Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

6 vídeos de brasileiros no exterior que te causarão vergonha do nosso povo

Postado em 12 December 2011 Escrito por Izzy Nobre 6 Comentários

Oh hey, é aquele assunto que vocês adoram e que me faz parecer um elitista escroto filho da puta.

Bom, como eu já sou suspeito pra falar desse assunto, deixarei que os vídeos falem por si próprios. Eis aí.

O curtametragem é intitulado “ target=”-blank”>Brasileiros deixam cartao de visitas em Toronto“. Trago à atenção dos senhores leitores deste fidalgo blog o fato de que os sujeitos sentem a necessidade de berrar (entre uma gargalhada e outra) o nome do nosso amado país em tom de celebração de gol da seleção no momento exato em que urinam em público quando estão sendo visitando o estrangeiro, pra deixar claro de onde vem a corja de mal educados.

Diga-se de passagem: urinar em público é infração multável aqui no Canadá.

Note também, ilustre leitor, que um deles — talvez o maior retardado entre o grupo — clama reconhecimento pela brilhante idéia de mijar num local público.

Outra coisa que eu descobri quando escrevia esse texto é que a pesquisa “brasileiros ônibus” ou “brasileiros metrô” causa uma sensação de vergonha incomparável.

Vejamos este vídeo, por exemplo:

Em “ target=”-blank”>Brasileiros Azuados no Metrô em Valência Espanha“, vemos um grupo de brasileiros (turistas participando da Campus Party, de acordo com outros vídeos do mesmo uploader) fazendo uma roda de pagode — seria samba? Não sei a diferença — dentro de um metrô espanhol. Aparentemente “importunar desconhecidos no transporte coletivo com música de gosto questionável” é agora um dos nossos produtos de exportação.

Você notará um curioso padrão — em um determinado momento da canção, os convivas celebram ser brasileiros. Faz parte da letra da música, sim, mas músicas que enaltecem o Brasil não são escolhidas por acaso nesse tipo de situação.

Em outro vídeo do mesmo grupo (chamado “ target=”-blank”>‘Vixi Mainha’ dentro do metro em Valencia — Espanha“, e dessa vez filmado com uma câmera decente), vemos que no repertório da banda há outra música que faz referência ao povo brasileiro. Note a propósito que um dos integrantes tem uma lata de cerveja na mão — beber em público é outra infração sujeita a multa na Espanha. Vamos ao próximo.

Este vídeo se chama “ target=”-blank”>Brasileiros aloprando ônibus em Roma“. Acho que os padrões que estabeleci nos vídeos anteriores são auto-evidentes — assim como o fato de que a própria pessoa que subiu o vídeo parece estar ciente da natureza reprovável do comportamento dos amigos. Afinal, nunca vi o termo “aloprando” sendo usado como descrição positiva. Vejamos outro exemplo:

Em “ target=”-blank”>Brasileiros em Vancouver” vemos uma turma (provavelmente intercambistas ou participantes de uma excursão) cantando alguma canção que usa o termo lírico “atoladinha”. Note que o cinegrafista parou a filmagem justamente quando estavam prestes a receber um esporro do guia da viagem.

Vamos ao próximo.

Este aqui chama-se “ target=”-blank”>Brasileiros no metrô de Shanghai“. Nele, um grupo de brasileiros é incentivado a cantar para a cameraman (por que cantar num transporte público?). Em um momento do vídeo, a cinegrafista ridiculariza os outros passageiros, divertindo-se com o fato de que eles não conseguem entende-los.

Um dos sujeitos no vídeo, perfeitamente ciente de que ele e os amigos estão se comportando de forma indevida, expressa preocupação (“vou ser preso aqui dentro!“, target=”-blank”>0:45 no vídeo).

Como paliativo, o grupo diverte-se com a idéia de alegar uma nacionalidade diferente — alguém sugere argentinos, e todos riem. A entrelinha é óbvia, como comenta um dos caras: “(vamos) queimar o filme da Argentina!“, target=”-blank”>trecho 1:11 no vídeo)

Vamos a mais um. Como vocês sabem, eu tenho um profundo desgosto e antipatia por intercambistas que foi documentada em textos como este aqui. Esse meu preconceito apenas se confirma quando encontro vídeos como “ target=”-blank”>TORONTO Intercambio 110

Três pontos importantes a ressaltar. Primeiro, perceba que a garota com a câmera está cercada de brasileiros. Isso é uma observação que eu já fiz diversas vezes aqui no HBD — intercambistas vêm para o exterior e se limitam a interagir com outros brasileiros. Ou ir em restaurantes brasileiros, como o vídeo denuncia.

Segundo ponto — notem como é curioso o fato de que ela admite ( target=”-blank”>no trecho 0:41) que o seu grupo são “os únicos que estão gritando dentro do ônibus”. Ela não apenas percebe que estão se comportando de maneira execrável mas, por motivos incompreensíveis, menciona isso quase como se fosse um fato a se orgulhar.

Agora, o terceiro ponto: eu dei uma observada nos vídeos da tal “Luiza Bianca”, a garota com a câmera. O primeiro vídeo do seu intercâmbio foi disponibilizado em abril. O último, em que ela comenta “faltam dois dias pra eu ir embora”, foi uploadeado em julho.

A garota passou míseros quatro meses no exterior — um período já insignificante se o seu objetivo é aprender inglês ou imergir na cultura estrangeira –, ao longo dos quais eu sou obrigado a concluir que ela se rodeou de brasileiros e aproveitou todas as oportunidades possíveis pra comer comida brasileira.

Concluam o que quiserem.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Top X

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

6 Comentários \o/

  1. Murillo Freitas says:

    Izzy, o primeiro, o terceiro e o último vídeo estão com problemas. O primeiro foi removido pelo youtube, o terceiro é privado e o último foi removido pelo usuário. vlw

  2. Vanina Heuser says:

    É,a gente fica com tanta vergonha. O problema é que os brasileiros fazem exatamente o que se espera deles, chinelagem. Podiam surpeender a gente fazend oalgo inesperado como se comportar como o resto do povo que nao enche o saco de ninguém. Isso é uma coisa que aprendi morando fora do Brasil, as pessoas conseguem viver sem invadir teu “espaco”, seja dancando cantando, sacolejando, puxando conversa fiada. Coisa de quem precisa de destacar para viver.

  3. Matheus says:

    Esse link é mais um exemplo do que intercambista vai fazer no exterior

    http://luzdeluma.blogspot.com.br/2012/09/hoje-so-rapidinha.html

  4. Stuart says:

    Realmente é de dar vergonha, coisa de cabaços mesmo e é o que todos são. Você tá aí e fica fazendo essas coisas? Penso que não.

    Não tô defendendo eles, mas atitude reprovável tem em todos os lugares, em todos os países, falar que não é ser hipócrita. Uma pena que com isso, esses pequenos grupos acabem passando essa visão de “putz! lá vem um brasileiro” mas como disse, cabaço tem em todo canto, não propague isso como único e exclusivo do nosso povo, é o que eu penso =)

  5. Lucia says:

    Fui com amigas à Europa e foi a última vez. Não viajo mais com brasileiro, a não ser q eu conheça muito bem. Era falta de educação atrás de falta de educação, além de pilantragem também. Risada alta na Capela Sistina (o guardinha gritou Silêncio TRES VEZES), foto onde era proibido tirar foto, botar o saco de lixo na casa do vizinho “porque aí os fiscais acham que o lixo fora de hora é dele e nao nosso”. Fora que já chegam lá com o complexo de inferioridade no último. Motorista de taxi não parava, era “porque tem preconceito com mulher latina”. Nem viam que o cara tava com passageiro, tamanha a predisposiçao pra se achar menor.

  6. Tarciso Sampson says:

    No vídeo dos estudantes cantando ‘atoladinha’ meus olhos lacrimejaram de vergonha (sem zoa)

    PS: Não dá pra ver metade dos vídeos