Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Elon Musk é acusado de machismo porque não segue mulheres no Twitter

Postado em 7 October 2016 Escrito por Izzy Nobre 14 Comentários

Eu já falei aqui que é impossível agradar os idiotas úteis que compoem a força dos movimentos de justiça social? Talvez não, porque é tão auto-evidente que apontar este detalhe torna-se até redundante. Mas enfim, tenha isso em mente, porque será relevante na história.

musk

Pra quem não sabe, o sujeito aí é o Elon Musk. O cara é um empresário sul-africano que na juventude imigrou (graças a conexões familiares) pro Canadá, que ele então usou como um atalho pros EUA — dando mais legitimidade à lenda de que somos o quintal americano.

Musk tornou-se bilionário (e, eu acrescentaria, o homem mais interessante do planeta no momento) perseguindo um sonho maluco de empreendedorismo e inovação. E não o empreendedorismo e inovação a la Bel Pesce, que está tão em alta no Brasil ultimamente pelo jeito. Em vez de platitudes vazias sobre “acreditar em seus sonhos!!!”, curtos estágios intencionalmente caracterizados na mídia como posições de liderança e “aulas” de como ser empreendedor, Musk vende soluções. Durante a explosão das pontocoms nos anos 90, ele bolou o que eventualmente tornaria-se o PayPal; mais tarde, ele investiria boa parte dessa grana na então semi-inexistente indústria de veículos elétricos e na expansão espacial comercial.

E é com essas duas empreitadas que ele está ocupado atualmente — acabar com nossa dependência de combustíveis fósseis, o que está destruindo nosso mundo tanto ecologicamente quanto geopoliticamente, e sair fora dessa porra de planeta desgraçado. Aparentemente isso não é o suficiente para os sacerdotes do culto da justiça social, que insinuaram que o sujeito é um bosta porque… não segue mulheres o bastante no Twitter.

No artigo do Motherboard, o argumento é que Elon Musk não segue mulheres porque é machista ou coisa equivalente. Eles não dizem isso diretamente, talvez porque o non-sequitur da acusação fique claro se alguém a verbaliza de forma explícita. Só que a insinuação está lá e é mais pesada do que o Interplanetary Transport System, o maior foguete da história no qual o cara tá apostando todo o futuro da empresa simplesmente porque é a primeira pessoa na história da raça humana a levar a sério a idéia de explorar outros planetas e vocês ainda estão enchendo o saco dele com babaquice.

A autora do artigo até aponta que o cara segue apenas 54 contas, a grande maioria delas de sites de notícias. Em vez de concluir que o Musk não está lá tão interessado no bate-boca que nos atrai ao Twitter, e que por isso sua lista de seguidos não pode ser usada como um medidor apropriado de suas inclinações e preferências sociais, a implicação é de que o cara é um machista do caralho que silencia mulheres.

Provando, mais uma vez, que o MO da justiça social de internet é achar qualquer coisa que possa ser tangencialmente caracterizada como malícia, e insistir ferrenhamente pros outros “fieis” de que não há outra alternativa. Se o Musk, que quase não segue NINGUÉM no Twitter, não está seguindo mulher, SÓ PODE SER MACHISMO.

No texto, a filha da puta fala casualmente que “sabemos que pelo menos uma mulher trabalha pro Musk, a Gwynne Shotwell”. Que é apenas a PRESIDENTE da porra da SpaceX — uma empresa que está, preciso relembrar o leitor, TRAÇANDO NESTE EXATO MOMENTO PLANOS CONCRETOS PARA A EXPLORAÇÃO E COLONIZAÇÃO DE MARTE. E uma mulher tá apitando essa porra toda.

“Pelo menos uma mulher trabalha pro Musk”, ah, vai se foder, na moral.

É frequente nestes círculos a cobrança de que empresas de tecnologia dêem mais oportunidades para mulheres, e ter uma mulher no comando da SpaceX é incrivelmente notável. Mas como este detalhe é contrário à narrativa de que o Musk é algum tipo de piroco opressor, o papel de liderança da moça é citado brevemente, como quem o faz por obrigação. E as DÚZIAS de outras mulheres que trabalham na SpaceX são completamente apagadas, porque aparentemente, só sabemos de uma que trabalha lá.

Imagine o quão mais produtivo pra alavancar sua causa teria sido se a Motherboard fizesse um artigo sobre a trajetória da Shotwell na SpaceX. Seria excelente, só que como isso vai contra a narrativa de que é impossível uma mulher ser bem sucedida no ramo tecnológico porque “patriarcado”, dá pra entender por que a colunista achou mais interessante manufaturar uma controvérsia literalmente do nada ao mesmo tempo que menciona a mulher só de passagem e finge que não há outras na empresa.

A autora insistindo que o Musk não seguir mulheres “é um problema” é de um asco extraordinário. Não é de hoje que noto que no centro da ideologia de justiça social mora um autoritarismo repugnante; não consigo pensar em algo mais mesquinho e controlador do que ditar quem alguém deve seguir. Seria hilário se em reposta o Musk seguisse a Christina Hoff Sommers, ou a Shoeonhead, ou a Lauren Southern.

A propósito: não há como vencer com SJWs. Simplesmente não há. Tal qual a cena clássica de Goodfellas, uma vez que os paladinos sociais decidiram que você é um alvo, não importa o que você fala ou faça — eles vão, com a facilidade característica de alguém que pratica isso religiosamente, torcer qualquer coisa que você diga como algo ofensivo.

Por exemplo: o Musk tentou explicar que prefere usar o Instagram como rede social, e o Twitter pra consumir notícias. Lá, ele segue um número igual de homens e mulheres (tem até uma brasileira). Ainda assim, repare que é constante sua seletividade nas redes sociais: ele só segue 12 pessoas lá.

A resposta da autora? Insinuar (novamente, eles nunca acusam diretamente — talvez porque uma acusação explícita requer embasamento?) que ele faz isso só pra espreitar as fotos das minas. Este aqui sugeriu que uma mulher no Instagram não tem nada a oferecer além de sua imagem (o que me soa como algo INACREDITAVELMENTE sexista, vá entender esse povo).

O cara então resolve seguir uma moça, a editora da revista americana GQ. A reação dos SJW, obviamente, é zoa-lo por isso E sugerir que ela bloqueie o cara de pirraça. Lembra que eu falei láááá no começo que não adianta tentar se curvar às exigências?

O Motherboard fazer o Musk parar (mesmo que só por dez segundos) o seu trabalho de expansão planetária humana pra responder essa imbecilidade é basicamente um crime contra a humanidade.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: A internet é foda

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 32 anos, também sou conhecido como "Kid", e moro no Canadá há 13 anos. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas, e sobre notícias bizarras n'O MELHOR PODCAST DO BRASIL. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

14 Comentários \o/

  1. DoAssogue says:

    O cara podia falar que não segue porque é dominado pela esposa e a muié dele não deixa.
    Ia ficar bonito pras feministas!

    • Rúbia says:

      As vezes o que a pessoa realmente quer é receber atenção. Pode ser tanto pelo mecanismo instintivo, quanto planejado.
      Instintivo, no caso, a mulher não muito atraente tenta chamar atenção de seu ídolo.
      Planejado por outro lado, veja como agora estão noticiando o que ela fez…
      “Doida acusa Famoso de algo que ele não fez. Leia neste artigo como pessoas podem ter ideias bizarras!”
      É um click-bait em cadeia. Ela ganhou atenção, visitantes no artigo. Você ganhou visitantes, deu alguns à ela.
      Agora a Doida tem seu site revirado em busca de mais bizarrices. Por teus leitores e por todos que acompanham o Famoso reportado.
      Todos ficam felizes. Ad-sense, Anunciantes, Sr Elon, Sr Izzy, RadFem, SJW, PC, Felipe Neto, e muito mais!
      :O

  2. Cris says:

    *Duplo facepalm*

    Sinceramente, se a autora do artigo quer tanto assim aparecer, ela sempre pode pendurar uma melancia no pescoço.

    • Cris says:

      Mal aí. Então, essa senhora poderia usar a clássica melancia no pescoço. É mais barato e menos vergonhoso do que ficar falando besteira na internet sobre alguém que você nem conhece.

  3. Anderson says:

    Este artigo da Motherboard é uma das coisas mais imbecis que eu já li na vida. Parabéns aos envolvidos.

  4. tiacotinha says:

    Só estou comentando pro Izzy não desistir desse brog, nem que seja um post por mês. Tou aqui, alcoolizado da night ainda, na rodoviária esperando um ônibus pra uma viagem de 3h e seus textos serão meu passatempo. Dito isso, vamos ao post. Sou estagiário em um banco, trabalho em um escritório com 20 pessoas, 17 mulheres e 3 homens. As posições de comando da área (coordenador, gerente e diretor) são ocupados por mulheres. Mais sexista que essa galera SJW n

  5. tiacotinha says:

    Só estou comentando pro Izzy não desistir desse brog, nem que seja um post por mês. Tou aqui, alcoolizado da night ainda, na rodoviária esperando um ônibus pra uma viagem de 3h e seus textos serão meu passatempo. Dito isso, vamos ao post. Sou estagiário em um banco, trabalho em um escritório com 20 pessoas, 17 mulheres e 3 homens. As posições de comando da área (coordenador, gerente e diretor) são ocupados por mulheres. Mais sexista que essa galera SJW não existe, eu admiro minhas chefes pela incrível competência. Aqueles admiram por serem mulheres.

  6. Overboy says:

    Tenho uma ideia assim: Dá liberdade de movimento às pessoas e elas vão se agrupar no que mais lhe interessa individualmente.

    Isso faz com que indivíduos que gostem de esportes colaborativos agressivos se juntem em time de Rugby, e por exemplo, pessoas com algum transtorno comportamental se juntem em alguma seita de ideias bizarras.

    Dando força a grupos que jamais existiriam se essas mesmas pessoas não pudessem se mover ou se comunicar. Como era antigamente.

    Hoje com internet, se você gosta de snuff videos de homens tendo o testículo sendo perfurado por um prego enferrujado, você vai encontrar grupos (provavelmente no brchan) pra conversar, compartilhar experiências, E:

    Tornar sua ideia não tão bizarra para a população, em busca de aceitação, pra sair do armário e não ser mais uma minoria oprimida.

  7. Lucas de Oliveira Martins says:

    Caraca essas pessoas não arranjam o que fazer e ficam enchendo o saco do cara. MDS.

  8. Pqp!
    Eh muita leseira.
    As pessoas procuram defeitos… Falhas. Eh uma merda isso!
    Quando nao se acha, inventa.

  9. Cabral says:

    Ai sim gosto desse site pois ele nao abaixa a cabeça a grande midia ;}

    parabéns izzy

  10. Agronopolos says:

    O grande problema não é o povo do SJW…
    Mas sim os caras que querem dar uma de SJW para poder expor sua opinião e causar confusão
    (é como se fosse uma praga/virus que engana o sistema imunologico do corpo para se parecer com um deles mas causando problemas)

  11. André says:

    Por ela logica, se vc seguir gays no tuiter, isso significa que vc tá doido pra dar o cu.