[ Artigo Clássico ] Alluda Majaka, um HILÁRIO filme de ação indiano!

(Postado originalmente em março de 2010)

Alluda Majaka

Eu não sei nem o que dizer sobre o poster do filme.

Você deve saber que a Índia, além de monopolizar call centers e competir com a China pela posição de provável superpotência mundial nos próximos 20 anos, tem uma afeição por cinema.

Acredito que isso aí é o equivalente indiano de “Senhor e Senhora Smith”. London deve ser “Smith” em indiano.

E a máquina do cinema indiano – referida carinhosamente como “Bollywood” — não se limita a comédias românticas não recomendadas pra diabéticos nem drama mela-cueca, não! De vez em quando um estúdio qualquer libera alguns quatrilhões de rúpias (a Índia, como qualquer país fodido que se preze, deve ter uma inflação astronômica), e algum Steven Spielberg de bigode põe a mão na massa e tentam emular a ação cinematográfica americana.

Olha só. Se você alguma vez se lamentou pelo fato de que o cinema brasileiro não faz tentativas similares, rapidinho você vai entender que isso é na verdade uma benção. Xeu explicar por que.

O cinema indiano é que nem a menina de 7 anos que, após observar a mãe se arrumando pro trabalho, pega o estojo de maquiagem e pinta a cara com oito cores diferentes, passa baton na orelha, come um pouco do ruge e vomita em cima da cama: através da observação eles pegaram a idéia principal, mas a execução – além de falhar catastroficamente – é uma das coisas mais engraçadas que você já viu na vida.

Estava eu noutro dia passeando por um desses fóruns em que os usuários, unidos pelo amor pela pornografia, trocam largas quantidades de links pra todo tipo imaginável putaria. Um dos foristas devia ter dado Ctrl C no link errado, porque o que ele postou no tópico foi isto aqui.

O épico acima se chama “Alluda Majaka”, e a única coisa que sei sobre ele é que é um filme de ação indiano lançado em 1995.

O forista misterioso, que nunca mais retornou ao tópico aliás, não nos deu nenhum contexto em relação ao filme ao qual a incrível cena pertence. Fomos obrigados a teorizar que é um trecho de Puta Que Pariu! – O Filme.

O filme (vou tratar a cena como se fosse O FILME, tá? Mais fácil que ficar falando “naquela cena do filme…” o tempo todo) abre com o nosso Herói algemado e sendo levado de camburão à delegacia – provavelmente.

Que crime o sujeito teria cometido? Podemos ver que ele adere pelo menos a uma das leis indianas mais importantes, que é manter um bigode de pelo menos 8 centímetros de comprimento. Então, não deve ser um completo fora-da-lei.

Como o Herói tinha coisas mais importantes a fazer naquele dia (“não ser espancado por policiais corruptos de terceiro mundo”, logo após “levar o menino pro dentista”), ele nem pensa duas vezes – com potentes chutes bem no meio do peito de seus captores, ele os projeta pra fora do camburão, derrubando as portas laterais que estavam presas por um clipe de papel aparentemente.

O Herói salta pra fora do veículo, desce o cacete em mais um policial armado. Enquanto ambos dançam um balé coreografado, o policial dispara vários projéteis.

Considerando que a Índia é um dos países mais populosos do mundo, cada uma daquelas balas deve ter matado ao menos cinco transeuntes. E se os tiros forem à queima-roupa, estamos falando de vários metros de bigodes chamuscados.

O policial então é arremessado contra o primeiro de muitos parabrisas que explodirão ao longo do filme. Um outro tira apanha o rádio e chama reforços, e então começa a perseguição mais alucinante (e surreal) jamais capturada em celulóide.

O Herói sai correndo no meio de um engarrafamento, e um dos policiais acredita que é uma boa idéia persegui-lo DE MOTO, EM ALTA VELOCIDADE. Previsivelmente o motociclista se enfia no primeiro veículo  que bloqueia sua trajetória, e o impacto projeta o pobre policial a órbita geosíncrona.

blastoff

O Herói jamais pára, nem mesmo após ter praticamente iniciado o programa espacial indiano. Dois jipes tentam bloquear sua correria, mas o habilidoso indiano pula por cima dos dois como se fosse um ginasta olímpico. Se o Herói fosse um personagem de 3D&T, ele e seu bigode juntos teriam oito pontos de Habilidade.

O cara então decide que esse negócio de andar no chão é meio perigoso e decide sair correndo por CIMA dos carros. Quando menos se espera, o espaço aéreo da região é invadido por uma moto voadora inexplicável (que diabo de técnica de perseguição policial é essa? “Jogue uma moto contra o suspeito!”?), mas o Herói desvia com habilidade e escapa.

E aparentemente ele gastou toda a habilidade dele, porque na queda ele engancha o pé entre dois carros. De longe vemos outro jipe da polícia, em alta velocidade ao seu encalço. Nosso Herói se tornará pizza de asfalto em poucos segundos, e os créditos rolarão.

O nosso MacGyver asiático então remove um pedaço do carro sob o qual ele se encontra preso, e o arremessa contra o jipe que se aproxima. O troço se prende à grade do jipe e por motivos que desafiam tudo que conhecemos sobre as leis naturais que regem o universo, isso faz o jipe sair voando.

Futuramente disponível no Flight Simulator - Indian Edition

A única maneira dessa sequência fazer sentido é se as viaturas policiais indianas têm um “modo avião”, assim como o meu celular, mas de forma mais literal. O susto provocado pelo cano arremessado contra o jipe fez o policial apertar um botão sem querer, que causou o jipe a decolar com destino à altitude comercial de trinta mil pés.

Infelizmente como a decolagem súbita não foi antecipada pelo motorista/piloto,  ele falhou em checar todos os sistemas pré-vôo. Por isso, o reversor da turbina invisível (outra tecnologia indiana que um dia dominará o ocidente) não foi desativado, resultado num desastre aéreo que vitimou os tripulantes do carro/aeronave.

Agora, a próxima cena é importante. Eu imagino que eles mataram uns sete ou oito cavalos filmando essa sequência.

Uma inexplicável cavalaria aparece em perseguição do Herói. Por que afinal de contas, se motos e carros não conseguiram alcançar o cara, talvez um downgrade nos modos de transport… wait, isso não faz o menor sentido, porra! Eu imagino que o diretor do filme ganhou esses cavalos numa rifa ou algo assim, e decidiu que ia coloca-los na fita não importa o que.

(Aliás, deixa eu mencionar aqui que a trilha que toca na cena é familiar porque uma musiquinha muito semelhante foi usada no filme A Rocha)

Na tentativa de apreender o fugitivo, um dos policiais montandos enfia as patas do cavalo por mais um parabrisas. O Herói, mais safo que um sabonete besuntado com KY, escapa por um fio mais uma vez.

É nessas que dois dos tiras chegam mais perto e, usando laços que soam como QUALQUER COISA menos laços, conseguem capturar o Herói. E eles saem arrastando-o pela rua, levantando ainda mais questões sobre os procedimentos policiais indianos.

Eis que um poste se aproxima. Os policiais que seguram as cordas vão um pra cada lado do post, o que implica que eles planejavam realmente matar o protagonista, ou não entendem como o corpo humano funciona.

O Herói, agindo rapidamente pra salvar a própria vida salta do chão e… acerta o poste com a virilha. Isso mesmo. ESSE ERA O PLANO DELE: bloquear o impacto com os testículos.

Essa acrobacia – que se tivesse acontecido no planeta Terra teria partido o personagem em duas fatias simétricas – não apenas salva a vida do cara, como também faz os cavalos que o arrastavam dêem uma cambalhota em câmera lenta e caiam num mangue que brotou ali nas rendondezas.

Alguém escreveu essa cena, leu-a, e pensou "yep, é assim que o mundo real funciona"

E pra tornar a coisa maleficamente hilária, você pode ver claramente os fios que usaram pra fazer os cavalos tropeçarem de cabeça na água rasa. E seus jóqueis saem voando, como praticamente tudo no filme.

Mas ainda há outros policiais montados atrás do protagonista. Usando a corda que o prendia (e que não está atada a nada, lembre-se), ele derruba o resto da cavalaria inteira.

Novamente, atente pros fiozinhos atados nas pernas dos pobres animais. Dá pra ver elas por um segundo, logo antes do momento em que os bichos enfiam a cara no chão enquanto desenvolviam velocidade máxima.

O Herói, que até então tava se dando muito bem a pé, decide pegar emprestado um dos cavalos que não sofreu traumatismo craniano na queda. E surgem do éter indiano mais policiais montados correndo atrás do cara.

E chega um momento icônico do filme, imortalizado na internet no formato .GIF. Quando um caminhão bloqueia a trajetória do Herói e seu cavalo, o cara faz a coisa mais fisicamente impossível jamais concebida por um escritor de filme de ação. Nem quando brincava com meus bonequinhos eu desrespeitava tanto as leis universais que descrevem movimento e fricção.

O cara poderia ter pulado o caminhão com facilidade, já que  a cena inteira parece acontecer num cenário montado na Lua. Ao invés disso, ele DESLIZA COM O CAVALO POR BAIXO DO CAMINHÃO, como se este estivesse deitado em cima de vários skates.

Já o jipe que perseguia o cara passa voando sobre o caminhão, de acordo com o esperado.

cena

Tou sem palavras pra descrever o resto do filme. Há mais sequências-clichê de gente (e objetos inanimados) voando, parabrisas sendo estilhaçados, nego caindo por cima de balcão de feira de fruta, tá tudo lá.

Tal qual o exemplo da criança tentando se maquiar, todos os elementos da perseguição hollywoodiana estão lá, mas misturados exageradamente um por cima dos outros, de uma forma que o resultado final é praticamente uma paródia do objetivo desejado.

E pra não dizerem que faltou explosões, a seqência termina com a ignição espontânea de uma frota inteira de carros, e o uso mais evidentemente óbvio de chroma key que eu já vi na vida.

Industrial Light and Magic, filial de Nova Déli

Se você achava que o uso da técnica em Chaves era hilariamente forçado, think again.

A cômica incorência do filme se estende até ao artigo da Wikipédia que o descreve. Segundo ela,

The movie was directed by E.V.V. Satyanarayana and was released in 1995, at a time when Chiranjeevi was slightly less obese than usual.

Ou seja, o filme foi lançado em 95, quando o ator principal “era menos obeso do que de costume”. Não “menos gordo”, veja bem.

Menos OBESO. O ator principal da película é alguém que, quando em seu melhor condicionamento físico, é referido como “MENOS OBESO”.

O humor não-intencional de Alluda Majaka é tão denso que passa por osmose até mesmo pras mídias relacionadas, como esse artigo da Wikipédia. O descompromisso com a realidade é tamanho que, perto desse filme, Comando Para Matar e Stallone Cobra parecem documentários.

Temo que o imperialismo norteamericano que oprime a indústria de locadoras aqui  do bairro me impedirá de assistir Alluda Majaka em toda a sua glória e esplendor, mas eu sinto que esses cinco minutos aí do youtube me mostraram tudo que eu precisava saber sobre o filme.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

14 comments

  1. “competir com a China pela posição de provável superpotência mundial nos próximos 20 anos”

    Pô Izzo, ta meio bem por fora da economia internacional em?

      1. hahahha foda, o cara lê o texto esperando algo pra criticar, e não leu (ou preferiu não considerar o mais óbvio) o começo.

        1. “hahahha foda, o cara lê o texto esperando algo pra criticar”

          É cara, porque eu sou -- ou melhor, era -- um crítico de posts, verdade! Dediquei a minha vida a corrigir erros e mal entendidos da internet.

          Não é como se eu tivesse simplesmente não visto aquela frase pequena no começo do post (talvez pensado que fosse a data ou um simples cabeçalho) e tenha feito apenas um comentário inofensivo. Não, internet é serious business e 100% dos comentários são críticas ferrenhas, praticamente disputas para o título de macho alfa.

          Enfim, eu ataquei os conhecimentos e a imagem do izzy ferozmente, como o seu gato que quase arrancou seus testículos, disse que ele estava errado para todos verem e então saí voando vitoriosamente rindo da vergonha que o izzy estava passando por ter sido totalmente humilhado na frente de todos os habitantes do universo. Uma pena que o tiro saiu pela culatra.

          Agora meu império de conhecimentos sucumbiu, eu estou escrevendo este comentário através de uma calculadora de 1.99 já que não mais tenho um computador: meu ego foi totalmente destruído pois cometi este erro, perdi meu emprego, minha esposa me deixou, meus filhos me abandonaram e até meu cachorro me mordeu e mijou em mim. Estou arruinado, quem mandou eu pular uma frase?

          Espero que minha experiência de vida ensine algo para as futuras gerações. Peço perdão a todos os que se sentiram ofendidos, e perdão às vítimas, principalmente ao izzy.

    1. Mais uma coisa.
      no 1:41 segundos do video da pra ver claramente o “truque” para fazer o cavalo cair de fuça no chão.
      O bicho tá com a pata amarrada.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *