[ Vergonha Alheia da Semana ] “Fedoras Are Awesome”

Mermão, em todos esses anos nessa indústria vital chamada “a internet” eu já fui exposto a muita coisa vergonhosa. No entanto, nada poderia ter me preparado para o vídeo “Fedoras Are Awesome”.

Vamos DIRETO AO PONTO porque tenho que sair pra fazer compras e tal.

Este é Adam the Alien, um vlogger americano que pode ser na realidade a vergonha alheia personificada. Neste vídeo, que acho que tecnicamente consta como um clipe, o rapaz canta sua composição “Fedoras are awesome” enquanto cercado do tipo de gente que é comumente o pária social na cultura norte-americana.

Da esquerda pra direita: o(a) sujeito(a) estranho que não fala com ninguém — e pode ser até onde vemos a única pessoa com senso crítico do grupo, que se pergunta constantemente “o que estou fazendo com esses caras…?”; uma gordinha que pode ou não ser autista; o tal Adam, uma garota careca lá atrás, e um maluco que parece o tipo de gente que é presa por tentar tirar fotos escondido de mulheres em banheiros públicos.

Eu preciso explicar algo sobre fedoras, aliás — acho que o estigma deles ainda não chegou no Brasil.

Esse tipo de chapéu é associado com gente desajustada/sem tino social, que acha que o acessório vai imediatamente conferir classe e sofisticação ao usuário. Na realidade, sendo combinado frequentemente com camisetas estampadas com desenhos animados e doses cavalares de esquisitice psicológica, o chapéu virou sinônimo com “não sei me vestir”.

fedora

Basicamente, se você não é o Frank Sinatra, o Michael Jackson ou o Indiana Jones, fedoras não são pra você. Com a morte desses três (eu considero aquele 4o filme do Indy a morte dele), o fedora morreu junto.

Aí o sujeito não apenas usa o chapéu que imediatamente o faz parecer um desajustado social, como também entoa uma canção dedicado a ele, tendo como back vocals desincronizado um grupo de pessoas igualmente toscas que certamente se conheceu num fórum de animes.

Nos redutos internéticos onde se apreciam esse tipo de vergonha alheia, muitos usuários relataram não conseguir terminar o vídeo, alguns tendo inclusive que marcar uma consulta com um oncologista com urgência.

E eu vi a porra do vídeo 3 vezes. Caralho.

Pontos altos: quando a gordinha (que a propósito tenho mais certeza de que ela tem um Tumblr do que tenho certeza de que morrerei um dia) começa a berrar como um gato sendo arrastado em cima de uma cama de pregos, ou o fato de que a música acaba um minuto antes do próprio vídeo acabar.

Eu não sei mais nem quem eu mesmo sou após ver essa merda. Este vídeo me quebrou.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

10 comments

  1. Indiana Jones não usa um Fedora
    Ele usa um Cury
    “A loja usou o molde de seu chapéu mais clássico e antigo – o The Poet. Modificou alguns detalhes, ajustou o tamanho às medidas de Harrison Ford e escolheu um tom de marrom chamado sable (que significa zibelina, mamífero cujo couro é usado na fabricação de casacos). O trabalho resultou em um chapéu estilo safári, que protegia tanto os olhos como o pescoço de Ford, e tinha os cantos mais estreitos, o que facilitava os ângulos das câmeras. A fita que envolve o chapéu, originalmente de 50 mm de largura, foi afinada para 39 mm, para que o acessório parecesse mais alto e imponente, dando ao personagem a identidade pretendida por Spielberg. Só para o primeiro filme, o diretor encomendou 45 chapéus, que foram usados por Harrison Ford e seus dublês.”
    fonte: http://guiadoscuriosos.com.br/blog/2012/07/20/afinal-quem-fabricou-o-chapeu-original-de-indiana-jones/

  2. Então, sobre a gordinha… Tem um belo motivo para ela ter dado o grito, Izzy. Observe aos 2:25, mais ou menos, a mãozinha do John Lennon emo roçando no popô da gordinha, hehehe

  3. Não vou assistir o vídeo, Izzy, eu confio na sua descrição…

    Só espero que isso seja um canal de humor. Quer dizer, humor voluntário onde o cara propositalmente age desse jeito pra fazer rir. Senão, eu desisto.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *