Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

[ O que faço com meus gadgets? ] Parte 2

Postado em 18 May 2015 Escrito por Izzy Nobre 14 Comentários

No texto anterior, contei minha não-tão-breve história de amor com brinquedos eletrônicos. Hoje, cumprindo minha promessa com alguns dias de atraso, vou te contar que funções eu mais uso em meus aparelhos.

iPad

ipad

Eu achava sinceramente que o advento de um iPhone com tela maior me faria repensar a importância do iPad, mas acabou não sendo o caso. O iPad ainda é o melhor leitor para quadrinhos, por exemplo. O iPhone dá pra quebrar um galho, mas ter que ficar constantemente movimentando a página na tela pra ver toda a página não é a melhor experiência.

Eu queria poder dizer que a tela maior do iPad também o torna um aparelho mais indicado para assistir um Netflixzinho, mas curiosamente não é bem o caso — apesar do tamanho da tela, o aspecto 4:3 do aparelho força os vídeos widescreen a aparecem com letterboxes imensas em cima e embaixo. E com isso, ironicamente, a imagem do filme fica pouquíssima coisa maior do que ficaria no meu iPhone 6 Plus.

Mas o iPad é simplesmente gostoso de usar. Enquanto meu celular é algo mais funcional, mais utilitário, vejo o iPad mais como um brinquedo mesmo, sem o teor pejorativo que a palavra parece carregar. Uso porque dá gosto de usar, enquanto o celular é mais o tipo de coisa que eu preciso usar — pra atender ligações, responder emails urgentes quando estou na rua, essas coisas.

O meu app favorito pra ler quadrinhos no momento é o ComicZeal. Ele lê arquivos de HQ baixados na web em praticamente qualquer formato.

iPhone
iphone

Meu iPhone 6 Plus e eu somos inseparáveis. Além do óbvio — tuitar mais do que qualquer pessoa no mundo, responder ligações e mensagens de texto, e alguns joguinhos aqui e ali –, uso bastante o iPhone pra controlar minhas máquinas remotamente através do TeamViewer (incluindo uma vez que usei-o pra achar meu celular), o PocketCasts pra ouvir podcasts — e mais importante, mante-los sincronizados em vários aparelhos diferentes –, o Quizlet para estudar, e o iMovie pra editar vlogs quando estou de viagem.

Kobo Glo

kobo

Bom, nesse aqui é óbvio o que eu faço, né?

Lamento muito ter perdido o hábito infantil de ler incessavelmente. A era da internet, da informação instantânea, dos vídeos me explicando o que há com o mundo, de 67 abas abertas no Chrome fazendo malabarismo com mil temas diferentes, estragou minha capacidade de prestar atenção em um assunto de cada vez. Ter trocentos livros num único aparelhinho é um meio termo entre a prática semi-perdida da leitura, e a miríade de opções com as quais a vida tecnológica contemporânea me bombardeia.

MacBook Air

macbook

O iPhone e o iPad mini, juntos, são surpreendentemente capazes pra manter meu site/canal no youtube/perfis em mídias sociais atualizados numa viagem. Entretanto, em ALGUNS momentos é preciso um computador de verdade — uma edição de imagem mais elaborada, mudar as configurações da descrição de um vídeo no youtube (por que diabos estou em 2015 e não posso fazer isso do celular?!), e de forma geral fazer qualquer coisa que dependa de um multitask mais funcional.

E emuladores, claro. O OpenEmu, exclusivo pra MacOS, é basicamente a única coisa que eu preciso em termos de joguinhos naquele computador.

Agora me fale o que você faz nos seus aparelhos eletrônicos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Tech Toys

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 32 anos, também sou conhecido como "Kid", e moro no Canadá há 13 anos. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas, e sobre notícias bizarras n'O MELHOR PODCAST DO BRASIL. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

14 Comentários \o/

  1. Guilherme says:

    daora pra caramba! chei dos aptrex’

  2. Jonas says:

    Cara sei lá, os motivos parecem muito mais forçar a barra os donos tentarem se convencer que precisam ter 1 gadget para cada coisa que forem fazer na vida. Atualmente ter um bom celular e notebook já são suficientes. Tablets parecem limitados demais ainda.

    Outro ponto que acho interessante é que parece que os gadgets servem muito mais para a pessoa ficar full-time focada no trabalho e nem perceber, que nem o caso quando você fala em responder e-mails urgentes.

  3. Agora me fale o que você faz nos seus aparelhos eletrônicos.
    Gostaria de ter muito o que dizer, mas na verdade tudo o que posso falar de fato é que te invejo fortemente Kid! Inclusive (ou especialmente) no tocante à 1ª parte do artigo… :/

    Explico: nunca tive chance de colocar as mãos em ‘artigos de ponta’, ainda mais de informática/eletrônicos. Passei metade da vida babando por um Pense Bem, por um Genius, ou mesmo um simples Mega Drive ou um Atari.
    Meu primeiro videogame, em 93 (sou de 81), foi um Master System 3 com Alex Kidd e só -- depois disso só adicionei à lista um Atari 2600 que encontrei jogado na rua em meados de 98~99 acho (o bicho liga! mas não tenho cartucho nem joystick). Além disso cheguei a ter uma agenda eletrônica também ganha em 2001.
    Meu primeiro celular foi um verdadeiro “tijolão” da Ericsson, em 2004, em virtude da minha ida à faculdade. Desse aqui: https://controlall.files.wordpress.com/2012/10/a1228.jpg
    Depois desse ganhei um Siemens “que (o pai de) todo mundo já TEVE um”, (esse: http://i70.photobucket.com/albums/i112/sammoreira/siemens_a50_2.jpg ), e meu celular atual é desse Samsung aqui: http://thumbs.buscape.com.br/celular-e-smartphone/celular-samsung-gt-e2120-desbloqueado_300x300-PU3e8f2_1.jpg -- com uma câmera tão ruim que até de postar fotos corriqueiras no feicibuqui eu tenho vergonha. Videos então? Gravar vlogs? Ele tem um limite idiota de 1min de gravação (isso gravando em cartão SD) e até webcam xing ling tem imagem melhor!

    De resto, só computadores mesmo… Em 97 minha mãe comprou um Packard Bell (Pentium 66MHz com 8MB DIMM e HD de 400 e poucos megas), que nem podia colocar a mão direito. Em 2000 ou 2001 compramos um Athlon XP (128M de ram+vídeo on+uns 10GB HD) que foi quase a mesma coisa até 2004 -- que aí também foi comigo pra faculdade. Esse danado aliás me aguentou bem´, até cerca de 2008 -- quando pifou de vez e troquei por OUTRO Athlon (esse consegui colocar 1,5GB de ram, uma GeForce 5200, e -- juntando hd’s velhos -- totalizar uns 100GB de HD).
    Aí pifou TAMBÉM, em 2011… E por algum milagre ou outra explicação sobrenatural, me deixaram montar um “pitelzinho” que saiu uns R$2.000 na época! Nada extremamente extravagante, mas ainda assim um orgulho bem potente: Phenom x4 955 (2.8GHz) + 8GB DDR3 + HD Radeon 5770 1GB + 2 SATA2 WD 500GB arranjados em RAID 0. Aliás, até na fonte e no gabinete dei uma “caprichada”: um Thermaltake com uma Seventeam de 520W responsa que até raio já aguentou (em 2012) e ainda tá firme e forte!

    Mas, de resto? Bem… Nem GameBoy ou DSi usados das minhas irmãs chegaram à minha mão até agora… E acho que nunca chegarão mesmo, ainda mais que essa semana a do meio comprou um Android usado mas se recusou a passar o DSi dela pra não perder um tal jogo de cirurgia… T_T

  4. Gustavo Veiga says:

    Fala Izzi! Aló do Rio!

    Sempre fui adepto de um Android, comecei com um galaxy 1 anos atrás, e hoje me rendi a um IPad (Air 2) pelo designe inicialmente! Estou apanhando muito, principalmente pelo fato de ter uma limitação gigantesca imposta pela Apple Store!
    Poderia sugeriram seus apps com foco em lazer, trabalho, etc

    Saudações do Brasil!!!!!!!

  5. Wagner says:

    Esse Pocket Casts tem algum diferencial? Sempre usei o WeCast pelo simples fato de me avisar quando cada episódio dos podcasts são lançados…
    Podia rolar outro post indicando mais podcasts também, hein?

  6. Paula says:

    Olá Izzy! Nossa, em uns 10 anos acompanhando seu blog essa deve ser a primeira vez q eu comento aqui!
    Mas então, dá sim pra editar a legenda do vídeo no celular! É q no app normal do YouTube não, mas o Google tem outro app chamado Studio e com ele vc consegue fazer isso e gerenciar outras coisas do canal! Espero ter ajudado em algo…

  7. Arnaldo Junior says:

    Meu celular (Android, metade do preço -- que se dane a Apple) serve basicamente para ligações/Whatsapp/Facebook. Uso bastante meu Tablet (Android tb, pelos mesmos motivos) para navegar na internet e assistir a vídeos no Netflix quando estou na cama. Não gosto de jogar esse estilo de game em telas touch. Meu notebook serve para utilidades um pouco mais elaboradas, como editar uma planilha Excel (o que é um saco em telas touch) e para jogar emuladores, basicamente. A minha necessidade de games portáteis é suprida principalmente através do meu 3DS e até pelo controle/tablet do meu WiiU.
    Valeu!

    • Arnaldo Junior says:

      Aliás, concordo com vc, Izzy. Dá a impressão que o tablet é uma plataforma destinada à leitura de quadrinhos. É extremamente cômodo! Foi um hábito meu que aumentou bastante a partir do momento que comprei um tablet.

  8. dhnsilva says:

    Com o preços praticado aqui no Brasil, o $$ investido nestes devices daria pra comprar um carro haeuhaeuhae Huezil 😐

  9. dhnsilva says:

    os preços praticados*

  10. Rafael Silva says:

    Meu primeiro smartphone foi iOS sempre achei o melhor sistema operacional, depois que comprei um andorid meu filho … liberdade é total é outra vida.

  11. bom, volta e meia eu pego a Zire72s para jogar, ou atari retrô, Lenmings, pocketCity, ou algo dos joguinhos velhos. No iPad1, leio o estadão e vejo filmes, no iPadmini 2nd gen, filmo e edito o vlog de literatura. mantenho as redes sociais e emails, que o ipad 1 parou de suportar. No iPod touch 2nd gen, basicamente só musica e kindle que a Amazon mantém atualizado. (PalmReader, Kobo, Kindle, iBooks e PlayBooks). No Kobo standard leio quando há luz natural ou em viagens, ônibus, metrô e avião.

  12. Gabriel Domingues says:

    Muito legal mesmo, Izzy! Outro dia, conversando com meu irmão sobre esses “brinquedinhos”, parei pra pensar: “Puta merda, sequer posso sair pra correr com um armband porque vou chamar atenção e então posso ser roubado”. Moro em Guarulhos/SP, numa área considerada até de classe “média-alta”, mas, que droga, sequer posso sair tranquilo pra correr confortavelmente com o celular no braço! Parece uma idiotice pra um país com problemas bem mais complexos, mas esse pequeno fato só revela um problema que você comentou há um tempo atrás, sobre a insegurança (no caso era de voltar ao Brasil para ser padrinho de um casamento, eu acho).
    Enfim, é muito legal discutir sobre e falar sobre esses gadgets, mas seria mais legal ainda se pudesse usá-los sem preocupação onde me desse na telha.

    Em tempo, meus gadgets:

    1. Dell Vostro 5470 -- Muito leve (nao sei se chega a ser um ultrabook, mas pesa só 1,5kg), com uma configuração que cumpre o que se propõe a fazer e supre minhas necessidades básicas do dia-a-dia (sou um mero advogado estudando para concurso da Defensoria Pública). Além disso, é bonitinho, e a DELL possui fábrica própria no Brasil e helpdesk idem, ou seja, se der problema, posso recorrer a própria empresa, sem precisar recorrer às “autorizadas” (medo).

    2. Kindle 7th Generation: comprei recentemente. Ainda estou me acostumando. Comprei um sem a luz embutida porque não costumo ler antes de dormir com a luz apagada (se faço isso, leio 3 páginas e durmo). Parece interessante para literatura comum, mas para livros de direito, onde tenho que fazer consultas em várias partes do livro, o meio físico ainda é imbatível (o problema é o peso para carregar esses livros até a biblioteca, argh!).

    3. Moto X 2nd Gen: dos considerados “top de linha” acho que é o que tem o preço mais em conta no Brasil. Depois de perder o meu Nexus 5, pela dificuldade de achar outro no Brasil, e considerando que nao curti o tamanho do Nexus 6 (que, aliás, acho que ainda nem é vendido por aqui), acabei dando uma chance para a Motorola e não me arrependi. Como o maior problema dos Androids, na minha opinião, é a alteração que as empresas costumam fazer no sistema, no caso da Motorola (que até pouco tempo era da Google) não tive esse problema. Eles não interferem em quase nada (apenas acrescentam um aplicativo ou outro, coisa de 2 ou 3), diferente do que faz a Samsung.

    Desculpem pelo longo texto =X

    Que a força esteja com vocês 😉

  13. Luiz Parreira says:

    Tinha o IPad 3 troquei por um mini 2 comecei a usar absurdamente mais uso para trabalho anotações em reuniões, melhor que andar com papel e caneta.

    Meu celular é usual do dia dia troquei o iPhone 6 Plus pelo S6 edge plus pela liberdade em algumas coisas a tela curvada me chamou muita atencao “novidade” rs e a câmera é sensacional melhor que no iPhone em alguns aspectos.

    Meu macbook pro é um caso a parte como sou programador além de não conseguir fazer metade das minhas tarefas em outro gadgets não o troco por nada kkkkkk

    Absss