Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Sobre personagens gays nas histórias em quadrinho

Postado em 1 June 2012 Escrito por Izzy Nobre 69 Comentários

Vez ou outra as publicadoras de quadrinhos inventam alguma polêmica que transcende o mundo dos nerds leitores de HQ e atinge o mundo mainstream.

Nos anos 90 tivemos a morte do Superman, que passou até em noticiários de TV na época. Eu era um pivetinho imberbe, com meros 7 anos (nem lia quadrinhos direito, aliás), e ainda assim a notícia chegou a mim.

Mais recentemente, a Marvel matou um personagem central do seu universo — uma manobra que também ganhou exposição na mídia noticiosa.

É estranho que essas mortes de personagens icônicos atinjam tanta notoridade, porque morte em quadrinhos é apenas levemente mais permanente que a morte numa brincadeira de polícia e ladrão entre crianças do primário. Existe até um termo pra efemeridade da morte nas revistinhas: comic book death. Personagens de quadrinho raramente morrem pra valer. Agora de cabeça só consigo pensar nos pais do Batman, no Goliath (que levou um rombo no bucho do Thor-robô da Guerra Civil, poucos segundos após de ser apresentado pra 99% dos leitores que nunca haviam ouvido falar nele) e na Gwen Stacy mesmo.

Ou seja, quem morre pra valer são sempre personagens coadjuvantes.

E agora as editoras resolveram fazer outra coisa com personagens secundários: torna-los gays.

 

Sim, sim, eu sei o que você vai dizer: o Northstar (que é o rapaz de terno preto) é gay a muito tempo, ele está apenas se casando. Só que o casamento dele traz a questão à tona, gerou polêmica pra caralho e, mais importante que isso, desencadeia copycats.

A DC revelou recentemente que este bastião de masculinidade acima conhecido como Alan Scott, ou “o primeiro Lanterna Verde”, é gay. Como a morte do Supes e do Capitas, e o casamento biba do Northstar, a saída do armário do Alan reverberou nos círculos mainstream. Tá rolando comemoração da turma dos direitos gays, choro da galera religiosa, e em geral o público dos quadrinhos aprova as histórias.

Só que a meu ver esses casamentos e saídas do armário são a mesma coisa que as “mortes” de quadrinhos: uma medida parcial pra gerar sensacionalismo.

Porque inevitavelmente, os personagens que morrem (de verdade) e os personagens gays são figurantes que ninguém além dos fãs hardcore de quadrinhos conhecem. Não existe um fã do Northstar nem do Alan Scott, me desculpe a sinceridade. São personagens buchas irrelevantes e totalmente dispensáveis. Sua preferência sexual, como praticamente tudo a respeito do personagem, é completamente indiferente.

Sendo os personagens gays aqueles coadjuvantes com os quais ninguém se importa (quando foi a última vez que o Northstar apareceu numa capa dos X-Men?) e que mal aparecem nas revistas carro-chefe das editoras, qual o impacto real na cronologia e no enredo dos negócios…? Mudaram a preferência sexual dos malucos do nada (ou, no caso do Northstar, jogaram o casamento dele na capa da revista) com a mesma intenção que se matava o Superman ou o Capitão América anos atrás: muita gente vai comprar a revista pra “ver qualé”, mas o panteão sagrado da mitologia quadrinística continua o mesmo então ninguém pode chilicar muito.

Em inglês, isso se chama “have your cake and eat it too” — querem mexer no status quo pra causar polêmica, mas ao mesmo tempo querem deixar tudo do jeito que está. Eles jamais diriam que o Spiderman ou o Superhomem são gays, por exemplo.

Por isso, essa manobra é transparente em seu propósito, é cara de pau e é oportunista.

Sabe que personagens gays são em minha opinião muitíssimo mais relevantes que esses aí?

 

Estes são o Hulkling e o Wiccan (originalmente “Asgardian”), integrantes da a versão “teen” dos Vingadores. E são namorados.

Eles habitam as páginas da Young Avengers, que é a revista periódica de um time de jovens com super-poderes que foram reunidos pelo Vision quando os Avengers “de verdade” se desmantelaram no arco Avengers Disassembled.

Agora que Avengers tá totalmente em voga, os Young Avengers inevitavelmente também estão. Eles acabam sendo então uma revistinha bastante atraente pra alguém que curta os Vingadores mas não queira ler trezentos anos de histórias passadas pra entender o grupo original e as referências. E, também, talvez sejam mais palatáveis pra turminha mais nova. Afinal, deve ser mais fácil pra um moleque se identificar com um Hulk teen do que com um de 40 anos.

(Imagina então pra um moleque gay)

Como Young Avengers começou em 2005, rapidinho você pode ler todo o material deles e ficar a par dos negócios. E ao contrário de um Lanterna Verde irrelevante ou um X-Men de quinta categoria, os Young Avengers estão intimamente envolvidos com eventos importantes na cronologia da Marvel. No arco Children’s Crusade, por exemplo, os Young Avengers estão desvendando finalmente o mistério em torno da Scarlet Witch e os acontecimentos de Avengers Disassembled e House of M.

Eu acho essa atenção toda dada ao casamento do Northstar e à revelação da sexualidade do Alan Scott totalmente desmedida, o que no final das contas é o que a publicadora quer mesmo.

É bom pra aceitação dos gays — e do casamento gay, que nada mais é que um direito humano básico — na nossa sociedade? Sim. Mas guardemos essa surpresa toda pra quando esses malucos criarem bolas e revelarem que o Batman é gay (e não, aquela declaração do Grant Morisson não conta porque não é canônica; nela o roteirista está apenas dando sua opinião pessoal do arquetipo do personagem que não é respaldada pela cronologia).

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Quadrinhos

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

69 Comentários \o/

  1. Wait, wait, wait, wait… o tio Ben voltou dos mortos?!

    …eu preciso voltar a ler quadrinhos, de fato.

    • Izzy Nobre says:

      Não computei Tio Ben porque ele aparece em tipo, DUAS PÁGINAS de UM quadrinho antes de morrer. Isso nem conta como “personagem”. É importantíssimo pra origem do Spidey mas porra, só o que sabemos do cara mesmo é o nome. Ele não teve história alguma, foi um simples plot device pra enfiarem responsabilidade no Peter Parker.

  2. Paulo Henrique says:

    Muito interessante. Ótimo post !

  3. nosceteipsum says:

    “é gay a muito tempo” há, de haver.

  4. Excelente postagem. Vale até uma pesquisa mais aprofundada aproveitando teus ganchos. Nem sabia desse Young Avengers. 🙂
    O fato é que a arte inevitavelmente se molda ao meio, se inspira na realidade ou traz a tona algum engajamento. Nada mais justo do que refletir alguns anseios das pessoas em diminuir o estranhamento quanto a novos comportamentos sociais/afetivos da população.

  5. André says:

    e o spoiler que a Gwen Stacy morre? é claro que eu nem sabia que ela existiu antes da Mary Jane, but still :/

  6. André says:

    e o spoiler que a Gwen Stacy morre? é claro que eu nem sabia que ela existiu antes da Mary Jane, but still :/

    • Izzy Nobre says:

      Desculpe spoilear algo que aconteceu em 1973.

      • André says:

        como eu disse, nem sabia da existência da Gwen Stacy na história, BUT STILL =/

      • Michael says:

        Algo velho n obriga a pessoa conhecê-lo.

        É que nem dizer pruma pessoa que nunca viu Star Wars quem é o pai do Luke (se bem que se ela assistir na cronologia do filme [1-6] e não a de lançamento [4-6,1-3] dá no mesmo). Há até discussões sobre qual ordem se deve apresentar aos filhos.

        Ou spoilear The Godfather.

        Mas se ele n sabe que Gwen existiu antes da MJ, ele deve ser que nem eu. Só assistiu os filmes do aranha, no máximo o desenho animado. Foi googlar e descobriu seu trágico fim -- eu mesmo descobri recentemente pesquisando sobre o reboot Amazing Spider-man -- o que n muda muita coisa assim.

        • Izzy Nobre says:

          Se liga broder:

          Reclama de spoiler quem se importa com uma história. Acontece que a essa altura do campeonato você não pode me dizer que se “importa” com Star Wars/The Godfather se você nunca foi atrás de assistir. Quer dizer que o cara teve mais de três décadas pra assistir os filmes, não o fez, e agora EU que estraguei o entretenimento dele…?

          O mesmo vale pra Spider-Man. Uma coisa é você spoilear o filme que saiu ONTEM e o cara talvez não tenha tido tempo ainda de assistir. Mas comentar um plot point de quase 40 anos atras…? Se o sujeito desse a MÍNIMA pro personagem, já saberia.

          • Michael says:

            Cara acho que vc não me compreeendeu. Ou me expressei mal

            Quando vc fala “É de 73”, dá a entender que “é velho, vc já deveria saber disso”. É isso que eu discordo. A obrigatoriedade de conhecimento prévio. Spoiler n tem data de vencimento.

            Nem todos tiveram (ou têm) a mesma oportunidade de acesso a informação.

            Mas se ele n sabe quem foi a Gwen, saber que ela morreu n faz diferença.

            Só que ele foi googlar….

    • Leandro says:

      LOLWUT hahahaha
      Cara so viu filme do Raimi e fica de mimimi, ai nao da!

  7. Diones Reis says:

    Tem alguma heroína da Marvel sapata?
    Eu só lembro que na DC a Batwoman é sapata assumida!
    E os direitos das sapatas, ninguém conta?

  8. Leandro says:

    Muito bom texto, só ficou curto.

    Zoa 😛

    Concordo com o que você disse, mesmo não sendo um leitor hardcore de quadrinhos(mesmo não sendo leitor de quadrinhos) a noticia fede a sensacionalismo. Se eles são irrelevantes para quem lê, imagina pra nós meros mortais ignorantes quanto a HQs.

    Não conhecia os Young Avengers e confesso que apesar de gostar do universo, não estou nem um pouco interessado nesses adolescentes, posso estar babacamente errado, mas eles parecem muito ‘anime’ pra mim.

    Valeu Kid.

  9. Lucky says:

    Batman não pode ser gay sem um zilhão de conservadores alegarem que sua relação com os Robins é pedofilia. O Super pode ser gay (e Lois poderia ser uma forma de conflito dele, não se aceitando e tal) e dos Lanternas, eu voto no Guy Gardner.

  10. Pedro says:

    Izzy, sabe do Miles Morales, novo Spiderman Ultimate? A Marvel considerou fazer ele gay, mas pensaram que Spiderman gay iria gerar muito hate.
    Honestamente, parece uma coisa meio forçada. Pelo menos no caso do Alan, que era casado com dois filhos antigamente. Provavelmente não vão tocar no assunto de novo.
    A Batgirl agora é lésbica, mas é mais pro fanservice da DC.

    • Batgirl? Não seria a Batwoman? E as histórias dela são longe de serem fanservice, já que o autor delas, o J.H. Williams,além de ser um desenhista fodão também é muito elogiado por ela

  11. Giovas says:

    Geralmente essas notícias-bomba sempre vêm com alguma justificativa para que o tal herói volte (como no caso do Superman, com o Retorno do Superman) e do Capitão América (pra mim um pura desculpinha, era melhor ele ter dito que era pegadinha.

    Quanto a rapaziada que saiu do armário, creio que um retrocesso seja mais complicado. Mas se a DC já apertou o RESET no seu universo tantas vezes, quem garante que na próxima o Alan Scott não vire o ~Tony Stark da DC~ de tanto pegar mulher?

  12. Lalur says:

    As pessoas começam a ler histórias em quadrinhos na infância.
    Qual a segurança que os pais terão de comprar revistas em quadrinho aos seus filhos com esse tipo de conteudo nas histórias?
    Os quadrinhos sempre foram a forma que os pais encontraram para incentivar a leitura nos filhos.
    Desnecessário!

    • Izzy Nobre says:

      Então a violência do Wolverine/Justiceiro tá de boa né.

    • Raid says:

      Pensar que quadrinhos foram somente feitos para crianças lerem é o mesmo que pensar isso para video-games.

    • mullerjones says:

      O problema é que você não tem que “tomar cuidado para que crianças não sejam expostas a essas coisas” porque é exatamente isso que causa o preconceito. Se desde pequenas, crianças se acostumam com a existência de gays no mundo e isso é tratado como algo normal, para elas a discriminação se torna estranha, entende?

    • Gley Riviery says:

      Justamente por isso que é necessário. Ninguém vai “virar gay” porque descobriu na infância que existiam gays no mundo, mas as crianças podem aprender a respeitar os gays e lésbicas se conviverem com essa idéia desde cedo.

    • Que deselegante.
      Rapaz, foda-se os pais, quem curte essa porra é a gente, não eles.
      Eles nem manjam das putaria, só a gente.
      xD

  13. Gnomo says:

    “Have one’s cake and eat it too”, conhecido nmo Brasil como “Querer ter sol na eira e chuva no nabal”. Porra, wikipedia…

    Um tipo de história excelente envolvendo orientação sexual foram os arcos focados na Renee Montoya em Gotham Central, que realmente abordavam o preconceito de forma coerente. Tu já leu essas Izzy?

  14. Lucio A M says:

    Vc colocou a foto errada. O lanterna verde tem uma camisa verde, e o simbolo é diferente.
    Dica: escreva “lanterna verde” no google imagens.

  15. Diogo says:

    Se não me engano o filho do Wolverine(Daken) mata o Justiceiro

  16. Deathstroke says:

    “Mas guardemos essa surpresa toda pra quando esses malucos criarem bolas e revelarem que o Batman é gay”, obviamente para causar indignação nos fãs do Batman.

    Bom, mas caso você realmente pense isso, você não sabe do que tá falando.

    Desde quando é preciso criar bolas para falar de algo que é ilógico? Esse boato de que o Batman seria gay foi criado por um psicólogo pago para inventar determinados absurdos sobre famosos personagens das HQ’s.

  17. J Eduardo Dantas says:

    Kid, tem alguns outros personagens gays bem interessantes também, que tem boas histórias e em quem vale a pena ficar de olho: na DC, a Renee Montoya e a Batwoman -- o reboot acabou de sair, dá pra ler tudo dela/sobre ela em dois tempos -- e na Marvel tem o casal Karolina Dean (a Lucy in the Sky) e Xavin, nos Fugitivos (Runaways, em inglês), que também são um grupo recente e que vez ou outra pinta por aí. Acho válida a iniciativa de levar o lance do homossexualismo para os quadrinhos mais mainstream, mas essas iniciativas recentes da Marvel e da DC não passam mesmo de sensacionalismo barato e polêmica pra atrair atenção e compradores. Esses personagens gays que eu citei -- e os próprios Hulking e Wiccano, que você mostrou no post -- abordam em suas histórias a questão da homossexualidade de forma muito mais real, interessante e sutil e, como eu disse antes, valem a pena ser lidos. Parabéns por trazer este assunto tão complicado, mas inevitável no mundo de hoje, pro teu blog. Abs,

  18. Dois personagens gays mais fodas de todos são o Apolo e o Meia-Noite, do Authority (agora Stormwatch).

    Para quem não conhece: São na prática o Batman e o Super-Homem formando um casal gay!! E tudo isso auxiliado pelo Meia-Noite (Midnighter acho em ingles) ser uma espécie de Batman ultrafodão badass motherfucker. Favor procurar a cena onde, após um cara encher o namorado dele de porrada (e estuprar, acho, não lembro bem) ele vai se vingar do cara armado com um dildo e uma BRITADEIRA!

  19. Kursch says:

    Recomendo assistirem “Secret Origin: The Story of DC Comics”. Daí você vai perceber que essas coisas são baseadas em contextos históricos. Inserir personagens gays (ou dizer que tal personagem é gay) é tão chocante hoje como foi criar uma mulher que rivaliza com os heróis (mulher maravilha) numa época em que o feminismo estava em alta. Normal. As pessoas se acostumam.

    Se a mulher maravilha nem existia e tornou-se relevante justamente por ser mulher, talvez aconteça o mesmo com esses personagens gays.

  20. Raid says:

    Tem o Colossus Ultimate que também é gay não? Esse pode ser do mesmo patamar que o Hulk. Mas é bem o que você disse, todo mundo sabia que seria um personagem secundário, o surpreendente seria ver o Hal Jordan gay formando casal com o Aquaman.

    E fica mais claro que foi uma ação de marketing do que realmente algo pensado como levantamento de bandeira, ao ver o anúncio disso antes do acontecido. O problema dos quadrinhos de super-heróis é a longevidade, que ocasiona vários responsáveis ao longo do tempo. Então um vai lá e mata/vira gay/perde o adamantium/quebra a coluna e quando acaba o ciclo desse roteirista, entra outro prometendo um alavancamento de vendas apagando o acontecido anterior na vida do super-herói.

    É uma pena que gente como o Didio e o Quesada não perceberam o que fizeram com os quadrinhos, zerando revistas e formando grandes arcos universais que se passam em várias revistas. Fazer com que o personagem só viva dessas sagas cósmicas colocou eles num buraco.

    Não a toa os mangás hoje em dia são tão populares. Todos, sem exceção, são autorais. Nascem e morrem pela mão do seu autor. E todos os títulos tem começo, meio e fim. A pessoa compra sabendo que vai ver o final da história.

    Alan Moore defende até hoje que os quadrinhos de super-heróis sejam autorais. Que os personagens de Watchmen, V de Vingança e qualquer outro que passou pelas mãos dele, sejam dele, e não das editoras. Isso iria fazer um bem danado pra esse mercado.

  21. Calleb says:

    Devia ter mais posts sobre quadrinhos aqui.

  22. Ricardo says:

    Kid, seu grandessíssimo filho da puta.
    Achei que você tinha parado de atualizar o blog porque o feed não atualizava mais… ai resolvi entrar no site hoje e agora vou ter que gastar a tarde catching up

  23. droantjk says:

    Querem enfiar homosexualidade em todos os lugares de uma forma forçada. Totalmente desnecessário.

    • Eduardo "Sauron" says:

      Troque a palavra “homossexualidade” por “negros”, “mulheres”, “hispânico”, “casamento multirracial” e você terá o que pensar por bastante tempo.

  24. Michael says:

    CDZ não é só o Kurumada quem faz. Tem a saga G, Lost Canvas, e o restartizado Omega

    Ps: Kid vc alguma vez já falou de CDZ aqui?

    • Kagemaru says:

      Saint Seiya e exceção e não regra, e mesmo assim todas essas estórias são feitas com consentimento do autor de SS, Masami Kurumada, se alguém quiser publicar algo e ele não quiser, não publica, qualquer coisa feita com o nome Saint Seiya tem que ter o permissão do autor, isso acontece em outros mangas também que tem esse tipo de situação. No caso dos heróis Dc e Marvel, fazem o que bem entende sem perguntar a ninguém.

  25. Gley Riviery says:

    Depois das imagens que o pessoal do MdM postou junto com o podcast da semana retrasada, não resta dúvida que o Grant Morrison não é o único roteirista a achar que o Batman é gay.

  26. Heitor Amaral says:

    Izzy, eu sei que é off topic, mas porq q os videos postados aqui no hbdia nao funcionam no ipad?

  27. André says:

    Em dois meses todo mundo esquece essa “polemica”.

    Se Marvel e DC fossem mangas, hoje eles só teriam meia duzia de herois (pq em mangá, qd alguem morre, esse alguem realmente morre -- menos em Dragon Ball) e metade dessa meia duzia herois seriam gays. LOOOOL.

  28. A Batwoman é lésbica assumida, aparece tendo relacionamentos com mulheres nas revistas com uma frequência altíssima, tem histórias muito legais e uma arte foda pra caralho. Isso sem contar que muitas vezes a sexualidade da personagem É SIM influencia nas histórias.

    PERGUNTA: Por que transformar um VELHO que já tem uma história de 2938812387 anos atrás em GAY ao invés de puxar essa personagem underground pra “linha de frente”? Impulsiona um personagem desconhecido, vende mais quadrinhos dele e ainda usa a nova “moda” do homossexualismo em prol da história. Com certeza esse lance de ser gay não vai mudar em nada nas histórias que esse Lanterna aparecem (que, convenhamos, são pouquíssimas. Tem aquela Sociedade da Justiça mas… NÉ, Sociedade da Justiça).

    Burrice. A galera tem costume de associar a palavra “gay” com homens, quando ela serve TAMBÉM para mulheres, como lembraram em outro comentário mais pra cima.

    E, como você mesmo disse Izzy, a DC NUNCA ia colocar um personagem “main” como gay. O Superman, o Batman, o Lanterna Verde “principal”, nem mesmo o Aquaman nunca virarão gays.

    Mas não, ao invés de usar uma personagem que JÁ ERA GAY, eles transformam uma porra de um VELHO num gay. Vai entender…

  29. […] liga: no post recente sobre personagens baitolas de quadrinhos, eu comentei um plot point clássico dos gibis do Cabeça de Teia: a morte da Gwen Stacy, o […]

  30. Gustavo says:

    Lanterna Verde tá com o Anel Piscando…

  31. @gutenbergfpj says:

    Atrasado, mas enfim:

    Nenhum dos senhores acima mencionou o casal homossexual que considero mais bem escrito nos quadrinhos: Apollo e Midnight/Meia-Noite, do grupo Authority (DC, selo Wildstorm).

  32. Allan says:

    Bom… sou fã Marvel a anos, assinante assíduo, e sinceramente, não vejo problema nenhum na tal “polemica”, é até engraçado como as pessoas veem isso de maneira pejorativa, mas continuam assistindo novelas e filmes com a presença dos mesmos, enfim, que é apenas mais um toque de publicidade para gerar polemica, obvio, mas vejamos isso com bons olhos, estamos em uma época que tudo é possível, e isso deve ser levado ao lado bom, como uma quebra de paradigmas.

  33. Os comentários do tio Izzy são batutas demais! Li pra conhecer mais sobre o assunto. Inclusive fizemos um podcast e falamos sobre isso também… se alguém se interessar: http://thandercast.com.br/thandercast-005-vingadores-espetacular-homem-aranha-batman-e-personagens-gays/

  34. Os comentários do tio Izzy são batutas demais! Li pra conhecer mais sobre o assunto. Inclusive fizemos um podcast e falamos sobre isso também… se alguém se interessar clica no meu site ali em cima. =)