SOCORRO: Eu não consigo parar de irritar minha esposa

Essa moça aí na foto é minha esposa. Casamos em 2012, e vivemos felizes até então. Sermos um casal feliz é uma certa contradição, e ao longo desse texto — que é na real uma franca confissão de forma que nunca fiz antes na minha vida internética — você vai entender perfeitamente por que.

Eu não consigo parar de irritar minha esposa. Literalmente não consigo. Se minha vida dependesse de eu passar 24 horas sem irritar minha mulher, eu morreria. Rezo para que eu nunca seja pego por um serial killer estilo o Jigsaw que imponha essa bizarra condição para que eu continue vivo.

Começa já de manhã cedo. Minha mulher sofre de cócegas por qualquer coisinha (talvez é por isso que ela vive rindo); sabendo que isso a irrita mortalmente, eu propositalmente passo o dedão na sola do pé dela. Ela se contorce toda de raiva, me empurrando pro outro lado da cama, enquanto eu me mijo de rir da reação dela. É idiota, eu sei. Mas é incontrolável.

Se eu levanto primeiro e vou ao banheiro, finjo que estou usando a escova de dentes dela, para seu horror. Ela entra pra tomar banho, eu pego TODAS as toalhas e escondo no meu escritório. E na saída do banheiro, apago a luz. “Ops, foi força do hábito, rsrs“, eu respondo quando ela inevitavelmente berra no escuro. Às vezes, pra zonear a temperatura da água do banho dela, dou descarga na privada. Três segundos depois ela está berrando novamente porque a temperatura da água do chuveiro caiu uns 20 graus.

Photo 2008-04-10, 6 24 17 PM

Em minha defesa, ela nasceu na neve. Tá acostumada ao frio.

Eu faço todas as mais desnecessárias piadas de tiozão do pavê num esforço de ser o menos prestativo possível para responder qualquer pergunta dela.

Por exemplo: após uma refeição, a mulher pergunta se “tem algo nos dentes“, e mostra os mordedores. Eu começo a recitar tudo que sei sobre anatomia dental:

“Ah, tem esmalte, tem dentina, tem polpa, tem um monte de coisa nesse teu dente aí”

E o Netflix? Se ela escolhe um filme qualquer (“aquele ali!”), eu faço questão de selecionar todos os filmes ao redor (“esse aqui?”), mas não o que ela escolheu. Até ela finalmente se encher e tomar o controle da minha mão.

Se ela tá me dando bronca por qualquer motivo, eu canalizo o Izzy Nobre de 12 anos — aquele que ao ser mandado pra sala da diretora, ou quando tomava bronca do pai, começava a rir histericamente. Se minha mulher está chateada porque eu não lavei os pratos, ou esqueci de ir pega-la em algum local no horário determinado, minha reação é começar imediatamente a rir (o que a deixa ainda mais revoltada).

Eu não consigo me controlar. Existe dentro de mim um estranho ímpeto que me leva a irritar minha mulher. É incontrolável; se eu deixo passar uma oportunidade de irrita-la, me sinto fisicamente mal até.

Como diabos eu resolvo isso?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

34 comments

  1. É, Kid, complicado. Tenta pensar o seguinte: Se isso for sujeito a divórcio, para. Caso contrário, continue irritando ainda mais. Mantenha seus ideais brbr huehue ;D

  2. É aquela história, o menino gosta daquela menina que ele puxa o cabelo na pré-escola. Se ela reclamar, diga que não há maior demonstração de amor. E em seguida peide e tranque ela no lugar em que vocês estiverem.

  3. Essa fácil: quem vai resolver é ela. A hora que ela se cansar da palhaçada, vai demonstrar de um jeito desagradável e você para.
    Como diria meu pai: “O pato só aprende a nadar quando a água bate na bunda!”.

  4. Primeiro é preciso saber se ela quer que você deixe de ser assim. Pode esr que ela até venha a sentir falta das suas traquinagens e peça pra voltar com elas!

  5. É bem fácil resolver isso.

    Olhe a foto que ilustra o texto. Deu pra ver que ela é absurdamente linda demais pra ter casado com um cara feio que nem você?

    Se ela te largar, achas mesmo que vais arrumar alguém que tenha pelo menos 10% da beleza dela?

    Então, amigo. Apenas pare 🙂

  6. Cara, eu sofro do mesmo ‘problema’ que você, e vou te dizer: eu acho q isso é uma coisa boa;
    A Bebba é, acima de tudo, sua amiga (como você já demonstrou algumas vezes) -- e quem tem amigo HUE BR tem que aturar isso mesmo. É a nossa ‘demonstração’ de amizade. Eu posso estar SUPER errado, mas se você parar com essa potaria toda ela eventualmente vai sentir falta (eu sei, minha namorada acha q eu tô triste quando eu passo um dia sem sacanear com ela HUEHUEHEU); Vou te falar, espero que você irrite ela por MUITO tempo ainda, a relação de vocês parece ser muito boa -- e além do mais, C É HUE BR POAR

  7. iiiihhh kid somos todos igual brother. Kkkkk em casos extremos(tipo quando ela fica muuuuuuuuito brava) eu abraco ela a forca dou um beijo e falo que amo ela. Kkkkkk
    acho que se eu mudar. Means amadurecer kkkk. Ela vai sentir falta kkkkk. Boa sorte a todos nos kkkkkk

  8. Bom. Vc não menciona desde quando este hábito começou. Digamos que seja desde que quando vcs são íntimos.
    E vc não comenta se é joselito assim com outras pessoas e se estas utras pessoas são proximas.
    Mas digamos que ela seja a única vitima deste sua mania.
    É algo que vc faz pra se divertir, pra obter prazer próprio; sem se importar se ela está se divertindo também.
    De repente este gatilho de adrenalina (como no caso das broncas) ou esta necessidade de endorfina que o riso causa seja tão intensa que vc não tem como obter de outras fontes.
    E isto deve ser visto. Você pode ser distimico ou sofrer algum traço de depressão que te obriga a voltar a a atenção pra estes recursos de fácil captação de prazer.
    Sem um outro fonte fica difícil se livrar deste hábito. Q pode ter virado ou pode estar virando um vício.
    Afinal, não sabemos o quanto foi estressante a sua mudança de país e por quais maus bocados vc passou então seria bom pesquisar sobre traumas ou stress pos traumático.
    Lembre-se: brincadeira e bom humor é bom. Mas não conseguir controlar e isto estar afetando o seu dia a dia pode ser algo ruim. Não pra vc. Pra ela.

  9. Izzy, eu sofro desse mal ao contrário kk, não consigo ser um cara irritante, sou um otário trouxa que faz tudo certinho e que dificilmente solta uma piadinha “irritante”, eu sinto uma pena exagerada de tudo e se todos, sinto pena ate de quem nao gosta de mim, me coloco na pele da pessoa e me sinto mal pra caramba, eu não sei como te ajudar, mas ao menos tente se por no lugar dela seilá…

  10. Eu te diria pra tomar vergonha na cara, não existe isso de NÃO consigo mudar, a gente não tem que ser o que a gente é, temos que tentar ser alguém melhor. Agora, se vc realmente já tentou e não conseguiu, acho que a única saída é terapia mesmo.

  11. Por mais brega que pareça, é importante que vc tbm a faça se sentir especial, fazendo um agradinho ou outro. Ao meu ver, não há problema em ser troll com sua esposa. Mas tem horas que todo mundo gosta de se sentir compreendido, né. Sem exageros 🙂

  12. Cara, sério, eu passei por isso (E acho que ainda passo um pouco, mas com menos intensidade), mas não era sempre, era quando ela (Minha Namorada) estava brava comigo, ou estressada, coisas assim, aí eu sabia que ela não gostava de que eu fizesse certa coisa, aí eu ia e fazia aquilo e, ela ficava mais puta da vida comigo. Na boa, eu sou um adolescente ainda, mas acho que o melhor à fazer é tu parar de vez com isso, ou diminuir, porquê, puta que pariu, isso aí até eu acharia chato xD

  13. Sabe, sua bebbinha parece que foi especialmente esculpida pelos gélidos ventos que batem no Canadá; já você, meu amigo, é muito, muito feio. Como sou feio, tenho muita propriedade na hora de julgar sua aparência.

    Acho que o fato de você ser BRBR HUEHUE foi o que fez ela ficar bêbada de amor por sua pessoa, pois, sinceramente, se eu fosse mulher, eu não aturaria essas “piadinhas” de tiozão no natal da família. Talvez essas suas babaquices sejam o diferencial que ela não encontrou em outros machos Homo sapiens com quem ela se relacionou, e que esse seu comportamento acabe criando pontes que permitem que vocês sejam não só amantes mas também amigos.

    Ou ela simplesmente sofre de uma vertente desconhecida da síndrome de estocolmo. Nunca se sabe.

  14. Se ela te der um pe na bunda VC não vai conseguir outra do nivel dela, pense nisso. Chega uma hora que a mulher fica carente , quer um cara com quem se sinta amparada, não se trata de discussão filosofica-sociologica patriarcado feminismo machismo blablabla. Brinque mas não deixe de ser carinhoso, não deixe de cumprir seu papel de homem e de fazela se sentir amparada e protegida por você as vezes, mesmo que ela não precise na real. Cresça, não deixe que sua namorada tome o lugar da sua mae (quando tu era um pirralho). E outra, quando o pequeno Izzy nascer, a tolerância acaba amigo, já vi isso acontecer muitíssimas vezes, você simplesmente perde toda a graça, a atenção da mulher estará no filho.

  15. Leva cafe da manha pra ela na cama um dia. Bate mas depois assopra ne Izzy, se ficar só enchendo o saco não da.

    E cuida melhor do teu corpo e aparência, se não por você, por ela, ela merece. Vendo as fotos antigas vê se que tem um Izzy gatinho ssoterrado ai e esperando para nascer de novo.

    Desculpa a franqueza, mas palavras bonitas não ajudam as vezes. Impacto terapia como dizia um amigo meu

    1. O bate ali é no sentido figuradoooo. Quer dizeer que se for irritar como VC faz, depois trate bem, faça um agrado para compensar.

      Sempre bom explicar por causa dos burrinhos patrulheiros do politicamente correto….

  16. ahiuahiuahihaihuaiuhauihiuaha tem uma solução para você, Kid: a Bebba descer-lhe a peia!!

    Eu não consigo irritar dessa forma minha senhora, ela é muito desligada e não entende ironia ou piadas dessa forma xD

  17. Izzy… Na moral, até compartilhei isso com minha namorada. Pois eu irrito ela e ela me irrita! Acho que chega a ser “pior” do que apenas um irritando o outro, hehe
    Mas no meio dessas brincadeiras, de um zoar o outro toda hora, nos tratamos com muito carinho e talvez por isso, temos uma grande química. Abraços

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *