Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

[ Recomendação de série ] Trailer Park Boys

Postado em 18 March 2013 Escrito por Izzy Nobre 20 Comentários

Trailer Park Boys é praticamente uma instituição canadense que eu desgraçadamente vim a conhecer bem tarde — literalmente semana passada.

Bom, mais ou menos. Sempre tinha ouvido falar dela de amigos, e via os comerciais na TV, mas não tinha me interessado. Até recentemente.

E decidi que a única forma de expiar meus pecados é apresentar a série pro público brasileiro, que creio jamais ter ouvido falar dos três rapazes de Sunnyvale. Vocês só querem saber de séries americanas né seus imperialistas sem cultura do demônio?

Da esquerda pra direita: Ricky, Bubbles e Julian.

Então. Trailer Park Boys, provavelmente a mais popular série canadense de comédia, é um mockumentary (ou seja, “estilo The Office”: sem risadas enlatadas, com personagens que sabem que estão sendo filmados) que segue as desventuras de Ricky, Bubbles e Julian no fictício Sunnyvale Trailer Park.

Antes de mais nada, preciso explicar a cultura do trailer park. Taí o link na wikipédia, mas como sei que vocês são preguiçosos, explico aqui mesmo: o trailer park é uma espécie de “bairro” ou comunidade voltada para residências móveis — os tais trailers do nome. Idealmente, esse tipo de residência é mais voltada para trabalhadores “nômades” — por exemplo, no norte da província onde eu moro ficam inúmeros poços petrolíferos que são a alma indústrial desta região do Canadá; as empresas de petróleo instalam vários trailer parks e enviam os trabalhadores pra lá, pra trabalharem por alguns meses e então retornarem.

Como o custo de um trailer é bem inferior ao de uma casa “de verdade”, esse tipo de moradia acaba servindo como alternativa para a galera mais humilde. É o que há de mais próximo de uma favela aqui por estas bandas.

Vendo nessa foto até parece bonitinho, mas confie em mim: trailer park é habitação de gente fodida e tem um estigma correspondente

Então, Sunnyvale é o trailer park em que as putarias dos três rapazes acontecem.

Essencialmente, Trailer Park Boys é uma série sobre perdedores. Todos os personagens da série são os típicos “losers” norte-amaricanos: moram num local fodido, nunca tem grana, são quase todos desempregados (ou com empregos de merda), sem muita educação, sempre se contentando com muito pouco — birita, uma maconhazinha aqui e ali, e as festas do fim de semana. Como brasileiro eu consigo me identificar muito com essa atmosfera. E como brasileiros, os caras são completamente fodidos e ainda assim encontram tempo pra serem felizes, a seu modo. Há um certo charme nessa pegada “bon vivant low budget”.

Os três protagonistas são malandros que vivem se metendo em frias tentando arrumar dinheiro. Toda temporada termina com eles sendo presos, e a temporada seguinte mostra os caras sendo liberados, voltando a Sunnyvale, e começando a aprontar merda LITERALMENTE NO MESMO DIA.

Ricky é o “líder” do grupo, por assim dizer. É o mais burro dos três, não tendo nem terminado o colegial. Uma de suas marcas registradas é que ele sempre confunde expressões populares, deturpando-as paronimicamente a um ponto cômico:

Ele que geralmente inventa as trambicagens que o resto do grupo adota. E sempre dá merda.

Julian é o “straight man” do grupo. É assim: toda comédia tem um cara malucão porra louca que só faz merda (neste caso, o Ricky), e o seu companheiro que vai se metendo nas merdas por causa do maluco. Este é o Julian. Também trambiqueiro, e não é exatamente um gênio, mas tem um bom coração e já chegou ao ponto de aprontar merda pra ir preso junto com o Ricky pra que ele não ficasse sozinho na cadeia. É a bússola moral do grupo — embora, reitero, também é malandro.

Bubbles, o fundo de garrafa ali em cima, é o personagem que ninguém botava fé e de repente tornou-se o mais popular da série. Levemente retardado e legalmente cego — ou seja, não é 100% cego mas praticamente não vê nada –, o cara foi abandonado no trailer park quando tinha 6 anos e está desde então esperando que a família retorne. Ele cuida de todos os gatos que encontra em Sunnyvale, e mora num toolshed, ou seja, um barracão tradicionalmente usado para guardar ferramentas e tal. Também trambiqueiro como os outros dois, ele se sustenta roubando os carrinhos de compra danificados de um supermercado, consertando, e vendendo para o outro (repetindo o processo indefinidamente, ao ponto de que um supermercado acaba comprando o próprio carrinho várias vezes seguidas). Bizarramente, ele é o personagem mais inteligente de toda a séria — manja de lógica, retórica, e filosofia. E ele vive corrigindo as burrices do Ricky.

E, finalmente, temos Jim Lahey: o equivalente a um síndico que odeia os três rapazes, particularmente o Ricky (e tem uma quedinha não-correspondida pelo Julian), mas é tão incompetente quanto eles e nunca consegue se livrar dos caras. É sempre acompanhado de Randy, seu assistente (e ex-prostituto) com quem tem um caso homossexual. Randy passa praticamente a série inteira sem camisa.

Há personagens laterais, mas esses são essencialmente a alma do programa. O problema é que, como é uma série meio underground, eu acho difícil que existam grupos subbers disponibilizando legendas de Trailer Park Boys.

Se você manja inglês, no entanto, precisa assistir a série. Como eu falei antes, há um certo charme em acompanhar, numa pegada de documentário, a vida e obra de três malandros vivendo numa espécie de favela canadense. Há muito na série com o qual o público brasileiro iria se identificar.

E as formas como os caras se metem em merdas são sensacionais — como o episódio em que Ricky pede sua namorada — promíscua e infiel — em casamento, mas não tem dinheiro para o buffett da festa. Julian e seus amigos resolvem assaltar um supermercado (não pelo dinheiro, só pela comida), só que o Ricky entra lá sem saber e acaba se metendo num tiroteio com os próprios amigos. É nesse nível de incompetência.

Olha alguns momentos legais da série aí embaixo:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: TV

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

20 Comentários \o/

  1. n tem legenda em PTBR, mas tem em ingles! e isso já ajuda muita gente! tá aqui o link: http://www.addic7ed.com/show/1408

  2. Essa é uma série antiga, Izzy?
    Vou ver se consigo assistir. 🙂

  3. Patricia Mota says:

    Havia começado a ver algumas cenas qdo vc comentou da série dia desses mas como meu ouvido não é não “bilíngue” assim deu uma preguicinha.
    Pra mim, a parada mais interessante sobre a série deve ser a abordagem de aspectos culturais bem diferentes, e as legendas do Felipe vão ajudar muito!
    Já pensou que as expressões populares deturpadas paronimicamente pelo Rick podem render uns Engrish Challenge?
    Vlw a resenha, Izzy!

  4. André Oliveira says:

    Izzy, é impressão minha ou essa série tem uma pegada bem no estilo My Name Is Earl?

  5. Eduardo Vieitas says:

    É uma pena que as emissoras daqui não passam essa série, aqui só querem saber de super natural e BBB :/

  6. De bem com a vida says:

    Basicamente é um Du dudu e edu versão seriado.

  7. Ant. Diego says:

    É, pelo visto tu nunca viu My Name Is Earl… pelo trailer de melhores piadas não vi muita graça. Entendo muito bem inglês, pode ser algo de piada canadense mas My Name Is Earl é BEM melhor relacionada a esse tipo de humor. Suburbano, personagens meio burros, estupides… etc.

  8. Lucas Lopes says:

    Finalmente um texto. Particularmente não gosto muito de vlogs, acabo entrando todos os dias para ver o que tem de novidade, mas com Daily Vlog sempre, dá uma desanimada.

  9. Anderson says:

    as legendas em inglês já ajudam… com certeza verei… e My name is Earl era muito foda mesmo… os episódios “Cops” eram os melhores…

  10. joao says:

    na foto ali emcima dá pra ver um 300C, se essa é a favela do canadá, eu quero morar aí, casa melhor que a minha e um carro muito melhor que o meu (300C é carro de +/- 90mil reais aqui no brasil).

    Canadá aí vou eu!

  11. Adnré says:

    Esse conjunto de casas de gente fodida tá melhor que a maioria dos bairros ricos aqui no Brasil.

  12. Eliaquim says:

    Outra série canadense bem legal é Continuum. Já tem uma temporada de 10 episódios e dia 21 de Abril começa a segunda temporada.

  13. Aécio says:

    Tinha ouvido falar na época que eu morei aí no Canadá, meus amigos eram loucos por essa série, mas não gostei dela na época e continuo não gostando hoje em dia.

  14. Juliano says:

    Já conheço faz tempo e já assisti tudo e reitero a recomendação.

  15. Murdock says:

    Du, Dudu e Edu
    Ed, Edd & Eddy

  16. Bruno Santos says:

    Bem, sei que o texto já foi escrito há mais de um ano, mas vale a pena citar aqui que esta série agora está no Netflix (inclusive o brasileiro) e o próprio Netflix bancou uma nova temporada e já estão gravando a próxima.

    E quanto ao texto, discordo um pouco de quem faz o papel de líder, que pra mim fica com o Julian. O problema é que o Ricky acaba não seguindo as instruções (por burrice) e acaba na maioria das vezes fodendo com tudo. 🙂

  17. Sebastião says:

    Gostei do te site.obrigado.