Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Amigos da direita: Ela ganhou. O jeito agora é aceitar.

Postado em 28 October 2014 Escrito por Izzy Nobre 57 Comentários

dilma

Eu não costumo escrever sobre política aqui, por alguns motivos bem simples.

Primeiro, eu não entendo porra nenhuma de política. Embora isso não sirva como empecilho pra muita gente que fala sobre política, pra mim serve. Não entendo nem a política canadense, que afeta DIRETAMENTE a minha vida, que dirá então a política de um país onde eu não moro desde 2003.

Em segundo lugar, política é uma parada CHATA. Sim, eu sei que você vai dizer que é tolice não se educar politicamente por ser algo “chato”. Assim como quase todas as outras coisas que precisamos estudar, política é chata, mas necessária.

E aqui vem o problema principal do meu desinteresse político. Não é porque eu teria que estudar a campanha dos candidatos, as filosofias do partido ou seus históricos de governo; é porque não importa quanto eu estude e me dedique a compreender o assunto, mais ou menos metade de todas as pessoas que me ouçam falando sobre política vão me chamar de ignorante de qualquer forma.

É inevitável. Eu podia passar dois anos lendo biografias da Dilma ou do Aécio, entrevistando seus amigos e famílias, acompanhando suas jornadas políticas, analisando as estatísticas resultantes dos governos de cada um. Imagine que eu recebesse uma bolsa de estudos (totalmente apartidária) e me falassem “aqui estão 100 mil dólares pra cobrir todas as suas despesas pelos próximos dois anos. Daqui pra lá você não vai fazer NADA da vida senão analisar os dois candidatos”.

Mesmo nesse cenário completamente impossível em que eu me tornaria literalmente um EXPERT nos dois candidatos, mesmo que eu fosse um ser de pureza apartidária angelical e analisasse ambos candidatos com completa objetividade… se no final desse período eu declarasse “com base em toda a minha pesquisa em decidi que o melhor candidato para o Brasil é ______”, aproximadamente 50% do povo me vilificaria pela decisão.

Não haveria escapatória. Se no final dessa experiência hipotética eu chegasse à conclusão de que a Dilma fará uma presidente melhor, serei chamado de comunista, estadista, economicamente cego e sustentado pelo Bolsa Família. Se em vez disso eu desse apoio ao Aécio, serei chamado de coxinha reacionário ignorante a causas sociais. Por mais que a tal experiência sem dúvida me desse um insight maior sobre política do que o seu amigo que bota o nome do candidato na própria CARA nas redes sociais (voto secreto pra quê?), se minha decisão favorecesse o outro político, ele provavelmente me demonizaria de imediato, sem concessões.

Mesmo sabendo tudo que se há de saber sobre os dois, inevitavelmente eu estarei “errado” pra metade do país. Isso pra mim é como se um médico e um completo leigo tivessem chances iguais de diagnosticar um paciente.

E aí está o problema fundamental nessas disputas que envolvem algum tipo de filosofia — algo extremamente subjetivo por natureza. É difícil então tratar do assunto de forma objetiva e ponderada, vira rivalidade de torcida de futebol. Eu digo com plena certeza que não fui o único que perdeu amigos ao se manifestar em relação a um dos candidatos (e olha que eu nem apoiei nenhum, no máximo falei coisas como “Mas o Aécio até que fez aquilo lá, né? Por outro lado a Dilma fez isso aqui também, então tem isso”).

Mas pra quem só aceita apoio incondicional das suas ideologias políticas, QUALQUER palavra positiva em relação ao oponente já te rende status de inimigo da democracia que não sabe votar; o real culpado do estado atual do Brasil.

Esse maniqueísmo é o que me desinteressa na política. Mais ainda do que a certeza inabalável de que não importa quem ganhe, de uma forma ou de outra o Brasil continuará a mesma merda (cê acha MESMO que um presidente é diretamente responsável por TODO o governo…?), é o fato de que é uma discussão extremamente polarizadora que não convence ninguém a nada e finda amizades.

Eu não tenho nada ganhar debatendo política.

A Dilma venceu. Não sei o que isso significa para o Brasil num longo prazo; espero o melhor possível. Sendo totalmente apolítico, eu espero que ela tenha o melhor governo possível. Sair postando screenshtos da Bolsa de Valores em queda/dólar disparando num espírito meio “BEM QUE EU AVISEI EIN, QUE DELÍCIA O PAÍS INDO PRO CARALHO, ASSIM POSSO PROVAR QUE EU ESTAVA CERTO, SERIA TERRÍVEL SE A DILMA FIZESSE ALGO BOM PARA O PAÍS E ASSIM MINHAS IDEOLOGIAS FOSSEM CONTRARIADAS” me faz questionar MUITO suas motivações políticas.

Qualquer pessoa que se delicia com “desgraça” nacional porque isso a faz se sentir vindicada me faz pensar o que o sujeito REALMENTE quer pro país.

A propósito, vamo parar com esse maniqueísmo imbecil de “buáááá mas vocês fizeram protestos e reelegeram a Dilma!!!!!1111“? Claramente quem protestou o governo dela não deve ter votado 13. Acontece que existem 200 milhões de pessoas no Brasil, e você certamente não viu todas elas na rua — porque quem está satisfeito/indiferente com a coisa, duh, ficou em casa mesmo. A observação que “mas vocês protestaram a Dilma e votaram nela de novo COMO É POSSÍVEL ISSO” é de uma miopia incrível; é como ver uma torcida chorando pela eliminação de seu time do campeonato e comentar “mas eu estava olhando praquele outro lado do estádio e todos estavam celebrando o mesmo jogo, não compreendo!”

Vou me repetir aqui: Não sou de esquerda. Não sou de direita. Sou ignorante sobre ambos os governos. O direita teria feito um trabalho melhor pelo nosso crescimento econômico (ou pelo menos é o que alegam meus amigos aecistas), enquanto a esquerda tem melhorado de forma geral a condição dos brasileiros mais miseráveis (ou pelo menos é o que dizem meus amigos dilmistas).

Como em toda discussão, acredito que ambos os lados estão pelo menos parcialmente certos, mas pelo menos por enquanto é a causa social, e não a econômica, que venceu.

Se esse não era o seu ideal nessas eleições, convido-o a ao menos ver o melhor lado disso (menos pessoas irão dormir com fome, talvez?), porque afinal de contas não há outra alternativa.

Se regozijar na hipotética desgraça do país porque assim todos verão que você estava certo apenas prova que você está mais preocupado com o próprio ego do que o futuro do Brasil, e se essas são suas motivações nas urnas eu o convido a ficar em casa daqui quatro anos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Avisos Gerais

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 32 anos, também sou conhecido como "Kid", e moro no Canadá há 13 anos. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas, e sobre notícias bizarras n'O MELHOR PODCAST DO BRASIL. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

57 Comentários \o/

  1. Alan says:

    ou decorrermos pra um impeachment!

  2. Victor says:

    Petralha! LOL Brinks.
    Cara, você está absolutamente certo. A maioria das pessoas já fez sua “decisão emocional”, e só iriam mudar se por acaso fossem afetados diretamente por um candidato, do tipo “vamos derrubar sua casa pra fazer uma estrada e não te dar nada”. De resto, roubalheira, corrupção, políticas econômicas, nada é o suficiente pra mudar a opção de alguém que já tem sua crença bem estabelecida.

    Só discordo quando você diz no título que “temos que aceitar”. Mais ou menos… se discordamos, temos que reclamar, que fazer o governo nos ouvir. Não é o que o caro Luiz Nobre faz, mesmo não morando no Brasil?

    • Sobre a parte que o Izzy falou e você marcou sobre “temos que aceitar”.

      Eu discordo assim como você da afirmação dele, porem acredito o seguinte, temos que continuar debatendo ambos os lados, tanto a oposição como o governo atual.

      Acho que o pais poderia se beneficiar da melhor coisa de ambos os lados, consigo ver no futuro o momento que vamos finalmente deixar nosso Brasileirismo (egoismo e ego) de lado para podermos nos ajudar, cada um contribuindo com o que tem de melhor.

      • francion linhares says:

        esselente comentario. o debate nesse governo vai diferenciar a vitoria ou a derrota do brasil vai ser os debates.

      • Jeferson says:

        Eu acredito que a conotação do “temos que aceitar” tenha mais a ver com “agora ela é a mandatária oficial, respeite” do que “as políticas delas são assim, aceite”. Quanto votamos não damos cheques em branco pra quem é eleito, temos que cobrar e fiscalizar tudo o que eles fazem e se não estivermos contentes vamos pra rua. As manifestações do ano passado tinham mais a ver com como as coisas são feitas (política) do que as pessoas que as fazem (políticos).

  3. francion linhares says:

    Izzy, o governo dela foi muito bom para o nordestino. O nordeste creceu esse ultimo governo 4,1% bem acima de media do Brasil. So no primeiro semestre desse ano foi criado 1.3bi de empregos. ela nao fez um mandato muito bom mais pro nordeste foi praticamente perfeita e eu nao falo isso pelo bolsa familia e etc… mas gostei muito do texto o por incrivel que pareca e deisse jeito que acontesse. sempre um lado e burra.

  4. Rodolfo Castro says:

    Votar em um ou outro não é motivo pra eu não poder exigir melhoras e protestar caso o(a) candidato(a) que eu escolhi vença. Se Aécio ou Dilma vencessem, eu exigiria melhoras dos dois, e protestaria por melhorias na educação como sempre fiz.

  5. André K. says:

    Parabéns, Izzy. Um texto ponderado e honesto.

  6. @gortheus says:

    A expectativa para o governo da Dilma não parece ser das melhores, assim como minha visão sobre como ela vai tratar a economia e a democracia como um todo. Sim, vou ser um dos caras chatos que irá dizer “eu avisei”. Aliás, como já estou meio puto com o Brasil (e não é só porque a Dilma ganhou) pretendo falar isso estando o Canadá. (Aliás, pesquisei e vi que, Calgary tem um custo benefício muito bom de salário/custo de vida, então talvez eu te conheça)

    Mas, com toda a sinceridade do mundo, estou tentando ser otimista, torcendo muito para que próximo ano todo mundo venha me mandar mensagem dizendo que eu estava errado e rir da minha cara.

    Infelizmente, o futuro não me parece dos mais promissores…

  7. João says:

    Desde quando dá uma mixaria para milhões de pessoas para que elas votem sempre no PT, no mais antigo estilo Coronelista, é “causa social”? Causa social é dar emprego, dar salário… e pra fazer isso tem que melhorar a economia.

  8. Victor Fernandes says:

    Izzy, concordo com boa parte do seu texto, mas discordo especialmente em um ponto:

    Dizer que o Brasil, independente de quem sejam seus governantes, vai continuar sendo sempre a mesma merda, não faz sentido algum.
    Isso seria o mesmo que dizer que o Brasil colonial, o Brasil durante a ditadura militar e o Brasil pós- redemocratização são a mesma coisa.
    É óbvio que qualquer mudança estrutural em um país não depende apenas da vontade do presidente ou de qualquer outra instância governamental, sendo um processo gradual ultra complexo.
    Porém, existem certos avanços em questões institucionais, políticas e sociais que são inegáveis ( realizados durante diversos governos de diversos partidos e matrizes ideológicas).
    Se você utilizar critérios básicos como índices sociais, participação politica popular e saúde institucional, o Brasil hoje é muito melhor do que na década de 1970, por exemplo.

    Abraços

    • Izzy Nobre says:

      “Isso seria o mesmo que dizer que o Brasil colonial, o Brasil durante a ditadura militar e o Brasil pós- redemocratização são a mesma coisa.”

      Não. Você está estendendo minha analogia. Se você ler a frase inteira, verá que me refiro ao poder de mudança que poderá acontecer em (relativamente) curtos 4 anos por causa exclusivamente de um presidente, que não é o único responsável pelo governo.

      A comparação que você fez engloba SÉCULOS de diferença, e mudanças governamentais maiores do que simplesmente a mudança de um presidente. Então, é uma péssima comparação.

  9. Diego Matias says:

    Izzy fala aceitar mas isso não significa deixar de ser crítico.

    O contexto do texto é da reclamação de parte dos eleitores de direita que insiste em desqualificar parte dos eleitores de esquerda: ah mas o voto dos moradores de X não vale… Mimimimimimi

  10. Victor Fernandes says:

    A questão é que grandes mudanças passam justamente por pequenos processos de escolha política. Desta forma, escolher um presidente X ou Y pode sim fazer alguma diferença para um país.
    Repito: não estou dizendo que mudanças estruturais aconteçam pela simples mudança de governo. Mas governos diferentes afetam sim a vida dos cidadãos de formas diferentes.

  11. Luciano says:

    Pois é;
    Única coisa que tenho que contraria do texto é que grande maioria (pelo menos dos meus conhecidos) que foram protestar, votaram na Dilma. Isso prova que assim como alguém foi protestar contra ela, muitas outras pessoas foram protestar contra outras coisas, só isso. E que muita gente prefere PT ao PSDB, né.

  12. Caio Magalhães Bechtlufft says:

    Eu vejo as pessoas falando em “impeachement” para a Dilma como se fosse uma prática comum no Brasil. O Collor sofreu o processo de “impeachement” mas não se esqueçam que ele era de um partido “nanico” e não tinha base no Congresso Nacional. Tirá-lo “foi fácil”. Imaginem todo o desgaste de um processo de “impeachement” da Dilma !
    Gostei do texto.

  13. Henrique says:

    Considerações finais

    rel="nofollow">

  14. Joelson says:

    Outro fator simples e primordial que muitos esquecem: o fato de uma pessoa escolher um ou outro, com base nas propostas que mais lhe agradam. Simples. Se as propostas da Dilma agradam tal pessoa, por que ela seria burra em votar nela? O mesmo vale pro Aécio e quem quer que seja. Isso é a base de escolha de um voto, e não anti isso, anti aquilo, ou simplesmente por ‘hate’.

  15. Bruno says:

    Tentei ficar o mais longe possivel das discussões politicas justamente por causa dessa dicotomia imbecil que as pessoas insistiam em te rotular(coxinha/esquerdalha e outros n adjetivos pejorativos) votei no que julguei ser o menos pior(sad but true) com a única esperança de que o candidato em questão nao mandasse o pais pro caralho. Vencendo ou não, espero que seja um otimo governo. Pois se for ruim amigo, quem se fode somos nós.
    No mais, ótimo texto Izzy, abraços

  16. VCR says:

    O problema dese maniqueísmo político é que os eleitores de um candidato NUNCA assumem que ele fez ou pode fazer alguma merda e o outro lado fez ou pode fazer algo de bom.
    Pegando essa polarização recente entre PT e PSDB: você jamais vai ver um eleitor do PT falando que o partido fez merda com o mensalão e questionar a não expulsão do partido dos vários condenados no STF. Também não vai ver eleitor do PSDB questionar o fato do mensalão tucano estar parado e ninguém ter sido condenado ou a construção do aeroporto no terreno do tio do Aécio.

  17. Paulo C. says:

    É engraçado: Eu fui para alguns atos em 2013 e em momento algum protestei contra a Dilma. Tudo começou com o aumento das tarifas de transporte, decorrente do governo paulista… então na época eu estava mostrando insatisfação ao PSDB e ao Alckmin.

    Claro que algumas pessoas aproveitaram o momento para demonstrar insatisfação contra a presidenta e o PT. Mas mesmo assim, generalizar não é correto. Quem a vaiou naquele momento com certeza não votou nela agora.

  18. Tico Pereira says:

    Obviamente o cenário político não é bom, mas essas eleições só evidenciaram na minha opinião o maior problema do país, O BRASILEIRO NÃO RESPEITA AS INDIVIDUALIDADES! A galera perde muito tempo tomando conta da vida alheia e julgando as atitudes do outro, e isso em todas as ocasiões . As eleições foram só uma amostra disso, amigos se atacaram, xenofobia solta, intolerância aguda, e tudo isso por simplesmente terem opiniões diferentes. Cada um tinha sua visão, mas não acredito que a superioridade de um dos candidatos em relação ao outro não era algo tão discrepante, a ponto de tornar a escolha do outro candidato um crime, um absurdo que algumas pessoas estão falando, parece que um candidato era o Hitler e o outro era Gandhi, entenda esse exemplo não no âmbito da política mas sim na tarefa de uma pacificação por exemplo.

    Na cultura brasileira está inclusa a malandragem, não importa se isso pode prejudicar outra pessoa, também está presente a arte de tomar conta da vida alheia, a fofoca, a geração de intriga, o futebol, o samba e a corrupção. Como reverter isso? Muito complexo, envolve educação, legislação, investimento e décadas, talvez séculos, isso pra não dizer que a nossa cultura está moldada e definida pra sempre.

  19. IBG says:

    Pqp, TE AMO, Izzy. Era isso que eu tava pensando e querendo expressar. Todo mundo que eu vejo falando de política ta sofrendo do Dunning-Krueger effect (outro conceito que você mesmo me apresentou). E pior: a desinformação é reinforçada pelo medo de analisar objetivamente o outro lado; causada pelo sentimento torcida-de-futebol que os próprios partidos incutiram na população.

    Pra piorar um pouco mais, tem o Backfire Effect (nesse vc vai se amarrar), que ocorre em ‘heated discussions’. https://www.youtube.com/watch?v=U0QLjA1GSVI

    É outro caso de dissonância cognitiva, que apesar de eu não encontrar na Wikipedia, veio de um estudo em Dartmouth de (acho) 2013.

    Bonus: http://en.wikipedia.org/wiki/Argumentation_theory#Political_argumentation

    Essas eleições me fizeram obsecar um pouquinho em cima do porquê a democracia não tá funcionando muito bem… Eu vejo muitos amigos igualmente muito inteligentes chamando o outro de burro e isso me incomoda muito. Nesse assunto vejo mais inteligente a sua posição do que a de qualquer amigo meu que entrou na discussão de política.

  20. Guilherme says:

    O texto é todo muito bom, mas vou dizer que nem acho política chato como todo mundo diz que é. Leio projetos de lei e acompanho o que meus deputados andam fazendo sem muito esforço. Acho natural.

    (sim, sei que devo ser o único por aqui com essa opinião :-p)

  21. Eu nao ia comentar mas você disse algo que me incomodou e sempre me incomoda quando abordam a questão dos protestos.
    Como outras pessoas aqui comentaram existem duas ponderações muito importantes sobre o protesto:
    1- É tolice atribuir todos os problemas que as pessoas reclamaram (inclusive eu) a um representante em apenas um nível de poder. É tolice atribuir isso apenas a um contexto político também. O meu protesto foi contra a corrupção e má administração que atinge todos os níveis de governo mas que tem raízes em uma cultrua de pessoas que se esforçar pouco e obter vanvantagens em tudo (não estou generalizando, mas todo brasileiro acaba sendo pelo menos um pouquinho afetado por isso se não se der conta do problema).
    2- Os protestos não foram contra a Dilma -- apenas. Aí que está o problema: cada nego que foi lá estava defendo sua própria causa, conheço gente que saiu protestando contra a cura gay e gente que saiu protestando contra a falta de liberdade de expressão, outros com cartazes religiosos enfim… Aquilo foi um molento de visibilidade internacional e cada um queria ter sua causa exposta pro mundo.

    Agora eu protestei contra a corrupção e má administração e teria votado na Dilma sim (caso eu tivesse no Brasil). A mudança nao necessariamente tem que vir de um candidato diferente (se muda o cenário e a oposição se fortalece aumentam-se as chances de mudança por exemplo), ou nem todo candidato diferente significa mudança -- na minha humilde opinião era o caso do amigo Aécio, ou seja, daria no mesmo ou pior do que a Dilma. Aí vem a subjetividade de cada um na hora de escolher. Só quis enfatizar que o fato de eu ter protestado contra os erros na política não me torna contraditorio ao reeleger o governo que estava no poder na época em que protestei pois eu não estava protestando para que esse governo saísse, mas para que os governos de maneira geral melhorassem.

  22. Paulo says:

    Discordo nesta situação em que você diz “Se regozijar na hipotética desgraça do país porque assim todos verão que você estava certo apenas prova que você está mais preocupado com o próprio ego do que o futuro do Brasil” pois não acho que a pessoa está torcendo pela disgraça, porém também acho que existam pessoas assim, mas não podemos generalizar quem afirma que “tentou avisar” pois esta pessoa com certeza estava torcendo para o crescimento do país e também pode estar muito triste pela situação atual.

  23. Leo says:

    Votei nulo, porque a politica brasileira é um convite a falta de transparencia e abuso de poder.
    Se a vaga de politico fosse como um emprego comum, com salario normal, hora de entrar e sair, metas e resultados, duvido que veriamos essas mesmas figurinhas toda eleicao.

    O povo insiste que trocar os ratos é melhor que jogar o lixo fora.

  24. Thomas says:

    Amigos da direita? E eu preciso ser de direita para lamentar a vitoria da Dilma? Para começo de conversa o psdb é um partido de esquerda tanto quanto o pt, só que uma esquerda não-comunista, não bolivariana( como são as esquerdas dos nosso paises vizinhos aqui)

    No Brasil não existe partido de direita ou conservador.

  25. Thomas says:

    Quem acha que o pt é um partido como qualquer outro, faz o que eu digo aqui: vai no youtube e busca LULA FORO DE SAO PAULO. Escute pela boca do proprio lula os planos que eles tem para o Brasil e a america latina, não escute lobao ou olavo, va e veja por si mesmo.

  26. Augusto Lira says:

    Eu acho que todo mundo deveria deixar de gastar essa energia toda em discussões sem fim (e as vezes sem pé nem cabeça) e começar a acompanhar o governo e fiscalizar tudo que é feito… reclamar que é fácil todo mundo quer, mas por ventura ir a uma sessão no plenário/assembléia legislativa estadual/câmara municipal e ver o que realmente se faz pelo país… é.

  27. Bruno Alexandre says:

    Bom texto Izzy!! Ele retrata tim tim por tim tim o jeito como penso atualmente! Agora é torcer pra que algo dê certo!

  28. Luiza says:

    Viver num país de direita é bom demais, né Izzy?

    Hum? Se fingi de bobo, não… kkk ;]

    Não existe almoço grátis. A % de miseráveis no Brasil aumentou. Pq será? Será que a esquerda gosta de administrar a pobreza? Controlar os analfabetos?
    O ódio entre os cidadãos implantado pela esquerda, a divisão da sociedade anunciada pelo discurso do Lula desde os anos 80 deu fruto. O politicamente correto reina. Eles estão querendo fazer um polícia única e desmilitarizada, e estão pregando que o policial só pode agir depois de levar um tiro 1º! Viva o sonho bolivariano! Lá vamos nós no sentido de Argentina, Bolívia, Equador, Venezuela e o objetivo final, Cuba. É o Mercosul de frente com a Aliança do Pacífico.

    Imagina a cena de Ottawa aqui no Brasil! Quem seria honrado e quem seria preso? E se fosse com um moleque de 16 anos ainda? PQP! hahahaha

    E outra, PSDB é esquerda, é da tal social democracia. O Aécio foi alternativa somente.

    O Brasil vive o terror de não ter nenhum partido de direita. O Foro de São Paulo conseguiu realizar isso.

    Viva a UNASUL!
    Viva a apuração secreta dos votos e nossa super urna eletrônica, tecnologia de ponta! E só usada aqui! Somos lider mundial em alguma coisa fora a corrupção para contra do congresso!
    HAHAHAHA

    Vlw Izzy! A situação aqui tá feia, mas vlw! A conta chegou! HAHAHAHA Tem gente fazendo igual seu pai e fugindo daqui! HAHAHAHA

    Abraços!

  29. Carla says:

    Izzy, vê aí!?: https://www.youtube.com/watch?v=1MG7B16d1gI&list=UUV6Ue4o5UIeKQ3IEkjnXRlg

    E, se vc quiser se informar do Brasil, passa no canal de vez em quando na semana para ver o que está acontecendo.
    https://www.youtube.com/user/vejapontocom/videos
    Ou em texto: http://veja.abril.com.br/ http://veja.abril.com.br/colunistas/

    Não existe distribuição de renda. Existe geração de renda. Se há a distribuição é pq não se gera, e então há algo errado aí. (Umas regiões do Brasil sustentam outras com distribuição de impostos feita pela União. Pq, né? Quem poderia gostar disso? E quem poderia tirar proveito disso? rs) Uma merda vai acontecer. É só olhar para o mundo e sua história…

    Ainda bem que seu pai foi esperto! kkkkk
    Até!

  30. Carla says:

    Modem roteado! Estamos no mesmo lugar, só! hahaha

    Mas num é internet dividida, não. Ainda né. :]

    Vlw!

  31. Carla says:

    ??? hahahaha

    Sério que vc acha que isso não existe?

    Blz! rs

    Vlw Izzy! rs
    Tudo certo! rs