Lembram do garoto do “Pintinho Piu”? Se fodeu LEGAL no final das contas

Manja o dilema: originalmente este texto seria adicionado na sessão “Vergonha Alheia da Semana”. O problema é que ao decorrer do vídeo, eu parei de sentir vergonha e me compadeci DE VERDADE com a situação.

É o seguinte. Em 2011, um dos virais brasileiros mais inescapáveis foi o “Pintinho Piu”. Não a música original, de uma coletânea de musiquinhas daquelas que novos pais dão pra criança sem saber a maldição que acabaram de convidar para a própria casa. Me refiro ao lip syncing do garoto Dheymerson, do interior do Ceará. Esse aqui, lembra?

O vídeo original — removido por copyright claim da Globo — tinha alguns milhões de views. Os pais do garoto (ou, pelo que percebo melhor, O PAI do garoto), crente que tinha um pequeno Justin Bieber cearense nas mãos, meteu na cabeça que a brincadeira do filho poderia ser convertida numa carreira “de verdade”.

O pai então vendeu todas as posses da família pra tentar a sorte na cidade grande. E o resultado, bem…

https://www.youtube.com/watch?v=yOJvfJw5zV4

Mano, que parada incrivelmente lamentável. Normalmente aqui no Hoje é um Bom Dia eu alopro toda e qualquer situação (mesmo que seja comigo mesmo; às vezes, alopro PRINCIPALMENTE essas), mas isso aí é deprimente demais pra fazer piadinhas. A ganância do pai só é rivalizada por sua miopia; era bastante óbvio pra qualquer pessoa que conheça alguma coisa sobre cultura de internet que o tipo de viralização desse moleque é efêmera demais, e sem qualquer base em real talento, pra ser um investimento inteligente.

Olha a merda: o pai pagou pela gravação de um CD com músicas infantis cantadas pelo moleque. E agora tá devendo aos autores das músicas.

O problema, óbvio a todos exceto o pai do pirralho, é que o moleque não é cantor. Ele apenas fez o tipo de bobeira idiota que uma criancinha acidentalmetne faz apenas pra ser eternamente pressionada pelos pais a repetir na presença de visitas. No caso dele, infelizmente, a “bobeira idiota” e os brados de “dance, monkey, dance!” tiveram projeção nacional:

A facada final no bucho desse segundo vídeo que linkei aí é quando a família (que já tá no nível “usuário de crack” de miserabilidade, ou seja, precisa se desfazer de pertences pra conseguir algum dinheiro) leva o garoto pra um produtor musical, e este diz de forma polida que o moleque tem mais é que estudar e se alimentar em intervalos constantes e não ficar preocupado em continuar famoso.

Que desgraça mano. Coitado do moleque. Com um pai desses não se precisa de inimigos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

19 comments

  1. A situação do menino tava tão ruim, que acho que forçaram, para sair pingos de não desistir de seus sonhos e tudo mais no finalzinho do segundo vídeo.

    Que tristeza mesmo.

  2. É uma família humilde que, como fica patente, não tiveram educação como base, ao menos para ter senso crítico.
    Algo a se lamentar, realmente.
    --
    Sou um visitante que gostou do site. Favoritei. 😉

  3. Isso se chama pilha errada. E esse é um clássico caso de alguém que caiu. Provavelmente um tio do garoto falou (sem pensar duas vezes): que maravilha o menino tem talento, ele tem que [slow-mo] GRAAVAR UM DISCOOOOOOOO!!!! [slow-mo] Esse momento causou um efeito borboleta que cominou nesse espiral descendente de merda.

  4. Não tinha tido contato com esse viral cretino (tão ou mais idiota que o próprio pai do menino). Valeu por ressucitar essa merda Kid!

    Em tempo: proponho um post com os virais mais cretinos e vergonha alheia dos últimos anos!

    Abs

  5. Na moral? Não tenho pena, principalmente pela ganância do pai. Aqueles garotos do “para nossa alegria” também não são talentosos, a diferença é que eles acharam alguém que soube fazer dinheiro com o sucesso do vídeo (ou esse alguém os achou), enquanto que a família desse moleque, não. Business, manolo.

  6. Mano, esse muleque realmente foi pra fortaleza e fez essas paradas aí. No ano que vídeo dele estourou ele começou a estudar na minha escola (Farias Brito), eu fazia 2° ano e ele sei lá, 5° serie. Mas ninguém dava a mínima pra ele. Eu achei que o pai dele tinha desistido de investir nessa besteira uns 3 meses dps do “boom”, afinal já dava pra ver que não ia dar mais em nada. Mas ele era engraçado kkk ficava cantando a musica pelos corredores o dia todo.

  7. Nunca ouvi falar dessa história. Inacreditável.
    Mas sabe o que é pior mesmo? Esse aí é só UM exemplo, que ficou mais famoso.. imagine quantas pessoas não caem na mesma armadilha e no mesmo fracasso.. investem tudo o que tem nessa merda de “sonho de ser famoso” sem nenhum talento e achando que a vida vai ser só glamour..

  8. E como a história sempre se repete, tem um tal gordinho do chiclete passando pelos mesmissimos 15 minutos de fama neste exato momento. Torçamos para que os pais deste não sejam tão imprudentes.

      1. É um gordinho (ta mais para obeso) que fez um “tutorial” de como mascar chiclete (" rel="nofollow">), viralizou, ficou famoso e fez um funk (" rel="nofollow">), por causa desse funk ele está sendo zuado com comentários como “Gordo fazendo gordice”, “Que p** é essa” e “Parece o madimbu na fase final”

      2. É um gordinho que “ensinava” a mascar chiclete, o vídeo viralizou e logo na sequencia ele ja lançou um funk deprimente ensinando a mascar chiclete.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *