Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Sobre o ímpeto de manter o site, vlog e etcéteras constantemente atualizados

Postado em 15 December 2012 Escrito por Izzy Nobre 48 Comentários

Você deve ter reparado essa lousa no background de alguns dos meus vídeos. Ela vem de uma época em que minha jornada de trabalho era de apenas oito (relativamente tranquilas) horas por dia, como o de um ser humano normal, feliz e não-escravizado.

E, mais importante, era uma época em que eu podia me dedicar bastante à minha pequena rede de conteúdo. Há muitos meses essa lousa aí passou a ser apenas um item decorativo na minha parede. Felizmente não moro numa república estudantil ou algo assim, ou o conteúdo dela teria sido há muito tempo substituído por uma reprodução fotorealista de um pênis em estado de entumescimendo (com cuidadosos detalhes anatômicos como rugas, veias e pelos pubianos).

Atualmente estou fazendo um estágio hospitalar entre os semestres do meu curso. Digo-vos honestamente que eu não conhecia o significado de “trabalho puxado” até trabalhar num hospital, correndo de um lado pro outro (e frequentemente indo de escada, já que nem sempre há espaço nos elevadores por causa dos pacientes sendo movidos de uma ala pra outra — muito do que eu faço é calibrado a períodos específicos e atrasos não são uma opção), tendo que lidar com pacientes não-cooperativos… é realmente foda.

Não que eu esteja reclamando, porque gosto o bastante do trampo pra decidir que escolhi a carreira certa. É que quando saio do hospital após um expediente de oito horas, eu já tou moído pra caralho.

Imagina LOGO EM SEGUIDA ter que subir num ônibus em direção ao outro lado da cidade pra trabalhar outras oito horas. Tou vivendo uma vida de merda, dormindo cinco horas por dia no máximo, mas amparado pelo pensamento de que isso é prerequisito pra qualquer pessoa que se cansou do marasmo e da mesmice e decidiu tomar um rumo de melhoramento da própria vida (especialmente no meu caso, em que a mudança veio relativamente tarde).

Enfim. No pouco tempo livre que me sobra — pra você ter uma noção da correria, há uns 3 dias não vejo minha mulher, e note que moramos juntos –, eu tento me focar pra produzir conteúdo pra vocês, seja no HBD, ou no youtube na forma do Daily Vlog, HBDtv, e o recém-ressuscitado Engrish Challenge.

E mesmo com tanto pouco tempo, tento tomar proveito de qualquer pequena oportunidade de produzir conteúdo.

O texto mais recente do site, por exemplo, foi escrito durante viagens de ônibus entre o estágio e o emprego. Haja disposição.

Este é um compromisso que eu tenho há literalmente uma década (o HBD existe desde 2002), mas eu nunca consegui formular verbalmente um bom motivo pra isso. Tem o retorno financeiro, claro, mas ele não é lá essas coisas tooooodas — se fosse eu viveria só de internet, o que seria sensacional — e definitivamente não é o motivo que me manteve criando conteúdo original por tanto tempo quando esse tipo de material não é o que a internet realmente recompensa (até porque minhas atividades na internet só começaram a ser remuneradas recentemente, considerando esse período inteiro de uma década).

E assistindo um filme recentemente, eu encontrei uma explicação perfeita pra minha motivação de entreter vocês na internet.

Nas últimas semanas eu estava prestes a ter uma overdose de Steve Jobs. Reli a biografia recente do cara, reassisti praticamente todos os eventos da Apple dos últimos 15 anos, e revi (pela terceira vez) o filme Pirates of the Silicon Valley, que mostra a origem da Apple e da Microsoft.

Neste filme há uma cena entre o Jobs e o Wozniak que, além de ser verídica, ajuda a ilustrar de forma perfeita as diferenças ideológicas entre os dois gênios. Não encontrei a cena no youtube, então a descreverei para vocês.

Em 1973, o Wozniak bolou um sisteminha de Disque Piadas (isso ainda existe?) na casa em que ele dividia com o Jobs. Ele gambiarrizou um gravador a um telefone; este tocava uma mensagem pré-gravada sempre que o telefone não era atendido após X toques. Uma espécie de secretária eletrônica rudimentar..

Todo dia o Woz gravava uma piadinha diferente, e pessoas ligavam o dia inteiro pra ouvir a “piada do dia” dele — algo que ele conta ao Jobs com muito orgulho. Ele adiciona que comprou um novo livro de piadas de polonês (piadas de polonês são o equivalente americano das nossas piadas de português, pra quem não sabe) só pra diversificar mais o serviço.

Jobs, sempre businessman da dupla (e caso você goste do seu iPod ou iPhone ou iPad, saiba que esse instinto do cara foi o responsável pela existência desses aparelhos e da própria Apple), indagou qual era o propósito daquilo, já que não havia como “vender” o serviço — de fato, o serviço custava dinheiro ao Woz em vez de dar qualquer lucro.

O Woz responde, da forma dócil e levemente infantil que era marca registrada dele, que ele não tinha interesse em ganhar dinheiro com aquilo. Ele explica que pessoas ligam o dia todo pro serviço dele só pra ouvir a piada do dia, e que, mais importante que isso — e essa foi a parte que me pegou –, que esse serviço torna o dia da pessoa melhor.

O indivíduo liga, ouve a piada, dá uma risada talvez, e através de um gesto tão pequeno o dia da pessoa agora é um pouco melhor. E, por menor que seja essa melhoria, ela foi causada pelo trabalho do Woz em manter o serviço. Ele se satisfazia com a idéia de que era um agente de mudança positiva, por menor que fosse essa mudança, na vida de pessoas que ele nem conhecia. O Jobs julgou esse sentimento pueril, idealista, e talvez seja mesmo.

Mas eu passei vários dias pensando nisso, na idéia de alguém que tem o comprometimento de melhorar o humor de desconhecidos na tentativa de tornar o dia daquelas pessoas um pouco melhor.

Foi impossível não me identificar com essa filosofia. Meu único intuito em fazer o HBD, mesmo após estes 10 anos, é fazer o leitor rir. E, como o Woz explicou de uma forma que eu nunca fui capaz, o objetivo é tornar o seu dia um pouquinho melhor. Por menor que seja essa diferença, imaginar que o dia de um  leitor foi melhorado quando ele entrou no site e encontrou um texto novo, me enche de satisfação. Eu sei como é frustrante acessar um site que você gosta e não encontrar novidades, e sei como o oposto disso é bacana.

Por isso me forço a produzir conteúdo mesmo com tão pouco tempo. Pode parecer pieguice, mas sinto um estranho senso de responsabilidade em relação a isso. Imagino o quão decepcionado vocês ficam ao entrar aqui no HBD e não encontrar nada novo pra ler. Tem 10 anos de histórico aí no baú do site, mas eu duvido que alguém realmente o leia. Creio que vocês dependem mais de atualizações frequentes, e tou fazendo o possível para dá-las a você.

E é por isso que mesmo trabalhando 16 horas por dia, quase sete dias por semana, eu ainda continuo teimosamente tentando arrumar tempo pra fazer vlog, escrever texto, etc. Tudo porque eu gosto de pensar que estou tornando o dia de vocês um pouco melhor.

Ninguém jamais me deu essa responsabilidade de viver como um agente de mudança positiva (ainda que microscópica) na vida de vocês, eu a adotei autonomamente. E agora me sinto praticamente obrigado a mantê-la. E de fato, eu não consigo mais me imaginar sem essa pequena rede de conteúdo que eu mantenho pra vocês.

E tu aí achando que eu era o maior babaca do mundo né, ô seu filho da puta.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Vida maldita

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

48 Comentários \o/

  1. Natã says:

    Grande, grande texto. 🙂

  2. Fábio Alves Corrêa says:

    Sim Quide, você com certeza faz nossos dias um pouquinho melhor. Leio seu blog já faz uns 8 anos (PQP tempo prá caralho tem noção mermão!) e posso dizer que já ri muito (até meu estilo de humor foi fortemente influenciado pelo seu), me indignei às vezes com algumas opiniões de merda suas, mas aprendi muito também. Seu site mora no coraçãozinho do meu leitor de feeds 🙂
    Só posso agradecer cara, e lhe desejar muita força prá continuar batalhando sua vida.

    Chega de tanta boiolice. VTNC.

  3. Felipe Sali says:

    Lágrimas escorrem dos meus olhos nesse exato momento.

  4. Acho muito legal também essa ideia de tornar o dia de alguém melhor, saber que fez alguma diferença pra alguma pessoa, infelizmente não tenho poder pra alterar como você, mas fico feliz quando posso alterar algo.

  5. Eric Draven says:

    Obrigado (:

    E a resposta é sim. Eu leio os posts antigos pra saber um pouco mais do HBD e da tua história na internet.

    Principalmente o texto que tu vai pro hospital por arrumar a cama. Apesar de ser trágico eu sempre morro de rir daquele texto.

  6. Tiago SephBlade says:

    Caralho, Kid, depois dessa declaração de amor a nós se tu largar a Bebba eu me caso com você!!!
    ahusahsuahsuahsuahusahsuahhsaush…

    É realmente isso que você falou, cara, tornar o dia da pessoa (talvez) um pouquinho mais feliz…

    E saiba que foi graças a você que decidi criar um blog também…

    O HBD faz MUITA diferença nas nossas vidas…

    Obrigado ^^

  7. Texto sensacional. Um dos melhores do blog.

  8. Lucas. says:

    Engraçado você falar isso. Há algum tempo, estava tendo alguns dias bem difíceis – ainda estou tendo aliás, mas em menor grau –, e acessei o site e li alguns textos antigos. Por incrível que pareça, me senti muito mais alegre, mesmo com os efeitos colaterais dos remédios que estava tomando. Fazia alguns dias que não ria tanto. Alguns até podem falar: Porra mano, pare de desperdiçar tempo e energia produzindo conteúdo para internet. Mas caramba, produzindo esse conteúdo, fazendo as pessoas se divertirem com ele, refletirem, e até mudarem paradigmas e pontos de vista, você está tornando o mundo um lugar um pouquinho mais humano. Essas são as suas ferramentas, e ninguém pode condená-lo por usá-las.

  9. Berro says:

    Acho muito digno e nobre alguém que se dispōe a tornar um pouquinho melhor o dia dos outros. Parabéns e muito obrigado.

  10. Pedro says:

    Você não é um babaca, você é um cara muito legal que às vezes pode ser rude. Mas isso é normal. E você me ajudou a recuperar meu iPhone! 😀

  11. Sweet P. says:

    Não sei se com todos nós acontece isso ou eu que sou uma pessoa muito carente, mas após 6 ou 7 anos lendo o HBDia, parece que você é um velho amigo, Quide.
    Obrigada, seus textos fazem sim, muita diferença.É claro que as vezes a gente se irrita com alguma opinião de merda, mas depois passa.

  12. IBG says:

    Aprecio PRA CARALHO esse seu esforço, sério. Amo demais esse blog que vc fez. Tem me acompanhado desde o Ensino Médio e agora to indo pro 2o período da faculdade. E não só o site, mas o HBDTv também. O texto do patinho de borracha + o vídeo das fichas de papel + esse seu esforço pra estudar que vc mostra pra gente ajudaram imensamente minhas notas. Quase todo dia penso em alguma coisa que vi aqui, uma frase que seja pra me ajudar em alguma situação.
    Ó só, o Kid sendo um dos Role Models mais importantes da minha vida, há tantos quiilômetros de distância..

  13. IBG says:

    Sobrenome Nobre? Acho justo.

  14. Leonardo says:

    Só falta você conhecer um nerd-hippie que toma banho uma vez por semana e aí você pode criar sua própria empresa de internet…

  15. Choro como um ninja silencioso nesse momento.

    PS: Não abandone o 99 vidas. É um grande projeto e tu faz diferença lá.

  16. Guilherme says:

    Além de agradecer pelo enorme comprometimento teu, só queria dizer uma coisa: dedica um tempinho pra Bebba, cara. 😛

  17. Alan david says:

    Meu professor estava passando um documentário sobre o jobs e quando ele falou sobre o woz lembrei logo de você.

    Você e o cara.

  18. Newton says:

    Conheci o HBD esse ano, então é impossível não ler posts antigos xD

  19. Rafael says:

    E tu acha que quem trabalha oito horas por dia não é escravo? =)

  20. Rackor says:

    Obrigado, mesmo. 🙂

  21. Marcelo Omini says:

    Parabéns Quide, não só por trabalhar feito um corno, mas por conseguir fazer isso e ainda manter um compromisso com as pessoas que curtem o que você faz! 🙂

  22. Leonardo Cezar says:

    O HBD é o meu blog favorito das interwebs,faleu Kide,e que a força do Senhor da Rápina esteja contigo! 😉

  23. Caiado says:

    Seu conteúdo é super bacana e seus posts são excelentes!
    Sempre leio os posts antigos também, e é notório que provoca realmente muitas risadas!
    Temos sempre que agradecer quando encontramos um site com conteúdo bacana como o que você produz, em vista do lixo que aparece por aí.
    Sobre seu ritmo, é importante o sacrifício agora, plante e futuramente você poderá colher o fruto do seu esforço.
    Boa sorte Izzy!

  24. O HBD é meu blog favorito há muito tempo. E, com o meu blog (onde me inspiro muito no Kid), passei pelo mesmo problema nestes últimos meses, muito por causa do TCC. Ainda assim eu procurava escrever um post de vez em quando pelo simples fato de escrever e fugir um pouco da linguagem acadêmica. Valeu pelo exemplo Kid!

  25. j pedro says:

    foda
    tocou meu coração hein

  26. leitour vouyer says:

    =O

    nossa, bom texto, só me resta agradecer pelo seu trabalho e saber que seu esforço não é em vão

  27. Raissa says:

    Bem, Izzy…

    Só resta a nós agradecer a você por todo o esforço e conteúdo fantástico. O hbdia é minha página favorita da internet -- até mais do que o Facebook e o Twitter… Olha aí o nível -- e sempre me dá aquela turbinada depois de ler algum texto novo ou ver algum vídeo inédito.

    Obrigada por tudo!

  28. Pedro Teixeira says:

    Chorei de maneira hétera.

  29. Elis says:

    E obrigada por isso <3

  30. Mendes says:

    Eu leio o HBDia tem pouco mais de um ano. Não me lembro como cheguei aqui, provavelmente foi pelo Nerdcast de imigrantes. Eu chorei de rir do seu relato sobre ir parar no hospital por arrumar a cama e revirei esse site atrás de outras histórias legais. Eu devo ter voltado ao menos 5 anos no histórico do HBDia e continuo lendo toda semana. Quando comecei a ler esse seu texto eu mesmo me perguntei: caralho, porque ele se esforça tanto pra escrever no blog? Para a minha surpresa você me respondeu no final. Isso me enche de vontade de voltar a escrever no meu blog.

  31. “Tem 10 anos de histórico aí no baú do site, mas eu duvido que alguém realmente o leia.”

    Se não lesse, não saberia que tem vários reposts, né Izzy? 😛

    Fica tranquilo Izzy. Posta quando dá. Tá bom demais já 😉

  32. Lucas Lopes says:

    Realmente esste tipo de sentimento em realção ao site existe e a atualização faz uma puta diferença no meu cotidiano. Infelizmente, muitos dos textos do histórico estão perdidos, sempre aparece aquela mensagem do chá de cogumelo, mas sempre leio o que é possível.

  33. BrunoHe says:

    Devo dizer Izzy, q quando vejo um texto/video novo seu, meu dia fica melhor de fato.

    Já pensou em escrever no Cracked.com? Seria uma forma de vc ganhar mais dinheiros pela internerds.

  34. Vanessa says:

    Poxa, Izzy, a vida tá difícil né? E mesmo assim vc não nos abandonou. Obrigada pelo esforço que vc tem feito pra continuar tornando nossos dias um pouco mais positivos.
    E posta só quando der mesmo, vai dormir, pelo amor de deus, que menos de 5 horas diárias é muito pouco!

  35. Jessica says:

    Obrigada por fazer o meu dia muito melhor!

  36. Aldo says:

    É muito legal quando entro e tem texto novo, até porque quando descobri o site (há uns 4 ou 5 anos atrás) eu li todo o histórico, e venho acompanhando desde então.
    E mesmo quando eu tava indo pra faculdade de manhã, trabalho a tarde, academia depois e cursinho pra OAB a noite, eu arrumava tempo pra visitar aqui (não que isso se compare à dificuldade de produzir conteúdo pro HBDia, foi só para efeito de comparação mesmo).
    Grande abraço.

  37. z. Werneck says:

    Muito bom esse post, Izzy. Não só cumpriu seu objetivo de tornar o meu dia um pouco melhor, como me incentivou a fazer esse papel de agente de mudança positiva também e voltar a postar no meu blog.

  38. Gustavo Vohn says:

    É, Izzy. Tive um dia péssimo até agora mas, graças a descoberta desse seu site, posso dizer que Hoje foi um Bom Dia.

  39. Halysson says:

    Devo a seus escritos muitas risadas, momentos legais e dicas. Se um dia puder retribuir tudo com hospitalidade o faria com muita satisfação. Mas quais as chances no universo dum cearence/canadense vir parar em Vitória ES?

  40. madinha says:

    Obrigada

  41. Ivanildo Terceiro says:

    A verdade é que o Jobs era filho da Ayn Rand.

  42. pedro says:

    Muito comovente 🙂 É isso ae Izzy!

  43. Nicoll's says:

    Mto lindo msm <3

  44. […] que escrevi este texto, com aquela historinha sobre a discussão entre o Woz e o Jobs sobre realizar um serviço com a […]

  45. Kaique says:

    Pense que no final tudo isso vai valer a pena, cara. E sim, os teus textos melhoram meu dia! :3

  46. Giou says:

    Eu adoro o HBD, e te acompanho desde 2007. Tanto é que de vez em quando me pego citando tuas histórias como se fossem de um amigo, e isso é muito esquisito. Bom, são fenômenos da pós-modernidade…

    Enfim, parabéns pelo trabalho, que deve ser pesado pra caralho, no meio de tantos outros trampos aí!!

  47. […] levemente, melhorado ao entrar no meu site e dar de cara com um texto novo. Me inspiro muito numa anedota sobre o Steve Wozniak em que ele conta sobre um disk-piadas rudimentar que ele desenvolveu quando estava na faculdade. A cena aparece no filme Piratas do Vale do […]