Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

5 livros que mudaram minha vida

Postado em 23 October 2013 Escrito por Izzy Nobre 23 Comentários

5 LIVROS

Como já mencionei em inúmeros posts aqui no HBD, eu sempre fui um ávido leitor — e talvez não seja surpreendente o fato de que passei os últimos 10 anos escrevendo neste site.

Aliás, “sempre” é exagero. Quando moleque, eu lia AGRESSIVAMENTE, é verdade; mas é que naquela época havia menos distrações eletrônicas. Um SNES que só via jogos novos no meu aniversário e no Natal; um computador com Windows 3.11 e menos jogos do que o Lula tem dedos nas mãos, e principalmente, a ausência de internet (que eu só fui conhecer em 95-96).

Eu ocupava todo o meu tempo livre lendo, e isso enlouquecia minha mãe. Eu ia dormir tarde e incomodava meu irmão mantendo a luz acesa pra ler de noite; lia na mesa do almoço e inevitavelmente as páginas ficavam com um manchas de Rorschach à base de feijão.

Hoje em dia o vício na internet rouba meu foco e eu não consigo mais gastar meu tempo lendo com a mesma frequência.

Há 5 livros que causaram imenso impacto em mim que eu gostaria de recomendar, caso você ainda não tenha os lido.

5) Mundo Perdido, de Michael Crichton

mundo_perdido

Trata-se da continuação de Jurassic Park, do mesmo autor. Ganhei do meu pai quando tinha lá meus 12 ou 13 anos, e os temas de tecnologia genética e arqueologia me fascinavam. Li o livro inteiro em uns 3 dias, e ao terminar comecei a ler de novo imediatamente. Acho que ao longo dos anos li este livro umas 5 ou 6 vezes.

Foi provavelmente o livro que despertou meu interesse por ficção científica (algo que até então eu só tinha contato por causa de filmes). Aliás, ganhar os livros do Michael Crichton em datas comemorativas virou uma tradição familiar que comentei neste texto em que lamento a morte prematura do autor.

4) 1984, de George Orwell

1984

Faltam-me adjetivos pra descrever 1984. Absurdamente influente, praticamente todo outro livro ou filme de futuro distópico com governo empregando níveis maquiavélivos de controle da população basea-se, pelo menos em parte, no clássico do George Orwell (tanto é que o termo Big Brother, o Grande Irmão, virou referência cultural identificada até porque quem nunca leu o livro.

1984 chega a ser assustador de tão opressivo que é o mundo narrado pelo Orwell. De fato, a cada nova descoberta sobre meios de vigilância e/ou manipulação da mídia empregadas por governos ao redor do mundo real, é impossível não lembrar do Partido e de seus métodos orwellianos de controle. Olha o quão influente esse filho da puta foi: o nome dele virou SINÔNIMO de distopia e métodos políticos desgraçados!

O livro começa meio devagar — por isso comecei e abandonei umas 3 vezes antes de finalmente ler por completo –, mas vale muitíssimo a pena.

E só de lembrar, deu vontade de ler de novo.

3) Encontro Com Rama, de Arthur C Clarke

encontro

Li sobre Encontro com Rama quando tinha uns 10 ou 11 anos, e a descrição do livro de acordo com a revista Superinteressante me deixou fissuradíssimo. Um grupo de astronautas vai investigar uma imensa espaçonave ciíndrica de origem alienígena. Dentro de seus 50km de extenção, eles encontram um micro-mundo ao redor das paredes internas da nave. A coisa é tão alien que é realmente difícil de escrever, olha esse vídeo aqui pra entender melhor.

O livro é um hard scifi delicioso; o ambiente de Rama e a exploração dos astronautas é foda pra cacete. O livro nem é muito longo, então eu vos encorajo a cobrir esta lacuna na sua formação nerd e ler Encontro Com Rama urgentemente.

Encontro Com Rama despertou em mim um profundo interesse por ciência/ficção espacial. Até hoje, durante a noite, eu olho pras estrelas e me pergunto se existe em algum lugar algo tão tremendo quanto a nave Rama.

Ah, e ignore as continuações. CONFIE EM MIM. Apenas confie. As continuações de Rama fazem a Nova Trilogia de Star Wars parecerem um misto de Citizen Kane com Breaking Bad. E sim, mesmo com Jar Jar e tudo.

Por favor, confie em mim. Eu não ouvi as resenhas da Amazon, comprei as 3 continuações e odeio a mim mesmo desde então. Há pouquíssimo que se aproveite nelas.

2) Rainbow 6, de Tom Clancy

rainbow

Rainbow 6 se distingue porque foi a primeira vez que vi o nome de um jogo na capa de um livro. Hoje a literatura gamer já é lugar comum; praticamente todo jogo tem uma versão também nas livrarias. Naquela época, no entanto, era inédito pra mim.

A trama do livro trata de um grupo paramilitar super secreto (a Rainbow. E assim como Frankenstein é o cientista e não o monstro, Rainbow 6 é o líder da agência — o John Clark –, não a própria agência) e de um plano de cientistas ambientalistas de liberarem um vírus que dizimará a raça humana.

O livro é uma bíblia de tão grande, mas tem ação cinematográfica e intriga internacional o tempo inteiro, do começo ao fim. Facilmente um dos melhores livros do gênero pra mim, e uma ótima forma de entrar no universo do Tom Clancy (porque o livro é bem à parte da série do Jack Ryan/John Clark, dá pra ler de boa sem nem conhecer os personagens. É meio que uma aventura “arco fechado”, pra usar a terminologia de quadrinhos)

1) O Apanhador no Campo de Centeio, de J. D. Salinger

apanhador

O Apanhador no Campo de Centeio se destacou pra mim logo de cara por causa do formato — “é como se fosse um garoto escrevendo um blog!”, é como eu descrevi o livro pra minha namorada da época, que me deu o volume.

Lá nos idos do começo dos anos 2000, eu vivia e respirava a mídia blogueira. Eu lia diariamente todos os “famosinhos” da época — garotos de classe média alta particularmente inteligentes que descreviam o mundo ao seu redor com cinismo, um pouco de rabugice, e insights com os quais eu me identificava muito. E a narrativa do Holden Caulfield, o protagonista, é basicamente isso aí.

Como conheci o livro bem nessa época áurea dos blogs brasileiros (Utopia Dilucular, Sutil Como um Paquiderme, Não Vá Se Perder Por Aí, entre outros), fiz imeditamente a conexão entre os estilos de escrita destes blogs e do clássico do Salinger.

A outra característica digna de nota é a seguinte: por via de regra, as primeiras experiências que muitos de nós tem com livros são aqueles paradidáticos escolares. Em sua maioria, são livros “seguros”, que não erguem lá tantos questionamentos sobre a vida, ética, moral, o papel dos adultos na liderança do mundo, etc.

Tendo em vista esse contexto, o Apanhador… é extremamente subversivo. O protagonista escrotiza seus professores, diretores, os pais, os colegas de sala, basicamente tudo e todos. Foi realmente estranho ler um livro cujo protagonista é tão crítico, e ao mesmo tempo foi impossível não se identificar com a pequena crise de identidade que o maluco passa. Quem não passou pela tradicional fase de revolta adolescente?

Quais foram os 5 livros mais influentes pra você?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Top X

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

23 Comentários \o/

  1. Eduardo says:

    O livro mais influente que eu já li foi O guia do mochileiro das galáxias. Essa porra mudou completamente minha visão de tudo, me fez ver a vida e o universo mais claramente e acho que na primeira vez, eu li a trilogia inteira em uma semana. Agora sempre que eu tenho que descrever o livro pra alguém, eu simplesmente falo que é tipo a Biblia, só que bem melhor.

  2. Dessa lista só li 1984 e é um puta livro! Como romance ele é meio boring, mas o cenário montado é fantástico!

  3. Thiago says:

    Não vi nada de subversivo no “O Apanhador no Campo de Centeio”, para mim é apenas um garoto mimado e alienado sofrendo crise de identidade, coisa de adolescente imaturo e fraco.

  4. Kadu says:

    Já comecei a ler 1984 umas duas vezes e larguei em pouco tempo. Sei que melhora, da próxima vez vou me esforçar um pouco mais.

  5. Lucas Lopes says:

    O primeiro livro que realmente gostei foi SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO, e na sequência, li o livro que realmente me despertou a paixão pela leitura e que até hoje é meu favorito: FRANKENSTEIN. Os outros três são A ILHA DO DR. MOREAU, 1984 e CONTOS DA CANTUÁRIA.

  6. Anderson says:

    Animal Farm (A Revolução dos Bichos) e 1984

    incrível os paralelos a atualidade que tu acha nesses livros.

    Neuromancer

    um dos meus livros favoritos. precursor do gênero cyberpunk (do qual sou fã).

    Ham on rye (Misto Quente)

    se acha o protagonista de “Apanhador” cínico, devia conhecer Henry Chinasky, personagem parcialmente baseado no próprio Charles Bukowsky. VALE MUITO a leitura.

    Trilogia da Fundação

    Issac Asimov. nuff said.

    não sei se esses livros mudaram a minha vida, mas são livros que eu gostaria de compartilhar com vocês…

  7. Henrique FM says:

    Por falar em livros, lembrei de uma história que acho que não coloquei em um comentário aqui… Uma vez vc recomendou o John dies at the end e eu fiquei com vontade de ler (já acompanhava o Cracked naquela época…). Fui na livraria Cultura aqui de Brasília pq, como é a maior da cidade, tinha a maior probabilidade de ter o livro. Quando perguntei pro funcionário lá se tinha o livro, ele falou “John dies at the end? Vou ver aqui, mas deixa eu te perguntar uma coisa.. Vc conhece o Izzy Nobre?”. O cara também tinha lido sobre o livro aqui, que coincidência. Abraços

  8. BrunoHe says:

    Embora tenho abandonado o hábito de ler livros nesses últimos anos, pretendo voltar logo, e agora adicionei mais livros a lista.

  9. Eduardo says:

    Essa lista deveria ser mais extensa. Mas por serem 5, aí vão:

    O Mundo Assombrado pelos Demônios -- Carl Sagan

    Neuromancer -- William Gibson

    Aprender a Viver -- Lucy Ferry

    O Vazio da Máquina -- André Cancian

    10 Dias que Abalaram o Mundo -- John Reed

  10. Guilherme says:

    Muito bom ver indicações literárias por aqui. Faça mais posts desse, kid 🙂

    Eu diria que livros que mudaram minha maneira de ver o mundo foram “O Mundo Assombrado Pelos Demônios” do Carl Sagan e “Admirável Mundo Novo” do Aldous Huxley. Existe até um quadrinho famoso sobre esse último, que sugere que a sociedade distópica que devemos temer nos transformar é a de “Admirável Mundo Novo”, não a de “1984”: http://static.fjcdn.com/comments/4638395+_47c425a88a03b4469929381d839c2993.jpg

    • Lucho says:

      Até que enfim um comentarista que citou o BNW. Li duas vezes esse livro. A primeira foi na escola, e odiei. E a segunda foi uma segunda chance que decidi dar para o livro. E adorei.

      Pessoal tanto fala que Orwell teria previsto como seria o mundo em 1984, mas quem mais acertou as previsões foi Huxley.

      E essa imagem comprando as duas imagens é fantástica.

  11. Carlos says:

    Muito bom. Ainda não li o Apanhador mas tenho uma curiosidade grotesca em ler esse livro, pelo simples fato de ser um livro tão elogiado e proibido, e como vc disse bem, subversivo.

  12. Gustavo C. says:

    Pois eu comprei O Parque dos Dinossauros depois de ver sobre ele aqui. E mais influenciado ainda eu fui pq achei a dez reais num sebo aqui da minha cidade. =D
    Desses já li 1984 e O Apanhador no Campo de Centeio. E 1984 quero ler de novo, hoje com outra mentalidade.

    Agora, tentando listar os cinco que, não apenas estão entre meus preferidos, mas que foram influentes para mim:

    5º) As Opiniões e as Crenças – Gustave Le Bon. Fala sobre o porquê de termos as opiniões e crenças que temos. É como se ver num espelho que mostra o nosso interior, muitas vezes ignorado.
    4º) Ponto de Mutação – Fritjof Capra. Li depois de ver o filme ( rel="nofollow">), fala sobre ciência, filosofia, política, o ser humano, a sociedade, o futuro do mundo.. e acrescenta novas visões sobre toda essa dinâmica.
    3º) Preconceito Linguístico – Marcos Bagno. Esse foi o mais rápido e eficiente em reverter uma posição que eu tinha, a de implicar com a ignorância dos outros sobre a língua portuguesa. Aprendi que é muito feio isso. =/
    2º) Fernão Capelo Gaivota – Richard Bach. Mas este é pq eu sou espiritualista.
    1º) Agora, o livro que eu chamo de minha bíblia: DEMIAN, do Hermann Hesse. Apesar de muito melancólico, este tbm é bem subversivo, talvez para alguns chegando à blasfêmia – é delicioso ver como ele revira alguns mitos religiosos pelo avesso, entre outras coisas. Quando o terminei, estava diferente do que quando comecei.

  13. teste says:

    J. R. R. Tolkien

  14. Rodrigo says:

    Vamos ver… cinco livros.
    primeiro o melhor, Duna. O original do Frank Herbert. Todo um universo, com aspectos de sociologia, religião, política… tudo tem uma razão e aprendo mais a cada nova leitura. Melhor livro ever!!!
    O segundo é História sem Fim. Um universo de fantasia dentro de um universo de fantasia sempre me pareceu algo tão infinito qto o ouroboros.
    Assasinato no Expresso do Oriente foi o primeiro livro adulto que li em inglês sem ter visto o filme ou lido em português antes. Eu tinha 12 anos e abriu um mundo de possibilidades para mim.
    El Club Dumas foi importante por motivo semelhante, foi o primeiro livro mais pesado em espanhol. Além disso ele incorporou o dobro de história em um dos meus filmes favoritos (O Último Portal).
    O Cemitério Maldito me apresentou um mundo de horror. Meu pai lia muito e tinha comprado misturado com outros, mas não curtia e falou q não ia ler. Eu peguei para ler com uns 13 anos e só lia até o sol se por. Acabou em três dias e Stephen King talvez seja o autor q mais li até hj.
    Acho q essa é minha lista até agora…
    []
    Rodrigo.

  15. Boa Izzy, valeu pelas dicas! Faz tempo que estou querendo ler “O Apanhador do Campo de centeio”, e esse post me incorajou a começar :p.
    Gosto bastante de ler, mas não curto muito esse estilo de literatura nerd. E acho que os livros que mais me marcaram e eu mais gostei são:
    “O Maior Homem Que Já Viveu”, um livro que conta a história de Jesus e está disponível para download em PDF e mp3 no site http://jw.org
    “Éramos Seis”, (li esse quando tinha uns 11 anos, e depois reli algumas vezes)
    “Feliz Ano velho”, autobiografia de Marcelo Rubens Paiva, que conta sua vida e como ele conseguiu superar um acidente que o deixou tetraplégico.
    Esse livro é uma leitura muito boa, pois não tem aquelas lições de moral ou coisas que geralmente acompanham essas obras. O autor foi beem realista,
    recomendo muito a leitura.
    Eu queria citar mais livros, mas esses são suficientes :). Abç Izy!

  16. tigerii says:

    Pra mim 1984, Animal Farm, Admirável Mundo Novo e O Estrangeiro. Se você gostou de 1984 certamente acharia interessante os outros títulos.

  17. Arthur says:

    Dom quixote
    O guia do mochileiro das galáxias
    Sherlock holmes em o cão dos baskerville
    Moribito o guardião do espírito
    Eu sou a lenda

  18. Dan Medeiros says:

    Minha mãe lia compulsivamente, então peguei esse maravilhoso hábito desde muito cedo. Ainda criança li livros como O Iluminado, Um Estranho no Espelho, Incendiária e O Alquimista.

    Na adolescência parei um pouco de ler por conta do excesso de testosterona rs. Mas na última Bienal comprei um Kobo glo e voltei on fire.

    Livros que me marcaram muito foram O Alquimista, que eu já li e reli e cada vez você tira uma sabedoria nova; Eu Christiane F., que mostra a crua realidade do mundo das drogas na adolescência; A Profecia Celestina eu não sei explicar, mas é magicamente FODA!

    De cabeça do estes, desses da lista do Izzy não li nenhum, mas vou colocá-los na minha lista de 200 livros do kobo…hahahahha

    Abraços a todos!