Porque ainda não lancei meus outros livros


A essa altura do campeonato, a versão física de Todo Dia Tem Uma Merda está em vias de ser enviada aos compradores (aliás, muito obrigado a você que comprou o livro). O que muitos não sabem, no entanto, é que eu tenho três outros projetos de livro a caminho.

Acima você vê a capa de Crônicas da Sex Shop, um relato sobre os três peculiares anos em que trabalhei no turno de madrugada numa loja de putarias e dildos. Entre as maluquices a que fui submetido, rolou um assalto à mão armada (com um MACHADO), uma stripper me oferecendo um boquete como meio de pagamento, um cara sendo assassinado do lado de fora da loja — o que me colocou na bizarríssima posição de ser testemunha no julgamento do meliante — e um mendigo que peguei fazendo amor com uma buceta portátil de plástico.

Que diabo de vida maluca.

Há também o Todo Dia Tem Uma Merda: Parte 2.

Esse é auto-explicativo. É também o motivo pelo qual eu não posto mais aqui as histórias em que eu me fodo. Tão tudo indo pro TDTUM2.

Além disso, tem também o Caralho, Ele Morreu de Quê?, uma coletânea das histórias mais bizarras que levaram alguém ao óbito. O subtítulo do livro já deixa claro o tipo de maluquice que ele conterá: “O homem que foi esfaqueado por um galo e outras histórias”.
Hiperativo como sempre, estou escrevendo os três simultaneamente. Todos estão em pontos variados de produção, com o Crônicas saindo na frente com 6 capítulos prontos. Olhaí:

Se você curte bastante o HBD e talvez até comprou o TDTUM, você deve ser um dos que me perguntam diariamente onde estão meus outros livros. E o problema é tão besta quanto é paralisante.

Eu tenho um medo completo do fracasso.

Tenho medo de gastar tanto do meu limitado tempo produzindo algo que ou não terá qualidade, ou não venderá uma cópia sequer.

Geralmente quando alguém diz que não teve tempo para algo, todos sabemos (mas omitimos por causa do contrato social) que isso é uma desculpa esfarrapada. Não é o caso comigo: blog, dois canais no YouTube, dois podcasts, um trabalho em tempo integral, e uma esposa que constantemente disputa minha atenção com tudo isso. Uma noite de sono de 6 horas é uma noite excelente pra mim.

Uma coisa é produzir um texto/vídeo/podcast. Você investe lá umas 3 horas, e a parada sai no ato. Você recebe o feedback na hora, vê o que funciona, o que não funciona, sente rápido satisfação do trabalho completo — ou está rapidamente de volta à prancheta de desenho preparando outra coisa caso a primeira saiu uma merda.

Livro não. Livro é compromisso. Toma o tempo que eu uso pra produzir coisas com rotatividade maior. E, se sair uma merda/ninguém comprar, foi um mal investimento do meu escasso tempo.

Enfim. Os livros vão sair, eu prometo. Só não posso dar uma data definitiva.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

9 comments

  1. IZZY, nunca me identifiquei tanto contigo. Essa insegurança de que pode não dar certo me fode por completo, e no meu caso, a ansiedade atrapalha mais ainda, pois cria uma dilatação temporal entre o trabalho/recompensa que é surreal.
    Mas espero que vença isso e lance teus livros, e que se tornem um sucesso!

  2. Izzy, pensa pelo lado bom: se o livro for um fracasso você vai ter mais uma história pra contar, seguindo o mesmo molde das demais “auto-biográficas-merdásticas”.

  3. Velho, na boa… faz. Sério, faz. OK, tempo, beleza, eu entendo. Mas essa é uma win-win situation. Se os livros ficarem massa, sussa, mais gente curtindo teu trabalho. Se ficarem uma bosta, isso não muda o preço do feijão. É como levar aquele toco de uma mina: a galera vai te agitar muito, por um tempo, mas tua fama no mercado de trabalho dificilmente vai ser a do “cara que levou toco de uma menina”.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *