivessem desaprovado RDJ no papel, eles não iriam mudar o ator e não iriam mudar sua personalidade pelo fato de continuar com a mesma linha de comunicação da “trilogia”.

  20. Pedro Igor says:

    Acho que o que deve entrar em pauta não é a interpretação do RDJ, afinal de contas, o roteiro é passado pra ele e ele tenta interpretar fielmente as instruções do roteiro e do diretor, o que deve estar em pauta é qual vertente pretende alcançar a Marvel juntamente com a indústria dos cinemas. RDJ faz um ótimo trabalho com aquilo que lhe é dado.

  21. Yuri Oni says:

    Você acabou dando exemplos da história recente do Stark (antes de ele perder a cabeça *tudumtss*). Lembro que nos arcos mais antigos ele era bem mais “playboy, bilionário, filantropo”. Creio que a personalidade dele tenha mudado com o passar do tempo nas revistas devido à responsabilidade que ele se auto-infligiu. Mas se você pegar as primeiras histórias do cabeça de lata, ele era bem RDJ mesmo, com exceção do excesso de piadas, que eu realmente esperava mudar em IM3 e se tornar mais parecido com os quadrinhos recentes devido à responsabilidade e choque de realidade que ele sofreu em Avengers, maaaaas já sabemos a bosta e decepção que o filme foi pra gente…

  22. oi izzy eu queria falar com vc e jogar papo fora eu ja mandei uma mensagem

  23. Robson says:

    Como não leio os quadrinhos (e sei que muita gente também não os lê), o que posso dizer tendo em vista o meu ponto de vista sobre o assunto é que o Tony Stark interpretado pelo RDJ é um personagem muito divertido. Para mim, não leitor, a fidelidade ou falta dela com os quadrinhos é fator irrelevante. O ponto é: assisti ao primeiro filme e gostei tanto dele por si só, quanto pelo personagem Tony Stark, interpretado pela forma que o foi, e eu não tinha qualquer conhecimento prévio sobre qual era a personalidade do personagem pré-concebida pelo autor original.