[ O que você faria? ] O cliente metido a sabichão

Outro dia aí no trabalho — foi ontem ou anteontem (ou como dizia minha finada tia Rita, “antesdonte”)? Nem lembro — rolou uma parada tão revoltante, tão indignante, que me inspirou a criar toda uma nova categoria de textos aqui no HBD. Como o título desse post deixa evidente, o nome de tal seção é “O que você faria?“.

Nela, narrarei certas situações nas quais me encontro de vez em quando, e peço aos ilustres leitores desse site que deixem suas impressões nos comentários. Quero que você me digam o que vocês fariam se (através de alguma macumba de troca de corpos misturada com viagem no tempo) encontram-se no meu lugar naquela ocasião.

Pois bem.

Estava eu lá no trabalho acompanhando da S. Pra quem esqueceu meus relatos anteriores, S é minha colega de trabalho que é meio hippie, está se formando no curso de enfermagem, e já trabalhou no ramo pornográfico.

Ela morou no Brasil 6 meses trampando numa pousada em troca de comida e cama pra dormir (ela não fala português, só arranha um pouco de espanhol), e quer se mudar pra África quando pegar o diploma pra ajudar crianças doentes. Ela não liga pra dinheiro, está sempre sorrindo, e nos 4 ou 5 meses em que trabalhamos juntos, acho que nunca vi ela falar algo negativo sobre ninguém. É super gente boa a menina, adoro trabalhar com ela.

Então, no último período da faculdade ela está estudando cadeiras de psicologia. A S não é exatamente uma intelectual, ela não gosta muito de ler, então o vocabulário dela é bastante limitado. Ela pausa a leitura da apostila dela de 15 em 15 minutos pra me perguntar o que uma certa palavra complicada (e às vezes as não tão complicadas também) significa.

Ela brinca dizendo que sou o dicionário particular dela.

Pois bem, outro dia estávamos lá no trampo, eu lendo um dos MELHORES LIVROS QUE JÁ LI NA VIDA (resenharei aqui para vocês em breve) e a menina lendo seu livro de psicologia. A loja tava vazia, exceto por um maluquinho revirando a estante de DVDs usados procurando o que presumo ser um vídeo de sua atriz favorita.

“DVDs usados”, não: temos um eufemismo pra categoria. “Previously viewed“, ou seja, “previamente visto”. Lembro que a Blockbuster e a Rogers tinha categorias similares, embora a deles fossem chamadas de “Previously enjoyed“. Considerando o contexto da nossa loja, é natural que não queiramos nos referir a um produto usado como “previamente enjoyado”. A imagem mental é de uma caixa de DVD com a tampa colada por intermédio de secreções seminais.

Então. Estou lá na santa paz de Cristo lendo meu livrinho — que, repito, ganha fácil o título de melhor livro que li no ano e senta-se com tranquilidade no panteão de Top 5 Livros Favoritos da Vida Inteira. Aguardem a resenha — enquanto a S estuda. Nisto, a menina vira-se pra mim em uma ação que se repete incontáveis vezes ao logo dos nossos turnos.

“Ô Izzy, o que significa ‘apatia’?”

Levando o rosto do ebook reader (com dificuldade, visto que estou lendo um dos melhores livros jamais escritos na história da literatura) e respondo:

“Apatia é indiferença, é não ligar pra algo ou alguém. É tipo, hmm, é tipo falta de emoção. É não dar a mínima pra algo. Manja?”

Antes que a menina pudesse falar “ahh, saquei”, ouvimos uma voz vindo de um canto da loja. É o maluco dos DVDs usados. Mal conseguindo esconder o tom de desprezo (talvez porque ele sequer tentou), o cara vocifera:

“Pfff, não tem NADA a ver com isso. É completamente diferente”.

Eu e a S olhamos para o cara simultaneamente, como se alguém tivesse coreografado nossos movimentos. E, igualmente coreografados, voltamos a atenção aos nossos respectivos livros em total silêncio.

Não sei o motivo da S, mas eu não expressei nenhuma resposta ao cara por dois motivos: primeiro, ele é um cliente. Uma discussão com cliente acaba no momento exato em que começa, e o perdedor é você. Por isso, não vale a pena se engajar.

O outro motivo é um que aprendi na internet: a forma mais fácil de fazer alguém se sentir um idiota insignificante é, coincidentemente, apatia. Não obter uma resposta é algo que deixa haters muito mais putos do que se você tenta “ownar” o cara através da retórica. Portanto, não dar uma resposta ao cara era a melhor solução. Foi o que fiz.

Porém, horas mais tarde, aquilo ainda me incomodava. Nem tanto por não ter escrotizado o infeliz, mas sim porque agora eu ficarei eternamente curioso pra saber o que o cara acha que apatia significa.

Quando um imigrante tem vocabulário melhor que nativos, a coisa tá feia

Posso apenas imaginar.

E você, caro leitor desta home page? Imagine-se em meu lugar naquele momento. O que você teria feito? Manteria a postura diplomática de não se meter em discussão semântica com clientes, ou puxaria o celular no ato, googlearia o termo e leria e em voz alta, sem dizer mais nada, a sua vitória auto-evidente (foi o que tive vontade de fazer)?

Conte aí nos comentários como a história teria se desenrolado se o protagonista fosse Marcelo, Rodrigo, Tiago ou Fernando e não o Izzy Nobre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

102 comments

  1. Sei não Izzy, mas acho que somente perguntaria pra ele “a moça falou com você?”. Se ele respondesse alguma coisa que me tirasse do sério, aí sim, eu tiraria o celular do bolso e mostraria pra ele.

  2. Diria: perdoe-me pela minha ignorância, diga-me então o que apatia significa.

    Quando ele respondesse eu faria o que você disse, colocaria a palavra no google e ainda diria que iria mandar um e-mail de reclamação pra todo site que concorda com a minha definição de apatia, já que o cliente tem sempre razão.

  3. “a forma mais fácil de fazer alguém se sentir um idiota insignificante é, COINCIDENTEMENTE, apatia.”
    vc n quis dizer IRONICAMENTE? :V

    1. I see what you did there. Caso eu esteja te dando muito crédito e você não esteja fazendo referência a uma pet peeve que já comentei no tuíter:

      É coincidência porque o assunto era justamente o termo “apatia”. Ironia é quando o que acontece é o contrário ou tem conexão inversa com o que se espera da situação.

      1. Pow… apatia pro cara pode ser mais no sentido da pessoa não reagir diante de provocações, mas não num sentido de não ligar pra coisa, mas pela incapacidade de reação. Tipo…o time do Flamengo está apático! Não quer dizer que o time não ligue pra peia de 4 que tá levando, simplesmente não consegue reagir. Eu mesmo quando li o significado que você colocou no texto discordei, mesmo lendo posteriormente o significado que vc procurou…

  4. Minha atitude dependeria do tipo de cliente, se eu notasse que era um cara babaca e que podia distorcer e dedurar para o chefe, faria o que você fez. Mas se fosse alguém que levasse na boa, ia dar um jeito de “corrigir” o cara sem parecer o babaca metido a espertinho.
    Na dúvida é melhor ficar quieto mesmo, mas quando o cliente fosse embora da loja ia puxar o celular e procurar o significado e mostrar pra S. Assim você evitaria a briga com o cliente e não correria o risco da S achar que você realmente não sabia do que tá falando.

  5. Acho que poderia ter perguntado de forma educada qual o significado da palavra de acordo com os conhecimentos dele. Algo tipo “Eu sempre usei a palavra com esse significado, mas se você conhecer de outra forma… pode ser que eu esteja errado.” Acho que ficou até um pouco submisso, mas como é cliente imagino que qualquer tom sarcástico possa ser prejudicial… Pelo menos talvez você passasse a saber a visão dele sobre a palavra, que realmente é algo que gera curiosidade…

  6. Talvez ele confundiu apatia com empatia?
    Anyway, eu tentaria argumentar de forma agradável, caso ele insistisse, googlearia o termo e mostraria pra ele, na boa, só pra “ajudá-lo a corrigir seu vocabulário”.

  7. Quando eu li o título do post, esperei algo absurdo e fora da realidade (depois do ex-piloto, eu espero qualquer coisa da sua loja)…mas tá, apatia.
    Se uma discussão com um cliente (mesmo que você queira apenas explicar o que significa uma palavra) termina mal no momento que ela começa, não tinha muito o que ser dito. O cidadão que chegue em casa e faça o mesmo que você fez, oras bolas.

  8. Como eu havia dito no Tuíter outrora, eu diria a ele que não zerei “Contra” no NES pra ficar ouvindo merda de gente que não conheço.

  9. Acho que o cliente sabia exatamente o que significava apatia mas sabia que você não entraria numa discussão retórica com ele, portanto, só semeou a dúvida em sua mente, sabendo que você nunca saberia o que ele estava pensando de fato.

    Muito provavelmente o cliente era um troll e foi bem sucedido em sua investida, visto que ele não tentou corrigir veementemente sua ideia.

  10. Levantaria da cadeira, sutilmente me aproximaria dele e aplicaria uma voadora-triplo-x-carpado-sem-medo-de-morrer e foda-se meu emprego…

    …ou continuaria quieto demonstrando minha apatia pelo seu infeliz comentário.

  11. eu esperaria ele vir pagar pelo produto que estava procurando e repetiria pra ele:
    “Apatia é indiferença, é não ligar pra algo ou alguém. É tipo, hmm, é tipo falta de emoção. É não dar a mínima pra algo. Manja?”

    e depois, ao enfiar uma espada no meio do peito dele: “and this is Sparta!”

  12. O hbd também é lido pelo publico feminino, pq só nomes masculinos? u.u. Enfim, Na hora teria jogado no google pra ter certeza e chamaria o infeliz pra ler o significado.

  13. É fácil confundir empatia com apatia, quando eu li sua resposta sobre “o que era apatia” eu quase corri pros comentários para explicar o contrário, mas é isso mesmo, é fácil de confundir.

  14. Tendo trabalhado com atendimento ao público, eu teria feito o mesmo que você, exceto que se eu achasse que fosse me interessar pela idiotice que o cara certamente iria vomitar, pediria pra ele me falar qual é a resposta certa, e o faria acreditar que ele me ensinou.

  15. Ignoro. Só perguntaria a definição que ele atribui a palavra caso ficasse curiosa no momento, o que o faria responder e começar uma conversinha passa tempo.
    Mas tendo um livro digníssimo em mãos não teria motivos para querer “passar o tempo” falando com alguém enquanto poderia me focar na história.

  16. Cara, trabalho em um loja de computadores (em uma premium reseller da Apple). Uma loja que é uma cópia de uma Apple Store mas não é da Apple. Todos os dias, sem falta, sou contrariado por clientes que leram em blogs ou sites sobre notícias fantasiosas. E acredite, são todos os tipos de informações. Desde que o Steve jobs em pessoa estava no Brasil para inaugurar a fábrica da Apple. Enfim, embora de vontade de mandar o cara a merda umas 10 mil vezes, acho que o que vc fez foi o melhor …

  17. Pelo simples fato de que eu não sei discutir e provavelmente partiria pra ignorancia, eu reagiria exatamante como você, justamente para não haver complicações futuras!!!

  18. Eu também ignoraria e reforçaria o conceito para a S, já que ela provavelmente ficou confusa com a situação. De qualquer jeito, acho que humanos (principalmente os homens) tendem a querer saber TUDO e/ou ter uma opinião formada sobre todos assuntos, então é meio compreensível a atitude do rapaz, apesar de irritante.

    Concluindo, deixaria o cara se ferrar no uso de apatia.

  19. Izzi, faria exatamente oq vc fez. Não tenho curiosidade pela burrice alheia. O que me fascina é a inteligencia! Por isso te leio! 😉

  20. Pra que se estressar?

    A menos que eu ganhasse um adicional no salário por ownar clientes chatos não acho que vale a pena se emputecer com essas coisas.

    Respirava fundo…1, 2, 3..retornava à leitura.

  21. Primeiramente, eu deixaria ele completar a frase. Agradeceria o pseudo-professor de Língua Portuguesa e, depois, aproveitaria o ensejo para tirar outra dúvida. Algo mais ou menos assim:

    “Ah, entendi. Valeu, cara! Aliás, você também sabe o significado da palavra INTROMISSÃO?”

    Ironia, um estilo de vida 🙂

  22. Izzy, quando você vai passar o nome artistico da S? hahaha

    Aliás, você já encontrou na loja algum filme com a S no elenco? se sim, como foi a reação

  23. Eu perguntava pro cara qual o significado na opinião dele. Depois ia no Google e mostrava o significado real. Estaria fazendo uma boa ação e deixando o cara um pouco menos ignorante. HÁ!

  24. Como o cara é um cliente, o Izzy tirou de letra a situação, mas também se tivesse perguntado ao sujeito qual era o significado que pra ele era o certo, não faria mal nenhum.
    Mas se o Izzy tivesse trollado ele, o resultado só seria discussão( ou não, talvez até pior né? nunca se sabe.)

    Agora eu fiquei curioso mesmo pra saber a definição dele pra apatia…dammmm.

    Continua com essa seção Izzy, pois ficou excelente.
    Pode gerar bons argumentos nos comentários.

  25. Mandou bem Izzy, é por aí msm…

    Pra quê iniciar uma discussão que não vai trazer nada produtivo? Ele vai achar que está ELE está certo, mesmo que você use as mais avançadas técnicas pedagógicas.

  26. Olá.
    Sabe, honestamente achei o post bem ruim. Seria o mesmo que você perguntar o que o leitor faria se alguém viesse pedir dinheiro para você. Sei lá, não achei interessante já que a história não tem nenhum final. Eu comoo leitor não posso dizer que vc agiu errado pq bla bla bla e que eu faria assim pq bla bla bla. Sei lá, espera mais.

    Sei lá, sugiro escolher historias com finais legais para esta sessão do site, algo que posso dividir os leitores.

    Boa sorte na loja.

    =*
    E.

    1. Também achei isso.

      Vc vai lendo a historia e achando que no final vai ter fight.

      Eu entendo que o proposito do texto é saber o que o leitor faria, mas o texto em si não foi muito empolgante pq nao tem um climax.

  27. Como todo mundo ja ouviu aquela frase “o cliente tem sempre razao” (que pra mim e uma frase hj em dia totalmente sem sentido).
    Eu tb como um excelente vendedor nao discutiria com ele. Pq sempre cai a culpa pros vendedores.

  28. Perguntaria “Então o que tu acha que é, camarada?”, esperaria a resposta esdrúxula, falaria “Ah ta, beleza.”, faria uma careta do pra S. e voltaria pro meu livrinho.

  29. faria exatamente a mesma coisa que você fez. Se incomodar com cliente por pouca merda não é boa ideia. Se fosse uma outra circunstância, aí sim era tirar o iPhone do bolso e esfregar o verbete na cara do infeliz.

  30. Inútil discutir. Convivo com as pessoas na Internet desde 2000 e definitivamente sempre que tive “problemas” foi com o silêncio que dei a melhor resposta. Todas as vezes que perdi a paciência e dei uma resposta atravessada eu me fodi. Tanto aqui na Internet quanto na vida real.

  31. Eu perguntaria pro cara o que ele acha que é, e se a definição dele estivesse de acordo com o google/dicionário, ele poderia escolher qualquer piromba grátis da sua loja de pirocas.

  32. From French apathie, from Latin apathīa, from Ancient Greek ἀπάθεια (apatheia, “impassibility”, “insensibility”, “freedom from emotion”), from ἀπαθής (apathēs, “not suffering or having suffered”, “without experience of”), from ἀ- (a-, “not”) + πάθος (pathos, “anything that befalls one”, “incident”, “emotion”, “passion”).

  33. Eu teria mostrado pro cliente que ele estava errado com uma rápida busca no Google, mas sem tentar “ownar” ele.

  34. Infelizmente eu manteria a postura diplomática e não me meteria em discussão com o cliente, pois uma vez trabalhei por pouco mais de 1 ano em uma loja de games dentro de um shopping na minha cidade (Vitória-ES/ Brasil)…
    Aconteceu logo após o lançamento do Wii, chegou uma mulher com ar de superioridade na loja pedindo dois wii remotes e ao tirar o dinheiro para pagar, jogou em cima do balcão as notas e me disse em tom de desprezo “Isso aqui é mais que o seu salário”, fiquei com ódio e vontade de dar na cara da vagaba, porém mantive a postura e fiz igual a você Kid, ignorei completamente…
    Então ela pagou e vazou meio puta, pois não a retruquei!

  35. Muitas vezes ele acha que é a mesma coisa que você falou, mas entendeu errado sua explicação. Isso acontece muito de duas pessoas ficarem discutindo algo e nem se tocarem que querem dizer a mesma coisa.

    No seu lugar, eu perguntaria o que era e estando certo, ou errado, eu apenas consentiria.

  36. Eu indagaria sobre o que ele ahca da palavra e teria duas reações:

    1- se a argumentação fosse boa: iria puxar papo com o cara.
    2- se ele errou feio: iria abaixar a cabeça, fingindo que voltei a ler, e riria da burrice do cara.
    Simples assim.

  37. eu teria perguntado o que significa pra ele pois o cara poderia ter entendido a palavra errada, ele errou em se meter na conversa mas poderia estar certo no significado da palavra que ele entendeu.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *