O dia em que eu me fodi, conclusão

A ambulância estacionou na parte traseira do hospital, um detalhe que eu só vim perceber quando os paramédicos puxaram minha maca pra fora – não dá pra ver absolutamente nada do mundo exterior quando você está deitado na traseira de uma ambulância.

Cerrei os olhos sob a claridade do ambiente exterior. Quando abri novamente, a namorada tava do meu lado, carregando minhas roupas. Os paramédicos trocaram palavras rápidas e saíram em direções opostas; o Jeff passou a empurrar a maca em direção à entrada. Imaginei que os outros caras tinham alguma papelada pra preencher em relação ao meu resgate.

A maca parou às portas de vidro do hospital. Através da mágica do sensor infravermelho passivo, elas se abriram permitindo nossa passagem.

O cheiro detestável de gente velha e doente permeava o ambiente e ofendeu minhas narinas no instante que entramos no local. O Jeff me empurrou num cantinho do corredor, e em seguida levou a namorada pro balcão, pra fazer o meu check-in ou seja lá qual o termo usado no contexto hospitalar. A namorada colocou as minhas roupas embaixo da maca, fazendo sinal de “já volto”. Ela me deu um beijo na testa e saiu.

Tentei ver onde exatamente ela colocou as tralhas, se estavam apoiadas em algum suporte na parte inferior da maca ou no chão mesmo, mas as drogas que os meus resgatadores injetaram na minha mão impedia de me mover muito, por mais que eu tentasse. Profeticamente, visualizei a namorada vindo pegar minhas roupas e deixando o iPhone cair do bolso da calça. Suspirei enquanto uma velhinha passava lentamente ao meu lado, com uma daquelas haste com uma bolsa de soro intravenoso a tiracolo.

“Eu podia estar twittando isso agora mesmo”, pensei. Imaginei como descreveria a velhinha caquética, de aparente 400 anos de idade, enquanto ela perambulava aparentemente sem rumo na ala de emergência do hospital.

Joguei o braço pro lado da maca, numa tentativa fútil de alcançar o celular que jazia embaixo da maca. Esta ficava a mais ou menos um metro de distância do chão. Não havia chance de alcançar o negócio, caso ele estivesse no chão. Desencanei da porra do celular.

Comecei a imaginar como é que eu explicaria a porra do acidente ao meu chefe, quando fosse requisitar o inevitável dia de folga pra recuperação. Nisso eu ouço a enfermeira no plantão repetir, com aquele tom na voz que deixava claro que ela acreditava não estar entendendo a história.

“Mas ele caiu da cama?”

“Sim”, era a voz da namorada. O ângulo em que me colocaram no corredor não me permitia ver a cena “ele estava arrumando a cama e caiu. Caiu no chão. Enquanto arrumava a cama.”, ela continuou.

Não dava pra ver a cara da namorada, mas eu consigo imaginar exatamente o semblante que ela esboçou. É tipo aquele quando você trás um sujeito novo pro grupo de amigos, e o infeliz passa a noite inteira fazendo aquelas piadas incrivelmente sem graça que provocam um clima de constrangimento que dura vários segundos.

Em outras palavras, eu imagino que naquele momento ela exibia o clássico olhar “meu deus, que vergonha de me associar com esse retardado”.

“Mas quantos metros de altura tem essa cama?” perguntou a enfermeira. Não consegui distingir se ela usou tom de sarcasmo brincalhão, ou provocativo.

Ouvi uma risadinha sem graça da namorada. Alguns momentos de silêncio, e de repente a menina se materializa do meu lado.

“Já preenchi tudo pra você, já já eles te levam pro atendimento. Como você está?” ela interpelou.

“Mas que porra de pergunta ein minha filha” falei. E em seguida, “Já estive melhor”, arrematei, meio arrependido da minha hostilidade. Ela notou que eu coçava a mão furiosamente.

“Pára, menino!” ela falou, puxando meu braço pra longe do catéter. E sim, eu sei que houve uma reforma na língua portuguesa e que “pára” não tem mais acento e blá blá blá por que você não vai chupar uma piroca, ein? Tou contando uma história aqui, caralho.

“Tá coçando demais essa desgraça” falei distraidamente enquanto escaneava o local “vai demorar muito isso aqui?”

“A enfermeira falou que já já vão te levar pro atendimento. Não deve demorar muito”

“Tou com fome. Me dá meu iPhone aí” eu disse, num total non-sequitur.

A namorada se abaixou pra pescar o celular das minhas calças. Ela se levantou com a calça nas mãos, e então eu ouvi o barulho claro de um objeto de plástico caindo no chão e quicando algumas vezes. “Aiii…”, falou a menina.

“Mas puta que o PARIU…” falei baixinho. Uma enfermeira passava perto no momento, me ouviu e fez cara feia. Suspirei e cocei o cateter de novo.

A namorada se abaixou pra pegar o celular. Ela limpou a tela com a blusa, ligou-o e destravou a tela. “Olha, ainda funciona direitim, fica com raiva não amor ^_^”.

Minha mulé é um personagem de anime ambulante.

“Pera que eu vou comprar uma bobagem qualquer pra você comer” ela disse e saiu, certamente tentando me recompensar por ter estatelado a porra do celular no chão.

Apanhei o bicho, abri o cliente de twitter e informei meus amiguinhos de que no momento eu me encontrava fodido e num hospital. A namorada apareceu logo em seguida, com um saquinho de salgadinhos aleatórios.

Poucos segundos depois, apareceu uma enfermeira com uma prancheta na mão.

“Izzy?”

“Opa, é nóis dona enfermeira” foi o que eu não falei. Ao invés disso, eu disse apenas “sim”.

“Opa, tudo bom? Sou a Tracy. Vamos lá” foi o que ela disse, de forma alegre e meio misteriosa. Mas vamos lá ONDE, mulher?

Ela me levou pra uma ante-sala (tem hífen nessa porra? Eu lá entendo dessa merda de reforma) com várias camas separadas por cortinas. Deitei-me em uma das camas, sob olhar cuidadoso da enfermeira lá. Ela fechou uma cortina ao meu redor e falou que um médico iria me atender em breve.

Nisso eu pensei naquela tal responsabilidade jornalística que eu vivo mencionando, e decidi que seria uma boa hora de imortalizar aquele dia de merda em formato .jpg. Eis as imagens:

Fiquei lá sozinho com meus pensamentos e meus salgadinhos (que eram uma merda, já que você pergunta), apesar da orientação da enfermeira de que eu não deveria comer nada antes de ver o dotô. Talvez seja por isso que eu fiquei meio envergonhado quando uma segunda enfermeira veio falar comigo e esboçou claro desgosto ao me ver ignorando a orientação da outra.

“Você tem alguma alergia?” ela foi direto ao ponto, sem o usual bom humor que parece uma constante na galera da profissão médica. Não pude deixar de notar que a mulé era estonteante. O cabelo loiro dela tava preso, aquele glorioso rabo de cavalo balançando atrás dela. O jaleco dela era modesto, mas os traços de mamas gloriosas eram claramente visíveis por baixo dele.

O que estou querendo dizer é que a mulé parecia uma enfermeira, sim, mas o tipo que estou acostumado a ver em formato Divx com uma URL do naughty-america.com no cantinho inferior direito.

Pensei tudo isso antes de responder “não, nenhuma alergia”. Ela fez uma anotação numa pranchetinha.

“Toma algum medicamento controlado?” porra, a mulé precisa usar esse tom de descaso? Que escrotinha. Ou estaria apenas de mal humor naquele dia específico? Jamais saberei.

“Não, nenh…”

“Seu endereço é (…)?”

“Isso”

“O doutor vem ver você já já” ela disse, colocando a pranchetinha numa prateleira. E se virou pra ir embora, me lembrando mais uma vez por que eu adoro a Lululemon.

Lululemon é uma grife local que faz roupas esportivas. A despeito do preço ridiculamente abusivo (calças da Lululemon custam na faixa de 150 dólares, enquanto calças idênticas porém com outros logos se encontram por menos de 30), a marca é extremamente popular aqui na cidade.

Esse é o tipo de roupa que eles vendem.

E era isso que a enfermeirinha estava trajando.

Minutos depois o médico aparece. O cara mal olhou pra mim; ele devia ter ouvido a história da cama e concluído que eu não poderia estar tão machucado assim. Ele me entregou uma cartela de Oxycontin, um poderoso analgésico, e uns papéis explicando sobre o quão perigoso o tal medicamento é, porque aparentemente vicia com muita facilidade.

Tomei uns ali mesmo, curioso sobre o efeito do famoso remédio. Nunca fui muito de experimentar drogas, então imaginei que seria uma reação interessante.

E como foi. Ao longo dos próximos 5 dias, sempre que as costas começavam a doer mais, eu metia um comprimido na goela. Em questão de minutos, tava LOMBRANDO. A reação inicial era uma de sono; eu me sentia sonolento, mas não estava realmente com vontade de dormir. Em seguia vinha um alívio fortíssimo pelo corpo inteiro, a melhor forma de descrever a sensação é dizendo que dava a impressão de que se eu não me controlasse ativamente, me mijaria, cagaria e gozaria todo se desse o menor espirro.

Trevor – como bom amigo filho da puta que é – já havia contado pra todos os nossos colegas de trabalho sobre como eu me acidentei ARRUMANDO A CAMA, e jazia caído no chão de cuecas, na mais triste figura, esperando ser socorrido por paramédicos.

E sempre que algum colega de trabalho que ainda não havia ouvido a história me perguntava como eu me acidentei, eu me lembrava do conselho que dei no começo desta série – se você for se acidentar, tente não se acidentar de forma vergonhosa.

E pra tornar a coisa ainda mais engraçada (pra vocês), anteontem chegou a conta da ambulância. O plano de saúde federal cobre tudo, MENOS viagem de ambulância.

Conta de 351 dólares. Com 10 dias pra pagar. Logo antes de uma viagem pra outro país.

Eu só me fodo mesmo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

90 comments

  1. Não terminei de ler, mas já comentando sobre o caso do custo da ambulância:
    Será que Michael Moore foi devidamente informado disso? Será que ele começará a divulgar esse tipo de coisa?

  2. E sim, eu sei que houve uma reforma na língua portuguesa e que “pára” não tem mais acento e blá blá blá por que você não vai chupar uma piroca, ein? Tou contando uma história aqui, caralho. < boa, é isso aí, além do mais, só começa a valer em 2012, o que tá valendo é ensinar errado agora.

  3. Caramba veio, que saga esta!!!! Lembra até minhas idas ao hospital (uma por intoxicação por plasil (sim, eu tenho alergia ao medicamento mais receitado nos hospitais daqui da região), outra por ter caido da arvore da casa da minha vó e deslocado o ombro e antebraço (subi na arvore para ver as vizinhas gostosas tomando banho =p). Vlw por colocar o desfecho! (ps: se tiver a foto da bunda da enfermeira gostosa, pelo amor de Deus, poste =p)

  4. kid, o que você achou de ultimates 3?

    vi uns reviews não favoráveis, principalmente ao novo desenhista… me falaram algo do tipo “pensa em alguma coisa que você gosta muito de comer… hmm, lasanha, tá… agora pensa que a sua lasanha preferida virou um prato de bosta… isso é ultimates 3”

    aqui no brasil veio uma batelada de estórias ruins do quarteto e aquele crossover ridiculo com o esquadrão supremo… sinceramente a unica coisa que pode me segurar no ultiverso, além do amigão da vizinhança, é o arco dos supremos… espero que não esteja ruim 🙁

  5. @Knux

    Eu twittei a galera sobre a opinião geral do Ultimates 3 e foi unânime -- todo mundo achou uma bosta. Então não comprei.

    (E ainda dizem que twitter é inútil…)

    Eu já desisti do Universo Ultimate faz tempo. Ultimate Iron Man vs Hulk eu nem terminei de ler; Ultimate Iron Man 2 eu comprei só pra completar a coleção e tal. Nunca nem abri a revista.

  6. Kid, nunca mais escreva textos em 3, 4 5 partes 😛

    serio, eh uma bosta ter que ficar esperando vc postar o resto (que acho que jah esteja pronto), alem de termos a imagem de que vc jah tem tudo pronto e posta quando está sem criatividade…

  7. Kid, essa parte final ficou ótima ! Vi lá na hardmob que você tinha postado

    caraca, 351 dólares pela ambulância…Tenho que me lembrar de nunca cair da cama nos Canadás.

  8. caralho… se fodeu legal !!
    xP

    Eu também costumava ter MUITO medo de agulha… mas já tomei tanta anestesia por causa de pontos que já me acostumei ! =P

    Acho que senti alguma coisa parecida ( quando você disse da agulha na mão ) quando vi a médica ( que incrivelmente também era MUITO gostosa ) tirando pedaços de vidro da minha mão…
    Mais embaraçoso que seu caso… fui abrir a porta do escritório ( um amigo meu estava fechando por dentro ) e meti as duas mão no vidro !!!

    A brincadeira de lutinha me rendeu 10 pontos na esquerda e 12 na direita !!!
    Fiquei impossibilitado de dar minha passada semanal no redtube.com com 2 semanas !!

    Adorei o texto !!

  9. Carai 390 doletas pra “passear” de ambulância??? :p Depois nego reclama da porra do SUS. Pelo menos a ambulancia eh de graça… Quando chega… O ruim é qdo chega no hospital… SE CHEGAR uhauhauha

    Outra coisa… Tu jura mesmo que vai ser anteSSala??? Coisa mais estranha.. Vai na contra-mão (contramão???? contra MMão????) de tudo que eu já estudei… é de lascar 🙂 uhahuahuhua

  10. ante-sala … a reforma aboliu hífem antes da letra S… seria antessala agora.

    enfim, valeu apena esperar… meio carinho essa ambulância heim, tu devia ter ido no carro do SAMU =P. Pelo menos o hospital é de qualidade imagina se tu tivesse caído da cama aqui no Brasil, ahahah o analgésico seria DORIL.

  11. auhsauhsauhs
    Rachando de rir xD
    O pior de tudo nem é a dor…é ter que explicar como vc se acidentou =P kkkkk

    Só falta a foto da enfermeira gostosa
    doque se trata essas ‘patricinhas’ de q tanto ouso falar pelo blog?

  12. Foi uma saga e tanto!

    Só me conta o seguinte:

    Mesmo após esta longa e dolorosa experiência,
    você ainda arruma a cama do mesmo jeito?

  13. Terminou bem, valeu a pena esperar, curti a história toda ouhauoahuaohauoha
    Melhoras meu querido!

    Não me odeie mas.. já te disseram que a câmera do iPhone, não é algo digno de chamar de “câmera”? 😛
    /flamewaroff ouahaouhaouh

    Vem é pro Brasil ou onde?

    Abraços!

    ps: eu ia de taxi, pqp!

  14. “Minha mulé é um personagem de anime ambulante.”

    Isso quer dizer que quando ela respira os peitos dela ficam balançando por 5 minutos? Nice…

  15. 1º -- no hospital que eu trabalho não tem o gás do riso [:( … facilitaria muito nossas vidas, melhorando inclusive nosso humor que nem sempre é bom por ter que passar o dia inteiro escutando as lamentações e os gemidos dos pacientes).. mas em compensação nosso hospital não tem “O cheiro detestável de gente velha e doente “.. hehehe.. nossas meninas da higienização de ambientes merec em um prêmio!!
    2º -- complementando o que eu já disse: nem sempre nós (que trabalhamos em hospital) somos mal-humorados (acho que o hífen caiu na reforma.. mas na dúvida deixa ele aí).. é que torna-se muito estressante absorver o clima pesado de dor e sofrimento dos hospitais.. e geralmente acontece isso com quem tá lá dentro como profissional.

  16. COMO ASSIM VOCÊ PAGOU ALGUMA COISA?!?!?
    O filme da Michael Monre não menciona em lugar nenhum que você paga pela ambulância no Canada… Mentiroso safado…

    Anyway, $351 por um passeio com sirenes é foda, e realmente ta faltando a foto da enfermeira do naughty-america.com.

    Mas assim, depois da queda, das drogas, das enfermeiras, dos doutores e da namorada/anime (a minha é pior, ¬¬, acredite). O que cargas d’agua você teve?!?! Luxação, sarampo, hemoroidas, cutucada no c* (ou bem perto disso)!

  17. Porra, mas vocês têm dificuldade de interpretar textos, ein.

    Saúde pública aqui é grátis. Ambulâncias são operadas por uma empresa privada, portanto são pagas.

  18. Eu imagino realmente a reação da enfermeira quando apontaram “aquele rapaz que caiu e machucou as costas da cama de um andar mesmo, isso, aquele ali tirando fotos, comendo salgadinho e twittando…”

    Algumas profissões simplesmente não pagam o bastante, no matter what…

  19. “Minha mulé é um personagem de anime ambulante.”

    hmm..
    ela costuma sair perambulando por ai sem roupas tipo a Nyuu do Elfen Lied?
    AEHUAEHUEHEAUHAE

  20. Você sabe que, com a absurda quantitade de nerds que frequentam esse lugar, dizer que a sua namorada parece um anime provocará sonhos eróticos acompanhando-a de tentáculos, certo?

    Muito boa historinha, enrolação pouca é pederastia, porém, né?

    Daniel

  21. KID, PATRICINHAS!!
    Agora que você ganhou o prêmio…

    “E caso eu ganhe, vocês tem crédito com três posts que desejam que eu escreve. Quem sabe assim o post das patricinhas intercambistas finalmente sai do draft do wordpress…”

  22. Kid

    Eu ainda gosto do aranha ultimate e o quarteto com o arco do thanos eh legal. Mas o resto tarde parecendo inspirado em tudo que tem de pior na dc e na marvel, tipo viagens no tempo e crossovers.

    Do jeito que tarde, não vale mais a pena eu comprar, já que aqui na brasil vem tudo junto :@

    Vou acabar baixando o pouco que ainda gosto pela net mesmo. Tem leitor de cbr pro iphone?

  23. Izzy, é a primeira vez que eu comento no seu blog, mas me permita protestar. Eu passei semanas lendo esse troço pra no final você não dizer qual foi o diagnóstico? Quebrou, luxou, torceu, empenou ou que afinal?

  24. Rapaz, eu ainda não acredito que você se esticou todo, pediu para a sua namorada se abaixar, só para twittar sobre a velhinha de 400 anos!!!
    Mas o post tá muito bom, parabéns! E, porra, faltou foto da enfermeira gostosa!

  25. Pergunta puramente acadêmica e científica -- quão liberais/curiosas são as meninas no Brasil? Novamente, pura investigação científica

    Eu diria que é mais comum em São Paulo do que no Nordeste. As meninas aqui tendem a ser mais ‘moderninhas’. Especialmente comum com as de estilo alternativo, goth/emo/whatever. Bleached hair = desconfie. Boa sorte quide 😀

  26. Cara, tu sabe que muitos punheteiros vão tocar uma pensando na tua mulher/namorada, não sabe?

    LOL, tu se fodeu legal!

    Patricinhas, seu puto.

  27. iushaifuhaiufhe, puta merda, que azar, Kid. :/

    Ri pra caralho na parte da Bebba parecer um anime. Ela parece MESMO! aiushfce

    E eu tenho quatro calças da Lululemon. ;s

  28. Pingback: Alessandro ALEH
  29. Pingback: Alessandro ALEH
  30. Pingback: Edison

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *