Recomendação de leitura – Uzumaki

Meu primeiro contato com narutos (chamo tudo relacionado a cultura japonesa — anime, manga, jrock, caratê, etc — de naruto, apenas aceite) foi o icônico e inigualável Dragon Ball Z. Na época a expansão japonesa ainda estava sob controle.

Hoje virou putaria. Animação japonesa preenche todas as lacunas do mundo cultural ocidental, e eu sempre resisti essa invasão. Até escrevi um texto sobre isso, aliás, que gerou muito ódio naquela época. Rendeu uma boa safra de lulz.

Tanto meu irmão quanto minha própria mulher são perdidamente fanáticos por narutos. Meu irmão coleciona aquelas odiáveis revistinhas que você lê de cabeça pra baixo ou algo assim, e minha mulher tem uma conta num site de streaming de video chamado Crunchy Roll que se especializa em desenho japonês.

E ela passa o dia inteiro assistindo esse tipo de desenho

Minha resistência contra cultura pop japonesa acabou (parcialmente, note bem — ainda detesto esses desenhos animados com personagens com olhos maiores que a cabeça) mais ou menos um ano atrás, quando alguém num fórum gringo mencionou The Enigma at Amigara Fault.

Você pode ler aquele artigo da wikipédia, ou ler a própria revistinha neste site aqui. A história é curta: essencialmente, após um terromoto, uma montanha começa a exibir uma série de buracos com formato de pessoas. O fenômeno atrai atenção internacional e de repente, pessoas começam a sentir uma atração sobrenatural pelos buracos. Como tenho classe, evitarei a piada óbvia (é sobre bucetas).

Não posso contar mais nada sem spoilear a história. Vai lá, leia o troço. É bacana, e essa recomendação vinda de alguém que DETESTA anime/manga significa muita coisa.

A mente perturbada que desenhou e escreveu a história chama-se Junji Ito. Descobri que o sujeito escreveu algumas outras histórias de terror interessantes, e saí catando tudo. E dentre elas, a que se destaca é Uzumaki.

A coleção inteira aí

Uzumaki conta a história de Kirie, uma colegial que mora na cidade japonesa de Kurôzu-cho. Não sei se a cidade é fictícia — quase certeza que sim, mas não me dei ao trabalho de pesquisar — e o uso dos nomes japoneses na história me alienou bastante. Eu só reconhecia personagens pelas gravuras.

Então, a história se foca na tal Kirie e nos eventos estranhos que começam a ocorrer na cidade isolada em que ela mora — todos relacionados a espirais, um tema constante na revista. “Uzumaki” significa “espiral” em japonês, aliás.

Não quero contar muito da trama porque quanto menos você souber sobre a história, melhor. Mas posso te dizer que ela envolve uma influência demoníaca que permanece inexplicada por boa parte da história, até o finalzim. Tal presença satânica na cidade mata e deforma seus habitantes de uma maneira violenta e bizarra.

A história não é tão longa (dá pra ler num dia sem problema), mas é longa o bastante pra você se familiarizar com os personagens e se importar com eles. Tudo começa quando o pai de Suichi, o namorado da Kirie — sério, eu odeio esses nomes — começa a ter uma obsessão por espirais.

A fixação do cara por espirais o deixa completamente pirado e acaba matando-o de uma forma bem… inusitada. E a morte dele é a deixa pra que o mal contamine a cidade.

A arte é sinistra e te coloca no clima do terror, há explicações interessantes pro fato de que ninguém consegue sair da cidade — o “mundo exterior” até manda equipes pra prestar socorro por causa de algumas calamidades que atingem a cidade, mas uma vez dentro dela, ninguém consegue mais sair –, as mortes e transformações dos personagens são bastante perturbadoras. É um misto de terror psicológico com body horror com aquela presença diabólica milenar inexplicável que lembra muito HP Lovecraft.

Também pudera, o Junji Ito diz até que Lovecraft foi uma das influências dele.

Mais interessante que isso, há pequenas referências que passam batidas ao longo da história, mas que quando você a lê pela segunda vez, você nota no ato. Essa pequena atenção aos detalhes que se tornarão significativos lááááá na frente tornam a revista mais profunda, passível a mais de uma interpretação. Como falei no tuiter, Watchmen feelings.

Ultimamente tou num viés de terror, e Uzumaki veio na hora certa pra mim. Peguei outras obras do autor, mas as histórias curtas dele não me deram a mesma sensação. O legal de Uzumaki é que por ser mais longo, ele te dá mais tempo pra se familiarizar com os personagens e se importar com o sofrimento deles, e com a cidade em si.

Sem contar que, por ser uma história maior, quando a conclusão se aproxima no último capítulo, dá aquela sensação de final de uma longa jornada. A conclusão é mais emocionante. Quando os personagens se encontram diante da parada que os levará à explicação de toda loucura que eles tiveram que encarar, você não faz a menor idéia do que eles encontrarão do outro lado.

Recomendo Uzumaki fortemente.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

66 comments

  1. Acho que vc é muito radical… existem muitos mangas bons assim como Anime.. existem muitas porcaria tb..mas isso é em qualquer lugar.. DC e Marvel são as provas disso… não seja radical… pois vc esta perdendo muita coisa…

  2. Tentei não ler muito da história… [?}
    Ia acabar com a graça…
    Ai, não sei se você gostaria, mas tem dois mangás muito viajados, não são de terror, mas recomendo dar uma olhada…
    Gantz e Blame, vai ser díficil entender no começo, mas é assim mesmo. D=

    1. Gantz ser muito foda XD no quesito violencia pelo menos kkk mas ainda prefiro Deadman Wonderland ou Death Note que tem uma das historias mais inteligentes do mundo anime e.e

  3. Bem, eu gosto muito daquela historia sobre os peixes que ele faz, que tem uma bacteria que toma posse de tudo, se vc já leu deve saber oque eu estou falando.
    Você tbm poderia tentar o Suehiro Maruo que tem um tematica bem parecida.

  4. Verdade, hoje em dia está tudo muito forçado, tudo repetitivo, os animes estão carregados de esteriótipos, subestimando a inteligência de quem vê (!).

    Eu já li Uzumaki, é REALMENTE interessante.
    Engraçado que o próprio traço do autor já é perturbador.

  5. Eu tenho aqui as três edições que saíram no Brasil, terror japonês é muito bom realmente. Não é muito difícil de achar não, entra na loja da Comix que lá tem.

    Também já vi o filme e gostei, é um resumão do mangá, fica mais centrado na história do pai do garoto. Se não me engano mostra também a história do garoto que vira um caramujo gigante e daquele que fica dando susto na Kirie e morre atropelado.

  6. Sempre fui altos contra os “narutos” por sei lá… ser estranho. Isso já era motivo suficiente para mim.
    Mas devo admitir que existem obviamente coisas interessantes que podem ser salvas. 😛

  7. Boa recomendação, me interessei pela historia. Juro que achei que você iria recomendar o manga do Naruto, pois o nome dele é Uzumaki Naruto… TENDEU?

  8. Li todo ele no extinto OneManga.
    Uma coisa legal de comentar(sem spoiler,serio) é q o final é totalmente surpreendente.Alem das cenas de terror,cmo akela q o Izzy falou.Tenham em mente coisas totalmente pertubadas cmo akela(um pouquinho de spoiler,coisa boba) do garoto q gosta de assustar as pessoas.akilo é meio doente,mas legal xD

  9. Uzumaki é uma história de terror bem original, horror fantástico e horror psicológico misturados. Tomie, do mesmo autor também segue esta linha, mas é menos intensa. Também tem adaptações para o cinema dos dois mangás, mas que são apenas razoáveis.

  10. o mangá saiu aqui no brasil mesmo! eu tenho a primeira edição (não comprei as demais pq comecei a ler Gantz)
    realmente é muito bom o uzumaki, mas tente ler o Gantz, é ainda melhor e mais futurista (não sei qual o tipo de terror que você curte)
    se você for atrás existem muitos mangás de terro. Lembre-se que os zóio puxado gostam de levar sustos!
    tem um outro mangá q não é de terror mas tem uma pegada bem fohda/pesada/intrigante , que é o blade- a lâmina do imortal, que inclusive saiu em anime já.
    é isso,
    apenas queria registrar que seria legal se você fizesse mais HBDtv…

  11. Kid, você já assistiu a DBkai?
    Parece que os japoneses estão “refazendo” -já refizeram quase até o final da saga cell- o dragon ball z.

    O melhor disso é que deixaram mais perto do mangá (com bem menos fillers e MUITO MENOS EPISÓDIOS). Quase metade do total.
    Então o desenho fica muito mais dinâmico.

    Outra coisa: Tá em FULL HD hohoho

    Enfim, recomendo

  12. Nem acredito que eu perdi tempo lendo essa bosta gigantesca, não explica merda nenhuma (nem vem falar que aquele final é explicação, não é, deal with it) horror passa longe, ta mais pra comédia, so conseguir rir com as mortes, dialogos toscos tipicos de estorias japonesas, e a velha fixação dos japas por falos e tentaculos… acho que consegue ser pior do que the walking death..

  13. Você detesta coisas japonesas por que até então não tinha conhecido os seniens.
    Japoneses fazem mais além do que apenas mulheres peitudas e semi nuas ou homems super poderosos.
    E uzumaki é ótimo mesmo.

  14. hmmm achei interesante esse do The Enigma of Amigara Faut

    Tambem conheço alguns outros mangás/animes bons. Gostei de sayonara zetsubou sensei e Great teacher onizuka mas esses dái são de comédia.

  15. Esse mangá é muito bom, comprei o número 1 despretensiosamente um dia e fiquei sabendo que já tinham sido lançados todos e que eram só 3 (o que é bom, porque mangá aqui no Brasil não é uma coisa muito barata pra você comprar uma coleção de 20 exemplares de uma vez).

    Só não esperem um final surpreendente, ele é bem simplista.

  16. Animes tem temas tão abrangentes que até uma mente doentia como a sua ia acabar encontrando algo que goste, eu, por exemplo, gosto de ação e mechs.

    Abraço, izzy.

  17. Além do próprio Dragon Ball e Dragon Ball Z, eu também li Gantz, que não é de terror, embora tenha muito sangue, e achei interessante. Fora isso, nada japonês, nem a comida eu gosto.

  18. porra, maluco! eu vi esse mangá faz tempo. Cara, eu só me lembrei disso na época que apareceram aquelas espirais no céu. Eu achei o começo muito massa, mas lá pra frente a aparência da espiral ficou meio que forçada. E pra quem tá curioso, tem o filme também (disponível no youtube) não é tão bom quanto o mangá mas vale a pena ler. fui o/

  19. São poucos os mangas que me interessam, mas teve um que achei bem legal, o Leviathan, escrito por Otsuka Eiji e com desenhos do Kinutani Yuu, achei a história e o final, principalmente, muitos bons.

  20. Como disse o colega ai em cima mangá é um veículo (na verdade é uma técnica narrativa, um estilo) que congrega diversos gêneros. Se você gosta da sociedade japonesa e quer fazer parte dela: tem mangá para você. Se você abomina a sociedade japonesa e quer que ela seja extinta da face da terra: acredite, tem mangá para você. A grande questão é que você precisa ir além dos preconceitos superficiais e buscar obras tanto no mainstream quanto no prolífico underground japonês. A única forma certa de não gostar de nada da indústria é alimentar preconceitos e classificar essa massa heterogênea como “tudo igual”.

    Sugestões:
    Liar Game: como o próprio nome sugere lida, grosso modo, com um jogo onde quem mentir melhor ganha uma quantia astronômica e quem perde contrai um dívida igualmente alta.

    Naru Taru: uma descontrução dos mangás típicos de “crianças e seus monstros que fazem coisas incríveis”. Espere larga quantidade de drama e pessimismo.

    Bokurano: mesmo autor de Naru Taru, uma divertida desconstrução do gênero de Mecha, novamente, espere uma obra escrita por alguém que precisa ter a cabeça examinada.

    Welcome to NHK: Lida com os NEETs (Not engaged in Education, Employment or Training), ou seja, a parte que da sociedade japonesa cuja existência a população prefere ignorar.

    Gantz: Fartas doses de violência e nudez empregadas em uma interessante história que, infelizmente, demora um pouco para se desenvolver.

  21. A diferença entre Naruto e DBZ? Apenas vários anos. Embora o autor de Dragon Ball seja um dos gênios do gênero nem a arte nem o roteiro de DBZ fogem do padrão básico do livro de estilo da Shonen Jump, revista onde foi lançado, que hoje publica Naruto.

    Na verdade quase qualquer coisa da Shonen Jump vai ser uma roupagem diferente para as mesmas ideias “Esforço, Amizade e Triunfo”.

  22. Vc, recomendando um mangá?! Q estranho =P
    Já li, há muuuito tempo. Terror n é bem meu estilo, mas Uzumaki é realmente legal.

    Tente abrir mais sua mente para animes/mangás. Tem muita porcaria, mas tem também coisas boas. É assim em tudo, não?
    Filmes, músicas, e o escambau.

    ps: Adoro seu blog.

  23. eu já li Uzumaki… eu tenho os mangás guardados até hj é um dos meus favoritos embora eu tenha emprestado a uma amiga e um deles voltou estragado… lembro até hj que o que mais me chamou atenção foram os traços e o nome tosco na banca (vamos combinar que “Uzumaki a espiral do terror” é um nome muuuito tosco digno de filmes trash) e pesquisando com mis amigos que também leram e acharam extremamente bizarro e interessante descobrimos que tem o filme também… vou até procurar de novo pra ver se te mando o link, não assisti, mas confesso que a curiosidade pra ver como aquelas bizarrices ficaram em um longa metragem me consome até hoje.

  24. Tava precisando de um impulso pra ler coisas em inglês, vou tentar ler quadrinhos, é mais simples. Tomara que eu eme acostume a ler de trás pra frente, sempre me perco lendo mangá

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *