Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Novo vídeo de Star Wars explode todas as minhas expectativas

Postado em 11 July 2015 Escrito por Izzy Nobre 13 Comentários

Ahh, Star Wars… o relacionamento de um nerd com Star Wars é turbulento. Assim como muitos de vocês, a saga de fantasia espacial (NÃO É FICÇÃO CIENTÍFICA RAPÁ!) fez parte intrínseca da minha infância. Eu vi os filmes quando bem jovem, e eles se fixaram firmemente no nas minhas fantasias infantis. Via e revia as fitas VHS na coleção do meu pai, via os desenhos animados (aliás, que abertura longa essa de Droids!), brincava com os bonequinhos… o que tinha de Star Wars ao meu alcance, eu consumia. Lembro aliás do choque absurdo que foi ver essa referência a Star Wars na cultura popular brasileira. “WTF, como assim, falaram CAVALEIROS DE JEDI numa música brasileira?!

Espero que VAAAAI POPOZUDA fique preso na sua cabeça hoje também.

Então. Veio 1999, e eu fui ao cinema ver episódio 1. Lembro exatamente qual cinema fomos — o belíssimo Cine São Luís do centro de Fortaleza: imenso, belíssimo, com saguão de mármore iluminado por um imenso lustre e sala de exibição com dois andares. Bem reminescente da época de ouro do cinema.

Fizemos o que muita gente fazia naquela época — chegamos no finalzinho do filme, assistimos esse trecho, e aí ficamos para a próxima sessão e assistir o começo. E mesmo com míseros 14 aninhos de idade, sem grande senso crítico pra porra nenhuma, eu sabia que tinha algo errado com o filme. Os efeitos eram legais, a nova coreografia com o sabre de luz então nem se fala. Mas algo não encaixava direito.

E isso iniciou um ciclo: se empolgar com o próximo Star Wars, se decepcionar quando ele finalmente sair. Episódio 3 foi o mais perdoável dos 3, e ainda assim é horrível tanto como filme tanto quanto a conclusão da saga.

Aqui há uma excelentíssima resenha de uma hora e quarenta minutos que destrincha de forma maestral tudo que há de errado com aquele filme. Se você, como eu, é nerd de Star Wars e de cinematografia, e quer ver suas críticas do filme legitimadas em uma análise que desconstrói todas as falhas de Episódio 3, esse vídeo vai te agradar bastante.

Então. Como sabemos há um novo filme de Star Wars no horizonte. As chances de que eu NÃO assista esse filme no dia de lançamento são literalmente nulas. Eu estarei na frente da fila; irei ao cinema horas antes se for preciso. A última chance que um cinéfilo teve de ver um bom filme de Star Wars foi em 1983, um ano antes de eu nascer. Não perderei essa chance.

Passaram esse vídeo aí lá na San Diego Comic Con.

E este é o melhor tipo de trailer que um filme como Star Wars merece.

NADA da trama foi entregue ao espectador; você mal vê os personagens, não sabem quem eles são exatamente, mas você tem um bom vislumbre de como é o universo do filme. E eles estão acertando em tudo que a Nova Trilogia errou. Aliás, se ESTA agora será a Nova Trilogia, recomendo que nos refiramos à trilogia iniciada por A Ameaça Fantasma como a “Merda Trilogia”. Velha Trilogia, Nova Trilogia, Merda Trilogia. O que acham?

Sets de verdade. Efeitos práticos. Explosões, pessoas usando fantasias. Tangibilidade. Passamos os últimos anos vendo filmes de Star Wars que se resumiam por boa parte em “dois ou três personagens explicando a trama do filme num cenário em CG”, que eu tinha esquecido quanto o enredo e a imersão do filme ganham tendo esse tipo de caracterização mais física, mais real.

Nesse Star Wars, as coisas terão tangibilidade. A luz refletirá de forma realística, e as sombras serão de verdade. Objetos terão peso, se moverão de forma autêntica. Os personagens reagirão ao que acontece em sua frente, ao contrário de filmes em que robôs imensos com 4 sabres de luz fazem piruetas com ele na frente de um personagem, e ele não esboça a menor reação.

ben

Aliás, essa cena é um microcosmo de tudo que há de errado com o uso abusivo de CG num filme. Quando tudo que tu vê na tela são uns e zeros produzidos por um computador durante a pós-produção meses após o encerramento das filmagens, perde-se toda a perspectiva, as reações autênticas dos atores, a tangibilidade da cena. Vou dar um exemplo simples no que diz respeito a composição e fotografia.

No começo dessa cena, o Obi Wan se aproxima do Grievous. Estão bem próximos um do outro.

No meio da fala do Grievous, a câmera muda de ângulo q o Obi Wan claramente sumiu da tomada:

Logo em seguida eles estão frente a frente de novo:

A diferença no tamanho do Grievous indica que os ângulos não são divergentes o bastante pra que o Obi Wan ficasse COMPLETAMENTE fora do frame, só que quando você está animando tudo num computador, é difícil manter uma boa noção espacial de onde cada personagem está. Ou melhor; um bom diretor, com bom olhos pra fotografia, teria ao menos corrigido o time de efeitos especiais, dizendo “não, pera, eu lembro como eu filmei isso, e na real o Obi Wan deveria estar um pouco mais próximo, muda isso aí“.

Já abordei o fato de que o Grievous faz a maior firula com os sabres e o Obi Wan não esboça reação nenhuma — porque não havia nada com o que ele interagir na cena, e é capaz que o próprio Lucas não sabia como a cena final seria, então ele nem pensou em dirigir o ator a mostrar alguma reação qualquer. Na hora da montagem final da cena, ele viu como isso aí ficou e falou “é, tá bom”.

Na cena em seguida, o Grievous dá vários passos avançando pra cima do Obi Wan, e ele então finalmente mostra alguma reação — dá uma tímida cambaleada. Mesmo depois dos 5 ou 6 passos que o Grievous deu (e o Obi Wan demorando a reagir se afastando), essa é a distância que um tem do outro:

TODA a a composição espacial da cena tá errada, e consequentemente a continuidade da cena tá errada. E o pior: o filme é TÃO CAGADO, tão cheio de merda pra você apontar, que isso aqui é um detalhe novo pra mim. Eu literalmente só percebi isso hoje quando fui rever a cena pra argumentar um outro ponto — que o CG exagerado faz o filme parecer um videogame.

Por mais que você não seja um especialista em teoria de cinema e fotografia — e eu definitivamente não sou –, existem certas coisas que nosso cérebro capta subliminarmente. Aliás, esse talvez seja o único exemplo de “mensagem subliminar” que realmente ocorre: nossos cérebros sentindo um certo incômodo, ou falhando em aceitar uma cena porque alguma coisa não faz sentido visualmente.

Um exemplo disso é esse terrível CG do Múmia 2:

Você não precisa ser um expert em animação, ou em anatomia, ou em ótica/reflexão de luz, pra ver logo de cara que tem algo muito errado com essa cena. Nossos olhos e cérebros foram treinados ao longo de milhões de anos de evolução pra reconhecer o que é real e o que é falso, e nosso software mental usa pra essa tarefa pequenas pistas visuais que você pode até não assimilar num nível consciente, mas você de alguma forma SABE que tem algo errado. A parada parece um cutscene de PS2.

Não que a única falha da Merda Trilogia seja o abuso de CG. O enredo era uma bela bosta do começo ao fim:

  • Anakin criança, o que disperdiça um filme INTEIRO que poderia ter sido usado pra estabelecer melhor sua relação com o Obi Wan, caso ele fosse um pouco mais velho…? Aliás, repare que nos outros filmes faz-se alusões a grandes aventuras que os dois viveram, mas não as vemos de fato. Eles desperdiçaram um filme que poderia ter MOSTRADO essas aventuras dos dois lado a lado, lutando/se ajudando como iguais;
  • Uma trama que orbita ao redor de uma entediante disputa comercial/política interplanetária…?
  • Uma cena imensa de uma porra de corrida de pods (além das cenas anteriores estabelecendo as tais corridas, a aposta, o fato de que o Anakin nunca terminou uma corrida antes) pra mostrar as habilidades de pilotagem do pivete…? Essa era a MELHOR forma de mostrar tal coisa?
  • A presença de um sidekick tão irritante e inútil que virou uma eterna piada cinematográfica?
  • MIDICHLORIANS?!

Não sabemos o que nos aguarda no roteiro de The Force Awaken, mas se houver nele o mesmo esmero que claramente está sendo mostrado na produção do filme… já fico bem mais animado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Cinema

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 32 anos, também sou conhecido como "Kid", e moro no Canadá há 13 anos. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas, e sobre notícias bizarras n'O MELHOR PODCAST DO BRASIL. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

13 Comentários \o/

  1. Carlos says:

    O fato da “Merda Trilogia” ser tão terrível me faz pensar às vezes: qual será realmente o mérito que o George Lucas teve em tornar Star Wars o fenômeno que é? Será que o sucesso de Uma Nova Esperança não foi um “quase acidente”? E as sequências foram boas apenas por ele ter trazido diretores mais competentes para realizá-los?

    • Eduardo says:

      O George Lucas é “o cara das idéias”, ele idealizou Star Wars e os elementos principais da história (da mesma forma que ele fez com Indiana Jones), mas ele não fez tudo sozinho. No primeiro filme ele foi roteirista, produtor e diretor, mas a mulher dele na época o ajudou a editar e escrever o roteiro e os produtores interferiram na obra. No segundo filme ele foi só produtor. Sempre teve mais gente talentosa (produtores, roteiristas, diretores) colaborando e interferindo e o Lucas sempre detestou isso, queria ter TUDO sobre o seu controle. Um ele conseguiu isso e fez a lambança que foram os episódios I,II E III

      O George Lucas é o exemplo de que alguém pode criar um mundo vasto e fascinante, mas não necessariamente vai ter sucesso em montar uma boa história com personagens interessantes.

      • Carlos says:

        Exato Eduardo, seu comentário foi na mosca.
        E ainda bem que tinha mais gente interferindo na trilogia clássica. Quem dera o mesmo tivesse acontecido na nova trilogia.

  2. Felipe says:

    Estou mais ansioso.

  3. Leandro says:

    Queria entrar em coma e acordar quando os três filmes já estivessem prontos. Meu coração não vai aguenta esperar tudo

  4. gabriel says:

    Gosto de ti izzy nobre, e também gosto da merda trilogia. Que loucura não?

    • andré says:

      Os filmes são ruins. Talvez tu tenha lembranças boas de quando era criança. Podia ter dado certo como um blockbuster de Cg se tivesse sido feito nos anos 2010, mas naquela época o CGI ainda não era tão avançado e ficou muito fake.
      Na real eu nem se quer sou fã de Star Wars mas como entusiasta de filmes eu acho que faltou tensão e expectativa, as lutas são uma confusão que não tem como acompanhar, por causa disso tu não pensa: “será que o herói vai morrer?” essa falta de tensão estraga.
      Além disso a história é uma viagem, mas acho que isso é comum da série toda.

      • Vira says:

        Sejamos honestos, você tem que ser um diretor foda pra caralho pra conseguir realmente criar essa tensão em quem assiste. Acho que o último filme que eu vi que conseguiu isso foi Gravidade. Tenho a impressão que os diretores de filmes esqueceram que criar essa tensão é importante e contribui MUITO para a atmosfera de um filme, e é por isso que temos coisas como Velozes e Furiosos 7 nos cinemas.

  5. Sylvio says:

    Podia mudar o título do artigo, Izzy. “Como eu odeio a trilogia prequel de Star Wars + o novo vídeo”.

  6. Diego Matias says:

    “The Force Awakens”… Corrige aí seu último parágrafo.

    Esse filme será foda.

  7. Vinícius says:

    Sem falar que na cena antes de Yoda morrer Obi Wan dá a entender que foi treinado pelo Yoda, na “Merda Trilogia” vemos ele sendo treinado pelo Qui-Gon.

  8. joel says:

    Como se os demais exemplos de ficção cientifica no cinema não fossem igualmente mentirosos.