5 bugs que QUEBRAVAM COMPLETAMENTE um jogo!

Você acha que é procrastinador? Você é um apenas um moleque. Eu vou te ensinar o que é procrastinar de verdade, meu amigo.
Eu tenho um vídeo de anunciante pra entregar, dois artigos que estão atrasados desde a semana passada, um livro incompleto que prometi que publicarei esse ano, um podcast pra gravar daqui 10 minutos, UM EXPEDIENTE NO TRABALHO DAQUI UMA HORA,1 e não estou me ocupando com nenhum destes afazares.

Em vez disso, estou cuidadosamente cortando TODA A GRAMA DE VIRIDIAN FOREST pra ver o que acontece no jogo quando você não pode mais encontrar pokemons.

Desde que eu descobri que o move “Cut” pode ser usado pra cortar grama no jogo (uma função completamente inútil, até onde posso averigurar), fiquei obcecado com a idéia de cortar toda a grama em Kanto inteiro pra, como diz o filósofo youtuber, “PRA VER NO QUE DEU” — e é isso que estive fazendo pelas últimas 3 horas, em vez de fazer qualquer outra coisa que esteja diretamente conectada à minha habilidade de pagar minhas contas.2

Só que os desenvolvedores de pokemon anteciparam um desocupado do meu calibre, porque a grama retorna sempre que você sai e volta daquela tela. Pensando bem, se eu tivesse pesquisado isso na internet antes de sair testando a hipótese eu mesmo, eu não teria desperdiçado 3 horas da minha vida. Culpo o método científico.

Há outras formas de potencialmente quebrar Pokemon — gastar TODO o dinheiro possível no jogo comprando Ultra Balls e montar o maior e mais impressionante time de Metapods do mundo, por exemplo. Se lembro bem, alguns trechos do jogo requerem dinheiro. Seria possível quebrar o jogo assim? Bom, se minha experiência como cortador de grama oficial de Kanto é alguma indicação, presumo que a GameFreak antecipou isso, também.

Só que nem todo dev é tão cuidadoso quanto eles, aparentemente. Aqui estão 5 bugs que tem o potencial de impedir completamente a progressão no jogo.

A ponte quebrada de Twilight Princess

Considerando que tanto a Nintendo quando Zelda são exemplares de qualidade na indústria gamer, eu não esperava começar essa lista com essa dupla, mas realmente todo mundo vai te decepcionar um dia.

Quando você termina a parte das minas Goron, você segue pra Bridge of Eldin e explode umas rochas que bloqueiam o caminho pra Lanayru Province. Isso é pra impedir temporariamente que o jogador retorne àquela área até ele completar aquela quest, no Gerudo Desert (onde o jogador recupera o pedaço que falta da ponte).

Até aí, tudo bem. Acontece que, se você salvar o jogo aí mesmo, ANTES de ir pro Twilight Realm, ao carregar o save você aparece perto da saída de Kakariko Village, com o pedaço da ponte faltando. E é impossível sair dessa área a não ser por essa ponte.

Lá na frente no jogo (em Gerudo Desert, como mencionei) você encontraria o pedaço da ponte e a reconstruiria, assim podendo atravessar entre uma área e outra — mas esse bug te impede de progredir até a parte em que você recuperaria o pedaço que falta. A ponte fica eternamente não-terminada, que nem obra pública em São Paulo.

Ou seja — você acabou de quebrar o jogo irremediavelmente. Não há conserto pra ele.

Parabéns, Nintendo! Mas eu vou dar um crédito aos caras e supor que essa será a sua única participação nessa lista.

A porta em Metroid: Other M

PORRA, NINTENDO.

Como se fãs de Metroid não tivessem sofrido bastante nos anos recentes, Other M os apresentou com um bug que quebra o jogo completamente.

Essa porta pyrosphere do screenshot se localiza no porão da Desert Refinery no Sector 3. É o seguinte: nessa parte Samus precisa enfrentar Dessgeegas, uns inimigos crustáceos. Pouco antes de encontrar esses inimigos, a Samus recebe do Comandante Adam Malkovich a autorização pra usar o Ice Beam, uma de suas armas clássicas. E após derrotar esses bichos, essa porta aí no screenshot se abre.

Aí que vem o problema — se após derrotar os Dessgeegas, você voltar pro local onde usou o Ice Beam pela primeira vez (em vez de ir direto pra porta), essa pyrosphere aí fica trancadas pra sempre, te deixando preso nesse lugar a menos que você recomece o jogo.

A Nintendo admitiu a cagada e tentou dar um jeito no problema, mas isso requeria salvar o seu save3 num SD card e mandar pra eles. Sim, enviar fisicamente, pelo correio. Dentro de uma cartinha, colando selo e tudo, e depois esperando pacientemente pra que a missiva chegasse lááááá na Nintendo.

Ou seja, usando a mesma tecnologia que você teria usado se fosse um desbravador bandeirante interrompendo sua exploração da selva sulamericana pra enviar uma carta pra mamãe em Lisboa em 1632.

E essa era a melhor solução, aliás. O recomendado era enviar o WII INTEIRO pra eles. Como se a porra do jogo fosse num cartucho de NES em 1990 e não num console com (teoricamente) capacidade de conexão com a internet.

Como todo dono de console da Nintendo sabe, funcionalidade online nunca foi o forte deles. Afinal, pra algo bastante trivial como jogar online com os amigos você precisa cadastrar CPF e tipo sanguíneo uns dos outros.

O multiplayer online de Splatoon 2, que roda no mais recente e capaz console da empresa, não tem voice chat — você tem que usar um app no celular pra conversar com os amigos. Jogos como Mario Kart 8 Deluxe nem tem isso, então quando jogo com meu irmão e minha namorada, cada um em sua respectiva casa, tenho que IMAGINAR as aloprações que meu irmão faz com a minha cara a cada corrida que eu perco.

Pelo menos a Nintendo não dá uma de EA e inventa que essa prática injustificável é de alguma forma pro benefício do próprio jogador. “Com a exclusiva função NoChat™, o orgulho do gamer não é ferido por esculacho dos oponentes vitoriosos! Apenas US$9.99!

Então, considerando que em relação a internet a Nintendo age como se estivessemos em 1997, não é surpresa que esses japas sejam incapaz de propagar um update pela internet.

Agora, por que diabos não foi possível, sei lá, receber os saves por email e enviá-los de volta pros jogadores dessa forma mais simples E BARATA também jamais foi explicado.

Vou repetir — PORRA, NINTENDO!

O barril que quebra Donkey Kong Contry 2 — e o seu SNES

CÊ TÁ DE SACANAGEM COMIGO, NINTENDO. De novo?!

Donkey Kong Contry 2 é amplamente considerado um dos melhores jogos de plataforma que já existiram.4

Na pior das hipóteses, DKC2 se garante entre os 5 melhores com facilidade. Qualquer personalidade gamer que NÃO inclua DKC2 em seu Top 5 de jogos de plataforma deve ser um agente russo insatisfeito com o caos que causou nos EUA e quer estabilizar nós brasileiros também.

E essa qualidade toda de DKC2 isso é impressionante se considerarmos que havia um bug no jogo que podia literalmente quebrar o seu Super Nintendo.

Em Castle Crush, a trigésima fase do jogo, havia um trecho em que um barril DK aparecia do lado esquerdo da tela, e era elevado ao topo junto com o Diddy e a Dixie.

Talvez você lembre bem:

DKC2 foi tão presente na minha infância que basta ver um screenshot pra me sentir tão feliz e despreocupado quando eu era em 1995. Alguém precisa sintetizar o hormônio que meu cérebro produz ao ver esse jogo e vender igual um Simple Rick.

Pois bem. Neste infame bug, se você pegar o barril, soltar, e pegar de novo imediatamente, ele se torna invisível. Ao joga-lo, o sprite do bonequinho que você está usando naquele momento se transforma em outros personagens do jogo. Se você tentar se mover, o jogo dá um tilt impressionante:

É curioso que o comportamento do bug não era sempre o mesmo, mas de qualquer forma a fase se tornava impossível de completar.

Se você fosse um gamer sortudo, o jogo apenas resetava. Se fosse um pouco mais azarado, podia perder saves no cartucho.

Pra jogadores ainda menos privilegiados por Fortuna, a deusa romana da sorte, o bug podia danificar a própria memória do cartucho e foder o jogo permanentemente.

E eu, um dos caras mais azarados do planeta, teria provavelmente ferrado o SNES no processo. Sim, rodar o código bichado àquele ponto aparentemente tinha o poder de foder o seu console.

Eu já comentei aqui sobre a ocasião quando destruí meu SNES jogando Donkey Kong Country 2. Eu e meu irmão estávamos justamente em vias de zerar o jogo, então eu gosto de reavaliar a situação como “quebrei o console só pra não deixar o jogo quebra-lo antes”.

Curiosamente, a Nintendo não se preocupou em consertar o jogo quando este foi lançado no Virtual Console do WiiU, então se você foi um dos 7 gamers que comprou o console, sinta-se à vontade pra experimentar essa roleta russa!

Os gringos se referem a bug que impedem terminantemente o progresso como “game breaking glitches“. Esse do Castle Crush é um exemplo literal da expressão.

Myth 2: HD Blighter 

Ótimo, uma pausa de jogos da Big N por um instante. Já tava colocando meu Switch no OLX com medo de que essa porra vai incendiar minha casa ou me causar disfunção erétil.

Antes de se tornar célebre pela série Halo, a Bungie era mais conhecida pela franquia Myth, um excelentíssimo jogo de estratégia tática em tempo real. Joguei BASTANTE o primeiro jogo da série, que acredito ter sido oferecida no Brasil em uma daquelas muitas revistas de CD ROM do finalzinho dos anos 90/começo dos anos 2000. Tenho essa impressão porque, como provavelmente foi também o seu caso, os únicos jogos “completos” que eu tinha na época vinham na capa dessas revistas.

Se eu tivesse que chutar um nome, diria que foi a SUPER CD XTREME ou algo que soasse assim. Todas elas tinham esses tipos de nome.

Então, a continuação Myth 2: Soulblighter melhorava o jogo em inúmeros aspectos, mas não no quesito “manter seu computador funcionando normalmente”. Se você instalasse o jogo em um diretório além do padrão recomendado pelo jogo, ao desinstala-lo, o HD inteiro era apagado.

Um erro catastrófico, mas em defesa da Bungie, a única forma que isso aconteceria é se o jogador instalasse o jogo direto no diretório C:\ como um babuíno. Não é algo que a maioria dos usuários faria, mas quando a consequência de um Uninstall mal programado é perder um TCC, essa defesa vale pouca coisa.

MissingNO, o misterioso Pokemon que não existia

Ironias da vida: Comecei o artigo dando crédito à GameFreak, por antecipar comportamento do jogador que poderia potencialmente quebrar FireRed, e termino tirando o mesmo crédito porque agora eu lembrei que um dos glitches mais clássicos da história dos jogos estava justamente no jogo que inspirou FireRed.

Então o placar fica 0 GameFreak, e -4 Nintendo porque puta que o pariu, hein? Eu juro que não esperava que essa lista seria um Hall of Shame da Big N, mas aí está.

MissingNO, que era abreviação de Missing Number, é um erro de programação se manifestando como um pokemon. Além de parecer um QR Code que se deprimiu com sua inutilidade e cometeu suicídio por enforcamento, MissingNO também é um tipo de Pokemon que, embora planejado nos estágios iniciais, acabou nunca sendo incluindo no jogo — no caso, “bird”.

Entre as outras anomalias, o MissingNO também pode evoluir além do Level 100 que é o teto dos outros pokemons, tem o base attack mais alto do jogo — mas o base defense mais baixo, também. É como se um Mewtwo tivesse transado com um Caterpie (com consentimento, claro) e parido um saco de confetes.

O bug é bem simples de realizar pros caçadores de anomalias gamers — primeiro, converse com aquele velhinho em Viridian City cujo objetivo de vida é explicar pra moleques sem rumo como se capturar um pokemon.

Quando você o encontra pela primeira vez, esse velho vagabundo está caído na sarjeta, esperando que tal qual dona Florinda alguém lhe dê uma xicará de café.

Nessa simulação bastante aproximada da vida real, você vai pacientemente ouvir o velho te explicando mais uma vez algo que você já sabe. Logo em seguida, monte nas costas de algum pokemon voador e vá pra Cinnabar Island, e usando SURF, fique nadando na beiradinha da praia no lado direito da ilha.

Eventualmente um MissingNO vai aparecer, e você pode captura-lo normalmente. A propósito, “MissingNO” é porque o jogo não foi capaz de retornar o número de referência do pokemon que você REALMENTE deveria estar vendo, e em vez do código apenas travar ou reiniciar o software, essa letra d vestida a moda carnavalesca aparece.

Apesar de que ter um MissingNO pode destruir o seu save (e impossibilitar saves futuros, além de causar vários bugs gráficos), existe um bom motivo pra arriscar tê-lo — a captura do pokemon multiplica o sexto item na sua mochila. Se este for uma Master Ball, PÁ, agora tu tem tipo 80 Master Balls. Talvez você não possa mais desligar o Game Boy, mas foda-se!

(Aliás, se esse texto de 2300 palavras não te deixou vesgo, taqui um maior ainda com todos os aspectos técnicos por trás do MissingNO)

Vale lembrar que MissingNO não é o único pokemon bugado, tem o tem o ‘M também. É que MissingNO é o irmão que ficou famoso.

A versão humana de ‘M e MissingNO

Agora, vale a pena arriscar o seu cartucho de Pokemon Red pra obter 99 Fishing Rods?

Quem sabe. Se tivesse uma forma de multiplicar cortadores de grama pra me ajudar a desmatar Viridian, eu arriscaria.

***

Espero que vocês estejam curtindo o retorno do HBD. Em breve, apresentarei um projeto pra garantir que você nunca mais passe meses sem ver um artigo novo aqui. Conto com seu apoio!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

20 comments

  1. Zelda: Skyward Sword também possuí um bug que impede de continuar o jogo, mas nesse caso a Nintendo disponibilizou um software na eShop que consertava o seu save, já pode mudar esse placar pra -5.

  2. Tem também o clássico bug do Madd Dogg no GTA San Andreas. O bug acontecia quando você usava muitas cheats ao longo do jogo. Em determinado momento, você tem que salvar o Madd Dogg de uma tentativa de suicídio, buscando um caminhão com feno na carroceria e posicionando o veículo no local onde o rapper se jogaria. Só que, com o bug, o personagem se jogava imediatamente após o fim da cut scene, não dando tempo do nosso protagonista buscar o caminhão, e consequentemente impossibilitando a missão de ser completada. Esse bug travava completamente o progresso do jogo, e só havia duas alternativas: ou você baixava um save com essa missão feita e continuava o jogo, ou reiniciava do zero e parava de usar as “manhas” feito um filho da puta.

  3. Se fizer um trade do ‘M pro Pokemon Yellow, ele vira outro glitch, o 3TrainerPoké$, cada um com habilidades diferentes e tudo mais!

    Enfim, que bom que o HBD ta voltando à ativa!

  4. Bem observado, o do Donkey Kong 2 eu já conhecia. Esses dias eu vi um bug do Ultimate Mortal Kombat 3 também que além de travar o jogo, queima o cartucho também! Mas acho que o bug mais legal é o Credits Warp do Super Mario World que te possibilita chegar ao final do jogo na primeira fase! É bem difícil realizar esse bug.

  5. A Rockstar lançou GTA4 com um bug bizarro na ÚLTIMA missão do jogo! kkkk

    Nela acontece um momento que você precisa apertar um botão no momento certo. Só que a programação da ação ficou definida (sincronizada) para uma quantidade de FPS e o jogo nessa parte roda com outra quantidade FPS. Resumindo era impossível fechar a história!!! kkkk

    Óbvio que lançaram um patch que corrigiu, mas esse bug virou o clássico de quem jogava o piratex…

  6. Nuss man esse foi o melhor argumento que já vi para fazer eu comentar algo… “VC NAO ESTA FAZENDO NADA MESMO!!!”
    Bateu até um depre aqui… Mas em minha defesa hoje estou de folga 🙂

  7. Izzy! Se tivesse como enviar imagem por aqui enviaria u print do meu save de DKC2! Estou bem nesta parte do glitch… na verdade passei desta fase, mas sempre volto nela para pegar aquelas moedas cinza, estou batendo cabeça para passar da fase como cobra 😛

  8. Esse do Myth 2 não parece tão improvável quanto você descreveu. Não sei se era assim na época, mas hoje muito programa pede pra você escolher o local da instalação, e aí cria uma pasta lá dentro. Se fosse assim já, um coitado poderia escolher o C:\ esperando que o instalador criasse o diretório c:\myth_2 e instalasse o jogo lá dentro, né? E pior, se isso não acontecesse e o cara reparasse naquele monte de arquivo solto na raiz, o que ele pensaria? Acho que se fosse eu seria “que bosta. Bem, vou desinstalar e instalar de novo, ele deve apagar só os arquivos do jogo e deixar os outros, claro”. Já estou ficando puto só de imaginar…

  9. Tem um bug no Prince of Persia The Warrior Within que quebra teu jogo.

    Em uma das últimas vezes que tu tem que fugir do Dahaka antes de tirar a máscara, tu tem que andar em umas vigas no teto pra que o Dahaka não te veja. Se tu cair das vigas e usar o poder de voltar no tempo, tu vai bugar o Dahaka fazendo que a cena em que tu tira a máscara não rode. Se a cena não ocorrer não dá de prosseguir no jogo.

  10. Uma observação antes sequer de adentrar a lista: outro dia eu caí em um canal no Youtube que aparentemnete devota uma fração de seus vídeos em investigar se alguns cenários que “quebram” Pokemon (como ficar preso no início da Liga com apenas 6 Magikarps, sem ter como voltar pra Viridian sem Strength, Surf ou Fly) são realmente inescapáveis ou não. Aparentemente a maioria deles envolve usar o golpe “Struggle” até você conseguir evoluir um Magikarp, e daí é só alegria(mais ou menos).

    Enfim, prossigamos com o texto… :V

  11. Se você for dar o “crédito” do MissingNo pra GameFreak, então o placar tá mais pra um empate entre Nintendo, Team Ninja, Rare, Bungie e GameFreak 😛

    Mas os campeões em travar seu jogo em um estado em que era impossível ganhar certamente eram os Point and Click dos anos 80/90. Dizem que a Sierra era mestra nisso 😉

  12. A explicação do MissingNo é mindblowing legal (e faz todo sentido).

    Izzy você já viu “glitch runs” de pokemons red/blue/yellow? É de se assistir no fast foward porém é bem legal, os caras jogam de cabo a rabo explorando todos os glitchs possíveis do jogo, o objetivo é não jogar nenhuma parte do jogo normalmente.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *