Hbdia
  • Feed do Hbdia
  • Twitter
  • Youtube

Sabe o que eu queria? Eu queria viajar mais

Postado em 25 August 2014 Escrito por Izzy Nobre 53 Comentários

Oi. Tudo bom? Tu cortou o cabelo? Tá bonito. Bem vindo de volta ao HBD. Obrigado pela preferência!

Vamos hoje falar de algo que eu queria muito fazer — e provavelmente você também. Eu queria viajar mais.

punta cana

Punta Cana, na República Dominicana. Uma paisagem ainda mais atraente considerando que daqui poucos meses estarei ENTERRADO em neve

Caralho, eu passei a noite inteira pensando em como escreveria esse texto, e agora sentado na frente do computador, me deu branco. Pera.

Ah, sim. Eu queria viajar mais.

Ultimamente venho pensando bastante em quais são, de fato, minhas prioridades nessa vida maldita que o Senhor McDonalds um dia vai sem dúvida findar. Completar meu curso, ser bem sucedido na minha carreira, ter os 1.1 filhos que famílias canadenses costumam ter, de acordo com este censo, comprar minha casa, etc etc etc etc.

Mas… às vezes eu sinto fortemente que eu preciso fazer algo a mais. Algo mais diferente da norma, algo mais aventureiro. Ver o mundo.

madeiras

Ilhas Madeiras, em Portugal

Eu leio blogs de caras que viajam bastante. O Tim, do Wait Buy Why (um dos MELHORES blogs de humor que eu já li na vida), está viajando por diversos países e escrevendo sobre a aventura. Não é nem a primeira loucura que o cara fez em prol de escrever um texto bacana — O post dele sobre 20 coisas que ele aprendeu na Coréia do Norte (sim, esse maluco foi lá mesmo) é hilariante e extremamente informativo.

Tem também o Chris Guillebeau (“Guilebô”, caso você esteja curioso), cujos escritos eu já recomendei aqui no HBD no passado. O cara é um problogger que escreve sobre viver de forma não-convencional, e uma das formas não-convencionais é que ele visitou literalmente todos os países do mundo. Admiro-o muito, embora críticos digam que os conselhos dele sejam às vezes vagos, às vezes óbvios.

Ele inclusive ensina como fazer isso de forma barata, se aproveitando de cartões de crédito que pagam milhas e usando-os pra pagar literalmente todas as suas despesas — evidentemente pagando o cartão completamente todo mês, senão em vez de viajar tu vai ser financeiramente arrombado com a intensidade de mil torcedores do Corinthians.

Vejo as fotos de suas viagens, as histórias sobre as pessoas que ele conheceu, e fico imensamente invejoso.

allure

Allure of the Seas, o maior cruzeiro do mundo. De acordo com a Wiki, ele é 50 milímetros maior que o segundo maior cruzeiro do mundo — uma diferença de pura tecnicalidade por causa de temperaturas ambientes diferentes durante as medições dos dois navios.

E a vontade de viajar não é simplesmente/necessariamente pra passar férias, não. Meio inspirado pelo Kerouac, pelos bloggers que citei acima, pelo Mr Manson (outro blogger viajante que foi ao Piauí e transformou a viagem num livro hilário), o que eu queria MUITO é meter meu iPad e minha câmera numa mochila e sair por aí escrevendo sobre o mundo. Há algo meio romântico na idéia do escritor errante e tal.

Agora, eis o dilema: se eu realmente tivesse culhões, eu poderia viajar a qualquer hora que eu quisesse. Ao contrário de pessoas que aspiram uma vida errante de aventuras ao redor do mundo, eu ocupo a rara e privilegiada posição de realmente poder fazer isso.

(Se eu tivesse culhões)

Estou no momento num hiato estudantil; só retorno ao meu curso em janeiro. Minha posição privilegiada no hospital me permite tirar férias praticamente em qualquer momento que eu quiser. E graças ao Patreon, eu não preciso necessariamente trabalhar num local fixo pra conseguir pagar minhas contas. Poderia — com alguma frugalidade — passar um mês inteiro viajando e escrevendo/fazendo vídeos sobre a aventura.

Isso sem contar que desde 2008 eu tenho uma poupança de emergência na qual JAMAIS toco. Com fundos de reserva, a ideia de viajar se torna ainda mais viável (embora este não seja o uso ideal pra esse tipo de pé-de-meia; idealmente, essa reserva é pra alguma catástrofe como perder o emprego ou coisa do tipo).

E pra facilitar mais ainda, eu sou desde 2012 um cidadão canadense. O perrengue tipicamente brasileiro de precisar pedir vistos pra viajar não me afeta.

O fator dificultante são dois, na real — o primeiro, o fato de que eu sou casado. Minha mulher não tem a mesma flexibilidade trabalhística que eu, e custear passagens/comida/hospedagem pra ambos estouraria o orçamento. Não é a toa que o Chris Guillebeau viajou o mundo inteiro sozinho, apesar de ser casado.

Admiro um casal que consegue fazer isso, mas eu e a Bebba somos muito próximos, e eu acho que não conseguiria realmente curtir a aventura sozinho. Eu e a Bebba somos o tipo de casal que mesmo que brigue furiosamente durante um dia ruim, à noite dormimos abraçados independente de qualquer coisa.

whistler

Lago Cheakamus, em British Columbia. Esse eu não tenho uma boa desculpa pra não conhecer, é relativamente perto de onde eu moro.

O outro fator é são os tais planos para o futuro. Eu tenho diversos conhecidos vivendo uma vida errante ao redor do mundo — uma amiga da minha esposa dando aulas de inglês na China, minha cunhada que vive como uma hippie 2.0, uma outra amiga que largou tudo pra ir morar na Austrália por um ano.

Uma constante entre essa turma é que eles não tem a menor idéia do que fazer no futuro, porque não estão acumulando nada financeiramente. Com isso, acabam sem nenhum plano de estudar, de comprar uma casa, nada do tipo. São aquele tipo de pessoa aventureira que vive “no momento”, um luxo que um homem casado de quase 30 anos não se pode dar.

E isso é o que mais pesa na minha já mencionada falta de culhão pra ir ver o mundo. Se eu torro, digamos, 2 mil dólares pra sair por aí com uma mochila nas costas documentando tudo pro meu site e pro vlog, são 2 mil dólares a menos pra investir (ando obcecado com a idéia de investir, a propósito — queria uma aposentadoria precoce pra passar minha meia idade brincando com meus futuros filhos); 2 mil dólares a menos pra pagar meu carro, ou a casa que eu ainda não comprei.

Ainda assim, a idéia de falar “foda-se”, socar tudo que preciso pra manter o site e o canal numa mochila (e talvez algumas roupas também, provavelmente também precisarei disso) e ir o mais longe possível de onde eu estou é muito, mas muito tentadora mesmo.

O que vocês acham, amigos?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe sua opinião aí. Você não tá fazendo nada mesmo!

comments

Categorias: Vida maldita

About Izzy Nobre

Oi! Eu sou o autor desta pocilga. Tenho 32 anos, também sou conhecido como "Kid", e moro no Canadá há 13 anos. Geralmente perco meu tempo na internet atualizando este blog, batendo papo no twitter, produzindo vídeos para o youtube, e conversando sobre videogames antigos no podcast 99 Vidas, e sobre notícias bizarras n'O MELHOR PODCAST DO BRASIL. Se você gostou deste texto, venha me dizer um alô! Adoro conversar com os leitores :)

53 Comentários \o/

  1. Vitor says:

    Eu não tenho a mínima vontade de viajar.

  2. Daniel says:

    Pô izzy, se você tá com essa vontade louca de sair por ai viajando, vá. Não digo pra largar tudo e simplesmente ir, mas faça.

    Pelo menos uma viagem, uma semana, algo assim. Converse com a Bebba, cheguem a um acordo, uma data legal para os dois, já que ela tem essa complicação de horário.

    Usando o seu mesmo exemplo de dois mil dólares, você consegue recuperar isso, de certa forma, em um mês, só com o patreon.

    Você, ao meu ver, tem uma carreira bem estabelecida e metas futuras. Mas convenhamos que as vezes a rotina e metas SEMPRE pro futuro cansam um pouco, não? É ai que eu te diria pra viajar! Respirar novos ares, novas culturas e pá. Tudo isso sendo gravado, ainda. Você prefere contar para seus filhos o dia em que ficou trabalhando no hospital enquanto queria viajar ou a semana que você foi para algum miolo de lugar na Europa e fez coisas externas a sua rotina?

    Enfim, minha mera opinião.

  3. Bryancosta says:

    Gosto muito de viajar sozinho apesar de ter 17 anos . meu sonho é um dia ser um cidadão americano , estudo muito para isso se torna realidade . A coisa que tenho mas medo não é eu não ter condição financeira , pode ser até idiotice oque vou falar agora , mas meu maior medo e não conseguir um visto por ser negro ,ou não ser respeitado no pais onde sempre me vi feliz . e onde começaria uma jornada de viagens .

  4. izzy nobre pirata says:

    E ae kid ‘ se você quer viajar viaga cara, melhor do que se arrepender depois

  5. Iverson says:

    Está esperando o quê Izzy?

    Acha que vai ficar mais fácil mais ou terá mais tempo daqui há alguns anos?

    Concordo que manter um estilo de vida errante seja incompatível para a maioria das pessoas, mas por que não tentar viajar sem ter que abandonar tudo. Viaje por menos tempo. Ou para locais mais baratos.

    Sou mais velho que você, (acho que mais gordo também) ainda faço faculdade à noite, trabalho 40h por semana e tenho uma filha de 2 anos. Gastei mais de 2 mil dólares só de passagens para passar 7 dias no Canadá (durante o Carnaval de 2015 minha família, e estou morrendo de medo de congelar). Se quer tanto viajar, agora é a hora.

  6. Caralho, acho que nunca comentei nessa merda !
    Mas esse texto me bateu bem numa hora FODA!
    Estou deitado no saguão do aeroporto de Barajas -- Madrid, esperando meu voo pra voltar pra casa (vulgo, Braziu)….
    Fiz a minha primeira viagem, um mochilao pela Europa, com meus 22 anos nas costas e a coisa que mais me grita na cabeça é… POR QUE NUNCA TINHA FEITO ISSO?!?
    Serio, viajar me surpreendeu como não achei que ia fazer… Vou tentar repetir doses semestrais com certeza!
    E você ainda vai hospedar um patrão no seu apt, porque sim.

    Sei la se me fiz entender, mas concluindo: VAI VIAJAR.

  7. Carmo says:

    Tenho vontade se sair e explorar o mundo,experimentar coisas novas e diferentes,aprender um pouco mais.Isso é um dos meus sonhos

  8. Caio Magalhães Bechtlufft says:

    Izzy,
    Tudo bem?
    Tenho um amigo que tinha o sonho de ir pegar onda no Havaí. Ele “era” casado (já viu que deu merda, né?). Um dia resolveu ir e deixou a esposa aqui. Passou umas duas semanas lá. Quando ele voltou, deu mais uns meses e o casamento entrou em crise irreversivelmente ! A esposa dele tinha arrumado outro.
    Não quero dizer que vai acontecer o mesmo com você mas nós, os casados, temos que ter cuidado com esse tipo de situação.
    Penso que se você se casa, tem que estar junto da pessoa. Não entendo esses casais em que, por exemplo, o marido viaja pra trabalhar em outro país para descolar uma renda melhor e fica anos sem ver a esposa.
    Quanto à questão da grana, penso como você. Também imagino no que posso ter deixado de investir mas viagens trazem experiências e recordações que só se conseguem vivendo a situação.
    Bom, espero que a Bebba qualquer hora dessas consiga uma folga no trabalho e vocês possam viajar um bocado.
    Abraços.

  9. IBG says:

    Acho foda, Izzy. 2 mil dólares não é tanta coisa assim que vá fazer você se arrepender. Mas sei lá, né. Fala com alguém mais velho (seu pai, sua mãe) vê se eles tem algum conselho ou alguma dica boa.

  10. Hawk says:

    Odeio viajar.

  11. Neto says:

    Gostaria de conhecer o leste europeu. Vc desenterrou o finado cocadaboa, o melhor site de boatos da internet!

  12. nathalia says:

    Um cara falou o mesmo ali em cima e eu retifico,

    Você já viajou obviamente na vida, mas não sei o quanto para puro turismo. Embora viajar um mês seja totalmente difernte de viajar um ano, é uma boa para ter uma ideia do que é viver assim.

    Eu estou fazendo intercâmbio na europa, e em qualquer feriado e férias, aproveitei para viajar (e antes que venham falar eu ia nas aulas, fiz td que deveria fazer mimimi). Te digo que é uma das melhores coisas do mundo! Se quer testar sem gastar tanto, vai ai perto primeiro!

    Ou arregaça e passa um mês com a esposa na Europa. Ai você experimenta como é ficar em hostel, a vida de mochilar, etc, é o jeito que vc teria de viajar sem economizar. E lembre-se também do Couchsurf, você conseguiria fazer amigos e conhecer as cidades com uma visão diferente do turista! E a sua esposa também curtiria.

    Ou caso queira algo mais exótico e barato (não contando as passagens), vá pro sudeste asiático. É tudo mais em conta lá, acomodação, comida, passagens internas… É outro esquema, na europa hostel é arrumadinho se vc procura bem (Hostelworld é o site que usei), no sudeste já é mais diferente, minha prima foi, de qualquer maneira, e achou muito bom.

    Na Europa eu recomendaria muito ir pro leste europeu, foi meu primeiro mochilão. O idioma não é uma barreira, e as coisas são mais baratas! Além de que é bem diferente, e menos cheio do que o basicão Paris, Londres, etc. Se quiser posso te falar mais coisas… os caras dos blogs ai também são muito bons, nunca que sou mais experiente que eles, mas bem haha.

    • Izzy Nobre says:

      Pra TURISMO mesmo, eu acho que eu nunca viajei na vida. Sério. Ir pro Brasil pra ver amigos e família não é exatamente o que eu considero turismo.

      • nathalia says:

        Então, tu precisa ver como é primeiro! Eu antes achava que conseguia passar uns 6 meses viajando sem destino, ai fiquei 3 semanas e vi que é um limite pra mim! Gosto de viagem, mas gosto também de voltar pra casa e descansar por um tempo… acabei de chegar de uma, e passei um dia inútil. Recomendo testar a situação primeiro, porque viajando assim sem rumo, é outra coisa. É hostel, lavar roupa em máquina muquifa, dividir quarto com gente que tá em outra vibe, ficar cansado… é intenso, mas cara, é muito bom.

        Tenta primeiro tirar um feriado prolongado, quatro dias. Eu faço isso bastante. Ve algum lugar no Canadá que você possa ir de carro/onibus/trem, procura um hotelzinho legal, e já que você é fissurado em gadget… eu costumo usar apenas dois aplicativos, Google Maps e Trip Advisor (ele é bom porque você cria seu mapa de viagem, e depois de um tempo vc quer é completar mais e mais), as vezes o Xcurrent, quando viajei pra paises de moedas estranhas. Procura o que tem de legal no trip, restaurantes que se enquadrem no seu budget, e se divirta. Deixa o mosquitinho da viagem te picar, mas só toma cuidado porque não tem cura.

  13. Ismael Junior says:

    Porra, para de entupir o sofá da tua sala e vai pra sala alheia!!
    airbnb.com
    VAI LOGO!!

  14. Vitor de Sá says:

    Viajar é a melhor coisa que podes fazer nessa vida, elas vão te mudar. Imagina quanta coisa há pra se ver e aprender. Queria eu ter condições financeiras pra poder conhecer o mundo, é meu sonho desde a infância.
    E tu que tens as melhores condições do mundo pra fazer isso, ta esperando o quê?
    Nem que seja por pouco tempo, e pra um lugar relativamente perto, vale muito a pena conhecer coisas novas.

  15. Valeria Paz says:

    Eu até entendo o “falta de culhões” e tals, mas…quantas vidas você têm?
    Sério, só pense nisso por um momento.

    “30 anos” é ainda muito jovem. E acredite, quanto mais velho você ficar, menores são as chances de uma “loucura” dessas acontecer.

    Essa parada de “pé-de-meia” é legal, mas deixar de viver o hoje pensando na vida de amanhã é loucura. Encontre o meio termo e viaje! Você só tem uma vida, cara. 🙂

  16. kkrico says:

    Cara, você se lembra no M.I.B. que tem um universo inteiro no cordão do gatinho lá? Enfim, já parou pra pensar na INFINIDADE de coisas legais que tem perto de você(da sua residencia no caso, em uma raio em média de 300km?).

    Vou usar meu exemplo. Moro em Sobradinho, DF. Uma cidade satélite a 20km de Brasilia. NUNCA sai de brasília, por causa de uma gama de fatores. Depois que comprei minha primeira moto (moto dá uma liberdade foda btw) percebi, de certa forma, a quantidade de coisas fodas bem pertinho. Um universo de coisas fodas.

    Após a compra da minha motinha (s2 eu e ela), fiz uma trilha no Itiquira (90km da minha casa e maior queda de água do centro oeste), conheci varias cachoeiras em brasília (próximas da minha casa em torno de 15, 30 km) e aproveitei, pela primeira vez, vários pontos turísticos daqui.

    Um outro exemplo: fui neste final de semana pela primeira vez na ermida dom bosco. É até meio ridículo, nasci e cresci em Brasilia e nunca havia ido lá. Eu e uns brothers (da época da escola inclusive) “fizemos” um arroz (observem aspas no arroz), compramos um frango, bebemos umas biras e fomos aproveitar lá. Não deve ter dado 100 reais pra 6 pessoas se divertirem por uma tarde toda.

    Ou seja, descobri que pra viajar, a viagem começa dentro da gente. Surge da vontade. Deve ter algo próximo. Que tal pegar a mulher e dar um role pra um lugar novo em que ela simplesmente não tem ideia?

    Espero que lhe ajude de ajudar forma.
    Abraços! 🙂

  17. Nícolas says:

    Você tem vontade de voltar para o Brasil Izzy ? Digo, voltar para cá pra morar mesmo.

  18. Angelo Jr says:

    Cara, dá uma volta pela Europa, dá pra fazer um mochilão legal por lá! Ou mesmo canadá, anda um pouco por essa terra que te recebeu!

    Road trip destino EUA tmb seria massa, que tal flórida ou califórnia?

  19. Conrado says:

    Acho que você e outros que postaram aqui vão querer ler isso:

    http://nomadesdigitais.com/comece-por-aqui/

    …e aproveitando a deixa, eu queria muito que você escrevesse ou gravasse sobre isso, heheh:

    http://meiobit.com/294169/emdrive-shawyer-engine-nasa-comprova-propulsor-anteriormente-impossivel/

    Seria foda ler textos seus viajando por aí, mas realmente isso é uma coisa que tem que ser acertada com a sua muié antes. Mas ao invés de pensar que você não pode colocar esse plano pra frente por causa da falta de flexibilidade dela, melhor começar a bolar um plano pra que ela também consiga ganhar dinheiro usando a Internet, não acha?

  20. Leonardo says:

    Você fala como se viajar envolvesse uma interrupção da vida por meses… cara, dá para viajar num feriado prolongado e se divertir pacas! Eu mesmo fui para Puntacana num sábado e voltei segunda -- isso em fevereiro, quando estava -20C no lugar onde eu morava (fica a sugestão para o inverno canadense; todavia o baque psicológico no retorno é muito forte)

  21. Lucas Oliveira says:

    Eu tô pedindo demissão do meu emprego e minha noiva ídem pra irmos fazer um intercâmbio de um ano na Austrália. Tenho dinheiro pra passar 5 meses, o resto vou ter que me virar trabalhando por lá.

    Se estou preocupado com isso? Não, a gente dá um jeito.
    Queria poder ficar lá o resto da vida, mas caso não aconteça, volto ao Brasil e me reemprego rapidamente.

    Na PIOR das situações, ficarei um ano morando num país de primeiro mundo, conhecendo outra cultura, melhorando meu inglês e tendo histórias para contar pros meus netos. Terei perdido “um ano financeiro”, vou demorar um ano a mais pra comprar minha casa, meu carro e me casar.

    Imagina se tudo ocorre bem então…

    É isso que penso. Se você tem a oportunidade, faça, se não depois você fica se lamentando.

    • Davi says:

      Mas, veja o lado dele, já mora em país de primeiro mundo, já tem a comodidade que você procura. Para você, e para mim também, é bem viável fazer isso, pois além da bagagem cultural tem o inglês, que é bem visto no Brasil, mas para o Izzy é apenas uma viagem de 1 ano num país igual ao dele, é um ano ‘perdido’.

  22. Vinicius says:

    Eu tenho vontade de conhecer o Canadá, mas fiquei desanimado ao saber que em média custa quase R$ 6.000 pra passar um mês. :/
    PUTA QUE PARIU

  23. Olá Izzy! (Acho que já te ouvi em algum podcast da vida). Em 2011 eu tava mais ou menos nessa. Tinha uma namorada, um carro, SKY, cortina, ar condicionado e um emprego de professor que me garantia uma boa grana. Mas aí começou a bater uma inquietação e em janeiro de 2012 eu estava dando aulas de português em Medellín, Colômbia. Depois de 5 meses lá, vim para Portugal trabalhar de tradutor e daqui já viajei prum monte de lugares. Não sou daquele tipo de pessoa que diz frases no imperativo como “saia da sua zona de conforto”, aliás sou contra isso, principalmente porque pude constatar que a decisão de deixar uma vida estável em Fortaleza em nome de uma vida em que a única constante é o provisório me rendeu bons e maus frutos, da mesma forma que seria se eu tivesse ficado. Então não acho que tenha um certo ou um errado a fazer. Ficar pode ser tão massa quanto ir. No momento em que eu visitava Alhambra, a maior construção árabe dentro da Europa, em Granada, um amigo meu acabava de ser pai. Foram ambos momentos foda, mas eu só pude viver o meu porque vim embora e ele só pôde viver o dele porque ficou. Há quem consiga conciliar, quem não precise abdicar de nada, mas acho que são poucas pessoas, a maioria tem que fazer escolhas e, como em toda escolha, acaba-se perdendo algo em nome do que se vai ganhar.

  24. Caio Dias says:

    Se você encarar as viagens como investimentos na sua vida, ficará mais fácil decidir. Afinal você não vai simplesmente torrar $ 2k, Você estará investindo em experiências e momentos a serem vividos.

    Durante muitos anos ter uma Kawasaki Ninja foi meu sonho, consegui realizá-lo em 2011, passei a viajar todo final de semana por até 300km ao redor da minha cidade onde vivo. Até fiz uma viagem de 615km uma vez, porém só voltei 4 dias depois. Entretanto em 2013 meus planos mudaram e preciso de grana, acabei vendendo a moto por muito menos do que comprei e sem contar a grana que gastei com manutenção e viagens. Sei que “torrei” uma grana como você pode imaginar, porém vejo como investimento em prazer pessoal (gosto de viajar de moto) e experiências, vi paisagens, curti momentos, curti estradas, passei por alguns problemas, conheci pessoas, conheci cidades…

    Agora parto para o próximo sonho e estou juntando grana porque esse é bem maior do que a moto. Sinto bastante falta das viagens e de ter a moto para curtir sempre que quiser, mas o investimento agora é para realizar o próximo sonho.

  25. Guilherme says:

    Sente só a viagem que esse casal está fazendo junto, Izzy: http://www.avioesemusicas.com/volta-ao-mundo-de-trike.html

  26. ugo says:

    Caralho, e eu achava que o hbdia era maneiro! Olha esse WaitButWhy, bwhahaha!

  27. Xexelentinho says:

    Eu tinha essa vontade com vinte e poucos anos, mas depois passou. Na época quis fazer o famosinho Caminho de Santiago apenas pela aventura de andar centenas de kilometros vendo belas paisagens. Foi o meu sonho de consumo em matéria de turismo.

    Hoje tudo o que eu preciso é de uma internet veloz, sexo de vez em quando, comida engordurada que libere endorfina na minha corrente sanguinea, e uma vida virtual em algum mmorpg.

    Acho que fiquei velho antes da hora. Ou nasci velho e com um tijolo no lugar do coração.

  28. Davi says:

    Izzy, porquê você não experimenta, antes de viajar a esmo, sem compromisso de ser viajante? O que quero dizer, não precisa largar tudo pra virar um peregrino selvagem da cidade. Assim como sua mãe te ensinou a andar de bicicleta, você antes vai com rodinha para não cair. Faça viagens durante uma férias suas, pois ainda terá emprego e casa e mulher quando voltar, vê o que acha, talvez você se satisfaça com 3 semanas por ano viajando.

  29. Bruno Alexandre says:

    Joga sazorra pro alto e sê feliz!! KKKKKKKK

  30. gustavo says:

    Cara, não precisa ir longe. Pega o carro e vai pra Vancouver, de lá é um pulo ir pra Seattle. Num fim de semana prolongado igual este dá pra ir e voltar tranquilo. Se quiser estender um pouco mais, dá pra passar pelas rochosas do lado americano e voltar pra Calgary por Montana.

    Só tem q tomar cuidado com a temperatura, pq andar pelas montanhas na neve, em carro com tração traseira, é tenso.

  31. Alexandre says:

    “A vida é uma visão momentânea das maravilhas deste assombroso universo.” C.S.

    Se você tem condições de realizar este sonho, já deveria ter realizado. No futuro vai sobrar tempo para curtir com seus filhos, agora a oportunidade de viajar o mundo e documentar é algo realmente singular, uma forma de realização pessoal inestimável.

    Se eu fosse você a esta hora já estaria formulando meu itinerário.

  32. Gabriel Caldas says:

    Izzy, admiro seu trabalho e tenho vontade de contribuir sendo seu patrão. No entanto, sou um pobre estudante universitário que não tem muita grana, dai fica dificil qualquer coisa… Mas enfim: Esta é apenas uma ideia que me ocorre, mas se uma parte dos fundos do Patreon fossem destinados a uma reserva para uma viagem?? Afinal, este projeto seria voltado para, assima de tudo produzir conteudo para nós, leitores. Aposto que numa aventura de 20~30 dias, sem rumo, apenas vivendo a espreita do amanhã renderiam muitas histórias para o canal e o site. Enfim… é a penas uma idéia, mas vale considerar, né?! =)

  33. Bruno Monteiro says:

    Mais um voto para : VAI LOGO, CARAI!!

    Hahaha sério!

    Estava nesse mesmo dilema de querer viajar mas com uma série de desculpas na ponta da língua para me freiar. Estou noivo, prestes à casar, economizando para comprar apartamento, pagando o carro, não tinha nem passaporte, sem possibilidade de tirar férias, etc etc. PORÉM, depois de muito planejar e conseguir conciliar tudo, acabo de comprar nossas passagens (minha e da minha noiva) para passar 1 mês em paris/bruxelas/amsterdam.

    É carinho, mas acredito que não poderíamos ter investido em nada mais gratificante no momento. Toda vez que olho o débito do valor das passagens a única coisa que consigo pensar é que essa experiência vai valer cada centavo.

    A pior parte vai ser aguentar até maio do ano que vem, data que viajaremos (deixamos pra maio para poder pegar o tempo da primavera e visitar os campos de tulipa de amsterdam).

    Por hora vou “Viajando na viagem”, como diria o Ricardo Freire (http://www.viajenaviagem.com/), montando itinerários, pesquisando passagens de trem, procurando apartamentos no airbnb, lendo sobre a história dos lugares que queremos visitar, lendo blogs da galera que mora por lá onde você encontra literalmente TODO tipo de informação (desde quanto custa a batata-frita belga até que tipo de roupa usar na primavera na Holanda). Acho que tudo isso faz parte da viagem também. 😉

    Não vejo a hora!!

  34. Luiz Pierotti says:

    Sabe, Izzy, eu compreendo o que você diz. E o que eu quero dizer é exatamente sobre o que você disse da tal “responsabilidade” de tentar manter as rédeas da sua vida (principalmente financeiramente) por não saber o dia de amanhã. Talvez isso seja só uma convenção social à qual nós fomos habituados, muito ligada até mesmo a tal “corrida dos ratos” (termo bem conhecido ai pela américa do norte). Será que é disso que precisamos mesmo? De um controle e uma segurança impecável em nosso futuro, mesmo sabendo que a segurança nunca vai existir porque nunca nos tornaremos seres completamente inertes? Acho que o ponto principal de questionamento segue a linha da tal incerteza do futuro, mas com uma conclusão inversa: se sua vida desse uma merda amanhã, algo que modificasse sua vida de forma irremediável (pense em situações trágicas mesmo), você se sentiria melhor por ter acumulado coisas que talvez não façam tanto sentido assim frente à uma perda, ou se sentiria feliz por ter aproveitado de fato sua vida, adquirido experiências suficientes para dizer com segurança que você aproveitou o tempo que te foi dado? Foi pensando nisso que modifiquei um pouco meus padrões e agora em setembro, irei fazer uma viagem sozinho com a patroa cruzando de carro a California e Nevada. A nossa única certeza é o agora, né? Lembre-se que a expectativa do futuro é o “paraíso divino” do materialista. Abraço.

  35. Chell says:

    Acho que você pode tentar se programar para poupar + pagar uma viagem pelo menos uma vez por ano com sua digníssima mulher. Acho que isso já vai te fazer mais contente =D

  36. Carlos L says:

    Cara, tive esse mesmo desejo ha alguns anos e sigo uma receita simples que copiei de um professor na faculdade: um budget anual pra viagem, todo mes guardo uma porcentagem do salario pra que todo ano eu possa viajar pra um pais que nao conheco.

    Outro beneficio que voce nao citou e’ o fato de voce (eu tambem) ganhar em uma moeda forte, nao precisa juntar uma fortuna enorme pra passar 2 ou 3 semanas em qualquer parte do mundo a cada 12 meses.

    Ate mais.

  37. Ricardo Catelli Filho says:

    Cara, não são 2 mil dolares de investimento perdido.
    Pense que com um conteúdo diferenciado desses no seu site, a gama de leitores do seu site/vlog expande e aumenta sua lucratividade. Pode ter diferentes empresas querendo te patrocinar (como Submarino Viagens, que está investindo bem nisso) e etc.

    😉 pense nisso

  38. Marle says:

    Izzy, me vi um pouco nesse texto.

    Nunca fui de viajar muito quando mais nova, ia só visitar familiares, tanto que conheço poucas cidades no geral.

    Em 2011, finalmente saí do Brasil, fui para Buenos Aires e me apaixonei. Nesses 3 anos, conheci Santiago do Chile, Paris, Brugges, dei um pulinho em Curitiba ano passado, que nunca tinha ido e fui mais 2 vezes pra Buenos Aires.

    Pra completar, ainda mudei de cidade esse ano, depois de quase uma vida inteira morando no mesmo lugar! Achei que eu nunca fosse reunir forças pra isso, mas um conjunto de fatores acabou me motivando.

    Quero ainda viajar muito mais, não só internacionalmente, mas aqui no Brasil também! Tem uma infinidade de cidades e estados que gostaria de conhecer. Meu sonho é fazer aquelas viagens cruzando diversas estradas, bem road trip mesmo, passando por interiorzão, sertão, etc.

    Descobri também, como alguém mencionou ali em cima, que não necessito de um tempo absurdamente grande viajando. Em duas ou três semanas, sinto muita falta do meu lar. Preciso voltar e recarregar as baterias pra começar tudo de novo.

    Creio que, com uma ou duas semanas, você já consegue tirar férias e ir conhecer algum lugar bacana, Izzy. Não precisa interferir assustadoramente no pé de meia.

  39. Artur says:

    Velho, pq você não alcanca o meio termo e usa esse espirito indiana Jones em descobrir locais não tão longinguos. Viagens que você possa sair na sexta a noite e voltar ao domingo. Por mais que pareça não tão glorioso quanto dar a volta ao mundo esse tipo de viagem da muita satisfação. Se for adepto de trekking ainda melhora sua saúde

  40. Ale says:

    Oi, Izzy. Ando lendo seu blog faz um tempo, mas nunca tive coragem de escrever algum comentário, porém me identifiquei com esse porque era EXATAMENTE o que eu pensava há alguns meses. Consegui me formar e ganhar muito bem para os padrões brasileiros (ainda mais morando no nordeste), tinha um bom namoro, carro e tudo isso com apenas 27 anos. Mas aí eu sentia que faltava algo, meu namoro começou a ir mal porque eu sem querer o culpava de abrir mão de certas coisas e não estava produzindo no trabalho. Resultado: tanta dedicação ao namoro e levei um pé na bunda; o trabalho já está demitindo muita gente, entre outras coisas. Resolvi largar tudo e passar 1 ano fora. Para uma quase 30, vi que certos conceitos sociais não condiziam comigo, que eu precisava ver outras coisas para usar no meu dia-a-dia, na minha profissão e tudo mais. Então, pegue a Bebba e se joga, isso vai fazer bem aos dois. Vocês são novos e esse dinheiro guardado aí, você com certeza recupera depois. Vai ser complicado se desprender, mas são “coisas”. Ou só programa as férias com ela mesmo pra outros lugares. Sempre digo que não se gasta dinheiro com viagem, se investe. Tudo o que falaram aí nos comentários acima faz sentido, até um fim de semana longe de casa renova tudo. Você não será um hippie por largar algo durante um curto espaço de tempo (em comparação ao resto da sua vida) por fazer algo que você deseja tanto. Espero ter ajudado.

  41. Angelo Moreira says:

    Lhe entendo. Tenho os mesmos sonhos, tanto os de sair pelo mundo em uma aventura quanto os de ter alguma estabilidade , casa filhos e etc…