Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Uma (longa) retrospectiva dos meus 10 anos morando no Canadá

Postado em 28 November 2013 Escrito por Izzy Nobre 142 Comentários

No dia 28 de novembro de 2003, o mundo era muito diferente. Não existia Facebook, nem iPhone, nem vlogs, nem PS3 (que dirá PS4). Os EUA tinham acabado de meter o pé no Iraque. O terceiro Senhor dos Anéis e Procurando Nemo eram os filmes com maior bilheteria nos cinemas.  is The Love? do Black Eyed Peas e Me a River do Justin Timberlake eram as músicas mais populares nas rádios — aliás, na MTV mesmo. A MTV ainda tinha relevância na indústria e cultura musical.

Era realmente outro mundo. E eu era outra pessoa.

izzy

Este era o Israel Nobre de 2003. Izzy Nobre também ainda não existia; eu só fui adotar esse pseudônimo no ano seguinte, quando comecei a fazer minhas primeiras amizades no Canadá. Até então, não havia necessidade de norte-americanizar meu nome.

O meu pai trabalha com eletrônica/TI. Em 1994 ele viajou com minha mãe pros EUA, e aquela viagem plantou a semente do descontentamento com o lifestyle brasileiro — como é lugar comum com qualquer brasileiro que viaja pra América. Em seu retorno à nação-mãe, o patriarca Nobre decidiu que sua família não viveria pra sempre no Brasil. E felizmente (pra mim), ele estava na condição de prometer algo assim pra si mesmo e pra nós.

Em 1999, a família inteira foi pros EUA pra uma viagem de um mês. Foi aí mesmo que meu pai decidiu que não queria passar nem um dia a mais no Brasil do que ele precisasse passar por plena obrigação.

Meu pai começou a fuçar vagas que a empresa dele oferecia nos EUA, e ele percebeu que havia (haviam?) mais vagas no Canadá. E o plano foi reconfigurado, mirando um pouco mais acima no continente.

Em 2003 nossos vistos saíram, e viemos pra cá.

oshawa

Após alguns breves dias em Toronto e algumas outras cidades vizinhas, acabamos vindo parar por acaso em Oshawa — uma “cidadezinha grande de interior”, sabe coé? 150 mil habitantes, mas NADA pra fazer e um centro que se concentra em tipo, 3 ou 4 quarteirões.

Pra você ter uma noção de quão pacata é a cidade, em 2013 aconteceram DOIS assassinatos lá. Estes dois aconteceram em Oshawa, que é a maior cidade da região, mas em toda a Durham Region — uma área que engloba oito cidades, incluindo Oshawa, com população total de 600 mil pessoas — foram os únicos dois assassinatos em 2013.

Uma roça, basicamente.

casa

Esta era a nossa primeira casa no Canadá. Repare que essa história se passa mesmo em outro mundo — boa parte das minhas fotos da época eram fotos físicas, registradas em um filme de celulóide e em seguidas impressas em papel glossy (com aquela típica watermark da data). Na foto, tirada pelo meu irmão, você vê a família Nobre transportando nossos poucos pertences pra dentro da nova casa.

Curioso como a cultura de fotografia mudou com o advento de câmeras digitais. Lembro de pensar “legal essa sua DX 3600 aí pai, mas as fotos vão ficar só no meu computador…? Como vou mostrar pros meus amigos…? Tenho que imprimir isso aí…?”

kodak

Nossa primeira câmera digital

Hoje, com as redes sociais que facilitam transmitir fotos e tal, são fotografias físicas que seriam meio inúteis. Agora, a reclamação seria “Tenho que escanear isso aí?

Então. Nos mudamos pra essa casa no dia 28 de dezembro de 2003, como a watermark anuncia prestativamente. A vida de um imigrante recém chegado é, geralmente, uma merda — você acaba de abandonar literalmente tudo que compõe a sua vida como você a conhecia até então; não há muito dinheiro; você não tem intimidade com a língua ou a cultura e não conhece ninguém.

É realmente um inferno. Se eu soubesse, talvez não teria acompanhado minha família.

O consumismo desenfreado norte-americano provoca certas coisas com as quais no Brasil a gente não tem muita familiaridade — por exemplo, o hábito que gringos têm de substituir coisas que estão funcionando perfeitamente, só porque querem algo novo. Também pudera, com os preços que se cobram aqui, não dá pra culpar os caras.

Por isso, praticamente TODO imigrante fodido tem histórias de mobiliar a casa, mesmo que só parcialmente, com coisas que achou na calçada dos outros. E não é nem socialmente mal visto, não — pessoas colocando mesas, TVs e sofás na calçada costumeiramente colocam também plaquinhas deixando claro que quem pegar pode levar de boa (e está na real fazendo um favor pro ex-dono, que não terá então que custear o transporte pro lixão da cidade).

free-couch1-300x195

E assim sendo, minha “cama” por uns 6 meses foi um sofá de 2 lugares que um vizinho jogou fora. Meu computador era alguma tralha que iriam jogar no lixo no trabalho do meu pai, e ele consertou pra mim. A mesinha foi reciclada também, e as caixinhas de som — que eu uso até hoje!!! — vieram de uma thrift shop como aquelas que o Macklemore curte.

1085022650_f

Eu não preciso te convencer que os primeiros meses (anos?) da vida de imigrante é uma bosta. Nossa casa praticamente não tinha mobília, eu mesmo nem tinha uma cama de verdade. Não tinha dinheiro pra fazer porra nenhuma, não conhecia ninguém…

E estava amargando um pé na bunda, também. Eu estava noivo quando vim ao Canadá; mais ou menos 2 semanas após chegar aqui, descobri que a garota já tava com outro namorado. Somado à situação de merda em que eu já estava vivendo, foi um baque monstruoso — até cogitar suicídio eu cogitei, pra você ver como estava a coisa. Ah, sim, e meus pais iniciaram um processo de divórcio poucas semanas após chegar aqui, também. Alguns poucos meses depois, a tia avó que me criou morreu.

Pouco tempo depois disso tudo, minha mãe foi embora com meus irmãos pros EUA, e ficamos só eu e meu pai — alguém com quem, na época, eu não me dava lá tão bem.

Véi, foi uma época de b-o-s-t-a. O imigrante que te disser que não pensou SERIAMENTE, pelo menos umas 5 vezes, em voltar correndo pro Brasil com o rabinho entre as pernas quando deu de carra com a difícil barreira da adaptação ao novo país está mentindo.

Imagina então pra mim, que estava vivendo uma fossa emocional de 40 metros de profundidade, com cada um desses metros repleto de merda humana. Eu tava tão na merda que nem os tais “sub-empregos” que imigrantes costumam amargar no começo de sua vida aqui eu conseguia.

fotolog

Foi a época de postar fotinha deprimida no Fotolog com dizeres crípticos, também. Eu tinha 19 anos, dá um desconto porra. Ou não, eu era noivo com 19 anos, tem mais é que aloprar mesmo.

Pra suplementar a renda lá em casa, meu pai imprimiu panfletos de conserto de computadores e distribuiu nas caixas de correio do bairro. Um desses panfletos foi encontrado por alguém que mudaria minha vida pra sempre.

Uma mulher lá do bairro que estava com o computador lotado de vírus (eu imagino) encontrou o panfleto do meu pai e ligou pra ele. Quando ele chegou lá, meu velho viu revistas de guitarra na mesinha de centro da sala. A mulher explica que seu filho era guitarrista, e meu pai diz “nossa que coincidência o meu também! Posso chamar ele aqui pra se conhecerem?

Era um pedido um tanto estranho — pros padrões canadenses, anyway — mas a mulher concordou que era uma idéia legal. Lá estava eu emozando em casa quando meu pai me liga dizendo que “achou um amigo pra mim”.

Deprimidaço, rejeito a idéia de sair de casa, e meu pai insiste raivosamente que eu tenho que largar mão de ser otário e tocar a vida porque aquela menina não presta mesmo e blá blá blá. Resignado, me visto com as roupas humildes de segunda mão que eu tinha na época e saio de casa pra encontrar esse “novo amigo”.

Um parêntese aqui.

Existe um poeminha que eu acho muito interessante, o For Want of a Nail (“Pela Falta de um Prego”, numa tradução livre). Ei-lo aqui:

For want of a nail the shoe was lost.
For want of a shoe the horse was lost.
For want of a horse the rider was lost.
For want of a rider the message was lost.
For want of a message the battle was lost.
For want of a battle the kingdom was lost.
And all for the want of a horseshoe nail.

Por falta de um prego, a ferradura se perdeu
Por falta de uma ferradura, For o cavalo se perdeu.
Por falta de um cavalo, o cavaleiro se perdeu.
Por falta de um cavaleiro, a mensagem se perdeu.
Por falta de uma mensagem, a batalha se perdeu.
Por falta de uma batalha, o reino se perdeu.
Tudo pela falta de um prego de ferradura

O poema trata de um assunto pelo qual eu sou absolultamente obcecado — como pequenas e aparentemente triviais decisões ou enganos se potencializam em resultados que mudam uma situação de forma irreversível (e às vezes catastrófica).

Esse poema foi a inspiração de uma interessante historia do Superman em que ele não é encontrado pelos Kent e não cresce como Superman, aliás. E eis aqui o TVTropes relacionado caso você queira ver as outras mídias em que o tema se repete.

Pois bem. O meu momento “for want of a nail”, aquela encruzilhada que mudaria o percurso da minha vida pra SEMPRE, foi aquela ligaçao do meu pai — e a minha decisão de acatar à ordem dele.

Chego na casa da mulher e sou apresentado pro filho dela.

monty

Foto tirada por mim no shopping de Oshawa, em 2004, depois da aula. Eu e o Chris acabamos indo parar na mesma escola!

Este é Christopher — ou Chris, como ele era conhecido. Uma coisa que eu aprendi rapidamente é que ninguém usa o nome inteiro aqui, os gringos abreviam os nomes de todo mundo.

Fui com a cara do Chris imediatamente. Gostos similares em filmes, videogames e principalmente música (éramos ambos fissurados em nu metal na época) solidificaram nossa amizade inicialmente. E como ele tinha duas guiatarras, passamos a tarde inteira tocando Linkin Park, Limp Bizkit e Korn.

E assim, fiz meu primeiro amigo. O Chris não se importava com o fato de que eu era um total loser — não tinha um tostão furado, minha casa era deprimente, mal falava inglês direito, não tinha um contato social sequer senão ele.

Mesmo assim, o cara tava sempre indo lá em casa bater papo, me chamando pra sair, e me convidando pras míticas “festinhas americanas como aquelas que a gente vê nos filmes”, coisa da qual eu nunca tinha experimentado.

E aí eu fui numa dessas festas — a primeira, aliás. Estava toda a galera sentada no sofá ouvindo música, comendo besteira e batendo papo quando alguém tem a idéia de ligar a TV no canal XYZ, porque esse canal é conectado à câmera do saguão e assim podemos ver os próximos convidados chegando.

E foi nisso que eu a vi pela primeira vez.

bebba

Vi-a chegando no saguão do prédio com uma amiga. IMEDIATAMENTE fiquei fissurado; essa garota desconhecida era justamente o que eu tinha em mente quando pensava na esterotípica “gringa loirinha” (na época ela estava loira).

A mera esperança de pegar uma canadense já me fez chutar a depressão sentimental pra escanteio.

Passamos a festa inteira conversando, até que ela teve que ir embora. Peguei o MSN dela com a amiga e o flerte passou pra internet.

bebbza

Eu via o nome dela pulando online no MSN e já rolava aquele mini-ataque cardíaco. Passamos muitas semanas naquele tradicional período de exploração mútua, conversando sobre tudo — vida, morte, família, estudos, amizades, interesses mútuos, etc. Por mais que nem tivéssemos nada ainda, eu já tinha me dado à liberdade de trocar o background do contato dela no MSN por uma imagem cheia de coraçõezinhos que você vê aí.

E aí o inevitável aconteceu.

1092065452_f

Curiosamente, ainda tenho essa camisa.

Numa dessas festas, acabamos ficando. E um mês mais tarde, o namoro começou oficialmente.

E a vida começou a melhorar a partir de então. Continuava pobre, mas agora isso parecia importar menos. Tinha um pequeno círculo social e, mais importante que isso,  alguém pra um contato mais íntimo que, como sabemos, é essencialmente o melhor alívio emocional que pode existir.

Sabia que foi ela quem me ensinou a falar inglês, basicamente? Eu conseguia pedir um refrigerante no McDonalds quando cheguei aqui, e só. Todo garoto de classe média que cresceu rodeado de videogame, música gringa e filme legendado se vê como imensamente fluente, até o dia que precisa pôr isso em prática numa conversa em tempo real com um estrangeiro. Meu domínio do inglês era tipo 20% do que eu ACHAVA que ele era, e foi ela quem me ajudou a preencher as lacunas linguísticas (colocando a língua na minha, às vezes, mas isso não vem ao caso)

eu na aula

Eu no highschool, em 2004.

Meu círculo social se expandiu (na realidade, o mais correto a dizer é que eu fui incorporado no círculo social dela). Todo dia agora eu tinha alguém com quem sair, alguém pra conversar, alguém pra ir junto nas festinhas e alguém que me ajudava a entender que todo aquele sofrimento de outrora era passageiro, e que a vida tão importante que eu lamentava ter perdido ao vir pra cá seria em breve uma lembrança borrada do passado.

1092407918_f

Foi nessa época em que eu me tornei “Izzy”, aliás. Alguns anos antes eu havia assistido o trailer de target=”_blank”>Million Dollar Hotel, um filme com um personagem chamado Israel Goldkiss — a quem todos chamavam de “Izzy”. Isso saltou à minha atenção porque, como todo mundo que tem um nome meio incomum sabe, é muito raro ter xarás entre os personagens de ficção.

Eu não sabia ainda na época, mas nesse hábito gringo de encurtar nomes, qualquer nome com a sílaba IS é apelidado como “Izzy”. Isaac, Isaiah, Isabelle, Israel.

E outro parêntese, também: muitos pensam erroneamente que “Izzy” é um apelido exclusivamente feminino (talvez por causa de Grey’s Anatomy). Acontece que na gringa, muitos apelidos são unissex — “Jackie”, por exemplo, é apelido de ambos Jack e Jacklyn. “Sam” é abreviação de Samuel ou Samantha. Robbie/Bobbie também funciona pra homem ou mulher (Roberta ou Robert).

Enfim. Eu não gostava da pronúncia gringa de “Israel” (aquela sonoridade não era realmente o meu nome, entende? Meu nome mesmo, como mamãe me deu, é IS-RA-EL, numa fonética em português que os gringos jamais reproduziriam), e iria precisar de um apelido mais compatível com a cultura local. Lembrei do filme lá e passei a me apresentar como Izzy. E ficou.

E foi assim que conheci a garota que se tornaria minha noiva, ” target=”_blank”>e então minha esposa.

casamento

E teve o meu site, também!

Embora o HBD já existisse no Brasil, ele era um diarinho virtual indigno de qualquer notoriedade. Com todo aquele tempo livre que eu tive amargando divórcio dos pais, pé na bunda da ex-noiva e morte na família, eu foquei na única coisa que eu podia fazer — escrever.

Nessa época, eu escrevia 2-3 posts por dia, além de ser muito ativo em comunidades clássicas entre o meio blogger na época, como a “Blogueiros” do Orkut. Quem interagiu comigo na época (Bel, você está lendo isto?) devia ter percebido que eu era extremamente ácido, sarcástico, e por vezes cruel. Se você entendesse o perdedor raivoso deprimido e solitário que eu era naquele período, você talvez entenderia por que eu agia daquele jeito.

1102733368_f

Foto tirada em 2005

Foi dessa mesinha aí (numa outra casa, com mobília levemente melhor, e repare as caixinhas de som!) que eu produzi os textos que os leitores de mais longa data lembram. O HBD foi ganhando notoriedade no meio blogger, e lá por 2004 ou 2005 eu tinha me tornado oficialmente um “blogueiro famoso”. Foi nessa época que eu comecei a me surpreender ao ver pessoas falando sobre mim, ou debatendo meus textos em fóruns.

Eu já tinha virado o Izzy na vida real, mas na internet eu ainda era o Kid. Se você não entende por que alguns leitores me chamam de Kid, é por isso — era meu nick original.

Era uma sensação muito esquisitíssima ser “conhecido” daquela forma. Mais estranha ainda era a extrema dicotomia entre “fandom” e “haters”. Nem goiabada com queijo consegue agradar a todos, naturalmente não seria eu quem conseguiria — mesmo assim, nada consegue te preparar para a gangorra emocional de ler “wow eu ADORO o Kid ele é muito foda” e “caralho parem de linkar textos do Kid esse cara é um escroto”.

Especialmente quando você tem auto-crítica o bastante pra aceitar e entender que ambas essas pessoas estão certas, da sua própria forma. Sei que consigo atrair atenção escrevendo e que muitos consideram isso uma habilidade muito bacana; ao mesmo tempo, me conheço melhor do que qualquer pessoa, estou ciente de todos os meus piores defeitos e compreendo por que alguém me acharia um babaca escroto.

Mesmo assim, é estranho esse vai-e-vem. Ou melhor, é estranho ter pessoas jogando isso na sua cara direto. Algum leitor aí que seja acadêmico de psicologia talvez seja capaz de tecer comentários mais inteligentes sobre os efeitos dessa dualidade de estímulos.

hbdtv

Em 2008 mais ou menos eu comecei a fazer vlogs no YouTube. Vídeo sempre foi uma mídia muito mais atraente que textos, e sem grandes surpresas o meu canal do YouTube ultrapassou rapidinho o alcance do meu site. Muita gente me conhece hoje pelo YouTube sem sequer saber que eu tenho um site, aliás.

Eu sempre adorei cinema e todo o processo de movie-making; quando criança, minhas brincadeiras geralmente se resumiam a usar meus legos, hotwheels e comandos em ação pra simular cenas clássicas dos meus filmes favoritos, movendo a cabeça entre os elementos da cena pra simular o movimento da câmera.

Quando percebi que tinha todas as ferramentas pra gravar vídeos, editar e divulgar na internet, foi irresistível começar.

E comecei mal pra caralho, como era de se esperar. Eu não tinha o know-how de edição, equipamentos decentes, timing, desenvoltura com a câmera… nada. Mas como tudo que você realmente gosta de fazer, fui evoluindo aos poucos e hoje posso dizer com honestidade que gosto bastante do tipo de conteúdo que eu produzo.

E é basicamente isso. Foi com isso que me ocupei nestes últimos 10 anos — fazendo amigos, explorando uma nova cultura, conhecendo e por fim casando com minha melhor amiga, tentando fazer vocês rirem com meus textos e vídeos. Foi uma dureza miserável, mas no final das contas, tudo valeu a pena. Sempre me pergunto como teriam sido meus últimos 10 anos se eu nunca tivesse vindo pro Canadá, mas eu sei com certeza que não trocaria minha vida.

O curioso dessa retrospectiva é que de certa forma, ela é redundante. Muitos de vocês acompanharam TODO o meu percurso aqui — talvez, de mais perto e com mais interesse do que minha própria família que ficou no Brasil.

Vocês — não todos, mas uma grande parcela — testemunharam TUDO isso aí. O crescimento do meu site, minhas presepadas no orkut (quem lembra da Semeadores da Discórdia?), meu primeiro encontro com minha atual esposa, minhas experimentações no YouTube (e em outras redes sociais), meu primeiro retorno ao Brasil após longos 6 anos longe da terra-mãe, uma traumática demissão, um excitante novo emprego que foi o primeiro passo na direção de uma carreira real… quando vos chamo de “amigos de bolso” no Twitter, não é só uma brincadeira, é um termo quase literal.

Eu trouxe vocês no bolso durante boa parte da minha VIDA. Vocês estavam lá pra celebrar os momentos felizes, lamentar os tristes, encorajar nos momentos que eu mais precisei de apoio moral e, no geral, rir comigo dessa grande aventura que eu vivi na última década.

Eu tive o imenso, IMENSO privilégio de compartilhar minha vida com milhares de amigos que eu não conheço.

Obrigado por estar do meu lado. Teve alguns momentos em que eu realmente precisei.

Ah, e me diga aí nos comentários há quanto tempo você lê esta merda aqui 😉

Ah, e aqui estão esses 10 anos resumidos em vídeo:

“>10 years from 91″>Izzy Nobre on Vimeo.

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Vida maldita

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 30 anos, também sou conhecido como "Kid", moro no Canadá há 10 anos, e sou casado com uma gringa. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

142 Comentários \o/

  1. Rodrigo Botelho says:

    Belo texto, Izzy! Parabéns por ter dado a volta na surpresa que a vida te reservou e ser essa pessoa foda!

  2. Lucas Ladeira says:

    Ainda lembro do Izzy divulgando seus primeiros hbdtv na falecida PSP Brasil do Orkut

  3. Carol Ahmed says:

    Quase chorei com o parágrafo final!! hahaha Nunca fui de comentar no blog (já comentei só umas 3 ou 4 vezes), mas também sou leitora antiiiiga, dessas que lembra de todos esses momentos que você citou quando eles aconteceram. Fazia parte do fórum, das comunidades do orkut, e sempre acompanhava ao blog. É engraçado isso, porque depois de tantos anos, a impressão que dá é de que você é quase um amigo mesmo! hahaha

    Espero poder finalmente ir ao próximo Desencontro para te prestigiar! Sorte com tudo sempre, Kid! E que venham mais 10 anos! 😉

    • Kathleen says:

      Cara, eu também sou leitora do HBD há quase dez anos e nunca comentava. Eu era mais nova e o Kid era muito ácido, mesmo, então eu morria de medinho de ele me cortar brutalmente. Hahahahaha Deixei de comentar muitas vezes.

  4. Danilo says:

    Não sabia da metade desses perrengues, mas de qualquer forma é legal ver que você se superou de uma forma absolutamente incrível.

    E puta merda, Kid, não abandone a caralha desse blog.

    PS.: mais alguém deu uma ligeira lacrimejada?

  5. Speed Racer says:

    Caraio, quibe! Que texto emocionante. Acompanhei mesmo TODA essa história. Lembro do quanto estava angustiado quando noiticiou no antigo HBD que ia viajar. Conversamos pelo msn sobre a Becca quando começaram a namorar, entre comentários sobre Michael Crichton. Fui moderador do Fórum HBD por convite seu, ou seja, me orgulho de poder te considerar um amigo distante.
    Sei que comento pouco aqui, mas cara, assino seu RSS, te sigo no Twitter e estou sempre por dentro do que você compartilha.
    Abração e que seus próximos 10 anos aí sejam ainda mais felizes.
    Quando tiver filhos com a mulher que você ama, como eu tenho (agora já são dois), vai entender o que estou dizendo.
    Abração!

  6. Claudia Freitas says:

    Legal Kid, falou citar os fóruns de discussão gospel e o fórum HBD. Te acompanho desde 2003, não sei se você vai se lembrar sempre usei o nick Claudinha.

    Muito legal ler essa retrospectiva, todos passamos por fases ruins, você teve vários problemas pra se preocupar e com 19 anos foi muita coisa mesmo, o bom é poder olhar pra trás e se orgulhar com o amadurecimento.

    Abraços

  7. Thiago Felix says:

    Porra cara, quase chorei aqui

  8. Ezequiel Coradin says:

    Maldito vento de Primavera, soprou pólen em meus olhos, mal posso ver o teclado e digitar o MUITO OBRIGADO por entreter e dividir um pedaço dessa vida doida de retirante no Canadá!

  9. Quem vê de fora acha estupidez eu dizer que acompanho e me importo com alguem da internet que nem sequer mora no meu país, mas fico muito feliz de te acompanhar durante todo esse tempo.

    Eu conheci o HBD em 2006, por ai. Na época, não lia com frequência, caia em um texto ou outro. Era bem conhecido na blogosfera, etc. Comecei a acompanhar mesmo em 2008, lembro dos primeiros HBDtv, etc. Fui atrás dos antigos posts e li tantos que as vezes sinto que estive literalmente do seu lado durante esses 10 anos.

    Já ri muito dos seus posts, chorei contigo e torci pra você! Já passei seu blog pra vários amigos e já contei diversas histórias suas. Alguns amigos já cansaram de ouvir histórias do “Izzy, meu amigo que mora no Canadá”. Podemos não ser amigos íntimos de conhecermos pessoalmente, trocar várias idéias, mas como você me considera um amigo de bolso, também te considero um amigo, por te conhecer.

    Tu também me influenciou muito. Adoro a “forma antiga” de blogar, que tu mantém a tanto tempo. Tenho um blog pessoal a uns 4 anos e sigo a fórmula velha, textos pessoais, com histórias do cotidiano e humor no meio deles. E tu realmente ajudou a mostrar um caminho a seguir na forma de escrever. Alías, percebe-se que adoro escrever pelo tamanho desse comentário.

    Parabéns por tudo. Sucesso e longa vida ao Kid, longa vida ao Izzy. Longa vida ao Israel! 😀

  10. Rafael says:

    Por incrível que pareça, tenho 14 anos e acompanho o Kid desde quando eu tinha uns 9 anos. Acho que foi por causa do HBDTV #1 mas eu não tenho certeza.

  11. Matheus says:

    O primeiro vídeo que assiste foi o da Bebba tentando falar português, acho que o nome era algo como “uma gringa falando português”. Na verdade eu fui atraído por ela hahaha aí aos poucos fui vendo outros e outros vídeos até me inscrever no canal. Desde então, vi que se canal melhorou mil por cento, sua concatenação das ideias, a timidez que foi embora. Parabéns, kid, sucesso.

  12. Max says:

    Cara… acredito que você já chegou a pensar, tudo o que você escreve choca diretamente na vida de uma pessoa, assim como você diz que pequenos atos dão um “snowball” na vida das pessoas, esse post ta servindo pra mim exatamente como isso. Hoje vou mais uma vez deitar na cama e refletir a minha vida, porem com outra cabeça, agradeço por você ter ter escrito esse post, estranhamente isso me ajudou.

  13. Raid says:

    Sou um desses muitos que acompanharam você por esses 10 anos, comecei acompanhando o HBD através do Fidido, não lembro bem qual post, mas lembro da transição do blog preto para o branco e a mudança de país.

    Lembro que você foi pro Canadá mas com a ideia de juntar uma grana pra voltar pro Brasil, aí levou o pé na bunda e até post com música do Legião Urbana você postou hehehe.

    Foi um prazer acompanhar suas conquistas, mesmo sem te conhecer. Abraço e parabéns pela data.

  14. Murilo says:

    Belíssimo texto Izzy =)

    acompanho seu blog a mais ou menos uns 2 anos.
    Mas já conheço sua escrita por causa dos textos da “Resenha Pornô” que você escrevia para o Bobagento.
    (diga-se de passagem, que aquela merda era muito boa. lol)

    Continue firme e forte que realmente gosto da sua maneira de falar ^^

  15. Ingrid says:

    Normalmente eu não comento em lugar nenhum (timidez extrema, sério), mas nesse caso, abrirei uma exceção.

    Eu conheci seu blog através do twitter. Eu tinha um amigo que te seguia e vivia te retuitando, então um dia fui ver quem era esse tal de “izzy nobre”, passei a te seguir e a ler o hbd. Passei um tempo fora do twitter e voltei, e agora assisto seus vídeos também. Isso tudo tem uns dois anos. Ao contrário da galera, não te acompanho há muito tempo, mas mesmo no período off twitter, eu acessava seu site (curto a fanpage no fb também).

    Enfim, queria só dizer que gosto muito do que você escreve e de como escreve, e os vídeos também são muito bons. Você tem uma boa maneira de escrever e traz sempre uma perspectiva interessante. Admiro seu modo de ver as coisas, e frequentemente dou bastante risada (como no vídeo de hoje(?) contando como você fodeu o braço acordando).

    Achei importante te dar um feedback porque você é sempre atencioso com as pessoas que te seguem (eu acho, pelo menos) e curto muito seu trabalho, de verdade. Parabéns e continue o ótimo trabalho.
    Beijo 🙂

    P.S.: faça mais vídeos com a bebba, ela é muito divertida.

  16. Rafael says:

    Conheci teu blog por aquele post sobre esculhambação no Facebook. Um pouco tarde, mas lembro que no mesmo dia eu li INÚMEROS textos e passei a acompanhar o blog assiduamente.

    Sou um daqueles que, mesmo não tendo visto isso tudo crescer do começo, imploro para que você não esqueça o blog, porque são posts como esse que às vezes dão uma levantada no seu dia, mais do que um vídeo, porque acaba que rola aquela coisa de leitura, assim como quando lê um livro de ficção, que você imagina as situações e tal.

    Parabéns pelos 10 anos de Canadá, parabéns pelo blog, e pelo seu sucesso recente de estudar uma coisa que curte, arrumar um emprego que gosta, casar com a mulher que ama e ainda poder contar com TANTA gente que, mesmo nunca tendo te visto na vida, parece que te conhece há anos.

  17. http://www.kid-blog.weblogger.com.br

    Ainda quer saber desde quando eu acompanho teu blog? Hahahahah

    (Poserboy aqui, se ainda tiver difícil de me reconhecer pelo nome…)

  18. Nikholas Holland says:

    Excelente história, Izzy. Acabei te conhecendo, como você falou no texto, pelo Youtube. Mas depois conheci o HBD também e comecei a ler sempre o que era twittado lá no seu twitter, isso faz menos de um ano acredito eu. Anyway, seus textos e vídeos são realmente muito bons, continue sempre que possível.
    Grande abraço e tudo de bom õ/

  19. Predo. says:

    Só leio essa merda há 7 anos, kid. Talvez mais até. Lembro de começar a acompanhar o hbd quando tinha 14 ou 15 anos, e me recordo perfeitamente das etapas da minha vida ao linka-las com os acontecimentos da sua. Tanta mudança, mas ainda tanta naturalidade ao ler suas postagens.

    Engraçado o quanto essa sua cara feia, e agora gorda, fazia parte do meu dia-a-dia. E o hbd com o favicon do cogumelo -- substituído pela sua cara feia e gorda, por que Izzy? Por quê? -- que não saía da minha barra dos favoritos -- uma feature dos navegadores que, por sinal, cai cada vez mais em desuso, pelo menos pra mim.

    Aliás, seu filho da puta sem costumes, você foi o grande responsável pelos meus vícios na escrita, que nasceram na minha adolescência ao ler seus posts e perduram até hoje.

    No entanto, não posso reclamar desse ponto. Isso amadureceu bastante minha vontade de escrever e posso dizer ainda que você despertou em mim um sentimento de que era possível fazer as coisas por mim mesmo, mesmo que fosse apenas um texto publicado na internet. Eu me encantei justamente com essa ideia de poder impactar a vida das pessoas, seja trollando -- um termo que não era tão deturpado quanto na época -- com os retardados do Semeadores ou hoje, amadurecido, montando minha empresa e querendo atingir e melhorar a vida de milhares, pra não dizer milhões, de pessoas.

    Lembro que já tiveram posts em que eu perdia o fôlego de tanto rir. A “escala Klaus” do quanto alguém poderia se foder, a história da pipa, a história que você contava que o Sílvio Santos era o dono do Brasil. Além das histórias de sorveteiro, as aventuras com o Trunks, da vida de merda que parecia ser o Wendy’s -- Wendi’s? Foda-se. -- das histórias de infância, das brigas na internet antes mesmo da era twitter, como quando aquela gorda maluca resolveu te pegar pra cristo e vivia atacando a você e à Bebba. Por onde anda aquela criatura deprimente? Falando em criaturas deprimentes, e o FHBD? Aquele mar de mijo era bastante movimentado, mas nunca me chamou a atenção.

    Enfim, acompanhei sua vontade recorrente de montar um podcast, e explorar novas mídias. O nascimento do projeto do HBDcast, que falhou duramente, mas, posteriormente, deu o pontapé ao nascimento do 99vidas, que é um sucesso absoluto e meu podcast favorito, que sempre que posso tento ouvir.

    Pelos seus posts acompanhamos também a evolução tecnológica. A libertação do diskman! A sua reação impressionadíssima perante à internet mobile, e a capacidade de pesquisar qualquer coisa durante uma conversa e ser um eterno sabichão. Hahahaha, puta merda. Muita coisa mudou.

    Bom, kid. Legal perder um tempinho e comentar novamente aqui no hbd. Muitos anos se passaram, e, de maneira engraçada, tenho você quase como um irmão mais velho. Aquele que nos ensina muito e molda um caráter, mesmo que remotamente e sem saber o impacto que causava. Espero que você se sinta orgulhoso de formar a personalidade de alguém -- O QUE CONVENHAMOS, PODIA DAR MUITO ERRADO -- que agora é um quase engenheiro aeronáutico, e que está cada vez mais distante disso, afinal percebeu que o que queria mesmo era impactar a vida das pessoas e que acabou montando uma empresa com uns colegas pra explorar o novo. Mas antes de toda essa merda, alguém que se diverte muito no ato de escrever e se comunicar.

    Não sei se você ainda lê os comentários daqui do site, mas parabéns, kid. Parabéns pelo sucesso, pelas conquistas, pelas mudanças, pelo feliz casamento e pela evolução! De um magrelo mendigando clicks no adsense, feliz da vida por ter recebido o primeiro cheque do google, a um gordinho sapeca que está cada dia mais perto de realizar seus sonhos.

    Espero ver um post sobre os 20 anos. Ficarei muito feliz em comentar. Forte abraço, kid.

    Pra não passar batido:
    KID VIADO VAI MORRER DE TANTA NOSTALGIA E MIMIMI NO CÚ

    Com acento e tudo, hehe.

  20. Jeff says:

    Ótimo texto Izzy, realmente uma história de superação. Conheci você através do Youtube, e sempre te achei um cara bem comunicativo e com ótimos argumentos a respeito das coisas que você fala. Meus Parabéns, e que venham mais 10 anos de Canadá com você compartilhando com a gente todas suas experiências, que podem (ou não) ajudar as pessoas. Porque com a cagada dos outros a gente aprende. (Ou Não)…

  21. Yuri Giuzeppe says:

    Excelente!

  22. Lucas Nascimento says:

    Não lembro como ou porque comecei a acompanhar o HBD. Mas sempre foi fruto de boas risadas e que ocupava uns minutos dos meus dias. Após ler seu post, só não consigo entender uma coisa: apesar de você já ter deixado bem claro no twitter que 2013 está sendo/aparentemente será o melhor ano da sua vida,você está melancólico.
    Acho que é só refletir um pouco e essa “fossa” vai passar rapidinho; se as coisas tivessem se desenrolado de outra maneira, sua vida poderia estar totalmente diferente no momento. Acho que agora é hora de buscar novos desafios (quem sabe a paternidade? rs) e motivos para se sentir satisfeito mesmo que amargando uma derrota. Até porque você já está bem acostumado a se foder e levar isso com bom humor mesmo. Um abraço e obrigado por trazer um pouco de bom humor e non sense para o meus dias há tanto tempo. Sucesso sempre.

  23. Eduardo says:

    Só agora me toquei que leio o blog há “um tempão de tempo” e que já fui um dos “negos mala” que adicionei no MSN e não falei nada, ou falei um “oi”, não lembro, simplesmente por não saber o que falar para um cara que eu admirava por escrever bem e com o qual eu me identificava por ser nordestino e ateu/agnóstico/cético como eu. O mais engraçado é que parando pra pensar direitinho, ainda é hoje o único blog que acompanho e o faço diariamente. Quase verti uma lágrima por isso, sério. Sinto saudade dos textos maiores. Dos textos de prazo homérico para serem escritos como o “As Patricinhas Intercambistas”… verdadeiro hype, acho que nem se usava a expressão “hype” por aqui. Os tempos mudaram, você mudou, eu mudei e, como a colega acima, comentei pouquíssimas vezes. De qualquer forma, felicidades, Israel! Te acompanhamos anonimamente como um show da vida, Izzy “Truman” Nobre. Aproveita e tira uma dúvida minha de todos esses anos: o cara que escrevia em vários comentários “vai morrer de tanta rola no cu”(ou algo parecido)era conhecido? []’s

  24. Arthur Bárbaro says:

    Caro KiddyViddy, sigo suas parada há pouco mais de ${pouco tempo}. Sei lá quanto tempo faz… uns quatro anos? Nem tenho certeza se ouvi falar antes ou depois da sua participação no Nerdcast de imigraciontismo.

    O importante é deixar registrado que eu já tentei parar de te seguir no tuíter duas vezes, desistindo logo em seguida porque minha timeline ficava um tédio terraplanante (além disso parar de te seguir momentaneamente é uma boa carta na manga quando tem coisa demais pra ler lá).

    Foi meio que um alívio quando você passou a trabalhar no hospital, porque passou a tuitar menos e eu não precisava mais checar o tuíter a cada 2 horas no máximo sob risco de não conseguir ler mais tudo que tinha sido postado, na verdade… Mas nada que não pudesse ser preenchido pouco depois pelo seu irmão em Cristo* Jurandir Filho, não é? (*salvo se ele não tiver morado no Cristo).

    Pensei em te chamar de Kid no Desencontro, mas me senti um cheater safado e desisti. Angariarei forças para um novo cheat, da próxima.

    Sua vida está aí agora. E está aqui também, caro ser internético. Que a viva bem e amplamente, ao lado da sua companion Bebba.
    Spread the hu3.

  25. Nicolas Giovannni says:

    Cara, tu é uma figura! E sua história tbm é muito legal! Eu te conheci no yt, e leio teus textos a mais o menos 1 mês. Aliás, escreve mt bem pra quem mora na gringa a tanto tempo!! Continue com tudo isso! ; ) É divertido e inspirador!!!!

  26. Rafael says:

    Lá se vão quase cinco anos acompanhando e rindo muito das tuas histórias. E, assim como aconteceu com o Predo, também fui muito influenciado por ti, em diversos fatores: o texto do ciúme me fez ter relacionamentos mais saudáveis; a sua volta aos estudos me deu forças pra começar uma faculdade após dez anos sem entrar numa sala de aula (passei em primeiro lugar, por sinal); as constantes contestações à doutrina cristã me fizeram repensar minha crença e acabei por abandonar os dogmas e preceitos que nortearam minha vida por mais de cinco anos e; o passo maior dado sob essa aura que tuas palavras trazem acontecerá no ano que vem: farei um intercâmbio e, provavelmente, após esse período, fixarei residência em Calgary.
    Parabéns por ter superado todas as dificuldades e alcançado pouco a pouco seus objetivos. E muito obrigado por ter-nos como amigos de bolso, nos entretendo, ajudando (mesmo que involuntariamente) e proporcionando tantas risadas durante tanto tempo.
    Que venham mais 10, 20, 50 anos de HBDia!!

  27. BrunoHe says:

    Mas q texto bonitinho mah.

    Comecei a ler isso aqui lá por 2010 se não me engano, em questão de um dia acho q tinha devorado todo o conteúdo do site.

    Um prazer te acompanhar até aqui Kid, vamos ver até onde isso vai dar.

  28. Israel says:

    Muito legal esse texto Izzy. Eu acompanho o seu site desde 2007 !!!! Parando para pensar nisso agora, é até dificil de acreditar que eu acompanho alguma coisa há tanto tempo, mas sempre foi ótimo.

  29. Andreia says:

    Demais Izzy! Legal acompanhar seu desenvolvimento, de menino a homem casado rs… Parabéns pelos 10 anos

  30. Adler says:

    Ok, eu te leio faz menos de 3 dias, posso ser considerado um amigo de bolso ainda assim? haha

    Mas algo engraçado de se ver é que, quando tu era triste, emo e pobre (de alegria né), tu era magro, representava bem esse vazio. Hoje, tu provavelmente bem mais feliz e CHEIO de vida do que aquela época, aparenta isso com esse seu rosto mais gordinho.

    Mas dane-se, isso foi apenas um pretexto sentimental pra te chamar de gordo.

    Parabéns pela vida SENHOR Izzy Nobre, e pelo site principalmente. Fico feliz em anunciar oficialmente que o senhor se tornou, nesses dias passados, um dos meus maiores ROLE MODELS. E o HBDIA também se tornou oficialmente o exato tipo de projeto que eu quero ter no futuro.

    Sem mais firula, feliz 10 anos de imigração. E obrigado por tudo.

  31. Renata says:

    Eu leio desde o Desencontro de 2011 em Fortaleza. Faz pouco tempo, mas todo dia vejo se tem texto novo e adoro quando tem!
    Parabéns pelos textos e pelos 10 anos morando no Canadá!

  32. Kadu says:

    Sou “novo” por aqui. Devo acompanhar o site desde 2011, mais ou menos. Curiosamente, conheci primeiro o site e depois os vídeos (e, ainda hoje, prefiro o site rsrs).

  33. Fred says:

    Achei que era menos tempo que acompanhava o HBD, ms qdo vc falou que os vlogs começaram em 2008 notei que faz mais tempo.

  34. wallambuco says:

    Caralho, acompanho essa merda desde os 14 e, porra, já faz 10 anos. Um grande amigo me apresentou a parada. Ur’anus e Wallambuco surgiam na net, nesse momento. Demorava por volta de 5 minutos pra minha internet carregar o site, e quando chegava da escola corria direto pro AMD-k6, torcendo pra que dessa vez ele ligasse. Foi por causa desse puto e de seus textos que me interessei pela tal coisa de “escrever uns textos” -- e a praguejar humoristicamente por aí também.

    Fiz até um blog e ganhei uns comentários do Kid (issoae, texto massa / muito legal cara, continue / que merda). Comentários que eram motivo de honra, sei lá. Inspiravam algo desse tipo. Hoje os comentários se foram, mas o sítio permanece de pau duro http://www.jururukingdom.blogspot.com.br/
    Porra, que perdedores mais legais esses moleques.

    O tempo passou. Hoje tenho um livro em andamento e, mesmo que em hibernação no momento, devo uns 30% dele a você. O que deve equivaler a R$4,53 pelo seu valor de mercado atual.

    Lembro-me de te adicionar no msn, e trocar umas ideias sobre relacionamento. Tinha acabado de levar um chute na cara, e queria saber qual seria o próximo passo. A dica foi simples: não faça nada, exatamente nada. Mandar cartas? Não, seu burro. Nada.

    E aí, com esse conselho, talvez minha vida tenha sido salva. Mantive preso o prego da minha ferradura. Um burro, claro, mas com as ferraduras em seu devido lugar. Muito provavelmente eu não morreria por isso, mas de alguma forma me ensinou a ter as bolas de aço que hoje pesam meu saco.

    Porra, era muito massa. Esse texto me estimulou a fazer uma retrospectiva própria. Wow, que mundo louco.

  35. Pixzzel says:

    Parabéns pelo texto e por essa jornada incrível até os dias de hoje. Você é um grande exemplo para os que como eu, começaram agora seus blogs e pretendem evoluir da mesma forma que você evoluiu durante esses 10 últimos anos.
    Além disso, obrigado por esses 9 anos de blog (te acompanho faz uns 4 anos já), onde a experiência de acompanhar sua vida no exterior -- e todas as merdas pelas quais você passou -- foi simplesmente inesquecível.

  36. Felipe Cavalcante says:

    Parabéns por este post e obrigado por compartilhar a sua trajetória com todos nós. É muito legal ter uma visão de outra parte do mundo e da vida de outra pessoa contada de forma tão bem humorada, inclusive nos momentos mais ferrados.

    Falando nisso, seu livro foi um daqueles que não não parei de ler nem para comer; ficou realmente excelente. Comecei a acompanhar o blog e o vlog a pouco tempo, mas já me sinto um antigo leitor.

    Desejo sucesso e espero que continue compartilhando os momentos da forma que faz.

  37. Igor Oliveira says:

    Leio essa birosca desde 2008, quando entrei na faculdade. Você já se formou, casou e eu ainda to na faculdade..

    E talvez irei ficar até você ter filhos rs

  38. Murilo Esteves says:

    5 anos apenas lendo seus textos, os v

  39. ste says:

    nunca comentei, mas acompanho o blog quase desde o inicio, de 2005/06…

  40. Lucas Suppes says:

    CARALHO! IZZY MAGRO!?
    HEUAHEAUHEUAH

    Genial Izzy, quase chorei. HEUAHEUHAEU

  41. Leitor says:

    É Kid, lembro que o primeiro texto seu que li aqui foi sobre o high school canadense, faz tempo ein…

  42. Junior says:

    Acho que quando conheci o hbd você recém tinha chegado ao Canadá porque um amigo me disse que “tinha um blog legal de um cara que morava no Canadá”.

    E lembro quando tu escreveu aquele texto em que você e teu pai tavam furando a casa pra passar os cabos da internet.

  43. Luiz says:

    Desde 2007…. e a caminhada continua 😀

  44. Lucky says:

    Eu tô aqui há tempo PRA CARALHO, como você sabe. E até hoje lembro com muito carinho de ter participado, de certa forma, da sua história de duas maneiras: como convidado no HBDcast no breve período que ele existiu e quando eu te indiquei e dei as primeiras dicas de como usar o Sony Vegas na época do MSN. Que venham mais 10 anos. E muito sucesso pra você.

  45. Jonathan Silva (@Johnnyzk) says:

    Muito legal esse sentimento nostálgico que rolou no texto, é engaçado que como leitor, eu também fui relembrando algumas vivências minhas de acordo com a sua história. É que pelo o que eu me lembro comecei a acessar o blog em 2008 se não me engano, e eu tava 1º ano do colegial, lembro-me de comentar com amigos sobre suas presepadas hahaha. Então já faz 5 anos que te acompanho, antigamente era mais por aqui, depois foi adicionado o Twitter, e as demais redes foram se juntando também.
    Hoje você produz muito no YouTube e eu estou sempre consumindo tudo o que você dispõe.

    Esses dias estava com dois amigos no Outback aqui da cidade (dois irmãos, no qual um deles me apresentou o HBD), e na hora de ir para o estacionamento vimos um Mustang Cobra, e um deles disse “E o Izzy Nobre com aquele Mustang? A Misty hahaha… é legal ver que ele ta conseguindo crescer lá, comprar suas coisas..” Realmente é muito bacana acompanhar sua vida aí, você é esforçado e merece muitas coisas.

    Obrigado por nos proporcionar gargalhadas. Boa sorte aí, abraços! =]

  46. Wesley M says:

    Kid, ainda não li seu primeiro livro (pretendo), e respondendo a sua pergunta, conheço seu trabalho ‘Internético’ por assim dizer, desde 2012, posso me considerar um ouvinte/espetador/leitor recente, mas, saiba que você já faz parte da minha vida, com seus texto, videos e opiniões(quase sempre fecais (que eu curto por sinal)) em geral, seja através do blog, youtube, ou da enchorrada de twiters diários. Achei que fosse falar mais da sua vida profissional, e como foi voltar a estudar, fica pra outra né?
    Em fim, Parabéns pela trajetória Kid, espero acompanhar seus Bom dias* por muito mais anos!

  47. Maciel Gonçalves says:

    É isso aí Kid, parabéns pelas suas conquistas, ao lado de um grande cara, há sempre…!

  48. André says:

    Ótimo texto, do jeito que a gente gosta. Não pare de escrever, Kid. Seus amigos de bolso agradecem.

  49. Vinícius Martarello says:

    Conheço o HBD desde 2007, mas passei a te acompanhar de verdade em 2009, até hoje acho que foi a melhor fase do site, só texto clássico! Parabéns pelas conquistas, você as merece, mesmo sem te conhecer te considero um amigo, e sempre quis falar com você pessoalmente, pena que sou de SP.

  50. Clovis says:

    “e foi ela quem me ajudou a preencher as lacunas linguísticas(colocando a língua na minha, às vezes, mas isso não vem ao caso)” BEBBA É STARFIRE DOS TITANS!

  51. thianini says:

    deixa seu cabelo crescer de novo =) tava maneiro =P

  52. Kevin says:

    Izzy, leio seu blog e assisto seu canal no Youtube a 4 anos :\

  53. Rodrigo says:

    Puta. Que. Pariu. Izzy Nobre. Você conseguiu fazer umas lágrimas masculinas escorrerem aqui no canto, mas tudo bem. Desde que eu comecei a ler o seu site, te acompanhar no Twitter e assistir seus vídeos, lá pelo início de 2011 (lembro inclusive da gloriosa epopeia de sua “primeira suspensão”, um dos primeiros textos que eu li por aqui e que -- por mais que você não acredite -- ainda é um dos que eu guardo com carinho na memória, porque, afinal, é um texto SEU, e mais, com o seu jeito de escrever, com seu humor e dramatização característicos e tudo o que um texto do grande Israel Nobre merece ter), e não parei de te acompanhar desde então.
    Eu sempre paro de acompanhar sites/blogs pois eles geralmente se perdem no próprio contexto, param de produzir material decente e começam a correr desesperadamente atrás de mais “followers”. Mas com o HBD foi diferente. Sempre, geralmente três ou quatro vezes por semana eu entro aqui pra ver se tem algo novo, de preferência um texto longo e divertido, como só você consegue fazer.
    E, quanto ao que você disse que agradece aos fãs por eles serem uma parte fundamental na sua vida, por serem seus amigos por mais que você não os conheça, acho que nosso sentimento em relação a você é quase o mesmo, porém com a exceção de que nós te conhecemos -- e muito bem, por sinal. Eu é que devo te agradecer por fazer textos e vídeos sensacionais, por poder alegrar meus dias de tédio, enfim, por ser uma parte importante na minha vida, por mais que isso não seja muito crível.
    Pra finalizar, tem uma frase que me veio a mente enquanto eu lia sobre as dificuldades que você teve na chegada ao Canadá, seus pais se separando, a morte da sua tia-avó, os momentos “duros” de grana que você teve que passar: “Para obtermos alguma coisa que tanto almejamos devemos sempre estar dispostos a sacrificar algo que é importante para nós”. Eu vi essa frase num anime (tá, eu sei que isso soa meio “meh”, mas leve como se fosse tirada de um filme/livro :P) e fez todo o sentido quando eu comecei a ler seu texto.
    Pois bem, Izzy Nobre, que você continue tendo sucesso no que faz, que sua vida seja cada vez melhor e que você e a Bebba sejam felizes durante todos os dias de suas vidas. E vou terminar logo esse texto antes que fique muito sentimental te dando os parabéns por ter conseguido viver por uma década inteira longe de tudo o que você amava/tinha aqui nas terras tupiniquins. Parabéns Izzy, você é um bravo guerreiro! Continue sendo a pessoa maravilhosa que você é! E continue fazendo textos longos como esse, please 😀
    Abraços!

  54. @mos_axz says:

    Antes de mais nada, devo relembrar uma piada, que tal qual aperto de mão secreto, indentifica quem é old school de quem não é:

    Kid viado, vai morrer de tantos amigos enfiados no cu!

    Sempre fui uma pessoa que gostou de argumentar, discutir e convencer as pessoas, portanto posso dizer que poucas pessoas na vida mudaram minhas opiniões de maneiras drásticas. E uma dessas foi você.

    Conheci você em 2004, perdi todo o contato e reencontrei em 2008 ou algo assim. Li boa parte do histórico do HBDia, inclusive uma parte grande do Blogspot (que hoje está bloqueado). E sinceramente, sou incapaz de dizer, hoje, se sou uma pessoa que concorda contigo em muita coisa, ou se minha mente foi moldada pelo contato que tive com sua forma de pensar.

    É engraçado pensar que um conselho seu (faça um blog, não pelos acessos, mas para que você possa no futuro relembrar quem você era) fez eu mudar, de certa forma, radicalmente muito do que eu sou e abrir novas oportunidades para mim. É uma história meio longa e não cabe no momento e você nem se importaria anyway. Mas saiba que você, a despeito de tudo, você, mesmo que 3 risadinhas por texto, tornou a vida de milhares de pessoas mais feliz.

    Sucesso, amigo nobre. Tudo que desejo a você é felicidade, sucesso.

    E fica a dica: Volte a dormir no sofá que dormir na cama não é uma boa ideia pra ti.

    “Não importa quais sejam os seus objetivos nessa vida, daqui a um ano você desejará ter começado hoje.”

  55. driftdepiroca says:

    Cara, acompanho seu blog desde que ele era ruim, e mesmo assim, ele era bom.
    Já fui um CCC, já tentei semear a discórdia, já floodei descontroladamente no seu fórum, já chorei com texto seu, sei lá, isso é muito mara cara.

  56. @engdavirocha says:

    Muito bom texto, um verdadeiro presente pra quem gosta de textos longos. Só não gostei dos ninjas cortadores de cebola que passaram aqui mas Ok.
    Esse tipo de texto um pouco mais pessoal consegue gerar uma identificação muito mais forte cara, quando for lançar o livro 2 tenta isso.
    Não lembro desde quando leio teu blog, mas lembro que já lia tinha uns meses quando tu perdeu o emprego ultra-mega-foda-dia-todo-coçando-o-saco naquela torre super aumotatizada. E lembro de como tu ficou abalado por aquilo.

  57. PauloBR says:

    Não sei desde quando eu leio isso aqui, mas faz maior tempão… O primeiro texto foi o da cagada no tapete do banheiro (alguém lembra?) Depois comecei
    a te acompanhar em outras mídias. Mas os textos continuam os melhores. E deixa de ser fresco que esse texto não tá longo coisa nenhuma, ta curto até.
    E sim, vc conseguiu mudar um pouquinho minha personalidade e minha forma de ver a vida, principalmente com relação ao ateísmo. Deixei de ser catolico
    por causa dos seus textos, virando apenas um estudante da biblia whewhewhwiehwe. Cara, e os textos sempre nos fazem rir ou refletir. O videodoMalafaia
    atiçou meu senso crítico, e o texto das crianças e a bicicleta (o do sorvete) foi o mais engraçado até hoje kkk. Sério, deixe o Youtube pra segundo
    plano, e “bora blogá pa nóis” rsrsrs. Parabéns, mesmo não sendo tão famoso quanto os famosos da internet, vc é foda.

  58. Heber says:

    HAHA,Izzy me inspirou a escrever, maluco. E me inspira em vários outros aspectos.

  59. Anderson says:

    acompanho a pouco tempo, desde 2011.

    que bela história cara. não para de escrever no blog, por favor.

  60. Diogo Assis - Dhix says:

    Genial -- Estou contigo desde o Semeadores da Discórdia no Orkut, e este texto retrata que amigos de bolso, são possiveis reais e se emocionam com a trajetoria de vida dos outros. Mesmo apesar da distancia.

  61. rodpba says:

    Maneiro, kid!

    ass: leitor das antigas

  62. Kahnm says:

    To aqui des de 2011. 😀

  63. Alexandre says:

    Ola Kid, otimo texto, bastante emocionante. Como muitos de seus textos nos ultimos 10 anos.

    Sei de sua existencia desde 2004, quando voce era moderador da extinta comunidade Brazucas no Canada no extinto Orkut. Seu nome la era “Kid do Hoje e um Bom dia”. Alias, a razao de eu ter te descoberto foi exatamente essa, eu tambem tinha acabado de me mudar pro Canada. Muito embora eu estivesse em uma situacao diferente da sua eu tambem tive um comeco de merda com muitas tristezas e dificuldades. Mesmo estando em situacao tao diferente, ainda assim senti certa identificacao/associacao pelo fato de que ambos nos mudamos pra ca na mesma epoca. Bom, nao vou estender comentarios sobre mim aqui no seu site, pois isso seria muito “douchy” de minha parte, por isso me limito a dizer que se eu me tivesse tornado tao popular, escrevesse tao bem e tivesse o mesmo carisma que voce, seria eu escrevendo MINHA retrospectiva de 10 anos no Canada no inicio do ano que vem. Otimo trabalho, ninguem chegaria onde voce chegou se nao fosse uma pessoa muito especial. Abracos!

  64. Thito says:

    Conheço o HBD desde 2007. Cheguei aqui através do texto em que vc detonava o Dragon ball Z hahaha..
    e que venha mais 10 anos!!

  65. ramone says:

    Lembro do quibe sendo zoado no fórum cocadaboa, hahaha

  66. vick says:

    Kid,
    te acompanho desde 2008/09, quando o conheci você já estava no Canadá, mas faz tanto tempo que o conheço que já me sinto até como conhecida sua, mesmo que eu seja dessas que comenta de vez em nunca… Parece que vir aqui ler o HBD já se tornou parte da minha rotina. Por sempre concordar com a maior parte das suas opiniões, talvez você tenha influenciado muito coisa em minha personalidade, principalmente meu senso crítico e contestador… Valeu por tudo, Izzy.
    Continue escrevendo e nos fazendo dar ótimas risadas e pormos a cabeça pra pensar um pouco. hahahaha

  67. André Gabriotti says:

    Kid, parabéns! Não sou daqueles que interage muito mas tenho seu blog nos meus favoritos desde a época do blogspot … uns 10 anos ou mais, acho!

  68. Daniele says:

    Ai que bonitinha sua história com a Bebba :~

  69. Daniel says:

    Izzy:

    Primeiramente gostaria de parabenizar seu pai que tomou a atitude mais corajosa e correta que um pai brasileiro pode fazer que é tirar seus filhos desse país imundo. O que seu pai fez mudou sua vida pra muitíssimo melhor, acredite nisso.

    Te acompanho a uns 3 anos, sou 1 ano mais velho que vc, compartilhamos muitos pensamentos, outros nem tanto, mas curto pra caramba ler seus textos e ver seus vídeos.

    Sucesso pra vc, cara, muita felicidade ao lado da muié!!! Abração!

  70. angelo jr says:

    Cara, lendo ‘saporra desde 2010, eu acho….

    Nem lembro como cheguei aki, sei que não foi procurando informações sobre canadá, coisa que vi muitos pedirem, e vc atender. Acho que foi na mais pura e alucinante sorte mesmo hehehehe

  71. TalesM says:

    Não lembro exatamente quando, mas tenho certeza que comecei a frequentar isso aqui lá por 2005/2006. Meu post favorito até hoje foi o do rato na locadora, acho que saiu justamente na época que conheci o blog e o mais antigo que me vem a cabeça.

    Naquela época nem tinha entrado na Universidade e morava numa cidade do Norte do Brasil, hoje tô terminando o mestrado e moro no Sul. Isso me faz pensar que não apenas acompanhei sua vida mudar, como a minha própria vida mudou muito também nesses anos. Pena que não consegui manter um blog, deve ser massa poder se perguntar “o que eu tava pensando em maio de 2009” e só vasculhar o arquivo e encontrar.

  72. Rafael Cavalcante says:

    Eu leio você desde o começo do ano, eu sou um pouco + novo do que o seu público (pelo menos eu acho que sou), tenho 15 anos

  73. Fábio says:

    Te acompanho a uns 10 anos, direto do túnel do tempo.

  74. Rafael says:

    Bacana Izzy, lendo esse texto me serve de inspiração pro momento que eu tô agora. Duvida sobre a faculdade que estou, sem uma perspectiva do futuro… Obrigado por esse texto, a vida melhora é só a gente querer ;]
    Abraço e parabéns.
    Acompanho você aqui e no youtube desde 2011/2012.

  75. Mateus Guerra says:

    Nunca comentei aqui, mas vamos lá. Conheci o HBD ainda nesse ano, com o vídeo que ele fala que cansou do iPhone e vai querer um Galaxy S4. A partir desse vídeo, começei a acompanhar o Izzy em tudo que ele faz, seja no Twitter, Facebook, YouTube etc. Faz 9 meses que eu acompanho o Izzy e parece que faz 9 anos. Virei seu fã e espero que eu te acompanhe pelo resto da minha vida. Parabéns Izzy, muitas felicidades.

  76. Izzy, eu sempre vejo seus vídeos e alguns posts… mas nunca comento. Acho q essa é a segunda vez que comento no seu site.. haushausha
    Adorei o texto!!! muitos detalhes legais, cheguei até me amocionar :’)
    Que Deus te abençoe! e que você e sua esposa sejam muito felizes! abraço!!!

    Com carinho, leitora Mêlany Verissimo

  77. Filipe Galdino says:

    Comecei a acessar essa bagaça aqui em 2009~2010. Nunca me canso do humor ácido e sarcástico do Izzy, hahaha. 😉

  78. Daniel says:

    Muito bom, izzy. Chega escorreu uma lágrima masculina aqui, hahahahah. Eu acompanho seu site desde 2011, se não me engano. Me apresentaram seu site pelas histórias do sex shop.

  79. Daniele says:

    Chorei lendo esse post.
    Conheci você através do twitter do PC Siqueira, em 2009, acho. Gostei do seu jeito, me inscrevi no seu canal e estou sempre acompanhando suas aventuras no Canadá.
    Acho você e a Bebba muito fofos juntos.
    Estou sempre comentando sobre seus vídeos com amigos e só agora que percebi que você faz parte do meu cotidiano.
    Espero que vocês sejam felizes sempre que puder e estejam sempre juntos.

    Ah, eu também li esse texto ouvindo sua voz como narrador!!

    Um abraço, Izzy!

    Daniele

  80. mao says:

    Caiu uma lágrima aqui.

  81. Eduardo Samoggin says:

    Porra, texto foda Izzy! 🙂

    Te acompanho a não muito tempo, diria uns 2~3 anos, mas seus textos são sensacionais, os vídeos magníficos, mas a melhor parte é ver você discutindo no twitter haha.

    Parabéns pelo blog e por toda a vida interética, espero que consiga tirar mais dinheiro dele para ter mais textos.

    PS: Não sei se alguém comentou, mas essa foto da Bebba ela ta parecendo muito a Liz Vicious! :O

  82. Não lia o seu blog com muita frequência, mas me lembro de ler um post sobre vc vendendo picolé no canadá, em 2003 ou 2004… acabei sendo leitor regular depois do twitter

  83. Jackson says:

    Fala, Izzy!

    Cara, acompanho teu trabalho há uns quatro anos. Descobri vossa senhoria pelo YouTube, mas, logo em seguida, já caí no HBdia. E assim continuo até hoje, alternando entre vídeos e textos. O material que você produz é bom bagarai! Rs.
    Ah, uma curiosidade: meu gosto por tecnologia ficou mais aguçado por sua causa. Depois de ler -- e ver -- tanta coisa sobre tecnologia, fiquei viciado no assunto.
    E se um dia eu for para o Canadá, passo aí para te dar um abraço! Haha…

    Vida longa às produções Izzy Nobre Corporation! Rs.

    Um grande abraço, rapá!

  84. DocFHBD says:

    Ae Quide! Conheci primeiro o HBD, pelos idos de 2005 (estava no último ano da faculdade), depois entrei no FHBD e acompanho suas produções até hoje.
    Muito legal essa retrospectiva.
    Que os próximos 10 anos sejam exponencialmente melhores!
    Sucesso é a única possibilidade!

  85. Começou mal? Kkk, cara a abertura daquele vídeo ficou boa para ser o primeiro =)

    “[…] estou ciente de todos os meus piores defeitos e compreendo por que alguém me acharia um babaca escroto.” É bom quando sabemos…

    Izzy, você começou no Blogger? Qual plataforma para o site usa atualmente?

  86. Comecei a ler essa porra esse ano e conheci você pelo Youtube.

  87. MatheusKS says:

    Parabéns pelos seus 10 anos de Canadá!

    O primeiro contato que tive com as suas criações foi há seis meses através do seu Daily Vlog sobre as desvantagens de morar no Canadá (eu gostaria muito de poder morar nesse país). E daí fui conhecer o seu site e o seu livro.
    Desde então, estou a garimpar o seu site e o seu canal do YouTube.
    Parabéns!

  88. eduardo says:

    E eu achei no final do texto que você iria sortear uma passagem para conhecer o Canadá rsrs

  89. eduarda says:

    Izzy nossa,quase chorei lendo isso! Eu só tenho 15 anos (ou seja,quando você foi pro Canadá eu tinha 5 anos) e hoje leio muuuuito o Hbdia. Sério,fico até meio chocada em pensar que as pessoas gostam mais dos vídeos do que dos textos (apesar de que os vídeos também são maravilhosos).Mas o hbdia… Já passei váaaarias madrugadas pulando de texto em texto,vi sua demissão,vi você amadurecendo pouco a pouco.Vi você e a Bebba,um casal muito lindo aliás e que combina incrivelmente bem. Nem parece que faz menos de um ano que meio que ~entrei~ na sua vida e no seu mundo.Adoro o Hbdia de verdade! Sei que você faz isso mais pelo o lucro do que pela a vontade (sei que você deve ter outras coisas aí no mundo real e por isso essa decisão) mas te admiro muito SuperKidBr.Você é demais!!

  90. Catu says:

    Caí no HBDia na época do episódio do Roubo das Comunidades do Orkut. De lá pra cá nutro essa estranha sensação de que o Kid é um amigo internético de tanto que eu acompanho suas “aventuras”…
    É engraçado que, por mais que seja uma “amizade” unidirecional, eu sinta mais empatia com o Izzy Nobre do que com muitos amigos de infância.
    Grande abraço meu camarada!

  91. Gabriel says:

    Ainda estou no meio do texto, só um comentário a respeito da sua dúvida, Izzy: o verbo “haver” no sentido de existir não varia, portanto é “havia” mesmo! 😀

  92. Pois bem, terminado o texto sinto-me na obrigado de pontuar que acompanho mais ou menos desde o VMB. Foi nessa época, inclusive, que eu conheci o Jovem Nerd. Engraçado foi que salvei ambos sites nos Favoritos quando vi que estava disponível a votação, entretanto só fui entrar para ver como eram um dia antes da premiação passar na MTV.
    Realmente, episódios como suas viagens ao Brasil (lembro-me, também, que na mesma semana eu havia viajado para praia e, como lá estava meio chato, fiquei bastante tempo no hotel lendo seus textos) são como histórias de amigos meus.
    4 anos estes em que a internet tomou um papel de extrema importância na formação do meu caráter e você é um dos protagonistas, Izzy. Digo isso porque tenho 17 anos hoje -terminando nesta semana o ensino médio com o objetivo de fazer o curso que você fez, física- e com simples cálculos percebe-se que eu tinha 12/13 na época. Cheguei até a te adicionar no MSN, porém não tive cara de pau o suficiente para puxar assunto.
    Ah! E eu me lembro que em uma dessas viradas de ano passadas, enviei-lhe uma foto minha comendo de frente ao computador dizendo algo do tipo: “virada aqui em casa é assim” e quando você retuitou e comentou fiquei todo feliz! ahahahahaha
    Quem tem de agradecer sou eu, por ter tido você como amigo (de certa forma, não é?) todos esses anos! Desejo-lhe sucesso sempre, felicidades e que venham mais 10 anos aí na gringa com você tentando explicar aos seguidores no Twitter porque nossos chuveiros podem nos matar! ahahahahah
    Abraços!

  93. Guilherme says:

    Bom texto, cara!
    Acompanho o HBD em geral faz pouco tempo (comparado ao tempo que você mantém o conteúdo).
    Segundo uma olhada que eu acabei de dar aqui no primeiro post que eu li no HBDia, tem exatos 2 anos e três mêses que diariamente eu vejo essa sua cara gorda.
    Cara, você faz um conteúdo legal que nunca caiu, então que fique mais 10 anos! 😀

  94. Rômulo says:

    Parabéns pelo seu sucesso na internet e na sua vida nos seu últimos dez anos no Canadá. Curiosamente me mudei para Boston dia 28 de Novembro de 2012. A diferença é que só ficarei aqui por mais um ano. Parabéns novamente. Acompanho seu site desde Abril desse ano, e rapidamente fiquei muito interessado.

    PS: Mesmo tendo neve eu uma quantidade menor em Boston, meio que concordo com o que você fala sobre a neve.

  95. Yuri (Oni) says:

    Fortune and glory, Kid, fortune and glory… tenho 22 anos e desde os 14 minha vida na internet encontra a tua, curiosamente sem querer na maior parte das vezes. Engraçado como ficamos felizes em ver alguns achievements de pessoas que acompanhamos, tipo quando me vieram lágrimas nos olhos ao ver as fotos e vídeos do seu casamento. Espero que por mais que sua carreira na área da saúde se consolide você nunca nos abandone.

  96. Retregniw says:

    Krl kid vc nem falou no hbdcast
    Foi mais ou menos nessa época que conheci o blog

  97. Ícaro says:

    Olá Izzy. Muito bacana sua história!!! Deve ter sido muito difícil mesmo os primeiros anos e ainda mais com esse abalos emocionais ao mesmo tempo. Parabéns pela sua história. Um grande abraço

  98. Leo says:

    Não tem muito tempo que leio, comecei no final da sua fase super troll e to aqui até hoje.
    Curiosamente, após uma treta sua com o Cardoso, ele citou seu nome, eu googlei e vim parar aqui.

    Um dia tive a chance de ir pra America do Norte, neguei prontamente, não sei se foi a melhor escolha, mas tb penso naquele poema da mesma forma que vc.

  99. halysson says:

    Pois é eu te acompanho desde 2003 Kid. Estranho saber q eu sei tanto da sua vida e sou um estranho pra VC. Não completamente, pois te adicionei no MSN a muito tempo atrás e trocamos algumas idéias até eu pegar aquele virus maldito que apontava links e ter sido bloqueado (por VC e por muita gente).

    Engraçado que eu acho VC muito parecido comigo, temos gostos bem semelhantes, creio que seriamos bons amigos se tivéssemos oportunidade de conviver.

    Parabéns pelos 10 anos de trajetoria! Seus textos me apresentaram coisas bem legais, como jogos e filmes. E suas resenhas de filmes me divertiram bastante. Ah! E como não lembrar que o post das malditas patricinhas intercambistas? Foi o seu duke nukem cara!

    Abraço

  100. Cristhian says:

    Cara, eu me identifiquei em alguns pontos com suas tragédias, principalmente na parte de divórcio, família despedaçada e talz. Só faltou morar fora e ter tido uma “companheira” que me chutasse a bunda. E tudo isso aconteceu em menos de 2 anos contando desde hoje, numa fase bem mais tardia da minha vida, longe de casa sem mais o pai por perto para te orientar ou pagar suas contas.

    É melhor se fuder enquanto é (bem) jovem, porque mais tarde fica bem mais difícil -- adultos não tem compaixão por “adultos”, se é que você me entende.

    Sem entrar em mais detalhes pessoais, depois de começar a acompanhar seus vídeos e ver como a vida é bem melhor no Canadá, pelo menos quanto ao poder de compra, cheguei à conclusão de que morar no Brasil é REALMENTE uma merda. Não valorizam minha formação -- trabalho como desenvolvedor de software graduado em C.C, e me pagam menos que um pedreiro que estudou só no primário. Não me respeita como cidadão e pagador de impostos. Sobretaxa alimentos, moradia, e futilezas como meu tão amados gadgets. O tranporte público é uma droga e ter carro próprio dói demais no bolso sem um “paitrocínio”.

    Graças a você, coloquei na minha cabeça que na primeira oportunidade eu saio daqui, e se eu aguentar não volto nunca mais.

    TL;DR termino de ler na íntegra outro dia lol.

  101. Pablo.Pacato says:

    Eu não vou chorar, eu não vou chorar, malditos ninjas invisíveis soprando ciscos em meus olhos.

  102. Rafael says:

    Essa do prego é profunda! Era o que eu tava precisando ler hoje! Keep on keeping on mano!

  103. Leici says:

    Muito legal a sua história, viver em outro país parece ser uma aventura e tanto!

  104. Luiz says:

    Opa, Kid. Leio o site faz uns 7 anos, acho, e pelo que me lembro esse é o segundo comentário que eu faço.

    Já parei de ler umas 8 vezes por causa do babaca escroto chorão que às vezes você é, mas você melhora sempre, tanto que tô aqui agora né 🙂

    Parabéns pelo ótimo trabalho!! Keep up the good work!

  105. Vinicius Maciel says:

    Muito legal o texto. Acredito que comecei a ler o HBD +- por volta de 2007. Não lembro exatamente, lembro de ter chegado aqui procurando informações sobre Gears of War, lembro muito bem do texto, nele você dizia que havia jogado o jogo durante uma viajem de carro. Aquilo praticamente explodiu a minha cabeça. Outra curiosidade foi que eu já troquei alguns e-mails com vc, procure na sua caixa.
    É muito reconfortante saber que vc considera os leitores como parte da sua vida, porque eu também considero todas as “personalidades” da web que eu acompanho, como parte da minha vida e você é uma delas.
    Parabéns pelos 10 anos de vitórias.

    (obs: também caracterizo o encontro com a minha esposa como um momento “for want of a nail”, quem sabe um dia eu conto.)

  106. Larissa says:

    terceira vez que comento aqui! estranho, porque acho que venho aqui desde os meus 16 anos… em 2005! já existia? acho que sim. foi um surto que tive de ler blogs aleatórios e achei o seu e sabe-se lá por que eu comecei a ler. eu nunca comento aqui, mas sempre leio, e nos únicos comentários que fiz eu disse que nunca comentava. hahaha

    me lembro de uma história de vc ensinando à sua namorada (agora esposa) como falar “diz isto” em português, até o momento que ela desistiu e te perguntou como dizer “i give up” em português e achou que vc estava zoando, porque a pronúncia é a mesma 😉

  107. Acredito que qualquer dia desses passarei por coisas semelhantes também. Pretendo um dia morar num país que seja mais compatível com o que busco pra minha vida, inclusive o Canadá é uma das minhas apostas.
    Ver o que tu passou de certa forma serve de exemplo pra quando um dia eu for esteja mais preparado.
    Parabéns Izzy pelos 10 anos e pela sorte de ter achado o prego a tempo de vencer a guerra! =]
    (gosto desse provérbio)

  108. Yago Petri says:

    Muito foda o seu texto e sua historia. Eu sou brasileiro e vivo nos EUA a 2 anos, sei exatamente das dificuldades de ser um imigrante que vc citou no texto, realmente no comeco eh muito foda mesmo, e tbm eh verdade aquela o que vc falou sobre pensar varias vezes em largar tudo e voltar para o Brasil. Espero que algum dia eu possa realizar tudo o que eu desejo para a minha vida aqui, no momento as coisas estao complicadas para mim, mas lendo o seu texto me estimula a continuar a minha trajetoria e nao desistir mesmo nas situacoes mais dificeis. Enfim, acompanho o seu trabalho a mais de 3 anos ja, e soh tenho a agradecer todo o entretenimento que vc me trouxe, muito obrigado, e continue o otimo trabalho. Abrss.

  109. Cantarzo says:

    Uma amiga minha me apresentou esse blog há uns 10 anos… era um vício, tanto esse como o cobras e lagartos(tbm de um cearense). E é isso, só tenho isso pra dizer!

    Vá se lascar… tenho uma puta inveja da vida que você leva no Canadá, passaria por essa tua “depressão” toda p/ se acostumar ao ambiente. Infelizmente sou filho de funcionários público e decidi fazer direito, agora fudeu. Tinha que ter feito ADM ou algo com saúde ou tecnologia, agora é tentar fazer o melhor aqui na terrinha mesmo.

  110. Maria Carolina says:

    Cara, eu não acompanho o blog desde os tempos de orkut, mas li a maioria dos textos e às vezes até me confundia por ler fora de ordem. Nem acredito que cheguei aqui porque via você na minha timeline todo santo dia e decidi que era hora de dar meu follow: uma das melhores decisões que fiz na internet.
    Apesar de poucos meses acompanhando o twitter, o site e o vlog, espero que isso aqui continue pelos próximos 10 anos, e até mais, até porque você ainda tem algumas historias pra contar…

  111. Cindy says:

    Caramba, Kid, sensacional!
    Realmente muito interessante pensar que coisas tão pequenas mudam completamente toda a história. Gosto de pensar que nunca da pra saber se seria melhor ou pior, mas do jeito que está ta otimo.
    Acompanhou seu site há anos, mas não sei dizer quantos. Acho que quase seis anos. O canal nem tanto, porque prefiro ler entre uma aula e outra, ou alguma fila. Agradeço por tudo que me ensinou coisa pra caramba sem nunca ter conversando comigo e por me fazer dar épicas rodadas estilo porquinho em lugares aleatórios por estar lendo isso aqui. Tudo de bom pro cê e pra Bebba!

  112. Gregório says:

    Eu devo ler o site desde 2004, há uns três ou quatro layouts diferentes atrás… heehehehhe

    Os textos que hoje são clássicos eu li quando foram publicados.

    Mas nunca fui de comentar. Sempre achava a coisa tão genial que acabava nem comentando…

  113. mms says:

    eu curto tuas tralhas até hoje, apesar de não ter paciência pros vídeos. parabéns por toda a trajetória, principalmente pessoal, bastante bacana.
    Planeja kidinhos?

    FHBD foi épico, vai. Devia ter um longo post só com suas memórias sobre isso e toda a conspiração que terminou com o Corvo.

    Grande abraço

  114. Derlon Alves says:

    Grande Izzy Nobre, parabéns pelas suas conquistas, és um vencedor.

  115. Marla says:

    Olá Izzy , muito bom o texto , são poucos os textos grandes que eu leio até o final e prestando atenção em casa paragrafo (sabe como é né … lê um , pula outra e tals . ) parabéns pela maneira de escrever . Não me lembro como achei o seu blog , mas lembro que achei o texto do tapetinho sujo no banheiro e salvei o seu blog na minha barra de favoritos pois tem o simbolo do Mario (que agora mudou e eu não curti mas continua lá .)e a pouco tempo apareceu uma recomendação de vídeo seu na minha página no youtube e desde então eu sigo o seu canal no youtube , blog , tumblr e hoje curti a pagina no face 🙂 . Parabéns rapaz continue assim .

  116. maROCKosu says:

    Cara vendo por este angulo, eu vi o primeiro texto, se não ne engano, foi o texto do tour pelo EUA

  117. Lucas says:

    Parabéns ae Izzy pelas suas conquistas e seu trabalho, comecei a acompanhar o seu vlog e o blog esse e curti muito, continua assim, que venham mais 10 anos

  118. Vivian Sorg says:

    Li sua história.
    Me emocionei e me apaixonei.
    Parabéns por ter sabido conduzir a sua vida com sabedoria
    Sua fã

  119. Leandro Nardi says:

    Fantástico, Izzy! Parabéns a vc, que nos mostrou essa bela história! Comecei a acompanhar seus videos há pouco tempo e ando gostando muito. Suas opiniões, em geral, são bem parecidas com as minhas. Aliás, espero um dia poder visitar o Candá e quem sabe passar por aí pra conhecer vcs! Abraço e tudo de bom!

  120. Caio Dias says:

    Muito legal, Izzy! Acompanho o vlog e o site há menos de seis meses, mas gosto bastante e, assim, como você, curto o conteúdo que você produz! Abraços!

  121. Patrick Pereira says:

    ótimo texto Izzy, bacana conhecer esse outro lado, que eu ainda não conhecia. Te ouço no 99vidas, mas te “conheço” desde o seu post do seu primeiro vídeo lá na comunidade PSP Brasil, testemunhei de perto o começo do HBDtv, e até defendi você, quando várias pessoas começaram a te criticar por usar insultos em inglês no meio do vídeo… Enfim, parabéns, mesmo sendo um dos caras mais odiados da internet, você é legal.

  122. Jeane says:

    Izzy, acabei de me cadastrar no teu site e quero saber se tem como falar com voce atraves de email? E que nao tenho twitter. Obrigada.

  123. André Neves says:

    Ducaralho ! Muito maneiro mesmo o relato. Vimos aqui eu e minha esposa e adoramos o vídeo no final. Vocês 2 estão de parabéns! Comecei tem 1 mês escutando o 99 vidas e já sou fã desse grupo maneirasso! Abs e tudo de bom por aê!
    André Neves

  124. Pedro says:

    Izzy,

    Parabéns. Conheci o 99 Vidas e você no fim do ano passado apenas, mas rapidamente admirei seu trabalho e sua luta. Felicidades, parabéns e sucesso.

  125. Fabio says:

    Sua história é inspiradora! Obrigado por compartilhar!

  126. Se não estou enganado eu comecei a ler o site em 2013/2014, sendo que eu primeiro conheci o canal no Youtube em 2012/2013 em um Hangout de um grupo de estudos de Inglês que eu modero no Facebook, aí um cara sugeriu ver seus vídeos de dica de expressão em Inglês. Demorou até eu começa a ver os vídeos mesmo, só me interessei de fato meses depois, e o site então demorou muito a descobrir que existia.
    Parabéns pelo que você construiu pela Internet! Curto muito seus conteúdos 🙂

  127. Patrick says:

    Lembro de ver uma cara no youtube com o nome de izzy dai pensei”que nome legal”.Assim que vi um de seus videos interessei em conhece-lo mais,consequentemente fui direto pro hbdia e depois de um tempo descobri essa coisa linda que é o 99 vidas,tbm tenho um blog mas n obtenho nenhum publico,mesmo assim vou continuar com ele pq de algum jeito vc me influenciou a começar isso,abraço cra!!

  128. Who's Nerd? says:

    Caraca, Izzy. Muito bom esse teu texto. É desejo meu já há algum tempo ir morar fora do Brasil, por todos os motivos do mundo. Tanto pelo “sonho americano” comprado por mim desde cedo por causa de filmes como “Esqueceram de Mim” e similares, quanto pelos motivos de governabilidade dessa bagaça (falta de, na verdade).

    De toda forma, parabéns cara. Infelizmente quando você lida com temas polêmicos, tende a ter uma posição X ou Y sobre determinados assuntos, sempre irão existir os haters para “minar” a nossa autoestima.

    Sucesso e parabéns pelos seus 10 anos + 2. 😛

  129. Angelo Moreira says:

    Obrigado Izzy.

    Esse texto reafirma o quanto eu preciso começar a procurar os pregos para sair do buraco em que eu me enfiei. Além disso seus textos provem um pouco de diversão no meio disso tudo. Obrigado mesmo.

  130. Leiliane says:

    De todas as pesquisas que fiz sobre o Canadá, a sua foi uma das melhores,de garra, perseverança,quando tudo parece estar perdido há sempre um recomeço.Parabéns.

  131. Olá Izzy, faz tempo que te acompanho (desde os bons tempos do “Kid Troll Sem Coleira”), mas deixei este texto passar batido… falha minha…

    Eu realmente fiquei emocionado, temos mais ou menos a mesma idade (sou um pouco mais velho, 37 anos) e muito de suas palavras me transportaram para o fim da década de 90/inicio dos anos 2000… Apesar da distância, experimentamos a tal infância/juventude multiplayer, tão falada lá no 99Vidas.

    Bem, só posso te agradecer cara… Eu particularmente não sou tão saudosista, mas teu relato me aqueceu o coração.

    Te desejo todo sucesso do mundo!

    Abraços!