Kobo touch e a vida com o ereader

Quando ebook readers como o Kindle ou o nook apareceram no mundo dos gadgets, eu torci o nariz. Primeiro que eu achava um disparate comprar, em pleno século XXI, um aparelho com tela em preto e branco. Em segundo lugar, como fanboy do iPhone eu aprendi a apreciar a praticidade dos aparelhos multi-uso. Por que comprar um ebook reader quando o iPad lê livros digitais?

Num eu posso ler Sítio do Picapau Amarelo; no outro, posso ler Sítio do Picapau Amarelo, jogar Angry Birds, ligar pra minha mãe via Skype, xingar alguém no tuíter, ver mulher pelada...

Eu achava a comparação entre ereaders e tablets como o iPad uma covardia, até. São dispositivos completamente diferentes, a única coisa em comum é que ambos têm botões e tela. Eu julgava gastar dinheiro com um ereader o ato de alguém com mais dinheiro do que bom senso.

No ano passado, dei um ereader de presente à minha mulher, que lê muito. Este aí:

Trata-se do Kobo (um anagrama cara de pau de “book”), que é inclusive um produto canadense. A mulher se amarrou e parou de pegar meu iPad emprestado pra ler seus livrinhos.

A exposição ao ereader dela começou a me fazer mudar de idéia. Há muitos aspectos em que a experiência de um ebook reader é superior à de um tablet, e pouco a pouco comecei a ter vontade de comprar o meu próprio leitor digital.

Como meu casamento é iminente e está fodendo minha vida financeira — amigos, nunca se casem, sério –, eu tinha que curvar o desejo consumista que aflorava em meu ser. Quando você se vê na obrigação de gastar mais de mil dólares numa porra de vestido que a mulher vai usar UMA VEZ NA VIDA INTEIRA, a menos que você queira ficar endividado pro resto da vida, é melhor controlar os impulsos.

Nessas horas que entram esses grandes broders que conheci no tuíter. O ilustre amigo @roniuj tinha um ebook reader que ele não usava mais — o nook, da Barnes&Noble — e ele me ofereceu o aparelho digrátis.

Mais ou menos uma semana depois, chega aqui o nook. Me apaixonei pelo bicho no ato, e mais que isso, pelo hábito de ler livros digitais.

Foi pra mim muito análogo ao meu primeiro mp3 player. Cabe um pequeno adendo: eu tinha um discman que lia mp3s mas vocês sabem que não é bem a mesma coisa, em diversos aspectos, então considero esse Lyra meu primeiro mp3 player “de verdade”.

Até então, o local onde eu mais ouvia música era em casa mesmo. Com o mp3zinho, veio o hábito de baixar músicas, jogar no bichinho, e sair andando por aí sem rumo simplesmente pelo prazer de ouvir um mp3 fora de casa. Ahhh como eu me satisfazia com pouca coisa…

Então, foi isso que eu senti com o nook. Aquele mesmo prazer completamente novo de catar um livro qualquer, jogar no aparelho, e poder ler no ônibus ou no trabalho.

Infelizmente, alguns probleminhas de software/hardware do nook (que é o primeiro modelo lançado) começaram a atrapalhar minha experiência — a ponto de que comecei a considerar comprar um novo aparelho. Após me controlar por tanto tempo pensei “foda-se, agora não consigo mais viver sem um ereader”. E comprei o novo modelo do Kobo, o Kobo touch.

Amigos, como eu amo essa merda. O Kobo touch é fininho, leve, e funciona com uma tela de toque bastante responsiva. Além disso, por ser de uma geração mais nova, os caras melhoraram o hardware e por isso o passar de páginas desse aparelho é mais rápido do que os ereaders que já usei até hoje.

Vamos às fotinhas (a baixa luminosidade no quarto, aliada ao redimensionamento das fotos, fez algumas das imagens passarem a impressão de que a interface do bicho é zoada. Por isso, clique pra ver maior e mais bonitinho):

Esse é o “desktop” do Kobo. Na tela, o elemento mais notável são esssas 5 capas aí, que correspondem aos cinco últimos livros lidos, ou aos últimos 5 livros que você adicionou no aparelho.

Eis aí o livro que estou lendo no momento (Apollyon, o quinto livro da série “Deixados para Trás”). Clique pra ver a imagem grandona e veja que bacana é a aparência de um texto em tela de eInk. É uma experiência muitíssimo melhor do que ler em LCD, com a desvantagem de que requer luz externa. Assim como papel de verdade,  a tela eInk não é iluminada.

Aqui, as opções de formatação de texto (disponíveis apenas pra arquivos .epub; os PDFs não permitem essa função). Dá pra modificar a fonte — prefiro as fontes serif, ou seja, com “perninhas” como definiu o @paceka que passou essa dica. O texto fica mais parecido com o de livros de verdade.

Dá também pra modificar o tamanho da fonte, o espaçamento entre linhas, as margens, a justificação do texto. Essa opção “Kobo Styling” eu não sei o que faz, nunca notei diferença quando a ativo.

Aí, uma pequena amostra da minha coleção de livros. A biblioteca pode ser exibida de outras duas formas — só as capas dos livros, em tamanho um pouco maior que o que você vê acima, sem nomes ou detalhes sobre o arquivo. No terceiro modo, a capa do livro ocupa quase a tela inteira do aparelho (que é o método menos eficiente).

Você pode “favoritar” livros (é esse coraçãozinho do lado esquerdo) e aí esses ficam disponíveis em uma outra interface chamada “Shortlist”, que te permite acessa-los mais facilmente.

Essa é uma das funções mais bacanas do leitor. A tela Reading Life te dá as estatísticas de leitura do livro atual e de todos que você já leu.

A parte de cima da tela mostra quanto falta pra terminar o livro atual, quanto tempo você gasta em cada sessão de leitura, quantas horas gastou ao todo naquele livro, e quantas páginas virou.

Abaixo, as estatísticas gerais — quantos livros você terminou, quantas horas gastou ao todo lendo-os, e a porcentagem de livros da sua coleção que você já terminou.

Eu sou meio paranóico em quantificar esse tipo de coisa (aliás eu queria que todo jogo me dissesse quanto tempo gastei jogando-o), então achei genial essa função. Até onde sei, é exclusiva do Kobo touch.

Os Awards nada mais são que achievements. O Kobo tem uns 20 deles, e premiam ações como “você começou seu primeiro livro”, “você terminou seu primeiro livro”, “você está lendo dois livros ao mesmo tempo”, “você lê mais durante o almoço”, tudo com os nomezinhos engraçados/relevantes à atividade recompensada.

A lojinha do aparelho. Antes que você me pergunte, sim, ele lê arquivos .epub sem DRM do tipo que você cata nos torrents/4shared da vida. E sim, é só plugar no computador e jogar os arquivos dentro, como se fosse um pendrive. Há um software pra syncar o bicho mas é completamente dispensável.

Como eu praticamente só leio livros de autores mortos (Crichton, Lobato, Asimov, Clarke, etc), baixo dos torrents sem sentir muito peso na consciência. Se o cara que escreveu a parada não pode mais ganhar com ela, em minha ética deturpada eu tenho direito de ler sem dar dinheiro pra ninguém.

Não acho que as cortes concordariam comigo, mas taí, tou sendo sincero.

E é isso aí. O Kobo touch é um companheiro inseparável já; pra você ter uma idéia, comprei o bicho faz umas 3 semanas só, e já li mais de 60 horas nele de acordo com o Reading Life (ou seja, quase 3 horas por dia). Nem quando eu era pivete sem internet e que DEVORAVA livros vorazmente eu lia tanto quanto estou lendo atualmente.

O Kobo touch tem um preço na faixa dos aparelhos similares da geração atual,  ou seja, CAD$ 140 (isso sem incluir os impostos).

[ Adendo ] Quase esqueci, olhaí esse vídeo que fiz mostrando as funções do aparelho:

[youtube]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

80 comments

  1. Acho que quando eu era uma criança sem internet e devoradora de livros eu lia bem mais do que 3 horas por dia.
    E hoje tenho de usar óculos para ler um simples Outdoor…

    Agora eu quero um Kobo * Ou qualquer tranqueira similar*! o

    1. Eu ganhei um positivo alfa em uma promoção. Me decepcionei no início, pois a positivo capava um monte de funções do aparelho.
      Atualizei com um firmware russo e voilá ! Até feed rss ele lê agora, além de uma infinidade de outras funções…

      MASSSSS…. a experiência de uso ainda deixa bastante a desejar em relação ao Kobo, pelo que vi.

    1. Mas o problema É a falta de papel. Imagina: você tá cagando, lendo um livro, mas AE QUE PAVOR você nota que não tem papel! O que vai fazer? Limpar o cu com o Kindle e upar seu cocô pra yahoo.com? Mas o que leriam os idosos, e os retardados? Se tivesse um livro físico, não teria problema nenhum; e mais, se você usasse um livro do Tom Clancy, ninguém notaria de qualquer modo.

  2. Kid, lembra daquele microscópio (acho que era do seu pai)?
    Seria bacana tirar uma super-macro da tela pra gente ver os “pixels”… Só de curiosidade mesmo!

  3. Comprei um iPad pensando em ler e acessar a internet. Tentei ler nele e achei MUITO desconfortável. Acabei só usando pra acessar a internet o por fim vendi, porque usava pouco. Tenho muita vontade de comprar um e-reader, mas as opções aqui no Brasil são muito ruins. E pelo que eu vi o Kobo, que me pareceu bem mais interessante, só vende no Canadá e nos EUA :/ Pena, porque eu quero muito um.

  4. Obrigado por reacender a vontade de ter um eReader ¬¬

    E uma observação: A maioria dos consoles de hoje em dia te diz quanto tempo você passou jogando cada jogo. Arrisco dizer que os smartphones são os únicos que não dizem isso.

    Mas é um ponto negativo também, porque eu fico o TEMPO INTEIRO olhando as estatísticas e rankings de jogos, tanto do wii quanto do 3DS.

      1. Discordo, não vi nada no comentário dele que leve a essa conclusão. O Kid mesmo comentou isso no texto (saber quanto tempo você passou jogando).

        E que lógica tem o autor do comentário querer aparecer por ser rico se nem link pra site/perfil tem, ou seja, NINGUÉM sabe quem ele é?

        Por que comentar sobre o 3DS é igual querer aparecer de rico (belo parâmetro de riqueza esse seu, aliás) e o Kid fazer posts/tweetar sobre ipad, iphone, psp, ds, ereader não é?

      2. Sim, vendi carro, casa e tudo que achei pela frente pra comprar o 3DS e agora preciso que todos saibam que sou o único que tem um.

  5. Claro que Airframe tinha que estar no meio dos seus livros… Acho esse um dos mais bobos mas ao mesmo tempo com um dos melhores finais dos livros do Crichton.

    1. Haha, li mesmo só por desencargo de consciência. É de fato um dos menos interessantes (os piores eu digo que são Next e State of Fear que eu DESISTI DE LER NO MEIO DO LIVRO de tão maçante).

      Favoritos até hoje continuam sendo JP, Timeline e Esfera. Adoro o terror do Crichton.

      Also: Pirate Latitudes é SURPREENDENTEMENTE bom.

  6. Nossa, sempre desconsiderei comprar/usar um ereader. Agora to louca pra comprar esse kobo que seria um ótimo presente de dia dos pais.

  7. ahhhhh como eu queria um produto desses por 120 obamas! curti mto esse e-book, minha unica duvida é se a tela dele mostra imagens (puq seria perfeito para os livros da facudade)

  8. nossa, eu entrei em estado de predador para comprar esse troço. eu não fiquei vidrado com o iphone, nem com o Ipad MUITO MENOS com o Kindle. tá, só um pouquinho, admito. mas este é exatamente o que preciso, acho.

  9. Eu vi que no Twitter tu falando que ele também lê .CBR, e sim, eu sei que não não vai dar pra mudar a fonte, mas zoom e rotação de tela rola bonito?

    E eu tenho uma amiga que também mora no Canadá (Montreal) que logo menos no fim de ano vem passar as férias aqui no Brasil e fiquei bem tentado em pedir para ela trazer um Kobo Touch para mim. Acho que vale muito, não?

  10. Mesmo antes de ler este post e ver seu video eu já queria muito ter um ereader, agora então… =(

    É Realmente uma pena a situação desses aparelhos aqui no Brasil.

  11. Idem idem idem, só que o Kindle. Tou gostando muito da experiência, e também do fato de que ele tem 3G grátis (tenho plano no celular, mas já me quebrou o galho algumas vezes, inclusive para dar uma olhadinha no twitter ou dar um check-in no foursquare).

    O Kindle não aceita .epub, ele usa um outro formato .mobi, mas é só converter com o Calibre. Livros em .epub vendidos sem DRM ficam convertidos perfeitamente (fiz isso com o Elite da Tropa 2, por exemplo).

    []s

  12. Izzy, tenho uma dúvida: se eu tenho vários livros no kobo e alterno entre eles, por exemplo tenho um livro do Asimov e outro do Clarke e então decido ler um livro de programação. Quando eu voltar a ler o livro do Asimov o kobo já abre na página onde eu havia parado a última leitura?

  13. Dá pra casar sim. É só fazer que nem a minha irma. Foi um dia no negocio lá, assinou as paradas, casou e voltou pra casa. Eu só fui saber que ela tinha casado 1 semana depois. lol.

  14. É boa essa série de livros?
    Faz muito tempo que li o primeiro volume de uma edição teen da mesma, pareceu interessante, mas nunca fui atrás de nenhum outro volume.
    Recomenda?

  15. Bah, que massa!
    Parabéns pela aquisição, hehe

    Quanto as “perninhas” das fontes, são as chamadas “serifas” e elas não só deixam mais parecido com livros de verdade, como deixam a leitura mais confortável aos olhos e ao cérebro, ou seja, aumentam a leiturabilidade (não, não é legibilidade!) fazendo os olhos correrem pelo texto mais confortavelmente. Cheats do design gráfico hehe!

  16. Realmente parece ser bem bacana. Eu como não tenho ereader, baixei o aplicativo do Kobo para iOS e gostei bastante. Pra mim é o melhor aplicativo de leitura da AppStore, tem todas essas funções que o Kobo tem, dos achievements e reading life, etc além de ser um app LINDO!

    Aliás, se não me engano vc pode sincronizar os seus achievements e estatísticas de leitura do Kobo no app do iOS e vice-versa.

    Vc tbm podia aproveitar e fazer uma mini resenha do app… 🙂

  17. Eu procurei bastante e achei um tal de “Mix Leitor D” por R$500,00. Alguém conhece? Fiquei doido pra comprar mas passei da fase de comprar sem conhecer.

    E um dúvida que bateu agora, esse Mix D tem um modelo com WiFi que é R$100 mais caro. Qual a vantagem?

    1. Oi Daniel esse Mix Leitor D é bem fraquinho, parece o positivo, não vale o investimento não, melhor investir num Kindle ou Nook e pelo visto no Kobo que pela matéria do Izzy é bom. COm certeza o WiFi é bem mais vantajoso porque vc compra o livro e vem direto para o seu e-reader não precisa passar pelo cabo USB os livros, além de poder comprar direto do seu e-reader.

  18. Animal, to pensando em pegar um desse e acredito que passarei a ler mais ja que odeio carregar livros (+ peso na moochila).

    A pergunta que ficou e a seguinte, quanto tempo dura a bateria desse bichinho!? Voce nao comentou sobre isso no post…

    Abraco!!

    1. A vantagem da tela de e-ink é que muito econômico. Só gasta energia pra trocar de página. Dizem que dura de 1 a 3 semanas, dependendo do aparelho e da quantidade de uso.

  19. Olá a todos. KOBO EREADER TOUCH. Onde posso comprá-lo. Ainda não consegui encontrar algum lugar aqui no Brasil que o venda. Aguardo resposta. Abraços.

  20. Oi Izzy, gostei muita da matéria, também não consigo ficar sem um e-reader tive meu primeiro e-reader o Cool-er bem simples mas quando começa a se usar não tem como deixar do lado, agora tenho um Kindle 3 e gosto muito, para quem gosta de ler o e-reader é essencial, que pena que no Brasil o e-reader sai caro, o melhor é consigar alguem que vai para os EUA e possa trazer para a gente.
    Eu tive contato com o Sony E-reader touch e achei ruim, mas parece que este da Kobo é muito bom.

  21. até que enfim um fanboy do ipad reconhece a superioridade dos e-readers

    sempre que alguem me ve com meu kindle falam “ué pq voce nao usa o ipad?”

  22. Olá Kid,

    gostaria de saber se eu posso comprar os livros digitais no Brasil, como por exemplo: os livros digitais da Saraiva e colocar no Kobo?? To querendo comprar um para dar de presente e estou com duvidas se vai funcionar legal no Brasil já que quero colocar livros em portugues.

    Att.

    Jordan

    1. Oi Jordan desculpa me meter, mas comprando o Kobo, ou o Nook qualquer e-reader que leia epub vc consegue comprar nas livrarias digitais no Brasil e funciona normalmente.

  23. Kid, ótimo post. Era exatamente o q eu tava procurando. Só tenho 2 dúvidas. Se eu quiser comprar um ebook lá fora e colocar no Kobo eu consigo? Como eu pretendia comprar um kindle transformei todos meus livros pra mobi via calibre. Se converter pra epub novamente fica bom ou dá algum problema, vc sabe?

    Valeu

    Abs

  24. Kid, elucide-me por favor: quais as vantagens do kobo sobre o kindle? Existe uma biblioteca de livros pro kobo que se compare à Amazon?

  25. Eu tenho o Kindle Fire e nunca imaginei que fosse abandonar os livros de papel, mas simplesmente aconteceu, pq esses aparelhinhos sao ótimos em todos os aspectos. E ainda navego na internet com ele 😀

  26. Izzy, graças a esse post ou essa resenha sobre o kobo, você fez o meu natal ser um dos melhores natais que eu já tive, um puta presente. Nunca li tanto na minha vida, e com certeza o Kobo chuta bundaS do Kindle

  27. Comprei um pela Livraria cultura e estou gostando muito. Comprei no intuito de dispensar os montes de papeis e xerox que uso na faculdade. Tá servindo muito! Agora só levo ele e o caderno. Muito bom! Love at first sight!

  28. Olha eu aqui em pleno 2018 e ainda sem um e-reader embora já leia livros digitais há um bom tempo. Estava na dúvida de qual comprar, a maioria do pessoal tem Kindle, mas eu não gosto do fato de ficar presa à Amazon ou ter que fazer malabarismos para conseguir ler.
    Recentemente adquiri um livro pelo app Kobo, e mesmo lendo no celular adorei, tenho vários livros comprados no Google Books e o Kobo é um dos e-readers compatíveis com o formato que eles usam. Depois do seu relato decidi, vou comprar um Kobo Clara HD, foi lançado há alguns dias atrás aqui no Japão.

  29. Olha eu aqui em pleno 2018 e ainda sem um e-reader embora já leia livros digitais há um bom tempo. Estava na dúvida de qual comprar, a maioria do pessoal tem Kindle, mas eu não gosto do fato de ficar presa à Amazon ou ter que fazer malabarismos para conseguir ler.
    Recentemente adquiri um livro pelo app Kobo, e mesmo lendo no celular adorei, tenho vários livros comprados no Google Books e o Kobo é um dos e-readers compatíveis com o formato que eles usam. Depois do seu relato decidi, vou comprar um Kobo Clara HD, foi lançado há alguns dias atrás aqui no Japão.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *