Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

10 perguntas que mais ouço sobre o Canadá

Postado em 5 January 2016 Escrito por Izzy Nobre 19 Comentários

flag

Moro aqui em cima desde o finalzinho de 2003. Quando penso no tempo que passei aqui, rola uma dissonância cognitiva estranha — 13 anos não me parecem tanto assim, mas quando penso na minha “vida brasileira”, parece que estou lembrando de algo que aconteceu há cinco décadas. Também pudera; apesar de ter 19 anos quando vim pra cá, eu amadureci tanto nesses últimos anos que o meu “eu” de 19 anos era essencialmente uma criança ainda.

E ao longo dos anos, por ter uma certa notoriedade na internet, muitas pessoas vem a mim com perguntas sobre o Canadá. Eu me tornei intrinsicamente conectado ao país, talvez por ser um de poucas “celebridades” internéticas que moram aqui. Só consigo lembrar de dois casais youtubers, o Leon e a Nilce, e o Edu e a Sapeca.

Pergunto-me se eles recebem tantas perguntas sobre o Canadá quanto eu. Aliás, ironicamente, agora que paro pra lembrar conheci AMBOS porque vieram me fazer perguntas sobre imigrar pro Canadá! Hashtag METALINGUAGEM. Mas vamos às tais perguntas.

1) “É difícil conseguir trabalho no Canadá?”

Por via de regra, perguntas sobre imigração/arrumar trabalho me incomodam um pouco, por causa da inerente futilidade delas. Alguém que pergunte algo tão vago e de uma resposta inevitavelmente tão inútil quanto “é difícil conseguir trabalho no Canadá?” certamente não está levando a sério a idéia de emigrar, e não está tomando por conta própria a responsabilidade de fazer uma pesquisa importante, então seja lá o que eu responda não fará muita diferença.

Quando alguém me pergunta isso, fica a impressão que o que a pessoa REALMENTE quer ouvir é um encorajamento vazio, tipo “pode vir sim cara aqui é uma maravilha ao descer do avião já vai ter alguém te dando um emprego“. Eis os motivos pelos quais essa pergunta é inútil:

  • Eu não sei quantos anos você tem na sua carreira;
  • Eu não sei qual a sua formação, e mesmo que soubesse;
  • Eu não sou analista econômico pra saber assim de cabeça como estão as ofertas de trabalho de uma área aleatória;
  • Eu não sei qual o seu nível de inglês;
  • Eu não sei pra qual cidade você planeja ir (o Canadá é o segundo maior país do mundo; se você mora em São Paulo, você saberia como está o mercado de trabalho de arquitetura em Roraima…? Imagino que não).

Em suma, a pergunta tem como variáveis INÚMEROS fatores sobre você que eu não sei. Mas, eis uma forma mais inteligente de procurar ofertas no mercado de trabalho no Canadá. As it turns out, é o mesmo método que usamos pra encontrar qualquer outra coisa.

O Google é seu melhor amigo pra mil coisas; por que seria diferente agora?

Se você for ao google.ca (o que forçará o site a mostrar resultados canadenses) e procurar “CANADA JOBS”, você achará inúmeros sites com ofertas de empregos. Como por exemplo:

http://www.canadajobs.com

http://www.jobbank.gc.ca

http://jobs-emplois.gc.ca

http://www.eluta.ca

http://www.workopolis.com

http://www.monster.ca

Agora é simplesmente uma questão de procurar ofertas na sua área. A vantagem desse método é que em vez de simplesmente acreditar nas palavras de um blogueiro cearense qualquer, a aparentemente fazer seus planos baseando-se inteiramente apenas nisso, você está vendo ofertas REAIS com valores REAIS de salários.

Digamos que você não saiba o nome da sua área em inglês. Isso complica um pouco a idéia de morar e trabalhar num país onde essa é a língua oficial, mas o Google novamente nao te deixa na mão.

Embora me pareça que o Google é um amigo gringo que pensa que falamos espanhol no Brasil.

Joga o nome da sua função no Google Translate e pronto. Você já tem mais informação com a qual trabalhar.

A segunta pergunta é relacionada à primeira.

2) “X dólares por hora/ano é um bom salário?”

Se você já se deu ao trabalho de procurar por conta própria empregos na sua área e me veio no Twitter com essa pergunta, eu te parabenizo pela iniciativa. Essa é bem mais subjetiva, e mais difícil de obter uma resposta simples no Google, então faz sentido perguntar a um amigo que mora no Canadá. E sim, eu sou seu amigo.

Você deve ter notado que a pergunta é sobre dólares por HORA ou ANO, mas não por MÊS. Por questões culturais, dólares/mês não é uma métrica muito usada — o que eu acho sem sentido. A maioria das nossas despesas são por mês, logo, dólares/mês me parece uma unidade melhor pra calcular o custo de vida. Enfim.

Pra saber quanto uma área paga, aqui está um site bom. Ele mostra valores baixos, médios e altos pra uma determinada profissão, separando inclusive pela área no país. Assim, dá pra comparar que região do Canadá paga mais por uma determinada função, e assim você pode fazer planos de forma mais consciente.

Tenha em mente que 25 dólares por hora/50 mil dólares por ano é o que eu consideraria um salário “bom” pra uma pessoa — você não será rico, mas você morará com conforto, poderá ter um carro esportivo igual o meu, e precisar parcelar o próximo iPhone ou MacBook ou DSLR será uma experiência com a qual você perderá familiaridade.

50 mil dólares por ano por pessoa seria um pouquinho acima da classe média — os valores exatos variam de acordo com percepções pessoais e outras coisas subjetivas, mas em 2013, o salário médio de uma família no Canadá era 73 mil dólares por ano.

Pra dar um parâmetro de comparação, salário de fast food é em torno de 11 dólares por hora, ou aproximadamente 20 mil dólares por ano.

3) “Vi você comentando que estava fazendo -40 graus noutro dia, é Celsius ou Fahrenheit?”

Inclui abaixo um mapa útil de todos os países do mundo que usam Fahrenheit como medida de temperatura:

paises

Caso você seja daltônico: só nos EUA usam essa maluquice.

Ou seja: ESQUEÇA FAHRENHEIT. Mesmo quando você estiver falando com um youtuber que more nos EUA, é imensamente mais provavel que ele comentará sobre temperaturas já tendo feito a conversão pra Celsius, pra que faça sentido pra você.

A propósito, -40 é o mesmo em Celsius e Fahrenheit.

4) “É verdade que os canadenses são meio frios?”

O brasileiro se acostumou tanto a se gabar de ser o povo com mais calor humano no mundo — frequentemente repetindo a máxima sem nunca ter sequer conhecido um estrangeiro — que o subproduto disso é uma crença de que gringos são distantes ou frios. Como se calor humano fosse exclusividade nossa, o que é uma forma bem míope de ver o mundo e os outros povos.

Talvez eu tenha tido uma experiência completamente atípica, mas nunca tive problemas em fazer amizades, e sempre fui bem aceito onde quer que eu cheguei. Minha esposa, que é canadense, é completamente maluca, e a maior parte das amigas dela são iguais.

O que rola é que há pessoas gente boa e pessoas escrotas em todo lugar do mundo. Tive sorte de conhecer várias pessoas gente boa aqui.

5) “O que é esse “EH” que sempre vejo os canadenses falando no final de frases?”

“Eh” é meio que um tique canadense. Eles costumam adicionar no final de frases sem nenhum motivo aparente. É tão tipicamente canadense, que quando comediantes americanos querem zoar canadenses, a forma mais clara de insinuar que aquilo que eles estão tentando emular é um sotaque canadense é jogar vários “eh” pelas frases.

E o significado da palavra é simples: é basicamente um “né”. Traduza a frase e troque EH por NÉ que ficará mais claro.

Já que entramos no assunto de comediantes americanos zoando canadenses…

6) “Por que os comediantes americanos zoam canadenses?”

A resposta mais simplesmente é porque comediantes por via de regra zoam tudo, e nada é mais culturalmente zoável do que o país que está ali do lado. Nós temos uma versão disso também na rivalidade Brasil vs Argentina, embora no nosso caso haja um veneno um pouco maior.

Brasileiros em geral zoam argentinos por realmente não gostar dos caras; americanos zoam canadenses como uma forma de “sibling rivalry” mesmo; sendo ambos países filhos da Inglaterra, e compartilhando língua, boa parte da cultura, personalidades — VÁRIOS artistas que muitos imaginam ser americanos são na real Canucks —  e etc, são basicamente irmãos.

Os canadenses alopram os americanos de volta, também — o que você provavelmente não notaria, já que a maior parte da cultura popular que consumimos é americana, então só vemos um ângulo da rivalidade.

“Rivalidade” talvez seja até um termo muito forte. O que rola de fato é que os americanos fazem piadas com a educação canadense — que alguns comediantes tendem a equivaler a inocência/ingenuidade –; já os canadenses alopram os americanos pelo seu fetiche por armas e já lendária falta de educação.

7) “Você consegue achar arroz e feijão aí?”

Eu não sei exatamente o que fez brasileiros acharem que arroz e feijão é uma exclusividade nacional nossa. Tudo bem que o arroz e feijão são o alicerce de quase todo almoço/janta, com os adicionais orbitando ao redor dessa combinação tão clássica que virou ditado popular sinônimo de “coisa básica, elementar”.

Mas isso não significa que só tem arroz e feijão no Brasil. Tenho comido arroz e feijão praticamente todo dia dos últimos 13 anos. Aliás, sendo eu fresquíssimo pra comer, é perfeitamente provável que eu como mais feijão e arroz que você — a frescura gastronômica crônica limita meu cardápio.

8) “É verdade que a maioria dos carros aí são automáticos?”

São. Você meio que tem que go out of your way* pra comprar um carro manual; geralmente só os aficcionados fazem isso. Pra carro esportivo, o manual às vezes chega a custar mais caro.

Nos 13 anos que moro aqui, nunca dirigi um carro manual, e é possível que eu tenha até desaprendido já. Afinal, eu já não era lá um expert quando morava no Brasil — havia aprendido a dirigir com 16 anos, mas mal e porcamente como é costumeiro à maioria de adolescentes.

*Não sei como traduzir “out of your way”. Seria algo como “se dar ao trabalho”, deixando subentendido que esse trabalho seria bem fora do comum/inconveniente.

9) “Aí se fala francês também, né? Cê aprendeu francês?” 

Na realidade, só se fala francês MESMO em Quebec — que, como o Rio Grande do Sul ou a Confederação dos Sistemas Independentes, querem se separar da matriz. No país inteiro, placas, nomes e empresas e rótulos de produtos são bilígues (uma caixa de cereal é inglês de um lado e francês do outro, por exemplo), mas quão mais longe de Quebec você mora, menos se ouve francês.

10) “Você voltaria pro Brasil algum dia?”

ESSA é a pergunta que mais me surpreende.

Frequentemente alguém pergunta quais seriam as circunstâncias fictícias que me fariam voltar a morar no Brasil. Pra responder de forma simples, nada me faria voltar a morar no Brasil. Estando aqui há 13 anos, eu já estou completamente acostumado a tudo aqui — cultura, língua, tenho amigos, tenho família, emprego… não consigo pensar em nada, em país ALGUM, que me faria querer recomeçar do zero a essa altura do campeonato. Que dirá então o Brasil, que a essa altura do campeonato me oferece tão pouco.

Uma métrica que eu geralmente cito nesse contexto é a da proporção da vida canadense pra vida brasileira. Vim pro Canadá com 19 anos, mas desses 19, só podemos contar como vida “consciente” uns 14 ou 15; isso significa que eu estou cada vez mais próximo do dia em que eu terei uma experiência de vida canadense equivalente à minha experiência de vida brasileira. Será ainda mais bizarro daqui uns 9 anos, quando eu terei LITERALMENTE existido no Canadá por mais tempo que existi no Brasil.

Isso fode com minhas noções de auto-identidade, porque por tanto tempo eu vi minha vida brasileira como um componente majoritário de quem eu sou. Quando eu tiver 40 anos, o tempo que passei no Brasil será meio que apenas uma Season 1 da minha vida.

Assim sendo, a cada dia que passa, a vida brasileira se torna uma lembrança mais embaçada, o que tira qualquer incentivo de voltar ao Brasil. Pai, mãe e irmãos estão tudo aqui na mesma cidade em que eu moro, também.

Se você tem mais alguma pergunta, joga aí nos comentários!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Top X

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 32 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas, e sobre notícias bizarras n'O MELHOR PODCAST DO BRASIL. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

19 Comentários \o/

  1. Gabriel says:

    Adorei o post!
    Eram dúvidas que eu tinha mas não havia um ‘porque’ de perguntar pois sei que é chato e não teria a resposta que queria ouvir (é impossível, como você mesmo comentou no início do post, “INÚMEROS fatores sobre você que eu não sei”).

    Valeu Izzy 🙂

  2. Donavan Sampaio says:

    Olá Izzy, gostaria de saber como é o transporte coletivo no Canadá, Dá para se locomover bem sem ter carro?(levando em conta a qualidade e o alcance)

  3. Angelo Moreira says:

    Fresquissimo para comer e comeu coisa do chão do carro.

    Ótimo post e dicas que funcionam mesmo apa quem pensa em migrar para outras bandas.

    🙂

  4. Filipe says:

    Pesquisei logo minha área em calgary kkkk. Excelente post izzo!

  5. Thomas Fernandes says:

    Baita post Israel. Principalmente a segunda pergunta, que já me ajudou a ter uma ideia. Atualmente trabalho em uma multinacional na área de tecnologia aqui no Brasil, e quando me formar pretendo aplicar para uma vaga aí no Canadá, e se não der certo, tentar com outras empresas da área mesmo. Ainda falta um pouco mas já estou dando uma pesquisada boa sobre isso. Valeu pelo post, abraço!

  6. Skooter says:

    Tem uns verdinhos ali pela América Central no seu mapa, logo não é só nos EUA que se usa Farenheit. 😛

    Aproveite e explique também porque diabos tanto os fogões quanto as receitas em embalagens de comidas canadenses mostram temperaturas em ambos Celsius e Fahrenheit.

  7. leonardo says:

    dadobque calgary é um polo petrolífero, queria saber se você percebe alguma crise econômica na região, ou se está tudo de buenas.

  8. Luis Guilherme says:

    Quais são as comidas tradicionais canadenses e quais delas você gosta e quais delas você não gosta?

  9. davi says:

    Izzy, você comentou que “x dólares/hora ou y dólares/ano é um bom salário” e tal.

    Mas como você calcula seu salário por ano?

    http://www.labour.gov.on.ca/english/es/pubs/guide/hours.php

    Aqui diz que a jornada de trabalho é normalmente de 8 horas/dia. Posso considerar 40 horas semanais, 5 dias por semana e 52 semanas por ano?

    Desculpe uma pergunta pessoal: como seu pai fez com o Kevin? Sua madrasta ficava cuidando dele em casa? Ou ele foi para creche?

    • Trovalds says:

      Esqueça mês. Um ano tem 52 semanas. Cada semana tem 6 dias úteis (48h) no Canadá (que é o limite de horas sem ter hora extra, exceções aplicáveis dependendo do emprego). A base de cálculo é essa. Claro, existem feriados e afins, mas pra efeito prático a conta é essa. OU 8/h dia, 48h/semana, 2496h/ano. Salário anual divide pelo número de horas/ano, profit.

      Por que não por mês? Imprecisão do calendário Gregoriano. 7 meses com 31 dias, 4 meses com 30 dias, fevereiro com 28 dias (ou 29 dias em anos bissextos).

      • Davi says:

        Salário/ano faz mais sentido pra mim, mesmo.
        Eu só não sei como calcular.

        Eu recebo por semana?
        Eu “bato ponto” pra computar as horas no final da semana? Como o empregador se garante que o empregado não vai passar a perna?

        O limite máximo é 48 horas/semana. Isso significa que eu posso trabalhar menos e tá de boa? Só vou receber a menos?

        Estranho…

  10. JP says:

    Mas Izzy, é difícil conseguir trabalho no Canadá? ( ͡° ͜ʖ ͡°)

  11. Chrissy says:

    Izzy, me diga uma coisa (se puder), quando eu for me mudar pro Canadá com o meu marido, daria algum problema nós não termos o mesmo sobrenome? Seria socialmente estranho? Mesmo que não desse algum problema sério, poderia complicar nossa vida?
    Já que vamos nos casar agora (e, apesar de eu não querer, temos a opção de mudar), o que você me recomenda?

    Obrigada pela oportunidade de perguntar 🙂

  12. Raphael Souza de Melo says:

    Perguntas e resposta rápida:

    Canadenses ou americanas?

    Dos dois o menos pior: frio excessivo ou calor excessivo?

    Biscoito ou bolacha?

    Kappa

  13. João Martins says:

    É costume canadense cagar no tapete do banheiro de casa e deixar a mulher ver, ou foi algo que vc adaptou?

  14. Gabriel Cardoso says:

    Adorei o post, esclareceu muitas dúvidas que tinha! Obrigado!